BKO WAVE SAÚDE

Posts tagged Personagem Principal

Mammy, de ‘E o vento levou’, vira heroína de romance

0

‘Ruth’s journey’ narra as origens da ama de leite do filme de 1939.
Hattie McDaniel, que fez o papel, foi a primeira negra a ganhar o Oscar.

Hattie McDaniel (esq.) e Vivien Leigh em cena de '...E o vento levou' (Foto: Divulgação)

Hattie McDaniel (esq.) e Vivien Leigh em cena de
‘…E o vento levou’ (Foto: Divulgação)

Publicado por G1

“Mammy”, a simpática e teimosa escrava que cuidava com zelo de Scarlett O’Hara em “… E o vento levou”, virou a personagem principal de um romance lançado com o consentimento dos herdeiros da escritora Margaret Mitchell, que publicou seu famoso livro em 1936.

O livro “Ruth’s journey” (A jornada de Ruth, em tradução livre), escrito por Donald McCaig e publicado este mês nos Estados Unidos pela Atria Books, não é uma continuação de “… E o vento levou”, e sim a história que o precede, a chamada “prequência”.

“É a reconstrução da vida de uma personagem famosa, cuja contribuição não foi devidamente apreciada ainda”, declarou à AFP o escritor americano de 74 anos.

No livro de Mitchell, que inspirou o filme cult de mesmo nome e que celebra este ano o 75º aniversário, Mammy sequer tem um nome real, afirma ainda o autor.

Mitchell chegou a ser acusada de racismo, mas, “na época, seria provavelmente impossível que uma escritora branca considerasse os negros tão importantes ou reais como os brancos”, explicou McCaig.

É assim que “Mammy” vira Ruth, em referência ao personagem bíblico que é símbolo da fé e fidelidade.

A partir de uma menção às origens francesas da ama de leite de Scarlett, o autor imaginou a infância em Saint-Domingue – ex-colônia francesa que virou o Haiti – da futura babá, uma órfã acolhida por um casal de franceses.

Expulsos pelos levantes separatistas, o casal se exila nos Estados Unidos, em Savannah (Geórgia), onde a francesa fica viúva e volta a se casar, dando à luz Ellen Robillard, a futura senhora O’Hara, mãe de Scarlett.

“Mammy” viverá sua própria vida antes de se ocupar e se dedicar à pequena Scarlett.

Metade da história

“Houve milhares de ‘mammys’ no sul americano, muitas delas não tinham nome (nos romances), milhares de mulheres que criaram como seus os filhos dos brancos ricos”, explica ainda o autor.

“Para mim, a ausência da voz de Mammy, de sua história, de sua personalidade em ‘… E o vento levou’, foi um grande vazio, é como se o livro contasse a metade da história”, complementou.

“A babá é uma personagem trágica, mas que jamais perde a esperança. É determinada e muito digna, mas não é uma rebelde”, conclui.

A história do livro, cuja terceira parte é narrada do ponto de vista da escrava, termina justamente uma semana depois da famosa festa do início do romance de Margaret Mitchell.

A pedido dos herdeiros de Mitchell, McCaig escreveu em 2007 “O clã de Rhett Butler”, também derivado de “… E o vento levou”, e que conta os tormentos amorosos de Scarlett e Rhett durante a Guerra da Secessão.

Junto a “Scarlett”, de Alexandra Ripley e publicado em 1991, este é um dos únicos dois romances até agora autorizados pela família de Mitchell, que faleceu em 1949.

O maior desafio ante um livro icônico “é ser respeitoso com o original e, ao mesmo tempo, ter algo extra a acrescentar”, comentou o autor, acrescentando ter trabalhado com uma grande liberdade por parte dos herdeiros de Mitchell.

O livro é dedicado a Hattie McDaniel, a primeira atriz negra americana a ganhar um Oscar de melhor atriz coadjuvante em 1939 por sua brilhante interpretação de Mammy no filme baseado no livro.

Menino de 7 anos escreve livro para apoiar irmã que precisa usar óculos

0

Garota tinha vergonha de ser chamada de ‘Quatro Olhos’ pelos colegas. Para resolver impasse, irmão criou a história da ‘Princesa que usa óculos’.

Publicado no ExpessoMT

Crédito: Gabriela Lima/G1

Rafaela se diverte com história infantil criada pelo irmão Alexandre

Desde que aprendeu a falar, Alexandre Raizer Landim Silva, de 7 anos, é considerado pelos pais um contador de histórias nato. Mesmo assim, o menino surpreendeu ao fazer um livro infantil para ajudar a irmã, de 5 anos, em Goiânia. Com problemas de visão, Rafaela Raizer Landim Silva relutava para não usar óculos. Ele, então, por iniciativa própria, escreveu e ilustrou a história “A Princesa que usa óculos”, dedicada à caçula da família.

Rafaela tem astigmatismo e hipermetropia. Apaixonada pelas heroínas dos contos de fadas, ela  argumentava com os pais que não existia princesa de óculos. “Ficava vendo ela reclamar e pensei: ‘Vou resolver esse problema'”, explicou Alexandre ao G1. O autor mirim conta que escreveu a história em apenas uma noite e fez as ilustrações no dia seguinte.

O trabalho surpreendeu e emocionou os pais, o auditor fiscal Eugênio César da Silva e a assistente social Luciana Raizer da Silva, que agora buscam uma forma de publicar o livro. “O que mais chamou a nossa atenção foi o caráter educativo da história. Pode ajudar outras crianças”, diz o pai.

A personagem principal do livro de Alexandre é a princesa Rafa, inspirada na irmã. A história fala da importância dos óculos para a princesa poder enxergar direito. Em poucas palavras, o menino conseguiu passar a mensagem, com uma boa dose de aventura, com direito a vilão e até um pouco de romance. “É claro que tem um príncipe”, adianta o garoto.

Rafaela diz que adorou a surpresa: “Achei muito lindo”. Depois de ter ganhado o livro do qual é a protagonista, ela agora usa óculos sem chorar. “Eu enxergo melhor”, admite.

Rafaela conta outro motivo pelo qual não gostava de usar óculos: “Na escola, os meus colegas falavam que eu tinha quatro olhos”. Por isso, os pais tiveram a iniciativa de imprimir e encadernar a história para distribuir entre alguns amigos da filha.

Na hora de distribuir os livros impressos pelos pais, Alexandre se mostrou empreendedor. “Ele me perguntou por que estávamos dando os livros e disse que a gente tinha que vender”, diz Eugênio, que ri ao lembrar do episódio.

Os pais contam que sempre estimularam o desenvolvimento intelectual dos filhos, mas o garoto demonstra mais aptidão para escrever. “Eu sempre brinquei com eles com atividades envolvendo letras e números. O Alexandre, antes de 1 ano, já conhecia o alfabeto”, orgulha-se o pai.

Segundo Luciana, o sonho de Alexandre, quando mais novo, era aprender a ler. Atualmente, ele gosta de escrever redações, muitas delas engraçadas.

Mas o garoto, aluno de 2º ano do ensino fundamental, não faz o estilo CDF, de acordo com a mãe. Às vezes, ele reclama na hora de fazer o dever de casa, além de ser bastante ativo e extrovertido na escola. “Já recebi reclamações”, revela.

De acordo com Luciana, o que Alexandre gosta mesmo é de criar personagens e contar as histórias para as pessoas. Ele concorda e revela que já tem outro livro em mente. “Dessa vez, vou contar uma história das minhas aventuras com meus amigos”, diz, ao mostrar um rascunho do novo trabalho digitado um tablet.

Mesmo com todo o talento para escritor, o menino responde que, quando crescer, quer ser médico, cientista e mágico. “Quero ser médico para cuidar das pessoas. Também quero ganhar muito dinheiro para comprar uma Ferrari conversível. É muito elegante”, revela, decidido.

Como a gente se sente #1

1

Márcia Lira, no – 1 na estante

Como uma boa fã de gifs animados e do genial tumblr Como eu me sinto quando, decidi abrir uma seção no blog pra gente fazer um post semanal inspirado nessa vibe. Digo a gente, porque realmente só vai dar certo se vocês gostarem e me ajudarem. É só lembrar das situações que vivemos envolvendo livros e encontrar gifs animados que as retratem com bom humor.

Sexta-feira, convoquei os fãs do Facebook do blog e contei com a participação de Paula Alvarez, Maria Eduarda e Luciana Brito. Foi beeeem divertido. Obrigada, meninas! Vejam o resultado.

Quando o personagem principal do livro morre:

1

Quando dou de cara com o dono daquele livro que eu não devolvi há 5 anos:

1

Quando descubro que o livro que quero entrou numa super promoção:

1

Quando sem querer estrago a capa de um livro que peguei emprestado:

1

O que dá vontade de fazer com quem devolve livro estragado:

1

Quando o livro não acaba como eu imaginei que acabaria:

1

Quando o carteiro entrega aquele livro tão esperado:

1

Vejo um filme e percebo que mudaram quase tudo do que está no livro:

1

Go to Top