Os Meninos Que Enganavam Nazistas

Posts tagged lista

10 casas de escritores brasileiros abertas à visitação

0

tatiana-azevichesetur

Coloque no seu roteiro de viagem uma pitada de literatura e história

Fernando Leite, no Viagem e Turismo

Poemas escritos nas paredes, a caneta usada para criar versos, a velha máquina de escrever, prêmios e mais prêmios. Esse são os ingredientes básicos encontrados nas antigas moradas de nossos mais renomados escritores. Geralmente, simplórias casinhas no centrinho das cidades. Com uma ou outra exceção, a visita a elas dura apenas poucos minutos.

Veja uma lista de casas pelo Brasil que já foram morada de grandes escritores nacionais (e que você pode visitar):

Poemas escritos nas paredes, a caneta usada para criar versos, a velha máquina de escrever, prêmios e mais prêmios. Esse são os ingredientes básicos encontrados nas antigas moradas de nossos mais renomados escritores. Geralmente, simplórias casinhas no centrinho das cidades. Com uma ou outra exceção, a visita a elas dura apenas poucos minutos.

Veja uma lista de casas pelo Brasil que já foram morada de grandes escritores nacionais (e que você pode visitar):

1. Casa de Cultura Mario Quintana – Porto Alegre

majestic8
Casa de Cultura Mário Quintana, em Porto Alegre

O imponente Hotel Majestic virou a Casa de Cultura Mario Quintana, que foi seu hóspede mais longevo (Tetraktys / Creative Commons)

Mario Quintana nasceu em Alegrete, mas sua moradia mais famosa foi o quarto 217 do Hotel Majestic, onde viveu entre 1968 e 1980. Construção mais imponente de Porto Alegre da primeira metade do século 20, o então hotel foi construído com concreto armado, em dois blocos ligados por passarelas.

Com a chegada de hotéis mais modernos, o Majestic foi perdendo prestígio até cerrar suas portas. Adquirido pelo governo estadual e transformado em Patrimônio Histórico, o local recebeu o nome de seu hóspede mais famosos e virou um centro cultural.

O quarto do escritor foi deixado do jeito que era, para os visitantes vivenciarem o local onde Quintana escrevia suas poesias e fazia suas traduções. Faltam melhores explicações sobre a vida e obra do poeta.

No local ainda há, entre outros, um espaço dedicado a cantora Elis Regina, um museu de arte contemporânea, dois teatros e, no último andar, uma cafeteria com vista para o Rio Guaíba.

Onde fica: Rua dos Andradas, 736 (Centro)

Horário: de terça a sexta-feira, das 9h às 21h, sábado e domingo, das 12h às 21h

Preço: grátis

Telefone: 51/3221-7147

2. Oficina Cultural Casa Mário de Andrade – São Paulo

sc3a3o-paulo-oficina-cultural-casa-de-mc3a1rio-de-andrade-yasmine-luna-wikimedia-commons

Vida e obra de Mario de Andrade em sua antiga residência (Yasmine Luna/Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

O sobrado em que Mário de Andrade morou em sua fase adulta, ao mesmo tempo em que recebia a trupe modernista para festas e saraus, também era o cantinho silencioso que o escritor encontrava para mandar ver nos belos versos e dar aulas de piano.

Apaixonado por São Paulo, nada mais natural que vivesse em um dos bairros mais tradicionais, a Barra Funda.

Transformado em oficina cultural, o local promove apresentações teatrais, saraus literários, contação de histórias e oficinas artísticas. Mas quem deseja conhecer um pouco mais sobre Mário de Andrade, conta com uma exposição permanente apresentando escritos, objetos pessoais e cartões-postais.

Onde fica: Rua Lopes Chaves, 546 (Barra Funda)

Horário: de terça-feira a sábado, das 10h às 18h

Preço: grátis

Telefone: 11/3666-5803

3. Museu Casa de Cora Coralina – Goiás

divulgacao-cora-coralina
Museu Casa de Cora Coralina, Goiás (GO)

Cozinheira de mão cheia, Cora Coralina passou suas receitas para amigas e vizinhas em Goiás (GO). A visita guiada pelo museu começa justamente pela cozinha, onde a poetisa utilizava os tachos de cobre para preparar seus quitutes (Divulgação/Divulgação)

Eis uma casa inspiradora e produtiva. Diferente de outros endereços em que os escritores viveram apenas uma época de suas vidas, aqui, Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, ou simplesmente Cora Coralina residiu do nascimento à morte.

Também chamada de Casa Velha da Ponte, foi nessa construção colada ao Rio Vermelho que Cora escreveu seus poemas. Entre um verso e outro ainda arrumava tempo para a atividade de doceira – Cora mandava muito bem nos doces de frutas cristalizadas.

Natural que a visita guiada comece pela cozinha, com todos os apetrechos para preparar os doces. A seguir, passa-se por todos os cômodos da casa, o quarto com as vestimentas, a sala com os livros, o jardim com a bica de água potável.

Em 2016, o museu deu uma modernizada e ficou mais interativo. Um poema multimídia, por exemplo, é exibido em uma parede acima de uma máquina de escrever.

Onde fica: Rua Dom Cândido, 20 (Centro)

Horário: de terça-feira a sábado, das 9h às 16h45, domingo, das 9h às 13h

Preço: R$ 8

Telefone: 62/3371-1990

4. Casa de Guimarães Rosa – Cordisburgo

Casa de Guimaraes Rosa obs.: Cromo original no Dedoc

 

Fãs de literatura não podem deixar de ver casa onde viveu o escritor Guimarães Rosa, que foi transformada em um pequeno museu (Celio Apolinario)

É batata: quem visita Cordisburgo por causa da Gruta de Maquiné, sempre dá uma paradinha na casa do autor de Grande Sertão, Veredas. Afinal, a cidade tem basicamente essas duas atrações, facilmente conciliáveis.

Guimarães Rosa viveu até os nove anos de idade em uma modesta construção térrea, no Centro de Cordisburgo. O razoável acervo guarda trechos literários do escritor e suas obras, além de destacar as outras funções de Guimarães Rosa: médico e diplomata.

Durante à tarde, a visita fica mais enriquecedora. Entram em cena os Miguelins, guias adolescentes que nos apresentam o universo do Guimarães Rosa com riqueza de detalhes.

Onde fica: Avenida Padre João, 744 (Centro)

Horário: de terça-feira a domingo, das 9h às 17h

Preço: R$ 3

Telefone: 31/3715-1425

5. Casa de Carlos Drummond de Andrade – Itabira

casa-de-carlos-drummond-de-andrade-em-itabira-minas-gerais
Casa de Carlos Drummond de Andrade em Itabira, Minas Gerais

(Divulgação/Divulgação)

Ao contrário do que ocorreu com outros escritores, a casa de nosso maior poeta não virou museu. Hoje, funciona como o Centro de Inclusão Cultural, onde são ministradas aulas de artes para os itabiranos.

O que não torna infrutífera sua visita à simpática Itabira. Ainda mais porque, em suas poesias, Drummond sempre mostrou seu afeto pela cidade natal e pelo belo solar do século 19 que viveu até os 16 anos de idade.

Sem contar que a visita à Itabira drummondiana é ao ar livre, percorrendo os locais citados em seus poemas – há 44 placas espalhadas pelas ruas, repleta de versos.

Onde fica: Praça do Centenário, 137 (Penha)

Telefone: 31/3835-3894


6. Casa de Cultura Jorge Amado – Ilhéus

ilhc3a9us-casa_de_cultura_jorge_amado_02-bahiatursa-wikimedia-commons

O escritor Jorge Amado passou sua infância nessa casa (Bahiatursa/Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

Tão bem retratado pelas palavras de Jorge Amado, o importante Centro Histórico de Ilhéus acabou ganhando um aditivo extra. Quem visita a cidade quer percorrer as ruas que abrigam o Bar Vesúvio e o Bataclan, presentes no romance Gabriela Cravo e Canela e entrar no universo do escritor.

A poucos metros dali fica o palacete em que Jorge Amado passou parte da infância e juventude – foi lá que escreveu O País do Carnaval. Palacete que na verdade começou como uma casa modesta, mas João Amado, pai do escritor, ganhou o primeiro prêmio da loteria federal e pode fazer uma bem-sucedida ampliação.

Guias auxiliam na visita pelos cômodos da casa, onde estão expostas roupas, fotos, documentos

Onde fica: Rua Jorge Amado, 21 (Centro)

Horário: de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 18h, sábado, das 9h às 13h

Preço: R$ 5

Telefone: 73/3231-7531

7. A Casa do Rio Vermelho (Jorge Amado e Zélia Gattai) – Salvador

15874572956_de6b98dbd5_k

A casa nº 33 da Rua Alagoinhas, no bairro do Rio Vermelho, deve ser colocada em qualquer roteiro daqueles “O essencial de Salvador”, junto com o Pelourinho, o Farol da Barra, a Igreja do Bonfim. Por quase 40 anos, a residência foi a morada do casal 20 da literatura brasileira, Jorge Amado e Zélia Gattai.

Retratada por Zélia Gattai em seu livro de memórias, A Casa do Rio Vermelho, ficou por anos fechada desde a morte da escritora. Em 2014, o público começou a ter acesso a bela residência de 2000 m², parte dela ocupada pelo jardim onde estão as cinzas do casal.

Os cômodos da casa foram adaptados para virar um fantástico memorial interativo, com várias instalações, como a que fala sobre as viagens do casal, com muitos vídeos e objetos e a Cozinha de Dona Flor, uma autêntica aula sobre a culinária baiana.

Dica: estacionar por lá não é nada fácil e a rua é um pouquinho íngreme. Vale a pena gastar bala em um táxi ou Uber.

Onde fica: Rua Alagoinhas, 33 (Rio Vermelho)

Horário: de terça-feira a domingo, das 10h às 17h

Preço: R$ 20 (grátis às quartas-feiras)

Telefone: 71/3333-1919

8. Hotel Mar Brasil (Vinícius de Morais) – Salvador

salvador-casa-vinc3accius-de-morais-divulgac3a7c3a3o

Foi nessa casa que Vinícius de Morais compôs Tarde em Itapuã (Divulgação/Divulgação)

Você deve estar se perguntando o que cazzo um hotel está fazendo nessa lista? Pois bem, ele ocupa a área da casa em que o poetinha Vinícius de Morais morou em Salvador na década de 70 e onde compôs a inesquecível Tarde em Itapuã. Você pode conhecê-la de duas formas. A primeira, claro, se hospedando. Apesar de ser um hotel executivo, há alguns quartos na parte histórica da casa, onde Vinícius vivia. Inclusive, você pode ficar na suíte do poetinha, desfrutando da rede em que ele escrevia poesias e compunha canções. Sem contar que só os hóspedes têm acesso à piscina em forma de bumbum e ao memorial onde estão expostos objetos e fotos da época.

A sala em que Vinícius e sua esposa Gessy Gesse recebiam seus convidados hoje virou um restaurante especializado na culinária mediterrânea. Uma opção saborosa para conhecer a casa.

Onde fica: Rua Flamengo, 44 (Itapuã)

Horário (restaurante): de segunda a sexta-feira das 18h até as 23h30, sábados das 12h ás 23h30, domingo das 12h às 22h

Telefone: (71) 3285-7339

9. Casa de Graciliano Ramos – Palmeira dos Índios

palmeira-das-missc3b5es-casa_de_graciliano_ramos-alc3a9cio-cezar-wikimedia-commons

A primeira residência de Graciliano Ramos (Alécio Cezar/Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

Ok, vamos admitir que visitar Palmeira dos Índios, a 140 km de Maceió, para conhecer apenas uma casa é um pouco demais. Mas pode ter certeza que os fãs de Fabiano e Sinhá Vitória se esforçarão para conhecer a humilde casa em que o escritor alagoano passou boa parte de sua vida – Graciliano foi, inclusive, prefeito da cidade.

Entre o acervo de fotos, manuscritos, objetos, chama atenção a carta escrita ao então presidente Getúlio Vargas, relatando os motivos políticos de sua prisão. Que acabaram culminando no livro Memória do Cárcere.

Onde fica: Rua José Pinto de Barros, 90 (Centro)

Horário: diariamente, das 9h às 17h

Preço: grátis

10. Casa de José de Alencar – Fortaleza

fortaleza-casa-de-josc3a9-de-alencar-tom-junior-wikimedia-commons

José de Alencar viveu entre árvores e aves (Tom Junior/Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

Foi num sitio na saída de Fortaleza, a caminho do litoral leste cearense que José de Alencar passou os primeiros anos de sua vida. Cercado de árvores e aves que certamente contribuíram para a presença da natureza em suas obras, como Iracema e O Guarani.

Antes ou depois de passar o dia no Beach Park, parar no sítio localizado na Avenida Washington Soares pode ser uma boa. Não há nada referente a José de Alencar, lá atualmente funciona um museu indígena e as ruínas de um engenho. Porém, dá para sentir a vibe das obras do escritor em meio a um tranquilo sítio em meio a área urbana de Fortaleza.

Em um anexo ao lado funciona um restaurante com bufê de comidas regionais.

Onde fica: Avenida Washington Soares, 6055 (Messejana)

Horário: de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, sábado, das 9h às 12h

Preço: grátis

Telefone: 85/3229-1898

Astrofísico lista em livro erros geniais de grandes cientistas

0

16134474

Salvador Nogueira, na Folha de S.Paulo

Ideias científicas revolucionárias carregam sempre consigo uma grande dose de risco. Afinal, se são revolucionárias, ninguém as teve antes. Se ninguém as teve, ninguém as testou. E se ninguém as testou, há boa chance de que estejam erradas.

Por isso admiramos os grandes cientistas, aqueles que promoveram saltos no modo de entendermos o mundo. Quando eles acertam em cheio em grandes alvos, tendemos a desprezar seus erros. Cria-se o mito de que grandes mentes não cometem enganos.

Para desmanchar essa impressão, o astrofísico israelo-americano Mario Livio escreveu “Tolices Brilhantes” (350 págs., R$ 52,90, Editora Record), um livro que aborda grandes erros cometidos por grandes cientistas.

Conhecido por seu trabalho de décadas no Instituto de Ciência do Telescópio Espacial (STScI), em Baltimore (EUA), Livio coleciona em seu livro uma lista de exemplos de respeito: Charles Darwin, lorde Kelvin, Linus Pauling, Fred Hoyle e Albert Einstein.

Alguns, naturalmente, são mais conhecidos que outros, mas todos são tidos universalmente como grandes gênios da ciência. E todos tiveram um casca de banana para chamar de sua.

“É reconfortante para o resto de nós saber que até as maiores mentes cometem erros sérios”, disse Livio à Folha, mencionando uma das razões para ter escolhido este tema para o livro.

Ele admite, contudo, que há uma motivação mais profunda.

“O modo como o progresso na ciência e, de fato, nos empreendimentos mais criativos, é descrito quando você aprende sobre ele na escola, na universidade e na imprensa, é sempre como se fosse um tipo de caminho direto, uma marcha para a verdade, de A até B. E qualquer um que já tenha se engajado nesses empreendimentos sabe que nada poderia estar mais longe da verdade.”

Ao enfatizar que, mesmo para os mais bem-sucedidos pesquisadores, esse caminho é tortuoso, Livio espera levar ao público uma visão mais madura de como o edifício da ciência é construído.

“Ela progride em um caminho de zigue-zague”, diz. “Nós temos muitos falsos inícios e muitos becos sem saída. Em muitas ocasiões você precisa retornar ao ponto de partida e assim por diante.”

ERROS GENIAIS

O pesquisador enfatiza –e fica claro no livro– que a intenção jamais foi denegrir a imagem desses cientistas, e sim mostrar o processo natural de progresso científico.

“Você vai notar que meu livro é chamado ‘Tolices Brilhantes’. Não é chamado ‘Tolices Toscas'”, brinca Livio.

“Esses não são erros que as pessoas cometeram porque foram descuidadas. Todos esses enganos foram feitos com reflexão cuidadosa sobre eles, e todos os erros que eu descrevo no livro no fim das contas levaram de fato a avanços.”

Ao eleger seus cinco “alvos”, Livio se preocupou em não recuar demais no tempo, limitando-se a meados do século 19, e em escolher de fato grandes cientistas (“e não só, sabe, cientistas OK”).

Além disso, o leitor há de perceber que há um fio da meada que conecta os escolhidos. “É a palavra ‘evolução'”, explicita o autor. “Evolução da vida na Terra, evolução da própria Terra, evolução das estrelas e evolução do Universo como um todo.”

NOVAS PERSPECTIVAS

Para quem é menos familiarizado com a história da ciência, talvez os nomes de Kelvin e Hoyle soem menos familiares do que os os outros três. Com efeito, esses dois, a despeito de suas realizações notáveis, são mais lembrados por seus erros do que por seus acertos.

Em ambos os casos, Livio promove um salutar esforço de reabilitação. Embora Kelvin estivesse fundamentalmente errado em sua estimativa da idade da Terra, feita no final do século 19, ela foi a primeira tentativa séria –e baseada em física fundamental– de calcular em que época nosso planeta se formou. Um primeiro passo essencial para abrir essa discussão.

No caso de Hoyle, a situação era ainda mais grave. Sua teoria do estado estacionário –formulada de modo a eliminar o Big Bang e manter o Universo mais ou menos igual ao longo de toda a eternidade– era brilhante de fato.

Infelizmente, calhou de estar errada. E quando as evidências penderam para o lado do Big Bang, Hoyle não soube degluti-las.

“Embora [Kelvin e Hoyle] fossem realmente geniais, não há dúvida disso, eles teimosamente continuavam a se apegar às suas coisas que eram erros”, diz Livio.

Ele contrapõe o caso dos dois ao de Linus Pauling, o químico brilhante que decifrou, usando apenas conhecimento teórico e muito pouca informação de observações, a estrutura básica das proteínas.

Quando Pauling tentou aplicar o mesmo método para decifrar a estrutura do DNA, fracassou, dando espaço para James Watson e Francis Crick apresentarem a estrutura correta, em 1953.

“Pauling percebeu que estava errado, reconheceu isso poucos meses depois e admitiu que o modelo de Watson e Crick era melhor, e assim por diante”, diz Livio.

“Lorde Kelvin não aceitou até o dia de sua morte que não estava errado em nada, e Fred Hoyle continuou a acreditar em uma forma ou outra do Universo em estado estacionário também até o dia em que morreu.”

O TOPO DA LISTA

As vedetes do livro, naturalmente, são Darwin e Einstein –indiscutivelmente os dois cientistas mais influentes dos últimos 200 anos.

No caso do primeiro, Livio atribui a ele a dificuldade de perceber uma inconsistência interna em seu próprio trabalho, ao adotar, no bojo da teoria da evolução por seleção natural, um mecanismo de hereditariedade “por mistura”, então vigente na época, mas completamente inconsistente com sua própria teoria.

O problema perseguiria Darwin pelos anos seguinte e só seria resolvido quando os trabalhos de Gregor Mendel fossem descobertos, fornecendo pistas do real mecanismo de hereditariedade –este totalmente compatível com a evolução darwiniana.

Já com Einstein, o caso é bastante conhecido: a famosa constante cosmológica, que ele introduziu às equações da relatividade geral em 1917 por razões puramente ideológicas –para manter o Universo estático.

Depois que Edwin Hubble provou que o cosmos estava em expansão, Einstein abandonou a constante cosmológica, e a rotulou como um grande erro de sua carreira.

Livio, contudo, dá um giro de 180 graus e sugere que o erro de Einstein não foi ter incluído a constante cosmológica, e sim tê-la retirado, depois de tê-la criado.

Hoje, ela é usada rotineiramente para representar a energia escura, uma misteriosa força que acelera a expansão do Universo e foi descoberta em 1998.

Com uma prosa agradável e grandes sacadas, Livio conduz o leitor de forma suave por biologia, geofísica, astrofísica e cosmologia, mostrando as interconexões entre os saberes científicos e a unicidade do mecanismo que permite o progressivo caminhar da ciência –permeado de erros de percurso que, longe de embaraçar, são a chave para que se possa aprender cada vez mais.

Grandes cientistas, erros homéricos

Livro do astrofísico israelo-americano Mario Livio retrata como, a despeito de sua genialidade, heróis da ciência podem cometer grandes equívocos

CHARLES DARWIN (1809-1882)

17181545

O GRANDE SUCESSO: Pai da evolução das espécies por seleção natural, Darwin produziu possivelmente a teoria científica mais influente e bombástica da história da ciência.

O ERRO: Ao construir sua teoria, Darwin não notou que o modelo de hereditariedade de características então em voga, usado por ele mesmo em sua obra, era completamente inconsistente com a ideia central de sua teoria.

A CORREÇÃO: Ela já existia na época de Darwin, mas não era conhecida por ele: os estudos genéticos de hereditariedade feitos por Gregor Mendel.

LORDE KELVIN (1824-1907)

17181543

O GRANDE SUCESSO: Gênio inconteste e grande pesquisador da termodinâmica, Kelvin era conhecido por sua incrível capacidade de cálculo e foi o primeiro a produzir uma estimativa física da idade da Terra, com base no tempo que ela levaria para se resfriar.

O ERRO: O número a que ele chegou foi de 20 milhões a 100 milhões de anos _muito menos que o real, 4,5 bilhões de anos. Kelvin foi incapaz de admitir que incompreensões sobre a dinâmica interna da Terra podiam levar a uma margem de erro imensa.

A CORREÇÃO: A descoberta da radioatividade e, sobretudo, dos movimentos de convecção no interior da Terra permitiriam explicar por que Kelvin havia errado em seus cálculos.

LINUS PAULING (1901-1994)

17181542

O GRANDE SUCESSO: Químico brilhante, ganhador de dois Nobel, Pauling havia conseguido decifrar, com base apenas nas propriedades dos átomos, a estrutura da alfa-hélice, a base das proteínas.

O ERRO: Aplicando o mesmo método para tentar decifrar a estrutura do DNA, Pauling chegou a uma tripla hélice, estrutura muito mais complexa que a molécula verdadeira e que chegava a contrariar princípios estabelecidos da química.

A CORREÇÃO: Depois de cometerem erro similar ao de Pauling, James Watson e Francis Crick tiveram acesso a imagens de cristalografia do DNA que permitiram guiá-los na direção correta e apresentar a estrutura correta em 1953.

FRED HOYLE (1915-2001)

17181546

O GRANDE SUCESSO: Astrônomo britânico arrojado, Hoyle foi o primeiro a explicar com sucesso como as estrelas podem produzir os átomos mais pesados, a partir dos mais leves, gerando toda a variedade química do Universo.

O ERRO: Hoyle concebeu uma teoria alternativa à do Big Bang, chamada de teoria do espaço estacionário. Nela, o Universo estaria sempre em expansão, mas seria eterno e imutável, com mais matéria sendo criada em seu interior conforme se expandisse.

A CORREÇÃO: Com o tempo, observações adicionais, como a descoberta da radiação cósmica de fundo, descartaram a teoria do estado estacionário, confirmando o Big Bang. Hoyle, no entanto, jamais admitiu seu erro.

ALBERT EINSTEIN (1879-1955)

17181544

O GRANDE SUCESSO: Com sua teoria da relatividade geral, Einstein permitiu pela primeira vez que se estudasse o Universo inteiro e, com isso, especular sobre sua origem e destino. Para isso, ele introduziu um novo termo às equações, a constante cosmológica.

O ERRO: A principal função da constante cosmológica, para Einstein, era permitir a existência de um Universo estático. Quando ficou claro que o cosmos estavam em expansão, o físico alemão abandonou e repudiou a alteração, classificando-a como um erro. Para Livio, contudo, o erro foi tê-la jogado fora, depois de tê-la criado.

A CORREÇÃO: Em 1998, estudando supernovas distantes, astrônomos descobriram que a expansão do Universo era acelerada – algo surpreendente que só pode ser explicado pela existência de algo similar ao que era descrito pela constante cosmológica de Einstein. Os físicos chamam essa força misteriosa de “energia escura”.

Veja a lista de livros que Madonna anda lendo

0

Madonna-Divulgação1

Temáticas humanistas, romances italianos e obras religiosas são alguns das categorias que a estrela escolheu para estar na sua cabeceira

Edson Caldeira, no Metropoles

Madonna é admirada no mundo inteiro por suas performances no palco, a energia inesgotável e a habilidade de continuar trabalhando e produzindo música — mesmo que muita gente preconceituosa se incomode com isso. No entanto, a diva também tem seus momentos longe dos holofotes, aos quais ela já admitiu que adora passar com os filhos ou na companhia de bons livros.

Reprodução/Instagram/Madonna

Reprodução/Instagram/Madonna

 

Recentemente, a cantora compartilhou no Instagram Stories a imagem de alguns deles. A maioria das obras estão disponíveis no Brasil e revelam a versatilidade de Madonna que pelo jeito lê de tudo: desde best-sellers religiosos a romances italianos do pós-guerra.

Madonna11

“Davi e Golias” de Malcolm Gladwell
Tendo como base a história bíblica de Davi e Golias, o escritor Malcolm Gladwell descobre regras ocultas que moldam o equilíbrio entre os fracos e poderosos. Sendo assim, o autor não concentra sua narrativa apenas no conto do livro sagrado — que mostra a impressionante vitória do pequeno israelita contra o gigante filisteu — trazendo a ideia do campo de batalha para a contemporaneidade.

A reação dos londrinos aos bombardeios alemães na Segunda Guerra, a mente de pesquisadores do câncer e líderes negros dos direitos civis, os assassinatos e o alto custo da vingança, são alguns dos tópicos explorados pelo livro. Em outras palavras, o autor mostra que o verdadeiro poder não tem nada a ver com vantagem material, mas surge através dos frutos da adversidade e da luta.

“Ele [Davi] é mais esperto do que seu oponente, melhor armado e ele teve essa força extraordinária em seu coração. Quando você entende essa perspectiva, você entende que, às vezes, nosso instinto sobre a origem do poder é errado”, explicou Gladwell para o site RNS

Madonna2

“As Mulheres do Deserto” de Alice Hoffman
O mundo do antigo judaísmo, bem como o desafio de ser mulher naquele tempo, inspirou a autora Alice Hoffman a escrever sua obra que tem como pano de fundo a primeira guerra entre judeus e romanos. Nos anos que se seguiram à destruição do conflito, cerca de 900 judeus refugiaram-se na fortaleza de Massada, situada no litoral sudoeste do Mar Morto.

De acordo com o historiador Josefo, quando a muralha finalmente caiu, cada chefe de família decidiu matar sua própria família para que estes não fossem submetidos à tortura, estupros e escravidão dos romanos. Apenas duas mulheres e cinco crianças sobreviveram.

Com base neste evento trágico, Hoffman tece um conto de quatro mulheres ousadas que, mesmo diante de uma brutalidade desonesta e a pressão do desespero optaram pela esperança e o vínculo feminino.

Madonna3

“Sapiens – Uma História Breve da Humanidade” de Yuval Noah Harari
Nesta obra, Yuval Noah Harari, doutor em História pela Universidade de Oxford, mostra uma visão macro da a história dos seres-humanos. Mais que uma simples aula de história, Harari levanta questões de identidade, consciência e inteligência, lidando com o tipo de escolhas e dilemas que um mundo totalmente automatizado nos apresenta.

Para isso, o autor divide o livro em três tópicos, que ele chama de “revoluções. Primeiro, a revolução “cognitiva” que ocorreu há cerca de 70 mil anos — quando começamos a nos comportar de maneiras muito mais engenhosas com o desenvolvimento da linguagem. Depois, a revolução agrícola, que trouxe fatores como fome, maior suscetibilidade à doenças e formas desonestas de hierarquia. Harari acha que a troca foi uma “barganha ruim” e que estávamos melhor na era da pedra.

A “revolução científica” começa há cerca de 500 anos e desencadeia a revolução industrial, há cerca de 250 anos, o que desencadeia a revolução da informação, há cerca de 50 anos, o que desencadeia a revolução biotecnológica, que Harari suspeita sinalizar o fim do sapiens.

Madonna4

“Mais esperto que o Diabo” de Napoleon Hill
Napoleon Hill escreveu este livro em 1938, no entanto, sua narrativa continua sendo atual para quem gosta de uma literatura motivadora. Usando sua habilidade para chegar à raiz do potencial humano, o autor, que foi assessor do presidente Franklin Delano Roosevelt, identifica os maiores obstáculos que enfrentamos para alcançar objetivos pessoais: medo, procrastinação, raiva e ciúme, como ferramentas do Diabo.

Sabendo que esses métodos ocultos de controle podem nos levar à ruína, o escritor revela os sete princípios do bem que nos permitirão triunfar sobre eles e ter sucesso. Além disso, a obra mostra ao leitor como criar a própria renda para o sucesso, harmonia e realização em momentos de incerteza.

Madonna5

“Cérebro Adolescente” – de Daniel J. Siegel
Madonna é mãe de 6 filhos, quatro deles já são adolescentes, por isso, nada mais justo do que compreender esse universo. Para o autor, é importante que os pais considerem que na adolescência, o cérebro está sendo transformado de forma maciça e suas funções terão um impacto duradouro.

Siegel, professor de psiquiatria clínica na Universidade da Califórnia, dividiu a obra em quatro partes. Nelas, o autor explora a essência da adolescência moderna, desmistifica o funcionamento interno do cérebro adolescente, descreve como os relacionamentos moldam o senso de identidade e oferecem dicas para que pais e filhos trabalhem juntos para formar uma conexão profunda uns com os outros .

Por isso, ele procura dissipar o mito de que os problemas dessa fase a são devidos a hormônios furiosos, convencendo os leitores de que os adolescentes não só podem sobreviver a esse período como também prosperar com ele.

Madonna6

“A Amiga Genial” de Elena Ferrante
Elena Ferrante optou por deixar apenas sua obra brilhar enquanto ela permanece anônima. A escritora italiana é autora de seis romances, entre os quais o famoso “A Amiga Genial”, mas nunca fez nenhuma aparição pública. O enredo do livro, no entanto, ganhou proporções inimagináveis, aparece nas listas de best sellers e em breve servirá de inspiração para uma série da HBO.

A história começa na década de 1950, num bairro pobre mas vibrante nos arredores da Nápoles do pós-guerra (talvez venha daí a identificação de Madonna com a obra, já que a estrela pop tem origem italiana e também nasceu nessa época). Crescendo nessas ruas difíceis, duas garotas aprendem a confiar uma na outra antes de qualquer pessoa ou qualquer outra coisa.

Mesmo sendo um retrato ficticioso da história, a obra também narra as formas de realização de uma nação passando por mudanças importantes.

Bill Gates indica 5 livros ler nas férias

0
(FOTO: FLICKR / ONINNOVATION)

(FOTO: FLICKR / ONINNOVATION)

Publicado no Ariquemes Online

Recentemente Bill Gates, o bilionário dono da Microsoft, fez em seublog uma lista de 5 livros para ler neste verão (americano). As dicas também valem para quem quiser seguir as dicas do ricasso aqui no Brasil — mesmo em uma estação diferente.

Born a crime, de Trevor Noah

Neste livro, o apresentador do programa de TV The Daily Show conta sobre sua história de luta até chegar na televisão americana. Por ser sul-africano, Noah aborda as dificuldades do preconceito e de crescer em um país com tantos problemas raciais.

The Heart, de Maylis de Kerangal
A única ficção da lista, The Heart conta a história de um transplante desde a hora em que o jovem dono do coração perde a vida até o momento em que o órgão muda de corpo. Muito sensível, a história tem uma linda linguagem para conectar leitores e personagens.

Hillbilly Elegy, de J.D. Vance
Neste livro, o autor conta a triste história de sua infância com os avós após ser abandonado pelo pai e posto de lado pela mãe. Vance narra sua trajetória até a Universidade de Direito Yale e como a pobreza afetou sua vida.

Homo Deus, de Yuval Noah Harari
O único que já possui versão brasileira, Homo Deus investiga o futuro da humanidade com base em nosso passado. O autor combina pesquisas e novidades científicas com sua capacidade de observar a sociedade para escrever esta obra que pretende entender o que ocorrerá com a Terra após tanto tempo de guerras, fome e pobreza.

A Full Life, de Jimmy Carter
Neste livro o ex-presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, conta algumas anedotas sobre sua vida na presidência, mas também sobre a vida que levou antes da carreira política no interior do estado da Geórgia. O político conta como foi crescer sem água e energia elétrica, mas também fala de alguns episódios — bons e ruins — da vida que levou na Casa Branca.

7 escritores e seus livros favoritos

0
(FOTO: REPRODUÇÃO/ FLICKR/ CREATIVE COMMONS)

(FOTO: REPRODUÇÃO/ FLICKR/ CREATIVE COMMONS)

 

Publicado no Ariquemes Online

Na busca por leituras clássicas, talvez não existam pessoas melhores para fazer recomendações do que os próprios grandes escritores. Além de terem publicado obras únicas e que marcaram história, todos eles tinham seus livros e autores favoritos. Em entrevistas e matérias antigas, alguns deles compartilharam suas listas com os títulos. Confira:

Ernest Hemingway

Hemingway disse uma vez que “não existe amigo mais leal do que um livro”. Em matéria publicada pela revista Esquire, em 1935, o autor de Paris é uma Festa citou uma lista com alguns dos seus “melhores amigos”, que incluem Anna Karenina, A Rainha Margot, As Aventuras de Huckleberry Finn, Guerra e Paz, Madame Bovary, O Morro dos Ventos Uivantes, Os Buddenbrooks e Os Irmãos Karamazov.

F. Scott Fitzgerald

Pouco antes de ter se suicidado, Fitzgerald anotou uma lista com 22 livros que considerava indispensáveis. Entre eles incluiu A Revolta dos Anjos, de Anatole France, Casa de Bonecas, peça teatral do norueguês Henrik Ibsen, e Guerra e Paz, de Liev Tolstói.

George R. R. Martin

Os fãs de Game of Thrones já devem ter ouvido falar que um dos livros que George Martin mais admira foi escrito por Tolkien. O autor declarou que leu O Senhor dos Anéis pela primeira vez na escola e ainda “é um livro que admira profundamente”.

Além desse, Martin disse ter encontrado inspiração em um livro mais recente: “Não vou me esquecer tão cedo de Estação Onze” O livro de ficção científica foi publicado por Emily St. John Mandel e envolve a história de um grupo de atores vivendo em uma sociedade pós-apocalíptica. “É um romance melancólico, mas lindamente escrito”, completou o escritor.

Jane Austen

A autora de clássicos como Emma e Orgulho e Preconceito foi uma leitora frequente de poesia e peças de teatro, incluindo The Corsair, um conto de Lord Byron, e The Mysteries of Udolpho, de Anne Radcliffe (ambos sem edição em português). Seu favorito, no entanto, era o livro publicado em 1753 por Samuel Richardson, A História de Sir Charles Grandison.

J. K. Rowling

Para a criadora da saga Harry Potter, sua escolha como livro favorito é um clássico: Emma, de Jane Austen. “Você é levado pela história, atraído até o final e sabe que acompanhou algo magnífico em ação”, definiu Rowling. “Mas não conseguimos ver a pirotecnia, não há nada berrante ou chamativo demais.”

R. L. Stine

Para o criador da série de terror Goosebumps, o livro Licor de Dente-de-Leão, de Ray Bradbury, é um de seus favoritos. Stine disse, em matéria do jornal The Washington Post, que a obra é “um dos livros mais subestimados de todos” e um dos poucos que alcançaram a bela sensação de nostalgia em uma narrativa.

Vladimir Nabokov

Durante entrevista com um canal de televisão francês, o autor de Lolita compartilhou sua lista de títulos que considerava ótima literatura: Ulisses, de James Joyce; A Metamorfose, de Franz Kafka; Petersburg, de Andrei Bely (sem edição no Brasil) e “a primeira parte dos contos de fadas de Proust, Em Busca do Tempo Perdido”.

Go to Top