Posts tagged jornalista

Livros que todo mundo deveria ler em 2019

0

Imagem: pixabay

Selecionamos os livros mais vendidos e bem avaliados lançados nos últimos meses. Confira a lista e escolha o seu

Publicado no Infomoney

Todos os anos a promessa de “ler mais livros” compete com “praticar exercícios” pela posição de resolução de Ano Novo mais listada ao redor do mundo. Para te ajudar a cumprir pelo menos um dos objetivos da sua lista, selecionamos os melhores livros lançados recentemente, que conquistaram leitores ao redor de todo o mundo e figuram nas listas de mais vendidos e bem avaliados. Confira a seguir:

A Menina da Montanha – Tara Westover

Esse romance foi eleito o livro do ano de 2018 pela Amazon e também integrou a lista de melhores livros do ano de Barack Obama e Bill Gates. A Menina da Montanha é o relato autobiográfico de Tara Westover, uma americana criada nas montanhas de Idaho, onde a família vivia totalmente isolada da sociedade, sem ninguém para oferecer uma educação formal. Quando um dos irmãos da jovem conseguiu chegar à universidade e trouxe notícias da vida além das montanhas, Tara decidiu tentar um novo estilo de vida. Ela aprendeu, de forma autodidata, matemática, gramática e ciência, e conseguiu chegar à universidade, onde estudou psicologia, política, filosofia e história. Sua busca por conhecimento a transformou e a levou para Harvard e Cambridge.

21 lições para o século 21 – Yuval Noah Harari

O aclamado autor de Sapiens e Homo Deus, Yuval Noah Harari, lançou em 2018 “21 lições para o século 21”, que explora o presente e nos conduz por uma fascinante jornada pelos assuntos prementes da atualidade. Seu novo livro trata sobre o desafio de manter o foco coletivo e individual em face a mudanças frequentes e desconcertantes. Seríamos ainda capazes de entender o mundo que criamos?

A Economia das Crises – Nouriel Roubini

Trata-se do novo livro de Nouriel Roubini, conhecido como “Dr Apocalipse”, por ter previsto a última crise financeira muito antes de qualquer outro especialista. Ao contrário dos profissionais da área, Roubini não trata os desastres econômicos como eventos extravagantes, singulares e isolados, sem causa nítida. Décadas de pesquisas em todo o mundo lhe permitiram constatar que eles são previsíveis e passíveis de prognóstico. Roubini se une a Stephen Mihm e, ao compararem crises em diversos países e épocas, eles mostram que os cataclismos financeiros são tão antigos e onipresentes quanto o capitalismo.

Bad Blood: Fraude Bilionária no Vale do Silício – John Carreyrou

Bad Blood traz a história completa da ascensão meteórica e o chocante colapso da Theranos, uma startup multibilionária de biotecnologia. O livro foi escrito por John Carreyrou, premiado jornalista que divulgou a história em primeira mão e perseguiu-a até o fim, apesar da pressão de sua carismática CEO e das ameaças de seus advogados. Em 2014, a fundadora e CEO da Theranos, Elizabeth Holmes, foi amplamente vista como a versão feminina de Steve Jobs: uma brilhante ex-aluna de Stanford cujo “unicórnio” prometia revolucionar a indústria médica com uma máquina que tornaria os testes de sangue mais rápidos e fáceis. Em “Bad Blood”, John Carreyrou conta a história fascinante da maior fraude corporativa desde a Enron, um conto de ambição e arrogância em meio às promessas ousadas do Vale do Silício.

Breves respostas para grandes questões – Stephen Hawking

Um dos livros mais vendidos de 2018, “Breves respostas para grandes questões” traz textos inéditos do físico Stephen Hawking sobre as maiores perguntas da humanidade. Com o livro, somos conduzidos a suas reflexões sobre a origem do universo, a existência de Deus e a natureza do tempo, assuntos sempre submetidos a seu intelecto afiado de cientista. Aliado à curiosidade que o impulsionou por toda a vida, ele projeta seu olhar também para o futuro, buscando soluções para problemas que ameaçam hoje o mundo como o conhecemos, tais como o aquecimento global, a fome e a urgência de um desenvolvimento sustentável.

Minha História – Michele Obama

O livro é de autoria da ex-preimeira-dama dos Estados Unidos Michele Obama, que se se consolidou como uma das mulheres mais icônicas e cativantes de nosso tempo.Em suas memórias, um trabalho de profunda reflexão e com uma narrativa envolvente, Michelle convida os leitores a conhecer seu mundo, recontando as experiências que a moldaram — da infância na região de South Side, em Chicago, e os seus anos como executiva tentando equilibrar as demandas da maternidade e do trabalho, ao período em que passou no endereço mais famoso do mundo. Com honestidade e uma inteligência aguçada, ela descreve seus triunfos e suas decepções, tanto públicas quanto privadas, e conta toda a sua história, conforme a viveu.

Medo: Trump na Casa Branca – Bob Woodward

O autor do livro é Bob Woodward – um dos mais destacados repórteres políticos de todos os tempos. Com detalhes sobre a rotina de Trump, diálogos e documentação inédita, o livro abalou a política norte-americana. O autor se vale de centenas de horas de entrevistas com fontes primárias, atas de reunião, diários pessoais, arquivos e documentos para revelar a maneira atabalhoada como são tomadas as decisões na Casa Branca. De assuntos-chave da política internacional, como a Coreia do Norte, Afeganistão, Irã, Oriente Médio, China e Rússia, a pontos cruciais da política interna, como imigração e a violência racial em Charlottesville, MEDO retrata “o colapso nervoso do poder executivo do país mais poderoso do mundo”, afirma Woodward.

Como as democracias morrem – Steven Levitsky e Daniel Ziblatt

Ainda no cenário político, o livro faz uma análise crua e perturbadora do fim das democracias em todo o mundo. Afinal, democracias tradicionais entram em colapso? Essa é a questão que Steven Levitsky e Daniel Ziblatt – dois conceituados professores de Harvard – respondem ao discutir o modo como a eleição de Donald Trump se tornou possível. Para isso comparam o caso de Trump com exemplos históricos de rompimento da democracia nos últimos cem anos: da ascensão de Hitler e Mussolini nos anos 1930 à atual onda populista de extrema-direita na Europa, passando pelas ditaduras militares da América Latina dos anos 1970.

Do Mil ao Milhão. Sem Cortar o Cafezinho. – Thiago Nigro

O livro é leitura obrigatória para quem busca a independência financeira. Escrito por Thiago Nigro, criador do “O Primo Rico”, o livro ensina aos leitores os três pilares para atingir a independência financeira: gastar bem, investir melhor e ganhar mais. Por meio de dados e de sua própria experiência como investidor e assessor, Nigro mostra que a riqueza é possível para todos – basta estar disposto a aprender e se dedicar.

Livro banido do Colégio Santo Agostinho lidera lista de mais vendidos da Estante Virtual

0

O livro “Meninos sem pátria” Foto: Reprodução

Edição antiga de ‘Meninos sem pátria’ não sai por menos de R$ 200 na Amazon

Publicado em O Globo

RIO – Após ser banido pelo tradicional Colégio Santo Agostinho , o livro “Meninos sem pátria”, de Luiz Puntel, voltou a despertar o interesse dos leitores brasileiros. De acordo com a Estante Virtual, empresa especializada na venda de livros usados, o romance infanto-juvenil foi o mais vendido no site em outubro. Em segundo lugar, aparece o clássico “A revolução dos bichos”, de George Orwell, seguido por “A sutil arte de ligar o f*da-se”, de Mark Manson.

Lançado em 1981, “Meninos sem pátria” conta a história de uma família que é obrigada a deixar o país durante a ditadura militar quando o pai, jornalista, passa a ser perseguido pelo regime por questões políticas. O livro integra a Série Vaga-lume, coleção de livros para o público infantojuvenil que é referência há gerações em escolas brasileiras.

“Meninos sem pátria” era uma das leituras previstas para este ano no Colégio Santo Agostinho, no Leblon, um dos mais tradicionais do Rio. No entanto, a escola resolveu banir o livro da lista de leituras em outubro após pais de estudantes do 6º ano alegarem que o livro “doutrina crianças com ideologia comunista”.

A decisão gerou protestos entre estudantes e ex-alunos, que realizaram protestos na frente da escola pela liberdade de expressão e contra a censura. Um dos participantes foi o jornalista Ricardo Rabelo, um dos filhos cuja história real inspirou Luiz Puntel.

“Em vez de promover um debate sobre censura e ditadura, a escola preferiu fazer como era naqueles tempos: ‘Não se fala mais nisso, o debate está encerrado, o livro está proibido’. Foi um tiro no pé. O colégio deveria fazer uma autocrítica, reconhecer que errou e abrir um debate sobre isso. E eu estou disposto a vir aqui conversar, contar o que foi o exílio para mim e para a minha família. Nós sofremos, é muita dor ficar longe de casa”, afirmou o jornalista ao GLOBO .

Atualmente na 23ª edição, “Meninos sem pátria” custa cerca de R$ 50 para edições mais recentes. No entanto, versões mais antigas do livro estão sendo vendidas por até R$ 227 na Amazon.

10 livros que valem uma aula sobre ter sua própria empresa

0
Livros para o sucesso: o melhor antídoto para o medo de empreender é a preparação (Archive/Thinkstock)

Livros para o sucesso: o melhor antídoto para o medo de empreender é a preparação (Archive/Thinkstock)

 

Empreendedores consultados por EXAME.com indicam obras com lições fundamentais sobre gerenciar um negócio. Confira a lista:

Mariana Fonseca, na Exame

São Paulo – O melhor jeito de sentir na pele como é ser um empreendedor é, claro, abrir seu próprio negócio. Mas, diante da possibilidade de cometer erros que podem ser fatais (para o coração e para o bolso), muitos desistem do sonho de ser o próprio chefe.

O melhor antídoto para esse medo de empreender é a preparação. Uma dica de aprendizagem econômica e que nunca envelhece é ler de tudo: dos clássicos do empreendedorismo aos livros mais atuais, com desafios contemporâneos da administração de negócios.

Por isso, EXAME.com consultou empreendedores brasileiros para conhecer quais obras são fundamentais sobre ter sua própria empresa, da boca de quem vivencia essa rotina de líder.

As indicações foram dadas por Diego Gomes, co-fundador da Rock Content; José Eduardo Mendes, fundador do Hotel Urbano; Renato Mendes, mentor Endeavor e sócio da aceleradora de startups Organica; e René Abe, CEO da Rakuten Digital Commerce.

Confira dez livros que valem uma aula sobre ter sua própria empresa:

1 — Criatividade S/A
Criatividade S/A, de Edwin Catmull

Criatividade S/A (“Creativity, Inc.”) é um livro sobre o sucesso do mais importante e lucrativo estúdio de animação da atualidade: a Pixar. A obra é assinada por Edwin Catmull, que co-fundou o estúdio junto a nomes como Steve Jobs e John Lasseter.

Dos encontros da equipe ás sessões de brainstorm, Catmull mostra como se constrói uma cultura da criatividade, num livro definitivo para quem busca inspiração para os próprios negócios. O autor mostra que o ingrediente essencial para uma história bem-sucedida é um ambiente empresarial que estimula a ousadia e renega a convenção.

René Abe, CEO da Rakuten Digital Commerce, reforça como Catmull cita o banco de cérebros da Pixar: esse grupo de profissionais qualificados faz críticas e propõe soluções para problemas nos projetos do estúdio, a partir de um trabalho em equipe.

“Já deu para perceber que o empreendedorismo não é um movimento isolado e depende de vários elementos. Como você tem trabalhado a comunicação, o trabalho em equipe e os feedbacks na sua empresa?”, indaga o empreendedor.

Criatividade S/A (“Creativity Inc.”)
Autor: Ed Catmull
Editora: Rocco

2 — Elon Musk
Elon Musk – Como o CEO Bilionário da Spacex e da Tesla Está Moldando Nosso Futur, de Ashlee Vance

“Elon Musk – Como o CEO Bilionário da Spacex e da Tesla Está Moldando Nosso Futuro” é um livro sobre um dos empreendedores mais excêntricos e visionários da atualidade: o sul-africano Elon Musk.

Ele é o homem por trás dos cobiçados esportivos elétricos da Tesla Motors, dos painéis e baterias de energia solar popularizados pela SolarCity e dos foguetes espaciais da SpaceX, construídos do zero com recursos privados e muito mais baratos que qualquer versão já lançada pelas agências governamentais. Entre as próximas metas de Musk, consta nada menos que a colonização de Marte.

No livro, o jornalista de tecnologia Ashlee Vance apresenta um olhar inédito sobre a vida e as realizações inacreditáveis do “homem mais audacioso do Vale do Silício”.

“É quase impossível falar em inovação e empreendedorismo e não citá-lo. Musk quer transformar as formas como nos locomovemos, nos comunicamos e utilizamos a tecnologia para tornar nosso dia a dia mais prático”, afirma Abe, da Rakuten Digital Commerce. “É um banho de motivação para empreendedores que estão sempre dispostos a surpreender.”

Elon Musk
Autor: Ashlee Vance
Editora: Intrínseca

3 — “High Output Management”
High Output Management, de Andrew Grove

“High Output Management”, livro ainda não traduzido para o português, é um guia para a arte e a ciência da administração. Seu autor, Andrew Grove, é fundador da gigante de tecnologia Intel. O livro ensina quais técnicas e indicadores você pode usar para fazer um recrutamento preciso; como tornar seus funcionários e colegas de trabalho em um time altamente produtivo; e, basicamente, revoluciona a maneira pela qual trabalhamos. Recrutamento certeiro: Veja 7 ações para contratação de pessoas incríveis, elencadas pela ContaAzul Patrocinado

“O ex-CEO da Intel costumava dar lições de gestão para sua equipe. Esses ensinamentos são preciosíssimos e me inspiraram muito sobre o desafio de liderar pessoas. Mudou minha vida!”, afirma Diego Gomes, fundador da Rock Content.

“High Output Management”
Autor: Andrew Grove
Editora: Vintage

4 — O Lado Difícil das Situações Difíceis
O Lado Difícil das Situações Difíceis, de Ben Horowitz

Em “O Lado Difícil das Situações Difíceis – Como Construir Um Negócio Quando Não Existem Respostas Prontas”, Ben Horowitz, um dos empreendedores mais respeitados e experientes do Vale do Silício, conta a história de como ele mesmo fundou, dirigiu, vendeu, comprou, geriu e investiu em empresas de tecnologia, oferecendo conselhos essenciais e normas de sabedoria prática para ajudar os empreendedores a resolver os problemas mais difíceis – aqueles de que as faculdades de administração não tratam.

Horowitz, grande fã de rap, ilustra as lições empresariais com letras de suas músicas favoritas e fala a verdade nua e crua sobre os assuntos mais espinhosos, desde como demitir um amigo até saber o melhor momento para vender a empresa.

“A grande sacada é que um livro muito duro e realista”, afirma Renato Mendes, da Organica. “Costumamos ouvir os empreendedores enfatizando a boa parte de ter um negócio, mas esse livro mostra o lado contrário. Você aprende muito, porque é uma obra muito real, com o lado cruel do empreendedorismo.”

O Lado Difícil das Situações Difíceis (“The Hard Thing about Hard Things”)
Autor: Ben Horowitz
Editora: Martins Fontes

5 — A Marca da Vitória
A Marca da Vitória, de Phil Knight

Aos 24 anos, depois de se formar e viajar como mochileiro pelo mundo, o empreendedor Phil Knight decidiu que não seguiria um caminho convencional. Em vez de trabalhar para uma grande corporação, iria à luta para criar algo próprio, dinâmico e diferente.

Com 50 dólares emprestados pelo pai, ele abriu em 1963 uma empresa com uma missão simples: importar do Japão tênis de alta qualidade e baixo custo. E mal acreditou quando conseguiu vender rapidamente todos os calçados de suas primeiras encomendas.

Mas o caminho até tornar a Nike uma das marcas mais emblemáticas, inovadoras e rentáveis do mundo não foi fácil, e Knight fala em detalhes dos riscos que enfrentou, dos concorrentes implacáveis e de seus muitos triunfos e golpes de sorte no livro “A Marca da Vitória – A Autobiografia do Criador da Nike”.

“Nessa obra, o leitor confirma que toda operação comercial tem seus altos e baixos, além de concluir que a vitória é resultado de persistência e gestão de valores”, afirma Abe, da Rakuten Digital Commerce.

“O autor também ressalta os pilares do sucesso: ter líderes fortes, investir em algo que se ama fazer, vislumbrar as oportunidades acima das perdas e não temer o erro são alguns deles.”

A Marca da Vitória (“Shoe Dog”)
Autor: Phil Knight
Editora: Sextante

6 — Nada Easy
Nada Easy, de Tallis Gomes

Tirar uma ideia do papel é uma arte; fazer isso em um cenário hostil como o mercado brasileiro, é quase impossível. Escalar seu negócio, crescer exponencialmente é o sonho de todo empreendedor, porém, como fazer isso?

No livro “Nada Easy”, Tallis Gomes, fundador da Easy Taxi e da Singu, apresenta o passo a passo das etapas para validar de forma correta a sua ideia, abrir seu empreendimento e fazê-lo crescer, sem desperdiçar tempo e recurso produzindo algo pelo qual as pessoas não pagariam. Tallis já foi listado pela revista Forbes como um dos 30 jovens mais transformadores do Brasil, eleito o Young Leader of The Year nos EUA e eleito pelo MIT um dos jovens mais inovadores do país.

“A maior qualidade de um empreendedor é não ter medo de errar, tomar riscos e de eventuais fracassos. Quando observo o Tallis [Gomes], percebo nele essas qualidades”, afirma José Mendes, fundador do Hotel Urbano.

Nada Easy
Autor: Tallis Gomes
Editora: Gente

7 — Organizações Exponenciais
Organizações Exponenciais, de Michael S. Malone, Salim Ismail e Yuri Van Geest

Os autores Michael S. Malone, Salim Ismail e Yuri Van Geest, da Singularity University, pesquisaram exaustivamente os padrões das empresas exponenciais mais importantes do mundo nos últimos seis anos, tais como Waze, Tesla, Airbnb, Uber, Xiaomi, Netflix, Valve, Google (Ventures), GitHub, Quirky e 60 outras empresas, incluindo empresas de sucesso, como GE, Haier, Coca Cola, Amazon, Citibank e ING Bank.

Entrevistando mais de 70 líderes globais e pensadores, trazem uma nova e ampla visão sobre as tendências organizacionais e tecnológicas essenciais, que podem ser aplicadas nas startups, nas empresas de médio porte e nas grandes organizações.

“O livro é base para quem quer entender o mindset da nova economia. Mostra por dentro o funcionamento de startups de alto impacto, como os seus empreendedores pensam, como se organizam e como atuam”, explica Mendes, da Organica.

Organizações Exponenciais (“Exponential Organizations”)
Autores: Michael S. Malone, Salim Ismail e Yuri Van Geest
Editora: HSM

8 — Sem Limites – A História da Netshoes
Sem Limites – A História da Netshoes, de José Eduardo Costa

 

O livro “Sem Limites – A História da Netshoes” conta a história de dois primos de ascendência armênia, Marcio Kumruian e Hagop Chabab, que em 2000 abriram uma loja de calçados na rua Maria Antônia, na capital paulista, e a transformaram na maior varejista digital de itens esportivos da América Latina.

A Netshoes fatura hoje mais de 2 bilhões de reais e emprega mais de 2 mil colaboradores. O livro conta como se deu a migração da loja de rua para o comércio eletrônico, os sucessivos desafios superados pelos primos, das conversas para a compra da plataforma de e-commerce com os americanos, sem que nenhum dos sócios falasse inglês, à montagem do primeiro centro de distribuição automatizado. Da loja física para a virtual: Veja com a Tray 6 dicas para a transição Patrocinado

“É inspirador ver o quão longe um empreendedor brasileiro pode chegar”, afirma Gomes, da Rock Content. “O livro e a trajetória da Netshoes são o maior case recente de uma empresa brasileira que cresceu e escalou em alta velocidade, resultando no seu IPO.”

Sem Limites – A História da Netshoes
Autor: José Eduardo Costa
Editora: Gente

9 — A Startup Enxuta
A Startup Enxuta, de Eric Ries

Eric Ries criou uma abordagem revolucionária de administração, que transformou a maneira pela qual os novos produtos são criados, desenvolvidos e lançados. “A Startup Enxuta” ensina administradores, empreendedores e líderes empresariais a serem mais bem-sucedidos na condução de seus negócios sem, contudo, desperdiçar tempo e recursos.

“Indicado em todos os círculos acadêmicos quando o assunto é empreendedorismo, esse livro é leitura indispensável se você quer tirar um projeto do papel. O autor criou um grande movimento que vem ajudando diferentes tipos de negócios tecnológicos a decolarem”, diz Abe, da Rakuten Digital Commerce. “Não deixe de conferir as dicas de um dos gurus do Vale do Silício.”

A Startup Enxuta (“The Lean Startup”)
Autor: Eric Ries
Editora: Casa da Palavra

10 – Supere o Não: Negociando Com Pessoas Difíceis
Supere o Não: Negociando Com Pessoas Difíceis, de William Ury

Todos querem chegar ao “sim” em uma negociação. Mas e se o outro repetidamente diz “não” para você? Como negociar com sucesso com um chefe obstinado, um cliente irritado ou um colega de trabalho malandro?

O especialista William L. Ury apresenta no livro “Supere o Não” táticas infalíveis para negociar com qualquer tipo de pessoa. A obra dá estratégias para todas as situações de negociação possíveis, apontando alternativas eficientes e maneiras de identificar e neutralizar os truques de seu oponente.

“Um clássico no mundo das negociações, este livro de William L. Ury reúne técnicas práticas para que você consiga lidar com diferentes interlocutores, defendendo seus argumentos de forma organizada e aumentando suas chances de sucesso”, diz Abe, da Rakuten Digital Commerce.

“É um guia apurado de como reverter os ‘nãos’ que todo empreendedor encontra em sua jornada para ingressar ou mesmo crescer em seu ramo de atuação.”

Supere o Não: Negociando Com Pessoas Difíceis
Autor: William L. Ury
Editora: Best Seller

3.000 livros raros da Biblioteca Brasiliana da USP estão disponíveis para download

0
Biblioteca da USP abriga uma coleção de cerca de 60 mil volumes de livros raros e manuscritos, doados por bibliófilos

Biblioteca da USP abriga uma coleção de cerca de 60 mil volumes de livros raros e manuscritos, doados por bibliófilos

 

Juliana Domingos de Lima, no Nexo

A Biblioteca Guita e José Mindlin abriga uma coleção de cerca de 60 mil volumes de livros raros e manuscritos e pertence à Universidade de São Paulo. Agora, 3.000 títulos do acervo podem ser consultados on-line e baixados na plataforma digital da biblioteca, lançada em 5 de julho.

O projeto de digitalização, que conta com a colaboração da Superintendência de Tecnologia da Informação e do Centro de Tecnologia da Informação da USP de São Carlos, teve início em 2008. Entre as obras disponíveis atualmente, há livros, folhetos, periódicos, manuscritos, mapas e imagens. Alguns chegam a ter cinco séculos de idade.

Novas obras serão acrescentadas ao acervo digital a cada semana.

Por se tratarem de livros antigos, muitos já estão em domínio público, livres de direitos autorais, o que possibilita sua digitalização e disponibilização para download no formato pdf.

O Nexo pediu ao bibliotecário Rodrigo Moreira Garcia, coordenador responsável do projeto, que realizasse uma seleção de sete destaques entre as obras digitalizadas até o momento. Aqui sua seleção:

“Warhaftig Historia und beschreibung eyner Landtschafft der Wilden […]”, de Hans Staden (1557)

“Obra de um viajante alemão do século 16. A primeira edição publicada em 1557, descreve suas experiências no Brasil e como escapou de ser devorado por índios tupinambás em um ritual antropofágico.

O texto teve um papel importante na construção de um imaginário sobre o Brasil e influencia até hoje produções na literatura, cinema e artes plásticas que se debruçam sobre a formação e a identidade nacional. A BBM também possui uma edição em português de 1900.”

“Arte de grammatica da lingoa mais usada na costa do Brasil”, de José de Anchieta (1595)

“Primeira edição, de 1595, do livro escrito pelo padre José de Anchieta, da Companhia de Jesus. Anchieta escreve a gramática ao perceber a grande semelhança da língua falada pelos indígenas do litoral: os tupis. Os jesuítas, desde cedo, determinaram que a catequese seria mais facilmente realizada se usassem a linguagem dos nativos. Assim, essa obra surge como um instrumento da conversão do indígena.”

23 obras de João do Rio

“Entre as novas digitalizações, destacam-se as obras de João do Rio, pseudônimo de Paulo Barreto, jornalista, cronista, contista e teatrólogo brasileiro e membro da Academia Brasileira de Letras.

João do Rio foi importante cronista da vida carioca, no início do século 20. Em sua obra, o autor traduz, com maestria, os processos de modernização tanto políticos quanto sociais da então capital federal e suas consequências – tanto positivas, como a urbanização e o saneamento, e negativas, como a marginalização e a exclusão social.

Dentre suas obras mais importantes, destacam-se: “Psychologia urbana”, de 1911  ; “Os dias passam”, de 1912; e “No tempo de Wencesláo”, de 1917.

Os 9 fascículos da revista “KLAXON: mensário de arte moderna” (1922-23)

“Lançada em São Paulo no mesmo ano que se realiza a Semana de Arte Moderna, ‘Klaxon’ é a primeira revista modernista do Brasil. Do comitê de redação, participam ativamente Menotti del Picchia e Guilherme de Almeida. Das diversas revistas modernistas que proliferam no Brasil dos anos 1920, Klaxon sem dúvida é a mais audaciosa, a mais renovadora e a mais criativa, não só por sua belíssima diagramação, como pelas modernas ilustrações de Brecheret e Di Cavalcanti. A revista traz artigos e poemas de autores franceses, italianos e espanhóis, todos em suas línguas originais; e, além disso, poemas de Manuel Bandeira e Serge Milliet (que assinava assim na época) compostos em francês. Irreverente e sarcástica, Klaxon apresenta um perfil de típica agressividade vanguardista”.

Os 18 fascículos de “O Patriota: jornal litterario, político, mercantil” (1813-1814)

“A publicação dos 18 números de ‘O Patriota, Jornal Litterario, Politico, Mercantil’, entre fevereiro de 1813 e dezembro de 1814, na Impressão Régia, Rio de Janeiro, representou o aparecimento do que hoje chamaríamos de primeiro periódico dedicado exclusivamente à difusão do conhecimento científico no Brasil. Seu redator (hoje diríamos editor) era o baiano Manuel Ferreira de Araújo Guimarães (1777-1838). Apresenta expressiva contribuição iconográfica (gravuras, tabelas e quadros) e trata de temas como botânica, zoologia, mineralogia, cartografia, filosofia, viagens, literatura, história, medicina, matemática, química, topografia, hidráulica e navegação, entre outros”.

O documento do Dia do Fico

“Edital. O Senado da Camara, julga do seu dever anunciar ao Povo desta Cidade, que hoje ao meio dia, poz na Presença de S.A.R. o Principe Regente do Brasil as representações […]. Imprensa Nacional. 1822.

Assinado por José Martins Rocha, é o edital que comunica a resolução de D. Pedro de permanecer no Brasil, datado de 9 de janeiro de 1922, dia do Fico.”

Documentos assinados por Diogo Antônio Feijó

Diogo Antônio Feijó, (São Paulo, 1784 -1843), foi um sacerdote católico e estadista brasileiro.

Em seu primeiro cargo político, foi vereador em Itu. Foi deputado por São Paulo às Cortes de Lisboa, abandonando a Assembleia antes da aprovação da Constituição. Foi deputado geral por São Paulo (1826 e 1830), senador (1833), ministro da Justiça (1831-1832) e com a proclamação do Ato Adicional, em 1834, que transformava a Regência Trina em Una, foi eleito pela Assembleia Geral Regente do Império (1835-1837). Por isso, é considerado o primeiro chefe do Poder Executivo devidamente eleito na história do Brasil, aproximando-se do cargo atual ocupado pelo Presidente da República”.

Razões para digitalizar

Preservação do objeto original

Segundo Rodrigo Moreira Garcia, a digitalização é a melhor estratégia de que se tem conhecimento atualmente para fins de preservação do objeto.

A operação também se preocupa em reproduzir, tanto quanto possível, as características materiais da obra original, explica Garcia. “Há diretrizes internacionais (como as da IFLA,  a International Federation of Library Associations and Institutions) para o planejamento de digitalização de obras raras e especiais, e a BBM procura segui-las e adaptá-las para as nossas necessidades”.

Democratização

Tornar o livro raro acessível pela digitalização maximiza a descoberta e o uso das coleções raras e especiais em maior medida do que um acervo físico de uma biblioteca é capaz. “Sem digitalização, as coleções raras e especiais permaneceriam obscuras e desconhecidas, ou no máximo conhecidas por um número mínimo de especialistas“, diz.

Flip 2017: número de autoras mulheres será superior ao dos homens pela primeira vez

0
Natalia Borges Polesso, autora da obra Amora, que recebeu o Prêmio Jabuti na categoria Contos e Crônicas em 2016 (Foto: Acervo pessoal / Divulgação )

Natalia Borges Polesso, autora da obra Amora, que recebeu o Prêmio Jabuti na categoria Contos e Crônicas em 2016 (Foto: Acervo pessoal / Divulgação )

 

Incrível, né? Confira a escala de mentes femininas que participarão das mesas redondas entre os dias 26 e 30 de julho

Publicado na Revista Glamour

A Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) terá sua primeira edição em que o número de autoras mulheres é superior ao dos homens. O evento existe desde 2003, mas nunca conquistou esse marco. Em 2017, serão 24 mulheres e 22 homens.

Entre as autoras confirmadas, a historiadora e antropóloga Lília Schwarcz; Carol Rodrigues, autora de “Sem Vista para o Mar” (2014), que recebeu o Prêmio Jabuti e o da Fundação Biblioteca Nacional; Adelaide Ivánova, editora do zine anarcofeminista MAIS PORNÔ PVFR; Leila Guerriero, escritora e jornalista, colunista do “El País”; Natalia Borges Polesso, que ganhou o Prêmio Jabuti com “Amora” (2016); e muito mais. Confira os nomes aqui.

O número de autores negros aumentou em 30% comparado ao ano anterior. Outro dado importante é que a primeira vez em uma década que a curadoria do festival conta com a expertise de uma mulher, a jornalista baiana Joselia Aguiar.

Em tempo: o tema da Flip 2017 será o autor e escritor Lima Barreto (1881-1922). O romance “Triste Fim de Policarpo Quaresma (1915)” é uma de suas melhores obras.

Go to Top