Os Dois Mundos de Astrid Jones

bibliotecas

Acesso à biblioteca contribui para aprendizado infantil

0

Estudo mostra que acesso a livros e brinquedos em espaço organizado e supervisionado faz com que mais de 80% das crianças atinjam nível máximo de aprendizado

sesc_jaragua_10

Publicado em Portal Brasil

Uma pesquisa indica que o acesso a uma biblioteca contribui significativamente para a aprendizagem infantil. Levantamento feito pelo Instituto Brasil Leitor e divulgado nesta sexta-feira (12) mostra que o acesso aos livros e brinquedos em um espaço organizado e supervisionado faz com que mais de 80% das crianças atinjam o nível máximo de aprendizado. Os dados foram levantados a partir do acompanhamento de crianças entre 2 e 6 anos em um Centro de Educação Infantil (CEI) e uma Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) na cidade de São Paulo.

Foram observados 32 itens, distribuídos em seis categorias: iniciativa, relações sociais, representação criativa, música e movimento, linguagem e comunicação e matemática e ciência. O desenvolvimento é medido em níveis que vão de 1 a 5.

Aprendizado

Segundo a pesquisa, de modo global, o percentual de crianças no nível 5 de aprendizagem no CEI passou de 42% antes da biblioteca para 92%, após o contato dos estudantes com o espaço. Na EMEI, apenas 5% dos alunos atingiam o nível máximo, antes da biblioteca. Após a implantação do projeto, o percentual chegou a 83%.

No quesito representação criativa, 49% das crianças do CEI estavam no nível máximo antes da biblioteca. O percentual subiu para 82% após a implementação. Na EMEI, 6% estavam no nível máximo nesse item na etapa anterior a criação do espaço, índice que subiu para 70% na etapa final.

O resultado foi ainda mais expressivo na avaliação do item de música e movimento. Antes da biblioteca, nenhum aluno da EMEI chegava ao nível máximo nesse quesito. Com a chegada da biblioteca, o percentual atingiu 93%. No CEI, o índice saiu de 26% para 92%.

A coordenadora da pesquisa, Roseli Monaco, explica que, além da estruturação adequada do espaço, é fundamental para o sucesso dos projetos a formação oferecida aos professores e famílias. “Em uma instituição de educação infantil, não adianta você colocar só o material. O educador tem que planejar e observar a criança brincando”, ressalta.

Outra estratégia importante, de acordo com Roseli, é associação entre os livros e os brinquedos, repassada aos professores no trabalho de capacitação. “Para todo livro tem um brinquedo ou uma brincadeira associada. A criança, na educação infantil, só aprende brincando. O livro é um objeto lúdico”, destaca.

Para a coordenadora, com todos esses elementos, a criança têm mais condições de desenvolver todo seu potencial. “Quando você oferece o material, o livro, o brinquedo, a formação e envolve a família, o nível de aprendizagem da criança evolui”, enfatiza.

22 lugares em São Paulo que todo amante de livros precisa conhecer

0

De livrarias a cemitério. Inspirado no livro Rotas literárias de São Paulo.

Iran Giusti, no BuzzFeed

1. Faculdade de Direito Largo São Francisco – Universidade de São Paulo

1

Fundada em 1827 a Faculdade de Direito Largo São Francisco foi por décadas a única instituição de ensino da área de humanas ficando conhecida por seus ilustres pensadores. Lá se formaram nomes como Castro Alves, José de Alencar, Monteiro Lobato, Hilda Hilst e Décio Pignatari.

A visita ao pátio e às arcadas são abertas ao público porém quem se interessar por desbravar espaços fechados como a biblioteca, o salão nobre, a sala São Leopoldo e o célebre tumulo de Júlio Frank pode participar de uma visita monitorada na última sexta-feira de cada mês. Para se inscrever basta ligar no (11) 3111-4053. A visita tem cerca de uma hora e meia de duração.

A Faculdade fica localizada no centro da cidade e você pode saber mais sobre ela aqui.

2. Casa Guilherme de Almeida

2

Localizada no bairro do Pacaembu, a casa do poeta, tradutor, dramaturgo e jornalista Guilherme de Almeida preserva a história do célebre ex-morador e da cidade de São Paulo como poucos poucos lugares. Desconhecido do grande público, Guilherme foi nome importante na Revolução de 32 que marcou a cidade. Para saber mais clique aqui.

3. Instituto Goethe

3

O Goethe-Institut São Paulo é responsável por diversos eventos culturais que apresentam o intercâmbio entre a cultura do país com a alemã. Além dos eventos ligados ao ensino, música, literatura, esporte, teatro, culinária, arquitetura, ao cinema e ao meio ambiente, conta com aulas e certificados. Saiba mais aqui.

4. Museu da Língua Portuguesa

4

Referência internacional, o Museu da Língua Portuguesa, como o nome já indica, aborda a linguagem oral e escrita no país. Além do acervo, exposições temporárias de alto nível animam qualquer um. Não foi o suficiente para te convencer? Saiba então que ele fica no majestoso prédio da Estação da Luz, no centro de São Paulo. Mais informações aqui.

5. SESC Pompéia

5

Projetada pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi a partir de uma antiga fábrica de tambores na Pompéia, a unidade do SESC é uma referência na rede e conta com uma programação intensa de shows, peças de teatro, exposições, atividades esportivas além de uma revistaria aberta ao público e uma grande biblioteca. Veja mais aqui.

6. Biblioteca de São Paulo

6

A biblioteca de São Paulo tem 4.257 m², cerca de 30 mil itens e é um prato cheio para os leitores paulistanos. Localizada no Parque da Juventude, antigo Carandiru, conta ainda com (mais…)

Preciosidades da Biblioteca Monteiro Lobato são digitalizadas

0

monteiro_lobato_biografia

Acervo é comporto por livros didáticos desde o fim do século 19 até meados da década de 1970

Rodney Eloy, no Pesquisa Mundi

A Biblioteca Monteiro Lobato (Rua General Jardim, 485, Vila Buarque, São Paulo/SP) abriga o Acervo Histórico do Livro Escolar – AHLE, constituído por títulos de uso escolar resguardado pelas antigas Bibliotecas Infantis. O espaço reúne várias fases da história e da educação no País desde o fim do século 19 até meados da década de 1970. Cartilhas, primeiras leituras e manuais de ensino, entre outros, compõem esse acervo especial, que contempla todas as disciplinas escolares dos cursos primário e secundário. Mais de 30 títulos antigos já foram digitalizados. Para mais informações, clique aqui.

via Publishnews

Para cumprir meta, país precisa de 64 mil novas bibliotecas até 2020

1

biblioteca2

Publicado em UOL

O Brasil precisa construir mais de 64,3 mil bibliotecas em escolas públicas até 2020 para cumprir a meta de universalizar esses espaços, prevista na Lei 12.244. A legislação, sancionada em 24 de maio de 2010, obriga todos os gestores a providenciarem um acervo de, no mínimo, um livro para cada aluno matriculado, tanto na rede pública quanto privada. A cinco anos do fim do prazo, 53% das 120,5 mil escolas públicas do país não têm biblioteca ou sala de leitura. A contar de hoje, seria necessário levantar e equipar mais de mil bibliotecas por mês para cumprir a lei.

O levantamento foi feito pelo portal Qedu, da Fundação Lemann, a pedido da “Agência Brasil”, com base em dados do Censo Escolar 2014 – levantamento anual feito em todas as escolas do país. Esses são os últimos números disponíveis e trazem informações tanto de instituições de ensino fundamental quanto de ensino médio.

Os dados mostram grande disparidade regional na oferta de bibliotecas escolares. Enquanto na região Sul, 77,6% das escolas públicas têm biblioteca; na Norte, apenas 26,7% das escolas têm o equipamento; e na Nordeste, 30,4%. No Sudeste, esse índice é 71,1%; e no Centro-Oeste, 63,6%.

O Maranhão é o Estado com menor índice de bibliotecas escolares — apenas 15,1% das escolas tem o equipamento — seguido pelo Acre (20,4%) e pelo Amazonas (20,6%). Na outra ponta do ranking, estão o Distrito Federal (90,9%), o Rio Grande do Sul (83,7%) e o Rio de Janeiro (79,4%).

A reportagem não conseguiu entrar em contato com a Secretaria de Educação do Maranhão. As secretarias do Amazonas e do Acre não responderam ao pedido da reportagem.

De acordo com o levantamento, também há diferenças na oferta de bibliotecas entre as escolas de ensino médio e fundamental. Em melhor situação, 86,9% das escolas públicas de ensino médio têm bibliotecas ou salas de leitura. No ensino fundamental, entretanto, o índice cai para 45%.

O coordenador de projetos da Fundação Lemann, Ernesto Martins Faria, explicou que, na edição de 2014, o Ministério da Educação, responsável pelo Censo Escolar, juntou os dados de sala de leitura e bibliotecas, ao passo que, em anos anteriores, esses números eram descritos de forma separada. Por esse motivo, não é possível comparar a evolução dos dados com anos anteriores.

“A gente tem que pensar especificações que garantam que a criança tenha ambientes propícios para praticar a leitura. É pouco viável, do ponto de vista orçamentário e de factibilidade, a universalização das bibliotecas [no prazo estipulado em lei]. Temos que pensar como promover mais espaços para leitura e disponibilizar mais conteúdos para os alunos”, disse Faria.
Equipamento fundamental

Para a diretora de educação e cultura do Instituto Ecofuturo, Christine Fontelles, faltam recursos para todas as áreas da educação e, por esse motivo, a leitura não costuma estar entre as prioridades dos gestores. Coordenadora do projeto Eu Quero Minha Biblioteca, que ajuda professores, diretores, pais e alunos a requisitar e implantar bibliotecas nas escolas, ela ajuda na articulação com as secretarias de Educação e o MEC.

“O fato central é que não se dá importância para a biblioteca. Nós somos um país que não dá valor para a biblioteca, que ainda não tem a noção de que a educação para a leitura é uma coisa que deve acontecer desde sempre, e que a biblioteca pública é o equipamento fundamental para que famílias e escolas possam desenvolver essa habilidade no jovem”, defendeu Christine.

Segundo ela, é preciso que a biblioteca tenha papel central dentro da escola. “O país perde um grande tempo ao não munir as escolas desse equipamento e não promover uma campanha de expressão nacional para que as famílias se envolvam na formação leitora das crianças. É importante que a biblioteca seja a casa do leitor, não um depósito de livro”.

Para o presidente do Instituto Pró-Livro, Antônio Luiz Rios, uma biblioteca na escola contribui para a formação literária, melhora a escrita, o vocabulário e é fundamental para a formação do cidadão.

“O hábito da leitura começa em casa, com a família. Mas é preciso seguir nas escolas, com acervo interessante e profissionais capacitados. Sem uma base leitora forte, o aluno não tem uma boa formação”, afirmou rios.

“Com a leitura, o cidadão pode ter acesso a todo o conhecimento humano, ele não é mais guiado, tem a possibilidade crítica. O Brasil ainda não despertou para a importância da leitura”, acrescentou.

De acordo com a pesquisa Retrato da Leitura no Brasil 2012, feita pelo Instituto Pró-Livro, as bibliotecas escolares estão à frente de qualquer outra forma de acesso ao livro para crianças e adolescentes de 5 a 17 anos.

O Ministério da Educação informou que a instalação de bibliotecas é uma responsabilidade das escolas. De acordo com a assessoria da pasta, as instituições de ensino públicas recebem recursos federais para investimento em estrutura e cabe à escola decidir como gastar esse dinheiro.

Biblioteca à beira-mar oferece leitura gratuita na praia da Pipa (RN)

0

Biblioteca da Praia foi criada para oferecer leitura aos turistas que visitam o local

praia

Publicado em UOL

Em meio à badalação da praia da Pipa, em Tibau do Sul, litoral do Rio Grande do Norte, uma biblioteca pé na areia é uma atração para os frequentadores de uma das praias mais procuradas por turistas no Nordeste.

É na praia do Amor, de paisagens nativas emolduradas pelo mar azul turquesa, onde fica a Biblioteca da Praia. A calmaria do local inspira os apaixonados pela leitura.

O acervo reúne cerca de 3.000 livros escritos não só em português como inglês, espanhol, alemão, hebraico, mandarim e francês. Os títulos que estão à disposição vão desde a obras de ficção, ação, romances e livros de literatura. A maioria deles chegou por meio de doações.

A biblioteca foi criada no ano de 2011 pelo surfista pernambucano Adalberon Batista de Omena, 38, o Beron, como é conhecido. No início, as prateleiras da biblioteca se resumiam a um banquinho de madeira. Porém, à medida em que foram chegando novos livros foi erguida uma espécie de estante de madeira com telhado de palha.

“Vi o potencial turístico da praia do Amor e resolvi unir a educação ao esporte. Criamos a biblioteca com essa ideia e vem dando tão certo que tivemos de fazer uma reforma no local para caber todos os livros, mas vejo que logo deverá ser ampliada de novo. Não param de chegar doações”, conta Beron.

A Biblioteca da Praia foi montada ao lado da escola de surf de Beron, que também tem um bar que serve sucos e comidas naturais para dar apoio a quem vai ao local. Enquanto ele ministra as aulas teóricas de surf e slackline, toma conta da biblioteca e atende aos clientes também.

O cuidado para conservar os livros é não deixar nada exposto ao sol, e ao final do dia, a biblioteca é fechada com uma lona para proteger os títulos da chuva e da maresia. O visitante que for ao local também pode ter a surpresa de participar de rodas de violão. No local, os surfistas e alunos de Beron se reúnem para também fazer música.

Apesar do público-alvo ser adultos, no local sempre ocorrem ações de leitura voltada para crianças, que podem fazer atividades de pintura em livros de leitura. “Incentivamos as crianças a lerem, pois é por meio delas que podemos criar novas consciências e mudar o mundo”, disse Beron.

Trocas e doações

Há turistas que preferem continuar a leitura depois do passeio e levar o livro para o local que está hospedado. Para isso, deve-se informar o nome do hotel ou pousada, e-mail e número de telefone. “Também não precisa pagar nada. É se comprometer a devolver”, diz Beron.

E se o turista levar o livro e não devolver? Beron diz que não se incomoda, pois “livro preso na estante é uma gaiola”. “O livro circula ao passar em outras mãos e mais pessoas têm acesso à leitura”. Há também a possibilidade de troca de livros.

A biblioteca funciona entre 9h e 17h. O local oferece cadeiras e guarda-sol, além do serviço de bar, que funciona ao lado da biblioteca.

Para chegar à Biblioteca da Praia, o turista deverá descer a escadaria do paredão da praia do Amor. No meio da pequena trilha, poderá encontrar pequenos animais, como saguis e camaleões. São cerca de dez minutos de caminhada até o local.

praia2

Go to Top