Diário da Maísa

Posts tagged pessoas

Jovem monta biblioteca pública em praia de Vila Velha, ES

0
Suzana Lordelo Braga monta biblioteca pública na Praia da Costa (Foto: Vitor Jubini/ A Gazeta)

Suzana Lordelo Braga monta biblioteca pública na Praia da Costa (Foto: Vitor Jubini/ A Gazeta)

 

Publicado no Jornal Floripa

Neste mês de janeiro, a tradutora Suzana Lordelo Braga, de 24 anos, marca presença na orla da Praia da Costa, em Vila Velha , Grande Vitória, nas manhãs de terça e quinta. Com mochila nas costas e um carrinho de supermercado cheio de livros, ela implantou uma biblioteca pública nas areias da praia.

A jovem contou que decidiu pela iniciativa porque queria oferecer alternativas gratuitas de leitura para quem passa pela orla. Suzana disse que, como o acesso a livros é difícil, já que muitas vezes eles não são baratos, e as opções de bibliotecas são bem limitadas, ela decidiu emprestar os cerca de 120 obras que arrecadou em dezembro de 2016.

Suzana explica que escolheu a praia para realizar o projeto porque o local é um ambiente democrático, frequentado por pessoas de todas as origens e classes sociais.

“Eu achei que seria legal ser na praia porque, assim, eu consigo ter acesso a todas as comunidades. Às vezes, aquela pessoa que está na periferia fica distante do acesso a esses serviços. Mas a praia é para todos”, falou.

O trabalho feito pela tradutora é voluntário e, atualmente, ela tem se esforçado bastante para conseguir carregar todos os livros que expõe em uma tenda na praia para poder ajudar as pessoas a adquirirem o hábito da leitura.

A biblioteca funciona em uma tenda instalada na orla da Praia da Costa, próximo ao cruzamento entre a avenida Antônio Gil Veloso com a rua Pernambuco, às terças e quintas, das 9h30 às 17h30, com pausa para almoço.

Para pegar um livro emprestado, o interessado deve fazer um cadastro. O empréstimo é de uma semana.

Quem quiser doar livros para o projeto pode levá-los até a tenda nos mesmos dias em que a biblioteca funciona ou buscar pela tradutora Suzana Lordelo Braga no Facebook e oferecer as obras.

Leitor assíduo, Obama diz que livros o ajudaram durante a Presidência

0
Barack Obama e sua mulher, Michelle, fazem leitura do livro "Onde Vivem os Monstros" para crianças

Barack Obama e sua mulher, Michelle, fazem leitura do livro “Onde Vivem os Monstros” para crianças

 

Michiko Kakutani, na Folha de S.Paulo via New York Times

Nenhum presidente americano desde Abraham Lincoln moldou sua vida, convicções e visão de mundo tão fundamentalmente na leitura e escritura de livros quanto Barack Obama.

Na sexta-feira (13), sete dias antes de deixar a Casa Branca, Obama sentou-se no Salão Oval para falar do papel indispensável desempenhado pelos livros em sua Presidência e sua vida –desde sua infância solitária e marcada por frequentes deslocamentos, quando “esses mundos portáteis” lhe serviam de companheiros, até sua juventude, quando os livros o ajudaram a entender quem ele era, o que pensava e o que era importante.

Durante seus oito anos na Casa Branca –uma era marcada pela sobrecarga de informações, o partidarismo extremo e as reações instantâneas–, os livros foram uma fonte de ideias e inspiração para o presidente, ajudando a apreciar as complexidades e ambiguidades da condição humana.

“Numa época em que os acontecimentos são tão velozes e tanta informação é transmitida”, ele disse, a leitura oferece a possibilidade de “desacelerar de vez em quando e ganhar uma perspectiva mais ampla”, além da “possibilidade de colocar-se na pele de outra pessoa”. Essas duas coisas, disse Obama, tiveram valor enorme para ele. “Se me fizeram um presidente melhor, não sei dizer. Mas o que posso dizer é que me ajudaram a conservar o equilíbrio ao longo de oito anos, porque este é um lugar que as coisas se sucedem rapidamente, sem parar e sem descanso.”

Os escritos de Lincoln, de Martin Luther King Jr., Gandhi e Nelson Mandela foram especialmente úteis, Obama disse, “quando você busca um senso de solidariedade”, acrescentando: “Nos momentos muito difíceis, a Presidência pode nos isolar muito”. Há uma cópia manuscrita do Discurso de Gettysburg, escrito por Abraham Lincoln em 1863, no dormitório que leva o nome do ex-presidente, e Obama disse que às vezes, à noite, ele saía de sua sala de trabalho para ler o texto.

Como Abraham Lincoln, Obama se ensinou a ler, e também para ele as palavras se tornaram uma maneira de se definir e de comunicar seus ideais e ideias ao mundo. Na verdade, há uma luz forte que liga Lincoln, King e Obama. Em discursos como os proferidos nas cidades de Charleston e Selma, Obama seguiu o caminho desses predecessores, colocando seu domínio da linguagem a serviço de uma visão histórica abrangente que, como a deles, situa nossas lutas atuais contra o racismo e a injustiça em um contínuo histórico que revela o quanto já andamos e o caminho que ainda nos falta percorrer.

662870-600x600-1

CONTEXTO EM BIOGRAFIAS PRESIDENCIAIS

As biografias de presidentes passados forneceram contexto, ajudando Obama a superar a tendência a pensar que “o que está acontecendo agora é singularmente desastroso, espantoso ou difícil”, ele disse. “É útil pensar em Roosevelt tentando conduzir o país durante a Segunda Guerra Mundial.”

A leitura continua a formar uma parte essencial do cotidiano de Obama. Ele recentemente deu à sua filha Malia um Kindle carregado de livros que quer compartilhar com ela –incluindo “Cem anos de solidão”, “O Caderno Dourado”, de Doris Lessing, e “The Woman Warrior” (“A Guerreira”, em tradução livre), de Maxine Hong Kingston. E, quase todas as noites na Casa Branca, ele passava uma hora lendo tarde da noite –uma leitura profunda e ecumênica, abrangendo desde ficção literária contemporânea –o romance mais recente que ele leu foi “The Underground Railway” (“A Ferrovia Subterrânea”, em tradução livre), de Colson Whitehead)– até romances clássicos e obras inovadoras de não ficção, como “Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar”, de Daniel Kahneman, e “A Sexta Extinção”, de Elizabeth Kolbert.

Para o presidente, esses livros eram uma maneira de ele trocar de marcha mental, para escapar da bolha da Casa Branca. Alguns romances o ajudavam a “imaginar o que se passa na vida das pessoas” em todo o país –por exemplo, Obama achou que os romances de Marilynne Robinson o colocaram em contato emocional com as pessoas que encontrou no Iowa durante a campanha de 2008 e também com seus próprios avós, naturais do meio-oeste americano, e os valores de trabalho árduo, honestidade e humildade, próprios das pequenas cidades do interior.

662997-970x600-1

AUTOR DE CONTOS

Obama se ensinou a escrever quando jovem, escrevendo um diário e redigindo contos quando era organizador comunitário em Chicago; ele escrevia quando voltava para casa, depois do trabalho, inspirando-se nas histórias das pessoas que encontrava no trabalho. Muitas das histórias eram sobre pessoas mais velhas, sendo inspiradas por sentimentos de decepção e perda. “Nos meus textos não há muita coisa tipo Jack Kerouac, de jovem na estrada, fazendo descobertas”, ele comentou. “São textos mais melancólicos e reflexivos.”

Essa experiência reforçou o poder da empatia. Sendo ele mesmo um “outsider” (com pai queniano, que deixou a família quando Obama tinha 2 anos, e mãe do Kansas, que o levou para morar na Indonésia por algum tempo), Obama sentia empatia com muitas pessoas que conheceu nas igrejas e ruas de Chicago, que se sentiam deslocadas pelo isolamento e as mudanças, e levou a sério a observação de seu chefe de que “o que une as pessoas para compartilharem a coragem de entrar em ação para mudar suas vidas não é apenas o fato de se importarem com os mesmos problemas, mas de terem histórias compartilhadas”.

Essa lição se tornaria uma das bases da visão do presidente de uma América em que as preocupações compartilhadas –sonhos simples de um emprego decente, um futuro decente para os filhos das pessoas– pudessem lançar uma ponte sobre divergências e divisões. Afinal, muitas pessoas enxergavam-se na história de Obama –uma história americana, como ele disse em seu discurso na Convenção Nacional Democrata de 2004, que não seria possível “em nenhum outro país do mundo”.

Obama chegou à Presidência como escritor e em breve voltará à vida de cidadão comum como escritor, com o plano de redigir suas memórias, que serão baseadas no diário que escreveu na Casa Branca (“mas não com a disciplina que eu teria desejado”). Ele possui uma sensibilidade de escritor –a capacidade de estar no momento e ao mesmo tempo colocar-se como observador, o olhar e o ouvido de um romancista, uma voz precisa, mas elástica, capaz de deslocar-se com facilidade entre o lirismo, o vernáculo e o profundo.

Na semana passada, Obama almoçou com cinco romancistas que admira –Dave Eggers, Colson Whitehead, Zadie Smith, Junot Diaz e Barbara Kingsolver–, e não apenas conversou com eles sobre a paisagem política e midiática como também de questões profissionais deles, perguntando como estavam suas turnês de promoção de livros e dizendo que gosta de escrever o primeiro rascunho de seus textos à mão, em blocos amarelos.

Obama diz que espera no futuro utilizar o site de seu centro presidencial “para ampliar o público dos bons livros”, coisa que ele já tem feito com listas regulares de livros recomendados, e incentivar a discussão pública sobre livros.

Ele disse: “Em um momento em que uma parte grande de nossa política consiste em tentar controlar o choque de culturas gerado pela globalização, a tecnologia e a migração, é mais importante que nunca o papel dos livros em unificar em oposição a dividir, engajar em lugar de marginalizar”.

Tradução de CLARA ALLAIN

Confira 6 livros das pessoas mais influentes no mundo dos negócios

0
Confira 6 livros das pessoas mais influentes no mundo dos negócios  |  Fonte: Shutterstock

Confira 6 livros das pessoas mais influentes no mundo dos negócios | Fonte: Shutterstock

 

O ditado diz que quem você anda define quem você é. Que tal ouvir as ideias das pessoas influentes da atualidade? Indicamos os livros das pessoas mais influentes nos negócios

Publicado no Universia Brasil

A leitura de livros para inspiração é uma das maiores – e mais indolores -oportunidades de aprendizado que alguém pode ter no mundo moderno. A maioria dos autores defende que o melhor jeito de aprender é com erros, mas o detalhe é que eles não precisam ser os seus erros.

Descubra os equívocos, modos de pensar e ideias de quem teve uma vida que deu muito certo. Veja a seguir 6 livros das pessoas mais influentes no mundo dos negócios e aplique os seus conselhos para conseguir uma vida melhor:

1. COMO AVALIAR SUA VIDA? – CLAYTON CHRISTENSEN
Clayton Christensen é um professor da Universidade de Harvard. É considerado um dos maiores experts em inovação do mundo. No seu livro de 2012 “Como avaliar sua vida?”, ele se desvia do padrão dos seus outros trabalhos para escrever um livro muito mais pessoal. A obra é baseada nas suas experiências de pesquisa e vida pessoal. Christensen explora, por exemplo, o que realmente significa ser bem-sucedido e o que leva algumas pessoas talentosas a crescerem.

2. PRESENÇA – AMY CUDDY
Amy Cuddy é uma psicóloga social da Universidade de Harvard que conseguiu a atenção da grande mídia com a sua TED Talk de 2012 “Sua linguagem corporal molda quem você é”, que já foi visualizada mais de 40 milhões de vezes. No seu livro “Presença” ela explica como a auto percepção dos nossos cérebros pode ser manipulada para superar a falta de confiança para permitir que você se desenvolva melhor socialmente e como pessoa.

3. DAR E RECEBER – ADAM GRANT
Adam Grant é um psicólogo de organizações em Wharton. Ele conduz uma pesquisa que mostra como não são os tipos egoístas e maquiavélicos aqueles que chegam no topo de empresas, mas aqueles vistos como generosos. No seu livro de 2013 ele explica que essas pessoas são aquelas que criam valor para outros sem esperar nada em troca. Essa abordagem funciona muito bem para o mundo profissional, desde que seja bem feita.

4. AJA COMO UM LÍDER, PENSE COMO UM LÍDER – HERMINIA IBARRA
Herminia Ibarra é professora da INSEAD. No seu livro de 2015 ela apresenta um guia de carreira não convencional que ensina como se aproveitar do mercado de trabalho atual com seu ritmo frenético, para chegar numa posição de liderança. Por exemplo, ela desafia a importância de ter “autenticidade”, uma palavra popular no mundo da liderança, dizendo que existem sim formas de ser honesto demais, e que a linha pode ser extremamente fácil de cruzar.

5. A ASCENSÃO DA CLASSE CRIATIVA – RICHARD FLORIDA
Richard Florida é o diretor do Instituto de Marin Prosperity, na Rotman School of Business. Ele é mais conhecido pelo seu trabalho com a classe criativa e sua relação com cidades. No seu livro de 2002 “A Ascensão da Classe Criativa”, ele argumenta que as cidades de maior sucesso vão evoluir para atrair talentos jovens, ser o lar de setores da tecnologia e passar políticas sociais liberais.

6. O FIM DA VANTAGEM COMPETITIVA – RITA MCGRANTH
Rita McGrath é professor da Columbia Business School. Ele serviu como consultor de liderança para grandes companhias como a Coca-Cola, a GE e a Pearson. No seu livro de 2013, “O Fim da Vantagem Competitiva”, ela argumenta que as empresas de maior sucesso precisam ser mais agressivas com novas oportunidades e passar para uma nova fase no mercado antes que se tornem ultrapassadas.

Chaminé e livros: na Islândia, as pessoas passam a noite de Natal lendo

0
Getty Images

Getty Images

 

Todas as casas recebem em outubro um calendário com as novidades literárias do ano

Gloria Rodriguez Pina, no El País

A noite de Natal na Islândia é para se descobrir histórias através da literatura. É tradição no país dar livros de presente depois do jantar, e passar o resto da noite lendo “com um pouco de calma e tranquilidade para desfrutar da leitura”, diz Kristján Andri Stefánsson, embaixador do país na França, ao EL PAÍS. “Para mim não tem Natal sem alguns dos novos romances que são lançados para essas datas”, diz.

O mercado literário está focado nessas festas. “Cerca de 70% dos títulos chegam ao mercado nos três últimos meses antes do Natal”, segundo Stefánsson. Existe até um nome para esse fenômeno: o dilúvio de livros de Natal, que eles chamam Jólabókaflóð.

Em outubro se publica um catálogo com todos os novos títulos do ano. É o bókatíðindi, que é distribuído em todos os domicílios do país e também pode ser consultado online. Segundo uma pesquisa da Associação de Editores divulgada pela embaixada, 63% dos islandeses receberam livros no Natal. Desses, mais de 48% ganharam dois ou mais.

A tradição de livros no Natal vem da Segunda Guerra Mundial, ainda que para muitos islandeses, como o embaixador (que tem 49 anos), seja algo da vida toda. Jóhann Páll Valdimarsson, diretor da Forlagið, a maior editora do país, disse em entrevista ao The Reykjavík Grapevine que, devido a restrições a importações durante a guerra, começaram com a tradição de dar livros, que eram impressos no próprio país.

“A cada ano são publicados entre 800 e 1.000 novos títulos, dos quais 70-80 são romances de autores islandeses”, segundo o embaixador. A BBC publicou em 2013 que um de cada 10 islandeses publicará um livro em sua vida.

De cada título são impressas cerca de 1.000 cópias, segundo Stefánsson. Para alguns autores muito conhecidos, como o escritor de romances policiais Arnaldur Indridason, são editados até 20.000 exemplares. Em um país com 320.000 habitantes, mesmo que sejam ávidos leitores, há quem se pergunte se não deveriam imprimir menos.

O amor da Islândia por livros levou sua capital a ser nomeada cidade da literatura pela Unesco em 2003. Este ano foram instalados em alguns bancos públicos códigos QR para que os cidadãos possam baixar audiolivros em inglês ou em islandês,

Nessa foto enviada pela Embaixada, Stefánsson posa junto a uma pilha de livros que comprou em dezembro e o catálogo de novidade deste ano. Em 2014, só 13,3% dos entrevistados pelos editores não tinha lido nenhum livro, mas os dados de leitura dos islandeses coincidem com essa torre. Segundo a pesquisa, 18,2% leram um ou dois livros; 20,9% entre três e cinco; 20,1% entre seis e sete; 15,6% entre 11 e 20; e 11,8% mais de 21!

10 características distintivas do sistema educacional japonês de causar inveja no mundo

0

sistema-educacional-japones-7-838x559

Publicado no Hypescience

O povo japonês é mundialmente conhecido por sua inteligência, saúde e polidez. Mas por que essa nação é tão única? A resposta é seu sistema educacional incrível. Confira alguns dos pontos que, em conjunto, o diferenciam do resto do mundo:

1. Boas maneiras antes de conhecimento

Nas escolas japonesas, os alunos não fazem nenhum exame até que atinjam a quarta série (a idade de 10 anos). Eles só fazem pequenos testes. O objetivo dos primeiros três anos de escola não é julgar o conhecimento ou aprendizagem da criança, mas sim estabelecer boas maneiras e desenvolver o seu caráter. As crianças são ensinadas a respeitar outras pessoas e a ser gentil com os animais e a natureza. Também aprendem a ser generosas, compassivas e empáticas. Por fim, são incentivadas a ter qualidades como coragem, autocontrole e justiça.


2. O ano letivo começa no dia 1 de abril

O Japão fica no hemisfério norte. Enquanto a maioria das escolas e universidades deste lado do mundo começam seu ano letivo em setembro ou outubro, o Japão marca o início do calendário acadêmico e de negócios em abril. O primeiro dia de escola frequentemente coincide com um dos mais belos fenômenos naturais – o desabrochar das flores de cerejeira. O ano letivo é dividido em 3 trimestres: 1 de abril a 20 de julho, 1 de setembro a 26 de dezembro, e 7 de janeiro a 25 de março. Os estudantes japoneses recebem 6 semanas de férias durante o verão. Também têm pausas de duas semanas no inverno e na primavera.

3. A maioria das escolas japonesas não emprega zeladores; os alunos limpam a escola

sistema-educacional-japones-3-838x559

Nas escolas japonesas, os alunos têm de limpar as salas de aula, cafeterias e até mesmo os banheiros sozinhos. Eles são divididos em pequenos grupos e tarefas diferentes são atribuídas ao longo do ano. O sistema educacional japonês acredita que exigir que os alunos limpem o local onde estudam os ensina a trabalhar em equipe e ajudar uns aos outros. Além disso, gastar seu próprio tempo e esforço varrendo e esfregando faz as crianças respeitarem seu próprio trabalho e o trabalho dos outros.

4. Nas escolas japonesas, o almoço escolar é fornecido em um menu padronizado e é comido na sala de aula

sistema-educacional-japones-4-838x574

O sistema de educação japonês faz o seu melhor para garantir que os alunos comam refeições saudáveis e equilibradas. Nas escolas públicas de ensino fundamental e médio, o almoço é servido de acordo com um menu padronizado desenvolvido por chefs qualificados e profissionais de saúde. Todos os colegas de classe comem na sala de aula juntamente com o professor, o que ajuda a construir relacionamentos positivos entre eles.


5. Cursos extracurriculares são muito populares no Japão

A fim de entrar em uma boa escola secundária, a maioria dos estudantes japoneses faz curso preparatório ou participa de oficinas de aprendizagem particulares após a escola. Essas aulas são realizadas à noite. Ver grupos de crianças pequenas retornando de seus cursos extracurriculares no final da noite é comum no Japão. Os estudantes japoneses têm dias escolares de 8 horas, e estudam mesmo durante os feriados e fins de semana. Não é de admirar que eles quase nunca repetem de ano na escola.

6. Além de disciplinas tradicionais, os estudantes japoneses aprendem caligrafia e poesia

sistema-educacional-japones-6-838x561

Caligrafia japonesa, ou Shodo, envolve mergulhar um pincel de bambu em tinta e usá-lo para escrever hieróglifos em papel de arroz. Para os japoneses, Shodo é uma arte não menos popular do que a pintura tradicional. Haiku, por outro lado, é uma forma de poesia que usa expressões simples para transmitir emoções profundas aos leitores. Ambas as aulas ensinam as crianças a respeitar sua própria cultura e tradições centenárias.

7. Quase todos os alunos têm que usar um uniforme

Quase todas as escolas secundárias exigem que seus alunos usem uniformes. Enquanto algumas escolas têm seu próprio traje, o uniforme escolar tradicional japonês consiste em um estilo militar para meninos e marinheiro para meninas. A política destina-se a eliminar as barreiras sociais entre os alunos e deixá-los em um “modo de trabalho”. Além disso, usar uniforme escolar ajuda a promover um sentido de comunidade entre as crianças.

8. A taxa de frequência escolar no Japão é de cerca de 99,99%

Provavelmente todos nós já matamos aula pelo menos uma vez em nossas vidas. Já os estudantes japoneses não faltam nunca à escola, nem chegam atrasados. Além disso, cerca de 91% dos alunos no Japão relataram que nunca, ou apenas em algumas classes, ignoraram o que o professor ensinava. Quantos outros países podem se orgulhar dessas estatísticas?

9. Um único teste decide o futuro dos alunos

No final do ensino médio, os estudantes japoneses têm que fazer um exame muito importante que decide seu futuro. Eles podem escolher a faculdade que gostariam de frequentar, e essa faculdade tem uma determinada exigência de pontuação. Se um estudante não alcança essa pontuação, provavelmente não irá à faculdade. A competição é muito alta – apenas 76% dos graduados na escola continuam sua educação após o ensino médio. Não é de admirar que o período de preparação para a entrada em instituições de ensino superior seja apelidado de “inferno do exame”.

10. Os anos da faculdade são as melhores “férias” na vida de uma pessoa

Tendo passado pelo inferno, os estudantes japoneses costumam fazer uma pequena pausa. Neste país, a faculdade é frequentemente considerada os melhores anos da vida de uma pessoa. Às vezes, os japoneses chamam esse período de “férias” antes do trabalho. [BrightSide]

Go to Top