Vitrali Moema

notícias

Maior ladrão de papéis raros do Brasil diz que Itaú Cultural tem outras obras roubadas da Biblioteca Nacional

0

Biblioteca Nacional. Ladrão afirma que peças que extraiu da Biblioteca Nacional estão em posse do Itaú Cultural Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Famoso por seus roubos, Laéssio Rodrigues diz que material inclui um desenho de Lasar Segall

Leonardo Lichote, em O Globo

RIO — Conhecido como o maior ladrão de livros, fotos e gravuras raras do Brasil, Laéssio Rodrigues de Oliveira, hoje em liberdade, afirma que o acervo do Itaú Cultural tem mais obras roubadas por ele na Biblioteca Nacional entre 2004 e 2005. Em março de 2018, Laéssio revelou que oito gravuras do alemão Emil Bauch, de 1852, expostas na instituição paulistana, pertenciam, na verdade, à biblioteca carioca . Peritos foram acionados e confirmaram a informação. Logo a seguir, as obras foram devolvidas à BN.

Agora, ele diz ao GLOBO que roubou da Biblioteca e que ainda estão em posse do Itaú Cultural: um desenho a lápis de título “Mulheres do mangue”, de Lasar Segall; uma aquarela da cidade de Manaus de Franz Keller-Leuzinger do século XIX; e litogravuras ovais do “Álbum do Rio de Janeiro moderno”, de 1960, de Sebastien Auguste Sisson.

Na semana passada, Laéssio depôs à Polícia Federal. Na manhã de sábado, a Biblioteca Nacional anunciou que, nesta segunda (3/12) faria uma entrevista coletiva, com participação da PF e do Itaú Cultural, para apresentar o resultado da perícia feita nas demais obras do instituito após a denúncia de Laéssio. “Além da Biblioteca Nacional, foram roubados o Itamaraty, o Arquivo Nacional, a UFRJ e o Museu Nacional, entre outros”, diz o comunicado de aviso de entrevista.

Carimbos raspados

Os peritos da Biblioteca Nacional preferem não se manifestar antes da coletiva, mas Laéssio afirma que o resultado da investigação pode provar o que ele diz. Ele também diz que alguns laudos podem ser inconclusivos porque as obras foram manipuladas justamente para impedir a identificação — com páginas raspadas para extrair carimbos que apontavam sua origem. E conclui: o procedimento para esconder a procedência da obra prova que ela foi produto de roubo.

— No livro “Brasiliana Itaú” (que mostra a coleção Brasiliana do Itaú Cultural) , há uma coleção de revistas do século XIX “Polichinello” com o carimbo nitidamente arrancado. Fui eu que arranquei.

Laéssio afirma que mostrou essa e outras evidências a representantes do Itaú Cultural. Diretor da instituição, Eduardo Saron conta que as cartas nas quais Laéssio apontava denúncias do tipo foram entregues à Polícia Federal e motivaram uma auditoria para verificação do acervo.

— A única vez em que tivemos conexão entre uma obra de nosso acervo e uma outra instituição da qual ela teria sido roubada foi nessa ocasião das gravuras de Emil Bauch — conta Saron. — Na única vez em que isso aconteceu, eu pessoalmente procurei a Biblioteca Nacional pra oferecermos o acervo para que eles fizessem uma análise e propusemos uma parceria.

‘Mero ladrão em processo de especialização’

Como já havia feito em março, Laéssio afirma que boa parte do material que roubou foi a pedido de Ruy Souza e Silva. Segundo ele, de 2003 a 2007 recebeu, no total, “quase R$ 1 milhão” por encomendas do “doutor Ruy”, que é colecionador e ex-marido de Maria Alice Setubal (filha de Olavo Setubal, banqueiro do Itaú).

Na época, Souza e Silva negou a acusação de que teria comprado as ilustrações de Laéssio, afirmando que as adquiriu da loja Maggs Bros., em Londres. Semanas depois foi comprovado por perícia que as obras eram as roubadas. Após o resultado, o colecionador manteve sua posição em entrevista ao GLOBO , “destacando a compra documentada do Maggs, em Londres, ocorrida 13 anos antes de qualquer notícia relacionada ao furto”. Souza e Silva disse, na época, que estava sendo chantageado por Laéssio.

— Dr. Ruy me pagava todas as vendas me pagava com cheques dele. A Polícia Federal tem essa lista de cheques — diz Laéssio. — A soma dos cheques, entre 2003 e 2007, dá quase um milhão. A quantia é muito mais pelo volume de coisas que roubei do que pelo valor das obras, porque senão eu teria ganhado muito mais. Eu me senti usado pelo Dr. Ruy. Porque eu sabia roubar, mas era ele que tinha expertise em obras raras, era ele quem dava o preço. Eu era um mero ladrão em processo de especialização e aperfeiçoamento. Se eu era o maior ladrão de livros raros do Brasil, ele deveria ser o maior interceptador de livros raros do Brasil, afinal 80% do que roubei foram para ele.

Procurado pelo GLOBO para se manifestar sobre as acusações, Souza e Silva respondeu que preferia não conceder entrevista no momento.

A história de Laéssio já foi contada no documentário “Cartas para um ladrão de livros”, de Carlos Juliano Barros e Caio Cavechini. Agora, há o projeto de transformar sua vida num filme de ficção, com direção de Mauro Lima (“Meu nome não é Johnny”). Laéssio assume que suas denúncias — além de movidas pela vingança contra Ruy, que não teria pago a ele uma quantia devida por um roubo — são movidas por seu desejo de divulgar o filme:

— Perguntaram quem eu gostaria que fizesse meu papel, eu escolhi Matheus Nachtergaele pra fase mais velha. Pra juventude, disse que podia ser o Daniel Oliveira ou o Caio Blat.

Noivos casam em cerimônia inspirada na saga Harry Potter em MS: ‘Queríamos que fosse literalmente mágico!’

0

Casamento inspirado na saga Harry Potter envolveu família e amigos que se prepararam para o dia — Foto: Fabio Ozuna/Reprodução

Vestida como Fleur Delacour, noiva planejou todos os detalhes do ‘Potter Wedding’ que teve padrinhos com cosplay completo, cerimônia, bolo, buquê e decoração no clima de Hogwarts.

Jaqueline Naujorks, no G1

Ela é Grifinória, ele é Sonserina. Ariana Toledo e Bruno Alle Cotte são professores e quando decidiram se casar, eles souberam na hora como esse momento deveria ser:

“Sempre gostamos muito desse mundo da magia, do sobrenatural, casamento tradicional nunca foi meu sonho. Minha mãe sugeriu como tema algo que amávamos, e logo veio Harry Potter”, conta a noiva.

Os noivos Ariana e Bruno, escolheram se casar em um dia ‘literalmente mágico’ — Foto: Fabio Ozuna/Reprodução

Ariana e Bruno e são muito, muito fãs da saga Harry Potter. Desde maio deste ano eles planejaram a festa que aconteceu no último sábado (1), em Campo Grande (MS). “É uma paixão em comum, nossa casa é cheia de referências ao universo Potter, quadros, ele mesmo me fez um quadro pintado quando nos mudamos para nossa casa”, relata a noiva.

Os padrinhos usaram cosplays completos e as madrinhas usaram vestidos na cor de suas respectivas “casas”, que na história, são como irmandades para as quais os alunos são destinados, definidas de acordo com sua própria personalidade. “Foram todos muito parceiros e deram um show à parte no casamento”.

Padrinhos entraram no clima do casamento inspirado na saga Harry Potter em MS. — Foto: Arquivo pessoal

O vestido de Ariana foi inspirado na única noiva da saga, Fleur Delacour: “Eu queria os detalhes do preto, e minha costureira acertou em cheio!”, conta a noiva. No cabelo, ela usou um arranjo que continha o “Pomo de ouro”, um dos objetos mais marcantes na história de Harry Potter. O noivo usou uma gravata com as cores de sua “casa”, Sonserina.

Vestido de Ariana foi inspirado na única noiva da saga, Fleur Delacour. — Foto: Fabio Ozuna/Reprodução

A cerimônia teve “Voto Perpétuo”

Quem celebrou o casamento foi Monique, uma amiga do casal: “Ela fez uma cerimônia linda, com direito a referências do que gostamos. O enlace foi com voto perpétuo”, conta a noiva. O “Voto Perpétuo” na saga significa o maior dos juramentos, um compromisso para toda a vida.

Juramento dos noivos foi com Voto Perpétuo — Foto: Fabio Ozuna/Reprodução

A decoração da festa para 100 convidados deixou todos no clima. Ariana conta que nos quase 7 meses de preparação, os noivos compraram os detalhes da decoração em sites especializados.

“Como somos fãs da saga, sabíamos o que não poderia faltar. O Grande Salão com as bandeiras das casas, muita iluminação para remeter à magia. Nosso bolo, topo de bolo, bandeiras, castiçais, tudo foi comprado pela internet”.

O “Grande Salão” tinha as bandeiras das “casas” de Hogwarts. — Foto: Arquivo pessoal

Os padrinhos compraram os cosplays (que são fantasias bem fieis ao personagem) em uma loja que vende artigos da saga em Campo Grande. O bolo, tinha os noivos caracterizados como os bruxos de Hogwarts e a mesma referência ao pomo de ouro, que estava no cabelo da noiva.

No bolo e na mesa de doces, tudo no clima de Hogwarts. — Foto: Fabio Ozuna/Reprodução

Na recepção dos convidados, a foto dos noivos – que normalmente é produzida, feita em um ensaio prévio – era um quadro em que aparecem como procurados, uma referência ao personagem Sirius Black, que foge da prisão no terceiro livro da saga:

A noiva conta que muitos convidados que não conheciam muito sobre Harry Potter, foram procurar filmes e livros: “As pessoas tiveram a opção de se envolver no tema ou não, mas a maioria quis realmente fazer parte”, relata.

Foto dos noivos que recepcionava convidados era uma reprodução do cartaz em que Sirius Black aparece como procurado — Foto: Fabio Ozuna/Reprodução

O buquê de Ariana, surpresa de uma amiga que mora nos Estados Unidos, tinha referências pessoais nos mínimos detalhes: “Ele tinha flores brancas, com páginas do livro e um lírio vermelho, que era a flor preferida da minha avó”.

O buquê de Ariana tinha páginas dos livros de Harry Potter — Foto: Arquivo pessoal

Os amigos e familiares receberam um passaporte para a Plataforma 9 3/4, que na história, dá acesso ao mundo dos bruxos. “Já que era para entrar de cabeça, a gente tentou desde o início ter referências Potter. Nosso convite de casamento foi um passaporte pra Hogwarts e o convite para padrinho e madrinha foi o Mapa do Maroto em forma de quebra-cabeça”, conta.

Os convidados receberam o convite com um passaporte para a Plataforma 9 3/4. — Foto: Arquivo pessoal

O pai de Ariana levou-a até o noivo usando o uniforme completo de Grifinória. Para a noiva, mais que a realização do sonho de casar-se com Bruno, o envolvimento dos amigos, da equipe que trabalhou na cerimônia e da família, foi o que transformou o grande dia do casal em um momento diferente:

“Todos entraram na magia e nesse mundo que partilhamos. Queríamos que fosse literalmente mágico, e foi! Estamos muito felizes, foi um dia inesquecível e mágico mesmo, para nós e para todos que partilharam dele com a gente”, finaliza, emocionada.

A livraria como ponto cultural não deve deixar de existir, diz Luiz Schwarcz

0

Luiz Schwarcz, fundador e dono da Companhia das Letras, uma das principais editoras brasileiras, em sua casa.

Presidente do grupo Companhia das Letras fala sobre sua carta e crise no setor

Francesca Angiolillo, na Folha de S.Paulo

Com dívidas exorbitantes, as maiores redes de livrarias do país, Cultura e Saraiva, entraram com pedidos de recuperação judicial no lapso de um mês, ameaçando o setor editorial como um todo.

Uma carta, divulgada na última terça (27), foi a maneira que Luiz Schwarcz, 62, presidente do grupo Companhia das Letras, encontrou para convocar ao enfrentamento do que chamou de “os dias mais difíceis” do livro no país.

O editor recebeu a Folha na sede da Companhia das Letras para analisar a crise e comentar sua opção pelo apelo direto ao leitor. “Não é assim que a política está funcionando?”

Na opinião de Schwarcz, deve haver uma reversão na tendência de alta de vendas que vinha desde 2017. Para ele, editores contribuíram para a crise ao segurarem o preço dos livros, apesar da inflação.

Nos últimos dias, ele diz ter visto otimismo com a mobilização gerada após sua carta.

“O que vai acontecer agora no Natal, eu não sei dizer.” Mas, conta, “publicitários mandaram slogans para lojas fazerem cards digitais, lojas do interior pedem chamadas para campanhas próprias, novas campanhas entrarão no ar por sites de mobilização. Não sei o tamanho da ajuda, mas alguma haverá.”

A crise deve afetar editoras de diferentes portes ao mesmo tempo? Acho que editoras de portes diferentes sentem a crise diferentemente. Muitas editoras pequenas não forneciam para essas redes. As grandes foram as que tiveram maiores danos pelo volume de crédito que tinham, ou pelo volume de livros consignados em poder das livrarias. No entanto têm mais poder de recuperação. O grave talvez seja para as médias; elas podem representar parte significativa do montante que não será pago.

O Brasil esteve na maré contrária um tempo atrás, as livrarias muito mal lá fora e muito bem aqui. Isso se inverteu.

O que acho que aconteceu em parte nos EUA e que é diferente daqui, é que houve uma concentração muito grande na venda online e um crescimento da venda digital, que depois diminuiu. Agora você tem as livrarias independentes se fortalecendo de novo.

Nos EUA a venda online representa 50% do mercado. No Brasil não existe isso. Houve outros fatores na minha opinião, erros de gestão sobre os quais pretendo falar pouco, porque não cabe a mim julgar.

Quais? Em linhas gerais, o que eu posso dizer é que essas redes não voltaram com o Brasil. Continuaram com um número grande de pontos, talvez até por motivos nobres, ou não queriam olhar para a recessão que estava pegando também o leitor. Demoraram para se adequar, até agora.

No momento que o Brasil começa a crescer, que uma classe C ou D começa a entrar no mercado, cria-se a ilusão de que os volumes vão crescer, o que de fato começa a acontecer, e para uma classe que estava crescendo na pirâmide educacional, mas não proporcionalmente na de renda. Então os editores, para entrar nas listas de mais vendidos, começam a quantificar o livro; R$ 29,90 era quase padrão para poder ser best-seller, depois R$ 34,90, R$ 39,90. Então você imagina as redes de livrarias na ilusão de crescimento, os editores na ilusão do best-seller e esses livreiros tendo que pagar salários e aluguéis indexados pela inflação.

Os erros não foram só dos livreiros. Os editores contribuíram. Protagonistas das duas livrarias que estão em dificuldade falavam explicitamente: “Meus aluguéis estão subindo e os preços dos livros, não”.

Uma editora grande não quebra numa crise dessas? Na minha opinião, não. Elas têm caixa acumulado, ou seus sócios têm capacidade de reinvestir. O que acontece com as grandes é que elas tiveram cortes significativos em termo de número de livros a lançar.

Vocês se refrearam? A Companhia passou de 350 livros por ano para 300 e deve, no ano que vem, cortar mais 15% ou 20% dos livros programados. Você fecha portas para novas aquisições, atrasa livros com capacidade mais lenta de retorno, é obrigado a segurar a rapidez com a qual reimprime esgotados. Temos começado a renegociar contratos e a falar que vamos soltar só em digital. Mas é um dano.
As demissões nas editoras grandes foram bastante significativas. Na Companhia foi muito pouco, mas, se não conseguirmos realocar as vendas dessas redes rapidamente…

O Natal vem aí. Foi negociado algum acordo com as livrarias que não estão recebendo livros? A Companhia foi uma exceção no sentido de se mostrar aberta à reposição dos estoques nessas duas redes.

Em qualquer circunstância ou agora? Agora. Em geral nós tivemos um relacionamento [com as livrarias] que alguns concorrentes consideram excessivamente generoso, ou complacente. O fato de eu na minha carta não acusar ninguém foi objeto de crítica.

As editoras não podem mais assumir o risco de créditos significativos. Mas acho que nossos livros voltarão para essas lojas num prazo curto. A esperança que tenho é que os esforços permitam que essas livrarias encontrem investidores, porque o produto, como está na carta, é uma das únicas mídias que não tiveram disrupção [com o digital]. Não há mudança de paradigma de como se produz o livro, de como é feito, como é vendido.

Pelo paradigma daqui as livrarias ficam com 50% do valor de capa. É justo? As maiores ficam com 50%. O editor, com 50%, tem que pagar seus custos, o direito autoral. É duro falar do que é justo no sistema capitalista. Não sou partidário do ultraliberalismo, sou defensor da lei do preço fixo, que limita a competição no primeiro ano de existência do livro. Alguns jornalistas têm considerado um roubo contra os leitores. Não. O editor não ganha mais.

Se você padroniza muito o tipo de rede para um tipo de livro, e a concorrência livre permite que livrarias trabalhem com margem negativa, ou cheguem ao ponto de colocar seus robôs competindo, você efetivamente trabalha contra a diversidade, contra o editor e o livreiro pequenos.

Se ainda estamos publicando livro como 500 anos atrás, a livraria como ponto cultural onde se expõe essa diversidade não deve deixar de existir.

O sr. não tinha ecommerce… Hoje temos. Estamos mudando. A outra parte da carta era o desafio de propor soluções criativas para isso. Os editores vão ter que se reinventar. Nós sempre dissemos “não vamos competir com os livreiros”. Hoje você pode encontrar qualquer livro da Companhia no marketplace da B2W. Vamos entrar em todos os marketplaces, criar uma logística própria. Se uma editora grande pensasse nisso um ou dois anos atrás, teria oposição feroz dos livreiros. Hoje temos de trabalhar muito com as livrarias que podem crescer.

Que responsabilidade tem o varejo digital na crise? Acho que o varejo digital nem veria com maus olhos uma autorregulação. Nós fazemos isso, se vemos descontos muito altos, destruindo a cadeia, muitas vezes temos poder de mercado para dizer “não vou te fornecer esse livro”. Chegamos a pensar até a ter nosso robô para enfrentar os do mercado. A crise está mostrando para os editores, no mínimo, que temos de valorizar o produto. Ir ao cinema, para um casal, com estacionamento, é bem mais caro que um livro. Um livro normal não custa R$ 80. Por que as pessoas acham que um livro não pode custar R$ 80?

E quanto à reinvenção? Lançamos no site uma coisa chamada Companhia na Rua. Vamos estar em dez feiras até o final do ano, só em São Paulo. O leitor poderá saber onde nós estamos. Quando livros começaram a faltar nas redes, criamos o Socorro, Companhia. Começamos a ter reclamações, então nesse serviço você fala seu CEP e dizemos onde tem ou mandamos para o lugar mais próximo.

Não é simples. A editora nunca foi uma especialista em varejo. Vamos ter que aprender. Vamos colocar bikestores nas ruas e outras coisas. Queremos ainda preservar as lojas, mas o volume do movimento que vai deixar de existir, até novas lojas se formarem, uma rede comprar outras, aparecer um investidor… Os leitores não diminuem.

Como vê o impacto da carta? Foi incrível, nunca imaginei. Sentei no sábado, escrevi uma versão, mandei para algumas pessoas, falaram que estava longa. Ainda é longa. Falei “vou pôr no ar”. Não é assim que a política está funcionando, para o bem e para o mal? Você cria redes de solidariedade, tentei criar uma para o bem. Não tenho Facebook, Instagram, não sou operador das novas mídias. Mas falei: “Qual é a forma de comunicar hoje? É com franqueza, sinceridade”. Não imaginava que minha carta seria repassada. Estava pedindo que as pessoas passassem, elas, mensagens de amor ao livro.

O país está em crise, as livrarias fizeram erros, os editores calcularam mal o valor do livro; eu, leitor, sou instado a salvar o barco e sem descontos. Não houve reações contrárias? Recebi duas de pessoas que acharam que fui excessivamente generoso com as redes. Recebi uma de uma livraria no interior do Paraná, que diz que faço esse apelo, mas não prestigio a livraria pequena. E uma quarta, de um distribuidor que deixou de trabalhar para a Companhia, que diz que a ganância dos editores [ao adotarem distribuição própria] levou a isso.

Não concordo com a questão dos descontos. Você cria uma reserva para o primeiro ano e permite que livrarias que carregam catálogo também tenham as novidades. Nos EUA, o leitor não compra o “hardcover”, ele espera um ano pelo “paperback”. Ou compra o digital. Que diferença isso faz para que se possa manter a existência de uma rede livreira e de pequenos lançamentos saudável?

Um dos problemas foi a consignação. Isso não entrou no debate antes? O certo seria: vendeu o livro na loja, apita aqui, sai do meu estoque, vai para meu débito de direito autoral. Criamos um sistema que depende de um meio digital muito confiável ou de uma relação de paridade muito grande. No começo era tão menor o volume que, no final do ano, havia uma contagem física. As livrarias cresceram tanto que eu não tinha mais condição de fazer isso. A consignação foi virando um monstro. Antes do aguçamento da crise, já estávamos dizendo às livrarias “comecem a pensar que o sistema vai ter que mudar”.

Continuam consignando? Continuamos. Mas vai ter que haver uma adaptação, um sistema misto, ou um sistema de compras. Depois que passar a tempestade, se eu tiver a capacidade de investir num sistema de TI, a Penguin Random House já desenvolveu mecanismos de cálculo de tiragem, mecanismos para saber quanto exatamente tem em cada loja, você controla como fazer as reposições, reimprimir. Tem caminhos. Mas você precisa de um mercado minimamente vivo e saudável.

O sr. escreveu outra carta antes, pedindo voto em Fernando Haddad. Que perspectivas o sr. acha que desenham para a cultura e os livros no novo governo? Acho que julgar o próximo governo antes de ele estar empossado é temerário. Eu esperava para a carta anterior um congraçamento que era, claro, muito mais difícil de realizar do que para os livros. Mas não aconteceu. Eu dizia que o PT que tinha chegado ao segundo turno fizesse a autocrítica, assumisse posturas de responsabilidade no Orçamento e, em troca disso, que as pessoas se juntassem para que não houvesse uma mudança na forma como a democracia brasileira tinha sido construída.

Nas duas cartas, o sr. pediu dois votos de confiança para sistemas em revisão. Só que é muito mais fácil revisar o mercado editorial do que o país. No caso da outra carta, houve um pedido para que eu escrevesse aos editores, de uma pessoa ligada à campanha do Haddad. Era antes do primeiro turno, eu falei “não, se ele for para o segundo turno eu faço”. Não sou militante do PT, sempre fui mais para o centro-esquerda do que para esquerda. E a editora é plural —outro dia, desafiei os editores a procurarem bons livros de direita, a direita boa precisa de valorização. Estava muito angustiado com a possibilidade de não haver uma junção das pessoas e fiz aquela carta. Alguém que respeito muito falou: “Que coragem defender o perdedor”.

O sr. espera não estar defendendo um perdedor desta vez. Tenho praticamente certeza de que estou defendendo um vencedor.

O sr. acha que é agudo ou crônico? É agudo e vai passar. Se alguma ideia criativa dos editores vingar, se novas formas de relacionamento com os leitores surgirem. A questão é: todos vão se recuperar?

Projeto idealizado por paulistana constrói bibliotecas pelo país

0

A idealizadora Vera Quagliato na inauguração de uma das bibliotecas, no Pará (Projeto Primavera/Divulgação/Veja SP)

Guilherme Queiroz, na Veja SP

Idealizado em 2012, o Projeto Primavera leva bibliotecas para vários estados do Brasil. A iniciativa recebe doações de livros e monta os espaços em locais com pouco acesso a leitura.

A ideia surgiu com Vera Quagliato. A paulistana é formada em administração hospitalar, e foi inspirada a começar o projeto social depois de ler o livro Saí da Microsoft para Mudar o Mundo, de John Wood. O americano se demitiu da corporação bilionária e iniciou uma ação de implementação de bibliotecas e escolas em locais com baixos índices de alfabetização ao redor do mundo, fundando a organização Room to Read.

A unidade do Projeto Primavera da capital fica na Paróquia de Santa Edwiges, na Zona Sul (Projeto Primavera/Divulgação/Veja SP)

Desde a fundação, Vera calcula que já recebeu mais de 50 000 livros. “Exemplares não faltam, temos bibliotecas montadas em muitos locais do Pará, interior de São Paulo, Goiás e Distrito Federal”, conta ela. A maior parte das doações são feitas por meio das redes sociais. A unidade da capital fica no Jardim Santo Antônio, na Zona Sul, dentro de uma igreja, e foi a sexta a ser construída pelo Primavera, em 2015.

A última unidade, a 19ª, foi levantada em julho deste ano, em Ourinhos, interior do estado.

Uma presença brasileira em ‘Animais Fantásticos’

0

Cena do filme Animais Fantásticos Foto: WARNER BROS

Designer mineiro Eduardo Lima fala de seu trabalho nos longas da série

Pedro Rocha, no Estadão

O segundo filme da franquia, Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald – com Johnny Depp, Eddie Redmayne e Jude Law no elenco –, já está em cartaz no Brasil há mais de duas semanas, mas a expectativa dos fãs no País já está nos próximos volumes da série, que se passa no mundo mágico de Harry Potter.

Recentemente, em suas redes sociais, a autora britânica J. K. Rowling, que assina o roteiro dos filmes da franquia, deu a entender que algum dos filmes seguintes deve se passar no Rio de Janeiro. Depois de um longa ambientado em Nova York, o novo tem Paris como cenário.

O que talvez nem todos os fãs saibam é que, desde o primeiro filme da saga Harry Potter, em 2001, estrelada por Daniel Radcliffe, já há um pouco de Brasil na série. O mineiro Eduardo Lima assina o design dos longas da série desde o início, com a sua companhia MinaLima, estabelecida em Londres.

O trabalho continua com Animais Fantásticos e ele agora está na torcida por um filme ambientado no Brasil. “Ainda não está oficialmente confirmado, mas já falei para a minha sócia, a Miraphora Mina, que, se tiver cenas no Brasil, eu que vou fazer tudo”, brinca o designer, em entrevista ao Estado, por telefone.

A empresa de Lima é responsável por criar os detalhes dos filmes, como o jornal O Profeta Diário e o Mapa do Maroto. Além disso, a MinaLima assina também as capas dos livros com os roteiros dos filmes Animais Fantásticos, que, no País, são publicados pela editora Rocco. Por isso, a editora vai trazer o designer para participar da Comic Con Experience, em São Paulo, dias após o lançamento do livro Os Crimes de Grindelwald, previsto para chegar às lojas neste sábado, 1.º de dezembro.

Eduardo Lima. Foto: Fernando Lemos – O Globo

Como o roteiro do novo filme se passa na Paris dos anos 1930, Lima diz ter feito uma mistura de referências de Art Nouveau e Déco para a capa do livro. “Na França, a Art Nouveau ainda estava muito forte. Colocamos detalhes para causar surpresas, as pessoas precisam parar para ver os desenhos”, afirma.

Caxambu. Sobre o trabalho no longa-metragem, dirigido por David Yates, o designer diz sentir uma forte diferença da saga original. “Nos filmes de Harry Potter, nós tínhamos os livros como apoio, agora é direto da cabeça da Jo (a autora J. K. Rowling) para o longa. No roteiro, não tem tantas informações dos objetos”, explica o mineiro, que relata que, no entanto, mantém um canal direto com a escritora britânica, para tirar dúvidas. “Fazemos duas listas, uma com objetos que os atores precisam ter em mãos e outra com gráficos, pôsteres, placas de carro, coisas assim.”

O designer admite que, desde os filmes Harry Potter, faz algumas brincadeiras, como colocar o nome da sua cidade natal, Caxambu, no fictício jornal O Profeta Diário. “Quando precisamos fazer um jornal, só recebemos a manchete principal, o resto precisamos preencher”, esclarece Lima.

Go to Top