Sua Segunda Vida Começa Quando Você Descobre Que Só Tem Uma

Posts tagged Anne Frank

Diário de Anne Frank ganha versão em HQ e alerta para riscos da intolerância

0
Cena de "O diário de Anne Frank em quadrinhos" - Reprodução

Cena de “O diário de Anne Frank em quadrinhos” – Reprodução

 

Lançado simultaneamente em 50 países, obra foi adaptada por Ari Folman e David Polonsky

Fernando Eichenberg, em O Globo

PARIS – Quando foi contatado pela Fundação Anne Frank para realizar um filme de animação e uma história em quadrinhos baseados no célebre diário da jovem judia que permaneceu escondida durante a Segunda Guerra Mundial e acabou morrendo, aos 15 anos, no campo de concentração nazista de Bergen-Belsen, o cineasta israelense Ari Folman foi categórico em sua resposta: “Não”.

— Era muito grande o nome Anne Frank, e tudo já havia sido feito sobre o diário. Mas voltei para casa, fiquei pensando na razão pela qual haviam me solicitado, e cheguei à conclusão de que era algo que tinha de fazer. Levou uma semana para mudar de ideia e aceitar — explicou o diretor, em entrevista concedida em Paris.

Folman convenceu o diretor de arte e ilustrador David Polonsky, seu parceiro no premiado filme “Valsa com Bashir” (2008) e também em “O Congresso Futurista” (2013), no início também reticente à ideia, e este mês, 70 anos após a primeira publicação do “Diário de Anne Frank”, será lançada em 50 países a inédita versão do livro best-seller em HQ (edição brasileira pela Record). O filme de animação vai estrear nas telas de cinema em 2019, ano do 90° aniversário de nascimento de Anne Frank.

A iniciativa da Fundação Anne Frank foi motivada pela mudança de comportamento de leitura das novas gerações, apegadas às imagens e ilustrações nas telas de tempos virtuais. O objetivo era dar uma nova vida ao relato literário e histórico. Folman utilizou 70% do texto original, condensados em 150 páginas, e os recursos de diálogos e de imagens são reivindicados como uma fiel inspiração da escrita da jovem autora, com a inlusão de elementos dramáticos, mas não ficcionais.

A família Frank partiu de Frankfurt para Amsterdam no final de 1933 por causa da crescente perseguição aos judeus após a ascensão de Hitler ao poder. Mas com a invasão nazista na Holanda, em 1940, o temor recrudesceu. A partir de 6 de julho de 1942, o núcleo familiar (os pais Otto e Edith e as irmãs Margot e Anne) e mais outros quatro foragidos se esconderam no chamado “Anexo”, um apartamento secreto improvisado nas dependências da empresa do pai de Anne.

Em 4 de agosto de 1944, provavelmente graças às informações de um delator até hoje desconhecido, a polícia secreta alemã descobriu o esconderijo, prendeu e deportou seus inquilinos. Após ter passado pelos campos de Westerbork e Auschwitz, Anne Frank morreu de tifo no início de 1945 em Bergen-Belsen, pouco tempo antes da chegada das forças aliadas. Nos 743 dias de cativeiro, ela escrevia a sua amiga imaginária “Kitty” em seu precioso diário. Suas últimas palavras manuscritas datam de 1° de agosto de 1944. Publicado em 1947 por Otto Frank (1889-1980), único sobrevivente da família na guerra, o diário transformado em livro alcançou sucesso internacional, traduzido em mais de 70 idiomas, e gerou ao longo de décadas filmes, documentários e montagens teatrais.

Folman conta que não foi marcado pela primeira leitura da obra, aos 14 anos de idade. Mas ao se deparar novamente com o texto para preparar a HQ, confessa ter ficado “chocado” pela “inacreditável qualidade da escrita”:

— É impressionante sua capacidade de observação. Ela é muito aguda, e por vezes pode ser cruel de tão verdadeira ao contar histórias sobre adultos, suas fraquezas, suas relações, de como estão conectados. É espantoso para uma jovem de 13 anos. E à medida em que ela vai crescendo, é incrível as mudanças na qualidade de escrita e de observação. É uma grande obra. Li umas vinte vezes cada página para trabalhar no roteiro. Em cada uma delas, me dizia: ” Uau, isso deveria entrar na íntegra”. A tarefa mais dura foi fazer os cortes. Trabalhava em 30 páginas do diário para fazer 10 páginas da HQ.

Cena de "O diário de Anne Frank em quadrinhos" - Reprodução

Cena de “O diário de Anne Frank em quadrinhos” – Reprodução

Folman e Polonsky encararam o duplo desafio – HQ e filme – como uma “missão” de memória e de alerta em tempos sombrios. Para o ilustrador, era importante não cair no lugar comum nem no que define como a “indústria do Holocausto”.

— Se fizéssemos algo só didático não seria certo, e só artístico também não. A indústria do Holocausto é quando se usa essas histórias para promover ideologias ou provocar medo. É quando a escola envia crianças de Israel para Auschwitz, numa excursão de um dia, sem que elas realmente entendam tudo o que aconteceu, na única intenção de fomentar o sentimento nacionalista. Isso é ruim — defende Polonsky.

Folman não tem dúvidas de que aumentam o antissemitismo, o racismo e a intolerância no mundo.

— Quem poderia imaginar que após Barack Obama os Estados Unidos teriam este estúpido do Donald Trump, nesta maneira como reagiu à manifestação em Charlottesville dos supremacistas brancos, à Ku Klux Klan etc. Em Israel, aqui na França também acontecem coisas. Mas algo bom é que há uma reação. Em 2015, refugiados começaram a chegar em maior número em muitos países ocidentais. Não diria que foram totalmente bem-vindos, mas portas foram abertas para eles, o que não foi o caso em 1939. Algo aconteceu. Há uma esperança, um pequeno otimismo.

Acaso da história, os pais de Folman desembarcaram deportados no campo de Bergen-Belsen no mesmo dia em que Anne Frank. A infância do cineasta foi repleta de relatos do Holocausto. A HQ obedece aos escritos da jovem Anne e termina na última página do diário. Mas para a realização do filme, o diretor exigiu mais liberdade na concepção, que terá uma parte contemporânea, e impôs como condição que fossem abordados os sete meses finais da vida de Anne, desde sua detenção até sua morte.

— Cerca de 40% do filme será o diário, e o restante se passará nos dias de hoje, em Amsterdam. A personagem que conta a história será Kitty, e seu namorado possui um abrigo para refugiados na cidade. Serão constantes os reflexos entre o passado e o presente. E nós não sabemos o capítulo Auschwitz de Anne Frank. Bergen-Belsen era viver no inferno, já era quase a morte chegar lá. Uma das razões pelas quais ela se tornou tão icônica é que ninguém teve de lidar com essa terrível parte final. A percepção é a de que esta jovem menina em cativeiro produziu este diário maravilhoso e depois parou de escrever, não se fala deste período entre agosto de 1944 até março de 1945. No filme vamos tratar disso, será bom para todo mundo.

Sofrimentos à parte, os dois autores afirmam que foi bastante prazeroso o processo de criação da HQ, ao explorarem também o humor da escrita de Anne Frank, apesar de sua trágica condição no “Anexo”. Polonsky conta ter uma avó “drama queen” como a Senhora Van Dann, presente no esconderijo, e com quem Anne se disputava com frequência.

— A ideia foi trazer a história para a vida. Se você tratá-la como algo sagrado, não é algo vivo. Anne Frank tinha muito senso de humor — diz o ilustrador.

Folman trabalhou na mesma sintonia:

— Parece estranho dizer, mas foi muito divertido fazer e criar a HQ. Nos tornamos amigos dos personagens. Meus filhos são um exemplo radical de crianças de computador, não querem saber de livros. Não vou criticar, porque ainda não sabemos no que vai dar esta geração online. Mas nossa ideia era não tratar Anne Frank apenas como um ícone. Soa como um clichê, mas foi mesmo como uma missão para nós, deixar algo para crianças e adultos que não leram o texto original.

‘O Diário de Anne Frank’ ganha versão em quadrinhos feita por israelenses

0

Diogo Bercito, na Folha de S.Paulo

No mesmo ano em que passeatas racistas ocorreram nos EUA, com arroubos de antissemitismo, Anne Frank (1929-45) voltará às prateleiras.

Seu diário, um dos registros mais conhecidos do Holocausto, será transformado em história em quadrinhos.

Uma das ilustrações d'"O Diário de Anne Frank" em quadrinhos, que será lançado no Brasil em outubro

Uma das ilustrações d'”O Diário de Anne Frank” em quadrinhos, que será lançado no Brasil em outubro

O livro foi apresentado em Paris nesta quinta-feira (7), 70 anos após a publicação do original. O gibi será lançado em 50 países. No Brasil, o título será distribuído em 2 de outubro pela editora Record.

A adaptação foi feita por dois israelenses, o ilustrador David Polonsky e o cineasta Ari Folman. A dupla já havia trabalhado junta no filme “Valsa com Bashir” (2008), sobre a guerra no Líbano.

Folman, um filho de sobreviventes do Holocausto, trabalha simultaneamente em uma adaptação do diário para um filme de animação.

A dupla inicialmente rejeitou a oferta de trabalhar com o clássico de Anne Frank, a partir do qual tantos outros produtos culturais já tinham sido lançados, como filmes, mangás e musicais.

Polonsky e Folman foram convencidos mais tarde pela importância da história. Os últimos sobreviventes do Holocausto vêm morrendo e, com eles, seus relatos. Mas o antissemitismo persiste.

A alemã Anne Frank testemunhou a ocupação nazista da Holanda durante a Segunda Guerra (1939-1945).

Naquela década, judeus foram detidos, enviados a campos de concentração e sistematicamente assassinados —fuzilados, cremados, asfixiados em câmaras de gás (“talvez seja o modo mais rápido de morrer”, ela escreveu). Estima-se que 6 milhões de judeus tenham sido mortos.

Anne Frank viveu essa história de 1942 a 1944, escondida com a família no anexo de um apartamento em Amsterdã, confidenciando a um diário ao qual chamava de Kitty (“você será minha melhor amiga, como nunca tive na vida”). Estão ali os detalhes banais de seu cotidiano, como as brigas com a irmã, mas o livro registra também as angústias de uma garota vivendo a violência do nazismo.

Anne Frank dorme mal, e sonha em repetidas noites com o futuro nas mãos do regime de Adolf Hitler. Sua família foi capturada em 1944, e ela morreu em abril de 1945, no campo de concentração de Bergen-Belsen, Alemanha.

O texto foi descoberto, editado e lançado em 1947 por Otto, seu pai e único sobrevivente da família, que criou uma fundação com o nome da filha. Ativa ainda hoje, a fundação, aprovou a adaptação do diário aos quadrinhos. Em outras ocasiões, a entidade recusou sua chancela por preocupação com a fidelidade histórica de novas versões.

Não são abundantes as boas adaptações literárias para gibis, e neste caso havia o agravante de se tratar de um diário, formato pouco visual. Mas a HQ de “Diário de Anne Frank” faz jus ao original.

O texto foi reduzido pelos artistas israelenses e transformado em ilustrações, mas não perdeu o frescor da perspectiva de uma criança —ela tinha 15 anos ao morrer— diante das atrocidades que marcaram o século 20.

Ao jantar, Anne Frank ouve a notícia de que a princesa Juliana espera um bebê e se imagina no meio de uma fanfarra. As ilustrações acompanham o sonho.

Mas, na cama, “os maus pensamentos se insinuam”, ela escreve. E os artistas desenham Anne Frank deitada em cima de um Exército enquanto um trem e um furgão passam carregando detentos, engolidos pela fumaça.

Poema escrito à mão por Anne Frank vai a leilão

0
Anne Frank em foto não datada - Reprodução

Anne Frank em foto não datada – Reprodução

 

Item pode alcançar até R$ 108 mil

Publicado em O Globo

RIO – Um poema de Anne Frank, datado de 28 de março de 1942, vai a leilão e a expectativa é bater os 50 mil euros (cerca de R$ 180 mil). Escrito à mão e com oito linhas, o texto, devidamente assinado, foi encontrado no “livro da amizade” da irmã mais velha de Jacqueline van Maarsen, melhor amiga de Anne.

“Minha irmã (apelidade Cricri) arrancou essa página do livro da amizade dela e me deu, por volta de 1970”, escreveu Jacqueline em carta que acompanha o poema. “Sei que minha irmã não estava tão apegada a esses versos de Anne como eu fiquei com os que ela fez para mim, e esse é o motivo de eu estar colocando isso à venda”.

Segundo a casa de leilões Bubb Kuyper, o poema é um daqueles “tipicamente edificantes, do tipo que costumava ser escrito nesses álbuns de amizade, exortando o dono a fazer o seu melhor e a ser diligente nos trabalhos, para que qualquer um que o reprovasse fosse respondido de maneira honrosa”.

O poema foi escrito meses antes de a família de Anne Frank se refugiar no escritório de Otto, pai de Anne, em fuga pela perseguição dos nazistas aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Foi lá que Anne escreveu seu diário, publicado postumamente e sucesso no mundo todo.

A Casa de Anne Frank: um museu para um livro

0
Anne Frank, em 1940 | © Domínio público / WikiCommons

Anne Frank, em 1940 | © Domínio público / WikiCommons

 

A partir de Primo Levi e Anne Frank, Roney Cytrynowicz analisa a difusão da fotografia do menino Omran Dagneesh dentro de uma ambulância após ser ferido no bombardeio de Alepo

Publicado no Publishnews

Mais de 1,2 milhão turistas visitam anualmente a Casa de Anne Frank, em Amsterdam, na Holanda, inaugurada como museu em 1960. O que atrai as pessoas é a possibilidade de conhecer a casa e o anexo clandestino no qual Anne Frank viveu e escreveu, dos 13 aos 15 anos, seu diário / romance durante a Segunda Guerra Mundial.

De manhã a visita é realizada com ingressos previamente comprados e, à tarde, por ordem de chegada em uma fila quilométrica. É literalmente uma peregrinação com turistas de todo o mundo, especialmente jovens, tornando a casa um dos locais turísticos mais concorridos da capital holandesa.

Entram a cada cinco minutos grupos de cerca de 50 pessoas e o percurso dura de 30 a 40 minutos. O que se visita é uma casa vazia e seu anexo, com algumas fotos da mobília original, mas o percurso emociona e emudece profundamente os visitantes. O pesado silêncio raramente é rompido por algum comentário. Crianças e jovens se identificam profundamente quando a história contada no diário se torna real e palpável.

Uma frase do escritor italiano Primo Levi pode ser uma das chaves para se aproximar do apelo singular exercido em torno do diário, de sua jovem escritora e da visita à Casa: em uma história com a dimensão do Holocausto, em que seis milhões de pessoas foram mortas, a história de uma única vítima, uma menina, comove, emociona. Porque se fôssemos tentar nos aproximar do que significa o genocídio de milhões de pessoas, entre os quais um milhão e meio de crianças e jovens como Anne, escreve Primo Levi, simplesmente não aguentaríamos continuar vivendo.

A frase de Primo Levi pode ser estendida, claro, para a lógica individualizada da cobertura de mídia sobre outros genocídios e massacres, como vimos na semana passada com a difusão da fotografia do menino sírio Omran Dagneesh, de cinco anos, dentro de uma ambulância após ser ferido no bombardeio de Alepo, Síria, ou de Aylan Kurdi, o menino de três anos cujo corpo foi jogado pelo mar na praia em 2015. Segundo a Unicef, a guerra na Síria afeta profundamente a vida de 8,6 milhões de crianças sírias.

Na visita à Casa de Anne Frank, os recortes de jornal no quarto de Anne, uma das poucas características originais preservadas, comovem. Anne sonhava com Hollywood, gostava de histórias de reis e rainhas. Esta banal normalidade da vida de uma jovem contrasta dolorosamente com o seu destino: o assassinato em uma câmara de gás e depois a incineração em um crematório.

A Casa de Anne Frank é um dos lugares turísticos centrais em uma cidade cheia de atrações imperdíveis, como o museu Van Gogh e o Rijkssmusem. Além do Museu Judaico e diversos outros edifícios, como a Sinagoga Portuguesa do século 17, e a ativa Ets Haim Bibliotheek, fundada em 1639 (vale a pena conhecer o site de manuscritos digitalizados, há um roteiro de museus e monumentos relacionado à Segunda Guerra Mundial: o Hollandsche Schouwburg (o teatro judaico que se tornou o trágico ponto de partida da deportação), um novo museu do Holocausto (em uma antiga escola cujo diretor salvou dezenas de crianças da deportação) e o Museu da Resistência.

A memória da guerra em Amsterdam não deixa de ter suas tensões. Entre os países da Europa Ocidental, a comunidade judaica da Holanda foi a que, proporcionalmente, teve o maior número de mortos: 110 mil de cerca de 140 mil pessoas. Muitas causas poderiam explicar isso, entre elas a força do governo colaboracionista local e a ação de sua polícia em apoio aos nazistas.

Estes números e fatos contrastam com a imagem de um país inteiro solidário (embora a resistência tenha sido vigorosa), imagem que é muito reforçada pela história da pequena e corajosa rede de solidariedade em torno dos habitantes do anexo da família Frank. Como conta Miep Gies em seu livro (Anne Frank: o outro lado do diário, Best Seller), ajudar os Frank era apenas o certo a fazer.

O Museu da Resistência (imperdível e com uma seção para crianças; o site tem versão em português) integra também um circuito de memória local, entre eles o museu de história da cidade, que celebra e exalta a memória de uma Holanda livre, altiva, independente, empreendedora, lembrando que o país foi a principal potência colonial no século 17, quando ocupou Pernambuco para romper o bloqueio que a união entre Portugal e Espanha impôs à circulação do açúcar produzindo no Nordeste brasileiro.

Quando se pensa na história do livro no século 20, suas diferentes edições, tiragens, circulação, leituras e, principalmente, possibilidades de releituras e reinterpretações, o Diário de Anne Frank é certamente uma das histórias mais interessantes e complexas em seu impacto e sua repercussão, traduzido em pelo menos 72 línguas.

O livro tem já uma expressiva bibliografia em torno da história de suas edições, entre eles Anne Frank: A história do diário que comoveu o mundo, da ensaísta e escritora norte-americana Francine Prose (Zahar, 2010), já resenhado nesta coluna. Prose mostra a força literária das duas camadas de texto que Anne escreveu: o diário e, depois, o romance em forma de diário – e a consciência literária que ela foi adquirindo como escritora. O extraordinário é uma menina de sua idade, naquelas circunstâncias, produzir um texto com tal potência literária e de testemunho.

O Diário, editado pela primeira vez em 1947, tem figurado seguidamente na lista dos livros mais vendidos no Brasil. O número de leitores é crescente e o livro passa de geração em geração, novos leitores descobrem renovados sentidos e mensagens, entre inspirações e esperanças sobre a própria vida e o mundo. É intrigante a contínua apropriação do diário por tantas leituras e metáforas adolescentes e adultas, subjetivas e pessoais.

Abordando por um prisma diferente do de Primo Levi, o psicanalista Bruno Bettelheim sugeriu que uma chave para entender o fascínio pelo livro de Anne Frank é que, embora seja uma história relacionada a Auschwitz, o diário em si não conta o destino final de Anne, de sua família e dos moradores do anexo. O diário termina antes, como se pudéssemos esconder de nós mesmos o que aconteceu depois.

Um texto da psicológica Roseli Sayão sobre adolescência sugere que uma das diferenças da adolescência de hoje para a de anos atrás é que enquanto na de anos atrás jovens escondiam seus segredos dos pais e adultos, hoje eles os escancaram nas redes sociais, sem qualquer constrangimento. Questões da mais profunda intimidade são expostos em público.

Talvez aqui se encontre outra dimensão para entender o sucesso do Diário de Anne Frank: o acesso ao mundo íntimo, aos sentimentos, conflitos, angústias, desejos, sonhos de uma jovem, em uma situação histórica absolutamente limite. Mas o diário não apenas guardava seus segredos dos adultos do próprio anexo. É como se o diário guardasse sua vida do perigo máximo, a ocupação nazista a poucos metros, em uma corrida contra o tempo, da própria morte certa, a morte por gás. E Auschwitz é parte do mundo que os adultos (fora da casa) criaram.

No recém-publicado em português A assimetria e a vida. Artigos e ensaios 1955-1987 (Editora da Unesp, uma edição muito bem cuidada), Primo Levi, no artigo (1980) Com Anne Frank falou à história, conta em uma frase singela o encontro com Otto Frank, pai de Anne: “cruzei em Auschwitz durante uns poucos minutos logo depois da libertação: estava procurando as duas filhas desaparecidas”.

Otto sobreviveu, voltou para casa e encontrou o diário / romance, guardado por Miep Gies. O Diário de Anne Frank e É Isto um Homem?, de Primo Levi, foram publicados pela primeira vez no mesmo ano, em 1947.

A amiga de Anne Frank que mora no Brasil

0
Nanette Blitz Konig no jardim de sua casa em São Paulo. Foto: Luiza Sigulem

Nanette Blitz Konig no jardim de sua casa em São Paulo. Foto: Luiza Sigulem

Setenta anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a holandesa Nanette Blitz Konig, que vive em São Paulo, conta em livro o reencontro em um campo de concentração da Alemanha com a colega de classe que escreveu em um esconderijo de Amsterdã o mais famoso diário da época

Luiza Villamea, no Brasileiros

‘‘Ainda é um mistério para mim como pudemos nos reconhecer”. É assim que Nanette Blitz Konig descreve o reencontro com a amiga Anne Frank, no campo nazista de concentração de Bergen-Belsen, no norte da Alemanha, em janeiro de 1945. Esquelética, Anne caminhava enrolada apenas em um cobertor, pois dispensara as roupas, infestadas por piolhos. No braço, trazia um número tatuado no campo de Auschwitz, na Polônia, onde estivera presa antes de ser despachada para Bergen-Belsen. Nanette se encontrava em melhores condições, mas também esquálida. Perto delas, pilhas de cadáveres. Nada lembrava reuniões anteriores das duas adolescentes, que frequentaram a mesma classe de um liceu judaico em Amsterdã, na Holanda. Em junho de 1942, Nanette tinha festejado o aniversário de 13 anos de Anne na casa da família Frank, com direito a exibição de um filme de Rin-Tin-Tin. Levou um broche para a amiga, que ganhou do pai um caderno de capa xadrez. Nele, Anne escreveu o diário que se tornou um dos maiores fenômenos editoriais do mundo. Setenta anos depois, Nanette acaba de lançar o livro Eu Sobrevivi ao Holocausto – O Comovente Relato de Uma das Últimas Amigas Vivas de Anne Frank.

Na casa em que mora em São Paulo desde os anos 1950, cercada por um amplo jardim, Nanette repete várias vezes que não há nenhum “mérito” em poder relatar sua convivência com Anne, dona de fama internacional: “Foi um acaso”. As duas se conheceram no liceu em Amsterdã. Como outros estudantes de origem judia, elas tinham sido proibidas de frequentar escolas convencionais. Na Holanda invadida por tropas de Adolf Hitler, as adolescentes tiveram experiências similares, mas não chegaram a ser íntimas. Em seu diário, Anne, que vivia sendo repreendida por ser tagarela, até reclama de Nanette, porque “ela falava demais”. As duas, no entanto, eram próximas o suficiente para Nanette ser convidada para a festa de aniversário de Anne, que já sonhava em ser escritora. “Mas, naquele dia, na sala da família Frank, ninguém imaginava que o diário dela seria lido por milhões de pessoas de todo o mundo”, lembra Nanette.

Em julho de 1942, um mês depois de comemorar o aniversário de 13 anos, Anne sumiu da escola. Nanette não estranhou. Afinal, no primeiro ano havia 30 alunos em sua classe. “No segundo, éramos apenas 16”, conta. “As pessoas simplesmente desapareciam.” Parte delas era “deportada” para campos nazistas de concentração. Outra parte conseguia fugir ou se esconder. Nanette acreditou nos boatos de que a família Frank tinha escapado para a Suíça até o dia em que encontrou Anne no campo de concentração de Bergen-Belsen. Com a cabeça raspada, tremendo de frio, Anne contou que a fuga para a Suíça fora uma história inventada por sua própria família para despistar a polícia nazista. Na verdade, por mais de dois anos, ela e outras sete pessoas tinham ficado escondidas em um anexo secreto da empresa do pai, Otto Frank. Para sobreviver, contavam com a cumplicidade de antigos empregados, mas o esquema acabou delatado aos nazistas e todos foram presos e “deportados”.

“Eu Sobrevivi ao Holocausto – Um Comovente Relato de Uma das Últimas Amigas de Anne Frank” – Anette Blitz Konig – 192 páginas – Universo dos Livros. Foto: Divulgação

“Eu Sobrevivi ao Holocausto – Um Comovente Relato
de Uma das Últimas Amigas de Anne Frank” – Anette Blitz Konig – 192 páginas – Universo dos Livros. Foto: Divulgação

Anne também contou que tinha deixado no esconderijo um diário com trechos reescritos, preparados para uma futura publicação. “Ela decidiu fazer isso porque um ministro do governo holandês no exílio pediu que as pessoas guardassem registros pessoais do perío­do da ocupação”, diz Nanette, referindo-se a iniciativa do ministro Gerrit Bolkestein. “No esconderijo tinha um rádio e Anne ouviu o apelo do ministro na BBC de Londres”. Dois meses mais velha que Anne, Nanette jamais planejou registrar seu cotidiano na guerra: “Nunca pensei em ser escritora, mas, como sobrevivente, me preparei para contar sobre o Holocausto”. Hoje com 86 anos, ela tinha 70 quando começou a falar em público sobre a própria saga na Holanda ocupada. “As novas gerações precisam saber”, diz Nanette, que estudou Economia na PUC de São Paulo quando já era avó.

Nascida e criada em Amsterdã, ela tinha acabado de completar 11 anos quando a Deutsche Luftwaffe, a Força Aérea alemã, invadiu a Holanda, em maio de 1940. “A partir desse dia (mais…)

Go to Top