Vitrali Moema

Posts tagged Afora

Editora anuncia lançamento da autobiografia de Rod Stewart no Brasil

0

Gustavo Morais, no Cifra Club News

Capa da autobiografia de Rod Stewart

A editora Globo Livros anunciou, nesta semana, a publicação em português da autobiografia do roqueiro Rod Stewart. Intitulado “Rod – A Autobiografia”, o livro surpreende pela transparência e despudor com que revela sua história ao grande público.

Na obra, o artista revela detalhes sobre as longas turnês mundiais; sobre o relacionamento com seus companheiros de banda; e sobre os seus grandes amores (incluindo três casamentos e oito filhos). Na lista de conquistas de Rod estão incluídas mulheres como Bebe Buell, que é a mãe da filha de Steven Tyler (do Aerosmith), Liv Tyler, a atriz Rachel Hunter e a brasileira Luciana Gimenez.

A relação de Rod Stewart com o público brasileiro é especial. Na primeira edição do Rock in Rio, em 1985, Rod pilotou o público e mostrou a segurança de um artista que se sente totalmente confortável ao tocar para plateias superiores a 100 mil pessoas. Anos mais tarde, na noite de 31 de dezembro de 1993, ele se apresentou diante de 3,5 milhões de pessoas, em um palco montado na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Com este feito, de acordo com o “Guinness Book”, Stewart é dono do maior público presente em um show de rock em todos os tempos.

A trajetória de Roderick David Stewart, 68 anos de vida, é uma das mais emocionantes e vitoriosas do tal do “roquenrow”. São quase 50 anos de estrada, mais 200 milhões de discos vendidos e turnês com lotações esgotadas mundo afora. “Rod – A Autobiografia” estará nas melhores livrarias a partir da próxima semana.

Crítica: Autor de “O Caçador de Pipas” força lágrimas em novo livro

0

Almir de Freitas, na Folha de S.Paulo

“Então, é isso. Vocês querem uma história, e eu vou contar.” A frase, logo no início de “O Silêncio das Montanhas”, é de Saabor, um aldeão cheio das habilidades narrativas -para deleite dos filhos pequenos, Abdullah e Pari.

A declaração serviria para o próprio Khaled Hosseini, outro grande contador de histórias que, dessa maneira, inicia seu terceiro romance -para deleite dos seus milhões de leitores mundo afora.

Dez anos depois da estreia com o megassucesso “O Caçador de Pipas”, e seis após “A Cidade do Sol”, o escritor afegão volta com um livro tecnicamente mais complexo.

O escritor Khaled Hosseini (Michael Tran/FilmMagic/Divulgação)

O escritor Khaled Hosseini (Michael Tran/FilmMagic/Divulgação)

Na história que se anuncia, haverá pelo menos uma dúzia de personagens centrais, revezando-se com o autor na narração de acontecimentos que se espalham em seis décadas, de 1952 a 2010.

Quatro países servem de cenário, pontes –direta ou lateralmente– para os principais fatos históricos desse período.

Na Afeganistão, a ocupação soviética, o governo talibã e a invasão americana; na França, as manifestações estudantis; na Grécia, a ditadura do coronéis; e nos Estados Unidos, a guerra ao terror.

Épico contemporâneo, lembra um tanto “Liberdade”, romance em que Jonathan Franzen radiografa os impasses do americano médio mais ou menos no mesmo período.

Claro que, sendo Hosseini afegão, os dramas que brotam de “O Silêncio das Montanhas” pouco têm a ver com liberdade ou dilemas medianos.

A saga começa logo após a fábula narrada por Saabor, com a separação forçada de Abdullah e Pari. Quase tudo o que acontece dali em diante remete a esse evento traumático –e quase tudo servirá para reiterar o custo de se perder a inocência.

Não faltarão tragédias. Crianças desfiguradas, adultos inválidos, velhos doentes (sim, sempre no plural). Há fome, frio, exílios, guerras sem fim e injustiças.

REALISMO ANTIGO

É preciso estar preparado: Hosseini não economiza na veia novelesca. Seu desassombro em apelar ao emocional do leitor é notável, mas é inevitável que caia com frequência no lacrimoso.

Como se fossem contrapartidas de tanta crueza, não faltam também capítulos de genuína bondade, amor verdadeiro, afeto sem fronteiras. Muita gente –muita– prefere assim.

O melhor é a filiação a um certo realismo antigo. Nele, o que desencadeia os eventos trágicos, além das catástrofes históricas, são as secretas mesquinharias individuais: a paixão de um pobre motorista pela patroa, a inveja de uma irmã mais feia, o ressentimento de um primo de menos sucesso.

São elementos de uma engrenagem narrativa que confere uma feição mais humana, feia, mas piedosa, às tragédias coletivas em que um romance como “O Silêncio das Montanhas” poderia se perder.

Sim, ainda é um recurso novelesco, e é provável que seja este o grande e bom segredo de Hosseini para cativar tanta audiência com suas histórias.

Tablet ajuda a ensinar crianças, diz diretora; outros educadores rejeitam a novidade

0

Rodolfo Lucena, na Folha de S.Paulo

Depois de terem conquistado corações e mentes de crianças, adolescentes e adultos pelo mundo afora, os tablets se voltam para um mercado sempre em expansão: o fabuloso mundo dos bebês. Cidadãos ainda não alfabetizados ou que mal conseguem enrolar algumas palavras encostam suas mãos gorduchinhas nas telas de vidro para comandar carrinhos, letras, músicas, trens e galinhas cantantes.

Fazem isso em casa, por certo, usando os aparelhos dos pais. E, cada vez mais, têm os “seus” próprios gadgets, em escolas de educação infantil que adotam o tablet como ferramenta de ensino e diversão para a meninada de menos de quatro anos.

Crianças usam tablet na escola Primetime, em São Paulo (Karime Xavier/Folhapress)

Crianças usam tablet na escola Primetime, em São Paulo (Karime Xavier/Folhapress)

“É uma ferramenta interessante porque traz um tipo de mídia com grau de interatividade que a televisão e os filmes infantis oferecem e por causa da tela sensível ao toque, que torna o uso mais fácil para as crianças. É muito intuitivo, e o bebê não se limita à atividade motora”, avalia Christine Bruder, 40, diretora da Primetime, escola no Morumbi, em São Paulo, que atende crianças de até três anos e usa os aparelhos desde o ano passado.

Os resultados são positivos, afirma Jacqueline Cappellano, 40, coordenadora das turmas de dois a quatro anos da Escola Internacional de Alphaville, que também passou a usar as tabuletas eletrônicas no ano passado. “A gente sabe que as crianças aprendem de forma diferente. Um conteúdo que você não consiga atingir por meio de uma estratégia dentro da sala de aula, usando material concreto, consegue que a criança entenda por meio da tecnologia”, diz ela.

A turminha adora. No Colégio Brasil Canadá, em Perdizes, crianças de três anos sentam em roda para brincar com o tablet, e o uso do aparelho se torna uma experiência coletiva: estão todos conectados a um sistema de televisão, e o grupo acompanha pela tela grande, por exemplo, quando um coleguinha traça com o dedo o perfil de uma letra.

Editoria de Arte/Folhapress

Editoria de Arte/Folhapress

A turminha adora. No Colégio Brasil Canadá, em Perdizes, crianças de três anos sentam em roda para brincar com o tablet, e o uso do aparelho se torna uma experiência coletiva: estão todos conectados a um sistema de televisão, e o grupo acompanha pela tela grande, por exemplo, quando um coleguinha traça com o dedo o perfil de uma letra.

“O uso da tecnologia faz parte do mundo deles”, diz a professora Bruna Figueiredo Elias, 27. “E a interação com o mundo deles é muito importante. Percebemos que eles gostam, que se concentram.”

Para isso, porém, é preciso ter os aplicativos corretos –uma busca que não foi fácil, segundo Bruder. “Os aplicativos precisariam ser algo adequado ao interesse das crianças, e não preparando as crianças para aprenderem alguma coisa.”

“Até os três anos, eles aprendem pondo a mão na massa, vivendo, experimentando, com liberdade. E muitos aplicativos fechavam o bebê em ‘aperte aqui’, ‘aperte agora’, incentivando a rapidez dos movimentos ou queriam ensinar a criança a ler, a reconhecer letras, números. Demorei tempo para achar conteúdo que fizesse sentido para apresentar a um bebê”, diz.

Além do controle do conteúdo, há que limitar o tempo de tablet na mão. “As crianças de dois a quatro anos têm uma aula por mês”, diz Cappellano, que também delimita o horário em que suas gêmeas de quatro anos podem usar os aparelhos.

CRIANÇAS LIGADAS

O tempo que crianças passam com eletrônicos, mesmo se controlado, pode ser demais, dizem alguns educadores.

“Nós não usamos aqui, dentro do estabelecimento, nenhum desses instrumentais. A gente tem como filosofia que o grande aprendizado da criança na primeira infância é por meio do brinquedo. Não o brinquedo físico, mas o [ato de] brincar”, conta a pedagoga Nereide Tolentino, 70, diretora da Escola da Vovó, que funciona há 36 anos e atende crianças de até seis anos em Pinheiros.

“Se a gente coloca a criança na [frente da] televisão ou no computador ou qualquer um desses joguinhos em que ela só aperta botão, ela não tem de criar nem imaginar nada”, reforça Valéria Rocha, 39, diretora do Quintal do João Menino, escola maternal e jardim para crianças de um ano e meio a seis anos, na Vila Madalena.

Independentemente de divergências de filosofias pedagógicas, há que ter cuidado com a oferta de tecnologia para as crianças. A Associação Americana de Pediatria “desencoraja” o uso de mídia eletrônica por menores de dois anos e a colocação de aparelhos de TV no quarto de crianças. Em um documento sobre o assunto, a entidade cita estudos que encontraram efeitos negativos no desenvolvimento intelectual infantil.

Outros estudos indicam que poucas pessoas nos EUA deram ouvidos às recomendações dos médicos: levantamento realizado pela Common Sense Media em 2011 mostrou que 30% das crianças com menos de um ano têm televisão no quarto.

Nenhuma das escolas ouvidas pela Folha oferece os aparelhos para crianças com menos de dois anos. E dizem que a experiência precisa ser sempre monitorada.

“As atividades com tablet não podem substituir explicações do professor; as brincadeiras com tablets não podem e não devem substituir as entre as crianças; o contato físico com amigos reais é mais importante –e imprescindível”, diz Bruna Elias.

Estudantes de escolas americanas publicam segredos na web

0

Em páginas do Facebook, alunos fazem confissões anônimas
Fan pages no formato “Confessions” são populares entre os alunos do ensino médio nos Estados Unidos
Mesmo modelo foi adotado para universitários em página de Portugal

Em página de escola americana, estudante anônima confessa ter transtorno alimentar Reprodução do Facebook

Em página de escola americana, estudante anônima confessa ter transtorno alimentar Reprodução do Facebook

Publicado em, O Globo

RIO – Estudantes do ensino médio nos Estados Unidos têm usado o Facebook para desabafar suas angústias, mas sob a condição de anonimato. Fan pages (não oficiais) de diversos colégios vêm incentivando rapazes e garotas a confessarem seus segredos mais íntimos – que, provavelmente, seriam motivo de fofoca nos corredores da escola se a identidade dos autores fosse revelada.

As páginas, que recebem o nome de “Confessions” (confissões), funcionam mais ou menos da mesma forma que o formato “Spotted”, que ficou famoso nas universidades mundo afora: o administrador anônimo da página recebe as mensagens (que podem ser enviadas de forma anônima ou não) e as publica na rede. Cada colégio tem a sua página, exclusivamente com segredos de seus alunos.

O recurso é usado por quem quer confessar segredos lights, como paixões não correspondidas, e também mais pesados. Alguns alunos já revelaram ter distúrbio alimentar, uma doença sexualmente transmissível e também falaram sobre a vergonha de admitir publicamente ser homessexual. Um dos segredos mais tocantes – e mais curtidos até hoje – é o de uma aluna da Mililani High School. No relato, ela confessa ter sido estuprada.

“Eu ouvi pessoas conversando sobre estupro hoje na escola. Elas disseram que a culpa era da garota, que se ela não queria isso, ela não deveria se vestir ou agir daquela forma. Algumas pessoas são realmente ignorantes. Você não conhece quem está a sua volta. No meu ano de caloura [primeiro ano do ensino médio], eu fui estuprada. O que eu estava vestindo? Suéter. Um suéter feio e largo. O que eu estava fazendo? Saindo da biblioteca e indo para casa. Explique-me como foi minha culpa. Eu o provoquei? Pensem antes de falar. São idiotas como vocês que tornam andar pela escola todos os dias um verdadeiro inferno”, escreveu a estudante, sem se identificar.

Segredos universitários

Em Portugal, outra página tem a mesma função, mas um público-alvo diferente. A página “Confissões de um estudante universitário” abriga relatos, também anônimos, de alunos de várias faculdades. A maioria das situações descritas na página é tragicômica. Dois alunos contam, por exemplo, que fizeram xixi no corredor de uma república feminina. Já uma menina relata que perdeu as chaves de casa, a carteira e o celular na sua festa de aniversário.

Professores de hoje são heróis, diz premiada autora infantojuvenil

0

Eva Furnari fala sobre educação, tecnologia e comportamento do brasileiro

Publicado no Divirta-se

 (CFAG/Divulgação)

Eva Furnari não costuma conceder entrevistas. “Fico tão concentrada no trabalho”, justifica a autora e ilustradora de livros infantojuvenis publicados e premiados no Brasil e mundo afora – Itália, México, Equador, Guatemala, Bolívia. A italiana de 64 anos, que mora em São Paulo desde os 2, abriu exceção para o Pensar, na ocasião de relançamento de Anjinho, obra de 1998 premiada com o Jabuti de melhor ilustração. E falou, com o mesmo destemor com a qual escreve, sobre bullying, comportamento, novas tecnologias, educação, da falta dela. “A democracia não é um mar de rosas, requer negociação e os professores têm a missão difícil de lidar com as crianças livres demais, mimadas pelo capitalismo”, analisa. Eva assina o texto e as imagens de mais de 60 livros, alguns retirados por ela mesma do mercado. “Porque não estava satisfeita com eles. Tenho uns 60 e poucos livros, então, acontece”. No fim das contas, a escritora, que confessou não ler quando criança por ter hipermetropia, não resiste a uma boa história.

Alguns títulos infantojuvenis estão tão focados na moral da história que são chatos. Que qualidade é imprescindível em um livro para jovens e crianças?
Na literatura cabe de tudo, desde que seja benfeito. Os professores usam muito a literatura na escola e viramos (autor e professor) uma dupla, mas acho que alguns focam mais no valor ético e acabam fazendo um material que é mais racional. Mas, se a literatura infantil não tiver um aspecto emocional, a criança não se liga, não atinge. Sobre o que é imprescindível, acho que, em primeiro lugar, a qualidade do texto. Precisa ser escrito em linguagem adequada pois são leitores ainda em desenvolvimento, mas acho que uma boa história é uma história bem contada. Normalmente, o que interessa e envolve o adulto vai envolver e interessar à criança também.

Você se considera uma escritora realizada?
Realizada, com certeza. Tenho mais de 30 anos de carreira. E o carinho enorme que recebo de professores. Às vezes, não tenho tempo de atender as pessoas… Mas, por outro lado, me sinto começando junto com desafios novos. Não consigo repetir projetos. Quando me pedem “faz um livro parecido com aquele e tal”, não consigo. Se repetir, acho que fica vazio, irracional, a gente precisa criar com alma. Nesse sentido, cada livro é uma experiência nova.

Você tem uma relação com personagens que, nos padrões da sociedade, parecem perdedores. Felpo Filva; Mel, que sofre bullying em Nós; os personagens de Listas fabulosas. Todos eles, no entanto, são anti-heróis encantadores. Tem algo de autobiográfico nisso?
Acho que aconteceu com todo mundo. Todo mundo tem um desajuste. O ser humano quer ser reconhecido, protegido, olhado com consideração, amor. Uns são mais intensos, sofridos, outros mais leves, mas acho que hoje existe uma tentativa de maior cuidado com o outro. A competição é natural, a disputa por liderança está em cachorros, mas somos racionais e podemos tentar ver de um ponto de vista diferente. É natural uma criança querer ser mais do que outra e fazer isso diminuindo o outro, mas é dever do adulto oferecer outras alternativas, ver que o problema existe naquele que quer humilhar. Acho que essa consciência é do adulto.

Sua infância foi feliz?
Foi sim, muito feliz. Tinha todas aquelas mais brincadeiras

Que qualidades você admira nas crianças de agora? Quais não admira?
A criança é o resultado de como está sendo educada. Ela ocupa o espaço que o adulto deixar. Admiro o interesse delas por tudo, suas ideias, suas observações. Mas muitas vivem com a falta de respeito. E isso não admiro. Não respeitar professores, colegas, mais velhos. Não admiro criança folgada, mimada.

E o que você pensa da educação hoje?
Estamos em um momento de confusão, com novos padrões. A educação saiu de autoritária e centralizada, da época da ditadura militar, para, com a guerra, a emancipação da mulher, um modelo democrático. E em todas as instâncias: governo, família. A tentativa é conciliar a necessidade de ordem coletiva com liberdade pessoal. Na educação estamos em fase experimental sobre como equacionar este conflito. A democracia não é um mar de rosas, requer negociação e os professores têm a missão difícil de lidar com as crianças livres demais, mimadas pelo capitalismo. Hoje, o desafio maior é comportamental, de relacionamento, da figura de autoridade. Os professores são verdadeiros heróis e me alegro de fazer parte desse time que batalha. O governo parece ser do contra e, em vez de ajudar, atrapalha. Mas acho que estamos indo bem: existe uma democracia em construção.

(mais…)

Go to Top