Posts tagged Gilberto Dimenstein

Táxi também é cultura

1

1

Gilberto Dimenstein, na Folha de S.Paulo

Adoro aqui falar e apoiar ideias simples que ajudam a convivência numa cidade – sem gastar nada ou quase nada.

Numa cidade como São Paulo é normal passar muito tempo num táxi. Por que não transformar o táxi num ponto de leitura de livros?

Dessa pergunta, quem sabe está nascendo uma gigantesca biblioteca móvel.

A experiência começou na Vila Madalena, criada pelo Instituto Mobilidade Verde, comandada por Lincoln Paiva. O bairro foi convidado a deixar livros no táxi.

Agora, porém, ganha dimensão graças às novas tecnologias da informação. É um dispositivo chamado Easytaxi, que, pelo celular ou computador, nos permite chamar o táxi mais próximo. E podemos acompanhar o trajeto do veículo pela tela. São milhares que táxis que já usam esse dispositivo em várias cidades brasileiras.

Ocorre que o Easytaxi está recolhendo livros e montando uma pequena biblioteca dentro do veículo.

O passageiro que quiser leva o livro para casa. E é convidado (mas não obrigado) a deixar em outro táxi, para formar uma corrente.

Se você quiser doar livros, basta mandar um email para contato@easytaxi.com.br

Se forem mais de duzentos livros, o projeto está disposto a fazer a coleta. De táxi, claro.

dica do Chicco Sal

Coloquem livros na cesta básica

0

Gilberto Dimenstein, na Folha de S.Paulo

Essa é daquelas ideias simples e geniais. Não custa nada –e rigorosamente todos saem ganhando. Cestas básicas distribuídas a trabalhadores pelas empresas que misturam além de arroz, feijão e óleo um alimento para a alma: livros.

No projeto batizado de Leitura Alimenta, há uma parceria que dispensa dinheiro. Funciona assim:

1) Uma rede de livrarias, a Livraria da Vila, coleta livros usados. E muita gente tem livros em sua casa, que estão sem uso há muito tempo. Ali, seleciona-se o que vale ou não a pena.

2) Uma empresa de cestas básicas, Cesta Nobre, recolhe os livros, distribuindo-o aos trabalhadores das empresas que contratam seus serviços.

Resultado: as empresas aumentam seu benefício, já que, sem pagar nada, enriquece a cesta e satisfaz seus trabalhadores que, por sua vez, ganham um livro.

Sempre digo aqui e tento mostrar exemplos de que com um pouco de boa vontade e inventividade podemos fazer pequenos milagres.

Veja mais detalhes aqui.

*

Dica digital para quem quer ler bons livros sem pagar nada: 15 sites para baixar livros gratuitamente. Clique aqui

*

Uma alternativa interessante (e ecologicamente sustentável) é trocar livros. A internet ajuda. Uma dica é o Descolaaí

*

Selecionei dez sites de trocas de produtos. Basta clicar aqui

Escola em favela vai ter atenção mundial

0

1Gilberto Dimenstein, no Bol Notícias

Não sei se vai dar certo -aliás, ninguém sabe-, mas tenho certeza de que uma escola que será lançada neste mês na favela da Rocinha, na zona sul do Rio, vai chamar atenção de educadores no mundo.

É de uma ousadia extrema o Ginásio Experimental de Novas Tecnologias (mais detalhes aqui).

Lá, o professor deixa de ser professor como conhecemos. Passa a ser um tutor. Os estudantes terão acessos a conteúdos digitais, onde se pode organizar seu próprio aprendizado, escolhendo diferentes caminhos.

Os programas de computador conseguem detectar as fragilidades dos estudantes – e, assim, propor exercícios de reforço.

Detectadas as fragilidades, o professor-tutor reúne alunos em pequenos grupos, oferecendo uma ajuda personalizada.

Lá não tem séries nem classes com cadeiras enfileiradas.

A escola são grandes salões onde se misturam alunos das mais diferentes idades com os mais diferentes tipos de curiosidades.

É daquelas experiências que todos devemos prestar atenção para aprender com os erros e acertos.

Já vale só pela coragem de tirar do papel, numa favela, o que os mais inovadores educadores do mundo recomendam como a escola do futuro.

Lição das prostitutas ao Brasil

0

Gilberto Dimenstein, na Folha de S.Paulo

As prostitutas de Belo Horizonte que, como noticiou a Folha, começam a estudar inglês para receber os turistas para a Copa do Mundo, são uma interessante lição ao Brasil.

Uma das mais consistentes mudanças na paisagem social brasileira é como as pessoas mais pobres estão descobrindo a educação e demandando mais repertório cultural. Basta andar pelas favelas e periferias, vendo o número de pessoas interessadas em fazer cursos profissionalizantes, técnicos e superior.

Daí se entende a explosão dos cursos à distância mais baratos –é a modalidade que mais cresce, e de longe, em ensino superior. É crescente o sucesso na internet de videoaulas gratuitas. Há sites ganhando milhões de leitores apenas traduzindo essas aulas para o português.

Estou cada vez mais convencido de que se o país conseguir disseminar a inclusão digital com esses novos materiais, o país dará um salto educacional –mesmo sem ter mudado radicalmente suas escolas públicas.

Afinal, há uma vontade de aprender –e as prostitutas de BH simbolizam isso– com materiais pedagógicos cada vez mais baratos e eficientes.

*

Selecionei 20 sites em que se pode aprender uma língua sem pagar nada ou muito pouco. Clique aqui

*

Selecionei 10 sites com os mais importantes cursos à distância gratuitos, inclusive das melhores universidades do mundo. Clique aqui

A melhor notícia de Dilma

0

aluno na lousa

Gilberto Dimenstein, na Folha de S.Paulo

Para quem acha que o capital humano é essencial no desenvolvimento de uma nação, escolho aqui, neste final de 2012, o que não é a melhor notícia do ano, mas mas a melhor notícia de Dilma Rousseff.

A melhor notícia é a atuação do Supremo Tribunal Federal contra a corrupção, cujo maior mérito é mudar a mentalidade de conivência contra a corrupção e a sensação de impunidade.

A pior é o baixo crescimento econômico, colocando em xeque a eficiência do governo e, mais ainda, o efeito parasita dos governos.

A melhor notícia de Dilma foi sua declaração de que pretende batalhar para que o dinheiro do pré-sal seja destinado à educação. Não sei se ela consegue vencer bem a batalha. Nem se, caso consiga vencer, o dinheiro será aplicado corretamente, sem desperdício.

Sei que existe um risco de o pré-sal acomodar o país com a riqueza fácil e finita. Mas a maior riqueza de uma nação não é o que está debaixo da terra. Mas dentro da cabeça.

Aproveitar essa chance única para focar em melhoria do ensino e do desenvolvimento da pesquisa e da ciência é o caminho para sermos um país civilizado. É algo muito, mais muito mais relevante do que o Bolsa Família.

Não existe país decente com escola pública indecente.

Se Dilma conseguir vencer essa batalha, ela pode perder a próxima eleição – e perder feio. Mas terá assegurada uma forte candidatura a estadista.

Go to Top