bibliotecas

A majestosa Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, em Portugal

0
Vista interna da biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, em Portugal

Vista interna da biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, em Portugal

Carol Cunha, no Roteiros Literários

“Era uma vez um Rei que fez a promessa de levantar um convento em Mafra. Era uma vez a gente que construiu esse convento. Era uma vez um soldado maneta e uma mulher que tinha poderes. Era uma vez um padre que queria voar e morreu doido. Era uma vez”, escreve José Saramago, no livro Memorial do Convento, publicado em 1982.

O romance histórico, que apesar de trazer pitadas de fantasia é baseado em fatos reais, tem como cenário o Palácio Nacional de Mafra. Saramago esteve várias vezes no lugar, construído na montanhosa vila de Mafra (a 40 quilômetros de Lisboa).

O Palácio Nacional de Mafra é considerado o mais importante monumento barroco de Portugal. Suas paredes em pedra lioz (tipo raro de calcário encontrado na região) abrigam uma basílica (miniatura da Basílica de São Pedro do Vaticano), um Paço Real e uma biblioteca que está entre as mais belas do mundo. É possível fazer uma visita guiada para descobrir melhor lugar.

Os números do palácio de 40.000m² impressionam. São mais de 800 salas e quartos, 5.000 portas, 2.500 janelas e 300 celas. A Basílica tem dois carrilhões com 92 sinos considerados os maiores do mundo e seis órgãos de tubos que produzem um som emocionante em dias de concerto de música sacra.

O edifício foi construído por D. João V, no início do século 18, quando ele fez a promessa de erguer um convento caso D. Maria Ana Josefa lhe desse um herdeiro. A princesa Maria Bárbara nasceu em 1711, e logo depois ele cumpriu a palavra.

No início, em 1717, eram apenas treze frades franciscanos vivendo por ali. Com o ouro abundante vindo da colônia brasileira, D. João não poupou despesas e decidiu criar um palácio que fosse usado como mosteiro e residência de verão da realeza. A construção faraônica empregou 52 mil trabalhadores.

Em 1808, com as invasões francesas, a família real partiu para o Brasil e levou consigo tapeçarias, quadros e móveis. O mosteiro foi abandonado em 1834, após a dissolução das ordens religiosas. Durante os últimos reinados da Dinastia de Bragança, o palácio foi utilizado como residência de caça, atividade que pode ser comprovada na Sala das Armas, onde estão expostas dezenas de troféus de caça.

A BIBLIOTECA
A biblioteca é considerada o maior tesouro do palácio. Construída pelo arquiteto português Manuel Caetano de Sousa, o local tem a planta em formato de cruz. É dividida em dois andares, tem 83 metros de comprimento e abóbodas com até 13 metros de altura.

Os livros são preservados com a ajuda inusitada de uma colônia de morcegos que vivem na biblioteca. À noite, os animais voam livremente e se alimentam de insetos nocivos que poderiam comer as folhas de papel.

O trajeto é feito por um corredor central que exibe um chão revestido com uma combinação de mármores rosa, azul e amarelo. Em dia de pouco movimento, pelo que relatam seus visitantes, é possível se escutar o som do silêncio.

A iluminação é garantida pela luz natural que entra pela claraboia das janelas. O teto branco do edifício e das colunas é considerado inacabado, pois originalmente eram previstas pinturas em cada estante que representariam autores mais ilustres.

No corredor central, um globo da 1ª metade do século 18 se destaca sob uma mesa de madeira feita para o estudo e desenho de mapas. As estantes de estilo rococó são feitas de madeira vinda do Brasil e abrigam mais de 30 mil volumes raros dos séculos 14 ao 19. À época da criação do acervo, o rei D. João V enviou emissários especiais a países estrangeiros para adquirir livros.

Globo da 1ª metade do século 18 disponível para estudos na biblioteca (Divulgação)

Globo da 1ª metade do século 18 disponível para estudos na biblioteca (Divulgação)

São milhares de livros encadernados em couro com gravações a ouro que foram feitas manualmente na antiga oficina do local. O padrão de encadernação acaba dando um efeito harmônico de cores.

No final do século 18, os padres eram os guardiões e bibliotecários responsáveis por catalogar os livros, iluminuras, pergaminhos e manuscritos. Livros religiosos e de toda sorte de assuntos como arquitetura, anatomia, mapas, matemática, literatura, filosofia, filologia, direito, medicina e música formam um verdadeiro patrimônio do conhecimento da humanidade.

A biblioteca guarda um volume da segunda edição de Os Lusíadas, de Luís de Camões, de 1520. É possível encontrar ainda incunábulos (obras impressas até 1500), a famosa Crónica de Nuremberga (1493), a primeira Enciclopédia (de Diderot et D’Alembert), um exemplar de De Humani Corporis Fabrica, considerado o primeiro tratado de anatomia humana e ainda um importante núcleo de partituras musicais especialmente escritas para o conjunto dos seis órgãos históricos da Basílica.

Partituras expostas na biblioteca

Partituras expostas na biblioteca

O acervo também chama a atenção por guardar a maior coleção mundial de livros proibidos pela Santa Inquisição. Segundo historiadores, no período entre 1540 e 1794, os tribunais de Lisboa, Porto, Coimbra e Évora decretaram a morte por fogueira de 1.175 pessoas por consultarem livros proibidos. Mas uma bula concedida pelo Papa Bento 14, em 1754, autorizou a entrada desses livros em Mafra, com acesso apenas aos frades. Esses livros estão marcados na página de rosto como ‘proibidos’, entre eles, O Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente.

Uma das relíquias que o visitante encontra é Mutus Liber, uma das mais importantes obras iconográficas da tradição hermética medieval. Existe ainda uma versão do Alcorão com 500 anos e uma Bíblia escrita em aramaico, hebraico grego e latim, que foi publicada em 1520, e outras edições históricas.

Muitos dos livros de Mafra foram parar na mão dos invasores franceses e outros foram enviados ao Brasil para uso da corte.

O acesso aos livros pode ser feito para pesquisa e precisa ser agendado previamente com os bibliotecários locais.

Corredor da biblioteca de Mafra

Corredor da biblioteca de Mafra

A biblioteca tem um acerco de 30.000 volumes

A biblioteca tem um acerco de 30.000 volumes

CURIOSIDADE
Na trama de Saramago, Dom João V promete a construção de um convento franciscano em troca de um herdeiro. Assim, depois do nascimento da filha, ele inicia a dolorosa construção megalomaníaca de Mafra, que o escritor conta levando em conta as dificuldades dos operários.

O padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão (figura real da história) quer construir um engenho voador, a “passarola”, misto de barco e pássaro que é movido pelas vontades humanas. A invenção poderia desagradar aos oficiais da Santa Inquisição e ter punições como o degredo para os trópicos ou a queima na fogueira. Ainda assim, a passarola passa a ser montada em segredo, com a ajuda do apaixonado casal Baltasar e Blimunda, que acredita no sonho de voar. O rapaz chega a trabalhar nas obras de construção do convento.

A passarola, em gravura de 1709

A passarola, em gravura de 1709

Na vida real, a passarola seria a primeira aeronave no mundo a realizar um voo. Consistia em um balão a ar inventado por Bartolomeu de Gusmão, padre jesuíta e também cientista que nasceu no Brasil colônia. D. João V passou a financiar a construção do protótipo. Ele teria voado no ano de 1709, em Lisboa.

USP reforma biblioteca e recebe acervo de 250 mil livros de Delfim Netto

0
Foto: Divulgação/FEA

Foto: Divulgação/FEA

Toni Sciarretta, na Folha de S.Paulo

A Universidade de São Paulo inaugura na próxima terça (1º) a maior biblioteca especializada em economia, administração e contabilidade da América Latina. Serão ao todo 430 mil volumes, sendo que 250 mil vieram da coleção particular do ex-ministro Delfim Netto, 86, professor emérito da instituição.

Há dois anos, Delfim decidiu doar a biblioteca que ficava em seu sítio, em Cotia (interior de São Paulo).

“Queria que outras pessoas tivessem acesso a esses livros, que são na verdade material de pesquisa”, disse.

Apegado às obras, Delfim fez uma série de exigências a quem ficasse com os livros -além da USP, a Faap estava no páreo. A principal é que continuasse expandindo o acervo, adquirindo novos volumes e periódicos.

O ex-ministro também negociou acesso privilegiado a seus livros e ganhou uma salinha dentro da biblioteca.

Junto do acervo, Delfim também doou móveis antigos, quadros, mapas e até o seu “bibliotecário” particular, Eduardo Frim. O ex-ministro continua pagando o salário dele, que é na verdade administrador de empresas, mas ficará locado na USP para organizar os volumes.

E o acervo continua crescendo. Delfim envia cerca de 40 volumes por semana para a FEA (Faculdade de Economia e Administração).

A biblioteca revela um pouco sobre a personalidade e a metodologia de trabalho do pesquisador Delfim Netto.

O ex-ministro costuma fazer “compêndios” de temas de interesse, um dossiê que reúne em um mesmo volume (ele manda encadernar) artigos, trechos de livros e de obras de referência.

A maioria das obras contém notas manuscritas. As mais recorrentes são pedidos a sua equipe (marcadas com uma flecha) para comprar determinada obra citada no rodapé ou na bibliografia. “A flecha significa que temos que nos virar para encontrar esse livro”, disse Frim.

Para abrigar a coleção, a FEA reformou o prédio, que aumentou a área instalada de 1.500 m² para 5.000 m² e consumiu R$ 14,7 milhões
-R$ 6,7 milhões de recursos da USP e mais R$ 8 milhões em doações feitas por empresas, ex-alunos e funcionários.

As empresas contaram com incentivo fiscal da Lei Rouanet, que permite a dedução integral do valor no Imposto de Renda. Entre elas, estão os bancos Safra, Itaú Unibanco e Santander, as construtoras Camargo Corrêa e Odebrecht e a Cutrale.

As pessoas físicas, a maioria ex-alunos e funcionários, porém, doaram a fundo perdido. “Tivemos doações a partir de R$ 200. Captamos R$ 644 mil de 566 pessoas”, disse Reinaldo Guerreiro, diretor da FEA-USP.

Popular nos EUA, as doações para universidades são pouco comuns no Brasil. Guerreiro afirma que, além da falta de incentivo fiscal e de tradição, há uma resistência de parte do setor acadêmico de aceitar doações do setor privado para projetos,

No lugar de doações, as unidades da USP encontraram nas fundações uma forma de viabilizar projetos de pesquisa e de ensino. A FEA tem três fundações filhotes: FIA (administração), Fipe (pesquisas econômicas) e Fipecafi (contabilidade), que prestam consultoria, pesquisa e organizam cursos.

Modelo faz strip-tease em biblioteca para ‘testar’ concentração dos alunos

0

Mulher tirou a roupa diante de estudantes de universidade na Holanda.
Gravação faz parte de ‘pegadinha-comercial’ de marca de leite.

Publicado por G1

Uma marca de leite fez uma “pegadinha-comercial” em uma universidade na Holanda para testar a atenção dos alunos que estudavam para uma prova, colocando uma modelo para fazer strip-tease na biblioteca (veja o vídeo).

Mulher fez strip-tease em biblioteca para 'testar' atenção dos alunos na Holanda (Foto: Reprodução/YouTube/Vifit FrieslandCampina)

Mulher fez strip-tease em biblioteca para ‘testar’ atenção dos alunos na Holanda (Foto: Reprodução/YouTube/Vifit FrieslandCampina)

Com oito câmeras escondidas, que filmavam o ambiente, as imagens mostram a modelo tirando as peças de roupa enquanto os jovens olham surpresos diante da cena, a não ser por um rapaz, que continua concentrado em seus trabalhos.

A brincadeira do vídeo incita que apenas o rapaz que bebia o leite da marca conseguiria manter a concentração em seus trabalhos diante do “show”.

O vídeo da empresa “Vifit” virou sensação na web, e foi assistido mais de 1,3 milhão de vezes.

Coldplay espalhará letras do novo disco por bibliotecas

0

Para promover o lançamento de ‘Ghost stories’, nove envelopes com manuscritos de Chris Martin estão escondidos em livros sobre fantasmas
Banda dará dicas em seu perfil no Twitter

Crhis Martin, do Coldplay Reuters

Crhis Martin, do Coldplay Reuters

Publicado em O Globo

RIO – Fãs de Coldplay, corram às bibliotecas! Para promover o lançamento do próximo álbum da banda inglesa, a gravadora escondeu nove envelopes com letras de faixas de “Ghost stories” dentro de livros de bibliotecas espalhadas por nove países. Detalhe: as letras foram escritas a mão por Chris Martin, líder do grupo.

O Coldplay usará seu perfil no Twitter para dar pistas de onde os envelopes se encontram. Mas eles não estarão em qualquer livro: a equipe escolheu histórias sobre fantasmas, como no título do álbum. A cada envelope descoberto, a banda publicará uma foto do manuscrito da letra, também em sua conta na rede social. O primeiro, alocado na Cidade do México, já foi encontrado.

Um dos envelopes contém ainda um presentinho especial para os fãs da banda: quem encontrá-lo vai ganhar passagens e ingressos para ver o show do Coldplay no lendário Royal Albert Hall, em Londres, em 1º de julho.

“Ghost stories” é o sexto álbum de estúdio do Coldplay e será lançado no dia 19 de maio. A produção ficou a cargo de Paul Epworth, famoso por ter trabalhado com Paul McCartney, Adele, Bruno Mars e Florence + The Machine.

Em entrevista à “BBC”, Martin contou que sua recente separação da atriz Gwyneth Paltrow inspirou as letras das novas canções. O casal se divorciou no mês passado, após uma década de casamento. “O que ‘Ghost stories’ significa para mim é que você precisa se abrir para o amor, e se você realmente o fizer, claro que isso vai ser doloroso às vezes, mas vai ser ótimo de alguma forma”, explicou o músico.

Go to Top