PRAÇAS DA CIDADE

Posts tagged obra

Livro infantil de H.G. Wells, autor de clássicos de ficção científica, ganha versão traduzida por Peninha

0
Ilustração do livro "As Aventuras de Tommy" Foto: Editora Piu / Divulgação

Ilustração do livro “As Aventuras de Tommy” Foto: Editora Piu / Divulgação

“As Aventuras de Tommy”, única obra para crianças do renomado escritor britânico, é um lançamento da editora gaúcha Piu

Nathalia Carapeços, no Zero Hora

Em 1898, o escritor britânico H.G. Wells (1866–1946) foi obrigado a parar sua intensa produção literária por conta de um forte resfriado. Decidiu percorrer um longo trajeto de bicicleta entre duas cidades inglesas e foi surpreendido por um temporal. De cama na casa de um médico amigo, o autor repousou por alguns dias, mas não acusou melhora – na verdade, também descobriu que estava com problemas renais. Seis semanas desfalecido era tempo demais para um dos nomes pioneiros – e dos mais ativos – na ficção científica, criador de histórias como A Máquina do Tempo (1895), A Ilha do Dr. Moreau (1896) e A Guerra dos Mundos (1898). Bastaram alguns poucos lápis de cor furtados do quarto das crianças da casa para Wells mergulhar na história As Aventuras de Tommy, livro escrito e ilustrado pelo britânico que ganhou seu primeiro lançamento no Brasil pela editora gaúcha Piu, com tradução do jornalista Eduardo Bueno, o Peninha.

Wells endereçou a obra para Marjory, filha do doutor Henry Hick, seu médico – não havia expectativa de publicação. O volume só chegou às bancas em 1929, quando a jovem pediu autorização para lançar o livro e, com os recursos, pagar o final da faculdade de medicina. Única incursão de Wells pelo universo infantil, a obra mantém a marca imaginativa do autor com vasta produção para adultos (leia mais abaixo), opina Peninha:

– Era um presente para uma criança, assim como Alice no País das Maravilhas foi. Justamente por se sentir tão livre, tão franco e tão descompromissado, acredito que ele tenha acabado por revelar muito dos princípios que nortearam sua obra: um surdo conflito de classes, a decência e a ética em contraposição à arrogância e à prepotência e, é claro, o fator surpresa, o inesperado.

As Aventuras de Tommy parte do encontro de um homem rico, orgulhoso e desastrado com um menino que se torna seu salvador. O milionário iria morrer afogado, mas o garoto consegue ajudá-lo, resgatando-o com seu barco. E até na forma de agradecer o homem extravasa soberba: quer presentear o garoto com algo único e surpreendente – apesar da recusa insistente do guri. A recompensa escolhida é um elefante. Depois, os leitores são forçados a conviver com uma lacuna em parte triste e, por outro lado, convidativa. Ninguém sabe como se deu a parceria de Tommy e Augustus (o nome do exótico animal de estimação). Wells nunca continuou a história, apesar de levantar esta possibilidade no fim do livro.

– Não creio que o fato de ter virado uma história que não termina tenha sido algo voluntário. Acho que Wells deve ter achado que de fato continuaria. Mas, para quem compra o livro e o lê para uma criança, Tommy ser uma história sem fim se torna um prato cheio para que o adulto convide o pequeno leitor, ou o pequeno ouvinte, para que ele se torne coautor – avalia Peninha.

Esse é o segundo volume da Editora Piu, comandada por Paula Taitelbaum. O primeiro título lançado foi Bichológico, no ano passado, assinado pela própria Paula. Focada na literatura infantojuvenil, a editora terá mais duas novidades ainda neste mês: O Pequeno Patachu e Mais Histórias do Pequeno Patachu, do francês Tristan Derème, cuja obra teria inspirado Saint-Exupéry a escrever O Pequeno Príncipe.

H.G. WELLS PARA ADULTOS

A MÁQUINA DO TEMPO (1895)

 

Foto: reprodução / Divulgação

Foto: reprodução / Divulgação

Se hoje o DeLorean da trilogia De Volta para o Futuro ou a Tardis do seriado Doctor Who são chamadas de ¿máquinas do tempo¿, é porque Wells tornou o termo popular com este misto de aventura e alegoria crítica à revolução industrial. Um cientista inglês viaja para o futuro e encontra a humanidade dividida em dois estratos, os pacíficos Elois, que vivem em um éden tecnológico na superfície, e os abrutalhados Morlocks, responsáveis por operar no subterrâneo as máquinas que tornam tal paraíso possível. A relação entre as espécies, contudo, se prova mais complexa do que aparenta. No cinema, ganhou diferentes adaptações, como a de 1960, com Rod Taylor (foto acima), e a de 2002, assinada por Simon Wells, bisneto de H.G.Wells.

A ILHA DO Dr. MOREAU (1896)

Edward Pendrick, um viajante inglês, é abandonado pelo comandante de um navio em uma ilha remota no meio do Pacífico Sul, para a qual levou uma carga de animais vivos. Ele é resgatado pelos misteriosos moradores do lugar, o fisiologista Doutor Moreau e seu dúbio assistente Montgomery. Abrigado na ilha enquanto espera a improvável passagem de um novo navio, Pendrick toma ciência das inomináveis experiências de vivissecção que Moreau vem realizando para transformar animais em humanos. Embora a parte ¿científica¿ hoje possa soar fantasiosa, as discussões éticas e filosóficas levantadas pelo romance ainda são muito pertinentes. Entre as versões para o cinema estão a de 1932, com Charles Laughton, a de 1977, com Burt Lancaster, e a de 1996, estrelada por Marlon Brando.

A GUERRA DOS MUNDOS (1898)

Foto: Divulgação / Divulgação

Foto: Divulgação / Divulgação

Clássico da ficção científica que influenciaria boa parte das narrativas posteriores sobre ¿contatos alienígenas¿. Na Londres vitoriana, a chegada de marcianos a bordo de artefatos que caem do céu como meteoros prova que a humanidade não está sozinha no Universo. Crítico do colonialismo europeu de seu tempo, Wells intuía que esse tipo de contato, contudo, não seria de congraçamento e sim de conquista. Os marcianos logo estão empreendendo uma invasão em massa em veículos que se locomovem sobre três pernas e carbonizando tudo o que encontram em seu caminho. O livro inspirou vários filmes, como o clássico de 1953 dirigido por Byron Haskin e a releitura de 2005 assinada por Steven Spielberg e com Tom Cruise (foto acima) como protagonista.

Stephen King ganha disciplina dedicada à sua obra em universidade

0
US author Stephen King poses for the cameras, during a promotional tour for his latest novel, 'Doctor Sleep', a sequel to 'The Shining',  at a library in Paris, Wednesday,  Nov. 13, 2013. (AP Photo/Francois Mori)

 (AP Photo/Francois Mori)

Especialista em Shakespeare assume a cadeira na instituição onde o escritor se formou

Publicado em O Globo

RIO – A Universidade de Maine acaba de criar, em seu curso de Literatura, uma disciplina voltada para o estudo da obra de Stephen King — um de seus alunos mais ilustres. A professora Caroline Bicks, especialista em Shakespeare (e leitora de King desde a adolescência), assumirá a cadeira. Nos últimos anos, ela tem dedicado suas pesquisas a apontar a relevância da obra do autor de “Romeu e Julieta” nos dias de hoje, identificando ecos de seus trabalhos na cultura popular moderna.

Uma de suas reflexões propõe um paralelo entre a “puberdade mental” de Carrie — do livro “Carrie, a estranha”, primeiro romance publicado por King em 1973, três anos depois de se formar em Maine — e a Julieta de Shakespeare. O livro mais recente de Bicks tem como título, em tradução livre, “Shakespeare, não agitado: coquetéis para seu drama cotidiano” — uma brincadeira com o nome do dramaturgo inglês e a frase famosa de James Bond a respeito de seu martini, “shaken, not stirred” (“batido, não mexido”).

A disciplina da Universidade de Maine foi criada graças a uma doação de US$ 1 milhão da Fundação Harold Alfond. Em 2015, o autor de clássicos do suspense como “O iluminado” e “Louca obsessão” foi premiado pelo governo americano com a Medalha Nacional das Artes, como reconhecimento por sua contribuição à Literatura.

Conheça o livro que foi indicado por Bill Gates, Barack Obama e Mark Zuckerberg

0
NEW YORK, NY - SEPTEMBER 24:  Bill Gates, chairman and founder of Microsoft Corp., listens during the Clinton Global Initiative (CGI) meeting on September 24, 2013 in New York City. Timed to coincide with the United Nations General Assembly, CGI brings together heads of state, CEOs, philanthropists and others to help find solutions to the world's major problems.  (Photo by Ramin Talaie/Getty Images)

 (Photo by Ramin Talaie/Getty Images)

Publicado no Preparado pra Valer

É comum encontrar pessoas que deixaram de ler porque começaram a ter muitos afazeres, afirmando que simplesmente não conseguem encaixar um momento de leitura no seu dia a dia. Ainda assim, há um livro que administradores de grande renome indicam: “Sapiens: Uma Breve História da Humanidade”. Entre os leitores mais famosos da obra estão Bill Gates, Barack Obama e Mark Zuckerberg, que a consideraram essencial para qualquer pessoa. Mas afinal, do que trata esse livro de sucesso?

‘Sapiens’ estava no Clube do Livro de Mark Zuckerberg

A obra, escrita pelo israelense e professor de História Yuval Harari, mostra a evolução do homem desde a idade da pedra até o século XXI. No percorrer da narrativa, ele mostra o que fez com que a nossa espécie chegasse ao topo. Além disso, debate temas que vão de capitalismo a religião para mostrar o que diferencia o Homo sapiens dos demais animais.

O livro foi publicado em 2014 e se tornou um best-seller mundial, tendo sido traduzido para 26 idiomas. E a notoriedade aumentou ainda mais quando Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, colocou a obra no seu Clube do Livro Online, em 2015. Quando ia começar a leitura, ele chegou a declarar: “Sapiens é uma exploração contemporânea de várias questões similares. Não vejo a hora de ler essas diferentes perspectivas”.

Bill Gates recomendou o livro em seu site

A obra também entrou para o site “Gates Notes”, de Bill Gates. Em uma publicação feita no dia 17 de maio, o fundador da Microsoft colocou “Sapiens” em uma lista de cinco livros para ler no verão do Hemisfério Norte. E destacou que a obra foi lida também por sua esposa, Melinda.

“Tivemos ótimas conversar na nossa mesa de jantar. Harari assume um desafio assustador: contar toda a história da raça humana em apenas 400 páginas. Ele também escreve sobre a nossa espécie hoje e como inteligência artificial, engenharia genética e outras tecnologias irão nos mudar no futuro. Ainda assim, eu discordei de algumas coisas – especialmente quando Harari afirma que humanos eram melhores quando ainda não tinham começado a cultivar. Eu recomendaria ‘Sapiens’ a qualquer um que tenha interesse em história e no futuro de nossa espécie”, declarou Bill Gates em seu site.

Barack Obama considera a obra provocativa

Já o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama indicou o livro enquanto ainda estava no poder, durante uma entrevista à CNN. “É uma extensa história da raça humana, de 40 mil anos. E parte do que a torna tão interessante e provocativa é que, por ser uma história tão extensa, ele fala sobre algumas coisas fundamentais que nos permitiram construir essa maravilhosa civilização, que nós damos por garantida – mais do que dada. Mas ele nos dá um senso de perspectiva em como estamos há tão pouco tempo na Terra e o quanto coisas como agricultura e ciência são recentes. E por que faz sentido não acharmos que as coisas estão garantidas”.

por Ana Carolina Porto

Dia do Orgulho Nerd | O Dia da Toalha

0

ffff

Jhony Nicola, no Trecobox

Saiba mais sobre a origem de uma das datas mais importantes do universo geek e nerd

Dia 25 de maio é comemorado o Dia do Orgulho Nerd, também conhecido como Dia da Toalha. O nome é referência direta a série de livros Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams.

Douglas Adams, autor do Guia do Mochileiro das Galáxias.

Douglas Adams, autor do Guia do Mochileiro das Galáxias.

 

Trata-se de uma obra completa em cinco livros, sendo o quinto título escrito por Eoin Colfer, autorizado pelos hedeiros de Adams após sua morte em 2001.

Trilogia dos cinco livros. De Douglas Adams.

Trilogia dos cinco livros. De Douglas Adams.

 

Porque a toalha?

A toalha, tornou-se símbolo icônico da saga de Arthur Dent e seu companheiro extraterrestre Ford Prefect. Segundo o Guia do Mochileiro que Ford apresenta na obra ela é:

Um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido a seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias luas de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo desértico de Kakrafoon; pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas e pesadas do rio Moth; pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em um combate corpo a corpo; enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas ou para evitar o olhar da Terrível Besta Voraz de Traal (um animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você -estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz); você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro; e naturalmente pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa.
Porém o mais importante é o imenso valor psicológico da toalha. Por algum motivo, quando um estrito (isto é, um não-mochileiro) descobre que um mochileiro tem uma toalha, ele automaticamente conclui que ele tem também escova de dentes, esponja, sabonete, lata de biscoitos, garrafinha de aguardente, bússola, mapa, barbante, repelente, capa de chuva, traje espacial, etc, etc. Além disso, o estrito terá prazer em emprestar ao mochileiro qualquer um desses objetos, ou muitos outros, que o mochileiro por acaso tenha “acidentalmente perdido”. O que o estrito vai pensar é que, se um sujeito é capaz de rodar por toda a Galáxia, acampar, pedir carona, lutar contra terríveis obstáculos, dar a volta por cima e ainda assim saber onde está sua toalha, esse sujeito claramente merece respeito. – Guia do Mochileiro das Galáxias, Capítulo 3.

Assim, com a morte de Douglas Adams, fãs do autor, que não eram poucos, o homenagearam utilizando um símbolo icônico de sua obra, sendo a toalha a principal eleita.

E porque o livro?

Os livros contam com um enredo repleto de aventuras fictícias que são hit entre o público nerd e geek: Temas como leis da física, viagens interplanetárias, conhecimento aplicado sobre história e geografia da galáxia, descrição exímia de espécies e objetos criados pelo autor, faz com que a obra seja considerada uma “bíblia” que reforça como é o universo dessa tribo, retratando com muito humor coisas das quais mais gostamos.

E o que Star Wars tem a ver com isso?

Pois é caros. Coincidentemente, dia 25 de maio também é conhecido como dia do Orgulho Nerd, onde outro hit cativo entre nós ganhou destaque. Trata-se de Star Wars, que teve a premiére de seu primeiro filme ( Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança) nessa data, mais precisamente no ano de 1977. Atualmente o dia também ganha o nome de Dia do Orgulho Geek, que é uma ramificação da tribo do mesmo gênero mas com algumas características diferentes.

Cartaz promocional de Star Wars: Uma Nova Esperança.

Cartaz promocional de Star Wars: Uma Nova Esperança.

Contudo, o dia 25 de maio é um dia para se comemorar. A feliz mistura destas comemorações tornam legítimo e nosso um único feriado onde se celebra o orgulho de ser quem somos.

Seja você um gamer, um otaku, um viciado em HQs, um leitor voraz de Tolkien, um aficionado por séries ou um pouco de tudo isso, estamos todos num mesmo barco, numa mesma tribo.

Então bora sair para comemorar. As livrarias, os cafés, as lojas de games e promoções na internet estão fervilhando oportunidades!

Viva o dia do Orgulho Nerd!

Idosos escrevem autobiografias para serem lembrados por amigos e familiares

0
Clayton Fernandes, 63, escreve livro de memórias no escritório de sua casa, em São Paulo

Clayton Fernandes, 63, escreve livro de memórias no escritório de sua casa, em São Paulo

 

Chico Felitti, na Folha de S.Paulo

O fundo da gaveta superior de uma escrivaninha numa casa do Jabaquara, zona sul paulistana, esconde uma obra inédita. Está lá um livro, de 120 páginas, ainda sem título. “É a minha história. E as pessoas só vão ler depois que eu não estiver mais aqui para contar”, diz a autora, Maria, 78.

A escritora, que pediu para não ter o sobrenome publicado, é uma professora aposentada que resolveu colocar no papel sua trajetória.

“Falo da aflição que é criar os filhos. O medo que aquela responsabilidade traz”, afirma.

Mas na obra ela também versa sobre o prazer que foi lecionar por quatro décadas. “Dou conselhos para os meus netos. Coisas que acho que valorizarão mais quando forem mais velhos. A história se repete.”

Maria preparou-se para a tarefa, que já consumiu oito meses. Leu uma dúzia de biografias (entre elas as de Evita Perón e Garrincha) e fez cursos de escrita no Sesc. Em um deles, conheceu o engenheiro químico Clayton Fernandes, 63, que também trabalha nas memórias escritas. Ele, entretanto, quer ouvir as críticas.

O engenheiro iniciou a obra há uma década, com registros sobre a turma com quem trabalhou por 26 anos no IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas). Com tudo pronto, enviou os textos para os retratados, que gostaram e pediram mais.

Clayton passou, então, a escrever acerca da família. Escolheu a avó Elmira. “Tive uma convivência estranha com ela.” Os dois passavam as férias numa fazenda no sul de Minas. Eram três meses de pouquíssima troca de palavras. “Eu me lembro bem do dia em que assistimos juntos pela TV à chegada do homem à Lua. Ela não acreditava muito naquilo.”

Atualmente, ele se debruça sobre os anos que passou na Freguesia do Ó —ele chegou ao bairro da zona norte aos 11 anos de idade e só saiu de lá quando foi aprovado na USP. “É um exercício puxar a memória. Às vezes, vêm coisas das quais eu nem lembrava.” O manuscrito vai para os amigos do bairro.

Ele, que já escreveu contos e participou de um concurso literário da revista “Piauí”, agora concentra-se na não ficção. “Não sei exatamente por que eu faço isso. Talvez seja porque a gente é a coisa que a gente mais conhece.”

Go to Top