Praças da Cidade

Posts tagged escritores

Conan | Livros que inspiraram as HQs e os filmes serão lançados no Brasil

0

conanv-760x428

Cesar Gaglioni, no Jovem Nerd

A editora Pipoca & Nanquim anunciou que vai lançar no Brasil os livros de Conan, o Bárbaro. Escritas por Robert E. Howard na década de 30, essas histórias posteriormente serviram como base para as HQs e os filmes do personagem.

A saga do Bárbaro será dividida em três volumes por aqui, com as aventuras sendo publicadas em ordem cronológica de lançamento. Os livros trazem capa dura e ilustrações de nomes como Mark Schultz (Superman) e Gary Gianni (Príncipe Valente), além de capas assinadas por Frank Frazetta, um dos maiores ilustradores de fantasia e ficção científica.

conancapa

Howard criou Conan em 1932, na clássica revista Weird Tales, fundando o gênero “espada & feitiçaria”. Ele escreveu 28 aventuras com o Bárbaro. Sua obra influenciou escritores como J.R.R. Tolkien, George R.R. Martin e Bernard Cornwell. O lançamento do primeiro volume das aventuras de Conan acontece em dezembro.

Nipo-britânico Kazuo Ishiguro ganha Nobel de Literatura de 2017

0
O escritor nipo-britânico Kazuo Ishiguro é autor de Vestígios do dia, que foi adaptado para o cinema (foto: AFP / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Jason MERRITT )

O escritor nipo-britânico Kazuo Ishiguro é autor de Vestígios do dia, que foi adaptado para o cinema (foto: AFP / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Jason MERRITT )

 

O ganhador foi anunciado, na manhã desta quinta (5/9), em evento em Estocolmo na Suécia. Embora de origem nipônica, os livros de Kazuo são escritos na língua inglesa

Marcia Maria Cruz, no UAI

A Academia Sueca anunciou o vencedor do Nobel de Literatura de 2017 , na manhã desta quinta (5/9 ), em evento em Estocolmo, na Suécia. O ganhador foi o escritor nipo-britânico Kazuo Ishiguro, de 62 anos. A academia destacou que a obra versa sobre ‘memória, passagem do tempo e desilusão pessoal’.

Kazuo nasceu em Nagasaki, no Japão, em 1954, mas saiu de lá muito cedo. Aos cinco anos foi para a Inglaterra, onde se radicou. Os livros são escritos em inglês: ‘Os vestígios do dia’ (1989) e a ficção científica ‘Não me abandone jamais’ (2005). As obras foram adaptadas para o cinema. Vestígio foi estrelado pelo ator Anthony Hopkins.

No Brasil, Kazuo é editado pela Companhia das Letras. A editora lançou também ‘Noturnos’ e ‘Quando éramos órfãos’. O mais recente é ‘O gigante enterrado’ (2015). A historiadora, antropóloga e professora da Universidade de Sâo Paulo, Lilia Schwarcz comemorou a indicação de Kazuo. “Ishiguro é uma pessoa sensível, erudita, bem humorada, louco por futebol”, afirmou.

Ela destaca que nos livros ‘Vestígios do dia’ e o ‘Gigante adormecido’, Kazuo mistura prosa refinada e muita sensibilidade. ‘O leitor é conduzido pela mão segura do escritor. As reflexões que ele acaba distilando, sobre tempo , envelhecimento, memória. São de uma imensa profundidade e atualidade. Sua ficção parece, sob essa perspectiva, como que infinda. Como são sempre infindos, ao menos aos olhos do leitor, todos os bons livros.”

A curadora da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), Josélia Aguiar lembrou que entre os nomes de escritores nipônicos o mais cotado era Haruki Murakami. “Nas bolsas de apostas, o Murakami estava muito acima do Ishiguro. Então de certo modo sim, foi uma surpresa”, afirma.

Ela lembra que, depois de premiar a bielo-russa Svetlana Alexievich (2015) e o compositor Bob Dylan (2016), o Nobel volta à literatura em seu sentido mais estabelecido. “Ele não é o tipo de surpresa que foi, por exemplo, a Svetlana, que nem era traduzida. O Ishiguro nasceu no Japão, mas desde criança vive com a família na Inglaterra.”.

Ishiguro foi várias vezes finalista do Man Booker Prize, inclusive venceu uma vez. “É um autor internacional que escreve em inglês, é bem traduzido e teve obra adaptada para o cinema.” Josélia ainda destaca o fato Ishiguro ter em sua obra elementos de ficção científica.

Prêmio Oceanos 2017 divulga lista de 51 obras semifinalistas

0
Vencedores do prêmio Oceanos 2016: 1. José Luís Peixoto, com “Galveias”.(Companhia das Letras). 2. Juliàn Fuks, com “A Resistência” (Companhia das Letras). 3. Ana Martins Marques, com “O livro das semelhanças” (Companhia das Letras). 4. Arthur Dapieve, com “Maracanazo e outras histórias’ (Alfaguara).

Vencedores do prêmio Oceanos 2016: 1. José Luís Peixoto, com “Galveias”.(Companhia das Letras). 2. Juliàn Fuks, com “A Resistência” (Companhia das Letras). 3. Ana Martins Marques, com “O livro das semelhanças” (Companhia das Letras). 4. Arthur Dapieve, com “Maracanazo e outras histórias’ (Alfaguara).

 

Entre autores classificados, 31 são brasileiros, 19 são portugueses e um é angolano

Publicado em O Globo

SÃO PAULO – O Oceanos – Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa divulgou nesta terça-feira os 51 semifinalistas do concurso deste ano, que passou a contemplar obras escritas e editadas em português com primeira edição em 2016, publicadas em todos os países lusófonos e não lusófonos. O limite de 50 selecionados previsto no regulamento foi extrapolado em razão de empates nas últimas colocações. A lista completa está disponível no site do Itaú Cultural, no link dedicado à premiação literária.

Dos autores que tiveram obras classificadas, 31 são brasileiros (nove deles estreantes), 19 são portugueses (11 deles inéditos no Brasil) e um é angolano. Foram recebidas 1.215 inscrições, entre livros publicados no Brasil (1031), em Portugal (176), Angola (1), Moçambique (2) Cabo Verde (2), Espanha (2), Quênia (1).

Os estreantes brasileiros são os poetas Dimitri BR (“Ocupa”), Eliza Caetano (“O caderno das inviabilidades”), Franklin Alves Dassie (“Grandes mamíferos”) e Izabela Leal (“A intrusa”); os romancistas Martha Batalha (“A vida invisível de Eurídice Gusmão”), Paulliny Gualberto Tor (“Allegro ma non tropo”) e Pedro Cesarino (“Rio acima”), e as contistas Rejane Gonçalves (“Escrevo para dinossauros”) e Marcela Dantés (“Sobre pessoas normais”).

Apenas dois livros classificados foram publicados no Brasil e em Portugal: “Se o passado não tivesse asas”, do angolano Pepetela (editoras Dom Quixote e Leya Brasil) e “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, da brasileira Martha Batalha (Companhia das Letras e Porto Editora).

O júri inicial do Oceanos foi composto por 50 brasileiros e 15 portugueses. Este mesmo corpo de jurados escolheu os integrantes dos júris intermediário, que escolherá as 10 obras finalistas, e final, que vai determinar os quatro vencedores: Ana Mafalda Leite e António Guerreiro, de Lisboa; Beatriz Resende e Eucanaã Ferraz, do Rio de Janeiro; Eliane Robert Moraes, Heloisa Jahn e Mirna Queiroz, de São Paulo; e Maria Esther Maciel, Ricardo Aleixo e Sérgio Alcides, de Belo Horizonte.

A lista com os dez finalistas sairá na segunda quinzena de outubro, em data a ser definida, e os vencedores serão revelados em dezembro. O valor total dos prêmios em dinheiro é de R$ 230 mil, sendo R$ 100 mil para o primeiro lugar, R$ 60 mil para o segundo, R$ 40 mil para o terceiro e R$ 30 mil para o quarto.

Atrações da Bienal do Rio vão de escritores consagrados a youtubers; veja destaques

0
A Bienal Internacional do Livro do Rio começa nesta quinta-feira - Mônica Imbuzeiro / Infoglobo

A Bienal Internacional do Livro do Rio começa nesta quinta-feira – Mônica Imbuzeiro / Infoglobo

 

Haverá atrações para todos os gostos durante os 11 dias de evento: de autores conhecidos a celebridades de internet, passando por quadrinistas e filósofos.

Carlos Brito, no G1

Do tamanho reduzido e expressão modesta da primeira edição, realizada em 1983 nos salões do Hotel Copacabana Palace, a Bienal do Livro do Rio guarda apenas memórias. Maior evento literário do Brasil, a feira chega à décima-oitava edição nesta quinta-feira (31) com seu gigantismo, já há alguns anos, instalado no Riocentro, na Barra da Tijuca.

A quantidade de atrações é um dos elementos que têm garantido o sucesso de público do evento nos últimos 34 anos – na edição mais recente, em 2015, foram 3,7 milhões de livros vendidos para um público de 676 mil visitantes. A arrecadação chegou a R$ 83 milhões.

Autores consagrados e promessas da literatura nacional sempre foram presenças constantes. Porém, nos últimos anos, eles passaram a dividir espaço com celebridades do mundo virtual – os chamados Youtubers atraem parte considerável do público, sobretudo os mais jovens. Por isso, um espaço dedicado a eles – a Arena#SemFiltro – promete ser um dos locais mais disputados do evento.

Os outros três espaços são o Café Literário, o Encontro com os Autores e o Geek & Quadrinhos – este último, voltado ao público nerd.

Aqui estão algumas das atrações:

bienal-do-livro-programacao-2

31 de agosto

17h – Trajetórias editoriais – Responsáveis por três das maiores editoras do Brasil – Companhia das Letras, Editora 34 e Zahar – falam sobre como imprimiram as linhas editoriais das respectivas casas.

17h – Espaço Geek & Quadrinhos – Debate entre o quadrinista Carlos Ruas e o escritor Affonso Solano sobre a influência do politicamente correto na criação artística.

01 de setembro

11h – Entrevista com Ziraldo – O autor estará no espaço Encontro com Autores. Ele também lança um novo livro.

02 de setembro

17h30 – Vamos pensar um pouco? – Na Área Encontro com Autores, o filósofo e professor Mário Sérgio Cortella e o quadrinista Maurício de Sousa discutem a importância do exercício de pensar.

18h – Lima Barreto – A historiadora Lilia Schwarcz fala sobre o lançamento da biografia de Lima Barreto. No Café Literário.

19h30 – A Lava Jato e a democracia brasileira – Também no Café Literário, Fernando Gabeira e Deltan Dellagnol discutem a Operação Lava Jato e a democracia brasileira.

03 de setembro

17h – Bate-papo com Maurício de Sousa – Maurício de Sousa volta à Bienal para falar sobre o lançamento de sua biografia. No Encontro com os Autores.

18h30 – Vestindo a mesma pele – Intelectuais negros falam sobre experiências vividas na sociedade brasileira, onde o preconceito ainda persiste. Martinho da Vila, Muniz Sodré e Maurício Pestana participam. No Café Literário.

04 de setembro

14h – Fórum de Educação – Flávia Oliveira media um debate sobre a educação. No Fórum de Educação.

17h – Música e ideologia – Marcelo Yuka e Tico Santa Cruz falam sobre engajamento político dentro do universo musical. Na Arena Sem Filtro.

05 de setembro

19h – Humor! Ontem, hoje e sempre – Bruno Mazzeo e Lucas Rangel falam sobre o fazer humorístico em diferentes plataformas. Na Arena Sem Filtro.

19h – Bendita panelinha – A chef Rita Lobo conversa sobre sua trajetória literária.

06 de setembro

11h – Assista a este livro – Edney Silvestre fala sobre a importância da TV na facilitação do acesso ás grandes obras literárias. No Café Literário.

17h – Grandes lançamentos – Heloísa Seixas, Joca Reiners Terron e Santiago Nazarian – três dos principais autores da atual literatura brasileira – falam sobre seus lançamentos e como é viver de escrever livros no Brasil. No Café Literário.

19h30 – Literatura e história – Samir Machado e Alberto Mussa falam sobre literatura e história no Café Literário.

07 de setembro

18h – Futuro sustentável – O jornalista André Trigueiro debate sobre o futuro sustentável no Café Literário.

18h – Lobão – O cantor, compositor e escritor vem à Bienal para lançar o livro “Guia politicamente incorreto dos anos 1980 pelo Rock”.

08 de setembro

19h30 – 100 anos de samba – O historiador Luiz Antônio Simas promove um debate sobre o centenário da maior criação musical brasileira: o samba. No Café Literário.

09 de setembro

12h – Carl Hart, Ilana Szabó e Casagrande debatem a política de combate ao uso de drogas.

15h – Fabrício Carpinejar, Raphael Montes e Afonso Borges debatem o trabalho do cronista na literatura contemporânea.

17h – Leandro Karnal e Daniel Pinheiro discutem a pós-verdade.

19h30 – Artur Xexéo, Joaquim Ferreira dos Santos e Patrícia Kogut discutem a mídia televisiva e a história de seus grandes personagens.

10 de setembro

16h – A Era do Imprevisto – Míriam Leitão fala sobre a imprevisibilidade do momento histórico no qual vivemos. Às 16h, no Café Literário.

18h30 – 90 anos de Tom Jobim – Ruy Castro fala sobre a obra de um dos nomes mais importantes da Música Popular Brasileira. Às 18h30, no Café Literário.

15h – Literatura de Fantasia no Brasil – Eduardo Sporh, Affonso Solano e André Vianco falam sobre a criação de universos de fantasia dentro da literatura brasileira. Às 15h, no Encontro com Autores.

Serviço:

Período: de 31 de agosto a 10 de Setembro de 2017

Horários de funcionamento:

31 de agosto: 13h às 22h

7 de setembro (feriado): 10h às 22h

Durante a semana: 9h às 22h

Finais de semana: 10h às 22h

Local do evento:

Riocentro – Av. Salvador Allende, 6555 – Barra da Tijuca

E-mail para sugestões, dúvidas e comentários: contato@bienaldolivro.com.br

Ingressos:

Inteira: R$ 24

Meia-entrada: R$ 12

18ª Bienal do Livro no Rio traz espaços inéditos e celebra a literatura nacional

0

oi

Bárbara Allen, na Cabana do Leitor

O maior evento literário do Brasil, que acontece entre 31 de agosto e 10 de setembro no Riocentro, realizou ontem (08/08) uma coletiva para apresentar toda a programação cultural. A 18ª Bienal do Livro Rio traz espaços inéditos e celebra a literatura nacional.

Esse ano, a Bienal contará com 40% do número de sessões a mais do que da última edição. Serão mais de 300 autores, nacionais e internacionais. Para Marcos Pereira, presidente da SNEL, a intenção desta edição é resgatar o valor do livro.

13 autores internacionais estarão distribuindo autógrafos e batendo um papo super divertido com os seus fãs. A autora Abbi Glines estará no dia 03/09 (domingo) falando um pouco sobre seus livros e o norte americano Carl Hart marcará presença no evento no dia 09/09 (sábado). Charles Duhhigg, Jenny Han (Para todos os Garotos que Já Amei), Leisa Rayven e outros também estarão presentes.

Além dos tradicionais espaços Café Literário e o espaço infantil, nesta edição teremos duas novas arenas que prometem atrair a atenção dos visitantes. A primeira é a Arena #SemFiltro, nome escolhido através de votação na internet, que terá capacidade para 400 pessoas e será comandada por Rosane Svartman. As atividades realizadas neste espaço serão de bate-papo com autores e influenciadores que discutirão temas como feminismo, moda, comportamento, game, música, entre outros assuntos. A lista de convidados é extensa, mas alguns dos nomes são: Thalita Rebouças, Maisa Silva, Hélio de La Peña, Isabela Freitas, Raony Phillips e outros.

O Geek & Quadrinhos é a outra novidade da Bienal 2017. A ideia é levar novas narrativas para o maior evento literário. O responsável por toda programação do espaço é Affonso Solano, um dos principais nome da literatura fantástica no Brasil. As atividades que irão ocorrer no Geek & Quadrinho vão desde bate papo com assuntos variados até mesa de jogos, área de realidade virtual e arena de swordplay (para batalhas medievais). Os assuntos discutidos pelos convidados serão bem do universo geek e abordarão a representatividade feminina, publicações independentes, desenvolvimento de games, lançamento do jogo da Hora de Aventura e claro terá muito sobre a Marvel Comics. Alguns dos convidados são: Fernando Caruso, Mikannn, Carlos Ruas, Thiago Rex, FML Pepper, entre outros.

O Café Literário também está com atrações e temáticas maravilhosas. Coordenador por Rodrigo Lacerda, o espaço trará temas atuais e do interesse da sociedade. A programação será dividida em 3 eixos, são eles: Cotidiano, reforma pública, democracia brasileira, religião, gênero e outros. A literatura, que trará discussões e debates sobre a literatura brasileira, tendo as obras de Ferreira Gullar, Lima Barreto e Tom Jobim como centrais. E a celebração, o espaço irá celebrar datas e acontecimentos que marcaram não só a literatura, mas também toda uma ordem da sociedade. Uma grande novidade será as sessões infantis, nomeadas de Cafézinho Literário. Carl Hart, Martinho da Vila, Rita Lobo, Alessandro Molon e Miriam Leitão, são alguns dos nomes que compõe a lista dos convidados.

E claro não poderíamos deixar de falar do Espaço Infantil, aliais é importante o incentivo da leitura para os pequenos. E para esta edição a curadora Daniela Chindler apresenta um espaço lúdico e interativo que incentiva o questionamento do “O que faz um livro ser um livro?”. Ficarão livros gigantes expostos representando diversas letras do alfabeto, o cenário convidará o visitante a brincar e explorar o local com o corpo. De acordo com Chindler “cada letra é um livro e cada livro sé um universo semântico que cada um viajará da sua forma. ”

Além desses quatro espaços, a 18ª Bienal do Livro Rio terá mais uma vez a Agents & Business Center, parceria com a Feira de Frankfurt, II Fórum de Educação, Interlivros e Praça da Língua, instalação audiovisual que recria a experiência-símbolo do Museu da Língua Portuguesa. Mesmo com tantas novidades, cerca de 8% do espaço para expositores ficarão vagos, por conta da crise muitas editoras tiveram que fechas. Mas Marcos Pereira afirma que visualmente esse número não fará muita diferença.

A 18ª Bienal do Livro Rio acontece entre os dias 31 de agosto a 10 de setembro no Riocentro. Os ingressos já podem ser adquiridos pelo site do evento e a programação completa também já está disponível.

Go to Top