Sua Segunda Vida Começa Quando Você Descobre Que Só Tem Uma

Posts tagged novo

Padmé Amidala deve ganhar um livro no novo cânone de Star Wars

0

pdme

Claudio Gabriel, no Torre de Vigilância

A famosa Rainha Padmé Amidala, de Star Wars, que foi interpretada por Natalie Portman nos filmes da saga, deve ganhar um livro seu no novo cânone da franquia criada por George Lucas.

Nenhum grande detalhe sobre a história, título ou até mesmo quem o escreveu foi revelado, mas, a informação foi confirmada devido a ser um dos principais lançamentos programados da Panini Alemanha para o próximo ano. O único detalhe descoberto é que a obra deve se passar entre o Episódio I e II.

21752120_10155984729956294_5951488012281969590_n_qJX51kS

A Lucasfilm têm dado um espaço cada vez maior para personagens femininas no novo universo de Star Wars, com grandes participações, principalmente, de Rey e Leia, que têm protagonizado alguns grandes livros lançados recentemente, como é o caso de Legado de Sangue, da Editora Aleph. Além delas, Ashoka Tano também pode ganhar um livro para chamar de seu em breve.

Star Wars: Os Últimos Jedi estréia no Brasil em 14 de dezembro desse ano.

Tom Hanks lança ‘Tipos Incomuns’, seu livro de contos

0
Autor/ator. 'Vivemos o momento em que um novo, digamos, código de ética vai ser instalado, exigindo que todos sejam mais sábios', disse, sobre o affair Weinstein Foto: Jake Michaels/The New York Times

Autor/ator. ‘Vivemos o momento em que um novo, digamos, código de ética vai ser instalado, exigindo que todos sejam mais sábios’, disse, sobre o affair Weinstein Foto: Jake Michaels/The New York Times

Publicado no Estadão

Até Tom Hanks ficou impressionado. Mas não foi uma celebridade que despertou a admiração do vencedor de um Oscar de melhor ator. Foi um documento. No mês passado, durante uma visita VIP à coleção do Arquivo Nacional dos Estados Unidos, Hanks se aproximou da Constituição americana, exposta dentro de uma caixa de vidro. Fã apaixonado e confesso de história, ele cobriu os olhos com as mãos e recitou de cor o preâmbulo da Constituição.

Parece que a Fundação do Arquivo Nacional escolheu o destinatário certo para sua maior honra, o Prêmio Records of Achievement, concedido a indivíduos “cujo trabalho cultivou uma maior consciência nacional sobre a história e a identidade dos Estados Unidos, por meio do uso de registros originais”. Hanks foi reconhecido por seu trabalho como contador de histórias americano, tanto nas telas quanto fora delas, como cineasta, filantropo e, agora, autor.

É dele Tipos Incomuns, seleção de histórias curiosas que agora é lançada pela editora Arqueiro. São casos em que o autor lança um olhar ao mesmo tempo atento e carinhoso: o caso agitado entre dois grandes amigos, um ator medíocre que se torna uma estrela, o colunista de uma pequena cidade que revela um ponto de vista antiquado e até a história de quatro amigos que viajam à Lua em um foguete construído num fundo de quintal. Em comum, os contos têm uma máquina de escrever que desempenha um papel na trama.

Quase 250 fãs de história festejaram Hanks numa noite de sábado de outubro, com um jantar de black-tie e um debate ao vivo com o documentarista Ken Burns, também homenageado pelo Arquivo. “Devemos louvar com orgulho o excepcional serviço que nosso homenageado prestou às histórias do nosso país”, disse Burns no palco. “Em cada personagem que encarnou, em cada gesto e cada respiração, ele nos lembrou que não existem pessoas comuns.”

Hanks diz que leva muito a sério seu papel como uma espécie de professor de história dos Estados Unidos. “Você tem de ficar escolhendo a dedo os detalhes precisos e verdadeiros do modo de ser e se comportar, porque, para o bem ou para o mal, as pessoas vão olhar e dizer: ‘Ah, isso é o que realmente aconteceu naquela época’”, disse Hanks, em uma entrevista no tapete vermelho. “E, quanto mais você acerta, melhor o serviço que você presta”.

Colecionador de máquinas de escrever e descendente distante do presidente Abraham Lincoln, Hanks também é um voraz leitor de história (atualmente está lendo Homo Deus, de Yuval Noah Harari). Hanks também falou sobre sua preparação para viver o lendário editor Ben Bradlee no próximo filme de Steven Spielberg, The Papers.

Até agora, ele já devorou todos os livros, filmes e relatos que lhe passaram pelas mãos. Também teve uma conversa em particular com a viúva de Bradlee, Sally Quinn, veterana escritora do Washington Post, para saber de “outros tipos de detalhes” que não podem ser obtidos pelos papéis e vídeos.

Ao estudar um novo personagem, “você tenta destilá-lo até uma essência que você pode levar consigo todos os dias”, disse Hanks. “Ben Bradlee sabia que era o cara mais bacana do pedaço porque amava seu trabalho e sabia que tinha um grande poder de persuasão. Ele sabia que era bom em algumas coisas, mas acho que, mais do que isso, ele adorava essas coisas”.

Ele também abordou polêmicas atuais, como a troca de farpas entre o presidente Donald Trump e a deputada democrata Frederica S. Wilson, da Flórida, a respeito do tom de um telefonema de condolências para a família de um militar americano morto em combate.

“Se você me perguntar, vou dizer que me parece uma das maiores mancadas do planeta Terra”, disse Hanks. “É uma tragédia que tem grandes consequências, e vai muito além das manchetes. É muito triste.”

Quando questionado sobre as recentes acusações de abuso sexual contra o produtor de Hollywood Harvey Weinstein, ele disse que este é um “momento decisivo”, não apenas para as mulheres do mundo artístico, mas também para mulheres de todos os campos de trabalho. “Vivemos o momento em que um novo, digamos, código de ética vai ser instalado, exigindo que todos sejam mais sábios e comecem a prestar mais atenção e, quem sabe, até obedecer? Acho que sim”, disse Hanks.

Ele sugeriu que as pessoas recorram ao Arquivo em busca de orientação para lidar com o mundo tumultuado de hoje. “As pessoas estão aborrecidas com tudo que está acontecendo. Estão furiosas, estão frustradas, estão cansadas”, disse Hanks no palco. “Eu digo: bom, se você está preocupado com o que está acontecendo hoje, leia os livros de história e descubra o que fazer, porque está tudo lá.” / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Estreia

Tipos Incomuns é o primeiro livro de ficção Hanks, que já escreveu para o New York Times, a Vanity Fair e a New Yorker.

Professor faz da leitura novo meio de estudantes verem o mundo

0
Os estudantes têm 30 minutos, antes da aula, de contato com os livros e debate sobre os escritos e a própria realidade FOTOS MARIANA PARENTE/ESPECIAL PARA O POVO

Os estudantes têm 30 minutos, antes da aula, de contato com os livros e debate sobre os escritos e a própria realidade FOTOS MARIANA PARENTE/ESPECIAL PARA O POVO

A rotina de 150 alunos da Escola Municipal Raimundo Moreira Sena, no bairro Bom Jardim, passou a contar com a literatura como instrumento de formação e transformação social

Publicado em O Povo

Livros nas mãos e olhares atentos. É assim que os alunos da Escola Municipal Raimundo Moreira Sena, no Bom Jardim, começam o dia de aula às quintas-feiras. Durante 30 minutos, as crianças leem livros, cordéis, revistas e jornais impressos. É o projeto Confraria da Leitura.

A leitura que a gente desenvolve é lúdica. O aluno pode escolher um livro ou não. Ele não é obrigado, a gente quer que ele sinta o prazer”, define o idealizador da ação, o professor de história e cordelista João Teles Aguiar, 52.

A ação foi idealizada pelo professor e cordelista João Teles Aguiar e, hoje, é realizada em sete escolas

A ação foi idealizada pelo professor e cordelista João Teles Aguiar e, hoje, é realizada em sete escolas

O objetivo é ampliar as perspectivas dos jovens. Por isso, depois da leitura, o educador direciona um debate abordando o tema da leitura e a rotina dos jovens na comunidade. “É o que a gente chama de leitura de mundo. Isso possibilita à criança ler o entorno que ela vive de outra forma, que não seja ligada à violência”, relata.

A ação de incentivo à leitura deu fôlego ao aprendizado de 150 estudantes, de 6 a 14 anos. O projeto alcança crianças e adolescentes da região há 21 anos. Consegue estreitar a relação entre as comunidades e a literatura por meio de rodas de conversa, programas para a rádio-escola e esquetes teatrais e musicais. “Para uma criança que vive numa região onde não tem biblioteca, não tem grandes centros culturais, a leitura acaba sendo um viés para ter novas perspectivas”, expõe João.

Aluno do 5º ano, Paulo Roberto Sousa, de 12 anos, comemora a iniciativa implantada há cerca de um mês nesta escola. “O professor já chegou dizendo que ler é tudo. Ele incentiva muito a gente. E eu adoro ler, acho muito importante”, reconhece.

O professor João leva a confraria para as instituições em que trabalha. A escola Moreira Sena está entre as sete escolas de cinco bairros alcançadas pela iniciativa. A mais recente foi a Escola Municipal Demócrito Dummar, no Canindezinho. Lá, o projeto resultou na implantação de uma gibiteca. (Bruna Damasceno/Especial para O POVO)

A troca de livros está na moda e ganhou um novo fôlego com a internet

0

Escola-Secundária-de-Felgueiras-6

Publicado no Comunidade Cultura e Arte

Para fazer face à crise financeira foram criados uma série de movimentos que promovem a reutilização dos manuais. A fórmula é simples: oferecem livros escolares por todo o país a custo zero.

O Movimento pela Reutilização dos Livros Escolares – iniciativa informal de cidadãos que promove a criação e divulgação de bancos de recolha e troca gratuita de livros escolares em todo o país – é um desses exemplos e já conta com bancos de partilha distribuídos pelos 19 distritos do Continente e Açores, faltando apenas a Madeira.

Como funciona? Quem estiver disposto a doar os manuais só tem de se deslocar ao banco mais próximo e depositá-los. Já aqueles que precisam de recorrer à reutilização e querem dar-lhes uma segunda vida devem ir a um desses bancos verificar se os manuais de que necessitam estão disponíveis, sem qualquer custo associado.

Outra solução passa pelo “Sítio da Troca”, mas a política é ligeiramente diferente em relação ao anterior. Neste caso, os livros escolares usados são vendidos e comprados, em vez de doados e levantados de forma gratuita. São aceites para venda apenas livros escolares e auxiliares, não sendo possível vender livros que não sejam de uso escolar.

Já no site Manuais Usados pode comprar, vender ou trocar manuais escolares, livros escolares, universitários ou até livros de literatura usados. A utilização do portal é completamente gratuita e sem intermediários, cabendo ao utilizador fazer o registro e gerir o processo. Pode escolher os livros por ano ou por tipo.

Também pode recorrer ao Book in Loop, plataforma online que serve de intermediária para a compra e venda de manuais escolares usados do 5.º ao 12.º ano. Esta plataforma compra os livros a quem já não precisa e faz uma revenda. Os livros são vendidos por 40% do preço de venda ao público, sendo que quem vende recebe 20% e os restantes 20% vão para a Book in Loop.

O mercado em segunda mão também está a ganhar relevo. Por exemplo, o portal de classificados OLX apresenta várias referências na categoria de livros escolares. Isto significa que os portugueses estão a mudar os seus hábitos de consumo e que recorrem cada vez mais a outras alternativas – como os bancos de trocas ou o OLX – com vista a baixar a fatia do orçamento familiar que está reservada ao regresso às aulas.

Jovem é condenado a 20h de leitura por cometer crime na Alemanha

0

 

adult-1835799_960_720

Medida educativa foi determinada por tribunal de Munique

Joaquim Padilha, no Midiamax

Na Alemanha, um auxiliar de depósito de 19 anos foi condenado a ler por 20h por um tribunal de Munique, pelo crime de ter deixado sua moto com a placa sem totais condições de visibilidade. A condenação foi comunicada pelo tribunal na última sexta-feira (11).

O jovem admitiu a culpa e era reincidente do crime. Por causa da reincidência, a juíza responsável pelo caso admitiu que o réu “obviamente não aprendeu nada” com a primeira condenação, cometendo de novo “exatamente o mesmo ato e com a mesma motocicleta”.

Como medida educacional, a juíza determinou uma instrução de leitura para o jovem, alegando que agora o acusado deveria ser “motivado a se ocupar em nível intelectual com o seu ato”.

O jovem terá de realizar as leituras na Universidade de Munique, e deverá escolher os livros que mais combinam com seus interesses e sua vida. Ele ainda terá de dar entrevistas relatando o que leu, e relacionando o conteúdo com sua vida.

A medida se encerra com um trabalho em que o conteúdo da leitura e das discussões são “trabalhados em diversas formas criativas, como, por exemplo, contos, cartazes ou raps”.

Go to Top