Vitrali Moema

Posts tagged Bergamo

‘A menina que roubava livros’ é obra mais lida nas penitenciárias do Brasil

0

1

Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo

O livro “A Menina que Roubava Livros”, de Markus Zusak, é o mais lido nas penitenciárias federais do Brasil. Segundo levantamento do Ministério da Justiça, “O Menino do Pijama Listrado”, de John Boyne, e “O Caçador de Pipas”, de Khaled Hosseini, ficaram em segundo e terceiro lugares, respectivamente, na preferência dos presos. A cada resenha de uma obra lida que entrega, o detento tem a pena diminuída em quatro dias.

LEITURA QUE LIBERTA

O primeiro título brasileiro a figurar na lista é “Nunca Desista dos Seus Sonhos”, de Augusto Cury. O livro de autoajuda está em quarto lugar entre os presidiários. No catálogo do projeto Remição pela Leitura estão 124 obras.

Fonte: Imagem

Lei contra biografias não autorizadas faz editora LeYa engavetar livro sobre José Dirceu

0

Mônica Bergamo, na Folha de S.PauloLogo-Leya-1

A editora LeYa decidiu engavetar livro sobre a vida de José Dirceu que publicaria ainda neste ano. Motivo: a lei brasileira que proíbe o lançamento de biografias sem a autorização do biografado seria tão drástica que poderia gerar multas e punições que colocariam em risco a própria existência da empresa no país. O parecer foi dado pelo departamento jurídico da editora portuguesa.

FORO ÍNTIMO
“Não houve ameaça do José Dirceu. Nós é que tivemos dúvidas e decidimos consultar advogados. Mas o direito à reserva da vida privada é considerado absoluto no Brasil, o que faz com que seja impossível publicar livro sobre qualquer personagem histórico do país”, diz Maria João Costa, editora-executiva da LeYa. “Até personagens secundários citados em fatos irrelevantes poderiam processar a editora.”

DÁ UM FILME
A obra é assinada por Otávio Cabral, jornalista da revista “Veja”. “Cada linha do livro poderia ser provada. Já tínhamos comprado os direitos”, diz a executiva. “É absolutamente frustrante e algo que não ocorre em outros países democráticos. Aqui tudo é proibido. Histórias fantásticas não poderão ser contadas no Brasil.” Como a vida de Dirceu, que, segundo Maria João Costa, “é digna de cinema”.

NA GAVETA
Entre os precedentes que assustam a LeYa estão a vitória do cantor Roberto Carlos, que já conseguiu recolher e incinerar a edição de um livro sobre sua vida, e o processo que o dono de uma academia de boxe moveu contra editora que lançou a biografia de Anderson Silva.

‘Responsabilidade é maior do que a honra’, diz indicado à presidência da Biblioteca Nacional

0

Lucas Nobile, Silas Martí e Juliana Gragnani, na Folha de S.Paulo

O cientista político e professor da Universidade Federal Fluminense Renato Lessa foi indicado pela ministra da Cultura, Marta Suplicy, à presidência da Fundação Biblioteca Nacional. Ele substitui Galeno Amorim, cuja saída foi anunciada também nesta quarta-feira (27).

Lessa, que também é presidente do Instituto Ciência Hoje, aceitou o convite feito pela ministra e, agora, depende apenas de “tramitação burocrática”.

“Aceitei o convite e fico muito honrado. A responsabilidade já é maior do que a honra com este convite”, disse Lessa à Folha. Ainda não há data para a nomeação dele.

O cientista político Renato Lessa (Zhekha Amorim/Anpocs)

O cientista político Renato Lessa (Zhekha Amorim/Anpocs)

No último sábado (23), Marta esteve presente na nauguração da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin e fez uma promessa. “Queria assumir um compromisso público: vou recuperar a Biblioteca Nacional e torná-la à altura do acervo que ela tem”, disse, afirmando também que a Brasiliana seria referência para a recuperação da Biblioteca Nacional.

SAÍDA

Nesta quarta, a coluna da jornalista Mônica Bergamo na Folha antecipou a saída de Galeno Amorim da presidência da Fundação Biblioteca Nacional. Ele havia se reunido com a ministra na terça.

No encontro, Amorim apresentou balanço dos dois anos de sua gestão, em que citou, por exemplo, o aumento no número de feiras e eventos literários apoiados pela instituição em todo o país –de 75 para 250.

A saída de Galeno Amorim ocorreu após uma série de críticas à sua gestão, durante a qual houve a transferência das políticas públicas de livro, leitura e literatura do país para a Fundação Biblioteca Nacional.

Com isso, a gestão de Galeno passou a ser criticada por descuidar do básico: a biblioteca e seu acervo. Ocorreu, no ano passado, uma série de vazamentos no prédio da biblioteca por causa de problemas com o sistema de ar-condicionado.

Na semana passada, duas coordenadoras de área da Fundação Biblioteca Nacional (FBN) deixaram a instituição com fortes críticas à gestão de Galeno.

São elas: Elisa Machado, coordenadora geral do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP), e Cleide Soares, coordenadora geral de Leitura –uma unidade da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB).

COMENTÁRIOS

A entrada de Renato Lessa no lugar de Galeno Amorim como presidente da Fundação Biblioteca Nacional causou repercussão no meio literário brasileiro.

*
Leia alguns comentários ouvidos pela Folha abaixo:

“Eu lamento porque o Galeno é um homem do livro. Ele enfrentou uma máquina burocrática complexa, muito difícil e muito pesada. Ele certamente teve dificuldades. Mas acho o Renato Lessa uma ótima indicação. A saída do Galeno é uma pena, ele é um homem dedicado à democratização da leitura. O que eu acho é que é preciso uma reformulação nas rotinas burocráticas, além de um apoio significativo do Ministério da Cultura. Vamos ver se esse Renato vai conseguir.”
LUCILIA GARCEZ, que atuava como secretária-executiva do Plano Nacional do Livro e da Leitura

“Ele [Renato Lessa] não está entrando para tapar buraco, já tem um projeto. Ele não é homem de ocupar cargos sem ter um projeto em mente. Além do prestígio intelectual, ele tem uma experiência muito boa de gestão na Faperj (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro), onde soube identificar os problemas de natureza estratégica. Além de sorte, ele tem muita competência.”
MANOLO FLORENTINO, presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa

“Ele [Renato Lessa] é um analista da cena política brasileira, da história brasileira, é um intelectual de renome, tem respaldo na comunidade acadêmica e acredito que ele possa sim fazer as mudanças que são necessárias.”
“A presidência da Biblioteca Nacional trabalhou até agora na contramão das políticas públicas para o livro e a leitura no Brasil. A Biblioteca Nacional tem problemas urgentes que precisam ser sanados.”
JOSÉ CASTILHO, ex-secretário do Plano Nacional do Livro e Leitura no Ministério da Cultura

“Fomos pegos de surpresa por essa escolha. Ainda não temos como avaliar a mudança.”
MANSUR BASSIT, diretor-executivo da Câmara Brasileira do Livro

“Não quero discutir os nomes. Substituir um nome por outro não interessa. O que interessa é que o Ministério da Cultura defina o papel da Fundação Biblioteca Nacional. O problema da participação do Galeno Amorim na gestão é que a Fundação Biblioteca Nacional passou a conduzir todos os passos da política de livro, leitura e literatura no país. Quando se sabe que a Fundação sempre teve um papel importante na preservação da memória brasileira.”
NILTON BOBATO, escritor, vereador do PCdoB e representante da Região Sul do Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura

Vale um livro

0

LUTA1 BRASILIA 27 01 2001 ESPORTES O PUGILISTA BAIANO ACELINO "POPO" DE FREITAS E CARREGADO NOS BRACOS APOS DERROTAR  POR NOCAUTE O PANAMENHO ORLANDO SOTO NA NOITE DE SABADO EM BRASILIA NO GINASIO NILSON NELSON FOTO DIGITAL DIDA SAMPAIO/AE

Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo

O lutador Popó fechou ontem contrato com a editora Panda para o lançamento de sua biografia. “Com as Próprias Mãos” será escrita pelo jornalista Wagner Sarmento. E servirá de base ao filme que o cineasta Walter Salles pretende fazer sobre o esportista. A interlocutores, Popó disse que já deu “muita porrada” na vida. E agora quer uma coisa mais delicada.

Imagem: Google

Sem nunca ter lido um livro ‘grande’, Leandro, do KLB, estreia na Assembleia

0

Laura Mattos, na Folha de S.Paulo

Ele nunca leu um “livro grande” e não entende de política. É do PSD, o partido de Kassab, mas o que importa mesmo são outras três letras. “Sigla para mim é só KLB.”

Em 1º de fevereiro assume, ou melhor, estreia na Assembleia Legislativa de São Paulo o deputado estadual Leandro do KLB, 30 anos.

Na eleição de 2010, Leandro Finato Scornavacca recebeu pouco mais de 62 mil votos. Ele chega ao cargo depois que o titular, Ary Fossen (PSDB), morreu e outros três suplentes renunciaram para assumir prefeituras do Estado.

Tomou posse no último dia 3 e foi clicado pela imprensa com um estranho visual: terno e gravata. “Vou ter que usar só no plenário. Fora, pode roupa normal”, conta.

Marlene Bergamo/Folhapress
O cantor e agora deputado Leandro, do KLB, durante entrevista à *Folha* na Assembleia paulista
O cantor e agora deputado Leandro, do KLB, durante entrevista à Folha na Assembleia paulista

Com 12 anos de carreira artística e cerca de 5 milhões de CDs vendidos, Leandro está aprendendo a circular pelos corredores da Assembleia. Não se perde mais no caminho do seu novo gabinete, o 1.020, que está sendo decorado pela mãe.

Ele não conhece os detalhes da decoração, mas sabe que terá uma imagem de São Miguel Arcanjo, de quem é devoto. O santo, aliás, será tatuado no bíceps direito do deputado. No tríceps está o logotipo do KLB. Já no braço esquerdo, tem Jesus no tríceps e “The Twilight Zone”, uma série de TV, no bíceps.

Leandro é boxeador profissional, treinado pelo conceituado Miguel de Oliveira, ex-Maguila. Apesar de não participar de campeonatos, faz sparring, ou seja, ajuda no treinamento de pugilistas famosos.

Seu nariz todo mole, com a cartilagem quebrada em diversos pedaços, já passou por Popó, Vitor Belfort e outros.

Desde criança, Leandro gosta de esportes. Já os estudos não são o seu forte. Repetiu as 2ª e 5ª séries (hoje 3º e 6º ano do fundamental) e foi expulso de escolas “várias vezes”. “Era bagunceiro, não estudava muito, explodi os banheiros da escola.”

Nesse tempo de colégio, leu os livros obrigatórios, “aqueles pequenininhos”. “Mas não considero como livros, eram finos, não se aprofundavam tanto no tema. Livro grande mesmo nunca li.”

Ele tem três na prateleira que já começou a folhear, mas não consegue terminar: o best-seller “A Cabana”, de William P. Young, “O Príncipe”, de Maquiavel, e um “de mistério, assassinatos”, de que não se lembra o nome.

Não acredita que o fato de não ler e de não ter feito faculdade atrapalhe o seu trabalho como deputado. “Não faz a menor diferença. Embora a leitura seja importante, a gente tem a oportunidade de viajar o Brasil inteiro, de conhecer as pessoas, os lugares e suas dificuldades.”

Ele e seu irmão Kiko (o K do KLB) entraram na política a convite de Kassab. Em 2011, para deixar o DEM e fundar o PSD, o ex-prefeito de São Paulo usou a estratégia de convidar famosos.

Após uma campanha contra a pedofilia, Leandro diz que irá “defender a família e as crianças”. Para isso, quer “chamar as pessoas certas e elaborar um projeto”.

E não se importa com a indefinição do partido, ora de braços dados com o PT, ora com o PSDB. “Nem sabia disso. Para mim, não muda muito o lado, não tenho esquerda ou direita. Sou como um cidadão qualquer aí fora e só quero dar o melhor de mim.”

Go to Top