Assine hoje a revista Ultimato

Posts tagged Hoje

É Carnaval! Devo estudar ou relaxar hoje?

0

Hoje é a segunda-feira, mas também é Carnaval: é hora de correr com os estudos ou aproveitar para descansar a mente para o ano que vem por aí?

Publicado no Universia Brasil

É Carnaval! Devo estudar ou relaxar hoje?

Hoje é a segunda-feira, mas também é Carnaval: é hora de correr com os estudos ou aproveitar para descansar a mente para o ano que vem por aí?

Manter o ritmo de estudos ou simplesmente “abandonar” os livros e aproveitar o “feriadão” de Carnaval para descansar?

Se a segunda opção for a sua escolha, há o risco de bater aquele peso na consciência frente aos compromissos com vestibular, universidade ou cursos técnicos que deixam o seu calendário recheado.

Hoje é segunda-feira, mas, embora seja início da semana, os eventos carnavalescos estão por toda parte. O clima festivo deixa o estudante ainda mais confuso e o questionamento não sai da cabeça: é Carnaval! Devo estudar ou relaxar hoje?

Confira, abaixo, algumas sugestões para balancear as duas coisas e avalie qual você considera melhor seguir.

Desacelerar é uma opção

Alguns especialistas não aconselham alterar a rotina de estudos. Entretanto, ponderam que o estudante deve refletir sobre o seu cronograma. Assim, uma alternativa é aproveitar o feriado de Carnaval para desacelerar.

Exemplo: encurtar de quatro para duas horas o tempo dedicado aos livros. A redução vai propiciar um momento de lazer no final do dia ou à noite. Daria até para pular Carnaval ou mesmo pegar um barzinho com os amigos.

Evite dormir e acordar muito tarde

Para não cessar a rotina de estudos e também não prejudicar a saúde, a recomendação é evitar abusos. Se você deseja manter-se empenhado no aprendizado, tente não dormir nem acordar tão tarde.

Mesmo mantendo o ritmo habitual dedicado aos livros, não deixe de separar um tempinho do seu dia para descansar. Maratona de estudos desnecessária pode prejudicar o nível de concentração e capacidade de assimilar o conteúdo estudado.

Ampliar os estudos com o tempo livre

Há quem tire proveito dos feriados para ampliar os estudos. No Carnaval, contudo, não há de ser diferente. Para atingir os objetivos no vestibular ou na universidade é preciso empenho e dedicação. Sem esforço, os resultados não são alcançados.

Portanto, se você se encaixa nesse perfil sabe que qualquer tempo livre pode fazer a diferença para atualizar o conhecimento.

Sendo assim, mantenha seus métodos nessa segunda-feira de Carnaval: continue com os exercícios, simulados e leituras de revistas e jornais para ficar atualizado.

A decisão é sua!

Independente das dicas trazidas neste texto, a decisão de estudar ou descansar no Carnaval é exclusivamente sua! Afinal, cada um sabe as dificuldades que têm e como lidar com elas.
Se você traçou um bom planejamento de estudos ao longo do ano, fique tranquilo e aproveite a folia, nunca deixando de lado, entretanto, os cuidados com a sua saúde.

Fonte: Shutterstock

Hoje é o aniversário de Harry Potter! Relembre os 25 personagens mais amados

0

Em comemoração aos 35 anos de Harry Potter, o AdoroCinema faz o ranking dos personagens mais queridos da saga de J.K. Rowling.

Vitória Pratini, no Adoro cinema

O dia 31/07 é conhecido como:
a) O último dia do mês de julho
b) Dia da Libertação dos Indígenas Brasileiros
c) Aniversário da autora J.K. Rowling
d) Aniversário do personagem Harry Potter
e) Todas as alternativas anteriores

Se você escolheu a letra “e”, está mais do que certo. Para quem não sabe, ou não lembra, 31 de julho é uma data especialmente marcante para os fãs de Harry Potter, já que o personagem nasceu – na ficção – neste mesmo dia, em 1980.

Note que não foi quando Harry foi criado por J.K. Rowling, mas sim quando Lilian Potter deu à luz a ele na história. Portanto, caso existisse, o bruxinho completaria exatos 35 anos hoje.

Para comemorar a data, o AdoroCinema fez um ranking com os personagens mais queridos da saga. Levamos em conta tanto o papel deles nos livros quanto nos filmes e o lugarzinho que cada um tem no coração dos fãs.

Confira na galeria abaixo e conte para a gente: O que achou? Concorda ou mudaria alguma coisa?

0392720

Draco Malfoy (Tom Felton).

0395840

Voldemort (Ralph Fiennes).

0413250

Gina Weasley (Bonnie Wright).

0414810

Sibila Trewlawney (Emma Thompson).

0416380

Lilian Potter (Ellie Darcey-Alden / Geraldine Somerville).

0417940

Ninfadora Tonks (Natalia Tena).

3502820

Murta que Geme (Shirley Henderson).

(mais…)

25 maneiras de como perguntar aos seus filhos ‘Como foi a escola hoje?’ sem perguntar ‘como foi a escola hoje’

1
Blend Images - JGI/Jamie Grill via Getty Images

Blend Images – JGI/Jamie Grill via Getty Images

Liz Evans, no Brasil Post

Esse ano, Simon está na quarta série e Grace na primeira, e me pego fazendo a mesma pergunta todo dia quando chegam da escola: “Então, como foi a escola hoje?”

E todo dia eu recebo uma resposta tipo “legal” ou “tudo bem”, que não me diz muita coisa.

E EU QUERO SABER BASTANTE COISA!!!

Ou pelo menos ouvir uma frase completa. Então a outra noite, eu sentei e fiz uma lista de perguntas mais estimulantes para fazer aos meus filhos sobre a escola. As perguntas não são perfeitas, mas pelo menos meus filhos respondem com frases completas e algumas até renderam boas conversas… e respostas hilárias… e me fizeram entender melhor como os meus filhos pensam e sentem sobre a escola.

1. Qual foi a melhor coisa que aconteceu na escola hoje? (Qual foi a pior coisa que aconteceu na escola hoje?)

2. Me conte sobre alguma coisa que te fez rir hoje.

3. Se pudesse escolher, do lado de quem gostaria de sentar na classe? (Ao lado de quem NÃO gostaria de sentar? Por quê?

4. Qual é o lugar mais legal na escola?

5. Me diga uma palavra esquisita que você ouviu hoje. (Ou uma coisa estranha que alguém disse hoje.)

6. Se eu ligasse para a sua professora hoje a noite, o que ela me diria sobre você?

7. Como você ajudou alguém hoje?

8. Como alguém lhe ajudou hoje?

9. Me diga uma coisa que você aprendeu hoje.

10. Em que momento você se sentiu mais feliz hoje?

11. Quando ficou com tédio hoje?

12. Se uma espaçonave alienígena chegasse para abduzir alguém da sua sala, quem você gostaria que eles levassem?

13. Com quem você gostaria de brincar no recreio e nunca brincou antes?

14. Conte uma coisa boa que aconteceu hoje.

15. Que palavra a professora mais falou hoje?

16. O que você acha que deveria fazer/aprender mais na escola?

17. O que você acha que deveria fazer/aprender menos na escola?

18. Com quem você poderia ser mais legal na sua classe?

19. Onde você mais gosta de brincar no recreio?

20. Quem é a pessoa mais engraçada na sua classe? E porque ele/ela é tão engraçado(a)?

21. Do que você mais gostou na hora do almoço (ou lanche)?

22. Se você fosse o professor/professora amanhã, o que você faria?

23. Tem alguém na sua classe que precisa ficar de castigo?

24. Se você pudesse trocar de lugar com alguém na classe, com quem trocaria? Por quê?

25. Me conte sobre três vezes diferentes em que você usou o seu lápis hoje na escola.

Até agora, as minhas respostas favoritas foram as das perguntas 12, 15 e 21. Perguntas como a do “alienígena” deixa a criança expressar de forma não-ameaçadora quem eles preferiam não ter na classe e abre o caminho para um diálogo sobre o por quê desse sentimento, possivelmente revelando questões das quais você não fazia ideia antes.

E as respostas que ouvimos são realmente surpreendentes, as vezes. Quando eu fiz a pergunta 3, eu descobri que um dos meus filhos não queria mais sentar do lado de um melhor amigo na classe – não por um desejo de ser maldoso ou chato, mas pela vontade de ter a chance de interagir com outras pessoas.

À medida que os meus filhos ficarem mais velhos, eu sei que vou ter que me esforçar cada vez mais para manter a conexão com eles – mas sei que o meu empenho vai valer a pena.

‘Paulo Coelho narra magia da vida’, diz a fã Cassandra Clare

0
A escritora Cassandra Clare (Foto: Kevin Winter/Getty Images)

A escritora Cassandra Clare (Foto: Kevin Winter/Getty Images)

Meire Kusumoto, na Veja on-line

Conhecida por escrever sobre anjos e demônios em sua série Os Instrumentos Mortais (Galera Record), Cassandra Clare foi conquistada por um “mago”, e do Brasil. Em entrevista ao blog VEJA Meus Livros, a escritora afirma que adora os livros de Paulo Coelho, o autor brasileiro mais vendido no exterior. No país pela primeira vez para participar da Bienal Internacional do Livro de São Paulo, onde autografa livros na tarde deste sábado, Cassandra conta que adora O Alquimista, um livro de fantasia, gênero que acredita ter o poder de se renovar e de vender.

Prova disso é a obra da própria escritora, cujo primeiro livro, Os Instrumentos Mortais — Cidade dos Ossos, lançado em 2007 nos Estados Unidos, enfrentou o turbilhão Crepúsculo, então comemorando dois anos de sucesso nas livrarias. Cassandra, assim como Stephenie, retrata vampiros em seus livros, mas vai além. Seu universo é habitado por quase toda criatura mítica de que já seu ouviu falar. Anjos, demônios, lobisomens: estão todos lá. Logo no começo da história, a protagonista dos três primeiros livros da saga, Clary, descobre que pertence à raça dos nephilim, um povo metade humano e metade anjo.

Cassandra ainda não chegou perto dos 100 milhões de cópias que Stephenie vendeu. Os seis livros de Os Instrumentos Mortais e os três da série As Peças Infernais, um prelúdio da história principal, ultrapassaram a marca de 26 milhões de volumes vendidos, número que deve crescer nos próximos anos. Cassandra planeja lançar ainda duas séries, Dark Artifices, a sequência de Os Instrumentos Mortais, e The Magisterium, em parceria com a autora Holly Black (As Crônicas de Spiderwick), além de esperar pela estreia do segundo filme baseado em sua obra, Cidade das Cinzas.

Cassandra Clare vai estar na Bienal do Livro de São Paulo neste sábado, às 14h, na Arena Cultural, e concede autógrafos a partir das 15h30 no espaço para autógrafos do evento. No domingo, ela repete a programação.

Você encontrou inspiração para a série Os instrumentos Mortais quando estava em um estúdio de tatuagem, certo? Como isso aconteceu? Eu havia lido sobre os Nephilim, uma raça metade humana e metade anjo, e queria escrever um livro sobre o assunto, mas não sabia como a magia deles funcionaria na minha narrativa. Uma amiga tatuadora então me contou a origem das tatuagens e como pessoas de diferentes culturas acreditam que marcar a pele dá algum tipo de poder. Foi dessa situação que tirei a história dos meus personagens.

Dando um spoiler do terceiro livro da série Os Instrumentos Mortais, Clary e Jace acreditam que são irmãos até os últimos desdobramentos. Você foi criticada por abordar o tema do incesto? Certamente sim, porque você é criticado por quase tudo nesse mundo. Mas recebi muitas cartas de pessoas que reclamavam do fato de eles serem irmãos, ou de pensarem que eram, porque queriam que os personagens ficassem juntos. As pessoas estavam mais ansiosas para descobrir se eles eram de fato irmãos do que para me criticar.

No seu site, você diz que acompanhou algumas aulas sobre escrita criativa, mas não gostou delas. Você tentou assistir a aulas sobre o assunto de novo? Não voltei às aulas como aluna, mas sim como professora. Tento deixar de fora os elementos que achei desagradáveis na faculdade, que eram basicamente argumentos contra os gêneros de fantasia, mistério e ficção científica. Mas são gêneros tão importantes quanto quaisquer outros e é necessário aprender a escrevê-los, também. Para mim, Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez, é fantasia, assim como os livros de Jorge Luis Borges e de Paulo Coelho, que são obviamente ótima literatura. São livros sobre a mágica do dia a dia.

Então, você conhece Paulo Coelho. Qual seu livro preferido? Gosto muito de O Alquimista.

Você fala abertamente sobre homossexualidade em seus livros. Li que eles foram banidos de algumas bibliotecas por causa disso. Qual sua resposta a essa recusa? Banir livros nunca é a solução. Mesmo o livro mais maligno deveria ser lido para que as pessoas pudessem debater sobre ele. Tivemos uma onda de suicídios de adolescentes gays nos Estados Unidos recentemente. Penso em todas as cartas que recebi nos últimos anos de jovens gays que falavam que meus livros foram os primeiros que eles leram a retratar pessoas como eles e de outros que diziam que deixaram de se matar porque haviam lido minha série. Para mim, isso compensa qualquer crítica. Quando proíbem livros como os meus, fico triste ao pensar que estão tirando essas obras do alcance de pessoas que podem precisar delas.

Você nasceu e morou por dois anos no Irã. Hoje os seus livros são vendidos no país? Não. Isso é muito triste, não é? Eles são vendidos na Mongólia, mas não no Irã. A censura lá é muito pesada, então o fato de haver nos meus livros um grupo de adolescentes que não estão casados, mas ficam se beijando não é muito apreciado.

Você nasceu em Teerã, mas seus pais são americanos. Por que eles moravam lá quando você nasceu?
Meu pai é professor de negócios internacionais e foi enviado para dar aulas em diferentes universidades espalhadas pelo mundo. Ele e minha mãe foram para o Irã antes da revolução de 1979, quando as universidades do país estavam à procura de professores ocidentais. Ele foi convidado a ficar lá por cinco anos, período em que eu nasci. Fiquei lá por cerca de dois anos e a primeira língua que aprendi foi farsi. Depois disso, moramos em outros países, como França e Inglaterra.

Nos últimos anos, vimos séries como Harry Potter, Crepúsculo e Percy Jackson. Acredita que o gênero fantasia vai conseguir se renovar? A popularidade dos gêneros literários vem em ciclos. Houve uma época em que eu não conseguia encontrar muitos livros de fantasia, mas isso mudou e vimos uma ascensão do gênero a partir de Harry Potter. Jovens que cresceram lendo a saga estão naturalmente abertos à fantasia.

Por que você escolheu escrever fantasia? Meu pai é um grande fã do gênero. Quando viajávamos para um lugar novo e eu não conhecia ninguém nem falava a língua do lugar, recorria aos livros, que geralmente eram de fantasia. Me sentia confortável ao lê-los.

Cobrador monta biblioteca dentro de ônibus que circula na capital federal e empresta livros para passageiros

0

Antônio Ferreira tem acervo de cerca de oito mil livros em casa

Publicado no R7

Cobrador monta estante para os livros diariamente no ônibus em que trabalha Chico Monteiro / R7

O interesse pela leitura do cobrador de ônibus Antônio da Conceição Ferreira, de 42 anos, começou em sua cidade natal Santa Luzia do Tide, no Maranhão. Desde pequeno, gostava de ler os jornais e folhetos que o pai levava para casa como embrulho de objetos. Morador de Sobradinho II (DF), há 11 anos ele transformou o gosto pela literatura no projeto Cultura no Ônibus, que empresta livros para passageiros da linha em que trabalha.

— Dentro do ônibus não há atrativos para os passageiros, então vejo o livro forma de distração e de adquirir cultura.

Ele diz que começou o projeto com uma caixa de papelão em que guardava os livros no ônibus, assim que ele começou a trabalhar na linha circular de Sobradinho II e Plano Piloto em 2003. Hoje, o cobrador monta uma estante com cerca de 15 livros assim que começa o expediente no coletivo.

No começo, Antônio anotava o nome e dados dos passageiros que pegavam os livros emprestados. Agora ele diz que não se importa mais com a devolução dos volumes.

— Hoje é livre, os leitores podem ficar totalmente à vontade para pegar os livros. A ideia é que os livros passem de mão em mão. Mas o passageiro de todos os dias sempre devolve.

Antonio sonha em ampliar o projeto para todos os ônibus do DF.

— Aí quem pegar o livro em um coletivo em Ceilândia, poderá devolver em outro ônibus no Guará. Vejo o coletivo como uma grande biblioteca.

Entre os volumes mais procurados, segundo o cobrador, estão os livros de contos, crônicas, romances e autoajuda. O acervo do cobrador é formado por doações de passageiros e de internautas que acessam o blog do projeto. Em casa ele já reúne um acervo com cerca de oito mil títulos, entre livros, revistas e cordéis.

Estudante do segundo ano do Ensino Médio, o maranhense diz que já tinha lido vários autores, mas o primeiro livro que teve prazer de ler foi o romance Capitães de Areia, de Jorge Amado.

— Nenhum outro havia me feito sorrir. A literatura dele é bem distrativa.

Além do autor baiano, os escritores Clarice Lispector, Carlos Drummond Andrade, Luiz Fernando Veríssimo, Rubem Fonseca e Dalton Trevisan.

— Atualmente eu tenho procurado mais a literatura contemporânea, porque é atual .

Go to Top