State Ibirapuera

Posts tagged indiretas do bem

Concurso Cultural Literário (177)

2

1431-20161206122244Recados do Bem

Ariane Freitas, Jessica Grecco

Este livro foi inspirado no projeto do @instadobem e traz 52 textos pensados para te ajudar a enxergar a vida de forma mais positiva. Com ele você também pode planejar, semana a semana, a prática de novas ideias e de novos olhares sobre a vida que leva. Com certeza seu ano não terminará da mesma forma que começou.

***

Em parceria com a Gutenberg, vamos sortear 2 exemplares de “Recados do bem”, de Ariane Freitas e Jessica Grecco.

Para concorrer, marque alguém que você gosta e deixe um recado do bem. Não esqueça de deixar seu e-mail.

Para ficar sempre por dentro das novidades e promoções, sugerimos que curta as páginas dos envolvidos neste concurso cultural:

O resultado será divulgado dia 20/3 neste post.

Boa sorte. 🙂

 

 

Atenção para as ganhadoras! Domenica Mendes e Nivia Neitzke. Parabéns! Entraremos em contato via e-mail.

Concurso Cultural Literário (155)

19

1349-20160408133800

Livro do Bem 2 – Para se aventurar e ver o mundo com outros olhos

Ariane Freitas e Jessica Grecco

Esse é um livro cheio de aventuras, mas com aquele toque de amor e motivação para realizar os sonhos, porque a gente sabe que às vezes faz falta um empurrãozinho no meio da luta diária.

Além de explorar o que você sente, convidamos você a sair da zona de conforto e observar o mundo à sua volta, seja viajando, seja conhecendo sua cidade, seja tomando coragem para conhecer as pessoas e as coisas que estão por perto e que você nem sempre nota.

Este é um livro sobre viagens – dentro e fora do seu coração. É um mapa para as coisas pequenas e especiais da vida. Cada minuto que você dedicar a ele tornará sua visão de mundo ainda mais ampla e especial. Mas ele só vai te mostrar os caminhos se você topar embarcar nesta loucura, fazendo-o seu de verdade.

Com frases e reflexões, ilustrações fofinhas, fotos e tarefas que fazem a gente sentir vontade de largar tudo e ir viajar na hora, além de playlists para embalar os dias… E aquela carinha de diário que ajuda tanto na hora de abraçá-lo e fazer as atividades como se fosse seu melhor amigo. Nunca se esqueça de coloca-lo na bolsa!

E fica aqui um convite: fotografe e publique tudo o que você fizer no seu Livro do Bem nas redes sociais com tag #livrodobem. Porque o que é do bem merece ser compartilhado.

***

Em parceria com a Gutenberg, vamos sortear 3 exemplares de “O livro do bem 2”, o novo sucesso de Ariane Freitas e Jessica Grecco.

Para concorrer, complete na área de comentários: “Gente que…”

Se participar via Facebook, por favor deixe seu e-mail de contato.

Para ficar sempre por dentro das novidades e promoções, sugerimos que curta as páginas dos envolvidos neste concurso cultural:

O resultado será divulgado dia 16/6 neste post.

Participe e divulgue!

 

Atenção para as sorteadas: Dayane Santos, Cá Fonseca e Luma Silva. Parabéns! Entraremos em contato via e-mail. 🙂

Jovens bombam na internet e viram best-sellers das livrarias

0
Bruna Vieira em sua casa: faturamento mensal entre 15 000 e 60 000 reais (Foto: Mario Rodrigues)

Bruna Vieira em sua casa: faturamento mensal entre 15 000 e 60 000 reais (Foto: Mario Rodrigues)

Ao tratarem questões pessoais com humor e pitadas de autoajuda, garotos das redes sociais se tornam fenômenos editoriais

Ana Carolina Soares, na Veja SP

O tagarela Christian Figueiredo emudeceu ao ver mais ou menos 1 000 seguidores virtuais materializar-se em uma fila de adolescentes animados. A turma extrapolava os limites da Livraria Cultura, estendia-se pela Alameda Santos, pela Rua Padre João Manuel e só acabava na Avenida Paulista. “Sabia que me comunicava com um público considerável, mas não tinha ideia do tamanho real dele ou da cara dessas pessoas”, lembra o rapaz de 20 anos, detentor de mais de 4 milhões de fãs em suas redes sociais. Era noite de 11 de fevereiro, dia do lançamento de seu primeiro livro, Eu Fico Loko. As 160 páginas cheias de fotos e ilustrações receberam o mesmo título de seu vlog (videoblog, espécie de diário no mundo virtual) no YouTube, com quase 2 milhões de inscritos acumulados desde a estreia, em junho de 2010. Os textos narram a adolescência, descrita pelo garoto como uma fase “duuuura” (dita assim mesmo, cheia de vogais e caretas), com situações marcantes e constrangedoras, como amores platônicos, o complexo de magreza e o início da vida sexual. “Lembro quando tentei colocar, na primeira tentativa — sim, foram várias tentativas— a camisinha entrou e pulou para fora”, conta o autor em um dos capítulos.

Com suas caras e bocas viralizadas nas principais redes sociais, Chris chamava atenção na rede como um novo porta-voz teen. Agora, experimenta o gostinho do sucesso fora da internet. Durante as quase quatro horas da noite de autógrafos no evento da Cultura, meninas gritaram, meninos se descabelaram e os executivos da editora Novo Conceito vibraram com a venda dos aproximadamente 1 000 exemplares, que saíram em uma só tacada. Na semana de estreia, o livro do vlogueiro foi o principal best-seller do país, segundo ranking do PublishNews, boletim informativo do setor. “É um feito inédito para um autor jovem”, diz Cassia Carrenho, gerente do veículo.

Até agora, Eu Fico Loko vendeu mais de 70 000 exemplares. Acima desse patamar, aparecem apenas blockbusters do porte do romance erótico Cinquenta Tons de Cinza e de Nada a Perder 3, de Edir Macedo, da Igreja Universal. Chris é o exemplo mais bem-sucedido do momento de um novo fenômeno editorial: os autores jovens que nasceram no mundo on-line. A seu favor, contam coma vantagem de abordar um universo com forte apelo comercial. Segundo dados da Nielsen, empresa de pesquisa de mercado, títulos do gênero infantil, juvenil e educacional representam atualmente 30% das vendas totais de livros no país, a maior fatia entre todas as categorias. Trata-se de um negócio que movimenta mais de 1 bilhão de reais no Brasil por ano. Outro fator que facilita a onda é que essa nova safra de escritores já traz um público cativo nos lançamentos. Além de Chris, destacam-se na leva nomes como a blogueira Isabela Freitas, mineira de Juiz de Fora, 24 anos e 300 000 cópias vendidas de seu primeiro título, Não Se Apega, Não. Lançada no ano passado pela editora Intrínseca, a obra revela como e por que a escritora dispensou seu “namorado dos sonhos”.

Casos assim estão gerando uma corrida nas editoras em busca de outros valores. “A internet virou porta de entrada para os estreantes. Ficamos de olho nessa produção e nas curtidas que esses autores recebem nas redes sociais”, diz Alessandra Ruiz, publisher da editora Gutenberg, uma das que investem no filão. Desde o fim de 2012, a empresa introduziu no mercado off-line quatro blogueiros. A Paralela, selo popular da Companhia das Letras, tem planos de lançar neste ano o primeiro título da blogueira “desbocada” Kéfera Buchmann (22 anos e quase 3 milhões de fãs no Facebook) e de Vic Ceridono, 28 anos, com 78 000 inscritos em seu canal do YouTube especializado em maquiagem. “Essa turma disputa espaço com gigantes como Rick Riordan (da saga Percy Jackson) e clássicos como O Pequeno Príncipe, de Saint-Exupéry”, afirma Ismael Sousa, coordenador da Nielsen.

A migração de autores da internet parao papel começou com Bruna Vieira, de 20 anos. No fim de 2012, ela lançou Depois dos Quinze, pela editora Gutenberg, com mesmo nome e proposta de sua página na internet, que tem média de 1,5 milhão de acessos mensais. Em textos simples, mas com personalidade, ela falava sobre sua timidez, complexos e o bullying sofrido por ser tímida, gordinha e estrábica. Depois, lançou outros três títulos: A Menina que Colecionava Borboletas (espécie de continuação de Depois dos Quinze), além dos romances De Volta aos Quinze e De Volta aos Sonhos. Nascida em Leopoldina, no interior de MinasGerais, ela se mudou para o bairro do Ipiranga,em São Paulo, aos 17 anos para participar de eventos e campanhas publicitárias, e chega a faturar hoje cerca de 60 000 reais por mês, entre direitos autorais e publicidade na internet. No fim do ano passado, seus pais (Mauro, serralheiro, e Luzia, secretária), além do irmão (Mauro, programador, de 23 anos), largaram seu cotidiano e emprego em Minas e se mudaram para Atibaia, para trabalhar com a caçula. “Comecei meu blog como um diário, um desabafo, porque fui esnobada por um garoto. No fim, a internet me deu autoestima e uma profissão”, diz. De quebra, o rapaz ainda lhe pediu desculpa. Neste ano, Bruna lançará dois livros. Um deles será uma revista em quadrinhos. Com o projeto, a jovem pretende virar boneca e faturar ainda mais com produtos licenciados em 2015. O outro plano envolve uma seleção de crônicas junto com dois pesos-pesados de romances juvenis,Thalita Rebouças e Paula Pimenta. “São minhas maiores referências, ao lado de Martha Medeiros e Meg Cabot (de O Diário da Princesa, que virou filme com Anne Hathaway).”

Os ídolos de Bruna apontam o caminho dos jovens best-sellers. Eles são doces,românticos, politicamente corretos e bem-humorados. A rebeldia típica da fase só aparece em um ou outro palavrão. Todos apresentam o sentimento como tema principal de suas obras: a dificuldade de se entrosar com a turma, de acertar no amor e as rusgas com a família. Um exemplo é Fred Elboni, de 24 anos, autor do blog Entenda os Homens, com 5 milhões de acessos mensais, além dos livros Um Sorriso ou Dois e Meu Universo Particular, lançado neste mês. Em seus textos, aborda tabus, como sexo no primeiro encontro, e faz alguns desabafos, como a saudade do pai, o publicitário Fábio Elboni, que morreu de câncer no estômago quando o jovem tinha 14 anos. “Minha mãe, que era divorciada, vivia dizendo para eu ligar mais para ele”, lembra Fred. “Eu acabava sempre deixando para depois. Poderia ter curtido mais a companhiado meu pai. Hoje falo aos meus leitores para aproveitarem melhor os momentos com as pessoas queridas.”

JESSICA GRECCO E ARIANE FREITAS, 25 ANOS - Na internet: contabilizam 7,7 milhões de seguidores em contas nas redes sociais. O blog "Indiretas do Bem" possui em média 150 000 acessos mensais. Nas livrarias: a primeira obra delas, O Livro do Bem, foi lançada em novembro e vendeu aproximadamente 17 000 exemplares. Renda mensal: entre 20 000 e 50 000 reais. Perfil: a dupla fala de seu cotidiano, além de mandar mensagens curtas de superação e autoajuda (Foto: Mario Rodrigues)

JESSICA GRECCO E ARIANE FREITAS, 25 ANOS – Na internet: contabilizam 7,7 milhões de seguidores em contas nas redes sociais. O blog “Indiretas do Bem” possui em média 150 000 acessos mensais. Nas livrarias: a primeira obra delas, O Livro do Bem, foi lançada em novembro e vendeu aproximadamente 17 000 exemplares. Renda mensal: entre 20 000 e 50 000 reais. Perfil: a dupla fala de seu cotidiano, além de mandar mensagens curtas de superação e autoajuda (Foto: Mario Rodrigues)

Além da temática de dramas e encanações adolescentes, os autores têm outros pontos em comum. Por viverem grudados no celular (“é um membro do meu corpo”, define Bruna Vieira), trabalham praticamente todos os dias. Postam de segunda a segunda nas redes sociais e usam como trilha sonora de seus vídeos as canções pop que ouvem, de Aerosmith a Katy Perry. Na maioria dos casos, o próprio quarto faz as vezes de cenário. “É uma delícia porque raramente pegamos trânsito e as reuniões acontecem por WhatsApp”, diz Jessica Grecco. Ela e a amiga Ariane Freitas são donas da página do Facebook Indiretas do Bem, com mensagens positivas, e lançaram a primeira obra, O Livro do Bem, em novembro passado. Em maio, colocarão no mercado a segunda, tendo como alvo o Dia dos Namorados. “Nossa única pretensão ao abrir a página no Face era apaziguar um grupo de amigos que (mais…)

Autoras da fanpage ‘Indiretas do Bem’ lançam livro interativo

0
O “Livro do Bem” nasceu de um projeto virtual das publicitárias paulistas Jessica Grecco e Ariane Freitas (Divulgação)

O “Livro do Bem” nasceu de um projeto virtual das publicitárias paulistas Jessica Grecco e Ariane Freitas (Divulgação)

Página do Facebook “Indiretas do Bem” dá origem a livro com atividades para deixar os dias (e o ano) mais felizes

Rosiel Mendonça, no A Crítica

Alguém vai à livraria, abre uma obra aleatoriamente e se depara com instruções, dicas e conselhos do tipo “Cultive amizades além da Internet”, “Borrife nesta página um perfume que te lembre bons momentos” e “Músicas para curar um coração partido”. Os instantes seguintes serão cruciais para o leitor decidir se embarca ou não na viagem sentimental e sensorial proposta pelo livro em questão.

Essa situação pode descrever o primeiro contato de muitos leitores com o “Livro do Bem – coisas para você fazer e deixar seu dia mais feliz”, que as publicitárias paulistas Ariane Freitas e Jessica Grecco acabam de lançar pela editora Gutenberg. Fruto da página “Indiretas do Bem” – administrada pelas duas e com mais de 7,5 milhões de seguidores no Facebook – o lançamento pega carona no sucesso de publicações interativas como “Destrua este diário” e “Uma página de cada vez”.

Segundo Jessica, o “Livro do Bem” não traz referências apenas da página queridinha dos brasileiros, mas também do conteúdo que as autoras postam em outras redes sociais, como Youtube e Instagram. “O livro é uma junção de tudo que já fazemos em um formato só, mas ele não existiria sem as pessoas, assim como no Instagram, onde pedimos para elas nos mandarem fotos. A ideia é continuar essa troca, mas também no formato físico”, diz.

No “Livro do Bem”, o leitor é convidado a personalizar as páginas com suas ideias, lembranças e momentos marcantes. A obra também é pontuada por frases inspiradas, indiretas ao estilo da fanpage do Facebook e receitas simples. Mas a proposta é que a interação passe pelo livro e acabe na Internet, por isso as autoras incentivam os leitores a compartilharam as suas páginas nas redes sociais com a tag #livrodobem.

Ariane destaca esse caráter multimídia da obra. “As pessoas estão curtindo isso, tanto que tem gente que criou perfis só para compartilhar as coisas que fizeram a partir do livro. O processo começa internamento e depois vai para o coletivo”.

Presente do bem

Nos livros interativos que já existem no mercado, as publicitárias dizem que sentiam falta de uma abordagem mais pessoal e menos ficcional. “O nosso tem uma construção de autoconhecimento e também de compartilhar o sentimento de coletividade com os amigos, família ou outras pessoas na Internet”, explica Jessica.

Para ela, é como se o “Livro do Bem” nunca estivesse pronto de fato. “A editora deixou na nossa mão mesmo, e ele saiu da forma como acreditamos, da nossa maneira”, completa ela. Ariane, por outro lado, foi a responsável por dar contorno aos detalhes que ilustram cada uma das mais de 200 páginas da obra.

“Fechamos o contrato em setembro e em outubro ele tinha que estar pronto”, lembra. “Me tranquei em casa para desenhar e passei praticamente um mês trabalhando sem parar. Eu e a Jessica discutíamos juntas as páginas e foi uma delícia, porque o livro sai com a nossa cara”.

Ariane, que encara o “Livro do Bem” como um projeto de aperfeiçoamento pessoal, indica a publicação como um bom presente para essa época do ano. “É um livro bom para pegar no início do ano. Incluímos até um calendário para a pessoa ir acompanhando o seu humor ao longo dos dias”, finaliza.

Três livros para curtir no fim de ano

0

Ariane Freitas, no Indiretas do Bem

Eba! Dezembro está chegando, o recesso também, e pra quem ainda não se planejou para o descanso, aí vão três dicas de livros simples e divertidos! Separei nas leituras desse semestre as que foram mais rapidinhas e prazerosas – as mais densas eu vou resenhar individualmente! Segue um vídeo contando melhor deles! 😀

Ficou curioso?

Para quem gosta de Romances Adolescentes:

O Condado de Citrus , de John Brandon
Os protagonistas Toby e Shelby vivem uma história incrível e bem contada, concisa, com suspense e uma expressividade psicológica do jeitinho que eu gosto. É uma daquelas leituras que criam identificação porque nos colocam próximos do coração dos personagens. Você ri até nos momentos angustiantes. É amor mesmo. Apesar de, em alguns momentos, os personagens parecerem maduros demais para sua idade… Você nem sempre concorda com o protagonista, mas compreende, sabe?

Para quem gosta de Fantasia:

O Peculiar, de Stefan Bachmann
Sabe aquele livro que você escolhe pela capa? Eu sei, eu faço isso sempre e não é um hábito saudável. Mas os resultados tem sido satisfatórios, poxa! Esse é um steampunk fantástico. A leitura não é das mais simples, exatamente por isso. A narrativa é densa. Os personagens Barthy é cativante, inteligente, vive uma amizade linda e a história se passa num mundo cheio de fadas más, tecnologias doidas, objetos mecânicos e fumaça… Uma dose bem legal de mistério que inclusive vale uma continuação.

Para quem gosta de Contos de Fadas Modernos:

O Livro dos Vilões, de Fábio Yabu, Diana Peterfreund, Carina Rissi e Cecily Von Ziegezar
Vocês já devem ter lido O Livro das Princesas – eu confesso que não li, princesas não me atraem muito. Vilões sim – por isso não resisti quando vi a capa. Além disso, gosto muito do trabalho do Yabu e já me diverti bastante com Gossip Girl, então pelo menos metade da leitura era sorriso garantido. Os contos são #Stepsister – Sobre sapatos e selfies, uma releitura fraquinha de Cinderela pela Cecily. Tem fada madrinha gay, tem gêmeas más fúteis, mas a mensagem não convence muito. Menina Veneno, da Carina Rissi, é uma releitura de Branca de Neve que tenta mostrar um lado da madrasta que não conhecemos. Quanto mais afiado o espinho, da Diana, mostra a vida de uma bruxa adolescente, tentando se encaixar. Convenhamos: não precisa ser bruxa pra sofrer com isso. E por isso ele é tão legal. <3 O melhor é o A Menina e o Lobo, do Yabu. É do tipo que faz a gente rir, suspirar, chorar… Valha-me. Ele tem elementos do reino fantástico e a sua importância na vida dos personagens e da história. É tão legal que eu já separei como presente de Natal!

Go to Top