State Ibirapuera

Posts tagged histórias

Mapas fantásticos: como os autores imaginam seus mundos da ficção

0

O livro inédito “The Writer’s Map” traz imagens inéditas de mapas fantásticos da literatura mundial, além de histórias de como eles foram criados

Luis Antonio Costa, no Showmetech

Um dos grandes prazeres da vida, para um amante de livros (especialmente livros de fantasia), é abrir uma capa para encontrar um mapa secreto cheio de detalhes de uma terra prestes a ser descoberta. Os mapas fantásticos de um escritor sugerem um mundo totalmente imaginado.

No início de um livro, um mapa é uma promessa. No meio de, um guia. E no final é um lembrete de todos os lugares que a história levou até você. Neste artigo, iremos explorar histórias de como famosos mapas fantásticos da literatura foram criados.
A literatura dos mapas fantásticos

Um novo livro, chamado The Writer’s Map: An Atlas of Imaginary Lands (“O mapa do escritor: um atlas de terras imaginárias”, sem tradução para o português), contém dezenas de mapas fantásticos que os escritores desenharam ou que foram criados por outras pessoas para ilustrar os lugares que criaram.

Ainda não disponível no Brasil, “The Writer’s Map” explora a criação de mapas famosos da ficção.

“Todos os mapas são produtos da imaginação humana”, escreve Huw Lewis-Jones, editor do livro. “Para alguns escritores, fazer um mapa é absolutamente fundamental para a arte de moldar e contar sua história.”

O livro inclui o mapa da Utopia de Thomas More, que, quando publicado em 1516, continha o primeiro mapa de fantasia em uma obra de ficção. O livro também tem os mapas fantásticos que foram objetos de obsessão de muitas crianças: a Terra Média, a misteriosa Nárnia, a Floresta dos Cem Acres, as estradas que Milo explora em O pedágio do fantasma.

Mapa da ilha da “Família Robinson”, desenhado por Johann David Wyss

Mas também há mais tesouros aqui: o esboço de Mordor, de J.R.R. Tolkien, em papel milimétrico; esboços de C.S. Lewis; mapas inéditos dos cadernos de David Mitchell, que os utiliza para ajudar a imaginar os mundos de seus livros, como Os Mil Outonos de Jacob de Zoet; O percurso de Jack Kerouac em On the Road (uma fantasia de um tipo diferente).

Fãs de “O Senhor dos Anéis” vão adorar conferir os detalhes do mapa original da Terra-Média.

Entre esses mapas, o da Ilha do Tesouro é um marco, “um dos mais icônicos mapas literários de todos”, escreve Lewis-Jones. Ele aparece mais de uma vez nos ensaios do livro, escritos por autores e cartógrafos. Robert Louis Stevenson primeiro esboçou o mapa em 1881 como uma distração para seu enteado, e um X vermelho marca o local onde o tesouro foi enterrado.

Esse mapa inflamou um instinto cartográfico em gerações de escritores. Essa é uma experiência comum para escritores amantes de mapas – o mapa de um livro gera outro.

Em um ensaio, Cressida Cowell, autora de How to Train Your Dragon (“Como Treinar seu Dragão”, em português), escreve sobre ser inspirada em mapas desenhados pelos Brontës quando crianças, “em livros minúsculos e bonitos que eram em si mesmos um fascínio, pois a escrita era tão pequena quanto se criado por ratos.”

Criando mundos imaginários

Para muitos escritores, a cartografia é um esforço prático que os atrai para o seu próprio trabalho. “Eu sempre me dedico às histórias”, escreve Abi Elphinstone, o autor dos livros Dreamsnatcher. “Eu começo cada história que escrevo desenhando um mapa porque é somente quando meus personagens começam a se mover de um lugar para outro que um enredo se desenrola.”

Mitchell não imprime mapas em seus livros, mas precisa deles para passar pela escrita. “Se estou descrevendo a ascensão de uma montanha à personagem, preciso saber o que ela encontrará no caminho”, escreve ele. Mas também: fazer mapas é divertido.

Mapa desenhado por Munro Orr de “A Ilha do Tesouro”, por Robert Louis Stevenson.

Philip Pullman (autor dos livros da série “His Dark Materials”) fala: “A escrita é uma questão de labuta mal-humorada. Desenhar é pura alegria. Desenhar um mapa para acompanhar uma história é uma brincadeira, com a diversão adicional de colorir. ”

Mitchell também diz: “Enquanto eu estava ocupado sonhando com topografia, eu não tinha que sujar as mãos com a mecânica do enredo e personagem.” E Elphinstone confirma: “É uma das partes mais libertadoras e emocionantes da narrativa.”

Mas transformar ideias em mapas não é uma tarefa fácil. Você sabia que não foi o escritor G.R.R. Martin que desenhou os mapas de Westeros e das outras terras do universo de “Game of Thrones”? Jonathan Roberts, um desenhista e também físico teórico ficou encarregado de transpor para o papel as ideias de Martin e criar 12 mapas para o escritor.

Jonathan teve que utilizar uma série de notas detalhadas de Martin para criar os mapas de Westeros do zero.

O mapeamento tem muitas outras dificuldades. Frances Hardinge, escritora britânica de livros infantis, explica o problema de ter descrito em sua escrita uma ilha com um contorno que “lembrava um bípede com cabeça de pássaros”.

Suas primeiras tentativas de mapear o lugar pareciam erradas. “Na verdade, desenhar algo que se pareça tanto com híbrido pássaro-humano quanto com uma massa de terra plausível é muito mais difícil do que você imagina”, escreve ela.

Às vezes, escreve Hardinge, os mundos que ela sonha são “não mapeáveis”. Mas até essas histórias criam mapas nas cabeças dos leitores. “Lugares imaginários podem nos oferecer novos tipos de descoberta”, escreve Lewis-Jones. Um mapa ajuda a moldar a ideia de um lugar fictício de um leitor ou escritor, mas, em última análise, seus limites são limitados apenas por suas imaginações conjuntas.

Fenômeno editorial planetário, ‘A amiga genial’ enfim chega à TV no domingo

0

Atrizes escolhidas para viverem Lila e Lenù em ‘A amiga genial’ Foto: Divulgação

Série contará as primeiras histórias da saga napolitana de Elena Ferrante que já vendeu 10 milhões de cópias

Carlos Heli de Almeida, em O Globo

RIO — Saverio Costanzo andou cortejando a misteriosa escritora Elena Ferrante muito antes do sucesso planetário de “A amiga genial”. Lançado na Itália no fim de 2011, o livro e suas três sequências venderam, até aqui, mais de 10 milhões de cópias em cerca de 40 países (no Brasil, a série é publicada pela Biblioteca Azul/Globo Livros). Mas era 2007, e o cineasta estava de olho no romance “A filha perdida”, que Ferrante publicara um ano antes e ele queria adaptar para as telas. Decepcionada com propostas anteriores, ela não deu sinal verde.

Daí a surpresa de Costanzo quando foi informado de que havia sido escolhido pela própria escritora para dirigir a série de TV “My brilliant friend”, que estreia neste domingo, às 22h, na HBO. Os dois nunca se viram — mesmo consagrada mundialmente, a autora mantém até hoje sua identidade em segredo e concede poucas entrevistas (sempre por escrito).

— Adoro os livros, mas não me via à frente de uma superprodução desse porte, que cobre décadas da relação entre duas personagens — reconheceu o realizador romano de 43 anos durante o Festival de Veneza, em setembro, onde exibiu os dois primeiros capítulos de “My brilliant friend” em première mundial. — Mas o convite me deixou mais animado do que tenso, porque compartilhávamos do mesmo imaginário e, portanto, sabia qual caminho tomar. Os livros são muito precisos.

A temporada tem apenas oito episódios. Como no livro inicial, eles cobrem a infância de Elena (a Lenu) e Lila, duas amigas que crescem num pobre subúrbio de Nápoles, no Sul da Itália, nos anos 1950. Vizinhas no mesmo bairro operário da cidade costeira italiana, elas vivem os percalços de uma infância cheia de violência e limitações financeiras, as descobertas da adolescência e os primeiros contatos com o mundo adulto. É uma história de uma amizade de uma vida inteira, que sobrevive não só a imposições externas mas também a sentimentos pessoais — nem todos necessariamente edificantes, como inveja e repulsa.

Elisa Del Genio, ou ‘Lenú’, vive ‘Elena Greco’ criança. A personagem é protagonista e narra o romance. Lenu, como é chamada, cresce na pobreza em Nápoles. Divulgação / Divulgação

— Ferrante fala de amizade de um jeito perigoso, tocando em assuntos espinhosos e investigando a verdade do ser humano — argumenta o diretor, que chama Ferrante de escritora “de culhões”. — Digo perigoso porque suas histórias iluminam aspectos obscuros de nós mesmos, com que, por mais pesados e grotescos que sejam, somos capazes de nos identificar. O apelo universal de seus livros vem daí. Ela confronta o leitor com o que ele realmente é, dando-lhe a chance de se aprimorar. É o que a arte costuma fazer.

A série de TV é fiel ao espírito dos livros, mas faz pequenas mudanças na estrutura e na cronologia dos eventos. O roteiro foi desenvolvido pelo diretor, em colaboração com os roteiristas Francesco Piccolo e Laura Paolucci, e a própria Ferrante. Mesmo após tudo isso, o diretor jura que nunca viu a escritora pessoalmente e que as trocas entre os dois aconteceram por email.

Ludovica Nasti é ‘Lila’, ou ‘Raffaella Cerullo’, a amiga genial do título, em sua infância. Filha de um sapateiro, bonita e carismática, ela é uma personagem manipuladora e imprevisível. Divulgação

Ferrante acompanhou todo o processo de escrita, fez sugestões e até escreveu algumas cenas. Foi uma espécie de guia pela trama. Produção da HBO em parceria com a RAI italiana, “My brilliant friend” tem Paolo Sorrentino (de “A grande beleza”) como produtor associado. Principal cenário dos primeiros capítulos da série, o conjunto habitacional onde moram as protagonistas foi construído no terreno de uma antiga fábrica de vidro a 37km de Nápoles. Elisa Del Genio e Margherita Mazzucco vivem Lenu criança e adolescente, e Ludovica Nasti e Gaia Girace encarnam Lila nas duas fases. O elenco foi selecionado entre atores da região.

— Grande parte dos diálogos é em dialeto napolitano, como nos livros. Claro que poderíamos escalar atores de outras regiões, que aprenderiam o dialeto, mas não soaria autêntico — explica o diretor. — Ferrante fez uma tetralogia sobre a alma napolitana, que acredito ser a matriz da identidade italiana.

As jovens que encarnam Lenu e Lila não tinham qualquer experiência anterior com atuação. Elisa entrou para o seriado quase por acaso, porque foi acompanhar o irmão mais velho, de 15 anos, numa sessão de testes. O rapaz não conseguiu um lugar no elenco, mas a irmã chamou a atenção dos produtores, foi convidada a participar das audições e acabou com o papel de Lenu.

— Comecei a fazer os testes a dois meses do fim da seleção, os outros candidatos estavam no processo há sete. Então, fui descoberta nos últimos momentos da fase de casting — lembra a pequena Elisa, de 11 anos. — Tenho alguma experiência como modelo infantil, mas só fiz dois trabalhos até agora.

Ludovica, de 12 anos, também posa para fotos de propaganda. Conhecia pouco — ou quase nada — sobre a tetralogia de Ferrante: até entrar para a série de TV, só havia lido “as três primeiras páginas do primeiro livro da série”. Terminou de ler a obra porque sentiu “curiosidade para saber o que acontecia” com sua personagem”, mas diz que não havia necessidade d isso:

—Minha avó me contou como era viver na Nápoles dos anos 1950. Até o dialeto napolitano, que naquela época era diferente do de hoje, eu aprendi com ela.

Elisa Del Genio e Ludovica Nasti vivem as protagonistas mais velhas Foto: Divulgação

Das quatro, Gaia Girace, 15 anos, a Lila adolescente, é a única que tinha planos de se tornar atriz. Entrou recentemente para uma escola de cinema em Nápoles e aposta no sucesso da série de TV, que impulsionará “a carreira internacional” que almeja.

A tímida Margherita Mancuzzo, que interpreta a Elena teen, só se apresentou para os testes porque vários colegas de colégio foram. Foi escalada no último dia, e diz que se apaixonou pela série:

— Gosto de como as personagens de Elena e Lila se equilibram no primeiro livro, uma apoiando a outra. São livros mágicos, especialmente no jeito como as personagens são descritas, física e psicologicamente.

Livro que conta a trajetória do Planet Hemp será lançado em setembro

0

Criador. Pedro de Luna percorreu histórias da banda para a obra – Roberto Moreyra / Agência O Globo

Pedro de Luna relata histórias do grupo, que completa 25 anos

Daniela Kalicheski, em O Globo

NITERÓI – Fãs alucinados derrubando os muros da antiga Estação Livre da Cantareira durante um show. Uma revista em quadrinhos com apenas duas edições lançadas por conta de um processo por apologia à maconha. Saídas disfarçadas para fugir da “dura” da polícia após apresentações. Essas histórias e outras inéditas estarão na biografia da Planet Hemp, banda que completa 25 anos terça-feira.

O livro “Planet Hemp: mantenha o respeito” será lançado em setembro pela editora Belas Letras. O autor por trás da obra é o jornalista e cartunista Pedro de Luna. Fã de rock, ele fez os registros do primeiro show da banda em Niterói, realizado em 1996, e já acumula oito livros publicados, entre eles “Niterói rock underground”, que mostra a transição da música e seus reflexos na cidade; e “Brodagens”, que narra a trajetória do rock carioca. Foi ele, também, quem criou o movimento Arariboia Rock, que de 2004 a 2015 trouxe shows a Niterói.

— A pesquisa partiu do zero. Vasculhei prêmios, shows, panfletos. Eles falavam de liberdade de expressão num momento em que isso ainda era delicado. Eram atrevidos — diz De Luna, que destaca o músico Skunk como o verdadeiro criador da banda. — Ele morreu em 1994 sem ver o sucesso do grupo. Skunk lia revistas estrangeiras e assim conheceu a Cypress Hill, que misturava hip hop com rock. Daí teve a ideia de fazer igual com o Planet.

Game of Thrones | George R.R. Martin confirma que não vai terminar o sexto livro neste ano

0

Tayná Garcia, no Jovem Nerd

Em um comunicado para a imprensa, George R.R. Martin revelou algo que deixará todos extremamente surpresos: ele não vai finalizar o sexto livro da franquia Game of Thrones neste ano. Então teremos que esperar mais alguns anos (ou décadas) pelo The Winds of Winter.

No entanto o autor diz que devemos olhar para o lado bom, afinal poderemos retornar para Westeros no primeiro volume de Fire & Blood (“Fogo e sangue”, na tradução literal) — um livro “especial”, focado na história da Casa Targaryen.

Confira um trecho do comunicado do escritor:

Não, o inverno não está chegando… pelo menos, não em 2018. Vocês vão ter que continuar esperando pelo The Winds of Winter. Vocês vão poder, no entanto, voltar para Westeros neste ano. Eu quero frisar que Fire & Blood não é um romance. Não é uma narrativa tradicional e nunca teve a intenção de ser… em vez disso, vamos chamá-lo de “história imaginária”. A sua característica essencial é a parte da “história”. Eu adoro ler histórias populares, e era nesse estilo que eu queria escrever. Apesar de ter histórias o bastante aqui para 20 livros. Batalhas, derramamento de sangue, traições, amor, luxúria, terror, guerras religiosos, política, incesto, revisionismo histórico, todas essas coisas divertidas. E agora, estou voltando mais uma vez para escrever o The Winds of Winter.

No texto publicado em seu blog oficial, Martin também frisa que a “enciclopédia” dos Targaryen terá muitos, muitos dragões. Então isso deve amenizar a ansiedade de muitos fãs até o sexto livro chegar.

Você pode conferir o comunicado completo de George R.R. Martin em seu blog oficial.

O primeiro volume de Fire & Blood será lançado no dia 20 de novembro deste ano, nos EUA, e segue sem data para o Brasil. Já The Winds of Winter, sexto volume das Crônicas de Gelo e Fogo, segue sem previsão de lançamento.

3 livros inspiradores sobre mulheres que mudaram o mundo

0

Da atriz que liderou as denúncias do assédio em Hollywood a figuras femininas na política, os títulos contam histórias de luta de mulheres em diversas áreas

Mariana Rudzinski, na Elle

Lute Como uma Garota: 60 Feministas que Mudaram o Mundo – Laura Barcella e Fernanda Lopes

Cultrix/Divulgação)

O que a cientista Marie Curie, a artista plástica Judy Chicago, a autora Clarice Lispector e Beyoncé têm em comum? Todas elas, cada uma em sua área de atuação, mudaram o mundo de alguma forma.

Escrito pela norte-americana Laura Barcella, Lute Como uma Garota (Cultrix, 368 págs.) reúne 45 feministas de diversos ramos que abriram o caminho para outras mulheres. Organizados de forma didática e acessível, os perfis são compostos de biografia, legado, algumas das grandes realizações e frases famosas de cada uma das mulheres. O recorte é propositalmente amplo: os perfis selecionados vão desde nomes pouco conhecidos – a escritora feminista do século 18 Mary Wollstonecraft e a socióloga e professora Heleieth Saffioti são exemplos – a celebridades como Oprah Winfrey e Madonna. “Queria escrever um livro amplo, mostrando o valioso trabalho das pessoas que não são nada famosas ao lado de outras que são ícones de poder”, detalha a autora na introdução do volume.

Para a edição brasileira, a jornalista Fernanda Lopes foi responsável por incluir a seção “Brasileiras que foram à luta – 15 perfis biográficos para entender a história do feminismo no Brasil”. Figuras como a compositora Chiquinha Gonzaga, Bertha Lutz – uma das líderes do movimento sufragista no país – e a filósofa e colunista de ELLE, Djamila Ribeiro têm suas histórias registradas no livro.

Mulheres e Poder: Um Manifesto – Mary Beard

(Crítica/Divulgação)

A partir de duas palestras proferidas em 2014 e 2017, a professora da Universidade de Cambridge Mary Beard trata do silenciamento feminino, em especial em situações em que mulheres foram proibidas ou encontraram dificuldades em papéis de liderança. No livro, ela traça as raízes da misoginia, que vêm de Atenas e Roma – o primeiro exemplo de silenciamento feminino, de acordo com ela, estaria na Odisseia, de Homero – e mostra como esta é uma questão que ainda existe hoje e o que tem sido feito a respeito disso. A autora cita os obstáculos enfrentados por Margaret Thatcher, Hillary Clinton, Dilma Rousseff e Angela Merkel na vida política por serem mulheres – a primeira ministra inglesa, por exemplo, teve aulas de elocução para falar com um tom mais grave, característica associada à voz masculina.

“Eu queria descobrir até que que ponto estão profundamente incorporados à cultura ocidental os mecanismos que silenciam as mulheres, que se recusam a levá-las a sério e que as afasta, (às vezes literalmente) dos centros de poder. No que diz respeito a silenciar as mulheres, a cultura ocidental tem milhares de anos de prática”, a historiadora explica no prefácio.

Coragem – Rose McGowan

(Harper Collins/Divulgação)

O nome de Rose McGowan provavelmente é um que você deve ter visto algumas vezes neste ano. Ela foi uma das primeiras atrizes a denunciar o abuso sexual praticado pelo produtor de Hollywood Harvey Weinstein, que levou ao movimento de denúncias do assédio sistemático dentro da indústria do entretenimento. Em janeiro, a atriz publicou sua autobiografia – cuja escrita, inclusive, motivou Weinstein a contratar ex-agentes do serviço secreto de Israel para tentar impedir as revelações de Rose. Agora, o livro chega ao Brasil.

Coragem (Harper Collins, 288 págs.) traz uma narrativa sincera e brutal que vai da infância da atriz, que nasceu dentro de um culto religioso, até o que ela chama de “o maior culto de todos”, Hollywood. Nas páginas, ela detalha, pela primeira vez, o estupro praticado pelo produtor, a quem ela decide se referir como “monstro” e não pelo nome. Na última parte da biografia, Rose incentiva que mulheres tomem a frente de seus projetos e conta sobre os seus: ela deixou a carreira de atriz e agora se empenha em dirigir filmes e pretende lançar um disco. “Coragem é a história de como lutei para sair desses cultos e tomei as rédeas da minha vida. Eu quero ajudar você a fazer o mesmo”, ela declara.

Go to Top