Lavvi

Posts tagged estratégias

Como livros de literatura podem ajudar os alunos em Matemática

0
Acredite: existem obras literárias que mesclam narrativa e poesia com problemas matemáticos (Foto: Mariana Pekin)

Acredite: existem obras literárias que mesclam narrativa e poesia com problemas matemáticos (Foto: Mariana Pekin)

 

Mara Mansani, na Nova Escola

Na escola em que trabalho em Sorocaba (SP), a EE Prof. Laila Galep Sacker, a Matemática ocupa um lugar de destaque. Fazemos até um “Dia Especial da Matemática na Escola”, em que todos os professores fazem com os alunos atividades que exploram os conteúdos matemáticos de forma não convencional. Ele acontece, geralmente, às sextas-feiras, pelo menos duas vezes por mês, e inclui brincadeiras, jogos e experimentos.

Essa estratégia surgiu da necessidade de nossos alunos avançarem mais em Matemática, pois as avaliações internas e externas mostravam que eles tinham dificuldades – ou seja, era necessário repensar a nossa prática. Então, essa foi uma das ações que implantamos para superar esse obstáculo, e já sentimos uma melhora nos resultados.

Analisando o desempenho das turmas, notei que uma das dificuldades apresentadas pelos alunos é a resolução de problemas. Como trabalhar mais essa capacidade, de forma diferente?

Uma das descobertas mais interessantes que fiz, pesquisando materiais, é que existem obras de literatura que apresentam a Matemática por meio de histórias ou poemas, de forma divertida e contextualizada.

Parece estranho, mas é isso: hoje, quero deixar a vocês duas sugestões de obras de literatura para trabalhar Matemática, além de atividades que você pode fazer com elas. Vamos lá:

Poemas Problemas, de Renata Bueno: o livro traz 17 problemas em historinhas rimadas, com imagem super coloridas, em uma linguagem que as crianças entendem e com a qual se identificam. Os problemas envolvem conteúdos como combinatória, sequência, figuras geométricas, entre outros – além, é claro, das quatro operações fundamentais. É um verdadeiro convite ao desafio e ao desenvolvimento das estratégias pessoais para resolução dos problemas. Esse livro é mais indicado aos alunos de 1º e 2º ano, na alfabetização.

Os problemas da família Gorgonzola, da [maravilhosa] Eva Furnari: a obra é mais indicada para 3º e 4º ano e apresenta 15 problemas que contam histórias de uma família muita estranha e divertida. As crianças adoram esse livro! As ilustrações são muito divertidas e os problemas propõem desafios que envolvem as quatro operações fundamentais, sistema monetário, comparações, entre outros conteúdos e habilidades que exigem muita atenção dos alunos, pois é preciso, em primeiro lugar, retirar da narrativa as informações que realmente importam, proporcionando um bom exercício de interpretação de texto para resolução dos problemas. Aliás, muitas vezes, a dificuldade na resolução dos problemas vem mais da incapacidade de interpretar o texto corretamente do que da falta de domínio dos conceitos matemáticos.

Venho utilizando esses livros nesses “Dias Especiais da Matemática”, seguindo os seguintes passos:

*Apresentação do livro para os alunos: começo sempre explorando o livro de maneira geral, falando sobre o autor, a proposta dele e outras informações que sejam relevantes.

*Divisão dos alunos em grupos: procuro agrupar as crianças por níveis próximos de desenvolvimento na disciplina. Assim elas podem construir juntas o caminho para resolver os problemas. Em seguida, distribuo cópias de um mesmo problema para todos os grupos.

*Intervenções: enquanto os alunos leem, vou passando pelos grupos para ajudá-los quando há mais dificuldade, fazendo questionamentos que os levem a resolver os problemas.

*Resolução: em seguida, começa a resolução propriamente dita, primeiro em grupos, depois em duplas e, por fim, individualmente.

*Compartilhamento das estratégias: por fim, as crianças apresentam aos colegas como resolveram o problema. Procuro valorizar as estratégias pessoais, mas sem deixar de mostrar também a estratégia mais convencional. Isso contribui para o desenvolvimento da aprendizagem porque amplia as possibilidades de resolução.

Essa proposta vem trazendo bons resultados, mas ainda há muito a percorrer. Então, estudar e pesquisar novas possibilidades é atividade permanente em nossos planejamentos.

Para terminar, quero deixar mais duas sugestões para turmas mais velhas, que não misturam Matemática e literatura, mas também proporcionam estratégias mais inventivas.

A primeira é o livro Ler e Escrever – Jornada de Matemática, uma publicação da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo, para alunos do 5º ano, que você pode baixar de graça aqui. Ele propicia situações que exigem raciocínio lógico e interação com os pares em atividades realizadas dentro e fora da sala. O livro é composto por dois módulos: (1) Cálculo e (2) Resolução de Problemas. Tudo muito bem explicado em objetivos, planejamento e encaminhamento.

Para os alunos maiores, dos anos finais do Ensino Fundamental, deixo como sugestão a obra Matemática Divertida e Curiosa, do célebre professor Júlio César de Mello e Souza, mais conhecido pelo pseudônimo de Malba Tahan. Esse livro é muito bacana, um clássico que apresenta os desafios matemáticos por meio de histórias e curiosidades.

E vocês, queridos professores, quais estratégias matemáticas andam utilizando? Conhece outros livros que explorem a Matemática e a literatura? Compartilhem conosco aqui nos comentários!

Professores ensinam estratégias para chegar bem no Enem

0
Alunos do terceiro ano do Colégio Bahiense, na Barra da Tijuca, praticam ioga para se acalmar - Custódio Coimbra

Alunos do terceiro ano do Colégio Bahiense, na Barra da Tijuca, praticam ioga para se acalmar – Custódio Coimbra

 

Recomendação é desacelerar o ritmo de estudos para evitar tensão antes da prova

Publicado em O Globo

RIO — A semana que antecede qualquer desafio é fundamental para o resultado desejado. Atletas se isolam na concentração, políticos intensificam suas táticas de campanha, cantores resguardam a voz. Na reta final da maratona para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a estratégia para chegar bem na prova, que acontece no próximo fim de semana, dias 5 e 6, é desacelerar o ritmo de estudo adotado ao longo do ano e revisar os principais tópicos. Segundo professores ouvidos pelo GLOBO, os cinco dias finais até a abertura dos portões são importantes e devem ser vividos com cautela pelos cerca de 8,6 milhões de estudantes que estão inscritos para fazer o exame, que é a principal via de acesso ao ensino superior no Brasil.

— O aluno precisa confiar no trabalho que fez durante todo o ano em seu colégio. Na semana que antecede o Enem, a orientação é revisar conteúdos e tirar dúvidas pontuais com professores em aula. Não vale mais a pena passar muito tempo estudando. As horas de sono esta semana são fundamentais — orienta o diretor pedagógico da rede Pensi de Ensino, Márcio Branco.

HORA DE LAPIDAR CONTEÚDO

Para aqueles alunos que, mesmo bem preparados, não vão conseguir largar os livros, a dica é usar a semana para consolidar o que já foi abordado. É importante, no entanto, não passar mais horas estudando que o costume ao longo do ano.

— A gente orienta que eles usem esse tempo para dar uma lapidada nos assuntos, mas não para estudar coisas novas. Um exemplo de cronograma pode ser, por exemplo, um dia para cada área. Outra sugestão pode ser usar segunda, terça, quarta e quinta para áreas objetivas e sexta para dar uma olhada em redação. É importante que eles marquem um horário limite para parar de estudar e que aproveitem horas livres para relaxar — aconselha Fellipe Rossi, vice-diretor acadêmico do Colégio de A a Z.

Natalie Noronha, aluna do 3° ano do colégio pH, quer fazer faculdade de Engenharia Mecânica e vai aproveitar os últimos dias para revisar tópicos que tem mais dificuldade, mas também pretende descansar.

— A prova é muito desgastante, acredito que descansar é essencial. Vou estudar no máximo uma hora e meia por dia. Estou indo para a academia extravasar o estresse e pretendo ficar mais tempo com minha família. Não vou fazer nada fora da minha rotina para não correr riscos e me cansar mais — planeja a estudante.

Para que o nervosismo e ansiedade não atrapalhem o objetivo dos estudantes, o Colégio Bahiense, na Barra da Tijuca, resolveu inovar e ministrar aulas de ioga na turma do 3° ano. A ideia é que os alunos possam utilizar técnicas de respiração mesmo durante a prova para se acalmar e conseguir administrar o tempo.

— Eles passam o ano todo estudando muito e ficam cansados, além da ansiedade e da tensão, seja por cobrança própria ou da família. Pensamos na ioga como uma forma de eles relaxarem, esvaziarem a mente e se concentrarem — conta a psicóloga Domenica Vianna.

A tensão e o estresse também não podem prejudicar quem deixou para se preparar em cima da hora. Nesse caso, o ideal é fixar conteúdos que deixem o aluno mais à vontade.

— Eu aconselho a fazer uma curva descendente. Na segunda-feira, começar com a matéria que julgar mais difícil e ir passando para as que tiver mais afinidade até quinta. Na sexta, o melhor é procurar algo que o relaxe. Também é legal selecionar tópicos que o deixem mais à vontade dentre os conteúdos que costumam cair mais. Não adianta escolher um assunto que nunca aprendeu. Se não aprendeu até agora, não vai ser na véspera que vai conseguir — explicou Renato Pellizzari, coordenador de vestibular do Colégio Qi.

Os portões dos locais de prova abrem às 12h e fecham pontualmente às 13h para a prova começar às 13h30. No sábado, o término será às 18h, e no domingo, às 19h. João Victor Gonçalves, aluno da Escola Parque Gávea, vai sair de casa com cerca de duas horas de antecedência para ter certeza que vai chegar ao local da prova uma hora antes.

— Passar o ano inteiro se preparando e perder a prova por conta de atraso está fora de cogitação — disse ele, que quer cursar Engenharia Química na UFRJ.

Por Marta Szpacenkopf / Paula Ferreira

25 estratégias de leitura que funcionam em qualquer texto

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

 

Não importa o que você vai ler, seguindo essas estratégias você vai entender o texto e aproveitar bem o seu tempo de leitura

Publicado no Universia Brasil

Ler é ler, entender as palavras e atribuir significado a elas é sempre a mesma coisa. Exceto quando não é. Textos científicos podem ser cheios de jargões e citações. Textos de estudos sociais podem ser uma mistura de tópicos e parágrafos tradicionais. Literatura pode ser tão flexível, com versos ou parágrafos.

Isso obriga as estratégias de leitura a se adaptarem aos gêneros textuais. Parar e reler talvez seja uma boa estratégia para ciência, enquanto visualização e conexões textuais talvez faça mais sentido com literatura. Questionar o texto talvez seja uma boa ideia em ambos.

Se você quer começar com estratégias básicas, confira a lista com os 25 melhores jeitos de ler eficientemente um texto.

1. Releia

2. Ative conhecimento antigo

3. Use dicas do contexto

4. Deduza

5. Pense alto

6. Sumarize

7. Ache palavras-chave

8. Faça previsões

9. Use estratégias de ataque de palavras

10. Visualize

11. Use organizadores gráficos

12. Avalie seu entendimento

13. Questione o texto

14. Faça pausas

15. Monitore e repare o seu entendimento

16. Parafraseie

17. Faça anotações

18. Ajuste a velocidade de leitura

19. Priorize informações

20. Use notas gráficas

21. Tente adivinhar o texto

22. Defina um objetivo de leitura

23. Conexões textuais (texto ao texto, texto ao leitor, texto ao mundo)

24. Passe os olhos pelo texto

25. PRQ (Pare, resuma, questione)

Fonte: Universia Brasil
Autor: QS Top Universities

7 técnicas de estudo infalíveis para qualquer prova

0
Jovem estudando: a preparação será mais rápida e eficiente se você se servir de certas estratégias

Jovem estudando: a preparação será mais rápida e eficiente se você se servir de certas estratégias

 

Claudia Gasparini, na Exame

São Paulo — Na escola, tirar boas notas era relativamente fácil: bastava prestar atenção às aulas, ler atentamente as apostilas e resolver alguns exercícios na véspera da prova. Na vida adulta, porém, tudo vai ficando mais complicado.

Não adianta ligar o piloto-automático diante de concursos públicos, exames de proficiência em línguas ou provas de admissão em programas de pós-graduação, por exemplo. A preparação precisa ser mais estratégica, com base em métodos para garantir a fixação e acelerar o processo de aprendizado.

Na visão de Paulo Estrella, diretor pedagógico da Academia do Concurso, é possível estudar sem aplicar nenhuma metodologia — mas você gastará muito mais tempo do que quem aprende com o auxílio de alguma técnica.

“Sem perceber, vamos experimentando e consolidando nossas próprias táticas, mas é interessante conhecer e testar alguns métodos já comprovados”, afirma.

Para Nestor Távora, professor da LFG Concursos, adotar procedimentos de estudo de forma consciente é essencial para garantir a melhor administração do tempo. Certas estratégias tornarão o seu trabalho mais rápido e, portanto, menos pesado e cansativo.

Com a ajuda dos dois professores, listamos a seguir 7 técnicas de estudo que podem ser úteis na preparação para as complicadas provas da vida adulta:

1. Mapa mental

Quer visualizar um conteúdo complexo e todo intrincado em ramificações? Experimente representá-lo num “mapa mental” — nome bonito para um diagrama composto por palavras, ícones e flechas. A principal vantagem de elaborar esses esquemas é a possibilidade de criar uma ordem lógica entre as informações, com destaque para interconexões e relações de hierarquia.

“Não é um método para fixar a disciplina, mas sim visualizá-la de forma sistêmica, isto é, compreender como os conceitos se distribuem dentro daquele campo de conhecimento”, explica Estrella. “É importante para saber que o conceito X aparece quando o tema Y é discutido, o que facilita a associação de ideias”.

Imagine que você está estudando ligações químicas por meio de um mapa mental, e uma das flechas aponta para a expressão “ponte de hidrogênio”. A organização visual das informações ajuda a fixar o fato de que, quando se fala em ponte de hidrogênio, o que se discute são ligações químicas.

2. Fichamento ou resumo

Ler atentamente o livro-texto é um passo obrigatório em qualquer preparação, mas o estudo não pode terminar por aí. Também é fundamental reorganizar as informações lidas com as suas próprias palavras.

Uma forma de fazer isso é elaborar fichamentos, isto é, sínteses esquemáticas de cada texto. “Um fichamento é uma cartela que contém as informações mais importantes sobre um livro ou capítulo de um livro, por exemplo”, diz Estrella. “É a melhor maneira de organizar a bibliografia”. A ideia é elaborar um índice das suas leituras de acordo com a sistematização já elaborada no mapa mental, descrito no item anterior.

Outra possibilidade é redigir um resumo, isto é, reescrever com as suas próprias palavras o conteúdo estudado. “Aja como se você fosse o autor da sua própria apostila sobre o assunto”, explica o professor. Pode ser um texto corrido ou por tópicos: o importante é traduzir as ideias para a sua linguagem, incluindo suas interpretações e comentários sobre o tema.

3. Construção e reconstrução de tabelas

Outro método recomendado por Estrella é representar informações no formato de quadros. É uma boa opção para fixar conteúdos que têm uma determinada sistemática bastante específica por trás.

Imagine que você está estudando Direito penal, por exemplo. Experimente elaborar uma tabela em que haja colunas dedicadas ao que tipifica cada crime, qual é o tamanho da pena e qual é o prazo de resposta para cada tribunal, entre outras informações.

Na primeira vez, desenhe o quadro consultando livros e apostilas. Depois de algumas cópias, tente reconstruí-lo de memória. Esse procedimento é uma excelente forma de gravar os conteúdos sem perder de vista as interconexões entre eles. “Assim como os mapas mentais, é uma técnica muito útil para quem tem memória visual”, diz o especialista.

4. Gravações de áudio

Nem todo mundo tem facilidade para se lembrar do que viu: muita gente fixa melhor aquilo que escutou. Se esse é o seu caso, tente estudar com a ajuda de um celular ou qualquer outro dispositivo que funcione como gravador.

“Grave a sua própria exposição oral sobre o tema, como se você fosse um professor”, recomenda Estrella. Falar, por si só, já é uma excelente forma de se apropriar de uma ideia. Ouvir depois as suas próprias “aulas” várias vezes é melhor ainda.

Também é interessante escutar podcasts e aulas online sobre o assunto, muitas vezes disponíveis gratuitamente na internet. Para quem tem pouco tempo, vale aproveitar os deslocamentos entre a casa e o trabalho para ouvir os áudios.

5. Apresentações para o espelho

Se você vai enfrentar uma prova oral, é imprescindível simular o encontro com a banca avaliadora. O primeiro passo é fazer isso sozinho, munido de um espelho e uma boa dose de senso crítico.

Feitos os primeiros ensaios solitários, diz Távora, experimente se apresentar para amigos, parentes e professores. “Esse tipo de exercício é fundamental para desenvolver a lógica do seu raciocínio e, principalmente, para estimular a sua capacidade de improviso”, explica.

De acordo com o professor, muitos candidatos vão muito bem nas provas escritas, mas acabam reprovados nos testes orais — tudo porque não desenvolveram jogo de cintura para a ocasião. Falar para o espelho ou para outras pessoas é o único meio de simular a apresentação para a banca e desenvolver métodos para controlar o seu nervosismo.

6. Táticas mneumônicas

Todo mundo já teve um professor do ensino médio que cantava músicas ou elaborava frases engraçadas para facilitar a memorização da tabela periódica. Técnicas mneumônicas, isto é, que facilitam a fixação de palavras ou expressões, são usadas desde a Antiguidade e podem ser uma mão na roda diante de assuntos que simplesmente precisam ser decorados.

Uma opção é o acróstico, uma frase formada por palavras cuja primeira letra é a dica para o que precisa ser lembrado. Se você quer gravar, por exemplo, os nomes dos bairros paulistanos Mooca, Penha, Belém e Carrão, por exemplo, pode usar a frase “Meu Pai Bebe Café”. Outro instrumento é o acrônimo, uma palavra formada por letras que representam outras palavras, como a ferramenta de gestão CHA (Conhecimento, Habilidade e Atitude).

Seja qual for, diz Estrella, a tática mneumônica deve ser usada quando existe a necessidade de gravar conteúdos sequenciais e sem qualquer relação lógica entre si. É uma opção interessante para gravar nomes ou números de leis, por exemplo. Veja aqui mais dicas de táticas mneumônicas.

7. Simulações cronometradas

Para Távora, colocar os seus conhecimentos à prova é uma etapa indesviável na preparação para qualquer exame. No caso de um concurso público, por exemplo, é preciso recuperar provas de anos anteriores e resolvê-las com o cronômetro ao lado.

“O exame deve ser resolvido exatamente como seria na situação real”, explica o professor. Quanto mais você se familiarizar com as condições da prova, inclusive a duração dela, maiores as suas chances de aprovação.

Os simulados também são essenciais para se acostumar ao estilo das questões. “É a melhor forma de aprimorar a sua técnica de interpretação e não ter surpresas diante da linguagem da banca examinadora”, afirma o professor da LFG.

Confira 13 excelentes estratégias para você turbinar a sua capacidade de estudo!

0

amo-direito-post-estudar

Publicado no Amo Direito

Não há nada mais desmotivador do que chegar ao fim da página de um livro e perceber que a concentração foi embora entre um parágrafo e outro, e com ela, levou também a sua capacidade de retenção das informações.

Quando o volume de leitura exigido é grande, adotar estratégias é essencial para não ficar a ver navios enquanto os ponteiros do relógio dão voltas e os livros, um “baile” em você.

Mas, antes de sair em busca de soluções milagrosas, como o uso de remédios controlados, veja o que indicam três especialistas em técnicas de estudo para concursos públicos. As dicas estão divididas em três blocos (concetração, leitura rápida e retenção de informações) e valem para concurseiros, universitários e vestibulandos:

Para turbinar a concentração
1- Cuide do seu estado mental: “Não se consegue a alta performance de repente, sobretudo, para quem está afastado dos estudos há muito tempo”, diz José Roberto Lima, autor do livro “ Como passei em 15 concursos” (Editora Método). De acordo com ele, com o hábito de estudar o rendimento melhora. “A persistência desenvolverá outro atributo importantíssimo: o prazer de estudar e de aprender”, diz.

2- Bloqueie distrações: “Isso significa desligar o celular para não ter mensagens chegando toda hora, sair do computador, fechar a porta do quarto e avisar para não ser perturbado”, diz Marcello Leal, professor do site Questões de Concursos. Aquela escapadinha para conferir a timeline do Facebook é tão irresistível quanto prejudicial. “O cérebro perde a concentração que vinha mantendo e, para reiniciar o processo, demanda tempo e energia”, diz.

3- Escolha o ambiente adequado: A luminosidade deve ser apropriada, assim como a tranquilidade do ambiente. “Se a casa tem muita gente ou muita distração, o ideal é procurar uma biblioteca”, indica João Mendes, coordenador do curso Ênfase.

4- Mantenha postura correta: Estudar na cama só é bom para embalar o sono. “A pessoa deve evitar ler deitada ou escorada, e, sim, ler sentada, com a coluna ereta, o joelho dobrado a 90 graus e não ficar com a cabeça excessivamente baixa”, diz Mendes.

5- Faça pausas: “Saiba também que não dá para ficar concentrado durante muito tempo, então é importante estabelecer metas e prazo”, diz Marcello Leal, professor do site Questões de Concursos. Estude por no máximo 50 minutos antes de fazer um intervalo. Depois se dê até 10 minutos de descanso antes de voltar para os estudos. Durante a pausa, levante da cadeira, faça alongamentos, ande um pouco, indica Leal.

6- Use o seu relógio biológico a seu favor: Você é do tipo matutino, vespertino ou noturno? “Cada pessoa possui um período do dia no qual produz mais. Seja ele pela manhã, tarde ou noite, trate esse momento como sendo o mais importante e estude durante ele os pontos mais difíceis”, diz Leal.

Para ler mais rápido
7- Pratique técnicas de leitura dinâmica: “Cursos voltados para leitura dinâmica podem ajudar”, diz Lima. Usar os dedos para acompanhar a leitura, marcar o tempo para ler uma página e verificar os progressos feitos são algumas dicas. Mas não tenha pressa. “Existem temas, como Direito, por exemplo, em que se exige muita concentração. É necessária a compreensão de que determinados temas exigem leitura atenta e não tão rápida”, diz Lima.

8- Foco: “Para ler mais rápido é necessário que sua mente esteja alerta e focada naquela única atividade que está desempenhando”, diz Leal. Melhor do que leitura dinâmica é apostar em foco exclusivo no texto, explica Leal. “Como diria o monge budista Thich Nhat Hanh, ao tomar o seu chá, apenas tome o seu chá e não seus problemas e ansiedades”, afirma.

9- Sublinhe o texto: Marcar trechos mais importantes do texto ou marcá-lo com outras cores também é um conselho dos especialistas.

Para aumentar a retenção de informações
10- Leitura dupla: “Muitos estudantes preferem fazer uma primeira leitura rápida sem se preocupar com detalhes e depois fazer uma segunda leitura mais detida”, diz João Mendes, coordenador do Curso Ênfase.

11- Resumo: Ler e resumir é uma forma bastante eficaz de fixar o conteúdo, segundo Mendes. O ponto negativo desta técnica é o tempo. Se ele estiver curto, melhor usar outras estratégias.

12- Procure exemplos do que foi estudado: Buscar exemplos práticos da teoria é uma estratégia que dá resultado, afirma Leal. “Quando você vivencia uma situação que tem a ver com algo que estudou, aquela informação não te deixa nunca”, diz. Mas, como é impossível vivenciar tudo o que é estudado, a dica é pedir (e anotar) exemplos aos professores e procurar nos livros a aplicação prática de conceitos abstratos.

13- Ouvir, anotar e revisar: Faça anotações em aula e revisões periódicas, indica José Roberto Lima. “Gravamos 50% do que ouvimos durante três dias. Quando ouvimos e fazemos anotações, saltamos para 90% (mas também por três dias). Quando ouvimos, fazemos anotações e, no prazo de três dias, fazemos revisões, gravamos, para o resto da vida, 70%”, diz Lima.

Fonte: Classsywoman WordPress

Go to Top