Com amor, a garota chamada Estrela

Panfleto oficial do Ministério da Agricultura entregue na alfândega tem erro de português

0
Mensagem em panfleto trocou o verbo "traz" pela preposição "trás" e ficou sem sentido Foto: Divulgação

Mensagem em panfleto trocou o verbo “traz” pela preposição “trás” e ficou sem sentido Foto: Divulgação

Breno Boechat, no Extra

Um panfleto entregue pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento na alfândega de aeroportos brasileiros contém um erro de português no texto. No informe, a mensagem alertando turistas e viajantes que desembarcam sobre os produtos cuja entrada é proibida no país apresenta, em vez de “traz”, do verbo “trazer”, a preposição “trás”, que tem significado totalmente diferente do desejado. “Cuidado com o que você trás para nosso país”, diz a mensagem. A gafe chamou atenção da professora Valéria Freitas de Figueiredo, do Instituto Federal do Rio de Janeiro, que recebeu o documento do filho, que voltava da Europa, na última segunda-feira, quando recebeu o aviso.

— Meu filho estava voltando de viagem e foi parado na alfândega porque estava trazendo patê de foie gras, sem saber que não era permitido. Foi quando entregaram pra ele esse aviso, com um erro crasso de português. É um erro que depõe contra o próprio país, já que é um documento oficial entregue na porta de entrada do país, onde chegam todas as pessoas que vêm de avião — comenta Valéria, que chegou a tentar contato com autoridades responsáveis, mas não teve sucesso.

O EXTRA entrou em contato com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para esclarecer a situação. A assessoria de imprensa do órgão federal, no entanto, não soube informar a procedência do informe e disse apenas que iria contactar o departamento de marketing. Até a publicação dessa reportagem, o ministério não se posicionou sobre o caso.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Resenha: Sangue de Tinta

0

Marcos Tavares, no PsychoBooks

Olá, Leitores!

O primeiro livro da trilogia Mundo de Tinta foi uma excelente leitura. A maneira como a autora guiou os personagens e construiu os cenários foi impressionante. Será que em Sangue de Tinta o nível de qualidade continuou?

1- Coração de Tinta | Resenha

sangue-de-tinta

Sangue de Tinta

Cornelia Funke

Tradutor: Sonali Bertuol
Editora: Seguinte
Páginas: 559
ISBN: 9788535915761
Publicação: 2009

Sinopse:

Sangue de Tinta – “Sangue De Tinta” dá seguimento à aventura de Meggie e seu pai, Mo, um encadernador de livros que tem o estranho dom de dar vida às palavras dos livros que lê em voz alta, fazendo seres das histórias surgirem à sua frente como que por mágica. No primeiro volume da trilogia “Mundo De Tinta”, a língua encantada de Mo traz à vida alguns personagens de um livro chamado “Coração De Tinta”, e acaba mandando para dentro da trama a mãe da menina.
Agora, neste segundo episódio, Meggie dá um jeito de entrar ela mesma no mundo fictício de Coração de tinta, onde tem o prazer de encontrar fadas, príncipes e saltimbancos que dançam com o fogo; e o sofrimento de acompanhar as artimanhas de vilões cruéis e sem misericórdia. Uma jornada sombria, repleta de fantasia e aventura.

Comentários

Enredo
Em Coração de Tinta conhecemos Mo e Maggie, pai e filha que adoram livros mas escondem um dom relativo ao seu hábito de leitura. Enquanto no primeiro livro Mo usou o seu dom para trazer das páginas para o mundo real, personagens de uma aventura épica e fantástica, dessa vez teremos o oposto, com Meggie.

A jornada de Meggie começa quando ela resolve ir atrás de Dedo Empoeirado, que voltou ao universo mágico de onde se originou em busca de retornar à sua casa, à sua vila de origem. Porém, ao longo de sua jornada ela cruzará novamente com Cabeça de Víbora, o principal vilão do livro, que voltará a lhe atormentar em busca de poder. Junto com sua gangue, ele está disposto a fazer qualquer coisa para ter posse do livro mágico e finalmente deter todo o poder para si.

Enquanto isso, Dedo Empoeirado começa a rever parentes e amigos que deixou para trás. Quando cruza com um misterioso homem, ele descobre um segredo que pode colocar Meggie e Mo em risco e enfrenta o dilema de finalmente voltar para casa ou desistir disso e partir para ajudar seus amigos.

Narrativa
A narrativa é dividida em três pontos de vista: teremos inicialmente o de Meggie, que começa no mundo real e depois parte para coração de tinta; o de Dedo Empoeirado que está em busca de sua casa e a de Mo que se encontra em uma situação de perigo. Posteriormente, uma nova situação se forma e também é inserida na história.

Gostei da forma como a autora conduziu cada um dos personagens separadamente. Enquanto no primeiro livro tínhamos todos juntos em um núcleo compacto, neste podemos acompanhar a jornada e as motivações de cada um separadamente, ao mesmo tempo em que se evolui as relações entre eles.

Alguns personagens retornam para a história e novos surgem, sobretudo nos novos nichos abordados.

Manteve o mesmo nível que o primeiro livro?
Sem dúvidas, Sangue de Tinta mantém o mesmo padrão iniciado no primeiro livro da trilogia. As cenas de ação e fuga são quase constantes e se acentuam pelo fato de muitos dos personagens se encontrarem em situações de risco. A descrição dos cenários é um ponto a mais para a história. Em determinados momentos, sente-se realmente o clima do universo que a autora criou.

O final encaminha a narrativa para o seu desfecho no terceiro livro da trilogia, Morte de Tinta. Ainda há algumas perguntas pendentes na história, mas espero que a autora consiga responder todas elas no próximo volume.

Considerações
Se você gostou de Coração de Tinta, certamente irá adorar essa continuação. Mesmo tendo lido o primeiro livro há pouco, estava com saudades de revisitar os personagens e sobretudo o universo criado por Cornelia. Já estou ansioso para devorar o terceiro livro e saber quais os desfechos que a autora preparou.

Dedo Empoeirado ocultou por trás de um sorriso o medo que se espalhou em seu coração.
Página 272

4 Estrelas

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Preciosidades da Biblioteca Monteiro Lobato são digitalizadas

0

monteiro_lobato_biografia

Acervo é comporto por livros didáticos desde o fim do século 19 até meados da década de 1970

Rodney Eloy, no Pesquisa Mundi

A Biblioteca Monteiro Lobato (Rua General Jardim, 485, Vila Buarque, São Paulo/SP) abriga o Acervo Histórico do Livro Escolar – AHLE, constituído por títulos de uso escolar resguardado pelas antigas Bibliotecas Infantis. O espaço reúne várias fases da história e da educação no País desde o fim do século 19 até meados da década de 1970. Cartilhas, primeiras leituras e manuais de ensino, entre outros, compõem esse acervo especial, que contempla todas as disciplinas escolares dos cursos primário e secundário. Mais de 30 títulos antigos já foram digitalizados. Para mais informações, clique aqui.

via Publishnews

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Livreiro diz que moda de livros para colorir é culpa de educação deficiente

0

jardim-secreto-20152605

Jonatan Silva, no Contracapa

E se os livros para colorir não forem… livros? A polêmica foi encabeçada por Carlos Andreazza, executivo da editora Record, uma das casas com maior catálogo em todo o Brasil. Segundo o editor, que falou à Folha, “cadernos de atividades não são livros. Logo, não deve estar na lista dos mais vendidos”. Essa é uma espécie de “campanha pela maioridade intelectual”. Para se ter uma ideia, dos 20 livros mais vendidos atualmente, 11 são para pintar.

Outra figura do mercado editorial a chamar a atenção para a questão da legitimidade dos “livros de colorir” é o editor do site Publishnews, Carlo Carrenho. “E um livro para colorir com textos de Paulo Coelho e ilustrações de Romero Brito?”, disse Carrenho no Facebook.

Pedro Herz, diretor-presidente da Livraria Cultura, declarou à Folha que a moda dos livros de colorir é um dos sintomas da educação deficiente. Ainda assim, os livros de colorir estão expostos nas filiais da livraria e com grande destaque.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Os livros, seriados e filmes que todo nerd deveria conhecer

0
(Foto: reprodução)

(Foto: reprodução)

Publicado no Olhar Digital

Feliz Dia da Toalha! Feliz aniversário do lançamento de Star Wars! Feliz dia do Orgulho Nerd, caros leitores. O dia 25 de maio marca uma confluência de datas que, quando unidas, dão origem às festividades da celebração da cultura geek.

Abaixo, listamos algumas das obras mais relevantes para a cultura nerd, abrangendo filmes, seriados e livros. Sempre há a possibilidade de termos esquecidos alguns itens, mas você é bem-vindo a deixar alguma sugestão nos comentários!

Os essenciais:

nerds

Star Wars
Não é preciso explicar Star Wars, né? Um dos maiores marcos da cultura pop, Star Wars é obrigatório para quem quer mergulhar no mundo geek. A saga teve seus pontos baixos (os episódios I, II e III), mas o otimismo para o sétimo filme está lá no alto. Além dos filmes, há um extenso material sobre o “universo expandido”, em quase todas as mídias, incluindo desenhos animados, livros, jogos.

Star Trek
Para quem considera Star Wars mais fantasia e aventura do que ficção científica, existe Star Trek, outro pilar da cultura geek moderna. Com início nos anos 1960, a franquia já foi seriado de TV, filme, livro, quadrinhos, jogos e até hoje movimenta uma legião de fãs, os trekkies.

Harry Potter
Além dos sete livros, extremamente populares, há oito filmes também altamente populares. Se, por um acaso, você perdeu o bonde de Harry Potter, você tem pela frente dias (ou semanas) de entretenimento, se optar por ler e assistir tudo relacionado à obra. Quem sabe a autora não resolve lançar algum livro novo no futuro? É uma possibilidade.

Senhor dos Aneis
Á série de livros já é bastante antiga e extremamente popular e viu um novo sopro de vida no início da década passada com a adaptação para o cinema. Diferente de Harry Potter, seus filmes nunca tiveram um tom infanto-juvenil, o que colaborou para que eles também fossem sucesso de crítica, ganhando até mesmo Oscar. Há ainda o livro e os filmes de O Hobbit, que complementam a franquia. Algum dia surgirá um filme do Silmarillion? As chances são poucas, mas a esperança é a última que morre.

Livros

livros

O Guia do Mochileiro das Galáxias – Referência no humor britânico, parodiando a humanidade ao mesmo tempo em que leva os protagonistas a viver as situações mais absurdas e engraçadas em diversas partes do universo graças ao Gerador de Improbabilidade Infinita. Graças ao livro há o Dia da Toalha, celebrado no dia 25 de maio, que é parte da celebração do Dia do Orgulho Nerd.

As Crônicas de Gelo e Fogo (Game of Thrones) – O seriado mais popular do momento veio da série de livros de George R. R. Martin. Todas as reviravoltas, as tramas, as mortes, a violência, o sexo, e tudo mais que é mostrado nos domingos pela HBO passaram antes pelas páginas do livro. Algum dia a série se tornará independente, no entanto, mas até lá, ler o livro é a melhor forma de saber o que acontecerá na TV.

Tudo de Isaac Asimov – Asimov é provavelmente a maior referência em literatura de ficção científica, principalmente pelo envolvimento com a robótica, com destaque para a série da Fundação (a trilogia original e mais quatro livros lançados posteriormente) e vários outros contos, como “Eu, Robô”. Suas previsões sobre o futuro são impressionantemente precisas.

Phillip K. Dick – Outro destaque da ficção científica literária, o seu grande destaque é o livro “Androides Sonham Com Ovelhas Elétricas?” (lançado no Brasil no passado com o nome “O caçador de androides”), que deu origem ao filme Blade Runner. Entre livros e contos há ainda destaques importantes como “O Vingador do Futuro” e “Minority Report”

Bernard Cornwell – Saindo da ficção científica e entrando em romances históricos, com um pé na fantasia medieval, a obra de Cornwell é um prato cheio para quem gosta deste tipo de material, com destaque para “As Crônicas de Artur” e “As Crônicas Saxônicas”.

Jogador número 1 – “Ready Player One”, escrito por Ernest Cline, conta a história de um futuro no qual as pessoas se conectam a um mundo de realidade virtual chamado OASIS. Quando seu criador morre, as pessoas descobrem que ele deixou escondido um “easter egg”; quem encontrá-lo poderá ter acesso a toda a sua fortuna. Toda a busca por este prêmio é recheada de referências a games e à cultura pop oitentista.

Seriados

seriados

Game of Thrones – Não precisa de descrição (e já falamos sobre ele na parte de livros), mas vale a pena repetir. O seriado incrível mostra toda a violência, intrigas, traições e manobras políticas por trás da disputa de poder naquele mundo fantástico.

Doctor Who – Dos anos 1960 até hoje, Doctor Who tem uma legião de fãs de todas as idades, que embarcaram na caixa policial azul que viaja no tempo-espaço, a famosa TARDIS, e acompanharam as aventuras de um alienígena humanoide, que já teve mais de uma dezena de rostos diferentes, com mais de 1 milênio de idade por todos os cantos do universo.

Monty Python’s Flying Circus – Um dos maiores humorísticos da história, com um grupo de 6 atores e escritores que tiveram uma liberdade absurda para experimentar com um novo (para a época) tipo de comédia, que beira o absurdo e o irritante na maior parte do tempo. Algumas esquetes, como a da “Piada Mais Engraçada do Mundo” sobrevive até hoje fazendo sucesso no YouTube.

Mythbusters – Além de testar a veracidade de vários mitos urbanos e ditados populares, os Mythbusters também costumam atestar a plausibilidade de diversos momentos icônicos da cultura pop. Além de interessante, o programa é um show visual, com a quantidade absurda de explosões por episódio.

Cosmos – Há dois momentos na história de “Cosmos”. A primeira geração (“A Personal Voyage”), escrita e narrada por Carl Sagan nos anos 1980, é uma incrível porta de entrada para o mundo da ciência, com explicações profundas e interessantes sobre o universo. Recentemente, o programa de TV foi revivido com o cientista Neil DeGrasse Tyson, mas com um novo nome (“A Spacetime Odyssey”).

The Big Bang Theory – O seriado que retrata basicamente todo o universo nerd/geek, abrangendo quadrinhos, filmes, seriados, mas, mais importante para esta lista, também contempla os universos de jogos, tecnologia como robótica e produtos tecnológicos mais comuns do cotidiano e ciência, abordando assuntos relacionados a física, matemática e astronomia. Tudo com curadoria de profissionais para não insultar os verdadeiros conhecedores das áreas.

IT Crowd – IT Crowd é um humor britânico, muitas vezes beirando o non-sense, que reflete a vida de profissionais de tecnologia da informação. Os personagens se veem em situações comuns no suporte ao usuário comum, muitas vezes sem conhecimento algum de como interagir com um computador.

Silicon Valley – O seriado se passa, como o próprio nome diz, no ambiente fervilhante das startups (mais…)

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top