Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged autor

Projeto de escritor piauiense transforma histórias de pessoas comuns em poesia

0

Ithalo Furtado idealizou o projeto em Poço de Caldas, Minas Gerais. — Foto: Isabela Quebradas

Ithalo Furtado é de Parnaíba e lançou o projeto ‘Escuto histórias, escrevo poemas’. Autor pretende viajar por capitais para levar o projeto para todas as regiões do Brasil.

José Marcelo e Andrê Nascimento, no G1

Sentado em uma praça, diante de uma cadeira vazia, o escritor piauiense Ithalo Furtado faz um convite inusitado às pessoas que caminham pelas cidades: que sentem com ele e contem sua história, para que o autor as transforme em poemas. Natural de Parnaíba, no litoral do Piauí, Ithalo planeja viajar pelo Brasil levando seu projeto de transcrever vidas em versos.

Neste 7 de janeiro, em que se comemora o Dia do Leitor, o G1 conversou com o autor, que contou que se inspirou na artista paulistana Ana Teixeira, que ficou famosa ao tricotar em praças enquanto convidava as pessoas a lhe contarem suas histórias de amor. “Esse projeto dela me inspirou a ouvir pessoas e fazer poemas sobre o que me contam, até porque todo mundo tem uma história pra contar”, disse o poeta.

“Elas vêm como uma oportunidade de desabafar, de serem ouvidas”, disse o autor — Foto: Isabela Quebradas

Ithalo já transformou histórias em poemas nas cidades de Manaus, no Amazonas, Poços de Caldas, em Minas Gerais. No Piauí, o poeta passou por Parnaíba e Teresina. Nestas experiências, ele conta que ouviu histórias familiares, aventuras amorosas, segredos guardados há anos por pessoas que decidem expor ali mesmo, diante dele.

“É algo muito forte, ouvir as pessoas contando seus segredos para você, em praça pública. Elas vêm como uma oportunidade de desabafar, de serem ouvidas. Algumas pessoas só pedem para me dar um abraço. É uma intervenção que mexe com o ambiente todo, por que as pessoas ficam imaginando o que vai acontecer ali”, disse.

Ithalo Furtado escutando histórias no Parque da Cidadania, em Teresina — Foto: Ícaro Uther

Ithalo conta que há quem chegue com histórias de luta, como a da mulher que procurou pela mãe durante anos nas ruas de São Luís mas acabou encontrando um grande amor, até contos divertidos como o do casal que se encontrou em três forrós diferentes em Teresina. “No terceiro encontro, começaram a namorar”, relembra o escritor. Depois de contar sua história, cada participante recebe seu poema e leva para casa. “Alguns falam que vão emoldurar”.

Agora, o projeto do autor é viajar por treze estados brasileiros visitando praças e registrando as histórias que escutar em poemas. Os melhores textos desenvolvidos durante serão reunidos em um livro. Para isso ele lançou uma campanha de financiamento coletivo e pretende pegar a estrada em abril de 2019.

Ao final das histórias, cada participante levou seu poema para casa. “Alguns falam que vão emoldurar”, disse o escritor piauiense. — Foto: Isabela Quebradas

Além dos textos, a publicação contará ainda com o trabalho de fotógrafos de cada local visitado. “Contratarei um fotógrafo da cidade para fotografar a intervenção. É uma maneira de valorizar também a arte nativa de outras pessoas”, disse.

Autor de três livros, Ithalo tem experiência em misturar a literatura com outras artes. “Eu acredito na literatura que transcende o livro enquanto objeto artístico e cria um ambiente transmídia, sugerindo novas possibilidades para as histórias em música, audiovisual e fotografia”, disse.

Flip 2019: Euclides da Cunha será o autor homenageado na próxima edição do evento

0

Retrato de Euclides da Cunha feita em 1906 Foto: Reprodução

 

Para a curadora Fernanda Diamant, escritor de ‘Os sertões’ tem muito a dizer sobre Brasil atual

Emiliano Urbim, em O Globo

RIO — Euclides da Cunha (1866-1909) será o autor homenageado da próxima Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). A nova curadora, Fernanda Diamant , já havia indicado que em 2019 o evento teria foco maior na literatura de não ficção, o que se confirma agora com o anúncio do engenheiro, jornalista, imortal da ABL e autor de “Os sertões” (1902).

Considerado o primeiro livro-reportagem brasileiro, ele trata da Guerra de Canudos (1896-1897), conflito entre os seguidores de Antônio Conselheiro e o Exército Brasileiro que o escritor presenciou como correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo”. Para Fernanda, a obra-prima de Euclides tem muito a dizer sobre o momento atual do país:

Euclides discute uma série de assuntos muito pertinentes para este momento do Brasil, como o papel do Exército, a questão dos migrantes da seca, a identidade nacional. É um ponto de vista que reverbera hoje no que somos como país hoje.
Fernanda Diamant
Curadora da Flip

— Ele faz grande literatura de não ficção, unindo jornalismo, filosofia e história na narrativa de um conflito. Mas também discute uma série de assuntos muito pertinentes para este momento do Brasil, como o papel do Exército, a questão dos migrantes da seca, a identidade nacional. — diz Fernanda. — É um ponto de vista distanciado, mas que reverbera ainda hoje no que somos como país.

A nove meses do evento, marcado para 10 a 14 de julho na cidade histórica, ainda é cedo para falar em programação, mas Fernanda sinaliza que, assim como foi feito neste ano com Hilda Hilst , devem ser exploradas várias facetas da obra do homenageado.

A série de textos de Euclides sobre a Amazônia, cadernos de desenhos e outras reportagens devem influenciar na formação das mesas de discussão. Obras que tiveram influência do autor carioca, como a prosa de Guimarães Rosa e o filme “Deus e o Diabo na terra do sol” (1964), de Glauber Rocha, também devem ser usadas para aproximar o escritor do século XIX com o público do século XXI.

— É preciso contextualizar algumas passagens, como as teorias deterministas que Euclides apresenta, hoje totalmente ultrapassadas. Mas também destacar a transformação por que Euclides passa e aparece no livro. Ele foi lá cobrir a guerra achando que a República estava fazendo o bem, aos poucos entende como é difícil a vida dos sertanejos e ao final se dá conta que é testemunha de um massacre.

Fernanda, uma das editoras da revista de resenhas “Quatro cinco um”, trabalhava na produção do Teatro Oficina Uzyna Uzona no início da década passada, quando a companhia de São Paulo encenou uma série de espetáculos baseados em “Os sertões”.

— Já tinha essa relação com o autor, que considero um nome fundamental das nossas letras, e fico muito satisfeita que ele seja o homenageado.

A história real de ostentação do autor de ‘Asiáticos Podres de Ricos’

0

Rachel (Constance Wu) em ‘Podres de Ricos’ (//Divulgação)

Livro que deu origem ao filme em cartaz nos cinemas foi inspirado na idílica realidade das famílias milionárias de Singapura

Mabi Barros, na Veja

Mansões de cair o queixo, jatinhos particulares e festas de casamentos orçadas em dezenas de milhões de dólares. É assim, banhada no luxo, que a trama de Asiáticos Podres de Ricos (Editora Record) envolve o leitor no universo daquele 1% da população que detém boa parte das riquezas do mundo, com a ajuda de um apurado humor e um quê de contos de fadas. O livro, primeiro de uma trilogia, inspirou a comédia romântica Podres de Ricos, em cartaz no Brasil, se passa em Singapura e acompanha o deslumbre de uma jovem americana de origem chinesa ao descobrir que seu namorado é, como diz o título, podre de rico. Por trás da ostentação da história fictícia está a história real da família do autor, Kevin Kwan.

O escritor singapurano Kevin Kwan (Vincent Yu/AP)

“Eu venho de uma família singapurana bastante tradicional”, escreveu ele em ensaio para a revista Town and Country. “Nossa árvore genealógica remonta ao ano 946, com a união de três famílias, criando o extenso clã que inspirou meus romances e o filme derivado.”

(Tradução: Ana Carolina Mesquita; editora Record; 490 páginas) (//Divulgação)

Segundo o escritor de 45 anos, a avó Egan Oh era uma mulher independente, que não tinha planos de se casar. Até que sua vizinha a fez mudar de ideia ao lhe apresentar o irmão mais novo Arthur P.C. Kwan. Egan vinha de uma família de classe alta. Seu pai foi um dos fundadores o OCBC Bank, um dos bancos mais antigos de Singapura. Enquanto Arthur era um famoso oftalmologista que, por seus trabalhos filantrópicos, chegou a ganhar o título de cavaleiro pela rainha Elizabeth II.

A vizinha e irmã de Arthur que uniu o casal era Margaret Kwan Fu Shing, que, ao lado do marido, criou um império na indústria de cosméticos iniciada com a Tiger Balm — pomada multiuso chinesa, que continua no mercado até hoje. “Eles viviam em uma propriedade que pertenceu ao sultão Johor e era uma das maiores casas de Singapura”, conta o autor sobre a residência de sua tia-avó.

Beren e Lúthien chega ao país e livros de Tolkien serão relançados em 2019

0

Publicação faz parte do Projeto Tolkien da HarperCollins

Fábio de SouzaGomes, no Omelete

A HarperCollins vai lançar em novembro no Brasil Beren e Lúthien, livro ainda inédito em português. Além disso, a editora confirmou que em 2019 chegam às livrarias novas versões de clássicos de J.R.R. Tolkien como O Hobbit e O Senhor dos Anéis.

Além das obras máximas do autor, a editora também publicará O Silmarillion, Contos Inacabados e As Cartas de J.R.R. Tolkien. O projeto tem um conselho de tradutores semelhantes ao que é feito na tradução da Bíblia, já que as obras de Tolkien possuem um vocabulário próprio. O conselho é formado por Ronald Kyrmse, Reinaldo José Lopes, Gabriel Brum e Samuel Coto.

As publicações fazem parte do “Projeto Tolkien”, idealizado pela HarperCollins Brasil, que adquiriu os direitos de toda a obra do autor. Todos os títulos serão relançados pela editora com nova tradução

Livros inéditos de C. S. Lewis, autor de ‘As crônicas de Nárnia’, serão lançados no Brasil

0

Anselmo Goes em O Globo

Três livros inéditos por aqui do britânico C. S. Lewis (1898-1963), o autor do best-seller “As crônicas de Nárnia”, serão lançados pela Thomas Nelson Brasil até outubro.

‘Sobe histórias’, de C. S. Lewis | Reprodução

Em “Sobre histórias”, ele faz uma análise das duas principais obras de J. R. R. Tolkien (1892-1973), “O Hobbit” e “O senhor dos anéis”. Já em “A última noite do mundo”, o autor lida com a questão da volta de Cristo e propõe uma nova perspectiva para elucidar o debate.

Em “Deus no banco dos réus”, Lewis se volta tanto para questões teológicas quanto para questões éticas.

Go to Top