Uma vida com prioridades

Em 2022, Brasil será um país de alfabetizados – e nada mais

0

Novo estudo do movimento Todos pela Educação comprova gargalo nos ensinos fundamental e médio, o que prejudica a capacidade de compreensão e raciocínio dos jovens que saem da escola

alx_lista-educacao-20140723-002_original

Publicado em Veja

Um novo mapeamento da educação no Brasil comprova que uma porcentagem ínfima de jovens conclui os estudos do ensino básico com os conhecimentos adequados em língua portuguesa e matemática. Tomando como base dados de 2013 divulgados pelo Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) no ano passado, o movimento civil e apartidário Todos Pela Educação, que traçou metas para a melhoria do ensino no país até 2022, aponta que somente 9,3% dos estudantes brasileiros se formaram no Ensino Médio com aprendizado adequado em matemática no período focado pelo estudo. O índice é superior para língua portuguesa (27,2%), mas não deixa de ser preocupante. Em 2011, por exemplo, os números eram de 10,3% e 29,2%, respectivamente. Se mantida esta tendência, o país continuará a ter no futuro jovens com níveis de compreensão e raciocínio lógico irrisórios para o ingresso numa boa universidade ou para o exercício pleno de uma profissão.

Embora 93,6% da população de 4 a 17 anos de idade estejam matriculados na educação básica – o índice fica um pouco abaixo da meta intermediária de 95,4% proposta pelo movimento -, os péssimos números registrados nos anos finais dos ensinos Fundamental (seis a 14 anos) e Médio (15 a 17 anos) refletem erros cometidos ao longo de todo processo de aprendizado. Menos de um terço das crianças de 8 anos que chegam ao 3º ano escolar são capazes de desenvolver uma redação em termos satisfatórios. A proficiência nacional em leitura nesta faixa etária encontra-se em 44,5%. A proficiência em matemática, em 33,3%.

Sem fôlego, o sistema de ensino deixa de atrair os jovens em fase final de formação, sobretudo os com baixa renda familiar. A consequência é uma alta taxa de evasão nacional. Cerca de 8,1% dos alunos desistiram do Ensino Médio em todo o país no período focado pelo estudo.

Com isso, mais de 1,6 milhão de adolescentes entre 15 e 17 anos estão fora das escolas. Entre os matriculados no primeiro, segundo e terceiro anos do Ensino Médio, o atraso de dois anos ou mais atinge 33,1%, 27,8% e 25,4% dos alunos, respectivamente. Os números, apesar de terem diminuído se comparados com os dos anos anteriores, apresentam uma triste projeção para o país. O movimento Todos Pela Educação prevê que, em 2022, apenas 76,9% concluirão o Ensino Fundamental e 65,1% se formarão no Ensino Médio com até um ano de atraso. O prognóstico fica longe das metas traçadas pelo movimento para daqui sete anos: 95% dos jovens de 16 anos com Ensino Fundamental e 90% dos que fizeram 19 anos com Ensino Médio.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

País precisa colocar 2,8 milhões de crianças na escola, diz relatório

0

Movimento Todos Pela Educação acompanha 5 metas no setor.
Estudo considera dados oficiais divulgados entre 2014 e 2015.

salas-vazias

Publicado no G1

Relatório do movimento Todos Pela Educação (TPE) divulgado nesta quinta-feira (2) aponta que o Brasil ainda precisa incluir cerca de 2,8 milhões de crianças e adolescentes na Educação Básica.

Além disso, precisa garantir que os já matriculados concluam os estudos dentro da faixa etária recomendada e com melhores índices de aproveitamento das disciplinas.

As deficiências foram apontadas em detalhes no relatório “De Olho Nas Metas 2013-14″. Elas foram constatadas principalmente através do monitoramento de dados oficiais (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) 2013 e na Prova Brasil/Saeb (MEC/Inep) 2013 divulgados entre o final de 2014 e início de 2015).

O estudo publicado tem o objetivo de acompanhar o cumprimento de cinco metas estabelecidas pelo movimento para serem alcançadas até 2022 no país. Veja abaixo detalhes das metas e o que foi constatado pelos especialistas:

 

METAS DO TODOS PELA EDUCAÇÃO

META 1 – Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola – Até 2022, 98% ou mais das crianças e jovens de 4 a 17 anos deverão estar matriculados e frequentando a escola, ou ter concluído o Ensino Médio.

DIAGNÓSTICO
O Todos Pela Educação aponta que 2.863.850 crianças e adolescentes entre 4 e 17 anos estão fora da Educação Básica (680 mil crianças de 4 e 5 anos e 1,6 milhão de jovens de 15 a 17 anos).

Em 2013, o Brasil registrou 93,6% da população de 4 a 17 anos matriculada na  Educação Básica, abaixo da meta intermediária proposta pelo TPE para o ano, que era 95,4%.

O movimento aponta que há diferença regionais e de aspectos socioeconômicos. “Entre os 25% da população com maior renda, 95,8% das crianças de 4 e 5 anos frequentam a escola, enquanto a taxa de atendimento dessa faixa etária entre os 25% com menor renda é de 85%”, aponta o relatório

Se consideradas questões regionais, Acre, Amazonas e Amapá apresentam as menores taxas no atendimento escolar dessa população em 2012 e 2013: 89,6%, 90,1% e 90,3%, respectivamente.

META 2 – Toda criança plenamente alfabetizada até os 8 anos  – Até 2010, 80% ou mais, e até 2022, 100% das crianças deverão apresentar as habilidades básicas de leitura, escrita e matemática até o final do 3º ano do Ensino Fundamental

DIAGNÓSTICO
O TPE diz que o exame que permitiria avaliar a meta ainda não teve os resultados divulgados de forma consolidada pelo Inep. Sem os dados da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), voltada para 3º ano do Ensino Fundamental, o movimento ainda tem como parâmetro os resultados da Prova ABC de 2012. Ela revelou que 44,5% dos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental apresentaram proficiência desejável em leitura, 30,1% em escrita e 33,3% em matemática.

META 3 – Todo aluno com aprendizado adequado ao seu ano – Até 2022, 70% ou mais dos alunos terão aprendido o que é adequado para seu ano.

DIAGNÓSTICO
Segundo dados de 2013 referentes à Prova Brasil e ao Saeb, apenas 9,3% dos estudantes que deixam a Educação Básica apresentaram proficiência esperada em Matemática e 27,2% em Português)

Os números da Região Norte são os mais alarmantes do País: em 2013, apenas 3,6% concluíram o Ensino Médio sabendo o que deveriam em matemática, e 16,2%, em língua portuguesa.

“É urgente que o país promova ações imediatas e mais efetivas para que os jovens que estão hoje no sistema tenham garantido o seu direito ao aprendizado. Para isso, é fundamental repensar Ensino Médio, que ficou por anos estagnado e agora apresenta retrocesso de seus indicadores,  e também ter políticas focadas nos anos finais do Ensino Fundamental, que já demonstram estagnação em patamares muito baixos de proficiência”, analisa a diretora-executiva do TPE, Priscila Cruz.

META 4 – Todo jovem de 19 anos com Ensino Médio concluído – Até 2022, 95% ou mais dos jovens brasileiros de 16 anos deverão ter completado o Ensino Fundamental, e 90% ou mais dos jovens brasileiros de 19 anos deverão ter completado o Ensino Médio.

DIAGNÓSTICO
A taxa de conclusão aos 19 anos em 2013 foi de 54,3%, quase 10 pontos percentuais abaixo da meta de 63,7%, segundo o estudo. Atrasados em relação à série correta, 19,6% dos jovens nessa idade ainda se encontram no Ensino Fundamental, enquanto 1,7% cursam Educação de Jovens e Adultos (EJA).

As desigualdades de raça também aparecem evidentes nesta meta, segundo o TPE. “Há uma diferença de aproximadamente 20 pontos percentuais (pp) entre as taxas de jovens declarados brancos que concluíram o EF aos 16 anos e o EM aos 19, que são respectivamente 81% e 65,2%, e aqueles que se declaram negros – 60% e 45%”, conclui o estudo.

A influência do fator socioeconômico também foi constatada. “No Ensino Fundamental, por exemplo, o quartil mais pobre apresenta taxa de conclusão igual a 59,6%, enquanto entre os 25% mais ricos, esse percentual é de 94%. No Ensino Médio, esses valores são, respectivamente, 32,4% e 83,3%”, afirma o estudo.

META 5 – Investimento em Educação ampliado e bem gerido – Até 2010, mantendo-se até 2022, o investimento público em Educação Básica obrigatória deverá ser de 5% ou mais do PIB.

DIAGNÓSTICO
Hoje, o percentual do investimento público direto na área em relação ao PIB é de apenas 5,6%, segundo dado de 2013 divulgado pela Diretoria de Estatísticas Educacionais do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (DEED/Inep).

Em Educação Básica, há uma tendência de crescimento desde 2000, quando era de somente 3,2%. Atualmente, está no patamar de 4,7%.

O Brasil continua a figurar entre os países que menos investem em Educação. O dado mais recente disponível, de 2011, é o relatório Education at a Glance, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“A Suíça é o país que mais investe por aluno anualmente: US$ 16.090. É seguida de perto por Estados Unidos e Noruega, que investem, respectivamente, US$ 15.345 e US$ 14.288.
Além dos três, outros 12 países aplicam mais de 10 mil dólares por aluno: Áustria, Suécia, Dinamarca, Holanda, Bélgica, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Austrália, Japão, França e Reino Unido”, aponta o estudo.

“O Brasil aparece em penúltimo lugar na lista, com US$ 3.066, à frente apenas da Indonésia (US$ 625) e atrás de outros países latino-americanos como Chile e México. Além disso, está bem abaixo da média da OCDE, que é de US$ 9.252.”

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Concurso Cultural Literário (125)

9

youngsOs Youngs – Os irmãos que criaram o AC/DC

Jesse Fink (autoria), Marcelo Hauck (tradução)

Da Escócia para a Austrália. Das ruas e dos pequenos clubes para os estádios e os grandes festivais de rock ao redor do mundo. Com mais de 200 milhões de álbuns vendidos, o AC/DC não é apenas uma das maiores bandas de rock ainda na ativa.

É uma família e um grande império, construído pelos irmãos George, Malcolm e Angus Young. E é essa a história contada neste livro, que já foi publicado em quase vinte países, considerado uma das biografias recentes de músicos mais originais já escritas, e selecionado como o melhor livro do gênero pelo AllMusicBooks.com.

Ele conta a extraordinária trajetória por trás desse gigante comercial e musical, revelando alguns dos segredos de seus componentes, sua criatividade e personalidade, e a escalada empreendedora da banda até o topo.

Com informações extremamente recentes, reúne relatos de ex-membros do AC/DC e de músicos de bandas como Guns N’ Roses, Rose Tattoo e Dropkick Murphys, e mostra porque o AC/DC consegue manter o mesmo som e a mesma identidade por tantas décadas, entrelaçando a história da banda com a da cena musical que cresceu junto com ela, em um texto apaixonado e descontraído, feito de fã para fã.

***

Em parceria com a Gutenberg, vamos sortear 3 exemplares de “Os Youngs – Os irmãos que criaram o AC/DC“, livro de Jesse Fink.

Para concorrer, responda na área de comentários qual a sua música favorita do AC/DC.

Se participar via Facebook, por favor deixe seu e-mail de contato.

Para ficar sempre por dentro das novidades e promoções, sugerimos que curta as páginas dos envolvidos neste concurso cultural:

O resultado será divulgado dia 4/8 neste post.

#Divulgue  #Participe

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

John Green e Nat Wolff dizem que ‘Cidades de Papel’ celebra amizade

0

Autor disse que adaptação para cinema é melhor do que sua obra.
Escritor e ator estão no Rio para divulgar filme baseado em livro.

Cristina Boeckel, no G1

John Green e Nat Wolff lançam filme 'Cidades de Papel' no Rio (Foto: Cristina Boeckel/G1)

John Green e Nat Wolff lançam filme ‘Cidades de
Papel’ no Rio (Foto: Cristina Boeckel/G1)

Em encontro com fãs e a imprensa nesta quarta-feira (1), o escritor John Green falou sobre a adaptação para o cinema de seu livro “Cidades de Papel”, que chega aos cinemas no dia 9 de julho.

Acompanhado do ator Nat Wolff, que interpreta Quentin, o protagonista, ele afirmou que o sentido principal de seu texto foi preservado na adaptação. “A coisa mais importante era o entendimento da amizade é de como as pessoas são complexas. Isso era central”.

Ele atesta a qualidade do trabalho. “Muita gente diz que adaptações para o cinema são piores do que os livros, mas acho que esta é claramente melhor”.

John Green citou como destaque na narrativa a maneira como a personagem alvo romântico do protagonista é interpretada pela modelo Cara Delevigne. “Era importante mostrar que Margo não é um milagre, é uma pessoa. Humanizá-la era fundamental”.

Sobre a paixão de Quentin por Margo, Nat Wolff conta que a história de amor está relacionada com outros fatores da sua vida que Quentin não consegue observar. “Às vezes você está focado em uma coisa, mas é preciso olhar para os lados”.

Fascínio pela cartografia
O tema das cidades de papel, que são pequenas cidades criadas por cartógrafos para conseguir identificar cópias, foi escolhido por John Green sempre ser fascinado por esse trabalho. “Sempre fui encantado por este ofício de escrever, de desenhar o mundo como eles fazem”.

Nat Wolff mostra paisagem do Rio a John Green no lançamento de 'Cidades de Papel' (Foto: Cristina Boeckel/G1)

Nat Wolff mostra paisagem do Rio a John Green
no lançamento de ‘Cidades de Papel’
(Foto: Cristina Boeckel/G1)

Semelhanças com personagem
O escritor também enfatizou que adorou o trabalho de Wolff como o protagonista do filme. “Nat é muito esperto e estou satisfeito não só por ele fazer parte do elenco, mas por estar envolvido no processo como um todo”.

Wolff, em contrapartida, elogiou Green e destacou que Cidades é seu livro favorito do autor. “Eu me senti extremamente à vontade durante as filmagens”.

O ator contou que há semelhanças entre a vida de Quentin e a sua própria. “O filme foi como uma máquina do tempo. Eu também tinha dois amigos inseparáveis e uma paixão platônica. Foi como se eu voltasse no tempo. Eu também sigo acreditando que a amizade é algo muito importante na minha vida”.

Sucesso no Brasil
John afirma que nunca esperou o sucesso que seus livros fizeram ao redor do mundo. “Eu nunca imaginei que meus livros iam ser traduzidos para o português e se tornariam best sellers aqui, por exemplo.”

John Green filma jornalistas no Rio (Foto: Cristina Boeckel/G1)

John Green filma jornalistas no Rio
(Foto: Cristina Boeckel/G1)

Green fez questão de reverenciar os leitores brasileiros. “Eu nunca me considerei diferente dos autores que falam para os jovens, mas é maravilhoso estar aqui e até é um pouco estranho, pois é algo que nunca imaginei. Eu gostaria de agradecer aos fãs brasileiros”.

O escritor completou a sua fala mencionando a dificuldade de escrever para o público adolescente.

“É uma linguagem que não é para adultos e nem para crianças. É um meio termo. São linguagens que se encontram e, em algum momento, entram em conflito. É uma época diferente da infância, é uma época de primeiras vezes, de primeira paixão, de descobertas. Não são adultos, mas já abandonaram a infância”, afirmou John.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Concurso Cultural Literário (124)

0

1233-20150629121736Susan Sontag – Entrevista completa para a revista Rolling Stone

Jonathan Cott (autoria), Rogério Bettoni (tradução) 

Susan Sontag foi escritora, crítica de arte e ativista dos direitos humanos. Em 1978, Jonathan Cott, um dos fundadores da revista Rolling Stone, entrevistou Sontag pela primeira vez em Paris e, posteriormente, em Nova York. Apenas um terço de sua conversa de doze horas foi reproduzido na edição de 4 de outubro de 1979 da Rolling Stone.

Mais de três décadas depois, a prestigiosa editora de Yale publica a transcrição completa dessa entrevista memorável, agora traduzida pela Autêntica, acompanhada de um prefácio e das lembranças desse encontro. Aqui estão reunidas sua visão de mundo, sua trajetória, seus embates pela liberdade de expressão, comentando, a fundo, suas obras que influenciaram várias gerações.

Instigantes, as perguntas de Jonathan Cott provocaram respostas reveladoras, e o resultado fornece um olhar indispensável àquela que se descrevia como “esteta inebriada” e “moralista obsessiva”.

***

Em parceria com a Autêntica, vamos sortear 3 exemplares de “Susan Sontag – Entrevista completa para a revista Rolling Stone“, livro de Jonathan Cott.

Para concorrer, acesse este formulário.

Para ficar sempre por dentro das novidades e promoções, sugerimos que curta as páginas dos envolvidos neste concurso cultural:

O resultado será divulgado dia 30/7 neste post.

Boa sorte! :-)

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top