PRAÇAS DA CIDADE

Como incentivar crianças a lerem mais e despertar o gosto pelos livros

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

Confira dicas para fazer com que as crianças leiam mais

Publicado no Universia Brasil

Muitas vezes, fazer uma criança ler se mostra uma tarefa quase impossível. Com a tecnologia presente cada vez mais cedo em nossas vidas, é comum que os pequenos ignorem os livros e queiram dedicar sua atenção aos eletrônicos. Confira algumas dicas de como incentivar as crianças a lerem mais e despertar nelas o gosto pela leitura:

Não adianta, se você quer que uma criança adquira determinado hábito, o primeiro passo é mostrar que esse é um hábito seu também. Sempre que possível, leia junto com os pequenos e mostre que ler faz parte do seu dia a dia. Quando for falar sobre livros, refira-se ao tema de modo divertido, de uma forma que desperte o interesse e a curiosidade da criança.

Faça com que os livros estejam sempre ao alcance das crianças. Busque deixá-los em locais da fácil acesso, que não sejam muito altos e estejam sempre à vista da criança. A intenção é que ela “encontre” algo para ler em seu caminho com facilidade e fique ao menos curiosa sobre o conteúdo. Para isso, é interessante investir também em obras com capas mais chamativas. Se possível, transforme algum espaço da casa em um cantinho da leitura.

Mais do que ler junto ler para a criança também é uma forma de interessá-la. Dramatize, coloque entonações diferentes para cada personagem, envolva-se. O objetivo é mostrar que a leitura é algo divertido e pode ser tão interessante quanto um filme ou um videogame.

Programe passeios que envolvam livros. Vale ir em uma livraria ou em uma biblioteca. A maioria delas possui áreas para crianças e algumas contam até mesmo com uma programação especial voltada aos pequenos. Se possível, visite um dia de contação de histórias. Além de ter uma apresentação mais lúdica, a presença de outras crianças também ajuda na hora de estimular o envolvimento com os livros.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Descubra como revisar o conteúdo das matérias antes de uma prova de maneira mais eficiente

0

Prova

Publicado no Amo Direito

Fazer uma boa revisão antes de uma prova é importante estratégia para obter um bom resultado. Descubra como revisar o conteúdo de maneira eficaz.

Independentemente da maneira como você prefere estudar, a revisão de conteúdo é a maneira ideal para se preparar para a prova. Por isso, é importante que você preste atenção a como você costuma revisar a matéria e conheça estratégias para melhorar suas revisões.

Segundo o jornal The Guardian, o primeiro passo para melhorar os seus estudos antes de uma prova é entendendo como o seu cérebro funciona. Quando você estuda os neurônios fazem mais conexões e estimulam uma área chamada hipocampo – estrutura responsável pela memória. Entretanto, nem todas as informações são registradas por essa área: algumas delas são simplesmente perdidas. E agora, como contornar isso?

Uma das maneiras mais comuns de estimular a memorização de um conteúdo no hipocampo é pela repetição. Se você precisa decorar a anatomia de uma árvore para a aula de biologia, por exemplo, comece a repetir várias vezes as suas partes. Ao longo do dia, faça exercícios para recordar esses nomes e os escreva em uma folha de papel.

Outra técnica que pode ser utilizada é a repetição espaçada, ou seja, o ato de repetir um conteúdo estudado em períodos diferentes. Ao aprender uma nova informação, você deve estudá-la no mesmo dia. Depois, estudar novamente depois de alguns dias. Após isso, estudar mais uma vez após semanas. Estimular o seu hipocampo a recuperar essa informação em tempos espaçados faz com ela esteja mais registrada na memória e seja dificilmente esquecida.

Além disso, o The Guardian frisa que o hipocampo precisa de atenção e foco para conseguir memorizar uma informação. Ao dar atenção exclusiva a um único assunto, o cérebro entende que aquele momento é importante e, por isso, deve ser memorizado. Por isso, quando você estudar uma matéria difícil, evite mexer no celular ou escutar música. Seu cérebro deve estar totalmente focado nos estudos para que você memorize o conteúdo.

Os descansos também são importantes. Quando o hipocampo entra em contato com muitas coisas novas em pouco tempo ele tende a filtrar essas informações e memorizar somente algumas. Evite estudar por horas seguidas e tire pausas de aproximadamente 30 minutos para descansar.

Por fim, não deixe de dormir bem. Enquanto dormimos nosso cérebro, principalmente o hipocampo, consolida tudo o que foi aprendido ao longo do dia e registra essas memórias. Pessoas que não dormem bem têm mais problemas de memória e isso pode ser prejudicial para estudantes.

Essas técnicas poderão facilitar os seus momentos de estudo e melhorar seus resultados em provas e trabalhos. Bons estudos!

Fonte: Universia Brasil

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

The Witcher vai ganhar série pela Netflix

0

the-witcher

Produtores de A Múmia se unem a empresa de efeitos especiais da Polônia

Bruno Silva, no Omelete

A Netflix vai produzir uma série baseada em The Witcher, série de livros do escritor Andrzej Sapkowski que ganhou fama mundial com uma trilogia de jogos produzida pelo estúdio CD Projekt RED.

A série terá produção executiva de Sean Daniel (Ben-Hur, A Múmia) e Jason Brown (The Expanse), com a produtora de efeitos especiais polonesa Platige Image, encabeçada por Tomek Baginski (A Catedral) e Jarek Sawko (The Fallen Art). Baginski dirigirá pelo menos um episódio de cada temporada.

Por enquanto, não há previsão de estreia da série, nem informações sobre elenco.

Iniciada em 1992, a saga The Witcher conta a história de Geralt de Rívia, um dos poucos bruxos restantes na Terra. Em seu país natal, a Polônia, o romance virou livro e série de TV, mas só ganhou fama internacional após o lançamento do game The Witcher. A conclusão da trilogia, The Witcher 3: Wild Hunt, foi condecorada com diversos prêmios de Jogo do Ano em 2015.

Além da série, um filme hollywoodiano de The Witcher também está em produção.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Brasileira transforma história de Van Gogh em quadrinhos

0
A HQ narra os principais momentos da vida de Van Gogh. Foto: Editora Nemo/Divulgação

A HQ narra os principais momentos da vida de Van Gogh. Foto: Editora Nemo/Divulgação

 

A artista plástica Mirella Spinell também produziu O Diário de Anne Frank e Leonardo Da Vinci em HQs

Publicado no Diário de Pernambuco

A complexa e agitada vida do holandês Van Gogh virou tema de mais uma HQ. O pintor (que já foi inspiração para filmes, livros e outras publicações) agora é retratado pela ótica da artista plástica mineira Mirella Spinelli, também autora de O diário de Anne Frank em quadrinhos e Leonardo Da Vinci. Publicado pela editora Nemo, Vincent Van Gogh apresenta a imprevisível trajetória do holandês em quadrinhos.

Para a autora Mirella Spinelli, a maior dificuldade na produção da obra foi resumir a vida do pintor. “Apesar de ter vivido uma vida curtíssima, ele era extremamente inquieto e imprevisível. Em um curto espaço de meses era possível que ele mudasse de cidade, iniciasse uma nova atividade, brigasse com alguém e idealizasse um projeto novo”, explica.

Ela aponta também que a vida do pintor foi marcada pelas dificuldades emocionais e pelas atitudes inesperadas. “Foi uma vida intensa e dinâmica, repleta de dificuldades físicas. A instabilidade emocional dele tornou-se um tormento, levando-o a atitudes imprevisíveis e, algumas vezes, torturantes para seu dedicado irmão, Theo”, conta.

1469-20170403115346

Para a identidade gráfica do livro, Mirella optou por usar cores que remetem ao trabalho de Van Gogh, de maneira que as fases e emoções do pintor pudessem se refletir na escolha delas. “A infância, um período repleto de cores, a irritabilidade de tons avermelhados na fase adulta, os tons ocres coincidindo com o período em que no trabalho dele também eram os tons predominantes e, finalmente, a explosão de cores no período do sul da França. Os dois últimos anos tormentosos até sua morte em cinza”, relata.

Ela revela, porém, que considera a escrita do roteiro a parte mais complexa da produção de uma HQ. “Tratando-se de um tema verídico, uma biografia, além da fase das pesquisas e leituras, o ponto principal é selecionar os momentos-chave, as passagens mais determinantes e como ‘equacionar’ tudo para que o leitor compreenda. Naturalmente, toda essa fase é uma seleção sob a ótica do autor, no caso, a minha”, comenta.

A HQ faz parte da coleção Mestres da arte em quadrinhos, produzida por Mirella e publicada pela editora Nemo. Antes de Van Gogh, uma biografia de Leonardo Da Vinci havia sido publicada. O próximo será uma obra sobre Michelangelo Buonarroti. “Um artista que teve uma vida longa, morreu aos 89 anos e sua vida se confundiu muito com as oscilações políticas de Florença e os diversos papas que exigiam a presença dele em Roma”, destaca.

Depois, a ideia é dar diversidade aos artistas selecionados, revela a autora. “Em seguida, faremos quadrinhos também de artistas mulheres que tenham se destacado, bem como de brasileiros. Esperamos assim abarcar um leque diversificado”.

Por: Pedro Galvão – Estado de Minas

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

A segregação nas escolas da cidade de Nova York

0
Até os que apoiaram o atual sistema educacional, agora, reconhecem que ele promove a segregação racial (Foto: Pixabay)

Até os que apoiaram o atual sistema educacional, agora, reconhecem que ele promove a segregação racial (Foto: Pixabay)

 

Política educacional só tem reforçado a desigualdade nas escolas, deixando muitos jovens negros e hispânicos para trás

Mariana Mauro,no Opinião e Notícia

A cidade de Nova York tem um dos sistemas escolares mais segregacionistas dos Estados Unidos. O assunto foi abordado no editorial do New York Times desta segunda-feira, 15.

Na semana passada, o prefeito Bill de Blasio se esquivou do assunto, dizendo que as escolas refletem os padrões históricos de habitações e que “nós não podemos mudar a realidade básica de habitação na cidade de Nova York”.

As moradias têm sua influência no assunto, mas a política educacional em vigor tem reforçado a desigualdade no ambiente escolar, deixando muitos jovens negros e hispânicos de baixa renda para trás.

O antecessor de Bill de Blasio, Michael Bloomberg, estabeleceu um sistema educacional no qual alunos do oitavo ano poderiam se candidatar a qualquer escola de ensino médio da cidade, as chamadas high schools. Antes é preciso entender as diferenças na divisão de ensino nas escolas do Brasil e dos Estados Unidos. No padrão brasileiro, a ordem é ensino pré-escolar, ensino fundamental 1 (1° ao 6° ano), ensino fundamental 2 (7° ao 9° ano) e ensino médio (1° ao 3° ano). Já nos Estados Unidos, a ordem é pré-escola, elementary school (1°-5°), middle school (6° ao 8°), high school (9° ao 12°).

O problema é que as high schools de maior prestígio exigiam alta performance dos alunos em exames estaduais, provas ou portfólios de trabalhos da middle school. Como muitos negros e hispânicos de baixa renda passaram anos em escolas falidas, eles não conseguem entrar nas high schools de alto nível, que os prepararia para entrar na faculdade. E é por isso que a promessa de Bloomberg de dar uma real oportunidade para qualquer estudante frequentar uma boa escola falhou.

Segundo o New York Times, este sistema educacional não foi feito para os alunos de baixa renda, mas para manter os brancos de classe média nas escolas públicas. Até os que apoiaram o início deste sistema há 20 anos, agora reconhecem que ele promove a segregação racial. O isolamento que já acontece nas elementary schhols e nas middle schools acaba se perpetuando nas high schools.

Eric Nadelstern, que era o sub-secretário de Educação da cidade durante o mandato de Bloomberg, propôs recentemente que a cidade se livre do atual sistema para um em que as escolas decidam os alunos que vão entrar por sorteio. Outros defendem uma versão menos radical, aceitando jovens com uma bagagem escolar diferente da atual.

Os críticos também argumentam que Bill de Blasio deveria tomar atitudes urgentes em relação ao assunto. No entanto, o prefeito não deve tomar nenhuma medida agora, visto que está concorrendo à reeleição neste ano. No momento, o candidato não vai querer confusão com os professores e os eleitores de classe média.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top