Tendência. Nos EUA, 47% dos usuários de audiolivros usam o celular para ouvi-los, o que deve se repetir no Brasil

 

Preço normal é R$ 20, em média, mas lançamento tem até por R$ 5

Publicado em O Tempo

São Paulo. Seis meses depois de disponibilizar o serviço no exterior, o Google lançou no Brasil, nesta semana, seu serviço de audiolivros. O Google Play Livros já existe desde janeiro em 45 países, onde concorre com o Audible, plataforma semelhante da Amazon. O serviço estreia no Brasil com 2.500 títulos e, diz o Google, mais de cem editoras. As grandes casas editoriais que aderiram à plataforma até agora são cinco: Globo Livros, LeYa, Record, Ediouro e Rocco.

Entre os títulos disponíveis estão livros como “A Garota no Trem” (Record), de Paula Hawkins; “Ansiedade – Como Enfrentar o Mal do Século” (Saraiva), de Augusto Cury, e “Um Legado de Espiões”, de John Le Carré, entre outros.

O tempo que dura a escuta de cada livro não varia só com o número de páginas, mas depende da leitura de cada narrador – e ainda há um recurso que permite acelerá-la ou retardá-la. O livro de Le Carré, por exemplo, tem 252 páginas e 11 horas de áudio. “A Garota no Trem”, por sua vez, com 378 páginas, demora 10 horas e 59 minutos.

O serviço funciona tanto em celulares com sistema Android quando iOS (usado em aparelhos da Apple). No primeiro, via o aplicativo Google Play ou o Google Play Livros. Nos aparelhos Apple, só com o segundo – mas não é possível fazer compras dentro do próprio aplicativo. O usuário precisa escolher seus livros no computador e usar o app para baixá-los.

Ainda pequeno no Brasil – e funcionando em pequenas startups como a Ubook –, o mercado de audiolivros surpreendeu no Estados Unidos. De acordo com os dados mais recentes da Audio Publishers Association, as vendas de audiolivros em 2017 renderam um faturamento de US$ 2,5 bilhões – uma alta de 23% em relação a 2016.

Andrea Fornes, diretora de parcerias de produto para notícias e livros do Google na América Latina, explica por que o serviço brasileiro não foi lançado no começo do ano, junto a outros países: “As editoras ainda estão começando a trabalhar com essa linguagem. Não tinha um catálogo muito grande, esperamos o número crescer para poder sair com uma oferta mais atraente”, diz.

Ela afirma que, para o segundo semestre, a expectativa é que o catálogo cresça o mesmo que cresceu de janeiro até aqui. Para formar o catálogo disponível, o Google faz negociações principalmente com agregadores que já atuam há alguns anos nesse segmento no Brasil – caso da Ubook e da Tocalivros. Essas duas empresas têm serviços próprios, mas só oferecem audiolivros sob regime de assinatura – não é possível comprar obras individuais em suas plataformas.

Uma tendência norte-americana que o Google imagina se repetirá aqui é o uso dos smartphones para a escuta dos livros. Lá fora, ainda de acordo com os números da Audio Publishers Association, 47% dos usuários dizem usar seu telefone para isso – em 2015, esse número era de 22%.

No lançamento, o catálogo de audiolivros terá obras que custarão menos de R$ 5 – depois, com preços normais, a média de preços é cerca de R$ 20.

A Amazon já prepara a chegada do Audible ao país há pelo menos dois anos, quando vagas de emprego para o serviço foram anunciadas no Brasil – uma consulta no site da empresa com anúncios de trabalho mostra que elas não estão mais abertas, o que sugere que podem ter sido preenchidas.

 

Mercado. Criado em 2014, o Ubook é o maior aplicativo de audiolivros por streaming da América Latina. São mais de 15 mil títulos no catálogo, entre livros, revistas, podcasts, cursos e palestras.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments