A História do Futuro de Glory O'brien

Posts tagged leituras

Conheça 13 lugares especiais para ler em Fortaleza

0
Confeitaria Sublime. (Foto: divulgação)

Confeitaria Sublime. (Foto: divulgação)

 

Isabel Costa, no Leituras da Bel

Ler deitado na varanda de casa é o local mais óbvio, mas não é a única opção. A familiaridade das paredes pode ser substituída por outros lugares. Praças, parques, ônibus, cafeterias, bibliotecas. Há dezenas de pontos bons para leitura em Fortaleza. Às vezes, ler na própria casa é difícil por conta do barulhos vizinhos ou da interrupção dos parentes. Mas não é só isso! Pegar um livro e sair de casa para ler é uma movimentação bonita e necessária. Além de criar relações com as palavras, nós criamos relações com a Cidade e seus espaços. Levar o livro para um lugar estranho, sentar, esticar as pernas, pedir um café e sentir o movimento de colisão com o cotidiano. Existem opções de locais para vários gostos e preferências.

Com um post maroto no Facebook e a ajuda de amigos, o Leituras da Bel listou lugares incríveis para ler em Fortaleza. Pegue o seu livro e escolha:

Anfiteatro do Parque do Cocó
No fim da tarde, o Anfiteatro do Parque do Cocó é local ideal para uma boa leitura. Principalmente, no fim da tarde. É só levar a toalha e colocar na grama. Geralmente, há pessoas passeando com crianças e cachorros, mas o barulho não incomoda tanto.

Confeitaria Sublime! (Foto: divulgação)

Confeitaria Sublime! (Foto: divulgação)

Confeitarias e cafeterias
São meus locais preferidos para leitura fora de casa. Pedir um doce bem gosto e um cappuccino – quando há dinheiro na conta bancária! – e abrir o livro. O Amika Coffeehouse (rua Ana Bilhar, 1136B – Meireles) e a Confeitaria Sublime (rua Eduardo Bezerra, 1276 – São João do Tauape) são ótimas pedidas!

Ônibus
É difícil por conta do “balançar” natural do ônibus, mas, para quem passa muito tempo se deslocando, é uma forma de colocar as leituras em dia.

Lugar no trabalho
Se você tem horas ociosas no almoço, pode aproveitar para fazer uma leitura. É só escolher um lugar calmo – que tenha sossego e sombra. No O POVO, onde eu trabalho, é bom ler nos jardins, onde há a estátua de uma santa. Existe também um sofá super confortável no meu setor, a Redação, que seria excelente para leituras e afins, mas geralmente ele está ocupado por pessoas que cultuam a “cesta”.

Passeio Público (Foto: divulgação/Mapa da Cultura)

Passeio Público (Foto: divulgação/Mapa da Cultura)

Passeio Público (Praça dos Mártires)
Localizado no Centro, perto da Santa Casa de Misericórdia, é um dos lugares mais famosos e característicos de Fortaleza. Tem bancos, sombra e um restaurante maravilhoso. Com a epidemia de febre chikungunya que assola a cidade, entretanto, é bom usar repelente.

Biblioteca do CCBNB
A Biblioteca Inspiração Nordestina fica no Centro Cultural Banco do Nordeste (rua Conde D’Eu , 560 – Centro). Funciona das 10h às 18h30min e tem um bom acervo de livros. É um lugar tranquilo para leituras, como toda biblioteca. Além de ter outros atrativos: água, ar condicionado, conforto, silêncio e banheiro.

Biblioteca de Ciências Humanas da UFC
Ao lado do Bosque Moreira Campos há outro lugar propício para leitura. A BCH tem vários ambientes ótimos para leitura. Logo no térreo existem alguns sofás azuis onde sempre há estudantes lendo. O acervo é excelente e, mesmo para quem não é aluno da Universidade Federal do Ceará, é possível frequentar para fazer consultas locais e estudos.

Praça Luíza Távora
As sombras da Praça Luíza Távora, no coração da Aldeota, são abrigo bom para leitura. O local é repleto de árvores e bancos.

Bosque Moreira Campos

Bosque Moreira Campos

Bosque da UFC
Você sempre encontrará uma pessoa lendo no Bosque Moreira Campos. Afinal, fica entre os blocos dos cursos de Letras e das Casas de Cultura da Universidade Federal do Ceará (UFC). O lugar mais parece uma pracinha, é cheio de árvores e muito ventilado. Além disso, há a “banquinha do Rui” com café, chocolates e outras guloseimas.

Praça Otávio Bonfim
Apesar do grande volume de tráfego nas proximidades, é um bom lugar para leituras. Fica na Avenida Bezerra de Menezes, perto de igreja homônima.

Jardins da Unifor
A Universidade de Fortaleza é um excelente espaço de convivência. São hectares e hectares de área verde – com bancos, sombras, bicicletários, mesas. Além disso, é uma delícia fazer leituras observando as fontes, as estátuas e os animais silvestres.

Pracinha do Jardim América
Considerada o “marco zero do bairro”, a Praça Franklin Delano Roosevelt (rua Delmiro de Farias, s/n) é utilizada pela população como ponto de encontro. Sempre há pessoas passeando ou fazendo atividades físicas. É um bom espaço para leituras no fim da tarde.

Praia de Iracema
Com a proteção da estátua guardiã, a Praia de Iracema é cenário para leituras. Uma dica é buscar o Espigão que fica nas proximidades da Avenida João Cordeiro.

Quem lê livros é mais popular em aplicativos de namoro

0

7030239035_624c94268aedit

Publicado no Curiosamente

Um site de namoro descobriu quais são os tipos de leitura preferidas para tornar a pessoa mais atraente para potenciais parceiros. De acordo com o aplicativo eHarmony, as mulheres que listaram Jogos Vorazes como um de seus livros preferido tiveram maior popularidade. Já os homens que adicionaram os livros de negócios de Richard Branson aos favoritos também foram procurados mais vezes.

Os Homens que Não Amavam as Mulheres se mostrou como uma boa opção para os dois gêneros, mas ler qualquer coisa é algo positivo nessa área de conquista. A pesquisa realizada apontou que homens que adicionam leituras ao perfil recebem 19% mais mensagens, enquanto mulheres recebem 3% a mais.

Estudos já haviam mostrado anteriormente que pessoas que leem tem mais empatia, de acordo com o jornal britânico The Guardian. Uma pesquisa da Universidade de Toronto mostrou que leitores ávidos tiveram uma pontuação melhor no teste de empatia e no teste de leitura mental a partir dos olhos. No geral, acredita-se que ficção literária melhora a personalidade.

Uma análise da Reading Agency feita em 51 artigos e relatórios mostrou que leitura também melhora o relacionamento com os outros, reduz os sintomas de depressão e os riscos de demência, além de melhorar o bem-estar ao longo da vida.

As piores coisas de se trabalhar em uma livraria

0

shake-and-co

Fabio Mourão, no Dito pelo Maldito

Creio que não seja necessário citar aqui as vantagens incríveis em se trabalhar em uma livraria. Acho que todo leitor já deve ter deslumbrado essa possibilidade em seus sonhos mais remotos. E em termos de emprego no ramo de vendas no varejo, acredito que ser livreiro deva ser, de longe, o melhor deles. Um ambiente descontraído, colegas de trabalho inteligentes, clientes interessantes, e a vantagem de passar o dia cercado por livros.

Mas como qualquer outro trabalho comum, é claro que esse também possui as suas desvantagens. E para mostrar que nem tudo são flores, mostramos aqui o que há de pior em se trabalhar numa livraria.

Você acaba gastando parte do seu salário em livros
É algo inevitável. Você começa a trabalhar em uma livraria, consegue um desconto como empregado, e logo percebe que está sendo pago com livros. Talvez você já tenha gastado mais do que devia com livros em uma outra ocasião, mas agora você está cercado por centenas desses exemplares te tentando a todo instante, e outros tantos continuam chegando a cada momento.

Imagino que seja necessário anos de experiência e auto-controle para se construir a tolerância de não gastar uma parcela significativa do seu salário em seu próprio emprego.

Sua lista de leitura cresce descontroladamente
Mesmo que você, de alguma forma, consiga se controlar com o gasto em livros, não há como evitar o seu interesse natural por novas leituras, já que agora obrigatoriamente conhecerá cada lançamento que chegar à loja.

Entre as recomendações dos clientes e colegas de trabalho, e os livros que acidentalmente descobrirá em um dia normal de trabalho, lamento dizer que sua lista de leitura será sempre uma ‘missão impossível’.

É o fim da agradável experiência de conhecer novas livrarias
A felicidade de explorar uma nova livraria, nunca mais será a mesma depois que você trabalha em uma. Além do fato de ser difícil comprar livros na loja concorrente, quando você pode conseguir o mesmo produto mais barato no próprio trabalho.

E, é claro, comparações com a sua própria loja serão inevitáveis, e passará grande parte do tempo tentando encontrar diferenças das quais você tem absoluta certeza que faria de uma forma bem melhor.

Livros são pesados
Apesar de ser uma informação um tanto óbvio, é algo que realmente só se leva em consideração depois que se sente a dor muscular de levar caixas e mais caixas de livros de um lado pro outro. Algo que passei recentemente com a minha recente mudança.

Algumas grandes livrarias ainda possuem prateleiras que vão até o teto, o que implica em subir escadas com pilhas de livros. E mesmo nas menores, ser livreiro exige mais do físico do que se imagina. Pode não parecer, mas carregar pilhas de livros, agachar para alcançar as prateleiras inferiores e organizar as estantes, é um trabalho bem cansativo.

Você tem que ajudar as pessoas a encontrar algumas leituras ‘questionáveis’
Claro que nem todo cliente terá o mesmo interesse literário que o seu, mas por mais que você conviva bem com esse fato, você encara as suas ‘dicas de leitura’ como parte do seu trabalho. Mas nem sempre conseguirá evitar que o público leve uma uma obra, ou autor, que você desaprova e fez de tudo para escondê-lo nos cantos obscuros da loja.

Certamente a pior parte desse trabalho é ter que ajudar as pessoas a encontrar livros que você considere moralmente desprezíveis. Livros que apoiam algum regime autoritário, obras com ‘desinformações perigosas’, e autores de ideias duvidosas. Cada funcionário tem a sua própria forma de lidar com essa situação, mas em qualquer ocasião é sempre uma posição terrível para se estar.

Literatura estimula a abertura das mentes na infância

0
 Vanessa com o filho João: estímulo à leitura - PEDRO NEGRÃO/ACERVO PESSOAL


Vanessa com o filho João: estímulo à leitura – PEDRO NEGRÃO/ACERVO PESSOAL

 

Larissa Pessoa, no Jornal Cruzeiro

Para a pedagoga Vanessa Marconato Negrão, 33, “ler ascende clarões na alma”, e nada melhor do que estimular estes clarões ainda na infância. Ela, que também é mãe do pequeno João Pedro, de quatro anos, começa, a partir deste domingo (25), a publicar a coluna fixa “Eu já li”, no Cruzeirinho, com dicas de livros infantis e destaca que as obras sugeridas podem, e devem, ser lidas por todos os amantes da literatura.

A primeira obra que Vanessa divulgará no novo espaço do jornal Cruzeiro do Sul será Um dia, um rio, do escritor Léo Cunha. O livro é da editora Pulo do Gato, e conforme descreve a pedagoga, aborda a tragédia de Mariana de forma poética. “Existe uma ideia equivocada de que a criança não consegue absorver um tema complexo, mas isso é um erro.” O livro infantil, conta, já foi lido para João Pedro e ela também trabalhou com a obra em sala de aula. A experiência com os alunos, lembra, é sempre enriquecedora, pois através da leitura é possível transformar as crianças em agentes multiplicadores de conteúdo, e com Um dia, um rio, há a oportunidade de plantar a semente da conscientização ecológica.

Segundo a colunista, atualmente vive-se uma crise cultural, pois as pessoas não leem e através da “Eu já li”, a pedagoga pretende valorizar a escrita e mostrar que as crianças podem sim ler e refletir sobre assuntos considerados tabus ou exclusivos aos adultos. “É um pecado reservar aos pequenos apenas temas bobos e rasos.”

A paixão pelos livros é tanta que em junho do ano passado Vanessa criou a página “Livros para João” no Facebook, onde também dá dicas de leitura para os pequenos. Em uma das publicações, ela sugere a série Livros para o amanhã, da Boitatá, selo infantil da Boitempo Editorial. A nova colunista conta que as obras são capazes de emponderar a criança para a cidadania, construir um senso de justiça social e formar para o questionamento crítico. Os livros da série, fala, foram escritos há 40 anos, e publicados originalmente pela editora catalã La Gaya Ciencia. “Como depois de quatro décadas, o amanhã parece ainda não ter chegado, essa coleção é um instrumento de esperança para os que não subestimam a capacidade de entendimento das crianças”, avalia.

Um problema sério no mercado editorial infantil, aponta Vanessa, são os muitos livros-brinquedo, com pouca qualidade literária. “Nesses livros a literatura não é protagonista e precisamos mudar isso”, afirma. Ela também critica o uso demasiado dos chamados livros utilitaristas, que sempre buscam uma moral da história, uma lição para a criança. Para Vanessa, é preciso estimular a leitura apenas pelo prazer que a leitura proporciona.

Com relação às leituras impostas na escola, a pedagoga tem dúvidas sobre a prática e destaca que se o interesse pelos livros fosse estimulado desde os primeiros meses de vida não haveria necessidade dessa obrigatoriedade. “Eu acho que ninguém aprende a gostar de ler lendo Machado de Assis, mas se não for imposto, será que eles vão ler?” Ela destaca que até entre os adultos há rejeição aos livros, e mesmo em áreas que a leitura é primordial, é possível encontrar profissionais avessos à literatura.

O primeiro contato da criança com as histórias escritas e contadas, diz Vanessa, deve acontecer o quanto antes e segundo ela, desde os três meses de idade já é possível fazer com que o bebê se envolva na cadência e na sonoridade do conto. “Desde muito cedo eles já são capazes de responder aos estímulos, não de forma verbal, mas das maneiras que eles conseguem naquele momento da vida.” Ela brinca e diz que livro não tem contraindicação, pois toda criança está apta a aprender.

Trajetória

O gosto pela literatura surgiu na infância, no sítio em que morava com a família em Jaguariúna, na região de Campinas. “Não tinha internet e eu não gostava de televisão, então mergulhava nos livros e praticamente morava na biblioteca da cidade.” Formada em pedagogia, Vanessa, além de atuar nas salas de aula, foi uma das primeiras profissionais a integrar o projeto Bebeteca, em Sorocaba. Com cursos e treinamentos, ela teve a experiência como mediadora de leitura para crianças, e recorda o impacto que essa atividade teve em sua vida. “Até ali eu via o livro como entretenimento e depois notei que a literatura vai muito além e é capaz de transformar vidas.”

Os desafios na sala de aula, afirma, também são muitos, mas com paciência e dedicação é possível despertar o interesse pela leitura nos pequenos. “Quando vem uma turma de crianças que não têm hábito de ler em casa, a gente recorre aos livros cheios de figuras e outros artifícios, mas depois a criança já consegue dar total atenção a um conto extenso e mais complexo” afirma.

Inspirações e referências

Para a pedagoga, Ruth Rocha e Eva Furnari permanecem muito significativas no mercado editorial, pois seus livros continuam clássicos infantis. Ela cita também Renato Moriconi e Ilan Bremman. “São autores e ilustradores que produzem muito, sempre com muita qualidade”, elogia. Vanessa chama atenção para a escritora portuguesa Isabela Minhós Martins e para a literatura lusitana como um todo, que, segundo ela, está entrado no mercado editorial brasileiro de maneira muito significativa nos últimos meses.

A colunista lembra também da sorocabana Silvana Rando, conhecida pela autoria de ótimas histórias e ilustrações voltadas aos pequenos. Ela também é ganhadora do prêmio Jabuti de 2011, e, como lembra Vanessa, ainda promove a literatura infantil em Sorocaba, através da Livraria do Elefante, um ponto de encontro para amantes das histórias bem escritas e contadas.

Como ler mais na era Netflix

1
(stray_cat/iStock)

(stray_cat/iStock)

Se você gosta de ler, está com uma pilha de livros muito bons à sua espera, mas não consegue fazer a fila andar, este post é para você.

Pâmela Carbonari, na Superinteressante

Sempre desconfiei de leitores a jato.

“Ah, mas eu li Grande Sertão Veredas em uma noite”. Não, você não leu as 600 páginas de Guimarães Rosa em menos de 24 horas. Essa não cola, amigo. Você pode ter olhado para as 600 páginas, mas não leu. Ou melhor, pode até ter lido alguma coisa entre as 600, mas tenho minhas dúvidas sobre o que conseguiu processar da história de Riobaldo.

Não sou uma leitora a jato por princípios: quero que a leitura me dê a oportunidade de me apegar ao enredo, sonhar com os personagens, ter vontade de viajar para o local onde se passa a história, pesquisar sobre o autor, suas inspirações. Mas, admito, talvez um pouco do meu ceticismo seja inveja. No fundo, gostaria de ler 600 páginas em uma madrugada (se fosse em uma semana já ficaria realizada).

Quando descobri que a Agatha Christie costumava ler 200 livros por ano, minha primeira reação foi relativizar “ah, mas no início do século XX não existia internet”. (Segure o queixo: no Brasil, a média de leitura por pessoa é de 4,96 livros por ano, segundo a última edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil). Por supuesto que a rainha do mistério era e continuaria sendo uma leitora a jato com ou sem distrações pós-contemporâneas, porque dela eu não duvido – apesar de ter aprendido justamente com ela a desconfiar sempre. Mas para cumprir sua meta de leitura anual, é preciso ler quatro livros por semana. E se cada livro tiver em média 300 páginas, serão 1.200 páginas em sete dias, sendo 171 por dia. Difícil, mas humanamente possível.

Comecei a pensar no que costumo fazer no meu tempo livre. E por tempo livre leia-se tempo gasto no transporte público, na sala de espera do consultório, jogada no sofá enquanto espero minhas roommates saírem do chuveiro — não apenas o tempo livre institucionalizado como o domingo à tarde, as noites no bar ou as férias. Lembrei dos minutos em que desço a barra lateral do Facebook rumo ao nada, a sensação desesperadora de olhar para o relógio e ver a multiplicação daquele tempo resultar em absolutamente nada. É como se um dementador tivesse sugado aqueles instantes da minha vida. Irreversível.

E não se trata de procrastinação. Se deixa para depois a louça na pia, a fatura da luz, o relatório da faculdade, não se procastina um brigadeiro, um beijo, uma cerveja com os amigos. Se o hedonismo não é procastinável, por que a leitura deveria ficar para trás na lista de prazeres?

Eis aqui algumas dicas para ler mais mesmo quando incluem você em mais três grupos de WhatsApp, publicam as fotos de uma festa ou quando a Netflix atualiza a lista de filmes:

– Use os números a seu favor

Quem é você na fila da leitura: a Agatha Christie ou um brasileiro médio? Não há nada de errado na quantidade de livros que você decidir ler – já assumi aqui, com lágrimas nos olhos, não ser uma leitora a jato, então sem julgamentos.

Mas ter uma meta é um bom ponto de partida para conseguir cumpri-la. Se forem 24 livros em um ano, serão 2 livros por mês, um livro a cada duas semanas. E, assumindo uma média de 300 páginas por livro, equivale a 20 páginas por dia. Então saiba quantos momentos em um dia normal você realmente consegue ler: se for no transporte público e antes de dormir, estabeleça um número de páginas aproximado para cada uma dessas etapas.

É importante também conhecer seu tempo médio de leitura: caso você leia uma página a cada 2 minutos, vai levar 20 minutos para ler 10 páginas e 40 para concluir sua meta diária. Feito isso, tente fazer uma lista das suas leituras, assim você vê quantos faltam, se o seu método está dando certo e, no futuro, saber em qual ano você leu o quê. Não é porque você gosta de ler que algumas contas vão te matar. Prometo!

– Hierarquia

Se existe uma palavra na língua portuguesa que eu não gosto é essa, mas, em se tratando de hábitos de leitura, ela pode ser bastante útil.

Sabe aquela série que você não sabe por que continua assistindo? É boazinha, mas não se compara a Girls ou Game of Thrones. Pois é nessa série que você perde o tempo que poderia estar sendo aproveitado com boa literatura – ou nem tão boa assim (sou partidária de guilty pleasures, esse é assunto para um próximo post). Falando desse jeito parece um argumento que meus pais usariam quando me mandavam fazer tema de casa. Mas não é, e também não é uma competição livros versus televisão. É lógica pura, hierarquia de prazeres.

Você gosta de ler, certo? Há uma pilha de livros esperando por você? Esses livros são bons? Você quer ler todos ou a maioria deles? Então por que está perdendo tempo com enredo meia boca? Se existir uma boa razão, vá em frente. Se não, sugiro abrir um desses livros da pilha.

– Tecnologia a seu favor e o universo analógico também

Já faz um bom tempo que os livros deixaram de ser dispositivos absolutamente analógicos. E-books podem não ser uma unanimidade entre os leitores, mas são o suprassumo da praticidade literária e têm ótimas ferramentas de busca – uma benção para ler em idiomas que não dominamos ou buscar significados de palavras no nosso próprio idioma.

Mas e quando você está lendo um livro físico, de papel e se depara com uma palavra desconhecida? Saca o smartphone e busca. Simples, né? Mais ou menos. Quem é refém de notificações sabe que aquela desbloqueada de celular vai se multiplicar em olhar as contas no Facebook, Instagram, Snapchat, e-mail e se transformar em mensagens para sua irmã, para os amigos do trabalho e, talvez, virar até um “oi sumido”. A palavra desconhecida, coitada, fica atrás de tudo isso.

Se você tem consciência dessa condição inquieta, deixe a tecnologia de lado enquanto lê (aka sem Wi-Fi). Não tem por que não abrir mão da facilidade high-tech um pouquinho e recorrer ao dicionário em troca de um pouco de foco. Ler é uma atividade que exige atenção. Vai deixar uma corrente motivacional do grupo da família desconcentrar você?

– Amigo leitor

Amigo de verdade é amigo que lê junto.

Aliás, nem precisa ser tão amigo assim para ler em grupo – se for alguém que pensa diferente de você, melhor ainda. O importante é ler o mesmo livro e estar disposto a conversar. Porque literatura não é como matemática que cada um tem que chegar em um resultado comum ao fim da equação para estar correto. É o oposto disso, não existe certo e errado. É absorver o enredo de maneira distinta, sentir afeição por um ou outro personagem, perceber a construção da narrativa de formas diferentes e processar todo o conjunto de uma obra a partir de vivências muito particulares. É nessa subjetividade que mora a beleza da literatura. Dialogar, trocar experiências e impressões sobre o mesmo livro além de motivar a leitura, pode fazer você abrir os olhos para coisas que não perceberia se lesse sozinho.

E você, tem algum truque para fazer sua lista de leituras andar mais rápido? Deixe aqui nos comentários! Quem sabe a sua dica não vira um tema de um próximo post do Literal?

Go to Top