Diário da Maísa

listas

Cinco leituras para o carnaval

0

leitura

A literatura é a grande viagem dos não carnavalescos

Raphael Montes, em O Globo

O carnaval vem aí — na verdade, ele já chegou faz algumas semanas, com muita folia pelas ruas, purpurina, glitter, fantasias e disposição para dar e vender ao enfrentar os blocos sempre abarrotados. Pessoalmente, amo o carnaval, o clima contagiante das pessoas, dá até vontade de sair pulando no meio de todo mundo e de deixar as responsabilidades um pouco de lado.

Acho curioso como tem muita gente que não gosta. No último final de semana, estive com alguns amigos e perguntei o que eles estavam programando para os dias de festa e a resposta foi: ler e relaxar. Sem dúvida, para os que não gostam, o feriado é um ótimo motivo para viajar e ficar longe de toda a muvuca que se cria nas ruas; um bom momento também para ser introspectivo e se preparar para o ano que finalmente vai se iniciar. E nada melhor que uma boa leitura para os dias de descanso — a literatura é a grande viagem dos não carnavalescos. O bloco está nas páginas. Então, aqui vão algumas recomendações de lançamentos recentes que tive a oportunidade de devorar.

No início do ano, terminei de ler o festejado “Enclausurado” (ed. Companhia das Letras), de Ian McEwan, escritor inglês conhecido por obras-primas como “Reparação”, “Amor sem fim” e “Na praia”. A meu ver, Ian McEwan é um autor que une com perfeição a trama bem arquitetada a um texto de qualidade, une entretenimento ao erudito, como defendo com frequência nas minhas colunas neste jornal. Claramente inspirado em Hamlet, “Enclausurado” oferece um narrador inusitado: um feto dentro da barriga de sua mãe que descobre que a genitora planeja matar o ex-marido com a ajuda do amante. É um livro para ser lido no sábado de carnaval, deliciando-se com as viradas da história e as reflexões propostas por um feto irônico e um tanto ácido.

Outra ótima opção para o feriado inteiro é “Casos de família” (ed. Darkside Books), livraço de Ilana Casoy, em edição de luxo com capa dura ilustrando uma espécie de caderno antigo. Isto porque, neste livro, a criminóloga destrincha dois crimes que chocaram o país — os assassinatos do casal Richthofen e o de Isabella Nardoni —, informa bastidores das investigações e, pela primeira vez, revela seus cadernos de anotações utilizados durante a pesquisa na Polícia Civil. Sou fã de Ilana Casoy desde seus primeiros livros, sobre serial killers do mundo e serial killers brasileiros, e é um privilégio ler o trabalho acurado de uma boa profissional. Um prato cheio para quem gosta do mundo investigativo.

Se a ideia for uma leitura mais complexa e aventureira, vale conferir “As primeiras quinze vidas de Harry August” (editora Bertrand Brasil), de Claire North. A meu ver, a maior qualidade deste livro é usar um tema clássico (viagem no tempo) com uma premissa inovadora: Harry é uma pessoa com um dom incomum — toda vez que morre, ele retorna para o início da vida (renasce), mas mantém todas as lembranças e conhecimentos das vidas anteriores. Até compreendermos toda a mitologia criada pela autora, passeamos por diferentes períodos do século XX e culturas de países de todo o mundo, da Inglaterra à Rússia. Um livro perfeito para transitar entre épocas e países, com boas reviravoltas e alguns momentos de tensão.

Outra leitura que superou minhas expectativas foi “Nimona” (ed. Intrínseca), de Noelle Stevenson. Publicada de forma independente na internet, a história ganhou o carinho do público e conquistou uma editora. Confesso que não sou o maior entendedor de histórias em quadrinhos, mas os traços coloridos chamaram minha atenção e comecei a ler despretensiosamente. Quando percebi, estava dando gargalhadas, como quando assistimos a um bom desenho animado. Nimona é uma metamorfa — um ser que pode se transformar em qualquer tipo de animal — e se alia a Lorde Ballister Coração-Negro, o maior vilão que já existiu, mas com um bom coração, para realizar um plano de vingança. Com uma trama bem original, Nimona te fará rir e refletir, com boas doses de ação.

Por fim, e como não poderia deixar de ser, indico um romance policial que comecei a ler esta semana — “O canto dos segredos” (ed. Rocco), da irlandesa Tana French. Tive o privilégio de conhecê-la em Nova York e conversamos muito sobre o gênero. A autora segue o velho e bom estilo whodunit, uma espécie de Agatha Christie moderna, com um interesse maior na profundidade psicológica dos personagens e com uma escrita cirúrgica. Desta mesma autora, li os ótimos “No bosque da memória” e “O passado é um lugar”. Em “O canto dos segredos”, o detetive Stephen Moran é chamado a desencavar o caso de um jovem assassinado em um prestigioso colégio feminino. Entre um bloco carnavalesco e outro, voltarei a tentar desvendar este mistério. Boa folia (e boas leituras) a todos!

Saiba quais são os livros que estão bombando entre os adolescentes

0

Publicado em O Globo

Foto: Divulgação/Rocco

Foto: Divulgação/Rocco

Harry Potter e a criança amaldiçoada’

Escrito por J. K. Rowling, Jack Thorne e John Tiffany, o livro apresenta Harry Potter como um sobrecarregado funcionário do Ministério da Magia, marido e pai de três filhos. Enquanto lida com um passado que se recusa a ficar para trás, seu filho mais novo, Alvo, enfrenta um legado de família que ele nunca quis. (Fonte: PublishNews)

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

‘AuthenticGames: A batalha da torre’

Primeiro livro de uma trilogia, “A batalha da torre” relata o sequestro misterioso de “Authenticgames”, que precisará da ajuda do leitor para ser salvo. Durante a história surgem pistas que são fundamentais para devendar o mistério e libertar o herói das garras do inimigo.

Foto: Divulgação/Harpercollins

Foto: Divulgação/Harpercollins

‘O diário de Larissa Manoela’

O livro conta os segredos da atriz mirim que é um sucesso entre as crianças. Nele, a protagonista das versões brasileiras de “Carrossel” e “Cúmplices de um Resgate” revela detalhes de sua vida pessoal: histórias sobre sua infância, família, carreira e sonhos.

Foto: Divulgação/V&R

Foto: Divulgação/V&R

‘Diário de um banana: vai ou racha’

Greg encontra uma filmadora antiga em seu porão e tem uma ideia para provar que é muito talentoso. Com a ajuda de seu melhor amigo, Rowley, ele planeja fazer um filme de terro para ficar rico e famoso.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

AuthenticGames

O livro conta a história de Marco Túlio que transformou seu canal no Youtube “AuthenticGames” em um ponto de encontro para quase 4 milhões de fãs do jogo virtual “Minecraft”. Nesta obra, os seguidores de Marco Túlio vão descobrir como surgiu o projeto do canal e quem são os amigos da internet que o Authentic levou para a vida real.

Foto: Dilvulgação/Astral Cultural

Foto: Dilvulgação/Astral Cultural

‘AuthenticGames: a batalha contra Herobrine’

Depois de ser resgatado de um terrível sequestro, AuthenticGames está de volta para proteger a Vila Farmer. Mas antes ele precisará encarar uma nova aventura para recuperar sua espada de diamante, que foi escondida pelos mobs.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

‘Diário Beleza Teen – Minha vida em um ano’

Escrito pelas youtubers Mariany e Nathany — do canal Beleza Teen, criado em 2013 —, o livro reúne dicas de moda, beleza e decoração, e serve como um guia para botar, em um ano, as tarefas em prática.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

‘A coroa’

No quinto livro da série “A seleção”, Eadlyn, filha de America Singer e do Príncipe Maxon, é a primeira princesa a passar por sua própria seleção.

Foto: Divulgação/Outro Planeta

Foto: Divulgação/Outro Planeta

‘João sendo João’

João Guilherme conta em detalhes segredos da infância, travessuras com os amigos, viagens inesquecíveis, a importância da família, o namoro com Larissa Manoela, sonhos para o futuro, seu primeiro teste e muito mais.

Foto: Divulgação/Rocco

Foto: Divulgação/Rocco

‘Harry Potter e a pedra filosofal’

O primeiro livro da saga de Harry Potter conta como o pequeno bruxo descobriu aos onze anos o mundo da magia. Na obra de J. K. Rowling, Harry é enviado para a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, onde conhece seus melhores amigos, Hermione Granger e Rony Weasley, a caminho do grande castelo dirigido pelo bruxo Alvo Dumbledore.

5 livros para entender o Brasil de 2017

0
Líderes do PCC que deram início a rebelião no Rio Grande do Norte (Josemar Goncalves/Reuters)

Líderes do PCC que deram início a rebelião no Rio Grande do Norte (Josemar Goncalves/Reuters)

 

Especialistas em direito, sociologia e ciência política indicaram obras para explicar as consequências do ano de 2016 para o país neste ano

Clara Cerioni, na Exame

São Paulo – Após um 2016 cheio de reviravoltas, o que esperar de 2017? No ano passado, vimos a conclusão do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e as novas propostas para educação e saúde do novo presidente Michel Temer. Além disso, o final do ano foi marcado pela explosão de rebeliões nos presídios.

Para que você não seja pego de surpresa em 2017, EXAME.com conversou com professores de ciência política, direito e sociologia para saber quais livros explicam o Brasil atual.

Veja abaixo a lista completa:
Junto e misturado: uma etnografia do PCC

 

Nesta obra, indicada por Paulo de Tarso, pesquisador sobre o sistema carcerário do país, no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, o leitor é apresentado ao universo do Primeiro Comando da Capital, o PCC. A leitura é necessária para entender o que acontece dentro dos presídios brasileiros, que nas últimas semanas têm sido palco de diversas rebeliões e massacres.

De acordo com o pesquisador, o livro esclarece a incapacidade do Estado em controlar os presídios brasileiros e explica o desenvolvimento histórico da maior organização criminosa do Brasil.

“Essas organizações, ao perceberem o afastamento do Estado de suas responsabilidades, passaram a se organizar e se articular como substitutos. Em simples palavras, fenômenos como o PCC são consequências da falta do governo de suas funções básicas no sistema carcerário”, diz o pesquisador.

Autor: Karina Blondi / Editora: Terceiro Nome
A miséria governada através do sistema penal

 

Outra indicação do pesquisador Paulo de Tarso é o livro “A miséria governada através do sistema penal”. Nesta obra, o especialista destaca a produção teórica do Instituto Carioca de Criminologia, sobre questões básicas do sistema carcerário brasileiro. De acordo com Tarso, essa obra permite entender a evolução dos problemas causados pela ausência de uma política pública nas prisões. Além disso, o livro apresenta o quadro da criminalização da pobreza.

“O Estado idealizou que bastaria a população ter mais acesso econômico para resolver todas as questões sociais e criminais do país, mas não foi isso que aconteceu.”

Autor: Alessandro de Giorgi / Editora: Revan
Juventude e Ensino Médio

 

O governo Temer apresentou em setembro uma proposta para reformar o Ensino Médio no Brasil, que deve ser votada pelo Senado no começo de fevereiro. Para entender quais podem ser as consequências dessas mudanças na educação, o professor Marcos Villela Pereira, da Escola de Humanidades da PUCRS indicou o livro “Juventude e Ensino Médio”.

De acordo com o especialista, essa obra pode auxiliar a comunicação entre professores e estudantes por apresentar um panorama dos jovens do país e questionar por que se deve repensar o Ensino Médio nos dias de hoje.

Autores: Juarez Dayrell; Paulo Carrano; Carla Linhares Maia / Editora: UFMG
Impeachment: instrumento da democracia

 

Esta obra, indicada pelo professor de direito da PUCRS José Carlos M. da Silva Filho explica o processo do impeachment, pela visão de diversos advogados e juristas do Brasil. O livro esclarece os mecanismos e os conceitos judiciais usados para embasar o pedido e o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Autor: Instituto dos Advogados de São Paulo / Editora: IASP
A difícil democracia – reinventar as esquerdas

 

O processo de impeachment que se arrastou pelo ano de 2016 foi decisivo para consolidar o enfraquecimento do Partido dos Trabalhadores (PT) e auxiliar a ascensão de figuras políticas alinhadas com a direita. Por isso, para este ano, de acordo com o professor de direito da PUCRS, o desafio de partidos de esquerda é “reinventar o conceito e os posicionamentos desta política”.

A obra indicada pelo especialista aborda este tema pela visão de um cientista político, que propõe uma reflexão sobre experiências sociais e políticas atualmente.

8 livros indicados por Barack Obama

0
Barack Obama compra livros para suas filhas Malia e Sasha (Foto: Aude Guerrucci-Pool/Getty Images)

Barack Obama compra livros para suas filhas Malia e Sasha (Foto: Aude Guerrucci-Pool/Getty Images)

 

Obama compartilhou com revista Wired quais obras o ajudaram na trajetória como presidente dos Estados Unidos e em sua própria vida

Publicado na Época Negócios

Arquivos confidenciais, memorandos, edições de discursos – dificilmente Barack Obama irá compartilhar cada detalhe do que foi seu dia a dia na Casa Branca. Mas, a poucos dias de deixar o cargo de presidente dos Estados Unidos, ele compartilhou com a revista Wired livros que o influenciaram e ajudaram a moldar suas opiniões e, claro, seus discursos. Obama deixa o cargo no dia 20 de janeiro com alta popularidade e como um dos maiores oradores da política moderna. Mas não foram só obras políticas que o ajudaram na tarefa que teve pelos últimos oito anos. Sua lista de oito indicações contém livros sobre direitos civis, ciência, tensões raciais até romances e biografias. A Wired aproveitou a lista e calculou quanto tempo é necessário para ler cada um dos dez livros. O total? 89 horas. Se você começar desde já e reservar uma hora por dia, conseguirá ler todos até o final de abril. Abaixo, confira quais são as obras:

The Collected Works – Abraham Lincoln

Ao New York Times, Obama disse que os escritos do ex-presidente Abraham Lincoln, de Martin Luther King Jr., Gandhi e Nelson Mandela foram extremamente úteis. “Nos momentos muito difíceis, a Presidência pode nos isolar muito”, afirmou ao jornal. Ele lembrou que há cópia manuscrita o Discurso de Gettysburg, escrito por Abraham Lincoln em 1863, no dormitório que leva o nome do ex-presidente. Contou que, muitas vezes, à noite, ele saía de sua sala de trabalho para ler o texto. Mas não era só este escrito que lhe interessava de Lincoln. O livro The Collected Works of Abraham Lincoln reúne outros discursos, cartas pessoais, perdões e ordens de guerra do 16º presidente dos EUA. Muito da oratória de Obama inspirou-se nesses escritos.
Tempo total de leitura: 18 horas

Parting the Waters: America in the King Years 1954-63 – Taylor Branch

Primeiro livro da trilogia de Taylor Branch que lhe rendeu um Pulitzer e que narra a entrada de Martin Luther King no movimento de direitos civis. Livro essencial para entender uma era de quebra de paradgimas no século passado.
Tempo de leitura: 15,5 horas

The Power Broker: Robert Moses and the Fall of New York – Robert A. Caro

A biografia de Robert Moses, que mudou a cara de Nova York. O engenheiro mudou a estrutura básica da cidade, criou projetos públicos na ordem de US$ 27 bilhões, convenceu a ONU a construir sua sede em Manhattan e investiu em novas vias de transporte. Para o bem ou para mal (muito do que ele projetou foi a causa de diversos problemas urbanos que a cidade vivenciou), é um dos maiores nomes na indústria de construção americana.
Tempo de leitura: 19 horas

Da Próxima Vez, o Fogo – James Baldwin

O livro cujo título original é The Fire Next Time contém dois ensaios de James Baldwin com narrativas pessoais que tem um cenário comum de tensões raciais e desigualdades do início dos anos 1960.
Tempo de leitura: 2 horas

Andy Grove: The Life and Times of an American, Richard S. Tedlow

Nascido na Hungria, sobrevivente do Holocausto e da invasão soviética, Andry Grose foi o CEO da Intel durante a maior fase de crecimento da companhia. O livro narra a trajetória de um dos maiores empresários do século XXI e visto como herói dentro do Vale do Silício.
Tempo de leitura: 8 horas

Sapiens – Uma Breve História da Humanidade – Yuval Noah Harari

Yuval Noah Harari escreve sobre “disrupções” sob uma nova perspectiva. Muito antes da era digital, nossos ancestrais Homo sapiens vivenciaram uma revolução cognitiva que os permitiu ir além de suas fronteiras e colonizar o mundo. Harari traça os principais pontos de mudança, aborando assim a história da humanidade desde o surgimento da espécie. Relata fatos do passado cruzando outros do presente, como nossas experiências modernas com bioengenharia.
Tempo de leitura: 6,5 horas

Rápido e Devagar, Daniel Kahneman

Boa parte da carreira do psicólogo Daniel Kahneman foi dedicada a estudar o pensamento humano – a partir do viés cognitivo e teorias (uma das quais lhe rendeu um Nobel). Neste livro, ele destrincha as diversas formas de pensar.
Tempo de leitura: 7 horas

A sexta extinção – uma história não natural – Elizabeth Kolbert

Elizabeth Kolbert parte da constatação que em um século, a mudança climática causada pelo homem pode eliminar metada das especies que vivem na Terra atualmente. Ela começa a analisar essa extinção em massa por várias perspectivas: da Floresta Amazônica até o derretimento das gelerias no Ártico. Um livro que narra o impacto da intervenção do homem na natureza.
Tempo de leitura: 5 horas

12 escritoras para ler em 2017

0

12-escritoras-mulheres-800x445

 

Apesar de maioria entre os leitores, presença feminina no mercado editorial ainda é pequena.

Publicado na Estante Virtual

A literatura escrita por mulheres é frequentemente definida como “livros para mulheres”. Uma analogia de gênero que segrega leitores pelo fato de serem homens ou mulheres e não por interesses, vivências ou regionalismo. Um exemplo é uma lista do The Huffington Post que reapareceu no feed de notícias do Facebook e indica 21 títulos que “toda mulher deveria ler”. Curiosamente todos escritos por outras mulheres. Será que esses não seriam dignos de atenção da ala masculina também? Segundo a Revista Forum, J.K. Rowling, da saga Harry Potter, no início da carreira recebeu da sua editora o conselho de usar suas iniciais para assinar seus livros para que, assim, eles também atraíssem a atenção masculina e vendessem mais.

Para acabar com o desconhecimento e o preconceito sobre as autoras, há alguns anos, vêm surgindo movimentos de incentivo e afirmação feminina. Como o projeto #readwomen2014 (#leiamulheres2014), lançado pela escritora Joanna Walsh, com a finalidade de aumentar a visibilidade dentro do mercado editorial. O projeto acabou inspirando outros coletivos no mundo todo e, aqui no Brasil, surgiu o Leia Mulheres – clube que promove encontros mensais ao redor do país para a discussão de obras de escritoras. Afinal, quanto menos divulgadas, elas serão menos lidas e, consequentemente, menos premiadas. O próximo evento marcado será no dia 25 de janeiro, no Rio de Janeiro, para conversar sobre o livro Hibisco roxo, da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie.

Confira nossa seleção para preencher 2017 com histórias contadas por mulheres do mundo todo. As escolhas vão desde mundos fantásticos aos livros de não ficção. Um para cada mês do ano. “Who run the world?/ Girls!”

Outlander: A viajante do tempo, de Diana Gabaldon

Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a enfermeira Claire Randall volta para os braços do marido nas Ilhas Britânicas. Durante a viagem, ela é atraída para um antigo círculo de pedras, no qual testemunha rituais misteriosos. Dias depois, quando resolve retornar ao local, algo inexplicável acontece: de repente se vê no ano de 1743, numa Escócia violenta e dominada por clãs guerreiros. Diana Gabaldon cresceu no Arizona, Estados Unidos, e é de ascendência mexicano-americana e inglesa. Tem formação em Zoologia, Biologia Marinha e Ecologia. A série Outlander transformou-se em um enorme sucesso mundial e foi adaptada para a TV em 2014.

A vida que ninguém vê, de Eliane Brum

Uma repórter em busca dos acontecimentos que não viram notícia e das pessoas que não são celebridades. Uma cronista à procura do extraordinário contido em cada vida anônima. Uma escritora que mergulha no cotidiano para provar que não existem vidas comuns. O mendigo que jamais pediu coisa alguma. Essas são algumas das fascinantes histórias da vida real e que fizeram sucesso no final dos anos 90, quando as crônicas-reportagens eram publicadas na edição de sábado do jornal Zero Hora. Reunidas agora em livro, formam uma obra que emociona pela sensibilidade da prosa da jornalista Eliane Brum.

Vintém de cobre: Meias confissões de Aninha, de Cora Coralina

No tempo do mil réis, o vintém de cobre era a moeda mais desvaliosa, aquela que mal comprava um doce. Cora Coralina batizou com o nome da velha moeda as suas quase memórias, ou meias-confissões, como ela prefere, redigidas em versos.

Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie

Nascida no dia 15 de setembro de 1977 na Nigéria, Chimamanda Ngozi Adichie publicou seu primeiro romance, Hibisco roxo, em 2003. O segundo, Meio sol amarelo, ganhou o importante Orange Prize em 2007. A autora é voz importante na luta pelo direito das mulheres, tendo escrito, inclusive, as obras Sejamos todos feministas e Americanah – uma história de amor implacável que trata de questões de raça, de gênero e de identidade. Bem-humorado, sagaz e sensível, esta obra é, além de um romance arrebatador, um épico contemporâneo.

Fim, de Fernanda torres

O romance de estreia de Fernanda Torres traz um grupo de amigos cariocas às voltas com a morte e as próprias frustrações. Com uma narrativa leve e a partir de diferentes pespectivas, Fernanda conta e reconta os fatos, deixando a história ainda mais rica e envolvente. Com Fim, seu primeiro romance, a atriz consolida sua transição para o universo das letras e mostra que, nesse âmbito, é uma artista tão completa quanto no palco ou diante das câmeras.

A face oculta de Eva: As mulheres do mundo árabe, de Nawal El Saadawi

Este livro apresenta, por meio de depoimentos e entrevistas, a verdadeira mulher que vive no mundo árabe, diferente daquelas que o Ocidente conhece, ora apresentadas como dançarinas do ventre, ora recobertas da cabeça aos pés com um pesado véu. A obra mostra a face das camponesas e das trabalhadoras urbanas, de estudantes e de professoras, de profissionais liberais e de doutoras – das mulheres que pensam e das mulheres que falam o que pensam.

Uma vida pequena, de Hanya Yanagihara

Quando quatro amigos de uma pequena faculdade de Massachusetts se mudam para Nova York em busca de uma vida melhor, eles se veem falidos, sem rumo e amparados apenas por sua amizade e por suas ambições. Com uma prosa magnífica e genial, Hanya Yanagihara criou um hino trágico e transcendental do amor fraterno, uma representação magistral da dor física e psicológica, e uma análise da verdade nua e crua que permeia a tirania da memória e os limites da resistência humana. Foi finalista dos importantes Man Booker Prize e do National Book Award.

Não sou uma dessas, de Lena Dunham

Lena Dunham apresenta uma coleção de relatos pessoais hilários, sábios e dolorosamente sinceros que a revelam como um dos jovens talentos mais originais da atualidade. A autora conta a história de sua vida e faz um balanço das escolhas e experiências que a conduziram à vida adulta. Comparada a Salinger e a Woody Allen pelo The New York Times como a voz de sua geração, ela é conhecida pela polêmica que desperta e por sua forma única e excêntrica de se expressar e encarar a vida.

Niketche: Uma História de Poligamia, de Paulina Chiziane

Negra de origem humilde, Paulina teve de percorrer um longo caminho até se firmar como escritora. Primeira mulher moçambicana a publicar um romance, a autora faz uma literatura ligada às suas raízes culturais, abordando temas femininos num país em que a atividade é exercida quase em sua totalidade por homens. Niketche conta a história de Tony, um alto funcionário da polícia, e sua mulher Rami, casados há vinte anos. Certo dia, Rami descobre que o marido é polígamo: tem outras quatro mulheres e vários filhos. Numa decisão surpreendente, Rami decide ir atrás das mulheres do marido.

As águas-vivas não sabem de si, de Aline Valek

A três mil metros de profundidade, o oceano é um mundo sem luz, cheio das mais curiosas formas de vida e em sua maior parte inexplorado para quem vive na superfície. É nesse ambiente que mergulha Corina, flutuando no escuro como um astronauta no espaço, do jeito que gosta: cercada de água. Corina faz parte de uma equipe com cinco pessoas, que pesquisam os arredores de uma zona hidrotermal com o objetivo de testar trajes especiais de mergulho. A protagonista se vê obrigada a enfrentar seus dilemas e os dos colegas, em uma expedição liderada por um cientista com uma obsessão: encontrar inteligência no fundo do oceano. Uma história sobre mergulhar na solidão e ao mesmo tempo se cercar das vozes que pulsam no oceano.

Contornos do dia que vem vindo, de Léonora Miano

Depois da guerra que devastou Mboasu, um país africano imaginário, os pais não conseguem mais cuidar de seus filhos, que são expulsos de casa, acusados de serem a causa de todos os males. Contornos do dia que vem vindo conta a trajetória de uma dessas crianças, Musango, determinada a reencontrar sua mãe para, assim, compreender sua própria história. Ao acompanharmos a sua busca, testemunhamos a angústia e o crescimento de uma criança perdida no meio de um país atormentado pela violência, pela prostituição e pela superstição religiosa. Léonora Miano nasceu em Camarões e se naturalizou francesa. Foi a primeira autora de origem africana a ganhar o Prêmio Femina.

As três Marias, de Rachel de Queiroz

Publicado originalmente em 1939, o romance é um importante marco na literatura brasileira e um dos mais populares em toda a obra de Rachel de Queiroz. A história tem início nos pátios e nas salas de aula de um colégio interno dirigido por freiras e tem como protagonistas: Maria Augusta, Maria da Glória e Maria José, amigas inseparáveis. A escritora foi ainda mais fundo em um tema que já estava presente em todas as suas obras anteriores: o papel da mulher na sociedade.

Além desses nomes, participe e conte quem não poderia ficar de fora da lista!

Go to Top