Vencedores do prêmio Oceanos 2016: 1. José Luís Peixoto, com “Galveias”.(Companhia das Letras). 2. Juliàn Fuks, com “A Resistência” (Companhia das Letras). 3. Ana Martins Marques, com “O livro das semelhanças” (Companhia das Letras). 4. Arthur Dapieve, com “Maracanazo e outras histórias’ (Alfaguara).

Vencedores do prêmio Oceanos 2016: 1. José Luís Peixoto, com “Galveias”.(Companhia das Letras). 2. Juliàn Fuks, com “A Resistência” (Companhia das Letras). 3. Ana Martins Marques, com “O livro das semelhanças” (Companhia das Letras). 4. Arthur Dapieve, com “Maracanazo e outras histórias’ (Alfaguara).

 

Entre autores classificados, 31 são brasileiros, 19 são portugueses e um é angolano

Publicado em O Globo

SÃO PAULO – O Oceanos – Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa divulgou nesta terça-feira os 51 semifinalistas do concurso deste ano, que passou a contemplar obras escritas e editadas em português com primeira edição em 2016, publicadas em todos os países lusófonos e não lusófonos. O limite de 50 selecionados previsto no regulamento foi extrapolado em razão de empates nas últimas colocações. A lista completa está disponível no site do Itaú Cultural, no link dedicado à premiação literária.

Dos autores que tiveram obras classificadas, 31 são brasileiros (nove deles estreantes), 19 são portugueses (11 deles inéditos no Brasil) e um é angolano. Foram recebidas 1.215 inscrições, entre livros publicados no Brasil (1031), em Portugal (176), Angola (1), Moçambique (2) Cabo Verde (2), Espanha (2), Quênia (1).

Os estreantes brasileiros são os poetas Dimitri BR (“Ocupa”), Eliza Caetano (“O caderno das inviabilidades”), Franklin Alves Dassie (“Grandes mamíferos”) e Izabela Leal (“A intrusa”); os romancistas Martha Batalha (“A vida invisível de Eurídice Gusmão”), Paulliny Gualberto Tor (“Allegro ma non tropo”) e Pedro Cesarino (“Rio acima”), e as contistas Rejane Gonçalves (“Escrevo para dinossauros”) e Marcela Dantés (“Sobre pessoas normais”).

Apenas dois livros classificados foram publicados no Brasil e em Portugal: “Se o passado não tivesse asas”, do angolano Pepetela (editoras Dom Quixote e Leya Brasil) e “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, da brasileira Martha Batalha (Companhia das Letras e Porto Editora).

O júri inicial do Oceanos foi composto por 50 brasileiros e 15 portugueses. Este mesmo corpo de jurados escolheu os integrantes dos júris intermediário, que escolherá as 10 obras finalistas, e final, que vai determinar os quatro vencedores: Ana Mafalda Leite e António Guerreiro, de Lisboa; Beatriz Resende e Eucanaã Ferraz, do Rio de Janeiro; Eliane Robert Moraes, Heloisa Jahn e Mirna Queiroz, de São Paulo; e Maria Esther Maciel, Ricardo Aleixo e Sérgio Alcides, de Belo Horizonte.

A lista com os dez finalistas sairá na segunda quinzena de outubro, em data a ser definida, e os vencedores serão revelados em dezembro. O valor total dos prêmios em dinheiro é de R$ 230 mil, sendo R$ 100 mil para o primeiro lugar, R$ 60 mil para o segundo, R$ 40 mil para o terceiro e R$ 30 mil para o quarto.