Um Ano Inesquecível

bibliotecas

Como a Biblioteca de Bagdá se prepara contra o Estado Islâmico

0

3d15

Publicado no Blog do Galeno

As prateleiras mal iluminadas e escurecidas pelo pó da Biblioteca Nacional de Bagdad escondem um tesouro de papéis enrugados que contêm crónicas verdadeiras de sultões e reis, imperialistas e socialistas, ocupação e libertação, guerra e paz.

São as crônicas originais da rica e tumultuosa história do Iraque – e agora há bibliotecários e acadêmicos em Bagdad a trabalhar a um ritmo frenético para preservar o que delas resta após as perdas ocorridas durante o auge da invasão liderada pelos EUA.

Quando os militantes do Estado Islâmico desencadearam o ataque à história e à cultura do Iraque, incluindo a livros e manuscritos insubstituíveis na cidade capturada de Mosul, um enorme projecto de preservação e digitalização foi posto em curso na capital para salvaguardar um milénio de história.

Em câmaras escuras situadas nos bastidores da biblioteca, os empregados recorrem a uma iluminação especial para fotografar alguns dos manuscritos mais preciosos. Mazin Ibrahim Ismail, chefe do departamento de microfilmes, disse que estão a testar o processo com documentos do Ministério do Interior do último monarca do Iraque, Faisal II, que governou o país entre 1939 e 1958.

“Assim que o restauro de alguns dos documentos mais antigos da era otomana, de há 200-250 anos, tiver sido completado, começaremos a fotografá-los para microfilme”, disse Ismail. O responsável disse também que os arquivos digitais, que não irão ficar imediatamente acessíveis ao público, servem sobretudo para garantir que os seus conteúdos sobrevivem a ameaças futuras.

O processo de restauro não fica aquém da microcirurgia, e o tipo de dano sofrido por cada documento conta uma história – e constitui um quebra-cabeças – em si mesmo. Alguns manuscritos estão rasgados pelo uso e pela idade, outros estão queimados ou manchados devido a ataques ou sabotagem. Há alguns que ficaram completamente fossilizados pelo tempo – o resultado combinado de humidade e temperaturas abrasadoras –, parecendo grandes pedras escavadas da terra.

“Estes livros são os mais difíceis de restaurar”, diz Fatma Khudair, a funcionária com mais experiência do departamento de restauro. “Aplicamos vapor com uma ferramenta especializada para tentar dar folga e separar as páginas.”

“Por vezes conseguimos salvar esses livros e depois aplicar outras técnicas de restauro, mas noutros casos os danos são irreversíveis”, acrescenta. (mais…)

Fundação lança primeira biblioteca on-line para cegos do Brasil

0

leitc

Publicado em Folha de S.Paulo

A Fundação Dorina Nowill para Cegos, de São Paulo, lançou em agosto a primeira biblioteca on-line para pessoas com deficiência visual do Brasil.

Até o final do ano, o acervo deve ter cerca de 4.500 títulos, sendo 700 deles dedicados ao público infantil. Para se ter acesso ao conteúdo, que é gratuito, é preciso fazer o cadastro no site.

As obras estão disponíveis em três formatos diferentes. O primeiro é o livro falado, em que um narrador lê toda a história em voz alta. O segundo é o chamado livro digital Daisy, que tem alguns recursos para facilitar a navegabilidade, como ampliação de tela, soletração e busca de palavras. E o terceiro é o livro em braille –o arquivo é adaptado para a impressão com pontinhos em alto relevo.

O formato de cada livro é definido de acordo com o seu gênero: quadrinhos, por exemplo, costumam ser publicados na plataforma Daisy, que oferece mais possibilidades para o leitor visualizar o conteúdo.

Entre os títulos para crianças estão os clássicos “João e Maria”, “Chapeuzinho Vermelho”, “Alice no País das Maravilhas”, “Pinóquio”, “O Picapau Amarelo” e “O Pequeno Príncipe”.

A Fundação Norina Nowill também tem um acervo físico de livros para deficientes visuais. A estante virtual pretende ampliar o acesso a esse tipo de obra para famílias e instituições educativas, como escolas e bibliotecas.

Educadora transforma geladeiras quebradas em biblioteca em Ubatuba

0

Três geladeiras estão em locais públicos; são mais de 500 livros.
Intenção é formar leitores desde a infância; projeto depende de doações.

geladeira_montagem2

Publicado no G1

Uma ideia simples para contribuir com a educação da comunidade. Com o objetivo de estimular a leitura, a diretora de uma escola, Ivanilda de Oliveira, de 49 anos, deu à geladeiras quebradas uma nova função – elas viraram bibliotecas comunitárias em Ubatuba, no litoral norte de São Paulo.

O projeto ‘Maré do Saber’ nasceu dentro de uma creche municipal no Centro, onde Ivanilda, que é educadora há 29 anos, trabalha. Preocupada com a formação dos pequenos leitores, ela e as professoras da unidade começaram em 2012 a estimular o hábito entre as crianças, mesmo nos primeiros anos de idade. Nesta missão, convocaram os pais a participarem e também começaram a fazer ações em locais públicos, como praças.

Neste ano, a diretora decidiu que era hora de expandir o trabalho e levar os livros além do bairro. Com a ajuda de um entusiasta da ideia, veio a proposta de usar geladeiras quebradas para abrigar as obras. Da boa vontade do pai de um aluno que aposta no trabalho vieram as mãos para pintar as ‘geladeirotecas’.

As geladeiras – recebidas em doações – foram colocadas no calçadão, na Santa Casa e na unidade pública de saúde do Ipiranguinha. Pelo menos 500 livros estão circulando entre leitores da cidade – para isso, ela conta com títulos também doados pelos pais dos alunos, entidades e biblioteca da prefeitura.

Quem quiser pegar um livro nas geladeiras é só ir até um dos pontos onde elas foram colocadas, escolher o título e levar. Dentro das obras, está uma orientação sobre o funcionamento do projeto – depois que a pessoa ler, ela devolve o livro em uma das unidades e se quiser colaborar com mais livros, que estão guardados em casa, é só deixar em uma das ‘geladeirotecas’.

Inpiração
A educadora se inspirou em um projeto semelhante em Sorocaba (SP), durante uma visita que fez à cidade. “Vi umas prateleiras em um shopping com vários livros e era o mesmo conceito das geladeiras. A pessoa levava, lia e depois devolvia. Como eu já tinha o projeto na escola, vi que dava pra fazer algo semelhante ao que vi no shopping também na minha cidade”, afirmou.

Para ela, essa é uma forma de contribuir com o futuro das crianças e também ajudar os pais na educação dos filhos. “Toda criança gosta de história, se interessa por isso. O que eu vejo é que quando elas chegam no 5º ou 6º ano, por não terem o hábito de ler, não sabem escrever, nem interpretar um texto. Eu acho isso muito preocupante”, afirmou.

O grafiteiro Bruno de Almeida Oliveira ‘Snoop’ foi quem fez a arte na geladeira e está orgulhoso por poder participar do projeto. “É a minha arte na rua, ajudando um projeto muito legal, que ajuda as pessoas a evoluirem por meio do conhecimento”, disse. Ele tem um filho de 1 ano matriculado na unidade onde Ivanilda é diretora.

Apoio
Para a autônoma Juliana de Oliveira, de 34 anos e mãe de um aluno de dois anos, o projeto uniu a comunidade e, além de estimular a leitura, ajuda pais e filhos a terem um momento de carinho.

“A comunidade está unida para fazer e pedir essas doações dos livros. Para os pais, esses livros permitem um momento de interação com seus filhos, mesmo quando a rotina é corrida, dá para arrumar um tempinho para ler uma história para eles”, disse.

Biblioteca Livros sobre Trilhos

0

201107181607570.Foto - André Ávila (1)

Publicado no Trensurb

Criada em dezembro de 2008 e mantida por meio de parceria entre Trensurb e Instituto Brasil Leitor, a Biblioteca Livros sobre Trilhos funciona de segunda a sexta-feira, das 10h às 20h, na plataforma de embarque da Estação Mercado. Para utilizar o serviço, é necessário apenas fazer um cadastro gratuito. Os interessados devem apresentar documento de identidade, CPF e comprovante de residência atual (originais e cópias), juntamente com uma foto 3×4. Menores de 18 anos devem estar acompanhados dos pais. Os leitores são cadastrados e recebem uma carteira de identificação com foto e código de barras para usar o serviço. A partir daí, podem retirar os livros de seu interesse sem custo algum e desfrutar do mundo da leitura.

A biblioteca conta com 6,2 mil livros dos mais diversos gêneros: literatura brasileira, autoajuda, best-seller, infanto-juvenil, filosofia, religião, ciências sociais, linguística, artes e história. Com 3,6 mil sócios a Livros sobre Trilhos já contabiliza mais de 50 mil empréstimos. Somente em 2014, foram mais de 6 mil empréstimos e o acervo, ampliado apenas através de doações, aumentou em cerca de mil publicações.

Em abril de 2010, a Biblioteca Livros sobre Trilhos recebeu o título de “Biblioteca do Ano 2009″, em evento realizado pela Câmara Rio-Grandense do Livro. A homenagem é realizada anualmente como parte das comemorações pelo Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor, instituído pela Unesco. Em outubro de 2014, a Trensurb recebeu o prêmio Top Cidadania ABRH-RS, pelo case sobre a Biblioteca Livros Sobre Trilhos e seu papel na democratização da leitura.

201101141333140.atividades_culturais_biblioteca_1

No mês de outubro de 2014, foi a vez da biblioteca receber o Prêmio Top Cidadania, oferecido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos, Seccional Rio Grande do Sul (ABRH-RS). O reconhecimento é dado a instituições públicas e privadas que se esforçam no desenvolvimento de projetos que beneficiam comunidades externas à empresa. A empresa metroviária recebeu a certificação a partir da apresentação do case da Biblioteca Livros sobre Trilhos, que disponibiliza mais de 6 mil livros para empréstimo aos seus quase 4 mil sócios.

dica da Luciana Pinheiro

Biblioteca transforma sótão no Beco Diagonal, do universo de Harry Potter

0

1877390.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxx

Vitória Prattini, no Adoro Cinema

O Centro Nacional de Livros Infantis Seven Stories, no Reino Unido – uma espécie de museu e biblioteca para livros infanto-juvenis britânicos – reabriu no final do mês de julho e traz uma novidade que vai levar os fãs de Harry Potter à loucura: uma das áreas para leitura de livros, localizada no sótão, foi transformada no Beco Diagonal!

É isso mesmo! Agora, além de visitar o parque The Wizarding World of Harry Potter, da Universal Studios em Orlando, que possui seu próprio Beco Diagonal, os fãs do bruxinho criado por J.K. Rowling poderão conhecer o local dentro de uma biblioteca!

As paredes do sótão da Seven Stories foram decoradas com a incrível arte que Jim Kay fez para o livro ilustrado de capa dura “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, que será publicado pela editora Bloomsbury em outubro. A atração já é um sucesso, sediando eventos de leitura e apresentações musicais e teatrais infantis, que, é claro, contaram com a presença de inúmeros fãs de Harry.

Ficou incrível! Confira na galeria acima e conte para a gente o que achou. A imagem completa do artista pode ser vista aqui.

E não se esqueça que Animais Fantasticos e Onde Habitam, filme baseado no livro usado por Harry em Hogwarts, chega aos cinemas em 2016.

E aí, #partiuReinoUnido?

 

1667390.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxx

1670510.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxx

1672080.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxx

1673640.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxx

(mais…)

Go to Top