Vitrali Moema

Posts tagged Fabio

Países emergentes vão transformar a literatura mundial, diz Orhan Pamuk

0

Cassiano Elek Machado, na Folha de S. Paulo

Em um discurso que fez a literatos suecos –figuras que, de Estocolmo, comandam há cem anos a geopolítica literária global–, o escritor turco Orhan Pamuk falou, em bom turco, que na literatura, como na vida, sempre se sentira “fora do centro”.

Ele recebia na ocasião o Prêmio Nobel de Literatura.

Desde aquele dezembro de 2006, suas ideias foram subitamente mudadas de lugar.

Fabio Braga/Folhapress
O escritor Orhan Pamuk, ganhador do prêmio Nobel de Literatura de 2006
O escritor Orhan Pamuk, ganhador do prêmio Nobel de Literatura de 2006

Aos 61 anos, ele já está traduzido em mais de 60 idiomas e ultrapassou os 11 milhões de romances vendidos, com destaque para obras como o autobiográfico “Istambul” e “Meu Nome É Vermelho” (que no Brasil acaba de ganhar edição em formato “livro de bolso”).

Da mesma forma, o que seria a “periferia” de sua obra, seus primeiros títulos, começa a circular pelo mundo. Bom exemplo disso é o lançamento no Brasil, agora, de “A Casa do Silêncio” (Companhia das Letras), obra publicada por ele em 1982 e só traduzida para o inglês no ano passado.

Narrado por cinco personagens diferentes, o romance se desenrola em torno da visita anual que os netos da viúva Fatma lhe preparam, em sua velha residência na Costa da Turquia.

Na entrevista a seguir, dada à Folha por telefone, de Istambul, Pamuk revisita esta sua antiga mansarda literária e retoma temas que esboçava no salão da Academia Sueca. A nova arte, ele defende, virá de fora do eixo.

*

Folha – Woody Allen disse em entrevista recente que nunca voltou a assistir seus filmes anteriores. O sr. relê obras como “A Casa do Silêncio”, que escreveu há décadas?

Orhan Pamuk – Feliz ou infelizmente, tenho de reler meus romances quando são reeditados. Não sou como Allen. Tenho curiosidade de rever como eu resolvi um ou outro problema num romance antigo. Às vezes fico com a sensação “já vi este filme antes”, mas em outros momentos leio trechos bonitos feitos na minha juventude e sinto que eu era outra pessoa.

É possível dizer que, assim como o sr., seu país é outro do que quando “A Casa do Silêncio” foi publicado?

Assim como o Brasil, a Turquia viveu uma transformação muito grande nas últimas décadas. Somos, Brasil e Turquia, considerados “mercados emergentes”. Fico irritado com o rótulo. Prefiro falar em “humanidades emergentes”. Não é só o mercado que “emerge”. Com a consolidação de uma classe média e o fortalecimento da economia de um país, suas artes e literatura também se desenvolvem. As manifestações recentes nas ruas do Brasil e da Turquia têm relação com esses novos humanismos.

Como as artes estão ligadas às manifestações?

Não é uma relação direta. Na Turquia vejo com clareza a individualidade das novas classes médias. Há 30 anos, esse tipo de insurreições seria difícil porque havia muita repressão. As mídias sociais ajudaram a mobilização, mas o interessante é que a classe média disse que está irritada: não quer ser conduzida por uma força centralizada e não se sente representada pelo sistema político.

O sr. já disse que o romance é uma arte de classe média e que vivemos a proliferação de novas classes médias. Como esse processo afetará o modo de escrever romances?

O romance vai se transformar. O novo romance virá do leste. Vale lembrar que o formato do romance foi criado na França e na Inglaterra e que quando países como Rússia entraram em jogo, com autores como Tolstói e Dostoiévski, mudou a arte. Em países muçulmanos, na Índia e na China estão se formando novas classes médias, com humanismos diferentes. O núcleo do romance vai mudar, não há dúvidas.

O sr. diz que os romances, de modo bem diferente de outros gêneros, têm um centro. Qual é o de “A Casa Silenciosa”?

O que faz de “A Casa Silenciosa” um romance é o fato de ter muitos narradores com diferentes pontos de vista e o fato de, por vezes, seus pontos de vista não se encaixarem. É o trabalho ou a alegria do leitor encontrar o centro. Talvez o de “A Casa Silenciosa” seja a história do país e como ela se relaciona à saga de uma família desintegrada.

O sr. já chegou a pensar em retomar esta mesma família ou desenvolver a história de um dos personagens do romance?

Sim. A que eu realmente imagino que deva continuar é a de Hasan, o nacionalista de direita que planeja virar um terrorista. Seria muito interessante escrever com mais profundidade sobre o pensamento de direita e sobre o terrorismo, sobre o anti-imperialismo, a xenofobia, o despertar da religião e o desejo de pertencer.

Há quem defenda que o terrorismo será um tema central na ficção. O que o sr. acha disso?

Acho possível, mas thrillers no estilo John Le Carré não são o meu estilo. O que me interessa são os humanos, os sentimentos que giram em torno dessa maneira de pensar. Não quero escrever sobre quantas pessoas foram mortas ou como um plano terrorista foi arquitetado, mas sobre as razões pelas quais há gente praticando estes atos. Gosto de pensar ao mesmo tempo em como uma pessoa destas se relaciona com sua mãe e em como são seus momentos mais ternos na vida provinciana.

“A Casa” é o primeiro livro no qual aparece um personagem chamado Orhan, como você. Qual a função deste Orhan?

Não se trata de uma grande estratégia borgiana. Tem mais a ver com as aparições pontuais de Alfred Hitchcock em seus filmes. É um recurso técnico, para lembrar o leitor de que se trata de ficção.

Um personagem de “A Casa” tenta escrever uma enciclopédia, tema que já apareceu na sua obra. De onde vem o fascínio pelo enciclopédico?

Se fosse para uma ilha deserta, levaria três enciclopédias: uma sobre o islã, uma sobre a cultura turca e a “Britânica” de 1911. Verbetes enciclopédicos à moda antiga estimulam minha imaginação romântica. Eu os leio e imediatamente crio histórias. Por outro lado, também levava comigo, 30 anos atrás, meus anseios enciclopédicos típicos do intelectual de terceiro mundo, que queria escrever sobre tudo. Ensinar, de modo não muito humilde, uma nação ignorante.

O sr. já reclamou que jornalistas sempre o questionam sobre política e que esse não é um tema de sua predileção. Mas “A Casa” tem implicações políticas, o sr. não concorda?

Sua pergunta é engraçada porque, quando escrevi “A Casa do Silêncio”, a geração anterior de escritores turcos era tão motivada por assuntos políticos que eu tinha pensado “por que não tentar escrever algo apolítico?”. Trinta anos depois, todo mundo diz: “Você escreveu um romance político há 30 anos”. Não concordo.

Mas e o nacionalista Hasan?

Sim, é o fato de a raiva de Hasan personificar e parecer com a raiva de todos os fundamentalistas antiocidente de agora que dá seu tom político hoje. A população dos países não-ocidentais não era tão visível naquele tempo. A ideologia vigente pregava que todo o mundo ia ter a cara da Europa. O boom da literatura latino-americana talvez tenha tido relação com este momento, uma resistência a uma ideia de ocidente. Hasan, criado em 1982, era então só um sussurro. Mas este sussurro, somado a outras raivas, ao fundamentalismo islâmico, ao nacionalismo, ao antiamericanismo, expressava o antiocidentalismo. Este sentimento não me agradava. Eu me sentia mais próximo dos valores do Ocidente do que meus personagens. Mas este sentimento cresceu. O que faz Hasan mais visível para leitores ingleses, americanos e talvez brasileiros foi o desenvolvimento da história.

Brasileiros buscam verba para poder finalizar obra em escola na África

0

Campanha tenta arrecadar R$ 20 mil até o dia 30 de junho.
Líder do projeto teve malária e febre tifoide e emagreceu 14 quilos.

Moradores de Fendell também ajudam na construção da escola que tem o bambu como principal matéria-prima (Foto: Escola de Bambu/ Divulgação)

Moradores de Fendell também ajudam na construção da escola que tem o bambu como principal matéria-prima (Foto: Escola de Bambu/ Divulgação)

Vanessa Fajardo, no G1

Dois brasileiros que estão na África desde fevereiro deste ano com a missão de construir uma escola na comunidade de Fendell, nas imediações de Monróvia, capital da Libéria, ainda precisam de R$ 20 mil para conseguir concluir as obras. O líder do projeto é o jornalista Vinicius Zanotti, de 27 anos, que durante a temporada na África contraiu malária e febre tifoide e emagreceu 14 quilos. O construtor Fabio Ivamoto Peetsaa, de 34 anos, também está no local e teve malária.

Para conseguir arrecadar a verba necessária, os ‘bambuzeiros’, grupo de 30 voluntários que trabalham no projeto, lançaram um ‘crowdfunding’, campanha na internet de mobilização. É possível doar cotas a partir de R$ 25 pelo site, clique aqui.

Se a meta de R$ 20 mil não for alcançada em até 30 de junho, os valores de quem já contribuiu serão devolvidos, será “tudo ou nada”. No total, o projeto “Escola de Bambu” já arrecadou R$ 140 mil com uma campanha que começou em 2011. Venda de produtos como camisetas, DVDs, rifas e doações espontâneas ajudaram a chegar neste montante. As obras começaram na África, enquanto a campanha continuava no Brasil, pois já era previsto que R$ 140 mil não seriam suficientes para concluir todo o projeto.

Vinicius Zanotti e Peetsaa na Libéria no vídeo para a campanha (Foto: Reprodução)

Vinicius Zanotti e Peetsaa na Libéria no vídeo para
a campanha (Foto: Reprodução)

Escola de bambu
A escola vai substituir uma unidade erguida em 2009 com paredes de ripas de bambu trançado e teto de folhas de zinco, sem energia elétrica e banheiros, que atende cerca de 300 crianças de Fendell em condições precárias.

As obras estão caminhando bem, segundo Zanotti, porém, se o grupo não conseguir arrecadar mais R$ 20 mil, algo não será concluído. “Toda a estrutura está pronta. Finalizamos o telhado do prédio um e dois. Devemos terminar o telhado do prédio três e quatro, no máximo, em uma semana. Estamos fazendo os tijolos de adobe e subindo as paredes do prédio um. Começamos nesta semana a parte hidráulica. Se não conseguirmos os R$ 20 mil, algumas coisas faltarão, mas ainda é cedo para prever o quê.” As construções precisam ser finalizadas até julho, quando começa a temporada de chuvas na região e não há mais como trabalhar nas obras.

O projeto da escola é inspirado em obras já existentes na Índia e no México. Além do bambu, matéria-prima abundante na comunidade, os construtores utilizam blocos de tijolo adobe, fabricado com cimento e terra locais. Como o local não possui energia elétrica, água encanada e coleta de esgoto, o projeto prevê soluções sustentáveis.

As paredes terão entrada de luz solar para iluminação das salas de aula e para ventilação natural e haverá sistema de captação e reuso de água da chuva. Serão criados uma fossa biogestora que transforma excrementos em adubo para as plantações e um gerador de energia feito com imãs de HD de computadores quebrados e rodas de bicicletas, projetados pelo construtor Peetsaa.

Peetsaa na extração de bambu na Libéria (Foto: Vinicius Zanotti/ Divulgação)

Peetsaa na extração de bambu na Libéria
(Foto: Vinicius Zanotti/ Divulgação)

“Em três meses de trabalho conseguimos construir bastante coisa, conseguimos ensinar a biotecnologia de construção, o tratamento do bambu, a fossa com filtro biológico de bananeira. Como a gente sabe, não se faz nada sozinho nesse mundo, a união realmente faz a força. A agora é o momento de nos juntarmos mais uma vez”, afirma Peetsaa no vídeo da campanha para captar a verba final.

A ideia

A empreitada foi iniciada em março de 2010 quando Zanotti viajou para a Libéria e realizou o sonho que tinha desde adolescente de conhecer a África. A temporada que duraria 15 dias foi prolongada por dois meses porque ele contraiu malária pela primeira vez e precisou de cuidados médicos. Neste período, o jornalista conheceu o líder liberiano Sabato Neufville, de 35 anos, fundador de uma ONG chamada “Movimento dos Jovens Unidos contra a Violência.”

Foi Sabato quem ergueu a escola de bambu em setembro de 2009 e com o próprio salário contratou os professores. Com a remuneração de US$ 800 mensais que recebe da Organização das Nações Unidas (ONU), também sustenta as nove crianças órfãs de guerra que adotou. “Sabato fazia o papel do estado. Na Libéria não existe educação gratuita, até as escolas públicas são pagas. Quando entrei na escola pela primeira vez e vi as crianças sentadinhas tendo aula naquele espaço, surgiu o estalo de fazer algo”, diz Zanotti.

Interessado e sempre envolvido em causas sociais, o jornalista se sensibilizou com a situação da escola e com o trabalho de Sabato e decidiu gravar um documentário para embasar a campanha de arrecadação de fundos e dar melhores condições e perspectiva de vida à comunidade.

Garoto da comunidade de Fendell que vai ser beneficiado pela nova escola (Foto: Vinicius Zanotti/ Divulgação)

Garoto da comunidade de Fendell que vai ser beneficiado pela nova escola (Foto: Vinicius Zanotti/ Divulgação)

1

Produção de tijolos de adobe; meta é chegar na marca de 7.500 unidades (Foto: Vinicius Zanotti/ Divulgação)

500 mil histórias em quadrinhos para baixar de graça

0

1

Alexandre Pereira, no Canal do Ensino

Baixe agora

Olá leitores do Canal do Ensino!

As histórias em quadrinhos no Brasil foram publicadas inicialmente no século XIX, adotando um estilo satírico conhecido como cartuns, charges ou caricaturas e que depois se estabeleceria com as populares tiras. A edição de revistas próprias de histórias em quadrinhos no país começou no início do século XX. Mas, apesar do Brasil contar com grandes artistas durante a história, a influência estrangeira sempre foi muito grande nessa área, com o mercado editoral dominado pelas publicações de quadrinhos americanos, europeus e japoneses.

O site The Digital Comic Museum disponibiliza HQ’s, em inglês, de diversos super-heróis.
Acesse o site The Digital Comic Museum

Boa leitura!

dica do Fabio Martelozzo Mendes

Focado em formação de pessoas e de acervo, Museu de Arte do Rio abre na sexta-feira

0

Fabio Cypriano e Marco Aurélio Canônico, na Folha de S.Paulo

Um museu voltado à formação, tanto de pessoas quanto de um acervo público de obras de arte. Essa é a missão a que se propõe o Museu de Arte do Rio (MAR), que abre as portas na sexta-feira (1º), aniversário da cidade, em evento para convidados, incluindo a presidente Dilma Rousseff.

Primeiro dos quatro museus públicos que o Rio vai ganhar nos próximos anos –os demais são o do Amanhã, o da Moda e o novo Museu da Imagem e do Som–, o MAR ocupa dois prédios na zona portuária, que serão abertos ao público a partir de terça.

A integração entre arte e educação é a meta do museu: não por acaso, visitantes entram no espaço pelo prédio da Escola do Olhar –área educativa que atenderá alunos e professores da rede pública– para chegar às exposições.

Fachada do Museu de Arte do Rio (MAR), na praça Mauá, na zona portuaria do Rio de Janeiro; o museu será inaugurado na sexta-feira, 1º de março

Fachada do Museu de Arte do Rio (MAR), na praça Mauá, na zona portuaria do Rio de Janeiro; o museu será inaugurado na sexta-feira, 1º de março

“É um museu da cidade para sua população”, diz Paulo Herkenhoff, 63, diretor cultural do MAR. “Se for bom para a rede pública, será bom para os cidadãos e os turistas.”

Planejado para abrigar coleções privadas em exposições temporárias, a instituição mudou de característica com a chegada de Herkenhoff e passou a ter como meta criar um acervo próprio.
O MAR estreia com cerca de 3.000 obras, entre elas uma escultura de Aleijadinho, a primeira na coleção de um museu carioca, e um quadro de Tarsila do Amaral.

Suas quatro exposições inaugurais, no entanto, ainda são baseadas em coleções particulares, como as do casal Fadel e a de Jean Boghici –reduzida por um incêndio que atingiu a cobertura do colecionador no ano passado.

EXEMPLO DA PINACOTECA

Erguido ao custo de R$ 79,5 milhões, o MAR é uma parceria da prefeitura com a Fundação Roberto Marinho, à qual o município destinou cerca de R$ 62 milhões, por serviços nos dois prédios.

Do custo total, R$ 14 milhões vieram por meio do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac); o museu tem a Vale e as Organizações Globo como patrocinadoras.

Segundo o prefeito do Rio, Eduardo Paes, além de impulsionar a revitalização da zona portuária, o museu foi pensado para dar ao Rio “um equipamento parecido com a Pinacoteca de São Paulo.”

“A prefeitura não tinha nenhum museu de porte. O MAR permite, nesse primeiro momento, pelo menos expor acervos privados que estavam escondidos por aí”, diz.

A decisão de deixar a administração a cargo de uma OS (Organização Social), escolhida por edital, faz parte da estratégia de “institucionalizar” o museu, deixando-o menos sujeito às mudanças no comando da cidade.

A OS vencedora foi o Instituto Odeon, de Minas Gerais, que receberá R$ 12 milhões anuais da prefeitura. O contrato vale por dois anos, renovável por mais três. Para manter as atividades artísticas e educativas, buscará mais R$ 13,6 milhões via Lei Rouanet –o montante, já autorizado, está em fase de captação.

Por contrato, o MAR deve atender um mínimo de 2.000 professores da rede pública e receber ao menos 200 mil visitantes em seu primeiro ano.

O Museu de Arte do Rio (MAR) será inaugurado na sexta-feira, 1º de março

O Museu de Arte do Rio (MAR) será inaugurado na sexta-feira, 1º de março

O Museu de Arte do Rio (MAR) será inaugurado na sexta-feira, 1º de março

O Museu de Arte do Rio (MAR) será inaugurado na sexta-feira, 1º de março

(mais…)

Empresário sai do prejuízo após oferecer livros a qualquer custo em máquinas no metrô

2

1

Larissa Coldibeli, no UOL

O sucesso do empreendedor Fabio Bueno Netto, que criou as máquinas de livros das estações de metrô de São Paulo, veio quando ele já havia desistido do negócio. Para queimar o estoque e encerrar as atividades, resolveu fazer uma promoção inusitada: “Pague quanto acha que vale”. A ação fez as vendas crescerem oito vezes e tirou o negócio do vermelho.

A venda funciona da seguinte forma: os consumidores podem levar os títulos expostos na máquina a qualquer valor, a partir de R$ 2.

Com o sucesso da iniciativa, ele manteve as atividades e, aos poucos, converteu todas as máquinas a esse modelo de negócio. Atualmente, a empresa 24×7 possui 24 máquinas em várias estações do metrô paulista e uma no metrô carioca.

O negócio está em operação desde 2003, mas a nova forma de cobrança foi adotada no final de 2011, quando a empresa teve que retirar várias máquinas das estações por determinação da secretaria de transportes metropolitanos.

“Foi uma decisão arbitrária da secretaria e uma época difícil. Eu tinha acabado de fazer um empréstimo para uma grande importação de máquinas e nosso faturamento caiu 70%. Foram dois anos trabalhando no vermelho até tomar a decisão de encerrar a operação”, conta Netto. Mesmo com o aumento das vendas, a empresa ainda não conseguiu equilibrar as contas, mas espera fazer isso em até dois anos.

Inspiração veio das máquinas de café
A ideia de vender livros em máquinas de autosserviço surgiu enquanto o empreendedor passava em frente a uma máquina de café, muito comum nas empresas. Como não havia nada parecido no mercado, ele precisou adaptar os equipamentos para o produto, criar tecnologia para gerenciamento à distância e até equipamentos para fazer o transporte para dentro das estações.

Foram dois anos e meio de planejamento e investimento de tempo e dinheiro até a venda do primeiro livro. “No primeiro dia de operação, fiquei por perto observando a reação das pessoas. Todos ficavam curiosos, se aproximavam da máquina, mas não compravam. No fim da tarde, quando eu já estava frustrado, aconteceu a primeira venda. Foram quatro livros vendidos no primeiro dia.”

Não há no mercado serviço similar ao da 24×7 para venda de livros. Mas a empresa lucra também com a prestação de serviços relacionados aos equipamentos de autosserviço, como customização para empresas, transporte e fornecimento de meios de pagamento.

Maioria dos clientes paga R$ 2, mas lucro vem do volume
As operações da empresa são separadas e Netto garante que a venda de livros no sistema “Pague quanto acha que vale” dá lucro. “A maioria das pessoas paga R$ 2, mas lucramos por causa do volume. Compramos muita ponta de estoque de editoras, o segredo é comprar bem”, afirma o empreendedor.

A máquina não aceita moedas nem dá troco. Um equipamento que vende somente livros por R$ 10 está sendo testado na estação Trianon-Masp do metrô de São Paulo e, se for bem aceito, será incorporado aos negócios da empresa. Atualmente, são vendidos, em média, 80 mil livros por mês.

As máquinas são abastecidas e vistoriadas, no mínimo, duas vezes por dia e há o telefone do SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) e o celular de um repositor que fica em trânsito no metrô, para corrigir eventuais falhas. O índice de erro dos equipamentos, entretanto, é pequeno, de 0,07%.

Imagem: Google
dica do Chicco Sal

Go to Top