Vitrali Moema

Posts tagged história

6 motivos para ler livros de papel – com base no que diz a ciência

0

(Hemera Technologies/Thinkstock)

 

Do vocabulário à memória, a leitura traz bem-estar. E os resultados são melhores quando você lê livros à moda antiga.

Raquel Drehmer, no M de Mulher

E-books são práticos e ocupam um mínimo de espaço, audiobooks facilitam a vida de quem não consegue se dar o tempo necessário para parar e ler. Mas os livros de papel, mesmo não tendo estas conveniências todas, têm seu charme e ainda cativam muita gente.

E tem mais: estudos acadêmicos indicam que manter o hábito de segurar um livro à moda antiga e lê-lo virando as páginas, voltando para recapitular algum detalhe e sentindo aquele cheirinho de papel traz muito bem-estar.

Vamos a oito motivos científicos para não abandonar os velhos e bons livros de papel.

Ler livros de papel aumenta o vocabulário…

Um estudo conduzido pela Universidade da Califórnia (EUA) mostrou que leitores de livros de papel assimilaram 50% mais palavras novas do que os leitores das mesmas obras em e-book. Paralelamente, observou que as crianças que têm o interesse por livros infantis estimulado pelos pais conseguem construir frases completas mais cedo que as crianças que só veem TV.

… E evita o desgaste da memória

Assim como fazer atividades físicas trabalha os músculos e o sistema cardiovascular, ler exercita o cérebro. E, em vez de músculos definidos, o que se nota é a memória preservada. Pesquisadores da Universidade Tufts (Massachusetts, EUA) acompanharam por cinco anos voluntários que tinham acabado de entrar na terceira idade e constataram que os que mantiveram o hábito de ler livros e jornais de papel não tiveram perda de memória como aqueles que simplesmente deixaram a leitura de lado.

Ler também é um aliado na luta conta o Alzheimer

Oito professores da Case Western Reserve University (Ohio, EUA) analisou que idosos com os hábitos de ler, jogar xadrez ou montar quebra-cabeças têm 2,5 vezes menos risco de desenvolver Alzheimer do que aqueles que optam por ficar apenas em frente à TV.

Poder virar as páginas do livro ajuda na compreensão da história

Quem lê e-books tende a passar por cima de pedaços da história que não tenha entendido, alegadamente por preguiça de rolar a tela até encontrar o que tenha ficado no ar, enquanto os leitores de livros de papel não apenas voltam às páginas que ajudem a entender algo como também fazem anotações por escrito para fixar ainda melhor algum detalhe. Esta foi a conclusão de pesquisadores da Universidade de Karlstads (Suécia) após acompanhar o comportamento de leitura de 232 alunos voluntários.

Livros de papel ajudam a relaxar

Chegar em casa, tomar um banho e começar a ler um livro de papel x chegar em casa, tomar um banho e ir para a frente da TV: o que será melhor para relaxar? De acordo com um estudo da Universidade de Sussex (Reino Unido), a primeira opção funciona melhor para 68% da população. Os neuropsicólogos que desenvolveram a pesquisa entenderam que mergulhar na ficção ajuda na produção de hormônios do prazer (endorfina e dopamina), enquanto assistir à TV eleva os níveis de estresse.

Crianças que veem adultos lendo livros de papel gostam mais de ler

Quer que seus filhos gostem de ler? Leia livros de papel perto deles. Um estudo da Universidade de Montreal (Canadá) cravou que 75% das crianças que têm o exemplo de pais leitores em casa tomam a iniciativa de procurar livros para elas, seja em bibliotecas ou em lojas. Aproveite esses momentos de leitura em família para incentivar que os pequenos contem as histórias que estão acompanhando nos livros; além de ser uma ótima técnica de união, trabalha a oratória deles.

Man Booker Prize anuncia finalistas de 2018

0

Man Booker 2018 tem autora mais jovem a entrar na disputa – Agência O Globo

Lista dominada por mulheres tem autora mais jovem da história do prêmio

Publicado em O Globo

RIO — Os finalistas do Man Booker Prize, um dos mais prestigiados prêmios literários do mundo, foram anunciados nesta quinta-feira. A lista, dominada por mulheres, é formada por quatro escritoras e dois escritores.

Entre os concorrentes estão a britânica Daisy Johnson, de 27 anos, que se tornou a autora mais jovem a concorrer ao prêmio com o livro “Everything Under”; e o também britânico Robin Peterson, concorrendo com “The long take”, primeiro romance escrito em versos a disputar a premiação.

Completam a lista o canadense Esi Edugyan (“Washington Black”); a americana Rachel Kushner (“The mars room”); o americano Richard Powers (“The overstory’); e a britânica Anna Burns (“Milkman”).

Segundo o comunicado do prêmio, as obras abrangem uma ampla gama de assuntos, desde um escravo de 11 anos que escapou de uma plantação de açúcar em Barbados, até um veterano do “Dia D” que vive com transtorno de estresse pós-traumático.

O vencedor, que será anunciado no dia 16 de outubro, se tornará o sucessor de George Saunders (“Lincoln no limbo”).

O Man Booker é aberto a escritores de qualquer nacionalidade que escrevam em inglês e tenham publicado no Reino Unido e na Irlanda.

 

Livro de George R.R. Martin sobre Targaryens chega ao Brasil em novembro

0

No Brasil, ele será publicado pela Companhia das Letras (foto: Cia das Letras / Reprodução )

A obra, intitulada Fogo & sangue, conta a história da Casa Targaryen, que na série ‘Game of thrones’ é retratada pela figura da personagem Daenerys

Publicado no UAI

O escritor George R.R. Martin continua adiando o lançamento do próximo livro da saga As crônicas de gelo e fogo, The winds of winter, o sexto da franquia. Enquanto isso, o autor tem lançado outros projetos ligados ao universo de Game of thrones, como a obra Fire & blood.

O livro chega ao Brasil em novembro, pela Companhia de Letras, sob o título Fogo & sangue. A trama se passa três séculos antes dos eventos da saga dos outros livros e conta a história oficial da família Targaryen, uma das mais importantes do universo de Game of thrones e que na série da HBO é retratada pela figura da personagem Daenerys, papel da atriz Emilia Clarke.

O lançamento no Brasil será na mesma data que nos EUA e no Reino Unido: 20 de novembro. A versão em inglês tem 989 páginas. Algumas livrarias nacionais já fazem a pré-venda do livro, por R$ 145.

‘Mary Shelley’: O filme sobre a mulher que inventou Frankenstein

0

O filme 
mostra 
o convívio de Mary Shelley com grandes personagens da literatura inglesa, incluindo o grande poeta Lord Byron, aqui apresentado como uma figura desprezível

 

A realizadora saudita Haifaa al-Mansour conta a história da autora britânica de um dos mais célebres livros de terror da literatura. Mary Shelley, um grito feminista com ecos na atualidade, já se estreou nas salas de cinema

Manuel Halpern, no Visão

Haifaa al-Mansour tornou-se conhecida por ser a primeira mulher saudita a realizar um filme. A sua longa-metragem de ficção O Sonho de Wadjda, estreada em 2011, era uma impressionante fábula social, retrato íntimo sobre a condição feminina numa sociedade ultramachista e fundamentalista. O filme, naturalmente, não foi rodado nas ruas de Riade, mas revela uma proximidade íntima e cúmplice com esse misterioso e impenetrável mundo dentro de portas das mulheres sauditas. Haifaa deixou de ter condições para viver no seu país de origem e foi acolhida nos Estados Unidos da América, prosseguindo a carreira de cineasta.

O maior espanto, aqui, é a inflexão temática. Ao segundo passo, Haifaa abandona totalmente o ambiente saudita e faz uma adaptação livre da biografia de Mary Shelley, escritora inglesa da primeira metade do século XIX, celebrizada por ser a autora de Frankenstein, ou o Prometeu Moderno (1818). É uma mudança tremenda. Uma produção de época, com uma comparativa infinidade de meios, e um contexto temporal e espacialmente distante d’O Sonho de Wadjda.

O filme é competente e emocionalmente cativante, mas sem grande deslumbre. A opção por um estilo mais próximo do mainstream desilude todos aqueles que pediam a Haifaa novas histórias do seu mundo escondido. Contudo, não há dúvidas de que nesta viagem no espaço e no tempo há também uma reflexão feminista. Mary Shelley é uma libertária fora da época, que viveu de forma escandalosamente livre para o seu tempo e logrou impor-se enquanto escritora numa sociedade em que as artes e as letras estavam praticamente vedadas às mulheres. Haifaa, vítima e heroína dos nossos tempos, encontra uma referência e uma inspiração numa heroína da Inglaterra do século XIX. Há uma identificação. E apesar da abissal diferença de meios e ambiente, desvenda-se uma linha, ou pelo menos uma lógica, de continuidade no trabalho de uma realizadora tão local quanto universal.

‘Minha professora é diferente, e ela é maravilhosa’: a trajetória da educadora com Down alvo de preconceito de desembargadora

0

Débora Seabra atua como auxiliar de desenvolvimento infantil há 13 anos em uma escola privada de Natal: ‘Porque as crianças nos dão alegria’ (Foto: Rodolfo Seabra/Complexo EDH)

 

Marília Castro Neves, magistrada que havia questionado no Facebook o que Débora Seabra teria a ensinar, divulgou pedido de desculpas; texto, porém, chegou apenas por acaso à professora; conheça sua história.

Publicado no G1 [via BBC Brasil]

Estou escrevendo para agradecer a carta que você me mandou e lhe dizer que suas palavras me fizeram refletir muito. Bem mais do que as centenas de ataques que recebi nas últimas semanas. Desculpe a demora na resposta, mas eu precisava desse tempo.”

A professora Débora Seabra de Moura, de 36 anos, se preparava para mais um dia de aulas nesta quarta-feira em Natal (RN) quando se deparou com essas palavras, encaminhadas a ela por um amigo da família.

A autora da mensagem era a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. E o pedido de desculpas poderia ser um desfecho redentor para o caso de preconceito do qual a professora, considerada a primeira com síndrome de Down no Brasil, foi vítima.

Mas Débora foi pega de surpresa: a carta não foi enviada a ela, mas divulgada pela magistrada à imprensa horas antes que o conteúdo chegasse, por acaso, em suas mãos.

‘O que será que essa professora ensina a quem?’

As vidas da professora e da desembargadora se cruzaram há cerca de três anos, quando Marília Castro Neves postou em um grupo de magistrados no Facebook um comentário em que dizia ter ouvido no rádio que o Brasil é “o primeiro país a ter uma professora portadora de síndrome de Down”.

Na mensagem, ela declarou: “(…) Aí me perguntei: o que será que essa professora ensina a quem? Esperem um momento que eu fui ali me matar e já volto, tá?”.

O teor da publicação só viria a público em março deste ano, depois que a juíza fez comentários ofensivos e com informações falsas contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), então recém-assassinada a tiros na região central do Rio de Janeiro.

“Me senti machucada”, contou Débora à BBC Brasil.

“Doeu o preconceito de dizerem que sou incapaz de dar aula.”

Desembargadora Marília Castro Neves, que questionou a capacidade da professora, responde a cinco processos no CNJ por postagens na internet (Foto: Reprodução/Facebook)

O caso foi parar no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) após denúncia feita pela Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down. Se somou a outros quatro ajuizados contra a desembargadora por causa de suas polêmicas postagens nas redes sociais. Todos tramitam em segredo de Justiça – o órgão diz não poder dar esclarecimentos sobre o andamento dos processos.

Em tese, o prazo de defesa de Neves no CNJ terminaria nesta quarta-feira – mesmo dia em que ela postou no Facebook o pedido de desculpas à Débora e “à memória de Marielle”.

O texto foi publicado em seu perfil nas redes sociais, onde postagens mais recentes, inclusive essa, são fechadas e, portanto, visíveis somente a amigos. Acabou noticiado pela colunista Mônica Bergamo, do jornal “Folha de S. Paulo”, mas não foi e nem será enviado diretamente a Débora ou à família, segundo confirmou à BBC Brasil um assessor do gabinete da desembargadora. “A divulgação que existe é esta.”

Procurada pela reportagem, a magistrada não quis dar entrevista. A família de Débora também preferiu não fazer comentários sobre a carta.

‘Tenho o que ensinar’

Marília Castro Neves escreveu 386 palavras. Em meio a elas, diz que “tem sofrido muito” desde que foi “atropelada” pela divulgação de comentários que fez em grupos privados, alguns dos quais “há tanto tempo” que ela já “nem lembrava deles”.

Diante da “repercussão imensa”, ela diz que decidiu se recolher, chorou e pensou muito. E acrescenta: “E de tudo que li e ouvi ao meu próprio respeito, foi de você, de quem em um primeiro momento duvidei da capacidade de ensinar, que me veio a maior lição: a de que precisamos ser mais tolerantes e duvidar de pré-conceitos”.

“Perdão, Débora, por ter julgado, há três anos atrás, (…) que uma professora portadora de síndrome de Down seria incapaz de ensinar. Você me provou o contrário.”

Débora havia publicado no Facebook, ainda em março, uma carta-resposta ao questionamento da desembargadora.

Pegou lápis, uma folha de caderno e o “choque” que sentiu, como contou à BBC Brasil. E então escreveu o que chamou de “Recado para a juíza Marília”. No texto, detalha suas atividades em sala de aula e afirma “ensinar muitas coisas” às crianças.

Quando viu a mensagem da desembargadora no Facebook, Débora escreveu uma carta-resposta a mão e postou ‘para combater o preconceito’ (Foto: Reprodução/Facebook)

“A principal é que sejam educadas, tenham respeito pelas outras, aceitem as diferenças de cada uma e ajudem a quem precisa mais.”

Quando terminou, “sentiu um alívio”.

“Pensei que tinha de responder logo. Tenho o que ensinar às crianças e a todo mundo.”

‘Insegurança desnecessária’

Débora cursou magistério e, logo depois de formada, foi chamada para ser auxiliar de desenvolvimento infantil na escola onde havia estudado – uma das mais tradicionais na rede privada em Natal (RN).

Treze anos atrás, quando pôs os pés em uma sala de aula pela primeira vez na nova função, o sentimento entre pais e professores era de “insegurança”, admite a diretora geral da instituição, Lucila Ramalho.

“É que foi de fato quebrar uma barreira. Nunca havíamos tido uma auxiliar com necessidades especiais”, diz. “Mas foi uma insegurança desnecessária e que foi se dissipando. A síndrome de Down não atrapalha a prática dela. E ela conquista muito a criança.”

Sandra Nicolussi, de 52 anos, a primeira professora a quem Débora auxiliou, ficou “receosa”, mas “se surpreendeu”. “Ela precisava de tempo para aprender, mas foi se apropriando da rotina e mostrou que dava conta.”

Débora atua hoje em uma turma do 4º nível, com cerca de 20 alunos na faixa dos cinco anos de idade. Faz dupla com outra auxiliar encarregada, assim como ela, de dar assistência às atividades definidas em plano de aula e coordenadas por uma pedagoga.

Débora com os pais e o irmão, Frederico, na formatura do magistério: ‘Eu ajudo a educar e a incluir todo mundo’, diz (Foto: Arquivo pessoal)

Nessa função, é uma das mãos que ajudam a abrir os livros e a conduzir as crianças ao parque e ao banheiro, assim como os olhos que leem e a boca que conta histórias, “de preferência sobre animais e contos de fadas”.

“Eu ajudo a educar e a incluir todo mundo”, descreve ela.

“Ensino que eles não podem brigar, que precisam dividir brinquedos, materiais de aula e aceitar todas as crianças como elas são.”

Débora diz que “se apaixonou por crianças”. “Porque elas trazem alegria para a gente.”

Ela encontrou reciprocidade no caminho.

Cinco anos atrás, a professora Laísa Palhano Torres, de 47 anos, ouviu a filha, Rebeca, dizer surpresa: “Sabe, mamãe, tem uma professora diferente na minha sala. E ela é maravilhosa.”

A menina tinha seis anos. “E acabou vendo o belo, por meio de diferenças. Viu que não é preciso ter um susto diante de um cadeirante, de um autista, ou da professora com síndrome de Down. Que é parte da vida”, diz a mãe.

Na sala de aula, Débora vira a “tia Débora” – Ana Júlia, uma das alunas de sua turma neste ano, capricha na entonação para contar sobre ela à mãe, a servidora federal Juliana Vieira Costa de Aguiar, de 34 anos.

Lançamento de livro de fábulas infantis no Rio, em 2013: além de contar histórias a crianças, ela também criou as suas (Foto: Frederico Seabra de Moura)

Livro de fábulas

Da experiência de contar histórias aos alunos, Débora passou também a escrevê-las. Em 2010, trabalhou às escondidas em seu quarto, criando histórias e personagens. E no Natal daquele ano, entregou um manuscrito, depois transformado em livro, como presente aos pais.

“São pequenas fábulas em que a preocupação central é sempre a compreensão, a empatia e a convivência cordial e afetuosa com os diferentes”, descreveu o escritor João Ubaldo Ribeiro no prefácio.

Nas histórias que concebeu, uma menina, Sandra – uma homenagem à primeira professora que auxiliou – vive em uma fazenda onde ajuda a resolver conflitos entre os animais e a disseminar a mensagem de “sim à inclusão” e “não ao preconceito”.

Por meio de seus ensinamentos, um cachorro e um papagaio aprendem a conviver com as diferenças e se tornam amigos, um coelhinho preto se dá conta de que não precisa ter pelos brancos para conquistar espaço e uma galinha surda, então isolada, aprende a se comunicar. E por aí vai. “É um pouco da história dela”, diz a mãe de Débora, a advogada e procuradora aposentada Margarida Seabra de Moura.

Na fábula, um passarinho perdido é encontrado ferido. Ele voa então mais devagar e os outros questionam se não ficaria mais seguro se permanecesse na gaiola, sempre.

Sandra, a menina da fazenda, discorda. “Já pensaram se eu proibisse vocês de voarem para onde quisessem?”, pergunta. “Tentem conviver com ele, aceitando o seu jeito de voar mais devagar. Ele voa com uma asa só, mas consegue ir para onde vocês vão e chegar lá como vocês chegam.”

Débora e o cartunista, quadrinista, jornalista e escritor Henfil, amigo da família, no início dos anos 80: ‘Você vai fazer coisas inimagináveis’, disse a ela (Foto: Arquivo pessoal)

Trinta e seis anos atrás, pouco tempo após a professora e escritora nascer em Natal, ela estava em São Paulo com a família quando o cartunista mineiro e amigo dos pais dela, Henfil, vaticinou: “Débora, você é tão forte quanto eu e vai fazer coisas inimagináveis”.

Poucos meses antes, o pai dela, o psiquiatra José Robério Seabra de Moura, acompanhava o parto da filha quando viu o pediatra levar o bebê rapidamente para uma sala ao lado. Foi quando a família soube da síndrome de Down – uma alteração genética sobre a qual, no pouco que se falava, parecia conter prognósticos assustadores.

Todos ficaram, afirma, “em choque”, mas a “aceitação” veio. “E já que o coração é sempre o órgão eleito para essas coisas, de repente ela estava ocupando o lugar dela, dentro da gente”, diz Robério.

Dentro deles e no mundo.

Débora foi à escola – sempre em instituições regulares –, cresceu estampando páginas de jornal ou falando em programas de TV locais e nacionais sobre inclusão, mas não parou por aí.

Ela fez palestras em seminários e em outros eventos dentro e fora do Brasil – em Portugal, na Argentina e na 3ª Conferência do Dia Internacional da Síndrome de Down, na sede das Nações Unidas em Nova York, nos Estados Unidos, onde ressaltou que “a inclusão começa na família, começa em casa”, mas também passa pelos amigos e pelo trabalho. Também recebeu, em 2015, o Prêmio Darcy Ribeiro, concedido pela Câmara dos Deputados a pessoas de destaque na área da educação.

O irmão dela, o advogado Frederico Seabra, um ano e meio mais velho, a define como a “antifrágil”.

“Eu acho que Débora é o contrário de frágil. Ela sente o preconceito quando acontece, mas cresce. Consegue dar respostas fortes em cada situação e sair bem disso.”

Ele estava na sala de espera de uma clínica onde faria exames quando chegou uma mensagem da mãe pelo WhatsApp: “Você viu o que Débora fez?” Era uma foto da carta que a professora escreveu em resposta à desembargadora. A família então perguntou a ela se queria mesmo publicar. Ela quis. E assim fez.

“Ela sabe se defender. É advogada de si mesmo”, diz Frederico.

Quando Débora, a expectativa de vida de quem tinha síndrome de Down era de até 20 anos de idade, diz o geneticista e pediatra Zan Mustacchi, especialista na área há 40 ano. “Agora gira em torno de 60 a 70 anos”, explica.

Essa não foi a única mudança ocorrida com o tempo. “As pessoas com síndrome de Down eram marginalizadas com mais frequência no passado, mas era o medo que as pessoas tinham do desconhecido, havia menos divulgação na mídia sobre o assunto e menos oportunidades sociais e de acesso à saúde”, diz.

“Ainda existem estereótipos, mas isso está mudando.”

Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 300 mil pessoas no Brasil têm a síndrome, também conhecida como Trissomia 21, em referência ao cromossomo 21, presente nesses indivíduos.

A síndrome é uma alteração genética que afeta 1 em cada 800 recém-nascidos e é resultado de uma falha na divisão celular do óvulo ou do espermatozoide antes da concepção da criança. Com isso, em vez de ter 46 cromossomos – como a maior parte da população –, ela nasce com 47.

O pai de Débora brinca que um dos cromossomos dela é o que a torna resistente e persistente para ir atrás do que quer e defender suas bandeiras.

“Eu não desisto dos meus sonhos”, ela diz. Dos planos também não. E os que tem em mente, revela, são “casar e continuar sendo professora até se aposentar”.

“Mas a aposentadoria ainda está longe.”

Go to Top