Combo de hambúrguer e batata-frita da Creator: hamburgueria abriu as portas há um mês, com uma proposta inovadora para o fast food (Creator/Divulgação)

A hamburgueria Creator, operada por robôs, encontrou uma boa forma de manter seus funcionários ocupados: a leitura educativa

Mariana Fonseca, na Exame

São Paulo – Lembra daquela história de que os robôs irão tomar empregos, especialmente os mais operacionais? Na Creator, uma hamburgueria de São Francisco (Estados Unidos), o conto virou parcialmente realidade. Um robô de mais de quatro metros usa sua inteligência para produzir 120 sanduíches por hora. Mas isso não significou o fim dos empregos humanos. Pelo contrário: agora, os funcionários recebem também para fazer cursos online e lerem livros educativos.

Nem sempre Alex Vardakostas, criador da hamburgueria, teve esse plano. Inclusive, no longínquo ano de 2012, quando o negócio ainda se chamava Momentum Machines, ele afirmou que “[nosso equipamento] deve servir para remover os funcionários completamente”, de acordo com o Business Insider.

Após oito a nove anos de desenvolvimento e muitas especulações sobre o fim do trabalho para adolescentes, a Creator abriu suas portas há um mês, com um posicionamento bem mais no estilo do Vale do Silício. “A ideia de não ter de falar com ninguém me parece distópica”, corrigiu-se Vardakostas para a Forbes. “Estamos em um ponto no qual realmente acreditamos que você não pode automatizar a criatividade e a interação social humanas.”

A máquina-chef da hamburgueria Creator, de São Francisco (Creator/Divulgação)

As duas máquinas, com produção total de 240 hambúrgueres por hora, focarão em processos que os humanos não poderiam fazer melhor. Por exemplo, eles usam sensores para determinar a temperatura ideal para cada hambúrguer; fazem um processo de moeção difícil de reproduzir apenas com as mãos humanas; e conseguem cortar vegetais milimetricamente.

Enquanto isso, os funcionários devem se concentrar em tarefas mais complexas, como ajudar o cliente na hora de pensar no pedido ideal. Os benefícios aos funcionários estão mais para Google do que para fast food: cursos grátis na plataforma online Coursera e 5% da jornada de trabalho dedicada à leitura de livros educacionais, que podem ser colocados na própria lanchonete da Creator.

Espaço da hamburgueria Creator, com livros nas prateleiras (Creator/Divulgação)

O salário dos funcionários é de 16 dólares por hora (na cotação atual, cerca de 50 reais). Mas Steve Frehn, cofundador da Creator, afirma que alguns funcionários podem aproveitar oportunidades de trabalho a partir do seus convívios com as máquinas-chefs. “Neste momento, se você está se candidatando a um curso superior, você pode não colocar seu trabalho em um restaurante de hambúrgueres no currículo. Mas seria bem legal colocar que você trabalhou na Creator, e é assim que nós sabemos que fizemos um bom plano de carreira”, completa Vardakostas.

Com menos gastos na produção dos hambúrgueres e com aluguéis de espaços grandes para a cozinha, a Creator consegue cobrar seis dólares por seus hambúrgueres, em linha com o cobrado na gigante McDonald’s. Cerca de 40% dos custos da Creator vai para os ingredientes, incluindo iguarias como a ameixa japonesa umeboshi e o molho francês aioli feito com ostras defumadas. Com ingredientes gourmet e atendentes intelectuais, a Creator alcança o feito de concorrer, ao mesmo tempo, como hamburgueria mais tecnológica e mais hipster de São Francisco.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments