BKO WAVE SAÚDE

Posts tagged livros

Veja dicas para otimizar o tempo de leitura

0

Isabel Costa, no Leituras da Bel

Você gostaria de ter mais tempo para realizar leituras mas parece ficar perdido entre tantos livros e capítulos atrasados? É um sentimento comum. Queremos ler mais obras e os outros compromissos da vida acabam boicotando nossa rotina leitora. Ao longo da vida, eu aprendi algumas técnicas para otimizar o tempo de leitura. São atitudes pouco complexas, de fácil execução. Cada minuto dedicado ao livro é um avanço, sim! Afinal, é de página em página que um livro é terminado.

Foto: Sara Maia

Tempo de leitura

1. Carregue sempre um livro com você para momentos ociosos – como espera em consultórios médicos e filas. Você vai aprender que os exemplares de bolso são salvadores!

2. Estabeleça um horário fixo para realizar a leitura de algumas páginas a cada dia. Algumas páginas lidas antes de dormir garante a sensação de “dever cumprido” e um sono bom.

3. Participe de desafios literários. É possível encontrar diversas modalidades no instagram. Os leitores se propõem a ler determinado gênero ou autor e avançam juntos na leitura.

4. Busque um clube de leitura – Fortaleza tem dezenas! – e compartilhe as suas impressões. Saber que terá outras pessoas para conversar ajuda na disciplina da leitura e na finalização.

5. consegue terminar um romance longo e fica frustrado? Tente os livros de crônicas ou de contos, que são textos mais enxutos e podem ser lidos de uma só vez.

6. Esqueça o celular nos momentos de leitura. Eu coloco o celular no modo avião e “adeus mundo exterior”.

7.Não se cobre em excesso. A leitura é uma atividade particular e cada pessoa tem um ritmo.

Escritor norte-americano Philip Roth morre aos 85 anos

0

Philip Roth era um dos maiores escritores norte-americanos da segunda metade do século XX | Reuters

O escritor morreu de insuficiência cardíaca na terça-feira, aos 85 anos. Foi um dos principais autores da literatura norte-americana da segunda metade do século XX.

Publicado na RTP

Natural de Newark, Nova Jersey, a 19 de março de 1933, o premiado romancista era considerado um dos maiores escritores da atualidade. Candidato eterno ao Nobel da Literatura, foi autor de mais três dezenas de obras.

Roth tinha anunciado a decisão de deixar de escrever aos 78 anos, em 2012, após a publicação da obra Nemesis, em 2010. Desde então dedicou-se a ler a sua obra publicada, no sentido de avaliar se “tinha desperdiçado” o seu tempo na literatura. Em entrevista à New York Times Book Review, em 2014, concluiu: “Fiz o melhor que consegui com o que tinha”.

Durante a juventude foi um grande entusiasta do desporto, em particular do basebol. A literatura chegou mais tarde, aos 18 anos. Formou-se em Estudos Ingleses pela Universidade de Bucknell, e concluiu um mestrado na mesma área na Universidade de Chicago. Em 1957 e chegou a iniciar uma tese de doutoramento, mas abandonou o projeto pouco tempo depois, decidindo dedicar-se à escrita.

A primeira obra surge logo em 1959. Goodbye, Columbus foi aclamada pela crítica e recebeu o prêmio National Book Award, tendo sido também adaptada para o cinema pelo realizador Larry Peece.

Durante a longa carreira, entre várias distinções, Philip Roth foi premiado com dois National Book Awards, dois National Book Critics Circle e, em 1998, com o Pulitzer a partir da ficção American Pastoral. (“Pastoral Americana), um dos seus livros mais aclamados.

Roth foi ainda galardoado com o Prêmio Internacional Man Booker, atribuído no Reino Unido em 2011 e, um ano depois, venceu o Prêmio Príncipe das Astúrias de Literatura, o principal prêmio literário em Espanha. Também nesse ano, o autor recebe a Medalha Nacional das Humanidades, atribuída pelo ex-presidente norte-americano Barack Obama.

Antes, em 2002, tinha recebido a Medalha Nacional de Artes da Casa Branca, atribuído pela Academia de Artes e Letras, e ainda a medalha de Ouro da Ficção, atribuída anteriormente a lendas da literatura como William Faulkner ou Saul Bellow, entre outros. Escreveu livros que marcam a literatura contemporânea, tais como Operação Shylock (1994), A Mancha Humana, (2001) ou Everyman (2007).

Já o livro O Complexo de Portnoy conheceu grande impacto junto do grande público em 1969, muito por culpa das cruas descrições sexuais e da abordagem à vivência judaica. A obra foi mesmo banida da Austrália, mas vendeu milhões de cópias no resto do mundo.

Ainda que vários livros explorassem a realidade judaica nos Estados Unidos, Philip Roth identificava-se como ateu. “Não é uma questão que me interesse. Eu sei o que é ser judeu e para mim não é interessante. Sou americano” disse ao jornal The Guardian em 2005.

Livros que “mordem e picam”

No romance O Escritor Fantasma, Philiph Roth lembrou um dos seus heróis literários, Franz Kafka: “Só devemos ler aqueles livros que nos mordem e nos picam”.

Foi sucessivamente atacado por feministas, judeus e uma das ex-mulheres, por vezes pessoalmente. Nos romances que escreveu, as mulheres eram descritas como objetos de desejo e raiva, tendo mesmo sido acusado de misoginia.

A relação com a comunidade judaica foi também turbulenta. Uma das críticas que recebeu após o lançamento de “O Complexo e Portnoy” referia que aquele era o livro “pelo qual todos os antissemitas estavam a rezar”.

Phiplip Roth sobreviveu no final dos anos 60 a uma apendicite e a uma depressão quase suicida em 1987. Revisitou esse tempo em Os Fatos, Pastoral Americana, entre ouros trabalhos.

Numa entrevista à revista The New Yorker em 2000, o escritor antecipava o “fim da era literária”. “A evidência está na cultura, a evidência está na sociedade, a evidência está na tela, na progressão para a tela de cinema, para a tela da televisão, para a tela do computador”, referia.

Philip Roth considerava, na mesma entrevista, que a literatura “precisa um hábito mental que desapareceu”

“Requer silêncio, alguma forma de isolamento e concentração constante, na presença de algo que é enigmático. É difícil lidar com um romance maduro e inteligente”, considerava ainda o autor.

Em O Teatro de Sabbath, publicado em 1995, o escritor imaginou a inscrição que teria a sua lápide: “Sodomita, Abusador de Mulheres, Destruidor de Caracteres”.

Numa entrevista ao New York Times no início do ano, Philip Roth descreveu a sua experiência de mais de 50 anos de escrita: “Exultação e gemidos. Frustração e liberdade. Inspiração e incerteza. Abundância e vazio. Ardente e confusa”.

As 5 dicas de leitura de Bill Gates para esta temporada

0

O bilionário e criador da Microsoft, Bill Gates. A cada verão, uma nova lista de sugestões de leitura. (Foto: Divulgação)

 

Livros sugeridos discutem grandes questões. Por que coisas ruins acontecem a pessoas boas? O que move os gênios?

Publicado na Época Negócios

Todos os verões (no hemisfério Norte, o verão começa agora), o bilionário fundador da Microsoft, Bill Gates, compartilha em seu blog uma lista com cinco sugestões de leitura para a estação. Normalmente, são títulos que têm como pano de fundo a discussão de grandes questões. Este ano, os temas vão de o que move os gênios até a origem e o futuro da humanidade, passando por questões como por que coisas ruins acontecem a pessoas boas? “Apesar dos temas serem pesados, todos os livros são divertidos de ler, e a maioria deles são curtos. Mesmo o mais longo vai rápido”, garante Gates, em seu blog.

A seguir, confira os cinco títulos recomendados pelo bilionário:

1. Leonardo da Vinci, de Walter Isaacson.

“Da Vinci realmente define o termo Homem da renascença”, diz Gates, no curto vídeo em que justifica suas escolhas. O que diferencia o livro de Isaacson de outros escritos sobre o italiano, para o empresário, é a forma como explica o que fez de Da Vinci uma figura tão excepcional. “Apesar de ser mais conhecido hoje como pintor, Leonardo tinha uma gama absurdamente ampla de interesses, da anatomia humana ao teatro”, diz Gates. “Acho que Leonardo foi uma das pessoas mais facinantes da história”. Isaacson também é autor de biografias de Steve Jobs, Albert Einstein e Benjamim Franklin, todas com tradução em português.

2. Tudo acontece por uma razão e outras mentiras que eu amei [Everything happens for a reason and orthers lies I’ve loved, de Kate Bowler

Tudo acontece por uma razão e outras mentiras que eu amo é um livro de memórias e reflexões em que Kate Bowler, professora da Duke Divinity School, compartilha experiências sobre sua vida depois de descobrir um câncer em estágio avançado e incurável. “Ela tenta entender por que isso aconteceu. Se pergunta se é um teste de caráter?”, escreve Gates. “O resultado são memórias de partir o coração, surpreendentemente engraçadas, sobre fé e sobre como encarar a própria mortalidade”.

3. Lincoln no Bardo [Lincoln in the Bardo], de George Saunders

Primeira novela de Saunders, o livro venceu o Man Booker Prize do ano passado. Ficcional, a história se passa em um cemitério, na noite em que Abrahan Lincoln visita o túmulo do filho Willie, morto aos 11 anos, de febre tifoide. É basicamente uma longa conversa entre 166 fantasmas, incluindo o filho de Lincoln, que traz fatos históricos relacionados a Guerra Civil americana e elementos fantásticos, resume Gates. “Tive uma nova visão do modo como Lincoln deve ter sido esmagado pelo peso da dor e da responsabilidade. Este é um daqueles livros fascinantes e ambíguos que você vai querer discutir com um amigo quando terminar”, escreveu.

4. História da origem: A grande história de tudo [Origin Story: A Big History of Everything], de David Christian

O livro de David Christian é, como diz o título, um grande panorama da história de tudo, do Big Bang até as sociedades complexas de hoje, reunindo insights e evidências de diversas disciplinas em uma narrativa única. “David criou meu ‘prato predileto’”, escreve Gates. “Se você ainda não conhece a Grande História, Orign Story é uma ótima introdução. Se sim, é uma excelente atualização. De qualquer forma, o livro vai deixá-lo com uma apreciação melhor do lugar da humanidade no universo”.

5. Factfulness, de Hans Rosling, com Ola Rosling e Anna Rosling Ronnlund

O livro já havia sido recomendado por Gates em abril. Na visão do empresário, Hans oferece aos leitores uma forma totalmente nova de compreender verdades básicas a respeito do mundo, apontando onde a vida está melhorando e onde ainda é preciso agir. Hans Rosling, que morreu no ano passado, ilustra o livro com anedotas sobre a própria vida. “É um dos melhores livros que eu já li”, afirma o empresário.

Hap & Leonard é cancelada após a 3ª temporada

0

Marcel Plasse, na Pipoca Moderna

O canal pago americano Sundance TV cancelou “Hap & Leonard”, após três temporadas. A adaptação televisiva dos livros de Joe R. Lansdale era sucesso de crítica e uma das melhores audiências do canal.

O próprio Lansdale e o produtor John Wirth anunciaram o cancelamento no Twitter, sem explicar o que levou o canal a interromper a produção.

A série foi criada pelo diretor Jim Mickle e o roteirista Nick Damici, responsáveis pelo terror “Somos o que Somos” (2013), e adapta a coleção literária homônima, iniciada em 1990 por Landsdale (que foi roteirista da série animada do “Batman”). Vale lembrar que a mais recente parceria da dupla foi o suspense “Julho Sangrento” (2014), que por sinal também é uma adaptação de livro de Landsdale.

Passada nos anos 1980, “Hap and Leonard” girava em torno da improvável amizade entre Hap Collins (James Purefoy, da série “The Following”), um homem branco da classe operária que é enviado para a prisão por se recusar a prestar o serviço militar, e Leonard Pine (Michael Kenneth Williams, de “Boardwalk Empire”), um gay negro e veterano da guerra do Vietnã com problemas para controlar sua raiva. Ambos são experts em artes marciais e se unem para solucionar crimes brutais na cidade fictícia de LaBorde, no Texas.

Cada temporada da série adaptou um livro diferente de Landsdale – “Mucho Mojo”, “Savage Season” e “The Two-Bear Mambo”, respectivamente.

A 3ª temporada tinha 100% de aprovação no site Rotten Tomatoes e exibiu seu último episódio em 11 de abril diante de 174 mil telespectadores ao vivo. Parece pouco, mas é mais que os 149 mil que acompanharam o final de “Rectify”, a série de maior repercussão do Sundance TV, que durou cinco temporadas nos Estados Unidos.

As Crônicas Vampirescas | Bryan Fuller deixa a produção da série de TV de Anne Rice

0

Gage Skidmore/Wikicomons

Motivo da saída não foi divulgado

Arthur Eloi, no Omelete

O roteirista Bryan Fuller deixou a produção da série de TV de As Crônicas Vampirescas, obras de Anne Rice que inspiraram A Entrevista com o Vampiro, clássico de 1994. A informação é do Nerdist.

O motivo da saída não foi divulgado, mas o desenvolvimento da série continua. Essa dificilmente é a primeira vez que Fuller faz algo parecido: o produtor também deixou Star Trek: Discovery e Deuses Americanos no passado.

Em 2017, a Paramount TV e a Anonymous Content adquiriram os direitos aos 11 livros da autora. “O rico e vasto mundo que ela criou com As Crônicas Vampirescas é incomparável e sofisticado, com tons góticos dos anos 90 que serão adequados perfeitamente para o público. A série é recheada de personalidades atraentes liderados por Lestat, indiscutivelmente um dos melhores personagens originais da literatura ou qualquer outra arte”, afirmou Powell à Variety na época.

As histórias da autora já chegaram aos cinemas com A Entrevista Com Vampiro, longa lançado em 1994 com Brad Pitt e Tom Cruise no elenco. Em 2016, Josh Boone havia anunciado que estava trabalhando no roteiro de um remake, mas com a autora recuperando os direitos de seus livros o longa está travado. A Rainha dos Condenados, de 2002, também é baseado nas histórias de Rice.

Ainda não há data de estreia, título ou emissora definida para a série de TV das Crônicas Vampirescas.

Go to Top