Uma vida com prioridades

Livros ‘invadem’ praias do litoral paulista no verão

0

Cassiano Elek Machado, na Folha de S.Paulo

A livraria tem 170 cavalos de potência, seis marchas, freio com discos ventilados e seis rodas a disco de aço. Além, claro, de “Cinquenta Tons de Cinza”, “Ágape” e mais de 2.000 títulos.

Instalada no cangote de um caminhão-baú, a Livraria Móvel da Editora Unesp, a primeira do gênero no país, começou a operar há dez dias, no litoral de São Paulo.

Estará hoje na praia de Pitangueiras, no Guarujá. Mas amanhã, pega a estrada. Só volta a operar, na praça da Alegria, em Boiçucanga, em São Sebastião, no dia 6.

A loja ambulante é criação do presidente da Editora Unesp, o professor de filosofia José Castilho Marques Neto, 59, que desenhou pessoalmente o projeto.

“É comum no mercado editorial criticarmos a falta de livrarias. Resolvemos criar uma que possa ir atrás dos leitores”, diz Castilho.

Alessandro Shinoda/Folhapress
Livraria-caminhão da Editora Unesp na praia de Pitangueiras, no Guarujá, litoral sul de SP
Livraria-caminhão da Editora Unesp na praia de Pitangueiras, no Guarujá, litoral sul de SP

Após as operações-piloto no litoral de São Paulo, a livraria irá atrás dos leitores que frequentam os campi da própria Unesp. Fará um tour pelas 24 cidades onde atua a universidade. Em julho, ela deve estacionar no inverno de Campos do Jordão.

Com uma área de 20 m², a livraria-caminhão tem até vitrine e consegue receber 20 clientes ao mesmo tempo.

Em suas estantes, desenhadas de modo a não terem de ser desmontadas a cada viagem, estão livros universitários, mas também obras convencionais, como os best-sellers de tinturas eróticas ou espirituais, os mais vendidos nos primeiros dias da loja.

Dica do Chicco Sal

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

10 sites em português para se aprender de graça na Internet

2

1

Yeltsin Lima, no Meio Bit

Como prometi nos comentários do meu texto anterior, fiz uma lista com diversos sites de EaD (Ensino a Distância) em português ou com conteúdo traduzido para o português. Espero que gostem dos sites que cito a seguir e, claro, são sempre bem-vindas novas sugestões nos comentários.

#10 – Buzzero

O Buzzero é um site com mais de 1500 cursos em diversas áreas. Outros cursos custam em média R$20,00. Ao total são 21.000 cursos online (entre pagos e gratuitos).

#9 – Fundação Bradesco

A  Fundação Bradesco possui cursos voltados ao administrativo e tecnologia como Banco de Dados, Desenvolvimento de Aplicações, Governança de TI, Informática, Infraestrutura, Segurança, Sistemas Operacionais e Microsoft Office.

#8 – Senado Federal

O  Senado Federal também possui uma série de cursos totalmente grátis e ministrados online. São cursos voltados sobre o Legislativo, Gestão Administrativa no Setor Público, Direito Eleitoral, entre outros. Alguns cursos possuem tutoria.

#7 – LearnCafe

LearnCafe é um site com mais de 600 cursos diferentes. A maioria dos cursos são bem básicos como Word 2010 Pro 2 (?), “Como ‘por’ seu nome na tela inicial do Google”. Os cursos são produzidos pelos próprios usuários, ou seja, é uma colaboração entre os dois usuários: estudantes e professores. Apesar do nome, todos os cursos são em português.

#6 – African Virtual University

“Mais um site em inglês”? Calma. A African Virtual University, possui cursos em português (europeu/africano), são poucos os assuntos, entretanto já é bem interessante. Os assuntos são Biologia, Física, Matemática, Psicopedagogicas, Química.

#5 – FGV Online

Fundação Getúlio Vargas possui uma lista de diversos cursos, voltados para empreendedores. Ela foi a primeira instituição brasileira a ser membra do OpenCourseWare Consortium – OCWC, um consórcio de instituições de ensino que oferecem cursos de graça pela internet.

#4 – Sebrae

O Sebrae já me ajudou bastante (e foi citado pelo Magno Paz no artigo anterior). Para quem está iniciando uma empresa ou está planejando abrir uma empresa, é possível encontrar ótimas referências, inclusive cursos online. Todos os cursos são gratuitos e são bem informativos. Gostaria de deixar uma recomendação dos três cursos que eu acho bem importante:  Internet para Pequenos Negócios,  Atendimento ao Cliente e Empreendedor Individual. O Sebrae possui uma ótima referência também em artigos, vale a pena dar uma olhada em Quero abrir um negócio.

#3 – e-Aulas da USP

Também recomendado por um leitor do blog, o Alexandre Suaide, o portal da USP possui uma gama incrível de cursos. Lançado recentemente, o número de aulas está crescendo, então é de se esperar que, por enquanto, você não encontre vídeos mais específicos, como Publicidade e Propaganda (eu fui direto lá). Como citado pelo Alexandre no comentário:

(O portal) É bem novo, foi lançado pela USP há poucas semanas oficialmente. A tendência dentro da USP é disponibilizar cada vez mais conteúdo digital. Não apenas aulas mas artigos científicos, etc.

Basicamente a USP está acompanhando uma tendência digital, como vimos no  artigo anterior, faculdades como a MIT já disponibilizam boa parte do seu conteúdo em formato digital.

#2 – Veduca

Recomendado gentilmente pelo comentarista Christiano, Veduca é uma coleção de vídeos do YouTube separados por áreas de estudo acadêmico. Grande parte dos vídeos são do TED, todos são legendados em português. Boa parte da coleção é destinada ao ensino de Ciência da Computação e Medicina.

#1 – Khan Academy em Português

Como citado pelo(a) leitor(a) Tetizera, o site da Fundação Lemann possui boa parte dos vídeos da Khan Academy traduzidos para português. São diversos assuntos abordados pela “academia” como: Aritmética, Biologia, Física e Química. Na versão em inglês, é possível ter acesso a uma “gama” bem maior de assuntos. É possível ainda acessar o canal do YouTube da Khan Academy em Português, contando com mais de mil vídeos.

dica do Tom Fernandes

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

O poder do jornal

0

Eduardo Tessler, no  Mídia Mundo

Este vídeo vem da Bélgica e mostra o nível de atenção que os jornais provocam nos leitores.

Para quem ainda tem dúvidas sobre a força dos meios de comunicação.

Sensacional.

dica do Tom Fernandes

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Como ler e analisar um clássico da literatura

1

Você consegue analisar um texto literário? Confira 10 dicas para fazer isso bem e aproveitar melhor a sua leitura

Publicado no Universia Brasil

imagen-relacionada

Crédito: Shutterstock.com / Comparar o texto literário que está lendo com outros do mesmo autor ajuda a determinar se houve alguma evolução

Ler uma obra literária é formidável. Os textos literários têm, em geral, o objetivo de emocionar o leitor, e para isso exploram a linguagem conotativa ou poética.

Confira a seguir 10 dicas para aproveitar melhor a sua leitura:

1. Não se irrite com facilidade

A dica é ler com curiosidade e expectativas razoáveis. Não é importante entender cada palavra da obra. A literatura vai além dos vocabulários.

2. Escolha a melhor edição

Busque a edição do livro que tenha uma boa introdução, ou seja, a mais fácil de entender. Boas introduções explicam o contexto histórico, os fatos mais importantes da obra, a vida do autor, a estrutura, o estilo e muito mais.

3. Não interrompa a leitura para buscar palavras no dicionário

Apenas faça isso se a palavra em questão apareça muitas vezes na obra, ou se não conhecer o seu significado impede você de entender o texto.

4. Faça anotações

Fazer anotações ajuda muito, especialmente quando a obra tem muitos personagens (exemplo: Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez). Você pode simplesmente anotar as coisas que mais chamam a sua atenção. Outra dica é fazer um resumo ao final de cada capítulo. Alguns textos literários não têm uma narrativa linear. É o caso da poesia. Nem sempre há uma história com começo e fim.

5. Identifique os temas

Geralmente, há temas e subtemas. É preciso identificá-los.

6. Analise os personagens e o narrador

Quem é o protagonista da obra? Às vezes, o autor dedica muito tempo a descrever os personagens. Além disso, é preciso determinar também quem é o narrador. Provavelmente, o narrador é um dos personagens, mas também pode ser apenas uma voz onipresente.

7. Preste atenção em como a história é narrada

Não fique atento a descobrir apenas quem é o narrador da história. Tente entender também como essa história é narrada. Note se a narração é linear, ou seja, se conta os fatos em ordem cronológica.

8. Preste atenção ao estilo de linguagem

É uma linguagem coloquial ou formal? Existe alguma conexão entre o argumento e o estilo? Você deve notar, por exemplo, se há muita descrição ou uso de metáforas no texto.

9. Considere o contexto histórico

É importante considerar a situação política, econômica e social em que a obra foi escrita, assim como os movimentos culturais vigentes da época.

10. Compare o texto com outros do mesmo autor

Comparar o texto literário que está lendo com outros do mesmo autor ajuda a determinar se houve alguma evolução. Ajuda a entender se o texto se encaixa em algum movimento literário.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Autopublicação se multiplica no Brasil, onde best-sellers ainda são exceção

0

Raquel Cozer, na Folha de S.Paulo

Um fenômeno interessante perdurou por um ou dois dias em dezembro, quando a Amazon estreou no Brasil.

No primeiro lugar da lista de mais vendidos da loja virtual não estavam “50 Tons” nem “O Hobbit” nem nenhum título vendido a menos de R$ 5. Naquele glorioso período, o topo pertenceu a “Organizando a Vida com o Evernote”, de Vladimir Campos, vendido a cerca de R$ 15.

Pelo tema, um tanto restrito (Evernote é, grosso modo, um programa para guardar anotações on-line), o ocorrido já seria digno de nota, mesmo considerando que as vendas da Amazon não começaram tão expressivas no geral. Mas isso é só parte dessa história.


Eduardo Spohr, 36. Vendeu 4.500 cópias de seu livro de estreia, “A Batalha do Apocalipse”, antes de publicar o mesmo título pela Verus, onde já passou dos 400 mil.
Campos lançou o e-book de forma independente. Formatou-o sozinho, pôs nas lojas virtuais e divulgou na rede. Em um mês e meio, vendeu mais de 1.400 cópias. Esse é um retrato recente de um movimento tradicional que, no mundo todo, vem sendo impulsionado pelas facilidades da internet: o da autopublicação de autores.Mas é também, no que diz respeito ao Brasil, uma exceção. Enquanto nos EUA as listas de best-sellers andam dominadas pelos “self-published” –nomes como E.L. James e Amanda Hocking surgiram assim–, por aqui eles quase nunca passam das dezenas de cópias vendidas.Os números do Clube de Autores, um dos maiores sites de autopublicação do país, dão a dimensão da distância entre a iniciativa de se publicar e a glória literária.

O site foi criado em 2009 como uma plataforma em que, sem precisar pagar nada, qualquer um pode formatar seu livro e colocá-lo à venda, como e-book ou em papel –neste caso, para impressão sob demanda, feita a cada vez que alguém compra o livro.

Em menos de quatro anos, o Clube de Autores lançou 21 mil títulos. É mais de dez vezes o que a Record, a editora que mais publica no país, pôs no mercado no período.

TRANSTORNO

Obras de ficção e poesia são as mais recorrentes no site, mas o best-seller é um estudo do transtorno de personalidade limítrofe, “Sensibilidade à Flor da Pele”. Escrito pela tradutora Helena Polak, 68, vendeu cerca de 1.500 cópias em três anos.

“Meu objetivo nunca foi ganhar dinheiro. Só queria compartilhar o que aprendi, inclusive lendo títulos estrangeiros, depois de conviver com alguém que sofre do transtorno”, diz a autora.

Sites como o Clube de Autores e o mais recente PerSe –que tem cadastrados pouco mais de mil títulos– permitem ao autor escolher o quanto quer ganhar por unidade vendida. Se quiser ganhar R$ 5 a cada venda, por exemplo, o livro custará em torno de R$ 23 na PerSe.

Antes dos sites e da chegada dos livros digitais, quem quisesse bancar uma edição sozinho precisaria desembolsar uns milhares de reais.

Foi o que aconteceu com André Vianco, 38, o autor mais bem-sucedido do país dentre os que começaram como independentes. Em 2000, investiu R$ 8.000 na impressão da fantasia “Os Sete”.

“Precisei visitar cada livraria, convencer cada livreiro. Não existia nem Google direito para vender meu peixe.” Hoje Vianco é publicado por duas editoras, a Novo Século e a Rocco, e seus 13 livros já venderam 935 mil cópias.

O também autor de fantasia –gênero pródigo da autopublicação– Eduardo Spohr, 36, conheceu esse cenário num segundo momento.

Em 2007, depois de dois anos procurando editora para “A Batalha do Apocalipse”, imprimiu uma tiragem pequena por conta própria. Mas naquela época blogs especializados já eram fenômeno, e os leitores que o conheciam do Jovem Nerd garantiram a compra de 4.500 cópias.

A internet foi o caminho para a descoberta –a editora Verus, do grupo Record, logo notou o potencial. Reeditado em 2010, “A Batalha do Apocalipse” já teve 400 mil exemplares vendidos.

Foto: Ana Carolina Fernandes/Folhapress

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top