State Ibirapuera

Posts tagged Garota

Garota de 8 anos que já leu mais de 400 livros faz doação para biblioteca de Pederneiras

0

Maria Laura Rached, de 8 anos, já leu mais de 400 títulos entre livros e gibis — Foto: TV TEM/Reprodução

Maria Laura Rached acredita que os livros e gibis doados podem incentivar outras crianças a criarem o hábito da leitura. Tia-avó da menina dá nome à biblioteca da cidade.

Publicado no G1

Uma menina de 8 anos conhecida em Pederneiras (SP) por já ter lido mais de 400 títulos, entre livros e gibis, voltou a virar assunto na cidade depois de decidir doar parte de seu acervo particular para a biblioteca municipal.

Maria Laura Pereira Rached Afonso se diferencia das crianças da mesma idade por preferir as páginas de papel aos smartphones, tablets e outros equipamentos eletrônicos.

Sua atividade favorita é ler, principalmente na cama ou durante passeios com a família.

A garota é um orgulho para a família. Seu hábito de sempre ter por perto um livro já começa a influenciar até mesmo o irmão Pedro, de 4 anos.

Maria Laura Rached ao lado de Daniela Martelini, coordenadora da biblioteca, durante a doação: “Agora podemos atrair mais crianças” — Foto: TV TEM/Reprodução

A menina decidiu decidiu doar mais de 100 livros de sua coleção pessoal para a biblioteca após conhecer a história da moradora que deu nome ao local. Paula Rached era tia-avó da Maria Laura e morreu aos 18 anos, em 1977, após enfrentar uma leucemia.

A própria Maria Laura explica que a decisão é a forma que ela encontrou de homenagear sua tia-avó e também incentivar outras crianças a terem o mesmo gosto pela leitura.

Maria Laura fez questão de levar pessoalmente os livros atér a biblioteca. Durante a doação, a pequena leitora explicou que as histórias contidas nesta centena de títulos já estão bem guardadas em sua memória.

Criança lê 65 livros em 2016 e é campeã de leitura em escola no ES

0

Menina de 10 anos sonha em ser professora para incentivar leitura.
Escola de Viana homenageia alunos que mais leem.

Michel Bermudes Auer, no G1

Emily lê pelo menos dois livros por semana (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

Emily lê pelo menos dois livros por semana
(Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

A estudante Emily Barnabé, de 10 anos, ganhou a competição de leitura no colégio municipal Marcílio de Noronha, em Viana, na Grande Vitória, com 65 livros lidos. Para ela, ler é uma maneira de conhecer o mundo. “É viajar sem sair do lugar”, disse.

A menina lê pelo menos dois livros por semana, um hábito familiar. O pai, a mãe e até o irmão de quatro anos estão sempre reunidos para uma boa leitura.

“É um orgulho muito grande. A gente vê o mundo de hoje em dia como está difícil e a gente vê o nosso filho dando esse orgulho para a gente. É muito especial, é uma bênção de Deus”, disse a mãe, Jhesik Barnabé.

O pai, Wemerson Chagas, falou que a irmã mais velha influencia o mais novo. “Eles passam o dia juntos, ela lendo acaba incentivando ele. Com as histórias que têm os desenhos, acaba animando ele mais ainda”, contou.

Competição
Na escola, Emily e os coleguinhas passam bastante tempo na biblioteca. Junto com outras turmas, eles já leram mais de 4 mil livros neste ano. “Me ajuda a ler melhor, eu estudo melhor”, disse Brenda Virgínia, de 10 anos.

Mas para participar da competição, não basta só ler. Os alunos precisam fazer um resumo de cada história, como explica a bibliotecária Janaína Barreto.

Além da leitura, alunos também têm que fazer um resumo da história (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

Além da leitura, alunos também têm que fazer um resumo da história (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

 

“Todos os alunos possuem um caderno de produção textual, onde eles vão registrando. A cada livro que eles leem, eles fazem uma releitura. E também por meio de desenho. Então eles fazem todo o registro, desenhando ou produzindo texto”, contou.

Na escola, os alunos que gostam de ler são incentivados e homenageados. Emily foi a campeã entre todas as turmas, depois de ler os 65 livros neste ano. “Muita alegria, emoção”, declarou a ganhadora.

O projeto de leitura é um sucesso e mudou a história dessas crianças e das suas famílias, como conta a diretora da escola, Aurora de Fátima.

“Houve uma mudança dentro da sala de aula, a melhora na escrita, a leitura melhorou. Há participação da família dentro da escola, porque as crianças levam livro para casa para ler”, explicou.

O maior sonho de Emily é ser professora e ela explica o motivo. “Porque eu quero ter o prazer de ensinar as pessoas a ler”, declarou a campeã em leitura.

Após ler 560 livros, garota de 11 anos cria biblioteca em SP

0

638591-940x600-1

Simone Machado, na Folha de S.Paulo

RESUMO Aos 11 anos, Kaciane tornou-se conhecida pela paixão por livros: já leu 560. Moradora de um bairro pobre de São José do Rio Preto (SP), ela promoveu campanhas e construiu sua própria biblioteca –um quarto no fundo de casa, com cerca de 5.000 títulos. Os próximos passos são uma biblioteca móvel e lançar um livro.

*

Minha paixão pelos livros começou bem antes que eu pudesse me dar conta. Minha mãe diz que, com três, quatro anos, eu já era apaixonada por livros e cadernos, e a minha brincadeira preferida era de escolinha.

No quintal de casa, com meus irmãos mais velhos, aprendi a ler e a escrever. Aos sete, na escola, conheci o que era uma biblioteca. Incentivada por uma professora, li meu primeiro livro, “As Aventuras de Pedro, o Coelho”, da autora Beatrix Potter.

Tinha mais ou menos cem páginas, cheias de desenhos, que li em poucas horas. Ali começava a minha paixão. Adorei a sensação de poder entrar na história, conhecer personagens e viajar para lugares que jamais imaginei.

Na mesma semana voltei para a biblioteca e peguei outros livros. Desde então, esse é meu principal passatempo.

Todos os dias, não vejo a hora de chegar da escola e fazer meu dever, depois fechar a porta do quarto e abrir meu mundo particular. Hoje leio, em média, cem livros por ano. E já li 560 títulos.

O SONHO

Quando eu tinha nove anos, minha família saiu do aluguel e se mudou para a nossa casa própria, em um conjunto habitacional de baixa renda. A maioria das crianças não tinha muito lazer e ficava a maior parte do tempo nas ruas, ociosas.

Foi então que surgiu a ideia de construir uma biblioteca no quintal, nos fundos de casa. Assim eu poderia apresentar para todas as crianças da vizinhança aquele universo tão fantástico.

Aos poucos fui contando para as pessoas meu projeto e pedindo doações de livros, mas recebi apenas 40 títulos.

Aí pensei: como meu aniversário estava próximo, fiz um vídeo e publiquei na internet. Em vez de presentes comuns, pedi livros para montar a biblioteca.

Meu vídeo chegou até um empresário da cidade. Foi ele quem doou todo o material para a construção da biblioteca. Em poucos meses, meu sonho virou realidade.

A biblioteca é toda colorida, tem mesinhas e um espaço para as crianças. São cerca de 5.000 títulos, livro para todos os gostos e idades.

Como ela fica no fundo de casa, para chegar tem que passar por dentro da nossa cozinha. Mas nada disso importa para mim. Minha mãe e minha irmã me ajudam a receber as crianças do bairro.

O LIVRO

Assim como nos livros, quero que minha história vá além. Agora em outubro estou prestes a realizar mais sonhos: lançar meu primeiro livro e criar uma biblioteca itinerante. Minha vontade é que crianças de outros bairros carentes também tenham a oportunidade de viajar pelo mundo da leitura.

Já ganhei materiais e acessórios para montá-la e ela já está quase pronta. Está ficando linda! Já meu livro, sou suspeita para falar, mas ele também está lindo. Estou completamente apaixonada por ele.

Chamado “Tanto Faz ou Qualquer Coisa: Histórias de Kaciane”, fala da minha história, de preconceito, de amizade, entre outros temas.

Ele já está na pré-venda e vai ser lançado no mês das crianças, em outubro. E assim eu vou seguindo, sonhando, realizando e escrevendo um capítulo novo a cada dia.

Garota de 12 anos ‘supera’ Einstein e tira nota máxima em teste de QI

0

Lydia aprendeu a falar aos seis meses e toca violino desde os 4 anos.
Ela obteve 162 pontos em teste realizado pela sociedade Mensa.

sebastian

Publicado no G1

Uma adolescente de 12 anos obteve a maior nota possível em um teste de QI (quociente de inteligência). A estudante Lydia Sebastian, moradora de Essex, na Inglaterra, estuda em um colégio feminino chamado Birkbeck College.

De acordo com reportagem do jornal The Guardian, Lydia fez 162 pontos no teste supervisionado pela sociedade Mensa. De acordo com a Mensa, apenas 1% da população é capaz de atingir a nota máxima no teste.

O teste é dividido em duas partes, com 150 questões. A nota máxima para adultos é 161.

Candidatos de até 18 anos podem chegar ao máximo de 162 pontos. Albert Einstein, Stephen Hawking e Bill Gates têm QI de 160. A marca de 140 pontos é o mínimo exigido para entrar na sociedade.

Preparação
Lydia se preparou durante um ano para o teste, que tem entre os principais objetivos medir a habilidade de raciocínio verbal. A adolescente disse ter ficado nervosa, mas que depois de ter começado o exame se tranquilizou. “Foi mais fácil do que eu esperava e então eu relaxei”, disse em entrevista ao Gardian.

Os pais da garota afirmam que ela mesmo fez buscas na internet para se aprofundar sobre como fazer o teste de QI e que acabaram por autorizar a tentativa. Segundo o pai, Arun Sebastian, ela começou a falar aos seis meses, toca violino desde os quatro anos e já leu os sete livros da saga Harry Potter três vezes.

Sem material, aluna de escola pública do DF tira fotos de livros para estudar

0

Direção diz que houve 60 matrículas a mais que o esperado no 2º ano.
Garota ficou de recuperação; MEC afirma não ter recebido novo pedido.

livro1

Publicado no G1

Sem ter recebido material didático mesmo após quatro meses depois do início do ano letivo, uma aluna de ensino médio da rede pública do Distrito Federal tira fotos de livros disponíveis na biblioteca do Centro Educacional 1 do Guará para conseguir acompanhar as aulas. Sabrina Caixeta reclama que, por ter deficiência visual, enfrenta dificuldades para lidar com o improviso. A Secretaria de Educação reconhece o problema, mas diz não ter prazo para solucioná-lo.

A direção da escola informou que desde fevereiro duas turmas do 2º ano do ensino médio estão sem os oito livros didáticos – história, biologia, química, matemática, física, geografia, inglês e língua portuguesa. O problema teria ocorrido porque há 60 alunos a mais do que o que foi previsto. Sabrina, que tem 17 anos, diz se sentir prejudicada com a situação.

sabrina-caixeta

“[A gente está] se virando. Acaba prejudicando os outros alunos que têm livros [porque pedimos emprestado]”, conta a menina, que pretende fazer Enem e o PAS neste ano. “[As notas] vão por água abaixo. Tem muita gente com nota baixa.”

A jovem mesmo ficou de recuperação em cinco matérias. Mãe dela, a líder comunitária Célia Caixeta afirma acreditar que a situação se repita em outras unidades de ensino e que vai buscar outros pais para tentar ver o que pode ser feito a respeito.

“Minha filha usa óculos de grau, então, para olhar as letrinhas no celular, ela reclama muito. Na biblioteca não tem livros suficientes para todos. Estudar é um direito que minha filha tem”, declarou.

Em nota, a Secretaria de Educação disse que pediu o material restante para o Ministério da Educação e que, enquanto os livros não chegam, vai tentar remanejar itens de outras escolas. O governo federal informou não ter registro de solicitações feitas pelo DF por mais material didático.

Go to Top