William Douglas

Posts tagged Brasil

Qual era o livro mais vendido no ano em que você nasceu?

0

Livraria_0

Compilamos os best-sellers dos últimos 40 anos no Brasil e nos Estados Unidos

Pamela Carbonari, na Superinteressante

Você já deve ter lido por aqui que quem lê vive mais. Ok, leitura não garante longevidade, mas pode diminuir suas chances de morrer se você mantiver o hábito de ler livros durante toda a vida – e não apenas jornais ou revistas (não há nenhuma ressalva se você ler Superinteressante, então continue conosco). Por isso e pelos outros tantos benefícios da leitura, não é novidade para nenhum leitor que a atividade seja primordial desde muito cedo.

Não importa se você é leitor desde o berço ou se adquiriu o hábito depois de adulto: se você pudesse comprar um livro no ano em que nasceu, que livro seria?

Compilamos os maiores best-sellers de ficção: para selecionar os hits literários no Brasil recorremos à lista dos mais vendidos da revista Veja. Também utilizamos a lista do The New York Times para encontrar as obras mais compradas pelos americanos nas últimas quatro décadas. Boa leitura!

1975

Brasil – Gabriela, Cravo e Canela, Jorge Amado

Estados Unidos – A Saga do Colorado, James Michener

1976

Brasil – Araceli, Meu Amor, de José Louzeiro

Estados Unidos – Triniy, Leon Uris

1977

Brasil –

Estados Unidos – Pássaros Feridos, Colleen McCullough

1978

Brasil- Conversa na Catedral, Mario Vargas Llosa

Estados Unidos – A Herdeira, Sidney Sheldon

1979

Brasil – Farda, Fardão, Camisola de Dormir, Jorge Amado

Estados Unidos – O círculo Matarese, Robert Ludlum

1980

Brasil- A Falta que Ela me Faz, Fernando Sabino

Estados Unidos- A identidade Bourne, Robert Ludlum

1981

Brasil- Crônicas de uma morte anunciada, Gabriel García Márquez

Estados Unidos- Os Rebeldes, James Michener

1982

Brasil – O Analista de Bagé, Luis Fernando Veríssimo

Estados Unidos – O Mosaico de Parsifal, Robert Ludlum

1983

Brasil – A Velhinha de Taubaté, Luis Fernando Veríssimo

Estados Unidos – A Garota do Tambor, John Le Carré

1984

Brasil – Tocaia Grande, Jorge Amado

Estados Unidos – Operação Aquitânia, Robert Ludlum

1985

Brasil – A Insustentável Leveza do Ser, Milan Kundera

Estados Unidos – Tripulação de Esqueletos, Stephen King

1986

Brasil – A Insustentável Leveza do Ser, Milan Kundera

Estados Unidos – A Coisa, Stephen King

1987

Brasil – As Brumas de Avalon, Marion Zimmer Bradley

Estados Unidos – O Preço do Amor, Danielle Steel

1988

Brasil – As Brumas de Avalon, Marion Zimmer Bradley

Estados Unidos – O Cardeal do Kremlin, Tom Clancy

1989

Brasil – As Areias do Tempo, Sidney Sheldon

Estados Unidos – A casa da Rússia, John Le Carré

1990

Brasil – Diário de um Mago, Paulo Coelho

Estados Unidos – O Ônus da Prova, Scott Turow

1991

Brasil – O Alquimista, Paulo Coelho

Estados Unidos – Scarlett, Alexandra Ripley

1992

Brasil – O Alquimista, Paulo Coelho

Estados Unidos- O Dossiê pelicano, John Grisham

1993

Brasil – Noite sobre as Águas, Ken Follett

Estados Unidos – As Pontes de Madison, Robert James Waller

1994

Brasil – Brida, Paulo Coelho

Estados Unidos – A Profecia Celestina, James Redfield

1995

Brasil – Comédias da Vida Privada, Luis Fernando Veríssimo

Estados Unidos – A Profecia Celestine, James Redfield

1996

Brasil – O Mundo de Sofia, Jostein Gaarder

Estados Unidos – Segredos do Poder, Joe Klein

1997

Brasil – O Mundo de Sofia, Jostein Gaarder

Estados Unidos – A Montanha Gelada, Charles Frazier

1998

Brasil – O Livro das Virtudes para Crianças, William j. bennett

Estados Unidos – O Advogado, John Grisham

1999

Brasil – O Homem que Matou Getúlio Vargas, Jô Soares

Estados Unidos – O Testamento, John Grisham

2000

Brasil – Harry Potter e a Pedra Filosofal, J.K Rowling

Estados Unidos – A Confraria, John Grisham

2001

Brasil – Harry Potter e a Pedra Filosofal, J.K. Rowling

Estados Unidos – O diário de Suzana para Nicolas, James Patterson

2002

Brasil – Harry Potter e a Câmara Secreta, J.K. Rowling

Estados Unidos – The Lovely Bones, Alice Sebold

2003

Brasil – Onze Minutos, Paulo Coelho

Estados Unidos – O Código da Vinci, Dan Brown

2004

Brasil – Budapeste, Chico Buarque

Estados Unidos – O Código da Vinci, Dan Brown

2005

Brasil – Fortaleza Digital, Dan Brown

Estados Unidos – O Corretor, John Grisham

2006

Brasil – Quando Nietzsche Chorou, Irvin D. Yalom

Estados Unidos – For One More Day, Mitch Albom

2007

Brasil – A Cidade do Sol, Khaled Hosseini

Estados Unidos – A Cidade Do Sol, Khaled Hosseini

2008

Brasil – A Menina que Roubava Livros, Markus Zusak

Estados Unidos – O Recurso, por John Grisham

2009

Brasil – A Cabana, William Young

Estados Unidos – O Símbolo Perdido, Dan Brown

2010

Brasil – A Cabana, William P. Young

Estados Unidos – A Rainha do Castelo de Ar, Stieg Larsson

2011

Brasil – A Guerra dos Tronos, George R. R. Martin

Estados Unidos – A Resposta, Kathryn Stockett

2012

Brasil – A Escolha, de Nicholas Sparks

Estados Unidos – Cinquenta Tons de Cinza, E. L. James

2013

Brasil – Inferno, Dan Brown

Estados Unidos – Um Porto Seguro, Nicholas Sparks

2014

Brasil – A Culpa é das Estrelas, John Green

Estados Unidos – O Pintassilgo, Donna Tartt

2015

Brasil – O Pequeno Príncipe, Antoine de Saint-Exupéry

Estados Unidos – A Garota no Trem, Paula Hawkins

Correios mudam regras e frete de livros pesados ficará mais caro

0

naom_56d02454892d1

Publicações compradas pela internet terão o custo elevado com a nova medida

Publicado no Noticias ao Minuto

Uma nova medida dos Correios, que enfrenta uma crise, vai deixar os livros comprados pela internet mais caros a partir do primeiro dia de setembro.

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, os Correios devem passar a permitir oficialmente o uso do registro módico, que torna possível o rastreamento de encomendas por 50% do valor do registro comum (de R$ 4,30), mas proibirão a postagem de livros como mala direta, o que é comum aos livreiros e a mais barata ao consumidor.

Questionados sobre a mudança, os Correios disseram à Folha que “o serviço vinha sendo utilizado para remessa de livros, o que causava desequilíbrio na estrutura de preços da empresa e na cobertura dos custos”. A resposta da empresa ainda fala que a “a proibição se baseia na própria definição e objetivo do serviço, que, no geral, funciona para para publicidade com vistas a vendas, prospecção e fidelização de clientes”.

Além das restrições de mala direta, os Correios vão limitar o volume na postagem através da modalidade impresso a faturar, que também é muito utilizada pelas lojas, que não consideram a distância entre CEPs. Sendo assim, os 20 kg atuais passam para 500 g. O que for maior que esse volume, deverá ser enviado por outros serviços, como PAC e Sedex, por exemplo, que são mais caros.

13 frases inesquecíveis de Nelson Rodrigues

0

Bruno Vaiano, na Galileu

Já virou piada faz tempo o número de frases atribuídas erroneamente a Clarice Lispector, Caio Fernando de Abreu ou Albert Einstein nas redes sociais. Difícil mesmo seria inventar uma frase que Nelson Rodrigues já não tenha dito de um jeito duas vezes melhor. O dramaturgo e cronista pernambucano, quefaria 104 anos hoje se estivesse vivo, tinha um comentário curto e grosso sobre quase qualquer assunto que você possa imaginar. Morreu em 21 de dezembro de 1980, aos 68 anos.

(Foto: Acervo Editora Globo / Editora Globo)

(Foto: Acervo Editora Globo / Editora Globo)

 

Se algumas de suas frases são de um machismo e conservadorismo impensável nos dias atuais – o autor se declarava reacionário e apoiou a ditadura militar –, outras são tão atuais e verdadeiras hoje quanto eram no século passado. Nelson era um homem de mais faces que o estigma que atribuiu a si mesmo, e retratou o Brasil de uma maneira insuperável, para o terror da moral e dos bons costumes. A GALILEU selecionou algumas frases inesquecíveis, ácidas e verdadeiras do jornalista sobre os temas mais variados.

1 – Sobre o crush:

“A beleza interessa nos primeiros quinze dias; e morre, em seguida, num insuportável tédio visual.”

2 – Sobre os políticos:

“Eu me nego a acreditar que um político, mesmo o mais doce político, tenha senso moral.”

3 – Sobre ser malandro:

“Falta ao virtuoso a feérica, a irisada, a multicolorida variedade do vigarista.”

4 – Sobre censura:

“Não admito censura nem de Jesus Cristo.”

5 – Sobre síndrome de vira-lata:

“O Brasil é muito impopular no Brasil.”

6 – Sobre a dignidade no transporte público às seis da tarde:

“O ônibus apinhado é o túmulo do pudor.”

7 – Sobre o subdesenvolvimento:

“Subdesenvolvimento não se improvisa; é obra de séculos.”

8 – Sobre sexo:

“Tarado é toda pessoa normal pega em flagrante.”

9 – Sobre a psicanálise:

“Entre o psicanalista e o doente, o mais perigoso é o psicanalista.”

10 – Sobre a própria voz:

“Não gosto de minha voz. Eu a tenho sob protesto. Há, entre mim e minha voz, uma incompatibilidade irreversível”.

11 – Sobre o silêncio:

A maioria das pessoas imagina que o importante, no diálogo, é a palavra. Engano, e repito: o importante é a pausa. É na pausa que duas pessoas se entendem e entram em comunhão.

12 – Sobre muita gente pensar a mesma coisa:

“Toda unanimidade é burra.”

13 – Sobre a valorização do indivíduo:

“Qualquer indivíduo é mais importante que toda a Via Láctea.”

Essas e outras 1000 estão disponíveis na coletânea Flor de obsessão: As 1000 melhores frases de Nelson Rodrigues, organizada por Ruy Castro, também autor da biografia do autor, O Anjo Pornográfico.

*Com supervisão de Isabela Moreira

“Atlas de Nuvens”, principal obra de David Mitchell, narra seis histórias interligadas por fio de esperança

0
David Mitchell e a capa da versão brasileira de "Atlas de nuvens" Foto: Basso Cannarsa e Companhia da Letras / Divulgação / Divulgação

David Mitchell e a capa da versão brasileira de “Atlas de nuvens” Foto: Basso Cannarsa e Companhia da Letras / Divulgação / Divulgação

 

Livro lançado originalmente em 2004 finalmente chega ao Brasil

Carlos André Moreira, no Zero Hora

É fácil confundir Atlas de nuvens, lançado em 2004 e considerado a obra-prima do inglês David Mitchell, com um romance espírita – foi o que fizeram as irmãs Wachowski, ao adaptá-lo no filme ambicioso mas anódino A viagem, dirigido em parceria com o alemão Tom Tykwer em 2012. Afinal, Atlas de nuvens, que está sendo lançado agora no Brasil pela Companhia das Letras, encadeia seis histórias interligadas, entre outros fatores, pela recorrência de uma tatuagem em forma de cometa que assinala possíveis reencarnações de alguns personagens.

“As alma travessa os tempo que nem as nuvens atravessam o céu, e por mais que mude a forma e a cor e tamanho da nuvem ela continua seno nuvem, e as alma também”, diz Zachry, o protagonista da sexta narrativa, ambientada num futuro pós-apocalíptico em que a civilização e a linguagem humanas se deterioraram.

Mas Atlas de nuvens, escrito por um dos grandes autores ingleses contemporâneos, não é um romance espírita, porque seus seis episódios encadeados numa sofisticada estrutura de matrioshka não são sobre almas reencarnadas, e sim sobre ideias e conceitos reencarnados, deixando marcas na trajetória do ser humano.

O romance se inicia com o diário do viajante Adan Ewing, de passagem pelas ilhas do Pacífico em 1850, testemunhando o perverso sistema escravista no qual se assenta não só a colonização inglesa no local, mas a própria história dos nativos. Daí, pula-se para Robert Frobisher, jovem músico que se emprega em 1931 como assistente de um compositor renomado em fim de carreira e narra os percalços de sua estadia em cartas a um antigo amante, Sixmith. Sixmith este que, décadas mais tarde, aparecerá na terceira história, de tons policiais, em que a jornalista Luisa Rey tenta desmascarar os riscos representados na Califórnia dos anos 1970 por uma usina nuclear. História que, transformada em um thriller literário, vai parar nas mãos de um editor inglês, Timothy Cavendish, nos anos 2000, internado por engano em asilo de velhos. Um salto no futuro acompanha a tomada de consciência de Somni-451, uma clone engendrada para o trabalho em um futuro dominado pelo totalitarismo corporativista na Ásia. E, finalmente, alcança-se a história de Zachry, que vive nas ilhas do Pacífico mas séculos depois do início do livro, assistindo ao ocaso da civilização humana após um holocausto nuclear.

A engenhosidade com que o autor orquestra a coisa toda é digna de admiração. Cada seção apresenta um tom diferente, flertando com gêneros consagrados: a novela de viagem, o romance clássico europeu, o policial, a sátira inglesa, a distopia tecnológica, a distopia pós-apocalípitica. Como cinco dos protagonistas narram em primeira pessoa, também a linguagem se transforma (e o tradutor cumpre com louvor o desafio de aliar variedade e inventividade na transposição).

Mas a beleza do conjunto está em seu nível mais básico. Como cada história se transforma em uma narrativa acompanhada de algum modo pelo personagem da seguinte, Atlas de nuvens é um jogo literário em que uma certa chama, talvez a própria arte, persiste e se modifica à medida que o homem chafurda em suas pulsões de violência e dominação. Mesmo com o aceno de que o fim será triste para todos nós, uma “pulguinha de esperança” persiste. E, como Zachry ouve em um momento crucial de sua história: “num é fácil acabar com as pulga não”.

Cujo, Best Seller de Stephen King começa a ganhar vida

0

cujo-movie-poster-9244414

Um dos clássicos de King terá uma nova versão disponibilizada no Brasil pela Suma de Letras

Publicado no Vavel

Um dos clássicos de Stephen King terá uma nova versão lançada no Brasil nos próximos meses. Cujo, livro que ganhou vida em 1981, e teve um filme em 1983, narra o drama vivido por Donna Trenton e seu filho dentro de um Ford Pinto, tentando escapar de Cujo, um São Bernardo que começa a matar as pessoas após ser mordido por um Morcego.

O Filme ficou na 58º posição dos 100 filmes mais assustadores de acordo com a revista Bravo. A editora Suma de Letras já tinha anunciado em janeiro que trabalhava no livro. Como a equipe estava envolvida com a divulgação de Mr. Mercedes e a produção de Achados e Perdidos, notícias sobre Cujo estavam escassas. Nesta quinta (11) uma singela atualização apareceu no Instagran da editora. Não existe data para lançamento.

Além de Cujo, A Incendiária está nos planos da editora também The Bazaar of Bad Dreams.

Go to Top