Sua Segunda Vida Começa Quando Você Descobre Que Só Tem Uma

Posts tagged série

Autora Cassandra Clare anuncia nova série de livros

0

cassandra-clare.jpg

Rachel Guarino, no Cabana do Leitor

Autora Cassandra Clare anuncia em sua conta oficial no Tumblr que está trabalhando em uma nova série de livros. Conhecida pela saga “Instrumentos Mortais”, o primeiro livro da nova série, “Sword Catcher”, acontece fora desse mundo das sombras.

Confira a tradução do anúncio:

Grandes notícias!

Estou muito empolgada em anunciar que eu tenho uma nova série de fantasia em andamento.

Sword Catcher será o primeiro livro da minha nova série para adultos, meu primeiro grande projeto de fantasia. Muitos dos meus leitores tem estado comigo há anos, e cresceram juntos com os meus personagens. E ao longo desses anos, leitores de todas as idades vieram até mim para dizer que gostariam de ler livros sobre personagens mais velhos, e também dizer que amariam me ver construir meu próprio mundo do começo.

Então, estou feliz em dizer que esses livros estão vindo da Del Rey books! Eu estou muito empolgada de estar trabalhando com Anne Groell, que editou os livros de Naomi Novik e George R. R. Martin, entre outros, e tem uma mão e tanto com mundos da fantasia. Estou emocionada de ser publicado pela Random House, que está animado tanto quanto eu para trazer a vocês o conto de um jovem criado para ser o dublê de corpo para um príncipe indigno, uma jovem mulher destinada a mudar o mundo, e uma série de outros personagens que eu mal posso esperar para vocês conhecerem.

Esses personagens – criminosos, príncipes, mágicos, e guerreiros – têm estado na minha cabeça por um tempo, e estou ansiosa para deixá-los sair. Eu não posso falar a data de publicação ainda, já que os livros são um trabalho em progresso. Mas eu mal posso esperar para dividir mais informações com vocês quando eu tiver.

O livro ainda não tem nada de publicação.

“Boneco de Neve”: universo literário de Jo Nesbo ganha as telas

0

michael-fassbender-the-snowman-840x577

Harry Hole, detetive da série de livros policiais, é vivido por Michael Fassbender. Filme tenta traduzir sucesso editorial em franquia

Felipe Moraes, no Metropoles

Contemporâneo de Stieg Larsson, autor sueco da trilogia “Millennium” que morreu antes de desfrutar do sucesso literário, o norueguês Jo Nesbo tenta transformar o detetive Harry Hole, personagem de onze best-sellers, em uma lucrativa franquia de Hollywood. Com Michael Fassbender na pele do policial, “Boneco de Neve” estreia nos cinemas nesta quinta-feira (23/11).

Apesar do inegável sucesso mundial – livros traduzidos para 50 línguas e 33 milhões de cópias vendidas –, Nesbo só teve uma de suas criações adaptadas para o cinema antes de “Boneco de Neve”. Em 2011, o longa norueguês “Headhunters” entrou no mundo corporativo para desnudar um executivo que faz um dinheiro extra como ladrão de obras de arte.

Desta vez, o voo é mais ambicioso. A trama envolve a investigação de Hole em torno de um serial killer que usa bonecos de neve como cartão de visitas. O desaparecimento de uma vítima marca a chegada da talentosa agente Katrine Bratt (Rebecca Ferguson, vista este ano em “Vida”) para conectar o novo crime a casos de décadas atrás nunca solucionados.

Com orçamento de US$ 35 milhões e uma filiação não oficial à atmosfera sombria de “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” (2011), baseado na trilogia de Larsson, “Boneco de Neve” marca o retorno do sueco Tomas Alfredson à direção após “O Espião que Sabia Demais” (2011) e “Deixa Ela Entrar” (2008).

Antes das filmagens, Martin Scorsese chegou a ser cotado para comandar a adaptação. Não fechou, só entrou como produtor executivo, mas mandou emissária. Thelma Schoonmaker, montadora de confiança dele há décadas, dividiu a edição de “Boneco de Neve” com Claire Simpson.

Apesar da quantidade de credenciais artísticas atrativas, o filme sofre nas bilheterias – as cifras mundiais mal passam de US$ 37 milhões – e não tem acolhida gentil da crítica.

Literatura negra é destaque na programação da Flica 2017

0

Literatura_negra

Evento terá espaço com série de atividades, a exemplo de lançamentos de livros e bate-papo com escritoras e escritores negros

Publicado no IBahia

A literatura negra será destaque na Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), entre os dias 5 e 8 de outubro, em Cachoeira, no Recôncavo baiano. A Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), inclusive, organiza uma série de atividades, a exemplo de lançamentos de livros e bate-papo com escritoras e escritores negros, além de manifestações culturais de matriz africana.

De quinta-feira (5) a sábado (7), no Espaço Educar para Transformar, estão previstos lançamento e divulgação de diversos livros, a exemplo do infantil ‘Bucala: A pequena princesa do Quilombo do Cabula’, de Davi Nunes; ‘Mulheres negras e museus de Salvador: Um diálogo em preto e branco’, de Joana Flores; e ‘Política, economia e questões raciais – a conjuntura e os pontos fora da curva, 2014 a 2016’, de Elias Sampaio.

Ainda haverá o lançamento das obras ‘Parem de nos matar’ e ‘Canções de amor e dengo’, de Cidinha da Silva; e ‘Dia bonito pra chover’ e ‘Sobejos do mar’, escritos por Lívia Natália. As autoras participam, inclusive, de bate-papo com o público, na área do anfiteatro.

O público ainda poderá conferir um acervo de livros da biblioteca do Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, com publicações especializadas em temas que tratam das relações étnico raciais, história da África, dentre outros.

Programação da Sepromi

Quinta-feira (5)

15h30 – Lançamento do livro ‘Bucala: A pequena princesa do Quilombo do Cabula’ / Autor: Davi Nunes

17h – Lançamento do livro ‘Mulheres negras e museus de Salvador: Um diálogo em preto e branco’/ Autora: Joana Flores.

Sexta-feira (6)

14h30 – Lançamento do livro ‘Política, economia e questões raciais – a conjuntura e os pontos fora da curva, 2014 a 2016’ / Autor: Elias Sampaio

16h – Lançamentos dos livros ‘Parem de nos matar” e ‘Canções de amor e dengo’ / Autora: Cidinha da Silva (com bate-papo / Diálogos Insubimissos)

Sábado (7)

14h30 – Lançamento do livro ‘Comentários ao Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa do Estado da Bahia’ / Organizador(a): Sérgio São Bernardo e Cléia Costa Santos;

16h – Lançamentos dos livros ‘Dia bonito pra chover’ e ‘Sobejos do mar’ / Autora: Lívia Natália (com bate-papo / Diálogos Insubimissos)

16h – Grupo cultural ‘As Paparutas’ – samba da comunidade quilombola Ilha do Paty (São Francisco do Conde) – pelas ruas de Cachoeira

Game of Thrones | Inteligência Artificial criou sua própria versão de Os Ventos do Inverno

0

landscape-ustv-game-of-thrones-whitewalkers-760x428

Marina Val, no Jovem Nerd

Por mais que os atrasos de Os Ventos do Inverno, próximo livro de As Crônicas de Gelo e Fogo, já fossem esperados, é difícil lidar com a ansiedade de saber o que acontece no universo criado por George R. R. Martin.

Um engenheiro de softwares chamado Zack Thoutt conseguiu uma solução que pode ser um pouco melhor que xingar muito o autor no Twitter: criar uma Rede Neural Recorrente para analisar os livros já lançados e criar sua própria versão de Os Ventos do Inverno.

A inteligência artificial já criou pelo menos cinco capítulos (que podem ser lidos no GitHub) nos quais ela “previu” situações como Jaime Lannister matando a própria irmã e Daenerys sendo envenenada por Varys, além de criar seu próprio personagem, chamado “Greenbeard”.

Segundo Thoutt, em entrevista ao Motherboard:

Eu sou um grande fã de Game of Thrones, os livros e a série. Eu já tinha trabalhado com Redes Neurais Recorrentes um pouco em aulas e pensei em dar uma chance para trabalhar com os livros.

Atualmente, Thoutt está trabalhando em melhorar a “memória” da rede neural, para fazer com que ela leve em consideração eventos dos livros anteriores, como personagens que já morreram.

Claro que nenhuma das situações criadas pela rede neural é considerada cânone na série de livros de George R. R. Martin, mas parece um jeito divertido para passar o tempo enquanto o autor não publica sua nova obra.

Os livros sensacionais da Coleção Vaga-Lume

0
(Reprodução/Divulgação)

(Reprodução/Divulgação)

A maioria de nós tomou gosto pela leitura com essa série de livros infanto-juvenis

Roosevelt Garcia, na Veja SP

Muitas crianças e adolescentes dos anos 70 e 80, incluindo eu e provavelmente você, adquiriram o gosto pela leitura graças a uma coleção de livros lançada no início dos anos 70 pela Editora Ática, a Coleção Vaga-Lume. Os livrinhos, destinados ao público infanto-juvenil, foram um grande sucesso naquela época, e continuam sendo publicados até hoje.

A coleção nasceu no final de 1972 e ajudou muito a Ática a se fortalecer no mercado editorial, porque foram imaginados para serem usados nas escolas, como fonte de leitura para trabalhos escolares. Eles vinham, inclusive, com um encarte à parte, chamado de “suplemento de trabalho”, que ajudava o pequeno leitor a compreender melhor as estórias em uma série de exercícios de análise do livro. Assim, se tornou comum professores do primeiro e segundo graus de todo o país indicarem esses livros como parte do programa de leitura anual de seus alunos.

Verdadeiro fenômeno de vendas, a coleção tem exemplares que ultrapassaram facilmente os 2 milhões de exemplares. Autores que já eram consagrados na época, como Maria José Dupré e Marcos Rey, tiveram obras publicadas na coleção. Marcos Rey – na verdade, o pseudônimo do escritor Edmundo Nonato – já era bem conhecido na época por seus romances e contos adultos, e foi na Vaga-Lume que ele escreveu seus primeiros livros para o público infanto-juvenil. Outros autores, como Marçal Aquino e Marcelo Duarte, escreveram exclusivamente para a coleção.

(Reprodução)

(Reprodução)

A Ilha Perdida, O Escaravelho do Diabo, Aventuras de Xisto, Cabra das Rocas e O Caso da Borboleta Atíria são títulos que foram publicados na primeira fase da coleção e continuam sendo lembrados até hoje, e alguns também ganharam republicações recentes. A coleção conta atualmente com mais de noventa títulos, e apesar de completamente reformulada, ainda faz muito sucesso nas escolas.

Um de seus volumes mais conhecidos, O Escaravelho do Diabo, de Lúcia Machado de Almeida, recentemente foi parar nas telas do cinema, alcançando um relativo sucesso de público. Outros filmes baseados em livros da coleção podem estar a caminho, já que títulos como O Mistério do Cinco Estrelas e Um Cadáver Ouve Rádio também tiveram seus direitos comprados para uso no cinema. Vamos esperar ansiosos para ver a materialização destes clássicos da nossa infância!

Go to Top