BK30 LARGO DO AROUCHE

Posts tagged Cinthia

Concurso Cultural Literário (23)

49

um pouco além do resto

Um pouco além do resto é um livro de crônicas que falam de amizade, relacionamentos, dúvidas, escolhas, sentimentos e dos conflitos internos pelos quais todos passamos na vida. Expressam, no texto bem-humorado, fluído e por vezes ácido de Clarissa Corrêa, o que vivemos diariamente para buscar ser felizes. Clarissa consegue exprimir com palavras simples, e até engraçadas, o quanto complicamos a felicidade, e o como poderia ser mais simples viver bem. Ela põe em palavras o que sentimos, expressando brilhantemente muito do que não conseguimos – ou não temos coragem de – dizer.

Vamos sortear 3 exemplares de “Um pouco além do resto“.

Para participar, é só responder: O que faz você feliz? Use no máximo 3 linhas.

O resultado será divulgado no dia 22/10 às 17h30 neste post e também no  perfil do Twitter @livrosepessoas.

Boa sorte! 🙂

***

Parabéns aos ganhadores: Cinthia, Milena e José.

Por gentileza enviar seus dados completos para livrosepessoas@gmail.com em até 48 horas.

 

Um em cada 11 estudantes falta à escola por medo de violência

0

Entre 109 mil alunos do 9ª ano do ensino fundamental ouvidos pelo IBGE, 8,8% deixaram de ir a pelo menos uma aula nos 30 dias anteriores à pesquisa

Cinthia Rodrigues, no Último Segundo

A violência no trajeto ou dentro da escola afasta estudantes das redes pública e particular. A informação está entre os dados da segunda edição da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense) realizada em 2012 por IBGE, e ministérios da Saúde e da Educação e divulgada nesta quarta-feira. Em consulta a 109 mil alunos de 3 mil escolas, 8,8% disseram que deixaram de ir à aula ao menos uma vez nos últimos 30 dias por não se sentirem seguros.

Guilherme Lara Campos/Fotoarena

Guilherme Lara Campos/Fotoarena

Escolas públicas no Brasil já são fechadas com grades e cadeados

O porcentual é ainda maior quando observados apenas os alunos de escolas públicas (9,5%) e cai entre os de escolas privadas (5,0%). A proporção de alunos que deixaram de ir à escola por terem medo de violência dentro do ambiente foi de 8,0%. A região Sudeste é onde há mais insegurança, com 9,9% dos estudantes tendo faltado por insegurança e 8,8% por medo de algo que possa ocorrer dentro das escolas.

A pesquisa também perguntou aos estudantes se eles haviam se envolvido em brigas com armas brancas nos últimos 30 dias e 7,3% disseram que sim. Entre os meninos, o porcentual é de 10,1%. Neste tópico, a região Centro-Oeste foi a que teve maior porcentual de envolvidos em geral, com 8,4%.

Armas de fogo
Também é alto o número de estudantes que já estiveram envolvidos em brigas com arma de fogo. Segundo a pesquisa, 6,4% dos escolares, sendo também mais frequente em alunos do sexo masculino (8,8%), do que no sexo feminino (4,3%) já tiveram algum envolvimento em conflitos em que alguém estava armado.

Observaram-se diferenças entre as esferas administrativas das escolas, sendo 6,7% para estudantes de escola pública e 4,9% de escolas privadas. A região Centro-Oeste também registrou a maior proporção de estudantes que participou de brigas em que havia arma de fogo, 8,0%.

Também foi questionado quanto se sentiram vítimas de bullying pelos colegas. Do total, 7,2% afirmaram que sempre ou quase sempre se sentiram humilhados por provocações. Neste caso, a proporção foi maior entre as escolas privadas, 7,9%, do que entre as públicas, 7,1%.

O número dos que praticam bullying é o triplo. Questionados se nos últimos dias haviam feito ações como esculachar, zoar, mangar, intimidar ou caçoar dos colegas, 20,8% disseram que sim.

dica do Rogério Da Hora Moreira

Escola tem biblioteca e laboratório de informática fechados para alunos

1

Estudantes reclamam que computadores foram trocados e novos livros chegam, mas entrada não é permitida por falta de profissional responsável em unidade em São Paulo

Cinthia Rodrigues, no IG

A escola estadual Aristides de Castro, no Itaim Bibi, bairro nobre de São Paulo, tem sala de leitura e laboratório de informática, mas alunos que estudam no local há quatro anos reclamam que nunca frequentam os ambientes. Apesar de bem equipadas, as salas estão proibidas aos estudantes porque não há um profissional responsável pelo local.

De acordo com os estudantes, novos computadores chegaram a unidade que, segundo dados informados pela Secretaria Estadual de Educação ao Censo Escolar em 2012, já contava com laboratório de informática com internet banda larga de 10 megas. “A gente voltou a perguntar e os professores dizem que a diretora já mandou mil pedidos para o governo e nenhum foi atendido em anos”, diz Suzane Melo, de 14 anos (de agasalho no vídeo ao lado da amiga Luana Costa, 13 anos).

Ela está no 9º ano (antiga 8ª série), estuda ali há 4 anos e acha que vai se formar no ensino fundamental e deixar a escola sem nunca ter usado os equipamentos. “A biblioteca é a mesma coisa. Todo ano chegam vários livros, fica tudo novinho lá parado”, lamenta. Segundo ela, os professores se mostram preocupados com o aprendizado e muitos trazem material próprio de casa. “É uma escola boa por eles, mas a própria professora diz que em 10 anos que está aqui nunca viu usarem o laboratório.”

O colega Rodrigo Ramos, 14 anos, mora em Paraisópolis, mas em vez das escolas do próprio bairro perde cerca de uma hora e meia de ônibus escolar diariamente para ir até a Aristides de Castro. “Minha mãe fez questão de procurar uma escola melhor. Pelo menos, os professores não faltam, mas tem muitos problemas. Mesmo coisas que estão lá, não estão disponíveis para usar”, reclama.

Todas as escolas com computador

Dados do Censo Escolar mostram que as escolas públicas já têm mais computadores do que a rede particular . Pesquisa do Comitê Gestor da Internet no Brasil de 2010 realizada em 497 instituições de ensino em regiões urbanas do Brasil já mostrava que 100% das unidades têm computador. A consulta informava que a falta de uso estaria ligada ao pouco conhecimento sobre tecnologia dos educadores. Para os alunos da Aristides, no entanto, é a burocracia que atrapalha. “Nossos professores chegam a recomendar e mesmo orientar o uso de computador para pesquisa fora da escola, mas eles dizem que o laboratório daqui precisa de um responsável”, lamenta Suzane.

Às 16h45, a Secretaria de Educação enviou a seguinte nota: “A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informa que encaminhará uma equipe de supervisores para averiguar a situação da Escola Estadual Aristides de Castro apontada pela reportagem para que sejam adotadas as providências cabíveis”

Go to Top