William Douglas

ONU disponibiliza planos de aula para professores trabalharem gênero na escola

0
Crédito: Pixabay

Crédito: Pixabay

 

Carol Patrocínio, no Ondda

A discussão sobre educação de gênero nas escola já é uma pauta discutida há algum tempo, porém o entendimento disso ainda é superficial. Não se leva em consideração que todas as nossas relações são pautadas pela maneira como nos enxergamos e enxergamos ao outro. Já existe educação de gênero nas escolas, mesmo que silenciosa, e ela não é inclusiva.

A ONU – Organização das Nações Unidas lançou, em parceria com a iniciativa O Valente não é Violento, organizou e publicou um currículo de gênero que pode ser implantado com facilidade nas escolas e mudar essa realidade. O projeto foi financiado pelo União Europeia e revisado pela área de Projetos de Educação da UNESCO.

A ideia é atingir alunos do ensino médio com debates,discussões e materiais que os façam refletir sobre as relações que criam entre si e como todas elas são influenciadas por papéis de gênero e amarras sociais.

As aulas falam sobre (1) Sexo, gênero e poder; (2) Violências e suas interfaces; (3) Estereótipos de gênero e esportes; (4) Estereótipos de gênero, raça/etnia e mídia; (5) Estereótipos de gênero, carreiras e profissões: diferenças e desigualdades; e (6) Vulnerabilidades e prevenção. Os documentos trazem referências, bibliografia e até indicação de filmes que abordam as questões.

Todas as aulas estão disponíveis para download e os profissionais que quiserem discutir o currículo ou falar sobre sua aplicação podem entrar em contato com a instituição pelo e-mail ovalentenaoeviolento@gmail.com

Dica de Amiel Modesto

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Mulher do jovem que inspirou ‘A Culpa É das Estrelas’ morre cinco dias após o marido

0
Casal que inspirou ‘A Culpa É das Estrelas’ (Crédito: Reprodução)

Casal que inspirou ‘A Culpa É das Estrelas’ (Crédito: Reprodução)

 

Nathalia Salvado, no Virgula

Dalton Prager, menino que inspirou o livro A Culpa É das Estrelas, de John Green, morreu aos 25 anos, no último sábado (17), devido uma infecção. Na última quinta-feira (22), apenas cinco dias depois do marido, morreu a mulher, Katie Prager, devido a complicações da fibrose cística e de um transplante de pulmão. Ela tinha 26 anos e sempre batalhou contra a doença, que afeta os pulmões.

“Mais cedo ela teve o desejo de estar em casa atendido. Estava em sua cama, perto da mãe, pai, irmão e seus cachorros, morrendo em paz, longe dos tubos do hospital”, escreveu Debra Donovan, mãe da garota, no Facebook.

Dalton foi a referência de Green para criar o personagem Augustus Waters, enquanto alguns sites dão conta que Katie inspirou a protagonista Hazel Grace Lancaster, no livro que arrebatou corações por todo o mundo. John Green já teria declarado que para dar vida a Hazel se inspirou na história da amiga pessoal Esther Grace, que batalhou contra um câncer agressivo.

Casal que inspirou ‘A Culpa é das Estrelas’ (Crédito: Reprodução)

Casal que inspirou ‘A Culpa é das Estrelas’ (Crédito: Reprodução)

 

Dalton e Katie sofriam da mesma doença e enfrentaram juntos muitos problemas de saúde. O rapaz desenvolveu um linfoma após fazer um transplante de pulmão em 2014. O transplante de Katie, em 2015, também foi problemático e ela ia e voltava para o hospital, até os médicos dizerem que não havia mais nada a ser feito.

Os médicos de Katie disseram que ela não deveria ter nenhum contato com outro paciente com fibrose cística, mas ela insistiu em ficar com Dalton, a quem conheceu na internet. Eles se casaram dois anos depois de se conhecerem, em 2011, aos 20 anos de idade cada.

“Disse para Dalton que prefiro ser feliz de verdade por cinco anos da minha vida e morrer mais cedo a ser mediocremente feliz e viver por 20 anos”, disse Katie certa vez.

Veja o trailer de “A Culpa É Das Estrelas“:

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Cosac Naify vai picotar livros que não vender até dezembro

0
Livros: “seria fantástico se a Amazon tivesse comprado todo o estoque, mas não aconteceu", disse diretor da Cosac

Livros: “seria fantástico se a Amazon tivesse comprado todo o estoque, mas não aconteceu”, disse diretor da Cosac

 

Luisa Melo, na Exame

São Paulo – Em 31 de dezembro, os livros que ainda restarem no estoque da Cosac Naify terão um destino dramático: eles serão picotados.

A editora, que decidiu encerrar as atividades no fim do ano passado depois de acumular prejuízos, alega que não pode mais arcar com o custo de manter guardados os exemplares que não são vendidos.

“Infelizmente, temos obras que ainda têm um volume muito grande em nossos estoques. (…) Não dá para ficar guardando esses livros que não têm giro. É muito caro”, afirmou o diretor financeiro da empresa, Dione Oliveira, em entrevista ao site Publishnews.

Depois que a Cosac fechou as portas, os direitos de publicação de alguns de seus títulos foram transferidos para outras editoras e a Amazon negociou exclusividade para comercializar o estoque.

Desde então, a varejista online organizou diversas promoções. Algumas obras, inclusive, chegaram a ser reimpressas.

Entretanto, a companhia parece não ter se interessado por todos os livros que a Cosac tinha à disposição.

“Seria fantástico se a Amazon tivesse comprado todo o nosso estoque, como dizem por aí, mas isso não foi verdade, infelizmente”, disse Oliveira.

Ele não revelou quantos itens a editora ainda guarda.

O executivo descartou a possibilidade uma fazer uma liquidação dos exemplares porque alguns deles já tiveram os direitos cedidos a outras editoras e, inclusive, foram publicados com os novos selos.

“Se eu inundo o mercado com uma grande oferta desses livros, os novos detentores dos direitos terão dificuldade em vender seus livros. Nós temos ponderado isso”, disse.

Ele também afirmou que a Cosac não pensa em doar os exemplares a bibliotecas ou aos autores, porque a companhia não tem tempo, pessoal e nem dinheiro para arcar com isso.

“Tem um problema que muitas pessoas desconhecem. Doações geram um transtorno contábil na empresa. Se faço uma doação de um livro, tenho que reconhecer o custo disso. Se eu faço a doação de um volume considerável de livros, eu gero um resultado financeiro negativo absurdo, fora da curva”, afirmou.

Procurada por EXAME.com, a Amazon disse que continuará a vender os livros da Cosac Naify com exclusividade e que manterá as promoções. A empresa também afirmou que “não discute suas estratégias comerciais” da editora.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

John Green, autor de ‘A Culpa é das Estrelas’, diz que pode não publicar mais nenhum livro

0

“Eu comecei a sentir essa pressão intensa, como se as pessoas estivessem olhando por cima meu do ombro enquanto escrevo”, disse John.

Publicado no Blasting News

confira-abaixo-o-seu-video-honestamente-brutal_882035Antes de John Green publicar seu fenômeno mundial, o livro, A Culpa é das Estrelas, em 2012, ele costumava publicar um livro a cada um ou dois anos: Quem é Você, Alasca? em 2005; O Teorema Katherine, em 2006; Cidades de papel em 2008; e Will Grayson, Will Grayson em 2010. Mas nos quase cinco anos desde que ACEDE estreou com sucesso absurdo, os fãs se perguntam quando próximo livro de John vai finalmente chegar às lojas.

Bem, talvez não chegue, de acordo com o último Vlog de John, postado no ‘Vlogbrothers’ nesta terça, 20, onde ele se mostra profundamente honesto sobre sua posição como escritor após ver seu livro, ACEDE, ter recebido tamanha atenção global e uma adaptação para um filme de sucesso.

“Eu comecei a sentir essa pressão intensa, como se as pessoas estivessem olhando por cima meu do ombro enquanto escrevo”, disse John.

John passa a explicar como ele começou a ter dificuldade em colocar seus novos conceitos de história no papel. Ele começou a escrever um novo livro sobre adolescentes ladrões de identidade, mas abandonou-o, porque sentiu que não conseguia desenrolar adequadamente as cenas de ação. Então ele reinventou a história sob a ideia de adolescentes que descobriam algo terrível ao explorar bueiros, mas logo desistiu disso também, porque não achou que seria bom o suficiente.

“Em algum momento nesse período, o meu trabalho deixou de ser o de uma ‘pessoa que escreve #Livros’, o que é um título de emprego em tempo presente, e se transformou em ‘pessoa que escreveu aquele livro’, que é um título de emprego no tempo passado”, disse ele.

Depois de não conseguir completar um terceiro livro sobre vigaristas adolescentes, John relata um ponto baixo emocional. “A escrita sempre foi uma maneira segura e saudável de colocar pra fora minha obsessão e pensamentos recursivos. Mas, de repente, isso não me provia mais esta libertação”, disse ele.

Foi neste ponto, onde John percebeu que ele não tinha que escrever mais. Ele tem dois canais de sucesso no YouTube, o “Crash Course” e “The Art Assignment”, dos quais diz gostar muito e onde ele prefere dedicar o seu tempo .

“Eu perdi a escrita, porém, da forma que você perde alguém que você costumava amar”, disse Green.

Na verdade, John está atualmente escrevendo um novo livro, mas apenas por diversão. O americano afirma que não tem certeza se chegará a completá-lo, tem dúvidas de que este se tornaria um grande ‘Best-Sellers’ e conseguiria alcançar A Culpa é das Estrelas.

E finalmente, a frase claramente dita por John em seu Vlog, que tem deixado seus fãs de coração partido: “Eu não sei se algum dia irei publicar outro livro, mesmo que eu o escreva, eu não sei se as pessoas iriam realmente gostar dele”.

Confira abaixo o seu vídeo honestamente brutal:

Considerando que os fãs de John Green provavelmente comprariam e devorariam qualquer coisa que ele publicasse, independentemente de ser bom ou não (eu sei que faria), sua dedicação para escrever algo de que se orgulha, em vez de simplesmente algo para os fãs comprarem é louvável.

No fim, os verdadeiros fãs de John Green amam todos os seus livros de forma igual e não consideram ACEDE como estando num padrão acima. Quando (e se?) ele decidir compartilhar com o mundo outro livro, ele irá, sem dúvidas, ser tão incrível e amado pelos fãs como todos os seus romances anteriores foram.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Quer ser bilionário? Esses livros podem ajudar você a chegar lá

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

 

Confira quais livros ajudam você a ficar mais próximo do sucesso financeiro

Publicado no Universia Brasil

O sucesso econômico é magnético, e nós como espécie somos fascinados por ele. Constantemente estudamos como ele acontece, por que acontece, quem conseguiu atingi-lo e como nós podemos ser os próximos. O dinheiro não é tudo, mas ter liberdade financeira certamente deixa a vida mais fácil.

As habilidades necessárias para isso são muitas. Experiência, inteligência emocional, persistência etc. Não é só a leitura de um livro que vai fazer de você um bilionário, mas adquirir certos conhecimentos pode ajudar. Pensando nisso, confira a seguir a lista de livros para ajudar você a crescer economicamente:

1. Armas, Germes e Aço: Os Destinos das Sociedades Humanas – Jared Diamond

O livro procura explicar porque certas civilizações duraram mais do que outras e como isso aconteceu. É uma coleção de afiadas percepções do porque algumas pessoas conseguem ganhar a luta contra os seus ambientes.

2. Influência – Robert Cialdini

Em “Influência”, Robert Cialdini leva a persuasão para um novo nível. Ele explica os seis pilares para fazer com que as pessoas gostem de você e legitimamente queiram ajudar você. O livro é um guia essencial para despertar o melhor nas pessoas ao seu redor e atingir os seus objetivos.

3. Dentro do Furacão – Geoffrey Moore

“Dentro do Furacão” é um livro que explica como o sucesso de companhias da área da tecnologia podem ser aplicados em startups de todas as áreas. Geoffrey Moore também discute as técnicas de como se manter próspero apesar das rápidas mudanças no mercado e demandas dos consumidores.

4. Como Chegar ao Sim – Roger Fisher, William Ury e Bruce Patton

É comum referir-se a esse livro como um texto de ensino superior para negócios. O livro foca em ensinar técnicas de negociação poderosas. Muito do livro gira em torno de falar de um problema ao invés de diminuir alguém, procurar benefício mútuo e continuar educadamente persistente.

5. A Riqueza e a Pobreza das Nações – David S. Landes

Basicamente, “A Riqueza e a Pobreza das Nações” explica porque algumas empreitadas econômicas funcionam e outras não. Se você quer entender porque as pessoas fazem o que elas fazem nos negócios, essa é uma leitura essencial.

6. Coisas Ocultas Desde A Fundação Do Mundo – René Girard

Nesse livro que quebra paradigmas, Girard desconstrói várias crenças amplamente aceitas na sociedade e sistemas com que trabalhamos durante séculos. O argumento de Girard é que mesmo que muitos indivíduos tentem se destacar no mundo, esse impulso pode ser contra intuitivo e ter efeitos indesejados.

7. Pense e Enriqueça – Napoleon Hill

Nesse clássico escrito em 1937 o autor quebra algumas barreiras psicológicas que todo mundo enfrenta no caminho do sucesso. Ele mostra como mudar os seus pensamentos pode afetar diretamente a sua trajetória para o sucesso. O livro é apontado como uma leitura essencial por milhares de empreendedores.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top