Notas de Liberdade

Posts tagged Museu

Museu de Nova York oferece mais de 400 livros para download grátis

0
Museu de Nova York oferece mais de 400 livros para download grátis  |  Fonte: Shutterstock

Museu de Nova York oferece mais de 400 livros para download grátis | Fonte: Shutterstock

 

MET (Metropolitan Museum of Art) tem acervo de livros e imagens para download grátis

Publicado no Universia Brasil

Você é um apaixonado por artes? Então, vai gostar de saber que o Metropolitan Museum of Art (MET) de Nova York, um dos mais famosos museus de arte do mundo, liberou mais de 400 livros sobre o tema para download e de graça!

As obras foram publicadas entre 1964 e 2013 e contam com biografias de nomes como Pablo Picasso, John Singer Sargent e Georgia O’Keeffe. Para localizar a figura sobre a qual você quer ler, basta buscar pelo nome do autor, obra, artistas ou palavras-chave que estejam relacionadas. Também é possível buscar de acordo com a temática ou departamento.

Os interessados também podem acessar um acervo de mais de 400 mil imagens liberadas pelo museu recentemente. Boa parte delas está em alta resolução. A única exigência do museu é que, tanto os livros quanto as imagens, não sejam utilizados para fins comercias, uma vez que eles podem estar atrelados a direitos autorais.

Conheça o primeiro museu dedicado à Terra Média de J.R.R.Tolkien!

0

museu-Greisinger

Camila Cruz, no Garotas Geek

Um museu inteirinho dedicado às obras do escritor J. R. R. Tolkien?! Existe! E não é ficção! ♥

Numa toca no chão vivia um hobbit. Não uma toca desagradável, suja e úmida, cheia de restos de minhocas e com cheiro de lodo; tampouco uma toca seca, vazia e arenosa, sem nada em que sentar ou o que comer: era a toca de um hobbit, e isso quer dizer conforto.
A toca tinha uma porta perfeitamente redonda como uma escotilha, pintada de verde, com uma maçaneta brilhante de latão amarelo exatamente no centro. A porta se abria para um corredor em forma de tubo, como um túnel…

Agora imagina que dentro dessa toca existem 11 salas repletas das coisas mais fantásticas do universo tolkieniano obtidas ao longo da vida de Bernd Greisinger, um gerente de banco aposentado, que se especializou nas histórias da Terra Média e transformou sua coleção em um museu.

A entrada do Museu Greisinger, o primeiro do mundo dedicado à obra do J. R. R. Tolkien .

A entrada do Museu Greisinger, o primeiro do mundo dedicado à obra do J. R. R. Tolkien .

 

A toca O museu, fica localizado na pacata cidade de Jenins, pertinho de Zurique – Suíça, é considerado pelos especialistas a maior coleção de tesouros da Terra Média, com 3500 livros e 600 obras de arte!!! É o único museu dedicado exclusivamente aos trabalhos de Tolkien e suas adaptações.

Ao chegar no museu o visitante encontra as famosas portas verdes e redondas típicas das tocas Hobbits. A entrada baixinha, de apenas 1,5m, dá acesso a uma sala repleta de móveis rústicos de madeira e uma mesa coberta de mapas da Terra média. Greisinger se preocupou com cada detalhe para que o visitante se sinta em uma toca.

Um Hobbit em sua toca

Um Hobbit em sua toca

 

Guias fantasiados (as vezes até o próprio criador do museu) levam os visitantes através de salas que lembram cenas dos livros. A sala Gondor se estende por dois andares, com direito a uma escada em espiral e pilares de colunas brancas. Já a sala Wilderland oferece estátuas replicando as dos Portões de Argonath e uma instalação de quase 4 metros de altura do temível Balrog enfeita a sala de Moria.

Balrog! RUN, YOU FOOLS

Balrog! RUN, YOU FOOLS

 

No museu é possível encontrar relíquias, tais como livros raríssimos que só podem (mais…)

Maior colecionador de peças do ‘Harry Potter’ abre museu

1
 Maior colecionador sobre Harry Potter abre museu Foto: Reprodução Facebook

Maior colecionador sobre Harry Potter abre museu Foto: Reprodução Facebook

Local será aberto na Cidade do México. Jovem tem quase quatro mil peças da saga do bruxo

Publicado em O Dia

México – O bruxo mais famoso do mundo, o jovem e corajoso Harry Potter, acaba de ganhar mais um museu em sua homenagem. Aberto recentemente na Cidade do México, o local pertence a Menahem Asher Silva Vargas, conhecido como o maior colecionador de objetos da série de livros e filmes do mundo.

Em uma propriedade da família do “maior fã” da escritora britânica J. K. Rowling, estão expostos quase 4 mil itens do universo de Harry Potter, que vão de varinhas, vassouras e livros de feitiços a bonecos, esculturas de personagens e estátuas de mandrágoras e dragões.

Com cerca de 300 metros quadrados, a “Casa de Asher Potter” também recria cenários dos filmes, principalmente dos dois primeiros, “Harry Potter e a Pedra Filosofial” e “Harry Potter e a Câmara Secreta” e conta com uma cafeteria temática e uma pequena loja de lembrancinhas.

Menahem Asher Silva Vargas ficou conhecido por bater o recorde de maior coleção sobre o mundo do bruxo britânico e aparecer no Guinness Book em 2014, desbancando o norte-americano Jayne Gradel, que tinha “apenas” 807 peças.

Biblioteca do MNBA reabre no Rio modernizada e com recursos digitais

0
 Museu Nacional de Belas Artes (Wilson Dias/Agência Brasil)

Museu Nacional de Belas Artes (Wilson Dias/Agência Brasil)

Publicado no Brasil em Folhas

Um dos mais importantes acervos bibliográficos do país nos segmentos de artes visuais, museologia, arquitetura e história da arte dos séculos 19 e 20 está a partir de agora mais acessível ao público. Após dois anos de reforma, a Biblioteca Araújo Porto Alegre, do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) reabriu modernizada e com recursos digitais que facilitam a consulta ao seu acervo e ao do próprio museu.

Foram investidos na obra civil e no mobiliário R$ 700 mil, em recursos do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), do Ministério da Cultura. Emoldurado por telas dos pintores Raimundo Cela e Antonio Parreiras, o espaço de leitura conta com novas mesas e cadeiras, um balcão de atendimento e dois computadores conectados ao sistema Donato, que armazena o acervo museológico do MNBA.

Biblioteca Araújo Porto Alegre

Biblioteca Araújo Porto Alegre

Localizada no segundo andar do museu, a biblioteca é pouco conhecida dos visitantes das exposições permanentes e temporárias do MNBA, mas uma referência importante para estudantes e pesquisadores das artes. “Temos mais de 40 mil itens, 20 mil só de livros, muitos deles obras raras, e o restante periódicos especializados, catálogos de exposições nacionais e estrangeiras e clippings dos eventos realizados no museu desde o século passado”, explica a chefe da biblioteca, Mary Komatsu.

A biblioteca foi criada em 1940, três anos após a fundação do MNBA, e começou a ser formada a partir da doação feita por Rodolfo Amoedo (1857-1941), pintor e professor da Escola Nacional de Belas Artes, da qual se originou o museu. O nome homenageia o pintor, arquiteto, cenógrafo, caricaturista, poeta e diplomata Araújo Porto Alegre (1806-1879), pioneiro dos estudos de história e crítica da arte no Brasil.

Ao longo dos anos, o acervo da biblioteca foi recebendo outras importantes contribuições. Entre elas, as coleções particulares de críticos de arte e curadores, como Quirino Campofiorito, Walmir Ayala, Paulo Herkenhoff e Pedro Xexéo.

Segundo Mary Komatsu, outras melhorias estão para chegar nas próximas semanas. “São esperados novos arquivos deslizantes, que ampliarão a capacidade de armazenamento de publicações e acondicionamento do acervo arquivístico”, diz.

Lançamentos de livros e palestras também estão nos planos futuros para tornar o espaço mais frequentado pelos visitantes do museu. A Biblioteca Araújo Porto Alegre funciona de terça a sexta-feira, das 10h às 17h e a entrada é franca.

Desde o ano passado, o MNBA passa pela segunda fase de seu projeto de modernização, que prevê, entre outras ações, a requalificação e ocupação das cúpulas do prédio, que serão destinadas à arte contemporânea e a um bistrô. O museu fica na Avenida Rio Branco, 199, na Cinelândia, centro do Rio.

Estudante de 15 anos descobre erro de matemática em museu de ciência

0

Visitante viu sinal matemático de menos onde deveria haver o de mais.
Sinal estava em painel criado em 1981 para museu em Boston, nos EUA.

museum_math_error_jeff_taylor_ap_museum_math_error_fran

Publicado no G1

O estudante Joseph Rosenfeld, de 15 anos, descobriu um erro de matemática em uma exibição permanente no Museu de Ciência de Boston, nos Estados Unidos.

Ele percebeu o erro em uma equação que representa a famosa proporção ou razão áurea,chamada em inglês de “golden ratio”.

A equação era parte de uma exposição do museu dedicada ao mundo da matemática. O erro era simples: havia um sinal de menos onde deveria existir um sinal de adição.

o painel que continha o erro foi criado em 1981. Após perceber o erro, o estudante deixou um recado na recepção. Morador da Virgínia, ele visitava o espaço com suas tias. Ele recebeu uma carta do museu informando que iria mudar os sinais em três pontos do painel.

Em post no Twitter, a equipe do museu disse que ficou entusiasmada com o estudante e reconheceu sua perspicácia. O museu não divulgou imagens do painel onde o erro está reproduzido.

Go to Top