Praças da Cidade

Posts tagged editora

Darkside lança livros de Lovecraft para todas as idades

0

collagelovecraft

Publicado no Literatura Policial

LANÇAMENTOS DA CAVEIRA – Para comemorar o aniversário de 5 anos da editora, a DarkSide® Books preparou edições especiais caprichadas com HP Lovecraft, um dos escritores que mais revolucionou o gênero de terror na história.

Em H.P. Lovecraft: Medo Clássico Vol. 1 – Miskatonic Edition e H.P. Lovecraft: Medo Clássico Vol. 1 – Cosmic Edition, o leitor encontrará uma seleção especial de contos e novelas do autor que revolucionou o terror e a ficção científica no século XX.

Os livros vêm com capa dura e nova tradução com notas comentadas de Ramon Mapa, grande estudioso da obra, dialogando com as ilustrações de Walter Pax. A obra também conta com uma seleção de cartas e documentos coletados pelo historiador Clemente Penna na Brown University especialmente para esta edição. A DarkSide Books preparou duas opções em capa dura para esta edição, a Miskatonic Edition e a Cosmic Edition. O texto das edições é o mesmo.

Segundo a editora, a “Miskatonic Edition” é uma obra-prima para sua biblioteca, inspirada na universidade que o escritor criou em seus contos. Já a “Cosmic Edition” é uma viagem ao recantos mais alucinados da mente de Lovecraft, mesclando loucura e realidade.

A Darkside aproveita para lançar também o primeiro livro da Caveirinha, a linha infantil da editora. O título é O fantástico alfabeto Lovecraft, livro idealizado pelo ilustrador Greg Murphy e pelo escritor Jason Ciaramella, que explora toda a mitologia de Lovecraft de A a Z para que os pequenos possam dar seus primeiros passos com o verdadeiro professor do fantástico.

Os títulos estão em pré-venda e serão lançados em dezembro. Garanta o seu exemplar na pré-venda pela Amazon clicando na capa escolhida!

Livro infantil diz que seios servem para tornar meninas “atraentes”

0
img_797x448$2017_08_29_20_55_56_251181

Foto: Getty Images

 

Editora britânica viu-se obrigada a pedir desculpa pela linguagem utilizada no livro “Growing Up for Boys”, após várias críticas nas redes sociais

Diogo Barreto no Sabado

Não é apenas em Portugal que os livros para crianças têm causado polêmicas na esfera das redes sociais. A editora Usborne viu-se obrigada a pedir desculpa, depois de ter colocado no livro infantil dirigido a rapazes que uma das funções dos seios é fazer as meninas “parecerem adultas e atraentes”.

A editora informou que vai rever o livro Growing Up for Boys, depois de terem surgido várias críticas nas redes sociais e na zona de comentários e avaliações da Amazon.

Growing Up for Boys, assinado por Alex Frith, foi publicado em 2013 e na descrição da Usborne pode ler-se que é “um livro franco e amigo que oferece conselhos a rapazes sobre o que esperar da puberdade e como permanecer feliz e confiante enquanto passam por mudanças físicas, psicológicas e emocionais”. Entre os temas abordados estão as “mudanças de humor e sentimentos, o que acontece com as meninas, dietas, exercícios, imagem corporal, sexo e relações, autoconfiança, álcool e drogas”, explica o The Guardian.

img_797x448$2017_08_29_20_38_11_251180.jpg

No passado dia 27, o escritor e blogger Simon Ragoonanan chamou a atenção para a edição quando publicou no Twitter uma imagem do livro onde se podia ler: “As meninas têm seios para duas razões – alimentar bebês e parecerem adultas e atraentes”.

Em declarações ao jornal britânico, Ragnoonanan criticou a editora afirmando que a Usborne promove estereótipos de gênero entre as crianças. Entretanto, o livro foi também alvo de críticas na Amazon, onde recebeu diversas avaliações de uma estrela, apelidando os livros de serem sexistas.

Claire Nicholls, professora, explicou que “a falsa equivalência entre ter seios desenvolvidos e ser atraente e adulta” é também um problema, já que há meninas de 13 anos com um peito grande. “Descrever essas crianças como ‘adultas e atraentes’ infantiliza uma adulta com peitos mais pequenos”, afirmou.

Há três anos a mesma editora tinha sido criticada por publicar livros de atividades azuis, para rapazes, e cor-de-rosas, para e raparigas.

Morre editora americana que resgatou o ‘Diário de Anne Frank’

0
Escritora Judith Jones, conhecida por ter resgatado o diário de Anne Frank de uma pilha de livros descartados (Facebook/Reprodução)

Escritora Judith Jones, conhecida por ter resgatado o diário de Anne Frank de uma pilha de livros descartados (Facebook/Reprodução)

 

Judith Jones retirou diário de Anne Frank de uma pilha de material rejeitado, em Paris

Publicado na Veja

Judith Jones, a lendária editora que resgatou o diário de Anne Frank de uma pilha de material rejeitado, em Paris, morreu nesta quarta-feira aos 93 anos. Judith Jones, que trabalhou para o Grupo Editorial Knopf Doubleday por mais de meio século, até 2011, faleceu em sua casa em Vermont, anunciou a editora. “É com muita tristeza que compartilho a notícia de que a editora da Knopf de longa data — Judith Jones — faleceu”, disse Sonny Mehta, diretor e editor-chefe da empresa. “Judith era uma lenda na indústria editorial. Quando jovem assistente, resgatou o Diário de Anne Frank de uma pilha em Paris.”

O diário de Anne Frank foi publicado na Holanda em 1947, seguido por edições em francês e alemão em 1950, antes de sair em inglês na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, em 1952. A primeira edição do livro nos Estados Unidos foi modesta, com 5.000 cópias, e tinha um prefácio da ex-primeira-dama Eleanor Roosevelt.

Judith Jones também convenceu Alfred Knopf a publicar o livro da chef Julia Child Dominando a Arte da Culinária Francesa, de 1961, um grande volume que introduziu a cozinha francesa a gerações de americanos.

“Não é exagero dizer que (Jones) influenciou profundamente não apenas a forma como os Estados Unidos leem, mas a maneira como cozinham”, disse Sonny Mehta.

Judith Jones manteve também uma colaboração próxima com escritores como John Updike, Anne Tyler, William Maxwell, John Hersey, Peter Taylor e Sharon Olds. Seus autores ganharam cinco prêmios Pulitzer, cinco National Book Awards e três National Book Critics Circle Awards, e seus autores de livros de culinária venceram dezenas de prêmios, indicou a editora.

(Com agência France-Presse)

Família de jovem desaparecido no Acre fecha acordo com editora para publicação de livros

0
Foto: Reprodução / Facebook

Foto: Reprodução / Facebook

Polícia Civil do Estado tem “fortes indícios” de que caso seja jogada de marketing

Publicado no Zero Hora

A família do estudante Bruno Borges, de 25 anos, desaparecido desde o dia 27 de março, fechou acordo com uma editora para a publicação dos livros criptografados deixados pelo jovem. Ao G1, o empresário Athos Borges, pai do estudante, disse que a data de lançamento ficará a critério da empresa, que não foi divulgada.

Ao site, Athos disse que versões em e-book e livro físico serão lançadas ao mesmo tempo, mas que outros detalhes ficam por conta da editora:

– Dependemos da editora que comprou os direitos. Vai ser feito da maneira dela, ela vai decidir como vai ser o lançamento.

Depois do desaparecimento de Borges, foram encontrados 14 livros escritos à mão, alguns nas paredes e no chão do quarto, além de uma estátua de 2 metros do filósofo Giordano Bruno (1548 – 1560). Os textos, que receberam o título de Teoria de Absorção de Conhecimentos, trata de técnicas para potencializar a absorção e criação de conhecimentos.

No final de maio, a Polícia Civil do Acre disse ter encontrado “fortes indícios” de que o desaparecimento do jovem tenha ocorrido para impulsionar a divulgação dos livros. O departamento de inteligência afirmou que, no mesmo dia em que o rapaz desapareceu, um contrato falando de faturamento das obras foi registrado em Rio Branco.

Também em maio, Marcelo Ferreira, 25 anos, amigo do estudante, foi preso por prestar falso testemunho à Polícia Civil. Na casa do detido, foram encontrados contratos em que Bruno destina parte da venda de livros a Marcelo e a outras duas pessoas. Móveis de Bruno foram encontrados na casa de Mário Gaiote, outro amigo do desaparecido. No entendimento da polícia, o crime é caracterizado pela omissão dessa informação em depoimento.

Brian Murray, CEO da HarperCollins, defende livrarias independentes e aposta no Brasil

0
SC São Paulo ( SP ) , 29/03/2017 , Entrevista com o CEO da HarperCollins mundial, Brian Murray. Foto: Edilson Dantas / Agencia O Globo - Edilson Dantas / Edilson Dantas

SC São Paulo ( SP ) , 29/03/2017 , Entrevista com o CEO da HarperCollins mundial, Brian Murray. Foto: Edilson Dantas / Agencia O Globo – Edilson Dantas / Edilson Dantas

 

Grupo editorial, que comemora 200 anos, assume de vez sua operação no país

Leonardo Cazes, em O Globo

SÃO PAULO – O anúncio surpreendeu no início do ano: a gigante anglo-americana HarperCollins ia assumir integralmente a sua operação brasileira, antes uma joint-venture com o Grupo Ediouro. No ano em que completa dois séculos, o grupo entra de vez no mercado brasileiro. Em entrevista ao GLOBO, em São Paulo, o CEO global Brian Murray diz ver boas perspectivas para o país no longo prazo, comenta a relação difícil com a Amazon, analisa a desaceleração da venda de e-books e comemora o renascimento das pequenas livrarias.

Por que a HarperCollins decidiu investir no Brasil agora, com o país em crise?

Nos nossos primeiros 200 anos, fomos basicamente uma editora de língua inglesa. Com as aquisições da Thomas Nelson, de livros cristãos, e da Harlequin, cujo foco é na ficção para o público feminino, ganhamos escala global, e queremos crescer em países que falam outras línguas. Nossa estratégia é identificar as oportunidades. O Brasil é muito atraente, único de muitas maneiras. É um mercado muito forte em publicações cristãs e também em rápido crescimento. É claro que tem seus altos e baixos, mas, no longo prazo, acreditamos que o Brasil possa ser um dos nossos maiores mercados. Sermos 100% donos da empresa aqui permite que façamos investimentos na nossa estratégia de longo prazo mais facilmente. Vejo um grande futuro para o mercado editorial brasileiro nas décadas vindouras.

Quais os perfis de livros e autores que vocês pretendem publicar no Brasil?

Vamos publicar livros de origens muito diferentes. Alguns virão das nossas operações nos Estados Unidos e no Reino Unido, mas também podem ser de outros países. Nós temos editores em todo o mundo e compartilhamos os nossos projetos em andamento. Podemos publicar também autores cujos direitos são negociados país a país. E é claro que vamos investir em autores brasileiros. Esse é um componente chave da nossa estratégia.

Há alguns anos, as editoras tiveram embates com a Amazon. Como está hoje a relação não só com a Amazon, mas com Apple e Google?

Costumo dizer que essas empresas são nossas amigas e inimigas ao mesmo tempo. Temos uma relação complexa. Elas são muito importantes para nós e os nossos autores. Trabalhamos bem com elas, procuramos áreas onde concordamos e podemos crescer juntos, mas há outras em que temos nossas discórdias. Essa é a maneira como o negócio é hoje. Fazemos o máximo onde concordamos, e concordamos em discordar no resto.

No mundo, as vendas de e-books estão estagnadas. Houve uma euforia exagerada?

Cinco anos atrás, os e-books estavam crescendo muito, muito rápido. E ninguém sabia onde esse crescimento ia parar. Houve mudanças no modelo de negócio dos livros digitais, com menos descontos, e as vendas estabilizaram. Nos Estados Unidos e no Reino Unido, teremos um crescimento modesto dos e-books. Mas nós vemos um crescimento forte dos audiolivros. Acho que é porque todo mundo está acostumado a ouvir música no celular. Provavelmente surgirão novos serviços de streaming de livros no próximo ano. Hoje, vejo um equilíbrio entre o consumo de livros impressos e digitais. O equilíbrio é bom porque permite aos livreiros terem confiança nos seus negócios.

As livrarias independentes vêm registrando um crescimento no mercado americano.

Sim, nos últimos três anos. Esse é um ótimo sinal. A Amazon está planejando abrir uma livraria também, então deve ser um bom negócio (risos). O investimento em pequenas livrarias é muito saudável. Esses vendedores podem ser pequenos, num plano geral, mas eles têm muita influência porque escolhem e vendem pessoalmente os livros aos seus consumidores. Eles promovem essa incrível divulgação boca a boca. Queremos ter mais disso. Menos algoritmos e mais pessoas vendendo livros seria bom para nós.

A autopublicação é um fenômeno que vem crescendo. É uma ameaça?

A autopublicação é uma grande oportunidade para inspirar autores. Nós assinamos com muitos escritores que começaram nas plataformas de autopublicação e formaram um público. Se vemos um público e acreditamos que podemos ajudar, vamos fazer uma oferta. A autopublicação também é boa para os editores porque podemos identificar novos talentos. Ao invés do velho mundo, onde a gente recebia um original que ninguém leu antes, nas plataformas você pode testar seus textos com os leitores.

O consumo digital gera uma enorme quantidade de dados, cada vez mais explorados por serviços de streaming. Essa tendência vai chegar à indústria do livro?

Eu uso muito esses dados para auxiliar a tomada de decisões. Hoje temos mais dados para análise do que jamais tivemos. Mas os dados nunca vão tomar a decisão de publicar ou não um livro para você. Eu fico mais confortável em tomar essa decisão com mais informações sobre mercado, consumidor, vendas de livros semelhantes. Mas publicar ou não um original sempre será uma decisão instintiva. Esse é um autor em que nós acreditamos, essa é uma história em que nós acreditamos, vamos publicar.

Você comanda um grupo que comemora 200 anos. Como sobreviver por mais 200?

Inovação, criatividade, bons autores e bons profissionais. Histórias são contadas desde muito antes de a HarperCollins ser criada. A forma pode mudar, vieram o áudio, o vídeo. Mas o texto sempre vai permanecer. O modelo de negócios também pode mudar, a distribuição pode mudar. Cabe a nós mudar junto com o tempo.

*Leonardo Cazes viajou a convite da HarperCollins Brasil

Go to Top