Assine hoje a revista Ultimato

Posts tagged Boa

Como conciliar os estudos com as comemorações de fim de ano?

0

Teenage girl using laptop at beach

Passou para a segunda fase do vestibular e não sabe se deve passar o Natal e o Ano-Novo estudando ou se pode se jogar na festança? Leia os conselhos

Ana Prado, no Guia do Estudante

Se você já está prestando vestibular este ano, é provável que ainda tenha algumas provas nas próximas semanas – alguns vestibulares realizarão a sua segunda fase no começo de janeiro, por exemplo. Como, então, usar bem esse tempo que lhe resta para equilibrar as comemorações de fim de ano e os estudos? Conversamos com professores e alunos que já passaram por isso e reunimos as dicas para você.

Aproveite as festas com moderação

Para começar, é bom ser realista. “Os alunos que terão provas em janeiro não vão conseguir aproveitar as festas como nos outros anos”, diz o professor e diretor pedagógico do Cursinho Oficina do Estudante, Célio Tasinafo. “Mas não dá para ficar enterrado nos livros o tempo todo porque isso não seria produtivo nem saudável. Aproveite os dias 24 e 25/12 e 31/12 e 1/1 para descansar e passar o tempo com a família, porque isso será importante para ajudar a diminuir o stress”.

O Natal na minha família é sagrado, então todos passamos os dois dias antes nos preparando para a festa e nos reunimos na noite do dia 24 e no dia 25, e assim foi no ano de vestibular. Entre o Natal e ano novo, decidi que era hora de relaxar, pois o stress já havia me atrapalhado nas provas do ano anterior. Porém, assim que todos os parentes saíram de casa no dia 1º, eu voltei a me dedicar aos estudos para a segunda fase, e para mim, a tática deu certo.”

Driely Cristine Fernandes, aprovada em Biblioteconomia e Ciência da Informação na USP, UNESP e UFSCar em 2012

“As festividades do fim de ano não devem atrapalhar os estudos. Os alunos podem e devem festejar com as respectivas famílias, porém sem exageros, controlando as horas de estudo. Este é o momento das questões dissertativas de todas as disciplinas, portanto ele deve treinar para isso, além de reforçar os conhecimentos das matérias específicas”, completa a professora e coordenadora do cursinho do XI, Augusta Aparecida Barbosa.
Estude os conteúdos com os quais têm mais dificuldade, mas evite os complicados demais

“A essa altura, não vale a pena usar o tempo para estudar conteúdos que você já domina nem os que são complicados demais, pois pouca coisa irá mudar nesse pouco tempo. Prefira aqueles com os quais tenha dificuldade, mas que não sejam intransponíveis”, aconselha o professor Célio. O tempo que você dedicará aos estudos vai depender se como se preparou durante o ano e quão bem se saiu na primeira fase. “Para os candidatos que passaram com uma pontuação próxima à nota de corte, o momento é de intensificar a preparação”, diz o professor de Geografia do cursinho do XI, Alexandre Eneias Gobbis.

papai-noel-estudando2

Aproveite para ler os livros obrigatórios

Se seus estudos estão em dia, mas você não leu todas as obras cobradas pelo vestibular, aproveite esses dias até a prova para fazer isso. “Isso cai em peso, especialmente na segunda fase da Unicamp. Se você conseguir ler mais dois ou três livros inteiros, já terá pontos extras”, diz o professor Célio.

Depois de descobrir que eu estava na segunda fase dos vestibulares, não deixei de participar das atividades familiares. Deixei de estudar na véspera e no dia de Natal para ficar com minhas primas, comer muito e me divertir. O mesmo aconteceu no réveillon, que é uma festa para se aproveitar e ficar comemorando até o sol nascer. Esses dias estão ai para dar uma oportunidade de a gente relaxar e se divertir, é praticamente necessário ter esse momento de abstração. Apesar disso, tive que recusar os convites de viagens. Eu sabia que não ia conseguir estudar e eu precisava daquele tempo. Valeu a pena esse ‘sacrifício’, porque agora eu posso curtir a viagem que eu quiser.”

Mariana Guerra, aprovada em Estudos Literários na Unicamp e em Letras na Usp e na Ufscar em 2012

Se minha família for viajar, posso ir com eles?

Para o professor Célio, a resposta é sim – mas leve material de estudo para não ficar ansioso. “A menos que o estudante tenha pouca convivência com a família, ficar sozinho nesse período é péssimo. Ele não terá ninguém para lhe ajudar a lidar com a ansiedade e corre o risco de nem conseguir aproveitar o tempo para estudar”, afirma. Mas seja prudente: não deixe para voltar na véspera da prova. O ideal é estar de volta dois ou três dias antes para poder descansar. Além disso, tenha certas precauções. Se for à praia, tome cuidado com o período de exposição ao sol e com os alimentos que consome, para evitar intoxicação alimentar.

Bom, eu realmente estava desesperado, tinha muita coisa que eu ainda precisava ver ou revisar. Durante o dia era muito difícil estudar na minha casa com tanta coisa acontecendo, então eu acabava estudando depois que todo mundo ia dormir. Mas mesmo desesperado eu dava uma pausa durante os dias festivos pra relaxar um pouco. Boa sorte aos vestibulandos e futuros calouros!

Denis Marcel Cavalheiro , aprovado em Química na Fuvest 2012.

Pode consumir bebida alcoólica?

Pode, mas sem excessos – e só se você estiver acostumado a beber socialmente. E evite fazer isso às vésperas da prova para evitar a ressaca e o mal estar prolongado.

Treine com provas dos anos anteriores

“Para a segunda fase da FUVEST, em física, o aluno precisa ter um bom conhecimento de todo o conteúdo, pois as questões misturam temas diferentes em cada questão, que é bem mais interpretativa. O meu conselho é pegar as provas de segunda fase dos anos anteriores e resolvê-las. Eles priorizam Mecânica e Eletricidade; já em Termologia, Óptica e Ondulatória a quantidade de questões que caem é menor. Este ano também poderão cair Eletromagnetismo e Gases, que não apareceram na primeira fase, bem como questões sobre Trabalho e Energia”, diz o professor de física do cursinho do XI, Marcio Haga.

Leia muito

“A segunda fase é para quem sabe escrever. Leia muito, especialmente artigos da imprensa em geral, como jornais, revistas, internet etc. Quem lê, escreve. Outra dica é fazer um fichamento daquilo que estudar, com os conceitos principais de cada tema. Para quem já vem fazendo tudo isso há tempos, é hora de relaxar. Aproveite o período entre Natal e Ano-Novo para se divertir, SEM EXCESSOS, e depois volte a estudar em janeiro”, diz o professor Alexandre.

Pequenos detalhes fazem a diferença

“Passar para a segunda fase do vestibular é um grande passo, mas não o suficiente. Agora, o aluno disputará com candidatos que possuem em média o mesmo desempenho acadêmico, portanto qualquer detalhe poderá fazer toda a diferença”, diz o professor de física do Cursinho do XI, Francisco Ribeiro Viana. Um desses detalhes é o bom conhecimento de todas as disciplinas. “Um aluno que tenha optado por um curso de Humanas pode se destacar em relação aos demais se também mostrar bom desempenho em exatas e vice-versa. Assim, esforce-se em estudar todas as matérias”, completa.

“Eu viajei para o interior no natal e no ano novo fiquei aqui próximo do cursinho, mesmo. No período de festas aproveitei pra relaxar e tentar espairecer um pouco, não faz bem só pensar nas provas, mas assim que elas acabaram voltei a estudar pra segunda fase. Nada muito desesperado para não bater o nervosismo. Um pouco antes das provas (alguns dias), eu também parei de estudar e só relaxei.”

Letícia Lucato, aprovada em História na USP em 2012.

“Quando a gente passa em uma primeira fase, a neura por estudar passa a ser tanta que não paramos pra pensar que o excesso pode fazer mal. Eu, assim que passei, bolei um plano de estudos no qual consegui viajar para as festas de fim de ano com consciência tranquila (inclusive não levei nada para estudar)”.

Victor Camillo Palandi, aprovado em Economia na USP.

Boa sacada, livraria!

0

funny-Mystery-bookstore-section-books-white

Publicado por The Meta Picture

dica do Jarbas Aragão

Carioca coordena 2 mil voluntários que gravam livros para cegos

1

Atriz Analu Palma é personagem do quadro ‘Os Cariocas’ do RJTV. Veja como se tornar voluntário do projeto Acessibilize-se.

Publicado no

O quadro “Os Cariocas” do RJTV mostra semanalmente gente do bem que contribui para fazer do Rio uma cidade solidária, boa de se viver. Neste sábado (28), a série mostra o trabalho da atriz Analu Palma, que coordena o projeto Acessibilize-se e, com 2 mil voluntários, grava livros para levar cultura aos deficientes visuais. Analu e os amigos dos cegos são os “ledores” dos livros falados.

A voz da atriz são os olhos de muita gente. Carioca de Inhaúma, ela decidiu partilhar o prazer da leitura com quem não consegue ler, por gosto ou necessidade. O estudante Júlio César Careira, por exemplo, faz faculdade de psicologia. Estuda graças à iniciativa de Analu. De tanto ler no ônibus, ele sofreu um deslocamento de retina e perdeu a visão. As publicações em braile não são suficientes.

“As pessoas que são voluntárias não fazem ideia do quanto nos ajudam”, diz Júlio. “Aqui encontramos todo o necessário para ter um futuro melhor”

A programadora de computador Rita também tem deficiência visual. Para ela, é mais fácil entender de linguagens complicadas e números quase indecifráveis do que simplesmente ter acesso a um livro.

Analu começou o projeto por conta própria. Gravava os livros e publicava na internet. Depois, percebeu que, sozinha. seria difícil ajudar o tanto de gente que precisava.Criou uma metodologia e formou voluntários. “Ledores”, como ela chama. Ao todo, 2 mil já fizeram o curso pelo país todo e mais de 600 títulos já foram gravados.

Os alunos aprendem as partes do livro, a lidar com um programa de computador para gravar a narração e têm aulas de colocação da voz. A psicóloga Monique Leal, é voluntária do projeto há três meses e pretende ficar ainda por muito tempo. Cada minuto livre é usado para gravar os livros. “A gravação faz parte do meu dia a dia”, conta.

A voz e o gesto de Analu vêm corrigindo injustiças. Discreta e serenamente, Analu e sua turma vão espalhando palavras preciosas para quem está ansioso por ouvi-las.

Veja como se tornar voluntário do projeto no site http://www.livrofalado.pro.br. Se você conhece alguém que ajuda a melhorar a vida de quem mora no rio, conte para a gente. Envie sua sugestão para o quadro “Os Cariocas”.

Guia de estudos: aprenda a fazer uma boa redação em dez passos

1

Lucas Rodrigues, no UOL

Manter-se bem informado e produzir textos dissertativos ao menos uma vez por semana é essencial para conseguir elaborar uma boa redação no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e nos grandes vestibulares. Consultados pelo UOL, especialistas deram dicas para garantir resultados satisfatórios nesse quesito.

Esse roteiro faz parte de uma série de guia de estudos com os dez temas mais importantes de cada disciplina (confira ao lado).

Segundo Arlete Salvador, autora do livro “Como escrever bem para o Enem – Roteiro para uma redação nota 1.000”, conquistar uma escrita apurada é um processo que leva tempo. “O estudante não vai conseguir na última hora escrever melhor se não tiver nenhum tipo de embasamento”, diz.

Ela acredita, contudo, que é possível se exercitar até mesmo em meios diferentes, como nas redes sociais. “Quando for escrever no Facebook, por exemplo, tente escrever sem erros. Descreva aquela viagem que você fez, os lugares, as pessoas, os acontecimentos contemporâneos, um show de música. Diga o que gostou, explique o porquê. Isso contribuiu para o senso crítico”.

Antes da prova
Confira as dicas dadas pela professora Cida Custódio, do Colégio e Curso Objetivo, para a preparação antes do dia da prova de redação:

Mantenha-se informado
“Os temas propostos pelo Enem são sempre relacionados a questões atuais, que de alguma forma estão mobilizando a opinião pública do país. Editoriais de jornais, por serem dissertativos, são os textos mais recomendáveis para despertar o senso crítico do estudante”.

Faça cópias de textos dissertativos
“É bom para assimilar, ao mesmo tempo, estrutura, linguagem, ortografia e pontuação. Nesse caso, caberá antes uma leitura atenta do texto escolhido, que permita ao estudante fazer uma cópia consciente, e não automática”, diz Cida.

“Concluída a cópia, será necessário conferir se foi feita de modo fiel ou displicente. Esse exercício é excelente também para melhorar a capacidade de concentração”.

Escreva duas redações por semana
“Treinar é essencial para garantir um bom desempenho na prova. É importante ainda submeter tais redações à apreciação de um professor, que, com base nas competências levadas em conta pelo Enem na correção das redações, fará uma avaliação criteriosa e personalizada”.

O UOL tem um banco de redações, em que são sugeridos temas atuais a cada mês. Os estudantes podem mandar suas produções, que serão avaliadas por uma equipe especializada em correção de prova de vestibular e Enem.

Conheça os temas anteriores do Enem
“É bastante produtivo fazer ainda algumas redações de temas previamente selecionados, preferencialmente aqueles considerados mais desafiadores”.

No dia da prova
Veja ainda estratégias dadas por Arlete Salvador que devem ser feitas durante a prova de redação:

Encontre o tema
Leia o enunciado e os textos de apoio com atenção. Na folha de rascunho, faça uma lista das ideias principais do assunto geral e dos textos complementares (use uma ou duas palavras para sintetizar essas ideias). Se houver imagens, transforme o conceito central em palavras.

Para a professora Cida, do Objetivo, é fundamental atentar ao encaminhamento sugerido pelos textos motivadores oferecidos pelo Enem. “O candidato independente corre o risco de desconsiderar a coletânea e fugir parcialmente ao tema. Para evitar isso, caberá selecionar duas ou três informações dos textos de apoio e integrá-los ao próprio repertório [cultural e linguístico]”, diz.

Ela enfatiza que aproveitar um ou outro dado da coletânea não significa copiar trechos ou fragmentos, o que é absolutamente impróprio.

Organize as ideias e planeje o texto
Após encontrado o tema, pense sobre o que tem a dizer para aquela discussão. Escolha os argumentos que serão utilizados, duas propostas de intervenção social e qual será a conclusão.

Pense como será a ideia central da introdução e anote na folha de rascunho. O que você pretende defender? Escolha três argumentos que melhor sustentem sua ideia.

Escreva na folha de rascunho
Não se afaste do modelo introdução, desenvolvimento e conclusão. Na hora de elaborar o texto, dê preferência para a terceira pessoa do singular ou do plural, nunca use gírias e utilize expressões de ligação entre parágrafos e ideias.

Se estiver em dúvida sobre uma data, corte-a. Se a indefinição for na grafia de uma palavra, troque-a por um sinônimo.

Para a conclusão, a professora do Objetivo diz que sugestões de intervenção passíveis de serem colocadas em prática serão pertinentes. “Atribuir a responsabilidade pela solução de determinado problema a mais de um setor da sociedade também é importante”, diz.

Invista na linguagem
A professora Cida, do Objetivo, acrescenta que uma linguagem diversificada contribui para o conteúdo do texto. “Contudo, deve-se evitar o vocabulário rebuscado, usado apenas para impressionar a banca. O estudante deve demonstrar repertório linguístico típico de um bom leitor, recém-saído do ensino médio”.

Releia o texto e verifique coerência e coesão
Substitua palavras repetidas por sinônimos e preste atenção se não cometeu deslizes na pontuação –separar sujeito de verbo com vírgula é erro grave–, e na acentuação.

Vale a pena analisar se a introdução apresenta o tema pedido na prova, se os argumentos sustentam a tese escolhida, se as propostas de intervenção social são convincentes e se a conclusão tem conexão com o começo do texto.

Transcreva o texto para a folha oficial
Copie exatamente o que foi produzido na folha de rascunho. Tente fazer uma letra legível e não rabiscar. É importante respeitar os parágrafos, deixando uma pequena margem no início. Logo em seguida, corrija eventuais erros e dê a redação por encerrada.

10 Momentos em que se torna impossível ler livros

1

Douglas Eralldo, no Listas Literárias

Ok. Somos fãs dos livros e da leitura, mas existem determinados momentos que o prazer de ler um livro se torna praticamente impossível, e por mais que tentamos, a leitura não prossegue. Hoje o Listas Literárias publica 10 momentos em que dificilmente você será capaz de ler um livro:

1

1 – Dor de Cabeça: Pois é, não é só no momento de “namoro” que as dores de cabeça podem se tornar um grande vilão. Para quem gosta de ler, dores de cabeça também são um “empata leitura”, pois é praticamente impossível conectar-se a uma leitura em casos de dor de cabeça;

22 – Em Estrada Esburacada: Todo leitor aproveita cada momento para dedicar-se aos livros, por isso eles sempre nos acompanham durante as viagens. O problema é quando se trafega por estradas esburacadas, aí ou escolhemos salvar nossas pupilas sem correr o risco de deslocá-las, ou adiamos a leitura. E não vá pensando que isso aconteça só em estradas interioranas, esse Brasil tem uma boa quantidade de rodovias inimigas da leitura;

3 – No Rala e Rala: Não que eu pense que alguém já tenha tentado, ou faça (afinal os gostos são sempre surpreendentes, assim como a utilidade dos livros), mas certamente esse não é o melhor momento para ler livros;

4 – Vizinhos Funkeiros: Nada contra o exótico gosto de nossos amigos funkeiros, mas o problema é que não basta para eles gostar de funk, e como se estivessem no Facebook os danadinhos compartilham, quase sempre com um “puta som” seja na caranga, no buzão, ou no apartamento ao lado. Duvido alguém se concentrar na leitura com a risada do Mister Catra no último volume;

35 – Problemas de Visão: Esse é realmente complicado. Eu mesmo passei por isso antes de diagnosticar a necessidade de usar óculos. Se você não sabe que possui problemas de visão, e ainda assim insiste em ler livros chega um momento que isto se torna quase impossível. As palavras não se conectam, e como um imã em repulsão, os livros se distanciam de você;

6 – Na Feira: Você até pode ver leitores em locais públicos, inclusive em bares ou restaurantes, mas quero ver alguém encontrar alguém lendo no meio da feira. Certamente os constantes gritos com o preço do tomate e da cebola não contribuem para a concentração na leitura;

7 – Na hora do Futebol: Olha até acredito que as meninas consigam abandonar as novelas (alias os livros são melhores que elas mesmo) para a leitura de um livro, mas isso jamais, jamais acontecerá com os meninos. A fidelidade ao horário do futebol é tamanha, que se torna impossível ler naquele momento, independente do jogo que esteja passando na tevê;

8 – No Meio de um Bombardeio: Esse item entrou na lista porque dia desses selecionamos 10 imagens de soldados lendo durante o descanso no front. Agora imagina “as bombas pegando” o quão alto seriam jogados aqueles livros na correria;

9 – No meio da “DR”: Não que isso seja impossível, na verdade o que quero aqui é proteger a integridade física dos leitores do Listas Literárias. Certamente mergulhar em uma leitura durante uma discussão de relação seria um ótimo escape, além de tentador, mas isso, guardem bem, não é nem um pouco aconselhável;

10 – Quando Você Não Está Afim: Como eu disse o hábito da leitura é um prazer, um prazer que não nos ensinam na escola, pois lá esse hábito geralmente é uma obrigação. Mesmo aquele leitor mais dedicado tem dias que não está a fim de ler nada, eu mesmo as vezes passo por esses dias. Por isso não force, se naquela hora, ou naquele dia não estiver afim, simplesmente não leia;

Go to Top