Há 136 anos, em 18 de abril de 1882, nascia Monteiro Lobato. Para homenagear o autor, que inspirou a criação do Dia Nacional do Livro Infantil, selecionamos 10 obras que marcaram a infância de muitos leitores

Maria Fernanda Rodrigues, no Estadão

No Dia Nacional do Livro Infantil, criado em homenagem a Monteiro Lobato, que nasceu no dia 18 de abril de 1882 e foi um dos principais nomes da literatura infantil brasileira, selecionamos 10 livros (há muitos e muitos e muitos outros) que marcaram a infância de pequenos leitores país afora.

1. Ou Isto ou Aquilo, de Cecilia Meireles

“Ou se tem chuva e não se tem sol, / ou se tem sol e não se tem chuva!”… Lançado originalmente em 1964, o livro de Cecilia Meireles que traz ainda poemas inesquecíveis como O Último Andar, As Meninas e A Bailarina marcou a infância de muitas gerações de pequenos leitores – e foi ganhando, ao longo dos anos, novas edições com diferentes ilustrações.

2. Flicts, de Ziraldo

Um livro para mostrar que há lugar para todo mundo no mundo – e para todas as cores, inclusive para Flicts que não consegue se encaixar no arco-íris. Primeiro livro infantil de Ziraldo, ele foi publicado em 1969 e segue entre os mais lidos do autor de O Menino Maluquinho.

3. O Menino Maluquinho, de Ziraldo

De 1980, O Menino Maluquinho virou história em quadrinhos, livro de piada e filme e é a obra mais conhecida de Ziraldo. É a história de um menino levado que apronta todas em casa e na escola.

4. Marcelo Marmelo Martelo, de Ruth Rocha

Outro personagem inesquecível, Marcelo também encanta leitores desde 1976, quando Ruth Rocha lançou a história do menino que trocava o nome das coisas. O volume traz ainda outras duas histórias: Teresinha e Gabriela O Dono da Bola e originou novas histórias protagonizadas pelo garoto.

5. Bisa Bia, Bisa Bel, de Ana Maria Machado

Delicado livro sobre a relação entre uma menina e a bisavó que ela não conheceu. Foi publicado por Ana Maria Machado em 1980 e ganhou várias edições desde então.

6. A Bolsa Amarela, de Lygia Bojunga

E lá se vão mais de 30 edições do livro publicado por Lygia Bojunga em 1976 e que virou um dos clássicos infantojuvenis. Conta a história da menina que guardava, nesta bolsa amarela, a vontade de crescer, de ser garoto e de se tornar escritora.

7. Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato

Depois de publicar Narizinho Arrebitado em 1920, Monteiro Lobato lança, em 1931, Reinações de Narizinho, obra que seria seguida por outras histórias situadas no Sítio do Picapau Amarelo, que ganharam adaptações para a televisão, foram alvo de disputas entre editora e herdeiros e entra em dom

8. A Droga da Obediência, de Pedro Bandeira

Para crianças mais crescidas, A Droga da Obediência é lido em escolas desde seu lançamento, em 1984. Este é o primeiro livro da série Os Karas, em que os amigos Miguel, Chumbinho, Calu, Crânio e Magrí investigam crimes, e que foi revivida por Pedro Bandeira em 2014 no livro A Droga da Amizade.

9. Sapo Vira Rei Vira Sapo, Ruth Rocha e músicas de Chico Buarque

Um livro com disco! Este é um dos três títulos de Ruth Rocha sobre reis. Na história, um sapo vira rei e se revela um rei mandão e autoritário, trazendo a tona questões que continuam atuais, como poder, verdade e democracia. Nos anos 1980, a história integrou a Coleção Taba, da Abril. Os fascículo vinha com um livro ilustrado e um disco, onde se ouvia a história narrada e músicas criadas para a edição – neste caso, as músicas eram de Chico Buarque. Com Nara Leão, Jane Duboc e Ronaldo Mota e a música A Banda.

10. Coleção Reino da Fantasia

Dos anos 1970, a coleção Reino da Fantasia, lançada pela Record, conquistou leitores ainda nos anos 1980 e depois sumiu. Traz histórias como Três Gatinhos, A Pequena Vendedora de Fósforo, Peter Pan, Alice no País das Maravilhas, Cachinhos de Ouro e O Pássaro Azul.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments