Ansiedade 3 - Ciúme

Posts tagged Menino

Policiais compram material escolar para menino que achou mochila no lixo em GO

0
Soldados deram "kit" a menino que procurava material escolar no lixo em Rio Verde (GO)

Soldados deram “kit” a menino que procurava material escolar no lixo em Rio Verde (GO)

 

Jéssica Nascimento no UOL

Dois soldados da Polícia Militar de Rio Verde, no interior de Goiás, estavam em serviço de radiopatrulha quando encontraram um menino removendo o lixo em busca de material escolar em frente a uma empresa que compra sucata. Denilton Souza, 28, e Paulo Henrique Aires, 27, foram surpreendidos com a alegria de Gabriel, de apenas seis anos, ao encontrar uma mochila azul rasgada. Emocionados, decidiram fazer uma surpresa ao garoto e compraram roupas, um par de tênis e diversos objetos para a escola.

No kit presenteado pelos PMs, estava um par de tênis

No kit presenteado pelos PMs, estava um par de tênis

Na última segunda-feira (16), por volta das 8h, Gabriel fazia companhia para a avó, Zilda Silva, que aguardava uma empresa que compra materiais recicláveis – já que a renda da família vem de lá. Após encontrar o garoto, a surpresa dos PMs ocorreu no mesmo dia: no começo da noite, a dupla foi até a casa da família entregar os materiais escolares.

A solidariedade dos profissionais começou com uma pergunta do soldado Denilton Souza. Curioso. Ele questionou a criança o que faria com a mochila, que já estava destruída.

O Gabriel me disse que ia estudar. Quando abri a mochila, havia um tênis velho, sem cadarço e com a numeração abaixo do pé dele.”

O policial conta que ficou emocionado com o garoto por lembrar as dificuldades que passou na infância. Desde os sete anos, Denilton vendia jujuba, picolé e até engraxava sapatos para comprar cadernos e livros para a escola. “Eu não vim de uma família rica, né? Então sempre soube que estudar era minha única opção e ser policial sempre foi meu sonho. Em frações de segundos, segurando a mochila, foi possível recordar de tudo isso”, disse ao UOL.

Em uma visita ao comércio da região, os policiais conseguiram arrecadar lápis de cores, canetinha, apontador, tesoura, régua e cola. Além disso, os soldados também doaram uma caminhonete de brinquedo com a caracterização da Polícia Militar. A surpresa só foi possível com a ajuda de comerciantes na região que doaram vários materiais.

Gabriel posa com "kit" ganho de policiais

Gabriel posa com “kit” ganho de policiais

“Ficamos muito felizes em ver os brilhos nos olhos do Gabriel ao receber todos os presentes e sem dúvida foi muito gratificante em saber que ajudamos uma pessoa tão importante. Com certeza mudamos algo para o futuro dele”, disse Paulo Henrique. Segundo a avó, as aulas de Gabriel iriam começar na próxima semana e ele só tinha um apontador de lápis que havia ganhado de uma vizinha.

“Agradeço muito aos policiais militares. Felizmente, meu neto vai conseguir estudar com dignidade. Ficamos muito emocionados, principalmente o Gabriel que é encantado com a PM”, disse a avó.

O garoto estuda no segundo ano do colégio público “Dona Gercina”, dedicado a alunos especiais. O menino é hiperativo e toma medicação controlada.

Menino de 7 anos lê 88 livros em 2016: ‘a gente conhece um novo mundo’

0
Cadu é acostumado a ler desde os quatro anos de idade (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Cadu é acostumado a ler desde os quatro anos de idade (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

 

Morador de Palmas, Carlos Eduardo lê desde os quatro anos.
Ele também já escreveu quatro obras, que ainda não foram publicadas.

Publicado no G1

Um menino de 7 anos, morador de Palmas, conseguiu ler 88 livros só este ano. Carlos Eduardo, o Cadu, como gosta de ser chamado, lê desde os quatro anos. O amor pelos livros nasceu dentro de casa, já que a mãe Dark Luzia dos Santos também é apaixonada pela leitura. (Veja o vídeo)

“A gente pode rir de novas piadas, tem novas aventuras. A gente conhece um novo mundo na leitura”, diz o menino.

No decorrer do ano, a mãe anotou todas as obras lidas pelo filho. Ao final, ela se impressionou com a quantidade.

Carlos Eduardo leu 88 livros só este ano (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Carlos Eduardo leu 88 livros só este ano
(Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

“O objetivo não era contabilizar os livros, não tínhamos esse interesse. A escola cobrava uma ficha literária, que eu fui preenchendo. Quando eu me assustei já tinham seis fichas preenchidas. Eu fui contar aí fui entender que ele tinha lido esse tanto de livro”, relatou Dark.

De tanto se dedicar, Cadu decidiu que era hora de colocar as próprias ideias no papel. Ele já escreveu quatro livros. Por enquanto, é só um esboço. “Minha mãe teve a ideia de eu escrever livros. Eu me inspirei e gostei da ideia”.

Apesar de as histórias do filho ainda não terem sido publicadas, a mãe comemora o avanço. “Muito orgulhosa porque quando eu tinha o dobro da idade dele, eu fiz um livro de poesia. Eu tinha o sonho de escrever e acabei não desenvolvendo isso. Vendo o Carlos Eduardo, para mim é como se eu estivesse me realizando”.

Longe de chegar à faculdade, Cadu já sabe o que quer para o futuro. “[Quero ser] doutor e pastor. Doutor em tirar nenem da barriga. Escritor eu já sou”, conclui sorrindo.

Presos devem erguer biblioteca para menino que arrecada livros em MT

1
Jefferson Gabriel da Silva Melo, de 12 anos (Foto: Maria Anffe/GcomMT)

Jefferson Gabriel da Silva Melo, de 12 anos
(Foto: Maria Anffe/GcomMT)

 

Detentos devem ganhar um salário mínimo para construir prédio.
Jefferson da Silva Melo, de 12 anos, já tem aproximadamente 6 mil livros.

Publicado no G1

O sonho de Jefferson Gabriel da Silva Melo, de 12 anos, de construir uma biblioteca comunitária está mais perto de se tornar realidade. Isso porque parte dos recuperandos do sistema prisional de Cuiabá devem servir como mão de obra para a construção do prédio da biblioteca. O menino arrecada livros onde mora, no Distrito de Bonsucesso, em Várzea Grande, região metropolitana da capital. O intuito dele é aproximar os jovens da comunidade do mundo da leitura.

A construção da biblioteca é um projeto do Núcleo de Ação Voluntárias de Mato Grosso (NAV-MT), em parceria com a Secretaria estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).

Para a construção do prédio, a Sejudh liberou parte dos recuperandos do sistema prisional da capital. Os presos devem receber o pagamento de um salário mínimo para trabalharem na construção da obra.

Os detentos devem ficar fora do Centro de Ressocialização de Cuiabá por cinco horas e depois retornarem. O prédio construído para abrigar os livros arrecadados por Jefferson deve ser construído na frente da residência do menino.

Sensibilizada com a história de Jefferson, a coordenadora do NAV-MT, Samira Martins, resolveu apoiar o projeto.“Ele é um menino encantador que sempre gostou de ler e estudar, além de incentivar isso em sua comunidade”, disse.

Ainda não há uma data definida para o início das obras, mas saber que o sonho vai ganhar forma deixou o garoto contente. “Eu fiquei muito feliz quando soube que eu vou conseguir realizar meu sonho”, contou.

Jefferson já arrecada os livros há algum tempo. O prédio para abrigar as obras é o grande sonho do menino. Desde que começou a receber os livros, Jefferson abriu as portas da própria casa para incentivar a leitura nos vizinhos. Ele já conseguiu juntar aproximadamente seis mil livros, que estão distribuídos no centro comunitário e na casa dele.

A inspiração para criar a biblioteca veio da própria comunidade. Jefferson diz que grande parte dos adolescentes da idade dele não gosta de ler e que, com a construção da biblioteca, a situação poderá mudar, além de auxiliar os alunos nos estudos e pesquisas escolares. Entre jogar futebol ou ler um livro, o adolescente garante que prefere a leitura.

Menino de 2 anos aprende a ler o alfabeto e a contar

0

Garoto de Mauá, no ABC, teve ajuda de aplicativo de celular.
Segundo especialista, tecnologia ajuda a desenvolver habilidade precoce.

arthur

Publicado no G1

Um menino de Mauá, no ABC, surpreendeu os pais ao ler as letras e pronunciar alguns números. Com apenas 2 anos e 7 meses de idade, Arthur Nunes Almeida já sabe escrever, além do seu, os nomes da mãe e da irmã, e contar até 50.

Tudo começou com um aplicativo educativo que seu pai, o vendedor José Adriano Gomes Almeida, de 38 anos, baixou no celular para distrair o menino. O programa incentiva a criança a fazer, com o dedo, o contorno da letra. Como recompensa pela tarefa concluída, o aplicativo faz sons divertidos e indica algumas palavras que começam com a letra.

O programa prendeu a atenção de Arthur. “Ele troca a chupeta pelo tablet”, brincou Almeida. Os primeiros indícios do aprendizado do garoto surgiram em um supermercado. “Ele começou a apontar para as letras dos cartazes de promoções e disse: ‘Olha, pai, esse é o A. Olha, aquele é o E’”, disse.

O pai decidiu, então, incentivar, sentando ao lado do garoto para ensiná-lo os números, os sinais matemáticos e as formas geométricas, como quadrado, círculo e triângulo.

Facilidade
Apesar de surpreender, a facilidade em aprender é algo comum para os pequenos, segundo especialistas ouvidos pelo G1. “As crianças prestam atenção a várias coisas, aprendem o tempo todo e fazem ‘leituras’ do mundo. Isso não significa que elas vão sair por aí lendo tudo ou fazendo contas, que são processos complexos. E a aprendizagem demanda tempo”, disse a pedagoga Maria Letícia Nascimento, professora do Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

Especialista em neurociência e psicologia aplicada e fundadora do Instituto Brasileiro de Superdotação e Alterações do Neurodesenvolvimento, Claudia Hakim lembra que a tecnologia atual, disponível cada vez mais cedo para a nova geração, ajuda a desenvolver esse tipo de habilidade. “Hoje em dia, com a informatização e o uso de tablet, tem sido cada vez mais comum. Há muitos relatos desse tipo de precocidade.”

As especialistas, porém, ressaltam que a parte social não pode ser abandonada. “Pesquisas indicam que as aprendizagens sociais são mais interessantes nessa idade”, disse Maria Letícia. Ela cita principalmente o convívio com pessoas da idade do menino. “Há um conjunto de relações sociais a serem aprendidas por meio das brincadeiras e jogos com outras crianças.”

Para ela, os pais do menino devem reconhecer como interessante esse aprendizado, mas não supervaloriza-lo. Mesma opinião é defendida por Claudia. “Privar do social leva a mais dificuldades. É um desafio, mas tem que priorizar o social também.”

Estudante de 14 anos ensina pai, avó e vizinhos a ler em zona rural de GO

0

4263351_x360

Garoto montou uma sala de aula improvisada para lecionar em povoado.
Com sonho de ser pedagogo, ele é monitor de leitura na escola que estuda.

Publicado no G1

Quando terminam as aulas do estudante Janiel Vieira, de 14 anos, no período da manhã, ele começa uma nova maratona no povoado de Cabeceira Alta, a 80 km de Rio Verde, no sudoeste de Goiás. Após adquirir aprendizados na escola, ele usa o período da tarde para repassar o que sabe aos outros. Foi desta forma que ele alfabetizou o pai, a avó e alguns vizinhos da comunidade rural onde vive.

O adolescente, que sonha se formar em pedagogia, improvisou um espaço no fundo do quintal de casa e criou sua própria sala de aula. Com livros doados pela escola onde estuda, ele ensina um grupo a ler e escrever. “No momento em que estou ensinando, também estou aprendendo. Vou levar isso para o resto da minha vida”, diz o menino.

Além da leitura, o pai de Janiel, o trabalhador rural Jerônimo Vieira, também aprendeu matemática com o filho. “A divisão eu aprendi com ele. Não sabia nada e com ele eu aprendi muito”, diz, orgulhoso.

Já a aposentada Claudina Cabral, avó de Janiel, teve o privilégio de receber aulas particulares. Com livros emprestados e usando as paredes de placa como quadro negro, ela aprendeu a ler. “Depois que ele começou a me dar aula, eu melhorei muito. Fico muito entretida com as aulas dele”, conta.

Monitor
O estudante ainda concilia as aulas na comunidade com o cargo de monitor para alunos menores na escola. Uma das atividades que ele mais gosta é o cantinho de leitura, onde mostra às crianças que é possível viajar mesmo sem sair de onde está.

“Ele ajuda a gente a aprender algumas palavras que a gente ainda não sabe. É uma coisa diferente, onde a gente nunca foi e pode ir ao mundo da leitura”, diz Adriele Cabral, de 8 anos.

Professor de Janiel, Renato Prado não mede elogios ao falar do garoto e conta que vai tentar ajudá-lo em seu maior desejo. “Ele tem o sonho de fazer pedagogia e voltar para Cabeceira Alta como professor. Nós vamos abrir todas as portas e incentivá-lo sempre que possível”, diz.

Além de dar aulas para comunidade, Janiel ainda é monitor de leitura (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Além de dar aulas para comunidade, Janiel ainda é monitor de leitura (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Go to Top