Lavvi - Movva SP

Posts tagged leitores brasileiros

A estranha polêmica dos “leitores sensíveis”

1
Foto: DAMIEN MEYER/AFP

Foto: DAMIEN MEYER/AFP

Danilo Venticinque, no Estadão

Causou polêmica recentemente a notícia de que editoras brasileiras estão contratando “leitores sensíveis”. São profissionais cujo trabalho é ler livros que abordam temas potencialmente delicados e avaliar, antes da publicação, se o conteúdo da obra pode ofender leitores que pertençam a alguma minoria.

Foi o suficiente para que inúmeros autores e profissionais do mercado editorial ficassem em polvorosa e manifestassem sua indignação em redes sociais. Houve quem falasse em censura, ditadura do politicamente correto, fim da literatura.

A reação me parece despropositada. Na Europa e nos Estados Unidos, a função de sensitivity reader existe há anos, e a literatura vai bem, obrigado. Não há razão nenhuma para acreditar que a adoção do serviço por editoras brasileiras terá o efeito catastrófico que tanta gente está prevendo.

Chamar de censura o trabalho dos leitores sensíveis é desconhecer a função e atribuir-lhes um poder que não tem. Em primeiro lugar, são pouquíssimos os livros que passam pelas mãos de leitores sensíveis—em geral, obras de autores que escreveram sobre uma minoria sem conhecê-la a fundo e que, portanto, podem se beneficiar com a opinião de alguém que entenda do assunto. Na reportagem que iniciou a polêmica, é citado o exemplo de uma leitora sensível que ajudou na elaboração de um glossário de termos do universo transgênero. Não entendo, sinceramente, como isso pode ser considerado negativo.

Para a maioria dos autores, não mudará nada. O serviço de leitor sensível é exercido por freelancers e as editoras não têm o menor interesse em desperdiçar dinheiro submetendo todos seu lançamentos ao crivo deles. A julgar pelo barulho nas redes sociais, muita gente está imaginando um exército de censores pronto para canetar obras de todo e qualquer escritor brasileiro. Na vida real, o que teremos são dois ou três freelancers se estapeando para disputar meia dúzia de projetos por ano. Soa muito pouco ameaçador.

Outro exagero é atribuir aos leitores sensíveis o poder de vetar uma obra literária. Na pior das hipóteses, o máximo que o leitor sensível pode fazer é emitir um parecer negativo. A decisão de publicar o livro ou não segue nas mãos do editor, como sempre. O mesmo vale no caso de um parecer sugerir alterações na maneira como um assunto é tratado numa obra literária: outra vez, o leitor sensível não tem o poder decidir se e como as mudanças serão feitas. A decisão, outra vez, é do editor—em conjunto com o autor.

Em resumo: as chances de um livro de brasileiro ser submetido a um leitor sensível é mínima— e a probabilidade de que um leitor sensível vete uma obra unilateralmente é zero. O que temos visto é um barulho enorme por uma questão que terá um impacto praticamente nulo na vida dos autores e leitores brasileiros.

Trata-se de mais uma polêmica literária vazia cujo principal efeito é distrair-nos do verdadeiro problema: quase metade da metade da população brasileira não lê e 30% nunca comprou um livro na vida. Dentro da parcela que lê, a maioria lê pouco e mal. É essa a verdadeira tragédia para a literatura nacional, e a maior ameaça ao ganha-pão de escritores brasileiros.

Apesar disso, vejo inúmeros escritores e profissionais do mercado editorial discutindo apaixonadamente uma questão irrelevante como a dos leitores sensíveis e quase ninguém falando em educação e incentivo à leitura. Confesso que não entendo essas prioridades. Algo está errado.

‘Cidades de papel’: Para John Green e Nat Wolff, filme é tão bom quanto livro

1

Autor e ator estiveram no Brasil para lançar filme que estreia na quinta (9).
‘Ela se revelou uma excelente atriz’, diz Nat sobre modelo Cara Delevingne.

cartaz

Publicado no G1

John Green está impressionado com a popularidade que possui no Brasil. Em entrevista ao G1, o escritor americano falou que considera os leitores brasileiros entre os mais apaixonados do mundo. Ele também diz que os fãs de seu trabalho se unem para fazer coisas “incríveis” em prol de outras pessoas.

Ele esteve no Brasil para lançar “Cidades de Papel”, que estreia nesta quinta-feira (9). O filme é baseado em seu livro de 2008. Nat Wolff, que interpreta o protagonista, também veio. O ator conta que os fãs daqui são os que mais interagem com ele via Twitter.

Filme é melhor do que o livro?

Green fez um alerta aos seus leitores. Eles podem se surpreender com as mudanças no enredo do filme, quando comparado ao livro. Mas ele destaca que o “espírito de amizade” entre o protagonista e seus amigos, o fio condutor da história, segue intacto. Para ele, certas alterações fizeram o filme ser até melhor do que o livro em alguns pontos.

“Há coisas no filme que eu gosto mais. Há algumas coisas que Nat e os outros atores trouxeram para o filme que eu nunca tinha pensado”, explica Green.

Cantoria e Ângela
“Como no momento em que eles cantam. É uma das cenas mais divertidas e isso não está no livro. E a Ângela, interpretada pela Jaz Sinclair, tem uma participação muito pequena no livro. E achei sua performance tão forte… Eu realmente gostei daquele romance. Essas são duas coisas que eu gostei mais no filme. Mas eu gosto dos dois”, complementa.

John Green afirma que não sabe apontar por que seus livros se tornaram best-sellers no Brasil. “Os leitores brasileiros são muito apaixonados. E quando eles gostam de alguma coisa, gostam de compartilhar. Eles leem o livro e compartilham e contam para os amigos e familiares.”

Nat Wolff compartilha da opinião de Green. O ator e músico toca com o irmão no duo Nat & Alex Wolff e já se acostumou com a insistência de seu fã-clube brasileiro. “Recebemos milhares de tuítes, ‘venha ao Brasil, venha tocar no Brasil’. Eu sinto que há uma conexão com os brasileiros e espero voltar para fazer uma turnê”, avisa.

Nat e Alex têm uma música na trilha sonora de “Cidades de Papel”, chamada “Look Outside”. “Eu tenho a sorte de fazer parte de dois mundos que se encontram. Eu acho que uma coisa ajuda a outra porque são bem similares. E eu odeio ficar entediado. São as duas coisas que mais gosto: fazer música com o meu irmão e atuar em bons projetos.”

cidadesdepapel-natwolf-caradelevingne

Em “Cidades de Papel”, Nat vive Quentin, um adolescente com uma paixão platônica pela vizinha, Margo Roth Spiegelman, interpretada pela top model inglesa Cara Delevingne. Certa noite, Margo pede ajuda para um plano de vingança. Após várias emoções, a jovem desaparece e Quentin e seus amigos tentam encontrá-la.

Nat, que trabalha como ator há dez anos, elogia a modelo que começa a enveredar pelo mundo da interpretação. “Ela se revelou uma excelente atriz e também é uma excelente pessoa. Eu e John somos muito sortudos em conhecê-la.” John completa e afirma que ela é uma pessoa “sensível”, o que contribui para o sucesso do trabalho.

johngreen-natwolf-cidadesdepapel

Fãs de longa data x fãs novos

Após o sucesso do primeiro longa baseado em um livro seu, “A Culpa é das Estrelas”, de 2014, John Green viu o número de fãs aumentar consideravelmente.

Mesmo com um enorme número de leitores, ele nega que existam grandes rivalidades entre os fãs antigos e os que conheceram seu trabalho recentemente. Para ele, o interesse em comum destas pessoas os ajuda a construir boas coisas para a sociedade.

“Mesmo com o crescimento, ainda lembra uma comunidade, uma comunidade que pode fazer coisas importantes juntas”, garante o autor.

“Eles encontram caminhos para fazer coisas juntos, para ter projetos, como serviços comunitários, construção de casas para sem teto, angariar fundos para projetos. O que eles fazem juntos é que os realmente torna uma comunidade forte e a faz crescer. Pode parecer estranho quando cresce ao ponto de se tornar um grande fenômeno, mas também é estranho para mim também”.

Livro vai se adaptar à revolução das plataformas digitais, diz especialista

0

A pesquisa sobre o perfil dos leitores brasileiros, realizada entre junho e julho de 2011, foi apresentada neste ano na Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Segundo o estudo, o brasileiro lê, em média, quatro livros por ano. Crédito: Lopes/Reprodução

Segundo o estudo, o brasileiro lê, em média, quatro livros por ano. Crédito: Lopes/Reprodução

Publicado por Diário de Pernambuco

O fim do livro impresso representa, para os apaixonados pelo cheiro e textura do papel, o apocalipse, sem exageros — mais aterrorizante que qualquer saga de zumbis ou vampiros. Mas os especialistas em mercado literário tranquilizam o público do livro impresso. De acordo com a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil — realizada pelo Ibope em parceria com o Instituto Pró-Livro — apesar da crescente ascensão dos tablets, os chamados e-books ainda não são muito populares entre os leitores brasileiros, uma vez que 82% afirmam nunca ter lido um.

O professor da Unesp, João Ceccantini, especializado em literatura e mercado, acredita se tratar de uma “falsa guerra”. Ceccantini admite ter lido estimativas bem apocalípticas que apontam para a extinção do livro impresso. Mas, para ele, a tendência é que cada tipo de leitura se adapte à plataforma mais adequada e que tanto o eletrônico quanto o papel terão espaço no mercado.

“O escritor está muito ligado às práticas contemporâneas e a trama conta muito na hora de escolher o tipo de suporte de leitura. Se o livro impresso vai acabar, o tempo vai dizer. Porém, o que eu vejo é uma falsa guerra, porque, se alguns gêneros precisam de recursos eletrônicos para que as pessoas tenham acesso, há os gêneros que se encaixam melhor no impresso. Por exemplo, muitas pessoas preferem ler poesia no papel.”

A pesquisa sobre o perfil dos leitores brasileiros — realizada entre junho e julho de 2011 — foi apresentada neste ano na Bienal Internacional do Livro de São Paulo. De acordo com o estudo, o brasileiro lê, em média, quatro livros por ano, entre literatura, contos, romances, livros religiosos e didáticos. A presidente da Câmara do Livro, Karine Pensa, avalia que os resultados podem ser considerados bons.

“Muitos fatores têm contribuído para conscientizar a população sobre a importância do hábito da leitura, como a queda constante nos preços, o aumento do poder aquisitivo, principalmente da chamada nova classe média — que reflete na melhora do percentual de aquisições de obras registrado pela pesquisa, de 45% em 2007 para 48% em 2011 —, e o crescimento das novas tecnologias, como os e-books, que apresentam mais familiaridade com os jovens”, afirma ela.

Venda de livros cresce no Brasil e chega a 470 milhões de exemplares em 2011, diz pesquisa

1
Tenda da Flip 2012, um dos principais eventos literários do Brasil (4/7/12)

Tenda da Flip 2012, um dos principais eventos literários do Brasil (4/7/12)

Publicado originalmente na UOL

As editoras brasileiras venderam em 2011 469,5 milhões de livros, 7,2% a mais que em 2010. Os dados são de um levantamento realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE/USP) sob encomenda do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e da Câmara Brasileira do Livro (CBL).

Em 2010, cerca de 438 milhões de exemplares foram comercializados.

O faturamento das editoras também cresceu – 7,36% a mais que em 2010, alcançando R$ 4,837 bilhões. Em 2011, foram publicados 58.192 títulos, um aumento de 6,28% em relação a 2010. Desse total, 20.405 foram de lançamentos, um crescimento de 9% em relação ao ano anterior.

Os principais canais de comercialização de livros no país são: livrarias (44,9% do mercado), vendas porta a porta (9,07%)), igrejas e templos (4,03%), supermercados (2,4%) e bancas de jornal (2,21%).

 

Dica do Jarbas Aragão

Go to Top