Marcelo Nova - o Galope do Tempo

Homem Algum é Uma Ilha

0

“Quer conhecer a Deus? Aprenda a compreender as fraquezas e imperfeições dos irmãos. Mas como você pode conhecer a fraqueza alheia se não reconhece a própria? Como pode ver o sentido das próprias limitações se não recebeu de Deus a misericórdia que lhe dá o conhecimento dEle e de si mesmo? Não basta perdoar: é preciso perdoar com humildade e compaixão. Perdoar sem humildade é um escárnio, que nos supõe melhores do que os outros. Jesus desceu aos abismos da nossa degradação a fim de perdoar-nos, após descer, em certo sentido, mais baixo do que nós todos. Não nos compete perdoar a outros do alto de tronos sublimes, como se fôssemos deuses a olhá-los de cima dos céus. Nosso dever é perdoar-lhes nas chamas do seu próprio inferno, pois Cristo, através do nosso perdão, desce mais uma vez para apagar a chama vingadora. Mas Ele não o pode fazer se não perdoarmos com a compaixão de Cristo. Ele não pode amar sem sentimento e sem coração. Seu amor humano e divino ao mesmo tempo, e a nossa caridade será uma caricatura do seu amor se ela pretende ser apenas divina e não consente em ser também humana.”

Thomas Merton em Homem Algum é Uma Ilha, Verus Editora

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Homem Algum é Uma Ilha

0

“Quer conhecer a Deus? Aprenda a compreender as fraquezas e imperfeições dos irmãos. Mas como você pode conhecer a fraqueza alheia se não reconhece a própria? Como pode ver o sentido das próprias limitações se não recebeu de Deus a misericórdia que lhe dá o conhecimento dEle e de si mesmo? Não basta perdoar: é preciso perdoar com humildade e compaixão. Perdoar sem humildade é um escárnio, que nos supõe melhores do que os outros. Jesus desceu aos abismos da nossa degradação a fim de perdoar-nos, após descer, em certo sentido, mais baixo do que nós todos. Não nos compete perdoar a outros do alto de tronos sublimes, como se fôssemos deuses a olhá-los de cima dos céus. Nosso dever é perdoar-lhes nas chamas do seu próprio inferno, pois Cristo, através do nosso perdão, desce mais uma vez para apagar a chama vingadora. Mas Ele não o pode fazer se não perdoarmos com a compaixão de Cristo. Ele não pode amar sem sentimento e sem coração. Seu amor humano e divino ao mesmo tempo, e a nossa caridade será uma caricatura do seu amor se ela pretende ser apenas divina e não consente em ser também humana.”

Thomas Merton em Homem Algum é Uma Ilha, Verus Editora

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

O Coração do Artista (1)

2


“Quando você e eu aprendemos a falhar graciosamente, podemos aprender a partir de nossos erros e então continuar, para nos tornarmos melhores artistas. Se o seu erro é devido a falta de preparação, arranje mais tempo em sua agenda para preparar-se. Se precisa relembrar alguma técnica, faça isso. Se precisa voltar algumas lições, volte. Se tem bloqueio mental com letras, memorize-as até ficar cansado delas…e então decore-as novamente. Se tem alguns pontos mais difíceis no ensaio, trabalhe neles antes do próximo culto ou aprrsentação. Aprenda tudo o que puder com seus erros.”

Rory Noland, no Livro O Coração do Artista da W4 Editora.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

O Coração do Artista (1)

2


“Quando você e eu aprendemos a falhar graciosamente, podemos aprender a partir de nossos erros e então continuar, para nos tornarmos melhores artistas. Se o seu erro é devido a falta de preparação, arranje mais tempo em sua agenda para preparar-se. Se precisa relembrar alguma técnica, faça isso. Se precisa voltar algumas lições, volte. Se tem bloqueio mental com letras, memorize-as até ficar cansado delas…e então decore-as novamente. Se tem alguns pontos mais difíceis no ensaio, trabalhe neles antes do próximo culto ou aprrsentação. Aprenda tudo o que puder com seus erros.”

Rory Noland, no Livro O Coração do Artista da W4 Editora.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Preço único de livros divide opiniões em debate na Câmara

0

“Livro vende pouco porque é caro e é caro porque vende pouco. Enfim, é um ciclo vicioso”. Para combater esse ciclo, constatado pela presidente da Associação Estadual de Livrarias do Rio de Janeiro, Milena Duchiade, a Associação Nacional de Livrarias propõe que os livros sejam vendidos por um preço único.

A associação esteve presente em audiência pública na Câmara dos Deputados, ao lado de representantes de editoras, autores e livreiros na última quinta-feira (2), Dia Mundial do Livro Infantil, para discutir o projeto de lei que estabelece que os livros sejam vendidos pelo preço sugerido pelo editor, em todo País, sem diferenciações.

Para Milena, a proposta incentiva o surgimento de pequenas novas livrarias. Segundo ela, como são poucas as que sobrevivem nas ruas, as que existem se concentram nos grandes shoppings, onde os preços são mais elevados.

O presidente da Associação Nacional de Livrarias, Vitor Tavares, é favorável à medida. “Nós sentimos realmente que esse fato de não ter boas e mais livrarias se deve à própria motivação do empresário. Ele não quer investir, porque existe uma concorrência muito agressiva”, afirmou.

Sem consenso
Para o presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, Mauro Koogan Lorch, no entanto, o problema não está na falta de livrarias, mas, sim, na “falta de dinheiro para ler livros”. Segundo ele, o preço único impede que as lojas façam promoções, o que dificultaria ainda mais a aquisição de livros.

E ainda falta muito para um acordo. “Estamos longe de decidir alguma coisa. Ainda temos que discutir muito sobre isso”, afirmou o presidente da Frente Parlamentar Mista da Leitura, deputado Marcelo Almeida.

A presidente do Sindicato dos Editores de Livros, Sônia Machado Jardim, vai mais longe. Para ela, a medida pode diminuir as vendas. “A gente compartilha a preocupação do pequeno livreiro de que às vezes o livreiro maior dá descontos muito agressivos ao consumidor final. Entretanto, isso de alguma maneira beneficia o leitor”, afirmou.

O projeto prevê que o preço único valeria em todos os canais de venda no varejo, como livrarias, supermercados, vendas por catálogo ou internet e apenas para lançamentos, por um período de 24 meses. Depois disso, a comercialização seria livre.

Fonte: Infomoney

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top