Ansiedade 3 - Ciúme

Posts tagged Anne Frank

Exemplares do ‘Diário de Anne Frank’ são destruídos em bibliotecas de Tóquio

0

Diretor de livraria de Shinjuku mostra cópia rasgada de A ripped copy of Anne Frank’s ‘Diário de Anne Frank’ Koji Ueda / AP

A polícia da capital japonesa abriu uma investigação depois de receber várias denúncias. Vice-diretor da biblioteca central de Suginami disse que nunca viu algo parecido

Publicado em O Globo

TÓQUIO – Vários exemplares do “Diário de Anne Frank” foram destruídos em bibliotecas públicas de Tóquio. A polícia da capital japonesa abriu uma investigação depois de receber várias denúncias.

De acordo com o conselho de bibliotecas públicas de Tóquio, páginas foram arrancadas de pelo menos 250 exemplares do diário ou de publicações que continham a biografia de Anne Frank ou informações sobre as perseguições aos judeus. Em outras regiões próximas, informa a imprensa, foram atacados mais de dez livros sobre a mesma questão.

“Temos queixas de cinco (dos 23) distritos de Tóquio, mas ainda não sei exatamente quantas bibliotecas foram afetadas”, disse à AFP Satomi Murata, chefe do conselho de bibliotecas públicas da capital. “Não sabemos o motivo, nem quem fez isto”, completou.

“Cada exemplar danificado tem entre dez e 20 páginas arrancadas. Estão inutilizáveis”, afirmou Kaori Shiba, diretor de arquivos da biblioteca municipal central do distrito de Shinjuku.

Toshihiro Obayashi, vice-diretor da biblioteca central de Suginami, relatou que 119 exemplares foram danificados em 11 das 13 livrarias da região. Ele disse que nunca havia acontecido algo parecido. Na internet, o Centro Simon Wiesenthal manifestou surpresa e inquietação.

“Pedimos às autoridades japonesas que identifiquem os autores desta campanha de ódio e que resolvam a questão”, declarou Abraham Cooper, diretor do Centro, que tem sede nos Estados Unidos.

A partir de 1942, a família de Anne Frank viveu escondida por dois anos em Amsterdã, ocupada pelos nazistas, até que foi encontrada. Anne, de 13 anos, foi deportada para o campo de Bergen Belsen, onde morreu.

‘O Diário de Anne Frank’, que relata horrores da guerra, vai virar filme de animação

0

Publicado na Folha de S.Paulo

O cineasta Ari Folman, do documentário animado “Valsa com Bashir”, vai escrever e dirigir uma nova animação –dessa vez, baseada no livro “O Diário de Anne Frank”. A obra conta história de vida de uma garota judia que, com sua família, tenta fugir dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Folman e seus produtores receberam acesso completo aos arquivos do Anne Frank Fonds, instituição criada pelo pai da menina, Otto.

Associated Press
Fotografia da menina judia Anne Frank (1929-1945), cujo diário se transformou num fenômeno literário
Fotografia da menina judia Anne Frank (1929-1945), cujo diário se transformou num fenômeno literário

“Levar ‘O Diário de Anne Frank’ às telas é uma oportunidade fantástica e desafiadora”, disse Folman em nota à imprensa. “Há uma verdadeira necessidade de novo material artístico para manter a memória dela viva para as gerações mais novas.”

A exploração de traumas do passado associados à história não é novidade para Ari Folman.

Em “Valsa com Bashir” (2008), ele escavou suas lembranças como soldado de Israel para realizar um documentário animado sobre a invasão de seu país no Líbano, em 1982. O filme lhe rendeu uma indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Folman também é o criador da série “En Terapia”, que ganhou versões em diversos países, entre eles Estados Unidos (“In Treatment”) e Brasil (“Sessão de Terapia”).

Padres querem banir “O Diário de Anne Frank” de escolas de Michigan por ter trechos “pornográficos”

0

1

Gustavo Magnani, no Literatortura

Depois de Justin Bieber ter dito acreditar que Anne Frank seria sua fã se fosse adolescente nos dias de hoje, agora é a vez do livro de estampar os noticiários. Isso porque padres de Michigan querem banir a obra das escolas do respectivo estado, isso porque, supostamente, ela contém trechos inadequados para as crianças de 13 anos. Pior: eles alegam que o conteúdo é pornográfico.

No livro, Anne conta sobre a descoberta de sua própria sexualidade e esses trechos, segundo os padres, são ruins para as crianças. Afinal, com 13 anos ninguém sabe nada sobre sexo. Ainda acreditam que os filhos são entregues por cegonhas e mamãe e papai vivem brincando de apertar um ao outro. Aliás, outro ponto curioso é aquela velha máxima das “tisoradas” escolares: os padres poderiam ter dormido sem essa. A Igreja Católica questionar algo tão pequeno acerca da sexualidade, dá margem para seus críticos relembrarem os casos de pedofilia e até fazer uma comparação: quem será que foi mais prejudicial para a formação sexual das crianças?

Veja bem, eu detesto jogar com essas cartas, mas é um paralelo impossível de não vir à mente.

1

Outro lamento é o fato da obra ser icônica e representar um momento histórico e trágico da humanidade. Anne Frank tornou-se um dos principais rosto do holocausto, que assassinou cerca de 6 milhões de judeus. Ou seja, não é uma questão apenas sexual ou de “gostar da obra”, mas também um marco histórico.

O pai de Anne, Otto Frank, que reuniu as memórias da filha, havia deixado as partes sexuais de fora do lançamento original em 1947. Os trechos foram adicionados ao livro há mais ou menos 10 anos e reacenderam a leitura da obra. Além do que já escrevi, fica a eterna decepção por ver pessoas que geralmente não entendem nada – ou muito pouco – sobre educação escolar, querendo meter o bedelho onde não deveriam.

dica do Sidnei Carvalho de Souza

Go to Top