Posts tagged Projeto

MEC distribui 200 tablets para professores do ensino médio

0

Publicado no Adnews

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, entregou 200 tablets aos coordenadores estaduais do Programa Nacional de Tecnologia Educacional (Proinfo Integrado) e representantes de 18 universidades federais participantes do programa. Os equipamentos são destinados à capacitação de professores. “Há uma demanda explosiva por educação no Brasil. A desigualdade social está na escola”, disse o ministro em solenidade realizada ontem (20), em Brasília.

“Estamos discutindo como melhorar o ensino médio e temos que fortalecer o professor dentro de sala de aula e o melhor caminho é o tablet”, avaliou Mercadante.

Foram licitados pela pasta dois modelos de tablets, um com 7 polegadas (17,78 centímetros) e outro com 9,7 polegadas (24,638 centímetros). As vencedoras foram as empresas brasileiras Positivo e Digibras. Os estados e municípios podem aderir diretamente ao registro de preços, cuja ata terá vigência até junho de 2013.

Para dar início à capacitação pedagógica de professores do ensino médio da rede pública de todo país, o ministério adquiriu 5 mil unidades de tablets para serem utilizados no projeto piloto do Proinfo Integrado. A entrega dos aparelhos nas escolas será realizada em 2013. Os coordenadores do programa farão curso de formação para, em seguida, treinar os multiplicadores, que formarão os professores em cada estado participante.

O modelo de 7 polegadas para distribuição nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste tem um custo aos cofres públicos de R$ 278,90 e, para o Nordeste e Sul, de R$ 276,99. Já o modelo de 9,7 polegadas será adquirido pelos estados pelo valor de R$ 461,99 para o Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste e de R$ 462,49 para Nordeste e Sul. De acordo com o ministro, um tablet de 7 polegadas com as mesmas especificações é vendido no mercado brasileiro por R$ 799, em média.

Segundo Mercadante, com a entrega de novas tecnologias da informação, os professores e as escolas públicas vão poder combinar os equipamentos com as demais mídias. Ele citou o Portal do Professor, onde estão disponíveis cerca de 15 mil aulas criadas por educadores e aprovadas por um comitê editorial do MEC. Além disso, o ministro destacou que todas as obras literárias e livros didáticos adquiridos pela pasta também estão disponíveis no equipamento.

O  Ministério da Educação (MEC) transferiu este ano R$ 117 milhões a 24 estados e Distrito Federal para compra de 382.317 tablets, que serão destinados inicialmente a professores de escolas de ensino médio do país.

Mercadante anunciou também que na próxima sexta-feira (23), ministros da Educação dos países do Mercosul vão se reunir em Brasília e lançarão um programa de intercâmbio digital.

Com informações da Agência Brasil.

FOTO: Valter Campanato/ABr

Isabel Allende lança livro que reúne seus contos de amor

0

Mesmo com 70 anos, Isabel assegura que o erotismo “continua sendo uma fonte de energia” e continua lutando pelo o que acredita

Publicado na revista Exame

Quim Llenas/Getty Images

Escritora Isabel Allende

Escritora Isabel Allende: “Passei minha vida apaixonada, não me recordo de uma época em que não estivesse amando”, disse a escritora

Madri – A escritora chilena Isabel Allende, que completou 70 anos em agosto, resolveu celebrar seu aniversário com a publicação de um livro que reúne seus principais contos de amor, que deve chegar às livrarias nas próximas semanas.

Mesmo com 70 anos, Isabel assegura que o erotismo “continua sendo uma fonte de energia” e continua lutando pelo o que acredita.

“Seguirei nas trincheiras, com muita honra, até que eu morra”, afirmou Isabel em entrevista à Agência Efe, na qual fala de seu novo livro, que leva o nome de “Amor”.

Na obra, Isabel trata do feminismo, fato que defende desde menina, “antes mesmo que o termo feminismo chegasse ao Chile” e como a escrita serviu para “despejar as dúvidas e as sombras da existência e para aprender a conhecer melhor a própria alma”.

Publicado pela editora Praça & Janés, o livro já está à venda na Espanha e deve chegar às livrarias da América Latina nas próximas semanas. A obra recopila as melhores cenas de amor dos romances e contos de Isabel, que foram selecionadas pela própria escritora.

A ideia inicial partiu de seu editor, que é alemão, e logo Isabel ficou entusiasmada com o projeto. Ela fez a seleção das obras, porque adora “escrever as cenas de amor” e conseguiu “encontrar as cenas que mais gosta sem precisar ler cada livro”.

Para alguns desses trechos, a escritora se inspirou em suas próprias experiências amorosas ou nas experiências de conhecidos.

“Passei minha vida apaixonada, não me recordo de uma época em que não estivesse amando, mas mesmo assim, o amor é mais fácil na literatura”, disse a escritora.

“O sexo é outra coisa. Tive encontros estupendos com alguns homens – sou heterossexual – mas não tão estupendos como os que acontecem na minha cabeça. Confesso que sou uma criatura sexual, inclusive na minha idade, e que se não tivesse optado pela monogamia, andaria com uma rede caçando homens para fazer travessuras com eles. Por sorte, tenho a escrita, onde posso viver todas as aventuras que na vida real não poderia fazer nos meus pensamentos”.

(mais…)

Saiba quem votou contra os lucros do petróleo para a educação

0

Governo defendia 100% dos royalties para a educação, mas graças a uma emenda do DEM, oposição e parte da base aliada impuseram uma derrota à proposta do Planalto. (Foto: Aloizio Mercadante, Ministro da Educação)

Publicado originalmente no Pragmatismo Politico

Para surpresa do governo, a Câmara aprovou nesta terça-feira (6), por 220 votos a 211, o projeto de lei elaborado no Senado para definir uma nova fórmula para divisão dos royalties do petróleo. A medida vale para os contratos já existentes e para os que forem assinados em regime de partilha. Aprovado na íntegra, ele segue para a sanção presidencial de Dilma Rousseff. Ao contrário do texto que tramitava na Câmara, a proposta não tem a previsão de destinação dos lucros para a educação.

O projeto do senador Vital do Rego, aprovado no dia 19 de outubro de 2011 no Senado, havia sido vetado por Lula na época.
Após intensas discussões, e em votação nominal, o projeto do Senado foi aprovado ontem (06/11/12). Assim sendo, caíram pontos previstos no projeto do governo como, por exemplo, a destinação de 100% dos recursos dos royalties da União para a Educação.

Quem votou SIM, aprovou o projeto que não destina 100% dos lucros para a educação. Os deputados que votaram NÃO, rejeitaram a proposta aprovada, pois apoiavam o projeto do governo de repasse integral para a educação.

 

(mais…)

Projeto auxilia na criação de bibliotecas pelo País

0

Professora da rede municipal lê para aluna da educação infantil na biblioteca comunitária de Taiaçupeba, distrito de Mogi das Cruzes, em São Paulo


Publicado originalmente no Terra.com

Aos 63 anos, Maria do Carmo já havia abandonado os livros de chamada, o giz e as apostilas. Por conta da aposentadoria, não precisaria mais dar aulas em uma escola na cidade de Bezerros, em Pernambuco. Finalmente poderia descansar. Foi então que recebeu um convite para participar de um curso de formação de Promotores de Leitura e Auxiliar de Biblioteca. A ideia era montar um espaço comunitário de empréstimo de livros. Resolveu voltar à ativa. “Eu deveria estar na cadeira de balanço, mas não consigo”, brinca. Hoje, coordena a iniciativa em sua cidade e comemora: “Trouxemos a comunidade aqui para dentro. A mudança é perceptível. Todo mundo quer ler”, diz.

A Biblioteca Comunitária Ler É Preciso, de Bezerros, é uma das mais de 90 criadas com o apoio do Instituto Ecofuturo – fundado em 1999 e qualificado como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) – em parceria com instituições privadas e poder público. Com o objetivo de ampliar o número de bibliotecas no Brasil, a organização criou a campanha permanente Eu quero minha biblioteca. A iniciativa busca reforçar a Lei 12.244/10, que prevê que, até 2020, todas as instituições de ensino do País, públicas e privadas, tenham um espaço de leitura.

O desafio é enorme: de acordo com estudo realizado em 2010 pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), para que a proposta seja atendida, 24 bibliotecas deveriam ser construídas diariamente. “Esse número é de 2010. Hoje, deve ser maior. O que nós precisamos é compreender o tempo necessário para as práticas públicas, que costumam ser mais demoradas, principalmente quando envolvem editais. A partir disso, será possível agir com mais eficácia. Nós acreditamos que, se unirmos a iniciativa privada e pública e traçarmos planos para 2020 será possível atingir a meta. O que não pode acontecer é atuarmos de forma isolada”, diz a coordenadora de Educação e Cultura do Ecofuturo, Christine Fontelles.

Mesmo com as dificuldades, Christine acredita em bons resultados. “Se fizermos um mutirão cuidadoso, bem feito, com bom planejamento estratégico, é possível. Com controle social, revisão de prazos governamentais e ações conjuntas, vamos fazer com que todas as instituições de ensino tenham bibliotecas”, diz.

A movimentação começou com a abertura de espaços em locais cedidos pela comunidade ou pela prefeitura. Em 2004, acompanhando o que viria a ser proposto pela lei, migrou para dentro das escolas. A ideia é buscar forças nas prefeituras – que cedem espaços e realizam melhorias em locais já existentes – e em empresas interessadas – que normalmente ficam responsáveis por ceder o acervo inicial, de cerca de mil exemplares. Desses, 70% fazem parte de um catálogo montado previamente. O restante é escolhido a partir das demandas da comunidade.

Prefeituras são encarregadas de manter espaço
Inaugurada em 2005, a biblioteca comunitária de Bezerros está localizada a cinco quilômetros do centro da cidade onde vivem cerca de 60 mil habitantes. Por conta da distância e das carências no transporte público, a coordenadora Maria do Carmo reúne uma pilha de livros e, todas as semanas, visita um grupo diferente – de idosos a dependentes químicos, passando ainda por gestantes e crianças.

“Eu acho que todo mundo tem o direito de ler. Coloco alguns livros na mala e saio por aí. Se eles não conseguem chegar até a biblioteca, nós podemos fazer a biblioteca chegar até eles”, diz. Além da biblioteca comunitária dentro do Centro de Ensino Experimental Escola Técnica do Agreste, a organização dos envolvidos no espaço agora permite que não apenas alunos e vizinhos do espaço, mas outros grupos do município tenham acesso à leitura. Ao todo, são realizados cerca de 1,5 mil empréstimos por mês.
As escolas escolhidas para receber uma biblioteca são as que melhor se encaixam na demanda da população – que, eventualmente, já tenham um espaço para funcionar, por exemplo. Mas, em 2002, antes de o projeto se voltar apenas às instituições de ensino, a comunidade de Turmalina, em Minas Gerais, começou a se envolver na reforma de armários e estantes que abrigariam os livros doados pelo projeto. A prefeitura auxiliou na reforma do prédio, onde antes já havia funcionado uma associação. “O local estava jogado às traças, mas saberíamos que era possível fazer algo com aquilo. Com ajuda do Ecofuturo, firmamos parcerias, a comunidade colaborou reformando móveis e a biblioteca começou a nascer”, diz a promotora de leitura Neick Lopes.

Voluntária, hoje ela reclama da falta de apoio da prefeitura, que deveria se encarregar da manutenção do local – o Ecofuturo se dispõe a realizar assistências técnicas remotas ou prestas auxílio em casos específicos. Dar continuidade ao projeto, porém, é um dever do governo municipal. “Eles não têm renovado o acervo. Também estamos com número reduzido de funcionários. Temos que seguir de pé, por isso me ofereci para atuar como voluntária”, diz.

Inscrições em prêmios, contatos com editoras e doações têm ajudado a manter a biblioteca de Turmalina atualizada. Mesmo com as dificuldades, Neick aposta na leitura. “Temos que valorizar esse espaço, que é extremamente importante para o desenvolvimento da população”, afirma. Até agora, de acordo com o Ecofuturo, 246 municípios brasileiros nos 26 estados e no Distrito Federal já foram alcançados pela campanha.

dica do Chicco Sal

Go to Top