Seducao Mortal

Livros para colorir viram moda entre adultos que querem relaxar

0
As amigas Fernanda Antunes, 26, e Elaine Lucas, 28, utilizam livros de colorir que compraram

As amigas Fernanda Antunes, 26, e Elaine Lucas, 28, utilizam livros de colorir que compraram. Fabio Braga/Folhapress

Gabriela Malta e Gabriela Alves, na Folha de S.Paulo

Há pouco mais de uma semana, capturadas pelo tédio, a biomédica Fernanda Antunes, 26, e a psicóloga Elaine Lucas, 28, resolveram ir à livraria. Saíram de lá com um livro que não continha muitas palavras, mas muitas imagens para colorir.

Desde então, elas estabeleceram uma competição para ver quem conseguia terminar de colorir primeiro. Por enquanto, Elaine está na frente.

Esses livros para adultos colorirem encontraram um espaço inusitado nas prateleiras das livrarias e viraram moda entre pessoas de diversas idades, que publicam as suas “obras” em redes sociais como o Instagram.

“Eu comprei o livro porque gostava de pintar quando era pequena, e fazer coisas que lembram a infância trazem uma sensação de leveza”, conta Fernanda, que agora diz ter o que fazer “em um domingo entediante”.
Além disso, diz ela, ter o livro era um ótimo pretexto para comprar uma caixa com muitos lápis de cor.

O mecanismo “antiestresse”, segundo a psicóloga Maria Olímpia Saikali, não tem nada a ver com a regressão à infância, porém. Ela explica que o processo de se envolver em alguma atividade prazerosa leva à produção de endorfinas e, consequentemente, à redução do estresse.

Para Elisa Kozasa, pesquisadora do Instituto do Cérebro do Hospital Israelita Albert Einstein, uma pessoa ocupada em terminar a pintura do livro não se concentra nas preocupações incômodas do dia a dia.
“Você está no controle daquela atividade que está fazendo, escolhe as cores que são agradáveis para você, e seu cérebro fica focado nisso”, afirma ela.

Elaine está de acordo. “É gostoso ver o desenho em branco e ir preenchendo. É bom fazer uma atividade sem a pressão que todas as responsabilidades do dia a dia exigem”. Além disso, ela diz sentir especial prazer ao terminar a pintura e contemplar a sensação de missão cumprida.

O livro que Elaine e Fernanda colorem é baseado na fauna e flora da Escócia e se chama “Jardim Secreto”. Criado pela ilustradora daquele país Johanna Basford e publicado no Brasil pela Sextante, a obra, de 96 páginas, já vendeu mais de 1,5 milhão de cópias no mundo e de 100 mil por aqui.

No mesmo nicho, outros livros para colorir trazem de mandalas (“Mandalas Mágicas”, da Vergara & Riba), mitologia (“Fantasia Celta”, da editora Alaúde) e, bom, até sexo em grupo (“Suruba para Colorir”, da Bebel Books). A maioria dos livros custa por volta de R$ 30.

Os desenhos já vêm impressos nas páginas e cabe à pessoa preenchê-los com as cores que desejar.

“É um lazer diferente do que fazer um curso de desenho e pintura, porque aprender a desenhar é mais difícil. Demora um tempo para que a pessoa tenha traços firmes e coerentes. No livro, o desenho já vem pronto e a pessoa se dedica a colori-lo. Mesmo alguém que não tenha tantas habilidade artísticas consegue se surpreender com a qualidade do trabalho que executou”, diz Kozasa.

Além disso, trata-se de uma fonte de lazer que não envolve computadores ou celulares. É um prazer mais lento: “A pessoa se dá um tempo maior do que dois minutos para fazer alguma coisa”.

Mas a surpresa pode não ser positiva para todos. Dependendo da personalidade da pessoa, dizem os especialistas, se ela enxerga o livro mais como desafio do que como lazer, pode haver mais frustração do que relaxamento.

Outra angústia pode ser começar a se sentir pressionado pela beleza das pinturas das outras pessoas –especialmente quando elas ficam se exibindo na internet.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Maior biblioteca do Japão no Brasil tem mais mangás do que livros

0
A biblioteca de São Miguel Arcanjo (SP) possui 74 mil livros, dos quais 70% são mangás (Foto: Reprodução/G1)

A biblioteca de São Miguel Arcanjo (SP) possui 74 mil livros, dos quais 70% são mangás (Foto: Reprodução/G1)

Publicado na Mundo Nipo

Localizada em uma colônia em São Miguel Arcanjo (SP), a maior biblioteca de livros em japonês no Brasil possui um gigantesco acervo de mangás (quadrinhos japoneses). A biblioteca tem uma coleção de 74 mil livros, dos quais 70% são mangás. O número representa o maior acervo do gênero no Brasil.

São 51,8 mil mangás dos mais variados gêneros, que vão desde ‘kodomo’ (gênero voltado para o público infantil) aos polêmicos ‘hentais’ (erótico/pornográfico).

“Eles [mangás] são os mais procurados pela população da colônia e também por outros moradores da região que estudam a língua japonesa e alugam”, afirmou o administrador da biblioteca, Katsuharo Ochi, ao portal de notícias G1.

Na matéria do G1, publicada na semana passada, Ochi explicou que os mangás são procurados tanto por crianças como por adultos, mas “a preferência é pelas histórias de luta, enquanto os poucos mangás eróticos ‘nunca’ são alugados”.

Para nível de comparação quanto à enorme quantidade de mangás, o acervo da biblioteca de São Miguel Arcanjo é três vezes maior, por exemplo, que o da Fundação Japão em São Paulo (SP), cidade onde vivem 326 mil japoneses e descendentes, segundo o Centro de Estudos Nipo-Brasileiro. A biblioteca da entidade conta com 21 mil exemplares, de acordo com a administração do local.

Obras diversas
Além da grande quantidade de mangás, a biblioteca de São Miguel Arcanjo conta com obras de diversos temas: artes, arquitetura, culinária, religião, biografias, além dos romances policiais e clássicos, como “Pinóquio” e “Bambi”. A quantia de livros é tanta que alguns exemplares ficam estocados em caixas ao lado de prateleiras. “São muitos livros, grande parte antigos. A quantia é tão grande que não conhecemos a maioria”, diz Ochi.

O administrador contou que boa parte do acervo veio diretamente do Japão. “Na época em que montaram a biblioteca, a colônia recebeu um contêiner carregado de livros que veio do Japão por meio de um navio. Desde então foram comprados poucos exemplares para a biblioteca”, relembra o administrador.

Funcionamento
O espaço de 650 metros quadrados fica na colônia japonesa do Bairro Pinhal, zona rural de São Miguel Arcanjo, e foi construído em 1985. Ele funciona apenas aos sábados e é aberto à população.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

18 marcadores de livro super criativos, que vão tornar a sua leitura muito mais divertida!

0

Publicado no Purebreak

Pra quem gosta de viajar e ir além das páginas escritas, precisa conferir agora esses incríveis marcadores de livro!

Quem não gosta de apreciar uma boa leitura e se divertir imaginando cada personagem? Não é só nas histórias que a criatividade rola solta. Saindo um pouco do papel e indo para o mundo real, os marcadores de livros também estão fazendo a alegria da galera! Pensando nisso, o Purebreak te mostrar alguns muito inovadores, que com certeza você vai logo querer comprar ou até criar!

Não importa qual seja o gênero. Romance, ficção, terror ou até de colorir igual o sucesso incrível do livro “Floresta Encantada”, é muito chato perder a página e ter de ficar procurando igual um louco onde você parou a leitura. Ou então ter que fazer aquela ‘orelha’ e estragar o manuscrito. Porém se engana quem pensa que os marcadores possuem apenas essa função!

Além de divertidos, essas belezinhas dão um toque muito especial e ajudam na decoração daquela estante super velha e feia que tem na sua casa. Você também pode presentar o seu amigo que adora ‘devorar’ os livros, e alguns servem até como fantoches para brincar com os pequenos! Com tantos marcadores legais, fica muito mais interessante estudar e ler aquelas centenas de páginas muito chatas de Matemática ou Física, não acha?

marcador 1

marcador 2

marcador 3

marcador 4

marcador 5

marcador 6

marcador 7

(mais…)

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

15 coisas incríveis que Marcel Proust disse sobre gente que lê

0

proustfinal

Publicado no Tem Mais Gente Lendo

Em 1905, o escritor francês Marcel Proust escreveu um prefácio ao livro Sesame and Lilies (Sésamo e os Lírios), de John Ruskin. Publicado sob o título Sur La lecture (Sobre a Leitura), o prefácio acabou ganhando vida independente e se tornou um clássico das reflexões sobre o gesto de ler. Selecionamos para você alguns dos melhores momentos do texto, na tradução de Carlos Vogt (Editora Pontes, 1989).

1. “A leitura está no limiar da vida espiritual; ela pode nela nos introduzir, mas não a constitui”.

2. “Há, contudo, certos casos, certos casos patológicos, por assim dizer, de depressão espiritual para os quais a leitura pode tornar-se uma espécie de disciplina curativa e se encarregar, por incitações repetidas, de reintroduzir perpetuamente um espírito preguiçoso na vida do espírito”.

3. “Os livros desempenham então um papel análogo ao dos psicoterapeutas para certos neurastênicos”.

4. “Da pura solidão, o espírito preguiçoso não pode tirar nada, pois é incapaz de, sozinho, por em movimento a sua atividade criativa. (…) A única disciplina que pode exercer uma influência favorável sobre estes espíritos é, portanto, a leitura…”

5. “Sem dúvida, a amizade, a amizade que diz respeito aos indivíduos, é uma coisa frívola, e a leitura é uma amizade. Mas ao menos é uma amizade sincera, e o fato de dirigir-se a um morto, a um ausente, lhe dá qualquer coisa de desinteressada, quase tocante”.

6. “Talvez não haja na nossa infância dias que tenhamos vivido tão plenamente como aqueles que pensamos ter deixado passar sem vivê-los, aqueles que passamos na companhia de um livro preferido”.

7. “Era como se tudo aquilo que para os outros os transformava em dias cheios nós desprezássemos como um obstáculo vulgar a um prazer divino: o convite de um amigo para um jogo exatamente na passagem mais interessante…”

8. “… a abelha ou o raio de sol que nos forçava a erguer os olhos da página ou a mudar de lugar, a merenda que nos obrigavam a levar e que deixávamos de lado intocada sobre o banco, enquanto sobre nossa cabeça o sol empalidecia no céu azul; o jantar que nos fazia voltar para casa e em cujo fim não deixávamos de pensar para, logo em seguida, poder terminar o capítulo interrompido…”

9. “… tudo isso que a leitura nos fazia perceber apenas como inconveniências, ela as gravava, contudo, em nós, com uma lembrança tão doce (muito mais preciosa, vendo agora à distância, do que o que líamos então com tanto amor) que se nos acontece ainda hoje folhearmos esses livros de outrora, já não é senão como simples calendários que guardamos dos dias perdidos, com a esperança de ver refletidas sobre as páginas as habitações e os lagos que não existem mais”.

10. “Quem, como eu, não se lembra dessas leituras feitas nas férias, que íamos escondendo sucessivamente em todas àquelas horas do dia que eram suficientemente tranquilas e invioláveis para abrigá-las[?]”.

11. “De manhã, voltando do parque, quando todos ‘tinham ido fazer um passeio’, eu me metia na sala de jantar, onde, até a ainda distante hora do almoço, ninguém, senão a velha Félice, relativamente silenciosa, entraria, e onde não teria como companheiros de leitura mais do que os pratos coloridos pendendo nas paredes…”

12. “Já era meio-dia, fazendo com que meus pais pronunciassem as palavras fatais: ‘Venha, feche seu livro, vamos almoçar’”.

13. “O que as leituras da infância deixam em nós é a imagem dos lugares e dos dias em que elas foram feitas”.

14. “Depois a última página era lida, o livro tinha acabado. Era preciso parar a corrida desvairada dos olhos e da voz que seguia sem ruído, para apenas tomar fôlego, num suspiro profundo”.

15. “Procurei mostrar […] que a leitura não poderia ser assimilada a uma conversação, mesmo com o mais sábio dos homens; que a diferença essencial entre um livro e um amigo não é a sua maior ou menor sabedoria, mas a maneira pela qual a gente se comunica com eles, a leitura, ao contrário da conversação, consistindo para cada um de nós em receber a comunicação de um outro pensamento, mas permanecendo sozinho, isto é, continuando a desfrutar do poder intelectual que se tem na solidão e que a conversação dissipa imediatamente”.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

‘Biblioteca a cavalo’ leva livros para regiões sem internet na Argentina

0

Estudantes de Condor Huasi distribuem leitura para a comunidade.
Animal puxa carroça com alunos três vezes por semana.

4107675_x360

Publicado no G1

Na pequena aldeia de Condor Huasi, na região noroeste da Argentina, não há conexão com a internet. As crianças e adolescentes que estudam ali adquirem e distribuem informação e conhecimento para os moradores locais transportando uma biblioteca móvel puxada por uma carroça.

O pequeno cavalo Pepe puxa a carroça cheia de livros e alunos. Por três vezes na semana, os estudantes levam os livros para a comunidade local e promovem um encontro de leitura ao ar livre.

arg11

A ideia da biblioteca móvel surgiu a partir de um projeto para ter atividades extracurriculares na escola e na comunidade. Em entrevista à agência APTN, a jovem Julia Lazarte disse que “queria que as crianças tivessem acesso à internet para conseguirem obter informações de forma mais rápida e fácil, mas por enquanto estudar da maneira antiga é a única opção”.

Condor Huasi fica a 27 km de distância de San Miguel de Tucumán, cidade com um milhão de habitantes no norte da Argentina.

arg12

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top