Assine hoje a revista Ultimato

Posts tagged Imprensa

5 livros para entender o Brasil por autores negros

0

Foto: Arquivo Pessoal

Publicado no Nexo

O professor de sociologia da Unicamp Mário Medeiros faz uma seleção de 5 autores negros contemporâneos que, à sua maneira, explicam o Brasil

Como todas as listas, essa é igualmente difícil e problemática. Trata-se de uma seleção em que a dificuldade maior foi selecionar excelentes trabalhos para ficarem de fora. Livros de intelectuais negras e negros que tratem do Brasil existem há muito tempo em nossa história social e literária, mesmo que ignorados sistematicamente ou conhecidos apenas de um público especializado. Assim, selecionei trabalhos de intelectuais negras e negros contemporâneos, fáceis de encontrar em livrarias ou sebos, que se encontram em atividade de pesquisa e/ou que produziram há poucos anos resultados de pesquisas que eu considero como referências importantes para compreender aspectos da história social do Brasil, rever temas sobre o múltiplo mundo negro no Brasil e no exterior, que permitam revisitar trabalhos clássicos de autores negros e não negros, que avancem nas e tensionem criticamente as interpretações sobre o Brasil e sobre os negros em nosso país.

O mundo negro: relações raciais e a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil

Amílcar Araújo Pereira

O historiador Amílcar Pereira publicou sua tese de doutoramento defendida na Universidade Federal Fluminense, uma rigorosa pesquisa que revisita os estudos sobre relações raciais no Brasil. Ele faz um debate sobre a ideia de democracia racial, propondo interpretações alternativas em que intelectuais, ativistas e movimentos negros brasileiros aparecem como protagonistas, articulados com um complexo mundo negro nos Estados Unidos e em países africanos. Além disso, aproveitando os dados e as entrevistas de pesquisa anterior realizada em parceria com Verena Alberti (“Histórias do movimento negro no Brasil”, citada na lista de ‘Favoritos’ do próprio Amilcar, aqui no Nexo), o autor analisa a atuação de homens e mulheres negros na constituição dos movimentos negros no Brasil dos últimos 40 anos, importantes para a luta antirracista, mas também para a luta pela democracia política, contra a ditadura civil-militar, pela ampliação dos sentidos da cidadania contemporânea, com a valorização histórica e cultural da população negra, pelas leis de ensino de história afro-brasileira e contra o racismo, num debate que interessa a todos aqueles que lutam pela igualdade de direitos.

Imprensa negra no Brasil do século XIX

Ana Flávia Magalhães Pinto

A historiadora Ana Flávia M. Pinto realizou, em sua dissertação de mestrado defendida na Universidade de Brasília (UnB), uma pesquisa de fôlego. Que se tornou um livro de enorme importância, tanto por publicizar a existência de jornais negros em cidades como Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo ainda no século 19, como também por colocar em xeque, para os especialistas no assunto, questões como a cronologia da imprensa negra no Brasil, os lugares onde ela existiu, os sentidos da associação de ativistas, intelectuais negros em meio à escravidão e após a abolição. Seu livro ainda tem a qualidade da fluidez da linguagem, tornando-o bastante acessível para iniciantes no assunto, permitindo rever percepções do senso comum acerca da história brasileira e ação de homens e mulheres negros nela, nos primórdios da luta por igualdade de direitos entre as pessoas em nosso país, em que os negros, com suas demandas, são protagonistas.

Vozes marginais na literatura

Érica Peçanha do Nascimento

A antropóloga Érica Peçanha do Nascimento foi a pesquisadora pioneira nos estudos sobre a literatura marginal e periférica dos anos 2000 (estética e movimentos criados em torno do escritor Ferréz e suas obras, das edições Caros Amigos: Literatura Marginal e de saraus pioneiros, como a Cooperifa). “Vozes marginais” é resultado de sua dissertação de mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de São Paulo, mapeando a produção cultural de intelectuais e ativistas periféricos nas periferias paulistanas, seus projetos coletivos, entrevistando protagonistas de uma cena cultural e política iniciada em São Paulo e que hoje é uma realidade incontornável para a compreensão da história cultural, política e literária brasileira contemporânea para qualquer interessado ou pesquisador comprometido com o assunto. Livro igualmente incontornável como referência do assunto.

A negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira

Joel Zito Araújo

Para além de um produto comercial, a telenovela tem sido importante, desde a segunda metade do século 20, na construção de uma imagem de si para o Brasil, por meio de personagens e narrativas que procuram espelhar o cotidiano urbano e rural, do passado e do presente, de valores e costumes tradicionais ou em mudança. O livro do cineasta Joel Zito Araújo, originado de pesquisa na Universidade de São Paulo e que também gerou um documentário homônimo, enfrenta a discussão dessa mídia como produtora de identidade nacional, seu papel na construção e explicitação de hábitos de diferentes classes sociais e também da manutenção de preconceitos e discriminações, em particular sobre os negros. Num minucioso trabalho de pesquisa em arquivos de redes de televisão (como Tupi e Globo), além de uma bela publicização de cenas de telenovelas e de personagens vividos por atores negros e não negros em nossas telas, o autor coloca em discussão um tema contemporâneo da realidade de milhares de telespectadores e os sentidos atribuídos e construídos de sua autopercepção como brasileiros.

Angola Janga: uma história de Palmares

Marcelo d’Salete

“Angola Janga” é um ponto alto em muitos sentidos. Alto numa carreira cheia de cumes, do desenhista de “Noite Luz, Encruzilhada e Cumbe”. Alto na construção de uma história coletiva com protagonistas negros e suas vidas cheias de emoção, desejos, heroísmos, fracassos e lutas pela liberdade humana. Marcelo D’ Salete, mestre em história da arte pela Universidade de São Paulo e professor da Escola de Aplicação da USP, enfrentou o desafio de construir graficamente uma história de Palmares, alicerçada em pesquisa de fontes históricas, ainda disputáveis nos dias correntes. O processo de construção da história é também reconstrução, nos lembra o autor. Palmares vive como memória coletiva negra e uma história de complexa resistência na experiência brasileira. D’Salete interpreta essas memórias e histórias, tão acionadas em diferentes momentos do século 20 para o século 21, para uma nova geração de leitores, com a beleza, rigor e dignidade que ela requer.

Mário Medeiros é professor e pesquisador do departamento de sociologia do IFCH-Unicamp. Autor do livro “A descoberta do insólito: literatura negra e literatura marginal no Brasil (1960-2000)”, publicado pela Aeroplano Editora em 2013.

Brasil está entre os países que mais matam jornalistas no mundo

0

País está no sétimo lugar do levantamento feito pela Press Emblem Campaign; matou-se mais profissionais de imprensa no Brasil do que no Paquistão e no Afeganistão

alx_jornalistas-e-fotografos_original

Publicado em Veja

O Brasil continua sendo um dos países mais perigosos do mundo para jornalistas. Um levantamento publicado nesta segunda-feira pela entidade Press Emblem Campaign (PEC), com sede em Genebra, aponta que em 2015 sete jornalistas foram assassinados no país. Com esses números, o Brasil aparece na 7ª colocação entre os países onde mais profissionais da imprensa foram mortos no ano.

No ranking, o Brasil empata em número de mortes com o Iêmen e Sudão do Sul, dois países que estão em guerra. Segundo o estudo, matou-se mais jornalistas no país neste ano do que na Somália, Paquistão, Ucrânia e Afeganistão. Encabeçam a lista a Síria, com 11 mortes; o Iraque e o México, com 10 mortes cada. Em seguida, aparece a França, que entrou no ranking por causa do atentado terrorista contra o jornal satírico Charlie Hebdo, em janeiro deste ano, no qual 8 jornalistas foram mortos. Na relação dos últimos cinco anos, o Brasil fica na 6ª posição, com 35 profissionais de imprensa mortos.

Desde janeiro, 128 jornalistas morreram em 31 países. O ano começou com o massacre na redação do Charlie Hebdo e com a morte do jornalista japonês, Kenji Goto, na Síria, pelo Estado Islâmico. Metade das mortes ocorreu por atores não-estatais, como grupos terroristas ou organizações criminosas.

O Oriente Médio continua sendo a região mais perigosa para jornalistas, com 38 mortes em 2015. Mas a América Latina fica em segundo lugar, com 31 assassinatos. Em dez anos, 1.100 jornalistas foram mortos pelo mundo, uma média de 2,2 por semana.

 

(Com Estadão Conteúdo)

Adolescente ‘gênio’ da Mongólia inventa sistema de alerta e vira aluno do MIT

0

Publicado na Folha de S.Paulo

O adolescente mongol Battushig Myanganbayar, 17, é um dos calouros de engenharia deste ano no MIT, nos EUA, uma das melhores e mais concorridas universidades do mundo.

A diferença entre ele e os demais alunos da sua turma é que Battushig foi convidado para estudar lá.

O garoto foi descoberto pelo MIT quando cursou a disciplina “Circuito e eletrônica” no Edx, uma plataforma de cursos livres, abertos e de graça do MIT (veja mais sobre esse curso aqui).

O desempenho do garoto, então com 15 anos, surpreendeu os docentes de MIT.

Não bastassem as boas notas (ele tirou dez em tudo), o pequeno Battushig ainda desenvolveu, durante um curso, uma espécie de sirene que avisa crianças que estão brincando na rua quando há um carro de aproximando.

Ele explica a sua invenção em um vídeo do YouTube (feito em bom inglês).

Impressionada, uma equipe de professores do MIT viajou até Ulan Bator, a cidade do garoto na Mongólia, e acabou convidando o menino para se mudar para os Estados Unidos.

A história ganhou projeção e o garoto foi apelidado de “o gênio da Mongólia” pela imprensa norte-americana.

ABRE-PORTAS

O que surpreende no caso de Battushig é a evidência de que cursos on-line oferecidos por grandes universidades dos EUA em plataformas como o Edx ou Coursera podem, de fato, disseminar conhecimento e incentivar novos talentos em todo o mundo.

Esses cursos são os chamados MOOCs que, na tradução do inglês, significam “cursos massivos abertos e on-line”. Duram em média dez semanas com aulas em vídeos, trabalhos e provas. Tudo de graça e pela internet.

O Edx tem 72 cursos e funciona há dois anos (detalhe: o garoto mongol foi um dos primeiros alunos da plataforma!). O Cousera é um pouco mais novo e bem maior: são 450 cursos com quase 5 milhões de alunos em todo o mundo.

Os MOOCs são um investimento grande das universidades participantes. Mas, considerando que o que essas universidades querem são alunos gênios como Battushig, essas plataformas de cursos gratuitos podem ser um eficiente caminho de busca.

Sem nunca ter ido à escola, empresário cria negócio bilionário em Cingapura

0

Publicado por UOL

O empresário Goh Cheng Liang (Divulgação)

O empresário Goh Cheng Liang (Divulgação)

SÃO PAULO – Goh Cheng Liang é um dos magnatas de Cingapura. Apesar de não estar na lista dos mais ricos e não conversar muito com a imprensa, a fama do empresário se deve a sua trajetória de sucesso.

Segundo a Forbes, Liang nunca foi à escola, pois nasceu em uma família pobre. Ainda menino, ele vendeu redes de pesca e trabalhou em uma loja de ferragens.

Em 1949, quando os britânicos estavam leiloando estoques excedentes da Segunda Guerra Mundial, Liang comprou todos os barris de tinta e com um dicionário chinês de produtos químicos na mão, ele passou a preparar mistura de solventes, pigmentos e produtos químicos para fazer a sua própria marca de tintas, chamado Pigeon.

Guerra criou oportunidade
No ano seguinte, quando teve início a guerra das Coreias, uma proibição de importação gerou um enorme lucro para o empresário.

O negócio foi crescendo até que Liang teve a oportunidade de se unir com a Nippon Paint, do Japão, e depois conseguiu uma participação em uma joint venture chamada Nipsea Management.

Liang comanda 15 mil funcionários
Hoje, a Nippon está presente em 15 países e conta com 15 mil funcionários.

O faturamento anual das empresas de Goh Cheng Liang chegam a US$ 2,6 bilhões.

Ao longo dos anos, ele investiu um pouco do seu lucro com o negócio de pintura em construção de shopping centers, hotéis, residências, em uma empresa de distribuição de varejo, fábrica de eletrônicos, embalagens, logística e até mesmo em uma empresa de mineração na China.

Ariano Suassuna sofre infarto e é internado em hospital do Recife

0

Publicado por Jornal do Brasil

O escritor paraibano Ariano Suassuna, de 86 anos, está internado no Hospital Português, no Recife (PE). Segundo a assessoria de imprensa da unidade, ele foi levado à emergência na manhã desta quarta-feira (21) após sofrer um infarto, mas passa bem.

Além de dramaturgo, romancista e poeta, ele é atual secretário de assessoria ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Ariano Vilar Suassuna nasceu em João Pessoa. Em 1950, ele se formou em direito mas não abandonou a arte. Se destacam nesta mesma época, obras como O Castigo da Soberba(1953), O Rico Avarento (1954) e o Auto da Compadecida (1955), peça que o projetou em todo o País.

Ariano foi tema de enredo no Carnaval carioca, em 2002, na escola de samba Império Serrano, e em 2008, na Mancha Verde, no Carnaval paulista.

dica do João Marcos

Go to Top