Apaixonada por Histórias

Posts tagged biblioteca

Garota recebe doações de mil livros para sua biblioteca

0

mil
Raul Marques, no Diário Web

A pequena Kaciane Caroline Marques está provisoriamente sem o seu quarto, mas é por um motivo nobre. O cômodo está cheio de livros que ela ganhou na campanha que promove, por conta própria, para fomentar a leitura entre os moradores do Lealdade, bairro carente de Rio Preto. Em razão da iniciativa, a menina de 10 anos conquistou bolsa de estudos em uma escola particular. A história de Kaciane foi contada há uma semana em reportagem do Diário. Desde então, sua pacata vida teve uma revolução digna de roteiro de filme. Pelo menos 40 rio-pretenses se sensibilizaram e doaram juntos 1.000 livros, a maioria novo e em bom estado. Os títulos variam de literatura a Direito. Ao todo, 500 já estão com a garota. Falta buscar o restante.

Em razão do pouco espaço físico, os exemplares ocupam a cama, cômoda e corredores da casa. Com o quarto ‘interditado’, a jovem dormiu nos últimos dias na cama dos pais. Mas não reclama. Nem consegue esconder o sorriso. Recebeu ligações e mensagens do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Araraquara de interessados em colaborar. “Eu tinha esperança de que iria conseguir, mas não imaginava que seria tão rápido. Estou contente e ansiosa para começar.” Com a certeza de quem sabe o que quer, já definiu o nome: Biblioteca Formando Leitores. O nome sintetiza justamente o que busca com a louvável campanha.

A direção do London, um dos mais conceituados colégios de Rio Preto, ficou tocada com a história, entrou em contato com a família e resolveu fazer algo no campo educacional: ofereceu gratuitamente a ela uma bolsa de estudos em período integral, além do material didático, para estudar do sexto ano do fundamental até o terceiro do ensino médio. Como ainda vai cursar o quinto ano, Kaciane vai estudar a partir de 2016 no London – a instituição oferece do sexto ano para frente. A escola também se comprometeu a fornecer material de construção suficiente para erguer a sala de livros, com 16 metros quadrados, e doar prateleiras, livros e escrivaninha.

“Fiquei tocado com o exemplo. São pessoas assim que fazem a diferença no mundo, agora e no futuro. Ela tem forte dimensão humana. Não custa nada incentivar”, afirma Pedro Acquarone Neto, o Pedrinho, diretor do colégio London, escritor e professor. “Estou me sentindo muito feliz”, diz a menina. Para Pedrinho, quando se faz algo especial por alguém, a tendência é que ela repita o gesto, ou seja, é criado um círculo do bem, cujos resultados são em prol da sociedade. “Sempre que colaboro, peço para a pessoa que faça, no futuro, o mesmo por quem precisa. A família dela tem valores e uma forma digna de viver. Isso nos motivou bastante a ajudar.”

Ação que fará a diferença
Os pais de Kaciane pensam em que lugar vão erguer a biblioteca. Há um amplo espaço no fundo do quintal e um menor na parte da frente. Assim que a dúvida for resolvida com ajuda de uma profissional especialista, a intenção é começar a obra e realizar o desejo da filha. Se fossem depender dos próprios recursos financeiros, o projeto não sairia agora do papel. “Estou contente com tudo isso. Tem muita gente disposta a ajudá-la a realizar o sonho. Eu e minha esposa fazemos de tudo para ajudar nossos três filhos”, afirma o pai, Sílvio César Marques, 43 anos. Ele vende sacos de lixo nas ruas.

A doméstica Adriana Marques, 38 anos, enche os olhos de lágrimas ao falar das conquistas da filha Kaciane, que é apaixonada por leitura desde cedo, já leu 400 exemplares e quer ser escritora e jornalista quando crescer. O amor pelas letras começou quando pegou na biblioteca da escola ‘As Aventuras de Pedro, o Coelho’, de Beatrix Potter. Não parou mais de viajar com as histórias. A garota não quer criar uma biblioteca pensando somente em seu bem-estar, mas é movida por uma extraordinária vontade de proporcionar leitura e cultura para seus vizinhos.

menina

Livros são tratados com o maior zelo e carinho
Enquanto a construção da biblioteca não começa, Kaciane Caroline Marques cuida com todo zelo e carinho dos livros que já ganhou. A primeira iniciativa: pediu para a mãe limpar cuidadosamente cada exemplar que chegou. Depois, os títulos foram guardados na cama e cômoda e cobertos com um lençol.
“Para não sujar nenhum”, conta a garota. Também aproveita o tempo livre para fazer o que mais gosta: ler. É uma leitora compulsiva e, ao mesmo tempo, organizada. Mantém um diário para registrar tudo o que já ‘saboreou’.

No meio das doações, estava um exemplar de ‘Fazendo meu Filme’, de Paula Pimenta, que já ganhou sua atenção. Em termos matemáticos, está na leitura do livro de número 401. A menina começou a contar seu inovador projeto para as crianças da vizinhança – até para amealhar os primeiros seguidores. Os adultos aprovaram a iniciativa, que só vai contribuir para o crescimento dos moradores do Lealdade. Não pode ser diferente. O bairro, onde a família Marques mora há cinco meses, é carente de cultura. Um menino que mora na mesma rua que Kaciane disse que espera começar suas leituras em breve. Quem quiser falar com a família pode telefonar para o número 99155-3156 e combinar a doação de livros.

Comunidades indígenas da Bahia recebem bibliotecas rurais

0

O Programa Arca das Letras, do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), levará o acesso a livros didáticos e de literatura às comunidades indígenas da Bahia nesta sexta-feira (12). A Aldeia Pambu, no município de Abaré, e a aldeia Missão Velha, em Curaçá, receberão a biblioteca rural.

O programa conta com apoio de organizações de moradores rurais, de parceiros governamentais, organizações não governamentais e de doações de livros / Albino Oliveira/MDA

O programa conta com apoio de organizações de moradores rurais, de parceiros governamentais, organizações não governamentais e de doações de livros / Albino Oliveira/MDA

Publicado por Portal Vermelho

Cerca de 450 famílias serão atendidas com o acervo de 200 livros para leitura infantil e adulta. “Estamos difundindo a leitura em ambiente familiar. E dessa forma o nosso principal objetivo é alcançar o campo com livros e leitura”, afirma a coordenadora nacional do Programa Arca das Letras, Dione Ferreira.

Criado em 2003 pelo MDA, o Arca das Letras leva bibliotecas rurais ao interior do país. Dois voluntários de cada comunidade são capacitados como agentes de leitura, que cuidam das bibliotecas e do empréstimo dos livros. O programa conta com apoio de organizações de moradores rurais, de parceiros governamentais, organizações não governamentais e de doações de livros. As publicações ficam em móveis-estante, no formato de arca.

A menina que sonha criar uma biblioteca

0

Raul Marques, no Diário da Região

Kaciane Marques já conseguiu a doação de 40 livros, mas precisa outros exemplares para concretizar seu sonho - Hamilton Pavam

Kaciane Marques já conseguiu a doação de 40 livros, mas precisa outros exemplares para concretizar seu sonho – Hamilton Pavam

No alto de seus dez anos de vida, Kaciane Caroline Marques é movida por um grande sonho. Diferentemente de muitas meninas de sua idade, essa pequena rio-pretense não quer ganhar celular da moda, visitar a praia ou fazer compras no shopping. Sozinha, começou a desenvolver campanha para arrecadar livros usados, abandonados ou que estão esquecidos. Sua motivação é nobre: criar uma biblioteca no Lealdade, bairro de Rio Preto onde mora há cinco meses. Apaixonada por leitura desde que foi alfabetizada, Kaciane notou que a localidade tem essa lacuna na cultura, o que, em sua concepção, não pode acontecer. Assim, arrecada exemplares com amigos e nas redes sociais.

A pouca idade não impediu a menina de descobrir a transformação que a leitura é capaz de proporcionar. Por esse motivo, quer oferecer essa experiência revolucionária para o maior número possível de pessoas. “Quando você lê, aumenta a criatividade e melhora o vocabulário. A gente viaja sem sair do lugar”, diz a garotinha, toda orgulhosa. Mesmo sem divulgação, já arrecadou 40 unidades. Nem parou para pensar como vai guardar os livros. Nem como receberá os leitores. Mora em uma casa de 41 metros quadrados, com a família composta por cinco pessoas. Os parcos espaços vazios serão preenchidos com as obras literárias. “Meu sonho é construir um quartinho no quintal para abrir a biblioteca.” Por enquanto, prefere pensar em conseguir títulos variados para iniciar o importante projeto.

Os pais ficam orgulhosos. Mas, por enquanto, não há dinheiro disponível para ampliar a casa. A mãe é diarista e o pai, autônomo. “Não temos condição financeira, mas vamos tentar”, afirma o pai Sílvio César Marques, 43 anos. “Minha filha está empenhada. Quer fazer alguma coisa para as crianças. É bonito isso”, conta Adriana. A família tem vida simples, mas digna. Não sobra dinheiro para luxos ou compra de obras. Isso não impede Kaciane de fazer o que gosta. Ela pega os exemplares emprestados na escola e na Biblioteca Municipal. Nas datas especiais pede o mesmo presente: livros.

É uma leitora compulsiva e, ao mesmo tempo, organizada. Mantém um diário para registrar os 397 títulos, sobretudo de literatura. Sempre gostou de leitura, mas sua paixão se intensificou há três anos. Tudo começou quando pegou na biblioteca da escola ‘As Aventuras de Pedro, o Coelho’, de Beatrix Potter. Foi sua pedra fundamental. O encantamento com as histórias não passou. Nem enfraqueceu. Pelo contrário. Ganha cada vez mais espaço em sua rotina. Quer ser escritora e jornalista quando crescer. Em 2015, vai cursar o quinto ano do ensino fundamental. Estudiosa, pretende aproveitar o tempo livre para cuidar da biblioteca e atender os leitores. “Vou incentivar crianças e adultos a gostar de ler.”

Kaciane leva a sério tudo a que se propõe. Chega da escola, almoça e faz o dever de casa. Depois, fecha a porta do quarto e abre um mundo particular, repleto de lindas princesas, heróis fantásticos, monstros medonhos, extraterrestres engraçados e seres horripilantes. Exigente, não fica apenas nos temas indicados para sua faixa etária. Viaja muito mais longe. É desinibida, alegre e mostra vocabulário acima da média. A garota fala com autoridade sobre autores e estilos literários. Tanto que já se arrisca a escrever os primeiros contos e crônicas. Seu texto é correto, sem erros de português. O projeto é publicar o próprio livro. Mas isso faz parte de um outro capítulo de sua história. Os interessados em ajudar a pequena Kaciane a montar a biblioteca podem entrar em contato com o Diário, pelo telefone (17) 2139-2046.

O carrinho da leitura

0

A jornalista Luiza Piccoli Ferraz de Lima teve uma ideia aparentemente despretensiosa: montar uma biblioteca comunitária. Um carrinho de supermercado virou o projeto “Carrinho de Leitura”

(Reprodução)

(Reprodução)

Publicado por Gazeta do Povo

A jornalista Luiza Piccoli Ferraz de Lima teve uma ideia aparentemente despretensiosa: montar uma biblioteca comunitária. Um carrinho de supermercado virou o projeto “Carrinho de Leitura”. O vídeo da história dela é o terceiro da série que mostra cidadãos protagonistas de iniciativas que transformaram suas comunidades. No total, são oito episódios.

Luiza selecionou títulos de sua coleção particular, comprou um caderno de capa dura – para anotar nome, telefone e livro emprestado – e colocou na rua a sua biblioteca itinerante. Os empréstimos são livres e o leitor tem 40 dias para devolver no mesmo lugar que pegou. A iniciativa mexeu com o bairro Vila Izabel.

Imagem de Amostra do You Tube

dica do Jarbas Aragão

12.000 manuscritos de Charles Darwin publicados online

0

Rodney Eloy, no Pesquisa Mundi

Charles Darwin Biblioteca Digital da Universidade de Cambridge lançou 12.000 páginas da obra de Darwin sobre a teoria da evolução.

As imagens incluem transcrições, notas detalhadas de documentos importantes, incluindo a “Transmutação” e “cadernos de metafísica” da década de 1830, bem como o “Esboço do lápis” de 1842, onde Darwin utiliza pela primeira vez o termo “seleção natural”.

A liberação dos papéis de Darwin online marca o aniversário de 155 anos da publicação de A Origem das Espécies.

Guy Lewy, presidente da Sociedade de Ciências da Universidade de Cambridge, disse: “Estes documentos recém-lançados abrirão uma janela para um lado de Darwin que poucos de nós vimos antes”.

O próximo lançamento na Biblioteca Digital de Cambridge sobre os Manuscritos de Darwin está previsto para Junho de 2015, que serão notas de oito livros pós A Origem das Espécies.

Go to Top