Praças da Cidade

Posts tagged escritor

C.S. Lewis: conheça a história do autor de ‘As Crônicas de Nárnia’

0
Os irmãos Lúcia, Susana, Pedro e Edmundo com o leão Aslam (Foto: Divulgação)

Os irmãos Lúcia, Susana, Pedro e Edmundo com o leão Aslam (Foto: Divulgação)

Isabela Moreira, na Galileu

Há 67 anos, a pequena Lúcia se escondia em um guarda-roupa durante um jogo de esconde-esconde contra os irmãos. Entre jaquetas e casacos, ela acabou encontrando um novo mundo: trata-se de Nárnia, uma terra onde animais falam, um leão é a autoridade máxima e crianças humanas têm o poder de mudar a história.

O clássico faz parte da coleção As Crônicas de Nárnia, escrita pelo britânico C.S. Lewis. Foi a partir de uma adaptação animada da história, lançada em 1979, que a pesquisadora brasileira Gabriele Greggersen conheceu o trabalho do autor: “O desenho passava na época do Natal e tinha elementos que me deixavam emocionada”.

Mal sabia ela que aquele seria o início de uma parceria que levaria para o resto da vida. Mestre e doutora em História e Filosofia da Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, a pesquisadora dedicou os últimos 30 anos ao estudo e análise das obras do autor. Considerada a principal especialista em Lewis no Brasil, Greggersen recentemente traduziu cinco livros dele que estão sendo relançandos no Brasil pela editora Thomas Nelson: Cristianismo Puro e Simples, A Abolição do Homem, O Peso da Glória, Os Quatro Amores e Cartas de Um Diabo.

Conversamos com Greggersen sobre o papel da religião na obra de C.S. Lewis e a forma que As Crônicas de Nárnia impactou seus leitores. Confira abaixo:

O cristianismo é uma parte muito importante da vida e da obra dele. Há algumas obras dele, como as de fantasia, em que isso não fica tão claro. Qual foi o papel da religião na obra dele?
Entendo que ele não tinha intenção de fazer proselitismo. Encaro a forma de ele tratar a religião na obra não religiosa como um reflexo natural, porque um autor quando escreve expõe seu mundo interior. Nas entrelinhas, aparecem valores do cristianismo, principalmente questões como amor ao próximo, amizade, busca pela paz, justiça e a igualdade. Nos livros de fantasia não há uma necessidade obrigatória de ler a religião, tanto que há pessoas que não fazem associação com religião nenhuma. Para mim, as obras de fantasia dele não são religiosas: são escritas como clássicos que são respeitados no mundo todo e que têm um conteúdo implícito cristão, isso porque um autor não consegue desligar a crença dele na hora de escrever. O objetivo não era veicular nenhum valor cristão subliminarmente, mas de expressar seu tema interior.

Qual é a importância desses livros que estão ganhando novas edições no Brasil para o conjunto das obras do C.S. Lewis?
A editora foi bem feliz na escolha das obras, porque são, nas recomendações que se fazem sobre a ordem de leitura do Lewis, as primeiras que devem ser lidas. Por exemplo, Cristianismo Puro e Simples é a Bíblia do Lewis, ele trata de várias questões que depois serão tratadas em outros livros. O mesmo se aplica a O Peso da Glória, que são sermões que ele dá abordando questões que depois o inspiraram a escrever outros livros. Já em A Abolição do Homem, vemos o lado educador do Lewis porque nele, o autor trata de educação e ética.

C.S. Lewis (Foto: Wikimedia Commons)

C.S. Lewis (Foto: Wikimedia Commons)

Qual seria a ordem correta para começar a ler Lewis?
Para quem tem uma mente mais sistemática, sugiro O Cristianismo Puro e Simples, mas para quem é mais imaginativo, e não necessariamente quer ficar filosofando, sugiro começar por As Crônicas de Nárnia.

Como foi a experiência de traduzir algumas obras do autor?
Foi um privilégio. Para mim, mais fácil que para outros, pois conheço o autor e as obras todas. A maioria dos tradutores não tem esse estudo todo do autor nem de todas as obras. Ao mesmo tempo, tive uma dificuldade que foi de ficar muito emocionada e envolvida querendo refletir e pensar e fazer novas teses. Mas foi um processo bastante prazeroso.

Uma das palestras que você dá é voltada para os significados éticos e existenciais dentro de As Crônicas de Nárnia. Pode falar sobre o assunto?
É interessante ler As Crônicas em paralelo com Cristianismo Puro e Simples, em que ele fala mais claramente da ética. Lewis fala também em A Abolição do Homem, sobre o tal, que são os valores que ele considera universais na humanidade, que não se aplicam só ao cristianismo, independente da época ou da cultura. Quais valores? Os clássicos da ética aristotélica, por exemplo, que são as virtudes cardeais, que tem a justiça, a temperança, a prudência e a moderação. Esses valores aparecem em várias cenas de As Crônicas: quando as crianças, por exemplo, decidem dar a liderança à Lúcia, apesar de ela ser a mais nova, eles foram prudentes, pois sabiam que a Lúcia conhecia o lugar e que poderia ser uma guia melhor do que o irmão mais velho. E eles também foram humildes nessa hora de reconhecer que uma criança mais nova poderia ter liderança. Tem muitas cenas que mostram coragem, justiça, sabedoria, esses valores transparecem nas cenas de ação, nos diálogos, nas atitudes que as crianças assumem durante o desenrolar da história.

O quarteto Pevensie chegando em Nárnia no filme 'As Crônicas de Nárnia', de 2005 (Foto: Divulgação)

O quarteto Pevensie chegando em Nárnia no filme ‘As Crônicas de Nárnia’, de 2005 (Foto: Divulgação)

Qual das crônicas é a sua favorita?
Sou suspeita para falar porque a minha tese foi sobre “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa”. Acho que ela é a chave para entender. Tanto que re-editei o livro da minha tese como “O Leão, a Feiticeira, o Guarda-Roupa e a Bíblia”, pela editora Prisma. Mas gosto muito também de “A Cadeira de Prata”, a próxima crônica que será lançada em filme, porque a Jill recebe uma missão toda especial de resgate do mundo. Essa ideia de que temos uma missão e que existe algo a ser resgatado é uma da qual eu gosto muito. Também tem muita aventura e ação, o resgate do príncipe, que está iludido por uma feiticeira, é toda uma trama da qual eu gosto bastante.

A minha crônica favorita é a primeira, “O Sobrinho do Mago”. Acho bem emocionante a imagem do Aslam cantando e criando um novo mundo.
É que cada crônica conversa com a história de vida de cada um. Elas são bastante abrangentes e tentam apelar para estilos de pessoas diferentes. Tanto que há estudos que até comparam as crônicas com planetas diferentes do Sistema Solar — e dá também para fazer um perfil de personalidade relacionado com cada crônica. Cada uma delas apela para um tipo de pessoa diferente.

Um dos outros tópicos que você aborda nos seus estudos é o Caspian como o “herói narniano”. O que isso significa?
Na verdade, ele como herói de Nárnia foi um trabalho de Hollywood, que gosta de heróis e anti-heróis. Acho que foi mais uma coisa da produção cinematográfica de colocá-lo em destaque do que propriamente a intenção do Lewis. O herói do Lewis é, na verdade, mais parecido com o do Tolkien — que trabalha com o hobbit, o ser mais desprezível do mundo da Terra Média, baixinho, que não gosta de aventuras, meio medroso —, uma figura bizarra que não tem nada a ver com os super-heróis da Marvel. Mas acontece que a figura do herói é universal e tem apelo, tanto que o livro do Caspian é o que mais vende entre os meninos. É uma coisa meio humana de querer ver o herói e escolher um salvador. Nesse sentido que o Lewis trabalha a ideia do salvador. Mas a grande salvadora das crônicas todas, para mim, é a Lúcia.

Pedro e o Príncipe Caspian (Foto: Divulgação)

Pedro e o Príncipe Caspian (Foto: Divulgação)

Por quê?
Primeiro que ela é uma das que mais aparece nas histórias. A Susana sai no começo, o Pedro também fica logo muito velho para participar. A Lúcia também tem um papel importante, até mesmo em “O Príncipe Caspian”, é ela quem tem as visões. Ela tem uma intimidade maior com o Aslam. Essa é uma ideia muito cristã: os grandes santos são os que tiveram mais proximidade com Deus e visões mais aproximadas da divindade. Entre os personagens de Nárnia, a Lúcia é a que mais representa essa ideia do herói santo.

Acervo de Lima Barreto vira ‘memória do mundo’ da Unesco

0
Lima Barreto - Arquivo

Lima Barreto – Arquivo

 

Páginas reúnem dissabores, angústias, inquietações e reflexões do escritor

Daniel Salgado, em O Globo

RIO — No dia 3 de janeiro de 1905, Lima Barreto escreveu, em seu diário: “Resolvi fazer dessa nota uma página íntima, tanto mais íntima que é de mim para mim, do Afonso de vinte e três anos para o Afonso de trinta, de quarenta, de cinquenta anos”.

Morto aos 42 anos (em 1922), o escritor não pôde rever, aos 50, as páginas íntimas em que despejava dissabores, angústias, inquietações e reflexões sobre seu cotidiano no Rio de Janeiro. Mas elas foram preservadas, e fazem parte, com outros 1.100 documentos, aproximadamente, do Arquivo Lima Barreto, da Divisão de Manuscritos da Biblioteca Nacional. Todos eles integram, a partir deste mês, o Programa Memória do Mundo, da Unesco.

Não é a primeira vez que o título é concedido a um acervo da Biblioteca Nacional, mas trata-se de uma conquista importante num ano em que o autor de “Triste fim de Policarpo Quaresma” tem merecido destaque — foi o homenageado da 15ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty. Ainda que não ofereça aportes financeiros diretos, o projeto ajuda na divulgação dos arquivos contemplados.

— Esse título dá mais visibilidade ao acervo, muitas vezes ajudando a trazer patrocínios. Também podemos usar o selo Memória do Mundo para publicações futuras desse material — diz Ana Lucia Merege, da Divisão de Manuscritos da biblioteca e responsável pelo processo de inscrição no edital do órgão das Nações Unidas. Segundo ela, é um espaço importante de reconhecimento do valor do material preservado.

Publicidade

— Temos os originais literários dele e os diários. E também anotações sobre literatura e correspondência com nomes importantes da época, como Monteiro Lobato, que foi editor de Lima, e Olavo Bilac. Trata-se de uma obra que abordou importantes questões sociais e culturais. Traça um panorama do Rio e do país na virada do século — avalia ela.

O Arquivo Lima Barreto inclui ainda recortes de jornais e material relativo à publicação de livros (contratos, recibos, faturas…), além de documentos pessoais. Todos os itens estão sendo digitalizados pela Biblioteca Nacional, que prevê submeter à Unesco outros acervos sob sua guarda.

— É possível propor parcerias quando não é todo o material que está aqui. Poderíamos fazer isso no caso de Carolina de Jesus — explica ela, referindo-se aos originais e outros documentos da autora de “Quarto de despejo”, depositados em mais de uma instituição.

Obras de Marcel Proust, autor de ‘Em busca do tempo perdido’, serão digitalizadas

0

Mais de seis mil cartas escritas ou recebidas pelo escritor francês Marcel Proust serão disponibilizadas on-line gratuitamente

Publicado no UAI

(foto: Acervo)

(foto: Acervo)

Digitalizar e disponibilizar on-line, gratuitamente, cerca de 6 mil cartas escritas ou recebidas pelo escritor francês Marcel Proust. O projeto, previsto para 2018, é das universidades de Illinois, nos Estados Unidos, e de Grenoble, na França.

A relação entre o autor de Em busca do tempo perdido e a instituição norte-americana se dá por meio do professor Philip Kolb. Graças a ele, está publicada toda a correspondência conhecida e acessível de Proust – cerca de 5,3 mil cartas, divididas em 21 volumes. Outras centenas já foram identificadas.

O volume das correspondências do autor francês é gigantesco. Soma 20 mil documentos, de acordo com Philip Kolb. Porém, a maioria foi destruída ou extraviada. A Universidade de Illinois já comprou 1,2 mil cartas e continuará adquirindo o material enquanto o orçamento permitir, informam o professor François Proulx e a bibliotecária Caroline Szylowicz, responsável pela coleção.

Cartas e documentos de Proust, considerado o escritor francês mais importante do século 20, são regularmente leiloados em pregões que chegam a arrecadar dezenas de milhares de euros.

Nas próximas semanas, a Universidade de Illinois iniciará a digitalização do acervo em parceria com a França, por meio da Universidade de Grenoble, do Instituto de Textos e Manuscritos Modernos e da Biblioteca Nacional.

O projeto começará pelas 200 cartas relacionadas à Primeira Guerra Mundial, cuja disponibilização on-line está prevista para novembro de 2018.

“Não estávamos muito convencidos de que as cartas da juventude fossem as mais interessantes para iniciar o programa”, diz Caroline Szylowicz, referindo-se à primeira fase do projeto. Devido à saúde frágil, Marcel Proust não lutou na guerra, diferentemente de seu irmão mais novo, Robert. Do front, o caçula trocava cartas com o escritor.

O professor François Proulx explica que as cartas que serão disponibilizadas on-line virão acompanhadas de indicações. “Isso permite decifrar a escrita de Marcel Proust, que nem sempre é fácil de ler”, observa. O site também disponibilizará links para artigos da imprensa aos quais as missivas fazem referência. (AFP)

Stephen King lança livro com o filho caçula Owen

0

Thales de Menezes, na Folha de S.Paulo

“Minha mulher achou o manuscrito na lata de lixo. Leu e entregou de volta para mim. Pediu que eu não desistisse daquela história, porque era muito boa.”

O manuscrito era um esboço de “Carrie, a Estranha”, e quem conta o episódio é o escritor americano Stephen King, 70, que já vendeu mais de 400 milhões de livros no mundo. “Carrie” foi o primeiro que lançou, em 1974.

A importância de Tabitha Spruce na vida de King, com quem está casada há 46 anos, surgiu como assunto na conversa do escritor numa manhã nova-iorquina dedicada a encontrar jornalistas estrangeiros na sede da editora Simon & Schuster.

O escritor americano Stephen King

O escritor americano Stephen King

Mulheres foram assunto durante grande parte das respostas de King. Ele escreveu, com o filho caçula, Owen, 40, o livro “Belas Adormecidas”, que será lançado no Brasil no próximo dia 16.

“Um dia perguntei ao meu pai o que achava da ideia de um livro em que, num dia qualquer, todas as mulheres do mundo não acordassem. Eu queria que ele escrevesse, ele se recusou. Ficamos com a ideia nos rondando por um tempo e então veio a ideia de escrevermos juntos. Mas não tínhamos ainda personagens, era só uma ideia engraçada.”

Owen é interrompido por King, que fala, em tom brincalhão, que o filho está falando bobagens (“bullshit” é a palavra utilizada). Diz então que não é bem assim.

“Owen já tinha uma coisa bem mais formatada, que é a combinação da ideia das mulheres que não acordam com o cenário de uma prisão feminina”, explica o autor. De bom humor e ar jovial, King morde um palito de dente, algo que continuou fazendo durante a entrevista inteira –ele tinha alguns palitos no bolso de sua camisa.

MICROCOSMO

Como em praticamente todos os seus 56 romances e mais de 200 contos, a ação se passa numa cidadezinha. Esta se chama Dooling. “Pensamos também em colocar a prisão numa cidade pequena, porque o que aprendi na escola, nas aulas de literatura, é que um microcosmo reflete o macrocosmo. Você pode usar um lugar pequeno para falar de tudo”, justifica King.

Com a carreira bem-sucedida, agora marcada entre sua estreia com “Carrie”, livro sobre uma garota paranormal que sofre bullying, e as mulheres em apuros de “Belas Adormecidas”, King fala muito sobre a presença feminina em sua vida.

Ele foi criado pela mãe. Quando tinha dois anos, seu pai saiu para comprar cigarros e nunca mais voltou. King insiste que foi exatamente assim, sem inventar a situação que lembra piada recorrente.

Ela não queria que o menino ficasse estigmatizado como filho de mãe solteira. Então mandou que ele respondesse a quem perguntasse que o pai estava na Marinha.

“Minha mãe tinha cinco irmãs e todas estavam por perto o tempo todo. Quando comecei a publicar livros, vi que as mulheres eram aquelas que faziam as coisas acontecerem nas editoras. Encontrei grandes profissionais. Então sempre convivi bem com mulheres, me sinto confortável trabalhando com mulheres e escrevendo sobre elas.”

“Belas Adormecidas” mostra as mulheres pegando no sono e não despertando mais. Fios crescem rapidamente de seus cabelos e formam casulos em torno de suas cabeças. Os homens se revoltam com a situação, em desdobramentos violentos e desesperados.

A dupla de autores ri diante da pergunta: seria possível escrever um livro em que os homens caíssem no sono eterno e deixassem as mulheres sozinhas na Terra?

“Acho improvável”, responde Owen. King pega mais pesado: “Impossível. Vejo os homens agressivos, confrontadores. Veja Donald Trump e o ditador da Coreia do Norte. Uma briga louca de machos alfa. Se todos os homens dormissem, acho que as mulheres trabalhariam muito bem juntas. Não haveria confronto, não haveria história”.

VISITA AOS PRESÍDIOS

Owen visitou penitenciárias femininas. Segundo o pai, trouxe tristeza para a narrativa. “Ele esteve na prisão de New Hampshire. A biblioteca tinha todos os meus livros! Pobres mulheres!”, brinca.

A dupla pensou meses sobre as consequências que essa situação poderia render no enredo. No fim, eles optaram por contar apenas os primeiros dias após o surgimento da estranha condição das mulheres, sem ampliar a ação para fora de Dooling.

“E, como todas acabariam dormindo, pensamos no personagem masculino para amarrar a história, que é o psiquiatra da prisão, Clint”, conta Owen. “Mas ele não é um herói, um personagem que salva outros em várias situações durante a trama.”

King diz estar muito satisfeito com os personagens que inventaram. “Ele têm imperfeições, são realistas, ninguém é só bonzinho ou totalmente maldoso. O desafio, para mim, é lembrar sempre que cada personagem faz aquilo que acha certo, mesmo que para algumas pessoas ele esteja terrivelmente errado. Você precisa ficar ao lado de cada um deles.”

Com tantos personagens –o livro tem no começo uma lista de todos, para facilitar a leitura–, “Belas Adormecidas” poderia funcionar como uma série de TV. Owen revela que a ideia inicial chegou a ser um roteiro para uma, mas, quando os dois se uniram para o trabalho, a opção pelo livro foi mais sedutora.

Segundo os dois, o processo foi “pacífico” –palavra usada por Owen. Não houve brigas. “Foi como jogar tênis. Um passando a bola para o outro”, conta o pai.

Owen às vezes escrevia cerca de 30 páginas e perguntava ao pai para onde ele iria a partir daquele ponto.

“Já escrevi em parceria antes, até com meu filho mais velho, Joe Hill, mas isso foi totalmente diferente”, opina King. “Houve uma mistura…”

Owen interrompe o pai. “Sei que as pessoas podem ficar tentadas a ler o livro procurando saber quem escreveu cada parte, mas nem nós temos condições de dizer.”

King dá sua versão: “Eu penso que o livro foi escrito por uma terceira pessoa, que é a combinação de nós dois. O resultado é totalmente diferente do que cada um escreveria sozinho.

Depois de “Belas Adormecidas”, Stephen e Owen King pretendem repetir a experiência de escrever um romance em parceria.

“Eu quero, pode apostar”, diz Owen. “Foi tão estranho propor uma ideia ao meu pai e ele aceitar. Não é algo tão natural como as pessoas podem pensar.”

King defende que a relação entre os dois, durante o projeto, deixou de lado a ligação de pai e filho. “Tinha de fazer isso. Respeito Owen como escritor. Uma atitude paternalista nunca esteve na minha cabeça, em nenhum momento.”

Embora concorde com o pai e diga que realmente tiveram uma relação de colegas escritores, Owen afirma que há uma carga adicional nesse processo.

“Estou com 40 anos, escrevi outros livros e tenho minha família. Mas, por mais de um ano, conversamos sobre esse livro. Horas e horas de trabalho lado a lado. Quem é o filho que, na minha idade, consegue passar tanto tempo assim com o pai? Além do mais, ele é incrivelmente ocupado.”

A pergunta é inevitável: o que o pai ensinou ao filho sobre seu ofício de escritor?

“Escrever todos os dias. Ou pelo menos tentar. Ele me diz isso desde que eu era criança”, responde Owen. “Tento dedicar o máximo de tempo que eu posso a escrever.”

O próprio King afirma procurar seguir essa diretriz. Mas nem sempre ele consegue.

“Tento escrever todos os dias, mas você tem família e coisas chatas para fazer, como ir ao dentista, fazer reunião com advogados ou ser entrevistado por jornalistas estrangeiros”, diz, rindo.

Owen segue no assunto. “Pessoas acham que livros saem fácil. Eu vi minha mãe escrever das nove da manhã às cinco da tarde e, no resto do tempo, cuidar da casa, cuidar de nós. Claro que existem as histórias de sucesso na literatura, mas é inegável que o tempo que você precisa dedicar a isso é enorme.”

HERANÇA CRIATIVA

King pede a palavra. “Todos os meus filhos trabalham duro. Eles têm um pouco da minha imaginação, e da imaginação da mãe deles, que também é uma romancista. Cresceram nessa atmosfera, com livros por todo lado.”

Ele diz se lembrar da infância de Owen, numa época em que ele era o único garoto da turma que não via TV. A família morava afastada das antenas e não tinha sinal de TV, então o menino se voltava aos livros. E gibis. “Homem-Aranha, claro! Peter Parker ia a todos os lugares comigo!”

O dia a dia de King quando os filhos eram pequenos foi, segundo ele, “normal”.

“Apenas durante um curto período eu escrevi no porão, porque meu filho Joe tinha quatro anos e um dia pegou o estojo de lápis de cor e desenhou sobre boa parte de um de meus manuscritos.”

King então alugou um cômodo de uma vizinha, onde concluiu o texto de “O Iluminado”. “Mas quero dizer uma coisa”, pede. “Depois que passei a ter um escritório em casa, eu nunca fechei a porta. Meus filhos entravam ali sempre que queriam.”

Além de procurar tempo para escrever diariamente, King se ocupa com o Twitter e preserva o hábito de ler sempre algum livro, um em seguida ao outro.

“Mas não leio depressa, quero apreciar a história. Tenho sempre um livro comigo, gosto da companhia. Sabe que Owen gravou para mim em fitas cassete ‘Guerra e Paz’, de Leon Tolstói, para que eu escutasse no carro?”

“Sim, fiz isso com outros livros. Gravei ‘O Senhor dos Anéis’ para ele. Comecei aos oito anos. Sou bom nisso até hoje, acho tranquilo ler para o público trechos dos meus livros em lançamentos.”

Quanto ao Twitter, King se empolga. “Twitter é uma ferramenta poderosa para comprimir uma ideia. Todos os meus livros começam com um ideia clara, que fico remoendo muito tempo. Depois eu passo para os personagens, mas a ideia está decidida. Acho que todos os meus livros podem ser resumidos em um tuíte.”

O jornalista Thales de Menezes viajou a convite da editora Companhia das Letras

Conheça “Origem”, o novo livro do popular escritor Dan Brown

0
© PHTOGRAPHER GUIDO GUA' - all rights reserved

© PHTOGRAPHER GUIDO GUA’

A obra narra, novamente, a aventura de Robert Langdon, que vai usar seu talento para desvendar mistérios na Espanha

Paulo Lannes, no Metrópoles

Após quatro anos, o novo livro do escritor norte-americano Dan Brown será lançado em livrarias de todo mundo nesta terça-feira (3/10). “Origem” (Ed. Arqueiro, R$ 49,90) traz nova aventura de Robert Langdon em diversas cidades espanholas.

Após passar por Roma (Itália) em “Anjos e Demônios (2000); Paris (França) em “O Código da Vinci” (2003); Washington em “O Símbolo Perdido” (2009); e Florença (Itália) em “Inferno” (2013), o professor de simbologia e iconografia religiosa chega à Espanha, percorrendo pontos turísticos conhecidos, como o Mosteiro de Montserrat, a Casa Milà e a igreja Sagrada Família, em Barcelona; o Museu Guggenheim, em Bilbao; o Palácio Real de Madri; e a Catedral de Sevilha.

Divulgação

Divulgação

Trama
O quinto romance protagonizado por Robert Langdon começa após uma grande descoberta que promete “mudar definitivamente o papel da ciência”. O autor dessa experiência é o bilionário Edmond Kirsch, ex-aluno de Langdon. Depois de uma noite caótica e cheia de aventuras, essa revelação pode se perder para sempre.

Assim, Langdon tenta descobrir os segredos de Kirsch em sua experiência tecnológica e passa por diversos cenários ao fugir de seus inimigos. A trama também envolve uma série de fatos históricos ocultos e cenas de extremismo religioso.

Best-sellers
Os livros de Dan Brown são bastante populares. Somente “O Código Da Vinci” vendeu mais de 80 milhões de exemplares, virando filme estrelado por Tom Hanks em 2006. “Anjos e Demônios” (2009) e “Inferno” (2016) também foram adaptados para o cinema.

Em um comunicado, o escritor explicou a escolha do cenário para o novo livro: “Sempre considerei a Espanha uma terra de belos paradoxos, um lugar que possui uma rica tradição e história que não deixa de mirar o futuro inovando em ciência e tecnologia”.

Por tratar de temas como o criacionismo e a origem da humanidade, espera-se que haja uma “perseguição religiosa” por parte do Vaticano. Esse embate entre o escritor e a Igreja Católica ocorre desde o lançamento de “O Código da Vinci”, livro que entrou na lista de obras a serem boicotadas pelos cristãos de todo o mundo.

Go to Top