Praças da Cidade

Posts tagged Sal

Sem patrocínio, começa no Rio o 19º Salão do Livro Infantil e Juvenil

0
Crianças visitam o Salão do Livro Infantil e Juvenil em edição passada - Divulgação

Crianças visitam o Salão do Livro Infantil e Juvenil em edição passada – Divulgação

Publicado na IstoÉ

Começou ontem (21), exclusivamente para professores, o 19º Salão do Livro Infantil e Juvenil, promovido pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), no Centro de Convenções SulAmérica, na Cidade Nova, região central do Rio de Janeiro. A partir de amanhã (22), o evento estará aberto para escolas e o público em geral.

“O salão está cinco vezes menor; a gente está sem patrocínio”, lamentou, em entrevista à Agência Brasil a secretária-geral da fundação, Beth Serra. Em vez de 12 dias de duração, como aconteceu nas edições anteriores, o Salão 2017 foi reduzido para oito dias, estendendo-se até 28 deste mês. “Mas a gente conseguiu, pelo menos, manter a sequência”.

Em 2018, o Salão do Livro Infantil e Juvenil completará 20 anos de existência. “Eu costumo dizer que 2016 foi o salão da resistência. Este ano, é o salão da perseverança, da teimosia”, sublinhou Beth. Ela acredita, porém, que o Salão voltará ao tamanho anterior, conseguindo novos patrocínios. “Acredito que tem uma luz no fim do túnel para que as coisas sejam diferentes no ano que vem. A gente não perde a esperança”.

Verba para livros

Apoios tradicionais do passado, como da Petrobras; do Departamento do Livro, da Leitura e da Biblioteca, do Ministério da Cultura; e da Secretaria Municipal de Cultura do Rio não tiveram continuidade este ano. O que garantiu a realização do evento foi a manutenção, pela prefeitura carioca, da verba para os professores adquirirem livros no evento, informou Beth Serra.

“Isso já é uma tradição quase do início do salão, criada na gestão do prefeito Cesar Maia, que se mantém ao longo dos anos. Os secretários de Educação mantêm isso, o que motiva os editores a estarem presentes, porque tem a verba garantida para compra dos livros”, explicou. Nesta edição, participam 37 editoras.

Professores de mais de 1.500 escolas vão comprar livros no salão. Beth salientou que isso faz parte do projeto de leitura e de educação do município. A verba dada pela prefeitura soma cerca de R$ 960 mil, à média de R$ 600 por escola, e se destina exclusivamente à aquisição de literatura infantil. Segundo Beth, esses recursos são muito importantes, porque o Programa Nacional da Biblioteca na Escola, do Ministério da Educação, que era fundamental para a formação de leitores jovens, foi interrompido em 2015.

A expectativa é que 5 mil crianças da rede municipal de ensino visitarão o salão, que receberá também estudantes de escolas particulares e de organizações não governamentais (ONGs) que trabalham com leitura e literatura. No espaço ocupado nesta edição do evento cabem 700 pessoas por turno (manhã e tarde).

Seminário

Em paralelo ao Salão do Livro Infantil e Juvenil, será realizado nos dias 26 e 27 próximos o 19º Seminário FNLIJ Bartolomeu Campos de Queirós, cujo tema central é o Prêmio FNLIJ: Seleção 2017. O seminário é voltado para educadores, que têm a oportunidade de conhecer os vários livros premiados pela entidade, recomendados para constar de bibliotecas das escolas para leitura de professores, alunos e suas famílias. Foi mantido também este ano o encontro de escritores infantis e juvenis indígenas.

Beth Serra destacou que, durante o evento, também haverá encontros paralelos, “que são uma coisa que a gente foi criando e ganharam corpo, mas têm uma demanda grande”. Esses encontros paralelos são abertos ao público, mas limitados ao número de vagas. Não é necessário fazer inscrição prévia. Cada mesa de debate dura em média uma hora, com temas ligados à leitura, literatura, biblioteca. Ao todo, serão 20 encontros paralelos.

O Salão do Livro Infantil e Juvenil ficará aberto de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 17h, e no sábado (24) e domingo (25), das 10h às 18h. O ingresso custa R$ 12,00, com meia entrada para menores de idade, estudantes, idosos e portadores de deficiência. Os agendamentos de visitação escolar e outras informações podem ser feitos nos telefones (21) 2262-9130 / 2262-9840 ou (21) 986047175 (mensagem de Whatsapp) ou pelos e-mails visitacaoescolar@fnlij.org.br e salaofnlij@fnlij.org.br.

Colégio na Bulgária usa heavy metal como sinal de início de aulas

0
Brian Johnson e Angus Young, do AC/DC: acordes no início e fim das aulas na Bulgária Foto: Getty Images

Brian Johnson e Angus Young, do AC/DC: acordes no início e fim das aulas na Bulgária
Foto: Getty Images

Publicado por Terra

Os alunos de um colégio de ensino médio da Bulgária saberão quando as aulas começam e terminam com os acordes de “Touch Too Much” e “Thunderstruck”, da banda AC/DC, anunciou nesta segunda-feira o prefeito da cidade de Kavarna, às margens do Mar Negro.

Tsonko Tsonev, prefeito dessa cidade de 12 mil habitantes e um conhecido fã de hard rock e heavy metal, revelou essa peculiar medida durante a abertura do ano escolar no colégio.

“Ao longo de 40 segundos, anunciando respectivamente o início ou o fim das aulas, ao invés do sinal tradicional serão tocadas interpretações de grupos célebres do mundo do rock”, explicou o prefeito.

Tsonev explicou que o sinal mudará mensalmente. Em outubro será a vez de os alunos escutarem Ronnie James Dio, integrante de grupos como Rainbow e Black Sabath. Outros escolhidos pelo diretor para “anunciarem” o início ou fim das aulas são Billy Idol, Whitesnake, Metallica e Manowar.

dica do Chicco Sal

Para os pequenos poliglotas

0

1

Edison Veiga, no Estadão

Com 11 mil títulos, abre no dia 9/8 a Biblioteca Infantil Multilíngue. São livros, DVDs, revistas e gibis em oito idiomas: português, espanhol, japonês, inglês, italiano, francês e alemão. Entre os livros está o ‘Of Thee I Sing: A Letter to My Daughters’ (foto), do presidente americano Barack Obama. Criada por Duda Porto, a biblioteca já funcionava parcialmente desde novembro (quando foi capa do Divirta-se) e integra o Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. O acesso é grátis e aberto ao público.

R. Álvaro Alvim, 90, V. Mariana. 8h/19h (sáb., 9h/16h, fecha domingo).

dica do Chicco Sal

Você doa um livro e ele é incluído em uma cesta básica

0

Débora Andreucci, no Hypeness

O projeto Leitura Alimenta incentiva as pessoas a doarem um livro que será incluído em uma cesta básica. A intenção do projeto é de criar o hábito da leitura em pessoas que têm acesso restrito a livros. Você faz assim: vai até uma Livraria da Vila e deposite na urna de doações, simples assim.

1
1
1
1

Alexandre Xavier, sócio da Cesta Nobre

Rafael Seibel, sócio da Livraria da Vila
Saiba mais sobre o projeto> e se quiser, curta também a fanpage deles no Facebook.

dica do Chicco Sal

Táxi também é cultura

1

1

Gilberto Dimenstein, na Folha de S.Paulo

Adoro aqui falar e apoiar ideias simples que ajudam a convivência numa cidade – sem gastar nada ou quase nada.

Numa cidade como São Paulo é normal passar muito tempo num táxi. Por que não transformar o táxi num ponto de leitura de livros?

Dessa pergunta, quem sabe está nascendo uma gigantesca biblioteca móvel.

A experiência começou na Vila Madalena, criada pelo Instituto Mobilidade Verde, comandada por Lincoln Paiva. O bairro foi convidado a deixar livros no táxi.

Agora, porém, ganha dimensão graças às novas tecnologias da informação. É um dispositivo chamado Easytaxi, que, pelo celular ou computador, nos permite chamar o táxi mais próximo. E podemos acompanhar o trajeto do veículo pela tela. São milhares que táxis que já usam esse dispositivo em várias cidades brasileiras.

Ocorre que o Easytaxi está recolhendo livros e montando uma pequena biblioteca dentro do veículo.

O passageiro que quiser leva o livro para casa. E é convidado (mas não obrigado) a deixar em outro táxi, para formar uma corrente.

Se você quiser doar livros, basta mandar um email para contato@easytaxi.com.br

Se forem mais de duzentos livros, o projeto está disposto a fazer a coleta. De táxi, claro.

dica do Chicco Sal

Go to Top