Praças da Cidade

Posts tagged personagem

Boneco de Neve: Michael Fassbender e Jo Nesbø falam sobre o filme em novo vídeo

0

163445_snow

A estreia de Boneco de Neve está marcada para 23 de novembro

Edipo Pereira, no Cosmo Nerd

Em vídeo inédito de “Boneco de Neve” (Snowman), o escritor Jo Nesbø – responsável pelo bestseller que vendeu mais de 20 milhões de cópias em todo o mundo – fala sobre a criação do personagem Harry Hole, o detetive que é protagonista da história, e como inserí-lo dentro do filme.

“Harry Hole me surgiu em 1997 num avião de Oslo a Sydney”, diz o escritor. “Snowman é o sétimo livro da série e tem um elemento de terror que os livros anteriores não tinham”. Comparado ao sucesso “Silêncio dos Inocentes”, pelo jornal inglês The Guardian, o livro conta a história de um detetive que ao investigar o desaparecimento de uma mulher na primeira neve do inverno, passa a relacionar o assassinato a um serial killer.

Para Michael Fassbender, conhecer o personagem a sua história foi crucial para aceitar participar da produção do longa: “A primeira coisa que me atraiu foram os livros. O Harry Hole de Jo Nesbo e o mundo que ele ocupa, e eu os adorei”, confessa o ator.

Com a ajuda de uma recruta (Rebecca Fergunson), o personagem ligará casos arquivados de décadas atrás com o novo crime na esperança de desvendar o mistério antes da próxima nevasca. “Quando entendi que a forma como os produtores viam o filme, era igual à minha, fiquei muito feliz. Tomas [o diretor] entender isso tornou muito fácil dizer ‘Isso foi decisão sua. Pegue as páginas que escrevi e use como informação para a história que quer contar’”, comenta Nesbø.

Filmado inteiramente na Noruega, nas cidades de Oslo, Bergen e na região de Rjukan, “Boneco de Neve” é produzido por Tim Bevan e Eric Fellner, da Working Title (“A Teoria de Tudo” e “Os Miseráveis”), em parceria com Robyn Slovo (“O Espião Que Sabia Demais”) e Piodor Gustafsson (“Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres”). A estreia está marcada para 23 de novembro.

Vespa Lucio Malfoy: inseto ganhou nome do personagem de Harry Potter

0
(Foto: Tom Saunders)

(Foto: Tom Saunders)

Publicado na Galileu

Pesquisadores da Nova Zelândia batizaram uma vespa com o nome de Lucio Malfoy. O novo membro do gênero Lusius, Lusius malfoyi, não recebeu o nome do personagem por seus longos cabelos loiros, mas por alguns acreditarem na duvidosa redenção do vilão de Harry Potter.

(Foto: Fotomontagem: Carol Malavolta/Revista Galileu)

(Foto: Fotomontagem: Carol Malavolta/Revista Galileu)

Segundo Tom Saunders, pesquisador da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, que deu o nome ao inseto, as vespas normalmente são vistas como pestes e outros problemas para a humanidade, mas apenas 1% delas nos fazem mal. “A grande maioria delas desempenha um papel bastante crítico nos ecossistemas em que vivem”, disse ao The Guardian.

Pensando nisso, o especialista resolveu dar o nome do pai de Draco para o bichinho, pois acredita que o vilão “se redimiu” no fim da história. “Eu usei o nome Lucio Malfoy porque ele é um personagem que tem má reputação nos livros, mas que mas que no último momento é resgatada; estou tentando salvar a reputação de nossas vespas nativas”, explicou Saunders ao New Zealand Herald.

A malfoy é distinta de outras espécies da Nova Zelândia devido à sua coloração pálida, e é a única do gênero Lusius descoberta na região da Austrália.

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

As Crônicas de Gelo e Fogo – Segundo livro da saga tem easter-eggs da DC!

0

legiao_Y2UoPXvTglKm950NzMwkVLjFWtJsHiBd1G6SrfxRIe.jpg

E incrivelmente, eles foram descobertos apenas agora!

Leo Gravena, no Legião dos Heróis

Para quem acompanha Game of Thrones e os livros que deram origem à série, não é surpresa que o criador da trama, George RR Martin, seja um grande nerd. Contudo, apenas agora um fã notou uma referência à dois heróis da DC em um de seus livros.

Em uma postagem no reddit, um fã destacou uma parte interessante do segundo livro d’As Crônicas de Gelo e Fogo, A Fúria dos Reis. Durante o livro (que foi adaptado na segunda temporada da série), Arya Stark está disfarçada de um garoto, ela então é capturada e levada para um castelo em Harrenhal. Lá, Arya nota os brasões das famílias de vários Lordes e Cavaleiros que se alinham com os Lannisters.

Entre elas temos um Boi vermelho, um unicórnio roxo, um furão prata e outros, contudo, duas se destacam para qualquer fã da DC: uma flecha verde e um besouro azul.

legiao_VqObMfXUKLeTdxzW_yNchta0uZDjJ9PI65sk8rGgRC

A flecha verde, obviamente, faz referência ao Arqueiro Verde. Em 1998, quando o romance foi lançado, o personagem ainda não era conhecido por grande parte do público, mas Martin ainda assim colocou um pequeno easter egg do personagem. Já o Besouro Azul é um personagem dos quadrinhos que está sempre ao lado do Gladiador Dourado, ele possui um traje tecnológico e uma grande empresa de tecnologia.

 

Fenômeno de autor romeno, “O livro dos espelhos” chega ao Brasil

0

Publicado na Sopa Cultural

E.O. Chirovici nasceu na Transilvânia, numa família de origem romena, húngara e alemã. Escreveu seus primeiros livros em romeno, e as obras foram best-sellers no país do leste europeu, vendendo milhares de exemplares. Ao escrever seu primeiro livro em inglês, o autor se surpreendeu com a recepção entusiasmada: o título foi a sensação da Feira de Frankfurt de 2015, dois anos antes de chegar às livrarias, e foi vendido a peso de ouro para editoras em 38 países. Embora Chirovici seja, por si só, um personagem fascinante, é a trama habilmente construída de “O livro dos espelhos” que causou todo esse impacto e promete fisgar os leitores. A obra chega às livrarias brasileiras pela Record em março, num lançamento simultâneo com os outros 37 países.

Narrada por quatro personagens diferentes, a trama começa na voz de Peter Katz, um agente literário que recebe por email o trecho de um manuscrito intitulado “O livro dos espelhos”. O autor se chama Richard Flynn e, no texto, relembra um período de seus dias na faculdade, no fim dos anos 1980. Na segunda parte, lemos o manuscrito de Flynn, que narra a relação entre ele, uma amiga da faculdade e Joseph Wieder, um renomado psicólogo. Wieder foi brutalmente assassinado naquela época; um crime que ficou famoso mas jamais foi solucionado. O trecho enviado para Katz termina exatamente nas horas anteriores ao assassinato.

unnamed-13

Curioso e convencido de que o manuscrito vai enfim revelar o assassino – e garantir um contrato milionário com uma editora – Katz vai atrás de Flynn, mas ele está em coma, à beira da morte, num hospital. E ninguém sabe onde está o restante do original. O agente então contrata John Keller, um repórter investigativo, para desenterrar o caso e reconstituir o crime.

Na terceira parte, acompanhamos a investigação de Keller, cujas entrevistas e pesquisas revelam um verdadeiro jogo de espelhos, uma trama complicada em que verdades e mentiras nem sempre são absolutas. No fim, um quarto personagem consolida o desfecho da história. Mais do que escrever um suspense ou uma simples trama policial para descobrir um assassino, Chirovici constrói uma narrativa intricada, literária e elegante, onde fala sobre como as memórias, a realidade e a verdade podem ser relativas.

TRECHO:

“Eu falei para Laura que, para mim, era difícil concordar com aquela teoria, mas ela me desafiou.

– Você nunca teve a sensação de que já viveu algo ou esteve em determinado lugar, e depois descobriu que jamais esteve ali, que apenas ouviu histórias sobre o local quando era criança, por exemplo? Sua memória simplesmente apagou a lembrança da história que lhe foi contada e a substituiu por uma vivência.

Lembrei que, por um bom tempo, achei que tinha visto o Super Bowl de 1970 na televisão, que tinha visto os Kansas City Chiefs derrotarem os Minnesota Vikings. Mas, na verdade, eu tinha apenas quatro anos na época e só achei que tinha visto porque ouvi meu pai contar histórias sobre aquele jogo várias vezes.”

E.O. Chirovici nasceu na Transilvânia. Possui doutorado em Economia, Comunicação e História, e é membro da Academia de Ciências Romena. Trabalhou como jornalista por muitos anos e recebeu vários prêmios e honras importantes, incluindo a Medalha Kent, em 2009, pelas mãos do Príncipe Edward, Duque de Kent. Ele já escreveu 10 romances em romeno, todos sucessos de venda na Romênia. Tem se dedicado apenas à literatura desde 2013, e atualmente vive em Bruxelas com a esposa.

Versão feminina de Thor ganha revista mensal própria no Brasil

0
Heróina no traço de Isac Ribic (foto: Marvel/Divulgação)

Heróina no traço de Isac Ribic (foto: Marvel/Divulgação)

 

Além das aventuras super-heróicas, personagem enfrenta sessões de quimioterapia para tratar câncer

Publicado no UAI

Na semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, chega às bancas e livrarias a nova revista mensal Thor (Panini, 40 páginas, R$ 7,60). Inspirado na mitologia nórdica, o personagem da Marvel Comics era representado como homem desde 1962, quando foi criado por Jack Kirby, Larry Lieber e Stan Lee. A partir de 2014, a identidade do herói asgardiano foi assumida por uma figura feminina, Jane Foster, antigo interesse amoroso do Deus do Trovão nos quadrinhos.

Odinson, o Thor tradicional, deixou o manto para trás após se tornar indigno de portar o Mjolnir, o martelo mágico criado por Odin que confere poderes ao seu portador. A explicação sobre o que levou o herói a perder o posto será revelada ainda este mês no título Unworthy Thor, nos EUA. No Brasil, a cronologia está atrasada em cerca de um ano em relação às edições norte-americanas.

Além dos tradicionais inimigos místicos, a Thor encara atualmente uma ameaça que seus superpoderes não podem combater: um câncer de mama que atingiu sua contraparte humana, Jane Foster. A primeira edição abre justamente com a personagem se submetendo a uma sessão de quimioterapia e descrevendo os efeitos colaterais do tratamento, como náuseas, febre e confusões mentais.

Capa da edição número um da revista (foto: Panini/Divulgação)

Capa da edição número um da revista (foto: Panini/Divulgação)

 

“Passei a manhã inteira no hospital injetando venenos no meu corpo, propositalmente. Substâncias tóxicas destinadas a matar células do câncer crescendo dentro de mim”, narra a personagem em certa passagem. “Mas assim que apanho o martelo, tudo isso é jogado fora. A transformação neutraliza os efeitos da quimioterapia, expulsa os venenos do meu corpo. Mas não o câncer”, completa.

O arco atual de histórias (roteiro de Jason Aaron e desenhos de Russell Dauterman)tem como pano de fundo uma guerra se alastrando pelos dez reinos e o retorno do meio-irmão de Thor, Loki, o Deus da Trapaça. A pouco inventiva trama envolvendo os inimigos regulares do personagem, no entanto, não chega desagradar, mas, de fato, o drama pessoal da heroína é o ponto mais interessante dessa nova fase.

Go to Top