Uma Sombra na Escuridão

Posts tagged Brasil

Jojo Moyes, de ‘Como Eu Era Antes de Você’, vem para o Brasil em maio

0
Jojo Moyes é uma das mais famosas autoras de best-sellers hoje Divulgação

Jojo Moyes é uma das mais famosas autoras de best-sellers hoje
Divulgação

 

A autora, responsável pelo livro mais vendido no País em 2016, vai participar de dois eventos em livrarias

Publicado no JC Online

Jojo Moyes, autora do romance Como Eu Era Antes de Você (Intrínseca), vai vir para o Brasil em maio deste ano. A escritora britânica vai participar de dois eventos no Brasil: no dia 8 de maio, irá passar pelo Rio de Janeiro, no dia 9, vai para São Paulo.

Os encontros vão ser restritos a 200 fãs cada. Na ocasião, Jojo Moyes vai autografar seus livros nas livrarias Saraiva.

A best-seller já vendeu mais de 2 milhões de exemplares no Brasil e tem 10 títulos publicados por aqui – o último foi Paris para Um e Outros Contos. No mundo, a circulação de Jojo Moyes chega a 29 milhões de livros.

NOVO LIVRO

Neste ano, Jojo Moyes já anunciou também o seu próximo livro da série sobre Louisa Clark, protagonista de Como Eu Era Antes de Você e Depois de Você. A previsão é de que o livro saia em 2018.

Como Eu Era Antes de Você também foi adaptado recentemente para os cinemas e teve uma receita de mais de 200 milhões de dólares.

Marlon James, escritor jamaicano vencedor do Man Booker Prize, virá à Flip

0
O escritor jamaicano Marlon James - NEIL HALL

O escritor jamaicano Marlon James – NEIL HALL

 

Seu romance ‘Breve história de sete assassinatos’ será publicado no Brasil em julho

Publicado em O Globo

RIO — O escritor jamaicano Marlon James será um dos convidados da 15º edição da Festa Literária Internacional de Paraty. James venceu o Man Booker Prize de ficção em 2015 com o seu ambicioso romance “Breve história de sete assassinatos”, que será publicado no Brasil pela Intrínseca em julho.

Ao longo de mais de 600 páginas, o autor narra a tentativa de assassinato de Bob Marley na década de 1970 por uma gangue de garotos da periferia viciados em cocaína e munidos de armas automáticas.

O autor usa o turbulento episódio para explorar o universo do crime organizado no país nos anos após a independência da ex-colônia britânica, uma trama que envolve policiais, agentes da CIA, traficantes e políticos. Presidente do júri que deu o prêmio a James, Michael Wood destacou na época a linguagem inovadora da obra.

“Este livro é surpreendente em sua gama de vozes e registros, indo desde o linguajar de gangues de rua até o Apocalipse da Bíblia”, afirmou em comunicado.

Joselia Aguiar, curadora da Flip 2017, aponta, em nota, que o livro é inventivo não só do ponto de vista linguístico, ao combinar o inglês culto ao dialeto jamaicano patois.

“Marlon James também fez um livro com uma estrutura ousada de dificílima execução. Trata-se de um épico de alta temperatura que acumula mais de 70 personagens, que se alternam como narradores, numa época de grande turbulência política e social”, diz Joselia.

Brian Murray, CEO da HarperCollins, defende livrarias independentes e aposta no Brasil

0
SC São Paulo ( SP ) , 29/03/2017 , Entrevista com o CEO da HarperCollins mundial, Brian Murray. Foto: Edilson Dantas / Agencia O Globo - Edilson Dantas / Edilson Dantas

SC São Paulo ( SP ) , 29/03/2017 , Entrevista com o CEO da HarperCollins mundial, Brian Murray. Foto: Edilson Dantas / Agencia O Globo – Edilson Dantas / Edilson Dantas

 

Grupo editorial, que comemora 200 anos, assume de vez sua operação no país

Leonardo Cazes, em O Globo

SÃO PAULO – O anúncio surpreendeu no início do ano: a gigante anglo-americana HarperCollins ia assumir integralmente a sua operação brasileira, antes uma joint-venture com o Grupo Ediouro. No ano em que completa dois séculos, o grupo entra de vez no mercado brasileiro. Em entrevista ao GLOBO, em São Paulo, o CEO global Brian Murray diz ver boas perspectivas para o país no longo prazo, comenta a relação difícil com a Amazon, analisa a desaceleração da venda de e-books e comemora o renascimento das pequenas livrarias.

Por que a HarperCollins decidiu investir no Brasil agora, com o país em crise?

Nos nossos primeiros 200 anos, fomos basicamente uma editora de língua inglesa. Com as aquisições da Thomas Nelson, de livros cristãos, e da Harlequin, cujo foco é na ficção para o público feminino, ganhamos escala global, e queremos crescer em países que falam outras línguas. Nossa estratégia é identificar as oportunidades. O Brasil é muito atraente, único de muitas maneiras. É um mercado muito forte em publicações cristãs e também em rápido crescimento. É claro que tem seus altos e baixos, mas, no longo prazo, acreditamos que o Brasil possa ser um dos nossos maiores mercados. Sermos 100% donos da empresa aqui permite que façamos investimentos na nossa estratégia de longo prazo mais facilmente. Vejo um grande futuro para o mercado editorial brasileiro nas décadas vindouras.

Quais os perfis de livros e autores que vocês pretendem publicar no Brasil?

Vamos publicar livros de origens muito diferentes. Alguns virão das nossas operações nos Estados Unidos e no Reino Unido, mas também podem ser de outros países. Nós temos editores em todo o mundo e compartilhamos os nossos projetos em andamento. Podemos publicar também autores cujos direitos são negociados país a país. E é claro que vamos investir em autores brasileiros. Esse é um componente chave da nossa estratégia.

Há alguns anos, as editoras tiveram embates com a Amazon. Como está hoje a relação não só com a Amazon, mas com Apple e Google?

Costumo dizer que essas empresas são nossas amigas e inimigas ao mesmo tempo. Temos uma relação complexa. Elas são muito importantes para nós e os nossos autores. Trabalhamos bem com elas, procuramos áreas onde concordamos e podemos crescer juntos, mas há outras em que temos nossas discórdias. Essa é a maneira como o negócio é hoje. Fazemos o máximo onde concordamos, e concordamos em discordar no resto.

No mundo, as vendas de e-books estão estagnadas. Houve uma euforia exagerada?

Cinco anos atrás, os e-books estavam crescendo muito, muito rápido. E ninguém sabia onde esse crescimento ia parar. Houve mudanças no modelo de negócio dos livros digitais, com menos descontos, e as vendas estabilizaram. Nos Estados Unidos e no Reino Unido, teremos um crescimento modesto dos e-books. Mas nós vemos um crescimento forte dos audiolivros. Acho que é porque todo mundo está acostumado a ouvir música no celular. Provavelmente surgirão novos serviços de streaming de livros no próximo ano. Hoje, vejo um equilíbrio entre o consumo de livros impressos e digitais. O equilíbrio é bom porque permite aos livreiros terem confiança nos seus negócios.

As livrarias independentes vêm registrando um crescimento no mercado americano.

Sim, nos últimos três anos. Esse é um ótimo sinal. A Amazon está planejando abrir uma livraria também, então deve ser um bom negócio (risos). O investimento em pequenas livrarias é muito saudável. Esses vendedores podem ser pequenos, num plano geral, mas eles têm muita influência porque escolhem e vendem pessoalmente os livros aos seus consumidores. Eles promovem essa incrível divulgação boca a boca. Queremos ter mais disso. Menos algoritmos e mais pessoas vendendo livros seria bom para nós.

A autopublicação é um fenômeno que vem crescendo. É uma ameaça?

A autopublicação é uma grande oportunidade para inspirar autores. Nós assinamos com muitos escritores que começaram nas plataformas de autopublicação e formaram um público. Se vemos um público e acreditamos que podemos ajudar, vamos fazer uma oferta. A autopublicação também é boa para os editores porque podemos identificar novos talentos. Ao invés do velho mundo, onde a gente recebia um original que ninguém leu antes, nas plataformas você pode testar seus textos com os leitores.

O consumo digital gera uma enorme quantidade de dados, cada vez mais explorados por serviços de streaming. Essa tendência vai chegar à indústria do livro?

Eu uso muito esses dados para auxiliar a tomada de decisões. Hoje temos mais dados para análise do que jamais tivemos. Mas os dados nunca vão tomar a decisão de publicar ou não um livro para você. Eu fico mais confortável em tomar essa decisão com mais informações sobre mercado, consumidor, vendas de livros semelhantes. Mas publicar ou não um original sempre será uma decisão instintiva. Esse é um autor em que nós acreditamos, essa é uma história em que nós acreditamos, vamos publicar.

Você comanda um grupo que comemora 200 anos. Como sobreviver por mais 200?

Inovação, criatividade, bons autores e bons profissionais. Histórias são contadas desde muito antes de a HarperCollins ser criada. A forma pode mudar, vieram o áudio, o vídeo. Mas o texto sempre vai permanecer. O modelo de negócios também pode mudar, a distribuição pode mudar. Cabe a nós mudar junto com o tempo.

*Leonardo Cazes viajou a convite da HarperCollins Brasil

Kindle provoca João Doria em primeiro filme no Brasil

0
Kindle: Ooargumento do filme, chamado “Movidos por histórias”, é o seguinte: “Pintaram os muros de cinza? A gente cobriu o cinza de histórias” (Youtube/Reprodução)

Kindle: O argumento do filme, chamado “Movidos por histórias”, é o seguinte: “Pintaram os muros de cinza? A gente cobriu o cinza de histórias” (Youtube/Reprodução)

 

Na 1ª campanha para promover a marca no país, a Amazon utilizou projeção visual para reproduzir trechos de livros nos muros pintados de cinza pelo prefeito

Publicado na Exame

Ninguém pode negar o poder midiático do atual prefeito de São Paulo, João Doria.

Reflexo desta popularidade e das discussões ao redor de algumas de suas principais medidas a frente da gestão da cidade, é natural que sua figura ou suas ações invadam as mais improváveis esferas, incluindo a propaganda.

Se em janeiro o Habib’s brincou com o cinza da cidade e a luta do “gestor” contra os pichadores, agora é a vez da Kindle dar novas cores ao assunto.

Na primeira campanha para promover a marca no Brasil, a Amazon resolveu utilizar projeção visual para reproduzir trechos de livros nos muros pintados de cinza pela atual prefeitura.

O argumento do filme, chamado “Movidos por histórias”, é o seguinte: “Pintaram os muros de cinza? A gente cobriu o cinza de histórias”.

O trabalho de comunicação estreou hoje sua veiculação nas redes sociais, sites e portais brasileiros.

Confira:

Fenômeno de autor romeno, “O livro dos espelhos” chega ao Brasil

0

Publicado na Sopa Cultural

E.O. Chirovici nasceu na Transilvânia, numa família de origem romena, húngara e alemã. Escreveu seus primeiros livros em romeno, e as obras foram best-sellers no país do leste europeu, vendendo milhares de exemplares. Ao escrever seu primeiro livro em inglês, o autor se surpreendeu com a recepção entusiasmada: o título foi a sensação da Feira de Frankfurt de 2015, dois anos antes de chegar às livrarias, e foi vendido a peso de ouro para editoras em 38 países. Embora Chirovici seja, por si só, um personagem fascinante, é a trama habilmente construída de “O livro dos espelhos” que causou todo esse impacto e promete fisgar os leitores. A obra chega às livrarias brasileiras pela Record em março, num lançamento simultâneo com os outros 37 países.

Narrada por quatro personagens diferentes, a trama começa na voz de Peter Katz, um agente literário que recebe por email o trecho de um manuscrito intitulado “O livro dos espelhos”. O autor se chama Richard Flynn e, no texto, relembra um período de seus dias na faculdade, no fim dos anos 1980. Na segunda parte, lemos o manuscrito de Flynn, que narra a relação entre ele, uma amiga da faculdade e Joseph Wieder, um renomado psicólogo. Wieder foi brutalmente assassinado naquela época; um crime que ficou famoso mas jamais foi solucionado. O trecho enviado para Katz termina exatamente nas horas anteriores ao assassinato.

unnamed-13

Curioso e convencido de que o manuscrito vai enfim revelar o assassino – e garantir um contrato milionário com uma editora – Katz vai atrás de Flynn, mas ele está em coma, à beira da morte, num hospital. E ninguém sabe onde está o restante do original. O agente então contrata John Keller, um repórter investigativo, para desenterrar o caso e reconstituir o crime.

Na terceira parte, acompanhamos a investigação de Keller, cujas entrevistas e pesquisas revelam um verdadeiro jogo de espelhos, uma trama complicada em que verdades e mentiras nem sempre são absolutas. No fim, um quarto personagem consolida o desfecho da história. Mais do que escrever um suspense ou uma simples trama policial para descobrir um assassino, Chirovici constrói uma narrativa intricada, literária e elegante, onde fala sobre como as memórias, a realidade e a verdade podem ser relativas.

TRECHO:

“Eu falei para Laura que, para mim, era difícil concordar com aquela teoria, mas ela me desafiou.

– Você nunca teve a sensação de que já viveu algo ou esteve em determinado lugar, e depois descobriu que jamais esteve ali, que apenas ouviu histórias sobre o local quando era criança, por exemplo? Sua memória simplesmente apagou a lembrança da história que lhe foi contada e a substituiu por uma vivência.

Lembrei que, por um bom tempo, achei que tinha visto o Super Bowl de 1970 na televisão, que tinha visto os Kansas City Chiefs derrotarem os Minnesota Vikings. Mas, na verdade, eu tinha apenas quatro anos na época e só achei que tinha visto porque ouvi meu pai contar histórias sobre aquele jogo várias vezes.”

E.O. Chirovici nasceu na Transilvânia. Possui doutorado em Economia, Comunicação e História, e é membro da Academia de Ciências Romena. Trabalhou como jornalista por muitos anos e recebeu vários prêmios e honras importantes, incluindo a Medalha Kent, em 2009, pelas mãos do Príncipe Edward, Duque de Kent. Ele já escreveu 10 romances em romeno, todos sucessos de venda na Romênia. Tem se dedicado apenas à literatura desde 2013, e atualmente vive em Bruxelas com a esposa.

Go to Top