State Ibirapuera

Posts tagged Raphael Montes

Cinco leituras para o carnaval

0

leitura

A literatura é a grande viagem dos não carnavalescos

Raphael Montes, em O Globo

O carnaval vem aí — na verdade, ele já chegou faz algumas semanas, com muita folia pelas ruas, purpurina, glitter, fantasias e disposição para dar e vender ao enfrentar os blocos sempre abarrotados. Pessoalmente, amo o carnaval, o clima contagiante das pessoas, dá até vontade de sair pulando no meio de todo mundo e de deixar as responsabilidades um pouco de lado.

Acho curioso como tem muita gente que não gosta. No último final de semana, estive com alguns amigos e perguntei o que eles estavam programando para os dias de festa e a resposta foi: ler e relaxar. Sem dúvida, para os que não gostam, o feriado é um ótimo motivo para viajar e ficar longe de toda a muvuca que se cria nas ruas; um bom momento também para ser introspectivo e se preparar para o ano que finalmente vai se iniciar. E nada melhor que uma boa leitura para os dias de descanso — a literatura é a grande viagem dos não carnavalescos. O bloco está nas páginas. Então, aqui vão algumas recomendações de lançamentos recentes que tive a oportunidade de devorar.

No início do ano, terminei de ler o festejado “Enclausurado” (ed. Companhia das Letras), de Ian McEwan, escritor inglês conhecido por obras-primas como “Reparação”, “Amor sem fim” e “Na praia”. A meu ver, Ian McEwan é um autor que une com perfeição a trama bem arquitetada a um texto de qualidade, une entretenimento ao erudito, como defendo com frequência nas minhas colunas neste jornal. Claramente inspirado em Hamlet, “Enclausurado” oferece um narrador inusitado: um feto dentro da barriga de sua mãe que descobre que a genitora planeja matar o ex-marido com a ajuda do amante. É um livro para ser lido no sábado de carnaval, deliciando-se com as viradas da história e as reflexões propostas por um feto irônico e um tanto ácido.

Outra ótima opção para o feriado inteiro é “Casos de família” (ed. Darkside Books), livraço de Ilana Casoy, em edição de luxo com capa dura ilustrando uma espécie de caderno antigo. Isto porque, neste livro, a criminóloga destrincha dois crimes que chocaram o país — os assassinatos do casal Richthofen e o de Isabella Nardoni —, informa bastidores das investigações e, pela primeira vez, revela seus cadernos de anotações utilizados durante a pesquisa na Polícia Civil. Sou fã de Ilana Casoy desde seus primeiros livros, sobre serial killers do mundo e serial killers brasileiros, e é um privilégio ler o trabalho acurado de uma boa profissional. Um prato cheio para quem gosta do mundo investigativo.

Se a ideia for uma leitura mais complexa e aventureira, vale conferir “As primeiras quinze vidas de Harry August” (editora Bertrand Brasil), de Claire North. A meu ver, a maior qualidade deste livro é usar um tema clássico (viagem no tempo) com uma premissa inovadora: Harry é uma pessoa com um dom incomum — toda vez que morre, ele retorna para o início da vida (renasce), mas mantém todas as lembranças e conhecimentos das vidas anteriores. Até compreendermos toda a mitologia criada pela autora, passeamos por diferentes períodos do século XX e culturas de países de todo o mundo, da Inglaterra à Rússia. Um livro perfeito para transitar entre épocas e países, com boas reviravoltas e alguns momentos de tensão.

Outra leitura que superou minhas expectativas foi “Nimona” (ed. Intrínseca), de Noelle Stevenson. Publicada de forma independente na internet, a história ganhou o carinho do público e conquistou uma editora. Confesso que não sou o maior entendedor de histórias em quadrinhos, mas os traços coloridos chamaram minha atenção e comecei a ler despretensiosamente. Quando percebi, estava dando gargalhadas, como quando assistimos a um bom desenho animado. Nimona é uma metamorfa — um ser que pode se transformar em qualquer tipo de animal — e se alia a Lorde Ballister Coração-Negro, o maior vilão que já existiu, mas com um bom coração, para realizar um plano de vingança. Com uma trama bem original, Nimona te fará rir e refletir, com boas doses de ação.

Por fim, e como não poderia deixar de ser, indico um romance policial que comecei a ler esta semana — “O canto dos segredos” (ed. Rocco), da irlandesa Tana French. Tive o privilégio de conhecê-la em Nova York e conversamos muito sobre o gênero. A autora segue o velho e bom estilo whodunit, uma espécie de Agatha Christie moderna, com um interesse maior na profundidade psicológica dos personagens e com uma escrita cirúrgica. Desta mesma autora, li os ótimos “No bosque da memória” e “O passado é um lugar”. Em “O canto dos segredos”, o detetive Stephen Moran é chamado a desencavar o caso de um jovem assassinado em um prestigioso colégio feminino. Entre um bloco carnavalesco e outro, voltarei a tentar desvendar este mistério. Boa folia (e boas leituras) a todos!

Livros para o Natal

0

dicas-de-livros1

Raphael Montes, em O Globo

Em outras oportunidades, já escrevi sobre a aparente dificuldade de conjugar, na literatura brasileira contemporânea, entretenimento com alta literatura

Faz parecer que os dois são elementos absolutamente dissociados, de modo que, como em um Fla x Flu, os literatos preferem ignorar os livros que vendem muito ou os livros de gênero (policial, terror, fantasia), enquanto aqueles que escrevem “entretenimento” torcem o nariz para as experimentações textuais e as riquezas estilísticas. Assim, fica cada um no seu quadrado, ninguém atrapalha ninguém, ninguém tampouco ajuda ninguém, e a vida segue. Basta pensar a última vez que um romance de gênero ganhou o prêmio Jabuti… Em outra via, a última vez que um romance que ganhou o Jabuti chegou às listas de mais vendidos… Casos raros (para não dizer impensáveis).

Pessoalmente, me recuso a ficar em cima do muro. Por isso, vai chegando o fim do ano e meus dedos começam a coçar para escrever minhas listas do ano — como bom virginiano, a tentativa inútil de reunir, ainda que de maneira pouco criteriosa e absolutamente parcial, os melhores livros de 2016. Depois de pensar muito, este ano resolvi fazer diferente. Nas linhas seguintes, indicarei não apenas ótimos livros publicados em 2016, como serão apenas ótimos livros de autores brasileiros. Afinal, já falei bastante aqui da importância de valorizar a produção nacional — e me causa certa tristeza ver como certos autores brasileiros contemporâneos de talento ainda não atingiram o grande público. Por isso, a lista de livros abaixo oferece dicas de presente de Natal, mas serve também para mostrar que é, sim, possível fazer boa literatura brasileira unindo diversão e linguagem. Chega do professor universitário de meia idade compartilhando suas angústias e intenções filosóficas. A literatura brasileira é muito mais do que isso.

Começo por “O romance inacabado de Sofia Stern”, de Ronaldo Wrobel, um dos meus autores favoritos na atual ficção brasileira. Após seu genial livro de estreia, “Traduzindo Hannah”, Ronaldo tinha uma missão difícil pela frente, que cumpriu com louvor ao publicar este novo romance no início do ano. Fui convidado para escrever a orelha e acabei lendo o livro em dois dias, imerso na Alemanha nazista enquanto acompanhava uma história de amor e de suspense bem intrincada, repleta de cenas memoráveis, com ironia fina e linguagem inteligente. Faz lembrar “O segredo dos seus olhos”, só que melhor.

Também em ritmo de thriller, numa mistura de aventura de capa e espada e cenas de ação e erotismo, “Homens elegantes”, de Samir Machado de Machado, merece ser conferido. Na história, Érico é um jovem enviado a Londres para investigar a produção de um romance erótico contrabandeado ao Brasil colonial. Lá, infiltrado na alta sociedade londrina do século XVIII, o protagonista aprofunda sua sexualidade, e Samir aproveita para discutir questões de gênero ao apresentar o vilão da trama, o conde Bolsonaro. Além dos diálogos bem humorados e dos personagens complexos, o grande mérito de Samir está na crítica social: conforme as páginas avançam, começamos a perceber que a sociedade do Brasil colonial apresentada no livro infelizmente não é tão diferente da nossa sociedade brasileira contemporânea.

Trazendo ainda esta reflexão sobre os anos que avançam, mas que parecem continuar os mesmos, vale a leitura de “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, romance de estreia de Martha Batalha. Passado na sociedade carioca dos anos 1940, acompanhamos a história de duas irmãs — Eurídice e Guida — que fazem escolhas diferentes na vida para tentar sobreviver na sociedade machista (da época?). Com uma prosa rica e sem ser panfletária, Martha aborda o empoderamento feminino e traz uma gama de personagens que povoam nosso imaginário, como a vizinha fofoqueira e o solteirão apaixonado.

Falando em personagens femininas fortes, há que se conhecer Corina, protagonista de “As águas-vivas não sabem de si”, romance de estreia de Aline Valek. Corina é uma mergulhadora que faz parte de uma equipe que pesquisa os arredores de uma zona hidrotermal. Passado debaixo d’água, o romance se atém ao grupo de pesquisadores e, nas profundezas, trata mesmo é da solidão, das complexidades humanas e da vastidão do oceano. O oceano, inclusive, é personagem do livro, num misto de ficção científica com linguagem poética. Ainda que seja um romance mais lento, vale ser conferido pela proposta inusitada e pelo texto saboroso.

Por fim, indico com veemência “Os invernos da ilha”, o melhor romance brasileiro que li em 2016. É espantoso que este livro não tenha causado burburinho ou caído no gosto dos jornalistas literários. No primeiro romance de Rodrigo Duarte Garcia, Florian Links se isola na ilha de Sant’Anna Afuera, onde passa a viver em um mosteiro, com planos de se tornar monge. Ali, passa a conviver com Rousseau, um antropólogo excêntrico que estuda o diário do holandês Oliver Van Noort, um corsário que teria deixado um grande tesouro na ilha, séculos atrás. Assim, começa a busca por encontrar o tesouro, ao mesmo tempo em que se forma um clássico triângulo amoroso entre Florian, Rousseau e a bela Cecília. Em sua estreia, o autor escreve um clássico romance de aventuras (raro no Brasil), tecendo duas linhas narrativas com a firmeza de um veterano. A linguagem rica em detalhes contribui para o clima de mistério e confirma como ainda temos muitos campos inexplorados em nossa literatura. Um livro que me deu orgulho de ser brasileiro.

Por que brasileiro não lê autores brasileiros contemporâneos?

1
Da esquerda para a direita: André Vianco, Raphael Draccon, Carolina Munhóz e Eduardo Spohr, autores de literatura fantástica brasileira. Imagem: Divulgação

Da esquerda para a direita: André Vianco, Raphael Draccon, Carolina Munhóz e Eduardo Spohr, autores de literatura fantástica brasileira. Imagem: Divulgação

 

Raphael Montes, em O Globo

Semana passada, fui abordado em uma livraria do Leblon por uma moça que queria ajuda na escolha de um livro de suspense ou de aventura. Entre os lançamentos, recomendei livros do André Vianco e do Raphael Draccon. A moça estava bastante entusiasmada com as indicações até ler a biografia dos autores. Sua expressão mudou subitamente e ela largou os livros com um vigoroso “ai, autor brasileiro não, né?”. Perguntei qual era o problema e ela se defendeu, dizendo que o livro não era para ela e que “dar de presente livro nacional pega mal, né?”. Sem muita paciência, me afastei, mas fiquei observando quando ela pescou um Harlan Coben na prateleira e enfiou-se na fila para pagar.

Dias antes, eu havia dado uma palestra ao lado de diversos autores de literatura nacional. O evento estava cheio e o entusiasmo dos leitores em ter contato direto com autores era evidente. Diante de episódios tão díspares, foi inevitável a pergunta: por que o brasileiro não lê brasileiros? Sendo mais específico: por que brasileiro não lê brasileiros contemporâneos?

Quero falar daquelas obras de gênero (policial, fantasia, chicklit, terror) que disputam com os best-sellers e, vez ou outra, conseguem seu espaço no mercado editorial. André Vianco, por exemplo, chegou na marca de um milhão de exemplares com suas histórias de vampiro — tema bastante explorado em obras estrangeiras também. O mesmo vale para Thalita Rebouças e Paula Pimenta, fortíssimas no segmento jovem. Há romances nacionais para os mais variados gostos, sempre trazendo características e paisagens tipicamente brasileiras, o que torna a identificação com a história muito mais eficaz. Por que, então, os livros estrangeiros ainda têm preferência?

A internet deu voz a diversos potenciais contadores de histórias. A facilidade no contato com os leitores e editoras; a praticidade e a eficácia da divulgação, além de outros recursos que o mundo virtual disponibiliza são os motivos que tornaram mais fácil o surgimento de novos autores — em sua maioria jovens — no mercado editorial. Ao passo que o número de escritores cresceu, a publicação também sofreu mudanças. Sua forma tradicional deixou de ser o único meio pelo qual um livro é editado e posto à venda. Abriu-se um leque de alternativas que vão desde a publicação independente até a premiação em concursos literários. Isso é ótimo, pois aumentou a variedade de temas e deu maior destaque à produção nacional. Ao fazer sucesso, um escritor ajuda não só a si, como a todos que produzem aquele tipo de literatura no país.

Por outro lado, com o crescimento da quantidade de textos publicados, a qualidade diminuiu. Buscando realizar o sonho de ter seu livro à venda, muitos escritores não tomam os cuidados devidos na hora de lançar sua obra no mercado: falta paciência, profissionalismo e comprometimento. Daí, alguns romances chegam às prateleiras mal revisados e mal editados, o que denigre a imagem da literatura nacional de gênero — que ainda está em delicada construção.

Muitas vezes apontada como a vilã da história, a editora precisa ser defendida. A maioria das editoras recebe dezenas de originais por semana, o que torna impossível a cuidadosa avaliação de todos eles. Assim, destacam-se na pilha aqueles que prendem logo nas primeiras páginas e que trazem uma proposta bem feita, sem erros graves de gramática etc.

Uma vez editado, o romance brasileiro entra em uma verdadeira selva, disputando atenção e espaço com best-sellers estrangeiros que já chegam ao país com a onda do sucesso. Como todo negócio, as editoras precisam sobreviver financeiramente. Por isso, costumam investir pesado na produção, na distribuição e na divulgação dessas obras internacionais. São títulos que já deram um retorno positivo em outros países e, provavelmente, trarão bons números por aqui também. Vencer esta barreira de marketing para chegar ao leitor brasileiro é um grande desafio ao escritor nacional.

Nesse sentido, os blogs e canais literários são essenciais para a divulgação de um livro. Essas plataformas apresentam lançamentos e resenhas que geram uma repercussão inimaginável junto aos leitores. Quando uma rede de leitores especializados elogia um romance, a propaganda se difunde rapidamente na rede. Além disso, a internet facilita o contato direto entre escritores — principalmente nacionais de gênero — e blogueiros. Há vantagens para os dois lados: para o escritor, que acompanha de perto o retorno sobre sua obra; para o blogueiro, que pode trocar ideias e fazer entrevistas.

Infelizmente, alguns blogs acabam esquecendo que seu principal papel é difundir o gosto pela leitura. Muitos se deixam levar pelo sistema de parcerias (ganham livros de autores e/ou editoras para sortear) e acabam baixando a qualidade ou simplesmente deixando de comprar obras — uma vez que recebem quase todas de graça. A mim, isso parece uma inversão de papéis.

Por fim, claro, os leitores. Como os títulos brasileiros não costumam receber maior atenção da imprensa, o boca a boca acaba sendo responsável pela quebra do preconceito que muitos leitores têm com obras nacionais. Além disso, o leitor é a força maior que leva um escritor a se dedicar ao seu romance. Sem leitores não há escritores. É essencial que todos juntos se dediquem a criar uma literatura brasileira de gênero cada vez mais especializada e bem difundida entre nós. Vamos em frente?

O que você vai ser quando crescer?

0

crescer

Naquela madrugada chuvosa, descobri que ilusão, surpresa, fantasia e encenação podem conviver em um mesmo lugar: nos livros

Raphael Montes, em O Globo

Eu tinha cinco anos quando, pela primeira vez, uma senhora me perguntou: “O que você vai ser quando crescer?”. Aquilo me congelou. Olhei para ela com um sorriso amarelo. Era como se eu não pudesse voltar atrás: resposta dada, futuro definido. Muitos dos meus amigos da escolinha já tinham a resposta na ponta da língua e viviam anunciando seus futuros por aí: o Pedro seria astronauta, o Jonas seria bombeiro e o Pablo seria jogador de futebol. Naquela altura, isso me parecia tão certo quanto dois e dois são quatro. Para mim, astronauta sempre pareceu cansativo demais, bombeiro arriscado demais e jogador de futebol delirante demais — me colocar com uma bola no pé já representava um grande risco à sociedade.

Sentindo-me um peixe fora d’água, assumi para a velhinha que, no auge dos meus cinco anos de idade, eu ainda não sabia que rumo tomar na vida. Minha via-crúcis seguiu pelos anos seguintes, entre abordagens malsucedidas e escolhas dúbias. Aproveitei para perguntar aos meus pais o que eles queriam ser quando tinham minha idade. Minha mãe disse que sempre quis ser advogada, mas acabou fazendo Biologia, obrigada pela minha avó, para quem “advogado não era profissão de mulher”. Apenas anos depois, quando ela já era minha mãe (incrível pensar que teve uma vida antes de ser minha mãe), ela decidiu cursar direito e se formou advogada. Aos cinco, meu pai queria ser cobrador de ônibus porque, segundo ele, “vivia mexendo com dinheiro”.

Lembrei-me, então, de um tio-avô que viajava muito para uma colônia de férias em Pentagna, próximo ao município de Valença, e passava muitos meses por lá, descansando, encontrando amigos, vendo TV. Perguntei ao meu pai o que aquele meu tio-avô fazia e a resposta foi: “Ele é aposentado”. A partir daquele dia, decidi que, quando crescesse, eu queria ser aposentado. A possibilidade de ter muitas horas de ócio e viver viajando me parecia tentadora demais para eu não agarrá-la com unhas e dentes. Só mais tarde me explicaram que, antes de ser aposentado, eu precisaria ter outro emprego. Foi uma tristeza, claro, mas não me deixei abater.

Aos dez anos, decidi que seria mágico. Eu estudava no Colégio de São Bento e vivia de um lado pro outro com um maço de cartas nas mãos, mandando alguém escolher uma carta ou pensar em um número para que eu adivinhasse, buscando alguém para me dar uma moeda ou outro objeto pequeno que eu faria sumir diante de seus olhos. Comprava novos truques em um quiosque que havia no shopping Rio Sul, via e revia um show do David Copperfield que passara na Rede Globo, com apresentação da Ana Furtado, que eu tinha gravado num VHS. A prática leva à excelência, eu sabia. Mas nunca cheguei a ser realmente bom naquilo. Eu era determinado, mas meu público era um só e já ia ficando impaciente após ver o mesmo truque pela vigésima vez. De todo modo, a mágica me encantava por sua capacidade de surpreender e de iludir diante dos olhos. Ilusão e surpresa: duas sensações que sempre me fascinaram.

Depois, resolvi ser ator. Eu gostava de me sentir na pele de outro — pensar e agir como outra pessoa. Fiz um curso de teatro na Barra da Tijuca e cheguei a me apresentar em um ou dois espetáculos infantis, o suficiente para perceber que eu não tinha o menor talento para aquilo também.

Então, em uma noite chuvosa, naquela mesma colônia de férias em Pentagna, eu estava com minha tia-avó Iacy quando ela me entregou um exemplar de “Um estudo em vermelho”. Eu nunca havia lido um livro que não fosse daqueles obrigatórios na escola. Fiz cara feia, não queria ficar lendo, mas minha tia-avó insistiu e, afinal, por que não? Estava chovendo!

Quando percebi, tinha mergulhado de cabeça naquele universo, investigando crimes com Sherlock Holmes, tenso pelo que viria nas páginas seguintes e ansioso para chegar ao final. Naquela madrugada mesmo, terminei o livro. Eu estava em êxtase, como só ficamos quando nos deparamos com uma revelação, com todo um mundo novo e cheio de possibilidades. Ainda naquelas férias, li “A volta de Sherlock Holmes” e dois infanto-juvenis de Sidney Sheldon: “O fantasma da meia-noite” e “A perseguição”. Ainda naquelas férias, resolvi que seria escritor.

Fiz meus primeiros contos e, logo depois, um romance policial nunca publicado. Depois, vieram os outros livros. Naquela madrugada chuvosa, descobri que ilusão, surpresa, fantasia e encenação podem conviver em um mesmo lugar: nos livros. Mágica e atuação permeiam na mente do escritor. Sem falar no ócio, fundamental para alimentar as boas ideias. Por isso, escrevo livros, roteiros e, semanalmente, esta coluna. De certo modo, continuo a ser aquele moleque na dúvida do que vai ser quando chegar lá, quando crescer.

Do Brasil para o mundo : não enfiar ‘brasilidades’ nas narrativas não significa negar nossa identidade

0

melina-abertura1

Raphael Montes, em O Globo

Alguns dias atrás, enquanto me distraía em uma rede social, encontrei uma interessante matéria jornalística sobre a literatura brasileira produzida pela nova geração de escritores. Endossada por trechos destacados de escritores prestigiados como Carola Saavedra e Luiz Ruffato e por críticos como Manuel da Costa Pinto e Beatriz Resende, a reportagem defendia que as histórias em ambientes rurais e tropicais, com cenários tipicamente brasileiros, foram substituídas na literatura contemporânea por histórias em que a voz subjetiva do escritor ganha maior evidência (vide tantos textos em primeira pessoa e a moda da “autoficção”), situadas num ambiente mais urbano e universal.

Para minha surpresa, o link da matéria estava postado em uma comunidade de leitores e, nos comentários, a larga maioria criticava essa ausência de identidade nacional nas narrativas — as acusações iam de “por isso que não leio autor brasileiro” a “é ridículo que esses autores atuais fiquem tentando copiar os norte-americanos”. Ainda que eu não fizesse parte da discussão, me pus a pensar no assunto.

Pessoalmente, ao escrever, nunca tive preocupação em acrescentar este ou aquele detalhe ao livro para soar mais brasileiro — ou, falando como gringo, soar mais exótico. Acredito que, na medida em que um escritor é brasileiro, antenado a sua cultura, a seus costumes e às particularidades do país, os elementos típicos vão entrando naturalmente, sem que haja a necessidade de se preocupar com isso. Vale dizer: um livro tem nuances brasileiras simplesmente ao ser escrito por um brasileiro — e basta!

É importante dizer que a opção de não enfiar “brasilidades” goela abaixo das narrativas não significa negar nossa identidade, mas sim tratá-la como algo natural, que nasce sem grande esforço. Por muito tempo, a própria expectativa do mercado internacional em relação às narrativas produzidas no Brasil (seja na literatura ou no audiovisual) passava necessariamente por elementos como favela, miséria no Nordeste, corrupção, carnaval, caipirinha e futebol.

A mim, tudo isso sempre pareceu meio absurdo — para não dizer ridículo. Afinal, muito além da nacionalidade, somos todos humanos — e o maior mérito da boa literatura é retratar a alma humana na sua complexidade, independentemente da localização geográfica das personagens. É também isso que permite a crescente profissionalização do escritor brasileiro — outro ponto abordado pela reportagem e criticado nos comentários na rede social.

Nos últimos anos, cresceu o número de pessoas no país que se dedicam apenas a escrever. Nesta seara, um aspecto fundamental que a matéria deixa de abordar é o crescimento da literatura de gênero no Brasil. Qualquer país com uma literatura efetivamente sólida tem uma grande variedade de obras de gênero. Nos Estados Unidos, por exemplo, a seção de livros policiais é subdividida em outras tantas como: crime de espionagem, whodunit, thriller médico, crimes reais, suspense romântico, suspense psicológico, suspense histórico. E, claro, cada um desses subgêneros é explorado por centenas de autores, o que cria um ambiente competitivo, variado e profissional, com um público-leitor fiel e muitas feiras e prêmios voltados ao segmento.

Enquanto isso, a literatura brasileira de gênero — romance, terror, policial, fantasia — sempre enfrentou percalços. Para começo de conversa, encontrava barreiras nos acadêmicos e nos críticos — como esperado de um país subdesenvolvido, só se podia escrever literatura de vanguarda, com elucubrações linguísticas; a literatura de gênero era algo menor. Com isso, as editoras não buscavam esse tipo de livro nos autores nacionais e muitos escritores com vontade de contar boas histórias de gênero se “moldavam” ao sistema para conseguir publicar. No fim das contas, quem saía perdendo era o público, com as livrarias invadidas por best-sellers norte-americanos ou europeus, mas sem chance de ler essas histórias escritas por brasileiros.

Felizmente, nos últimos anos, o cenário mudou. A literatura fantástica teve seu estouro com autores como Eduardo Spohr, Raphael Draccon e Carolina Munhóz, o juvenil se viu representado por fenômenos como Thalita Rebouças e Paula Pimenta e o mesmo vem acontecendo com autores de erótico, de terror e de policial. Com isso, as editoras brasileiras têm buscado autores nacionais de gênero para integrar seus catálogos e todo um novo mercado se sedimenta nesse sentido. Por chegar ao grande público, o autor brasileiro de literatura de gênero é um dos que mais consegue viver “apenas dos livros” hoje em dia e, sem dúvida, contribui fortemente para a internacionalização da nossa literatura. Apesar disso, não havia sequer um autor de literatura de gênero entrevistado ou citado na referida matéria. Prova cabal de que o caminho pela frente ainda é longo…

Go to Top