Posts tagged literatura infantil

É preciso encantar a criança para ela preferir um livro ao YouTube, diz blogueiro

0

Ygor Salles, na Folha de S.Paulo

Mateus Luiz de Souza

É missão dos pais e dos educadores fazerem crianças e adolescentes se interessarem por livros e literatura. Mas é preciso mais criatividade do que apenas um “isso é importante para seu futuro”.

É sobre esse desafio (e outros assuntos, claro) que fala o jornalista Bruno Molinero, do Era Outra Vez, sétimo convidado do Fale, blogueiro, programa de entrevistas com blogueiros da Folha no Instagram Stories.

Confira os melhores trechos.

Passamos por uma crise nas vendas de livros, inclusive de literatura infantojuvenil. Quais os motivos?
A gente deixou de vender porque o país passou e está passando por um momento econômico delicado. O país deixou de vender carro, deixou de vender carro, casa, e livro. Mas é um problema estrutural um pouco maior. O livro para criança está inserido dentro de um conceito maior, não dá para analisar só ele como se estivesse numa redoma de vidro. Tem um problema de estrutura de escola, em que tem uma massa de pai que não lê, professores que não leem, crianças que não leem, aí partir daí produz e vende menos livros porque não tem quem leia. Tem também um problema histórico: o Brasil começou a ter imprensa, e a produzir livro, muito tarde. Não é exagero dizer que estamos nos acostumando a fazer isso, é um processo histórico que é lento. Tem desigualdades econômicas, desigualdades sociais, um monte de coisa que influencia nessas quedas.

E no exterior, como é?
O mercado dos Estados Unidos e a Europa ocidental (Portugal, Itália, Inglaterra, Alemanha) tem um mercado muito forte para criança, é um setor muito valorizado. Dá de dez a zero no nosso, cifras, valores, quantidade de títulos, a qualidade do papel, a impressão, eles estão num estágio mais avançado sem dúvida. A Feira de Bologna, na Itália, é muito famosa, é lá que é revelado o Prêmio Hans Christian Andersen, o Nobel da literatura infantil.

Autores e editores criticam governo por fixar temas em edital de livros. Poderia explicar?
O governo brasileiro sempre foi um grande comprador de livros –até pouco tempo atrás era o maior. Mas no fim do governo Dilma, no bojo da crise econômica, o antigo edital de livros para escolas foi extinto e não se comprou mais livros. E o que parecia uma boa notícia –o governo lançou o PNLD Literário (Programa Nacional do Livro Didático), que teria também livros de literatura. Só que aí editores, autores, ilustradores viram a regra do edital, acharam um pouco complicado, pois, segundo eles, havia uma mistura do que era literatura e o que era escola. Tem que falar sobre a descoberta da juventude, sobre a relação com os amigos, sobre descobrir a si mesmo. Se você quer um tema fora do edital, você tem que explicar e justificar porque quer falar sobre isso. O que autores reclamam é que primeiro você cria uma moral da história para depois criar uma história, e isso é um pensamento inverso do que é produzir literatura. Fora isso, tem uns tamanhos determinados, então qualquer livro fora desse tamanho ou é adaptado ou não vai pode participar ou ser comprado pelo governo.

A literatura, inclusive de crianças, deseja interpretações, reflexões. Nos livros de hoje, elas são muitas vezes menosprezadas?

Eu não diria um menosprezo. Há muitos livros bons publicados, de alta literatura, escritores ótimos, ilustradores ótimos, mas também tem uma massa de livro que se encaixa um pouco nisso que a Sandra Medrano falou, em que o objetivo, a moral da história, por que você quer ensinar a criança a ser uma pessoa virtuosa, isso se sobressai. É um livro que o autor senta e fala, puts, “preciso ensinar a criança a escovar o dente”, então a partir dessa moral ele vai lá e cria uma história, ou reciclar o lixo, aquecimento global, só temas caros ao mundo contemporâneo, e fica uma história um pouco manca. Você não tá criando algo novo, algo que quebra expectativa, você não está fazendo literatura, você está fazendo alguma coisa que carrega uma moral para criança ser melhor, para o professor usar na escola, aí a escola olha “que legal esse livro que ensina a criança a escovar os dentes, vamos comprar”, aí o autor vende mais livros, acaba sendo um problema estrutural.

A Jout Jout pegou, falou sobre o livro inteiro e o que em tese poderia ser ruim foi incrível pra editora, houve aumento de mais de cem vezes no pedido do livro nas livrarias. Agora, é ruim quando é preciso esse fator externo pra um livro infantil ganhar as manchetes, não?
Você pode ver por esse lado, em que talvez precise de um fator externo para estimular as vendas, mas eu enxergo por outro lado, que bom que ela escolheu falar sobre livro pra criança e isso acabou sendo divulgado, e vendeu, e transformou o Shel Silverstein conhecido no Brasil, um livro antigo. Eu adoraria que caixas de sabão em pó tivesse coisas sobre livro, que toda vez que você comprasse algo no mercado viesse uma resenha de livro infantil. Talvez pouco a pouco o livro se tornaria algo mais do dia a dia da criança. Acho que a Jout Jout fez um serviço super importante pros autores, pros ilustradores, pras crianças, porque realmente é um livro legal, é pouco óbvio, literariamente muito bom, sem formulazinhas para ser educativo, se propõe a fazer literatura.

Como a tecnologia é retratada nos livros infantojuvenis?
Na verdade, todo assunto e qualquer assunto pode ser tema de um livro. A tecnologia claro aparece, até porque quando você fala de criança, a fantasia, a tecnologia, o futuro, sempre pode ser um tema, é fácil de encontrar. Talvez a grande questão da tecnologia dentro da literatura para criança seja a questão do livro digital. Aí sim, é um mercado que não está em expansão, mas também parece que não está em retração, existem exemplos legais de editoras digitais especializadas, é um mercado interessante. Mas também existe muita coisa estranha sendo feita, como um mero PDF, que só vira a página, que você não entende porque aquilo não está sendo impresso, talvez só por uma questão de custo. E mais uma vez comparando com fora, lá temos grandes exemplos de bons livros digitais sendo feitos, e podem ser baixados aqui se você lê em outra língua, inglês principalmente.

Qual a influência da família no processo de ler da criança?
É muito mais natural, simples e fácil você ter um pai leitor, um professor leitor, um tio leitor, um padrinho leitor, que faz a criança se tornar leitora, porque vai sentar com a criança, vai contar aquela história, a criança vai se encantar pelo livro, pela literatura, e a partir daí ela vai aprender a ler, e claro, não é obrigatório, pode acontecer mil coisas pelo caminho, é tudo muito nebuloso, mas é muito mais provável que ela se torne um adulto leitor, e o filho dele se torne uma criança leitora, do que ela por si só e espontânea vontade aos 10 anos entrar numa livraria e comprar o livro. Então o pai, o professor, o mediador, são extremamente importantes nesse aspecto porque mostra possibilidades. A isca tem que ser jogada de alguma maneira.

E ler para bebês? Você recentemente entrevistou Yolanda Reyes, escritora colombiana especialista em formação de leitores.
Segundo ela não tem uma fórmula exata e direta. Não quer dizer que bebês que ouviam livros, os pais contarem histórias, ele vá se tornar um adulto leitor, ou um escritor, mas, segundo ela, é algo muito importante para o bebê, que tem a necessidade de ouvir a sua língua, e ouvir a literatura, porque é a língua mais ritmada, como se fosse a música, a partir daí ele toma esse contato, há uma aproximação entre pais e filhos, no colo, e a partir daí ele cresce e consegue ler, sentar, e aí é aquilo que a gente já conversou, abre mais possibilidades para ele ter um emprego melhor, ganhar mais dinheiro.

Fui falar com uma amiga minha que tem uma irmã de dez anos e ela deu um depoimento super interessante. “Pior que até minha irmã que era rata de leitura foi seduzida pelos vídeos no Youtube”. Como lidar com isso, Bruno?
Não existe uma resposta. Não sei se tem que enfrentar. O vinil não destruiu o CD, a TV não destruiu o cinema, o vídeo do YouTube ou a live no Instagram não vai destruir a literatura. Agora, é questão do pai que está ali no dia a dia, do professor, insistir, tentar fazer com que a criança volte a pegar o livro, leia. Não com um papo chato “isso é importante para seu futuro”, mas tentar encantar a criança para que ela continue lendo, porque de fato isso é importante para o futuro dela.

2017 não foi um ano fácil para arte e literatura. Livros infantis foram retirados de escolas e livrarias por pressão de grupos que os acharam impróprios –e isso dos dois lados. Isso continua?
A literatura para criança não está inserida dentro de uma redoma de vidro em que não tem contato com o que está acontecendo fora. É um contexto que começou já há algum tempo, foi mais forte no ano passado, e continua acontecendo de censurar livro. Estamos passando por um momento em que a arte, a produção literária, de teatro, ela vive um patrulhamento tanto de grupos de direita quanto de esquerda, ou afirmativos, que acham que aquilo desrespeita uma minoria ou um grupo e prefere, em vez de procurar a Justiça, eliminar uma obra. Isso acaba caindo na literatura para criança, é inevitável. Isso acontece, continua acontecendo e acho que é um tempo um pouco instável. Tem que ficar de olho, e, sempre que acontecer, noticiar e refletir sobre isso, acho que esse é o papel da imprensa.

E livros sobre Karl Marx para crianças ou biografias para adolescentes sobre feminismo, qual sua opinião?
Esses dois exemplos têm uma pegada mais informativa. O de Marx adapta para um livro infantil as ideias do filósofo, e do grupo feminista pega algumas mulheres importantes do mundo e do Brasil e faz uma pequena biografia para que sobretudo meninas fiquem conhecendo mulheres importantes, e despertem sentimento feminista, de simpatia a outras mulheres, e de empoderamento, essa palavra do ano. Eu acho interessante. Do ponto de vista de mercado é legal, você tenta achar novos públicos, pois talvez uma menina que nunca leu queira ler aquela matéria ou aquele livro porque acha o tema interessante. Do ponto de vista pessoal, de alguém que faz crítica de livro, eu só acho que tem que tomar cuidado para o livro não se tornar um panfleto, não ser alguma coisa de um partido político, que aí foge da proposta.

Um milhão de exemplares infantojuvenis deixaram de ser publicados em 2017

0

Pétala Lopes/Folhapress

Bruno Molinero, no Era Outra Vez

Quando comparamos a publicação de literatura infantil e juvenil em 2016 e em 2017, mais de um milhão de exemplares deixaram de chegar às livrarias e a outros pontos de venda.

Os números vieram a público nesta quarta-feira (2), com a última edição da pesquisa “Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro”.

O levantamento, encomendado pela CBL (Câmara Brasileira do Livro) e pelo Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros), mostra que em 2017 foram produzidos cerca de 16 milhões de exemplares de literatura infantil. Entre os juvenis, foram 9,7 milhões.

Já no ano passado os números foram 16,6 milhões (crianças) e 10,2 milhões (adolescentes). Uma redução de quase 1,2 milhão.

A queda está inserida em uma retração geral do mercado de livros no país. Em 2017, foram lançados por volta de 393 milhões exemplares no geral –contra 427 milhões em 2016. Ao todo, o setor sofreu uma retração de 1,9% no faturamento, em valores nominais. Descontada a inflação, a queda chega a 4,8%. É o quarto ano seguido de movimento negativo, com faturamento de R$ 5,1 bilhões.

Mesmo assim, como mostrou a reportagem de Mauricio Meireles na Ilustrada, o setor espera reverter o cenário neste ano. “O que temos visto agora em 2018 é que os dados vão melhorar. Tivemos um primeiro trimestre bastante favorável”, afirmou Marcos Pereira, presidente do Snel e diretor da Sextante.

Curiosamente, como o cenário geral é ruim, a participação da literatura infantojuvenil frente ao mercado obteve uma leve melhorada. Os livros para crianças representaram no ano 4,07% do total de publicações. Os juvenis chegaram a 2,46%. Em 2016, esses números eram de 3,89% e de 2,39%, respectivamente.

Toda essa numeralha pode ser resumida em uma frase: o mar não está para peixe para as editoras que se dedicam a publicar literatura infantojuvenil. Sobretudo porque esses títulos ainda têm vendas muito dependentes do governo –o que anda cada vez mais raro. Juntos, programas de compras governamentais apresentaram, em 2017, queda nominal de 13% em faturamento e de 15% em exemplares comprados.

Na Suécia, escritora brasileira cria biblioteca infantil no jardim de casa

0
A escritora carioca Ilana Eleá criar uma biblioteca infantil no jardim de casa, em Estocolmo Claudia Wallin

A escritora carioca Ilana Eleá criar uma biblioteca infantil no jardim de casa, em Estocolmo Claudia Wallin

Publicado na RFI

A poeta e escritora carioca Ilana Eleá transformou a dor de uma depressão na Suécia em um sonho literário: criar uma biblioteca infantil no jardim de casa, em Estocolmo, e transformar o quintal em um espaço literário para promover a leitura de livros entre crianças suecas e brasileiras.

O cenário é quase uma poesia concreta. A biblioteca de Ilana funciona em uma pequena réplica em madeira de uma idílica casa sueca dos anos 20. À sua volta, crianças e pais folheiam livros e fazem performances e leituras em voz alta. No jardim de mil metros quadrados, Ilana espalha mesas cheias de livros e bolos, e uma fogueira espanta o frio nos dias gelados do inverno.

“A proposta da biblioteca é oferecer um espaço de convivência literária aqui no bairro. Temos atividades semanais, e nosso acervo é diversificado. Mas o enfoque é claro: livros de literatura infantil que tenham uma linguagem poética, que sejam ricos em metáforas, belamente ilustrados. E livros que abordem questões existencialistas, porque perguntas sobre a existência são fundamentais.

Quando a crise vira uma oportunidade

A ideia nasceu de uma crise pessoal. Com doutorado em Educação pela PUC do Rio de Janeiro, Ilana dava aulas na universidade quando conheceu o marido sueco, Johan Averstedt, em um site de relacionamentos. Em 2011, ela desembarcou na Suécia. Foram tempos difíceis: era difícil aprender a língua sueca, era difícil se adaptar à nova cultura e aos dias escuros do rigoroso inverno nórdico.

foto.ilana_.elea_.jardim

Dois anos mais tarde, Ilana chegou a conseguir trabalho como pesquisadora da Universidade de Gotemburgo. Mas a depressão se acentuou. E só foi superada, segundo ela, graças ao sistema sueco de apoio aos trabalhadores.

“A Suécia me salvou”, diz Ilana. “O sistema de previdência sueco me ofereceu um mês de licença para ficar em casa, com salário pago, e a prescrição médica foi muito simples: fazer longas caminhadas, e apenas coisas que eu gostasse de fazer. Fiz as longas caminhadas, li muito, fui a eventos literários. E meu coração indicou que era isso que eu tinha que fazer: mudar a direção, mudar de área e trabalhar com literatura. Começar do zero. Quando eu voltei um mês depois, muito constrangida por ter que dizer que eu pediria demissão, depois de todo o tempo que investiram no meu tratamento, a médica na verdade me parabenizou. E disse, ‘vai ser apenas uma questão de tempo para que você seja novamente produtiva para a Suécia, e como uma cidadã feliz, que é o que queremos’”, conta Ilana.

Café com bolo e livros

Mãe de Dante, de cinco anos, e Liv, de dois anos de idade, Ilana transformou a sua trajetória no livro “Ela foi para a Suécia”, com lançamento no Brasil previsto para fevereiro. E se dedicou a plantar no jardim de casa a biblioteca infantil, que acabou virando mais uma poesia de Ilana:

“Uma biblioteca para o bairro nasce em jardim de casa, pintada de amarelo, com telhado de tijolo, e livros e gentes e fogueiras e cantos e poesias e bolos de histórias, ilustrando as tardes das crianças e suas famílias. Páginas são sementes para um peito leitor. Esse que bate, esse que nasce em voz alta ou sussurada, quando a lâmpada deita com a noite. Livros semeiam quintais com literatura. Essas árvores, essas casas acesas, somos nós”, ela recita.

foto.ilana_.elea_

Todas as quartas-feiras, Ilana abre as portas da biblioteca para pais e crianças a partir de dois anos de idade. Às quatro e meia da tarde, os bolos que Ilana faz começam a sair do forno. É a hora do que os suecos chamam de “fika” – a pausa para o café. Em seguida, começam as leituras de livros em voz alta, e as performances de música realizadas pelas crianças ou pelos pais.

Inaugurada em setembro, a biblioteca tem um acervo de cerca de 200 livros – que aumenta a cada dia, com as doações de livros que vão chegando. O plano de Ilana é expandir as atividades da biblioteca, que já começa a receber a visita de turmas de escolas locais, e criar um acervo de obras infantis brasileiras. A primeira doação já está a caminho: um lote de 50 livros doados a Ilana pela Biblioteca Pública do Paraná.

Biblioteca Nacional dá R$ 30 mil a vencedores de prêmio literário

0
A presidente da Biblioteca Nacional, Helena Severo: poesia foi a categoria com mais inscrições - Fernando Lemos / Agência O Globo

A presidente da Biblioteca Nacional, Helena Severo: poesia foi a categoria com mais inscrições – Fernando Lemos / Agência O Globo

 

Ganhadores das nove categorias serão conhecidos nesta segunda-feira

Fabiano Ristow, em O Globo

RIO — O Prêmio Literário Biblioteca Nacional fecha hoje sua 24ª edição com a entrega de R$ 30 mil para cada vencedor de suas nove categorias. Foram 890 inscritos, entre poesia, contos, infantil, juvenil, ensaio social, romance, tradução, ensaio literário e projeto gráfico. Os romances concorrentes são “A hipótese humana” (Record), de Alberto Mussa; “Descobri que estava morto” (Tusquets), de J.P. Cuenca; e “A visita particular” (Alfaguara), de Ricardo Lísias. Os autores que disputam o prêmio de poesia são Ana Estaregui, com a obra “Coração de boi” (7 Letras); Fábio Weintraub, por “Falso trajeto” (Patuá); e Sérgio Medeiros, por “A idolatria poética ou a febre de imagens” (Iluminuras).

— Os finalistas apresentam um panorama da produção literária feita hoje, e nós temos um corpo de jurados qualificados, com o trabalho de fazer uma seleção baseada em critérios muito rigorosos — diz Helena Severo, ex-secretária de Cultura do município e do estado, que assumiu a presidência da Fundação Biblioteca Nacional (FBN) no ano passado.

A cerimônia de hoje contará com a presença do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão.

Poesia foi a categoria que recebeu mais inscrições: 194. Um sinal do ressurgimento do gênero, segundo Helena Severo.

— Somos uma sociedade de poetas. O que vejo é uma ascensão de jovens em direção à poesia, um gênero cuja importância está sendo retomada. É um tipo de literatura contemporânea, que trata de temas atuais, acompanhando a dinâmica da sociedade — analisa Helena.

De olho na tendência do mercado, a categoria literatura infantil e juvenil foi desdobrada em duas, desde 2013. O motivo é que livros voltados ao público infantil e adolescente abordam temas abrangentes.

— Houve um momento em que pensou-se em voltar a termos um único prêmio, mas, ouvindo o segmento de literatura juvenil e infantil, percebemos que teríamos que mantê-las. É um gênero diversificado demais — argumenta Helena.

As comissões julgadoras analisaram as obras de acordo com os seguintes critérios: qualidade literária, originalidade, contribuição à cultura nacional, criatividade no uso dos recursos gráficos e excelência da tradução.

Ana Maria Machado pede a volta de projetos para incentivar leitura no país

0

livros

Publicado na IstoÉ

A escritora Ana Maria Machado, imortal da Academia Brasileira de Letras e ícone da literatura infantil no país, pediu hoje (1º) a retomada de políticas públicas que incentivem a leitura no país. Ela citou programas implementados e já extintos, como o Literatura em Minha Casa, do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), que em 2002, pela primeira vez levou livros para muitas famílias do interior. Outro programa, mencionado pela escritora, fomentava a formação do professor leitor no Rio de Janeiro.

“A literatura abre os horizontes, porque não está preocupada só em ensinar, em dar informação. Ela torna cidadãos mais conscientes, pessoas mais felizes, mais solidárias com os outros, entendendo a diversidade alheia, o que os outros sentem, sofrem, querem, temem. Porque a literatura permite a você entrar no papel de outro personagem. Isso enriquece muito a experiência da gente, muito mais do que apenas o livro didático.”

Ana Maria foi homenageada ontem (1º) na 18ª Bienal do Livro do Rio de Janeiro, em cerimônia de comemoração dos 80 anos da Política Pública do Livro. Outro homenageado foi o ex-ministro da Educação e Cultura e imortal Eduardo Portella, morto há quatro meses.

Participaram da cerimônia os ministros da Educação, Mendonça Filho, e da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), Domício Proença Filho, além de Célia Portella, viúva do ex-ministro.

Plano de Leitura

Segundo Sá Leitão, o ministério tem articulado no Congresso Nacional a aprovação do Plano Nacional do Livro e da Leitura, uma das principais frentes da pasta para estímulo de leitura nas escolas.

“Estamos articulando com os deputados e senadores para que possamos aprovar o Plano Nacional do Livro e da Leitura, que traz uma série de diretrizes, metas e ações. Boa parte delas, a ser executada pelo Ministério da Cultura, mas isso vai nos dar uma base legal para que possamos realizar esse papel importante, que o ministério tem que ter numa política de incentivo ao livro e à leitura. Certamente vai ser um instrumento muito importante para incentivarmos o livro e a leitura no país”, disse Sá Leitão

O ministro Mendonça Filho disse que, além dos livros didáticos enviados às escolas de todo o país, o MEC também investe em livros literários.

“Temos um programa nacional de livros paradidáticos e literatura. No ano passado, investimos R$ 100 milhões em livros dedicados ao Programa Nacional na Idade Certa e queremos soltar brevemente novo edital de aquisição de livros de literatura, para estímulo da leitura nas escolas públicas de todo o país. Essa é a política principal.”

Mendonça Filho informou que planeja ações conjuntas com a ABL para criar políticas públicas de estímulo à leitura nas escolas, “principalmente nas escolas públicas”.

Antes da cerimônia, os dois ministros fizeram uma visita à bienal, passando pelos estandes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro.

Go to Top